Força Aérea Brasileira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Força Aérea Brasileira
Brasão da Força Aérea Brasileira
País  Brasil
Subordinação Ministério da Defesa
Missão Defesa aérea
Efectivo 80 937 militares ativos[1]
715 aeronaves[2]
Sigla FAB
Criação 20 de janeiro de 1941 (81 anos)
Período de actividade 20 de janeiro de 1941–presente
Patrono Alberto Santos-Dumont[3]
Eduardo Gomes[4]
Marcha Hino dos Aviadores Brasileiros
Lema Asas que protegem o País
História
Guerras/batalhas Segunda Guerra Mundial (1942–1945)
Guerrilha do Araguaia (1972–1974)
Operação Traíra (1991)
Bases Aéreas
Bases Aéreas Afonsos  · Anápolis  · Boa Vista  · Belém  · Brasília  · Cachimbo  · Campo Grande  · Canoas  · Florianópolis  · Fortaleza  · Galeão  · Manaus  · Natal  · Porto Velho  · Recife  · Santa Cruz  · Santa Maria  · Salvador  · Santos  · Guarulhos/São Paulo  · Parnaíba/Piauí  ·
Estações CINDACTA I, II, III, IV
Complexos AFA, EEAR, EPCAr, ILA, DCTA, ITA
Aeronaves
Aviões de Caça Gripen NG, Northrop F-5E/F Tiger
Aviões de Ataque AMX International AMX
Helicópteros UH-1 Iroquois, Bell 206, UH-60 Black Hawk, Eurocopter AS-332 Super Puma, Eurocopter EC 135, Eurocopter EC 725, Eurocopter Ecureuil, Mil Mi-35
Aviões de Reconhecimento Elbit Hermes 450, Elbit Hermes 900
Aviões de Patrulha Embraer EMB-110 Bandeirante, Lockheed P-3 Orion, Embraer EMB-111 Bandeirante Patrulha
Aviões de Instrução Embraer EMB 312 Tucano, Embraer EMB 314 Super Tucano, Neiva T-25
Aviões de Transporte Airbus A319CJ VC1A, Embraer Lineage VC2, Casa C-295, Embraer EMB-110 Bandeirante, Embraer EMB 120 Brasilia, Embraer EMB-121 Xingu, Embraer ERJ-135, Embraer ERJ-145, Learjet 35, Learjet 55, C-130 Hércules, Embraer KC-390
Insígnias
Distintivo de cauda Brazilian Air Force fin flash.svg
Cocar Roundel of Brazil.svg Roundel of Brazil - Low Visibility.svg
Cocar
(2ª. Guerra Mundial)
Brazilian Air Force WW2 roundel.svg
Comando
Tenente-Brigadeiro do Ar Marechal do Ar FAB.gif Carlos de Almeida Baptista Júnior[5]
Sede
Sede Brasília
Endereço Bloco M - 7º Andar, Esplanada dos Ministérios
Internet Site oficial

Força Aérea Brasileira (FAB) é o ramo aéreo das Forças Armadas do Brasil e um dos três serviços uniformizados nacionais, além das Forças Auxiliares (PM e BM). A FAB foi formada quando os ramos aéreos do Exército e da Marinha foram fundidos em uma força militar única. Ambos os ramos de ar transferiram seus equipamentos, instalações e pessoal para a nova força armada.

Formalmente, o Ministério da Aeronáutica foi fundado em 20 de janeiro de 1941 e o seu ramo militar foi chamado "Forças Aéreas Nacionais", alterado para "Força Aérea Brasileira" (FAB) em 22 de maio daquele ano. Os ramos aéreos do Exército ("Aviação Militar") e da Marinha ("Aviação Naval") foram extintos e todo o pessoal, aeronaves, instalações e outros equipamentos relacionados foram transferidos para a FAB.[6]

A Força Aérea Brasileira obteve seu batismo de fogo durante a Segunda Guerra Mundial participando da guerra antissubmarino no Atlântico Sul e, na Europa, como integrante da Força Expedicionária Brasileira que lutou ao lado dos Aliados na frente italiana.

De acordo com o Flight International e do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, a FAB tem uma força ativa de 77 454 militares e opera em torno de 627 aeronaves, sendo a maior força aérea do hemisfério sul e a segunda na América, após a Força Aérea dos Estados Unidos.[7]

História[editar | editar código-fonte]

Primórdios[editar | editar código-fonte]

O Exército Brasileiro foi o primeiro a demonstrar interesse em atividades aeronáuticas para fins militares, sob a inspiração do Marechal Hermes da Fonseca, que procurou desenvolver a aerostação militar, para fins de reconhecimento de territórios, porém, logo no primeiro voo de balão militar no Brasil, em 20 de maio de 1908, o tenente Juventino Fernandes da Fonseca faleceu em um acidente com este balão, levando ao Exército desistir de prosseguir com seus planos.[8] Os primeiros voos de aviões foram realizados no Brasil em 1910.[9] No dia 14 de outubro de 1911, foi criado o "Aero-Club Brasileiro", com a participação de vários entusiastas, tanto civis como militares, tendo Alberto Santos Dumont como seu presidente honorário.[10] O aeroclube organizou de imediato uma campanha nacional a fim de levantar fundos para permitir a fundação de uma escola de aviação, porém a tarefa foi bastante prejudicada, pelas dificuldades em se obter aviões, material de manutenção e, principalmente, instrutores de pilotagem e de mecânica aeronáutica.[11] Frente aos avanços de outras Armadas, a Marinha do Brasil resolve, em 1916, criar o seu serviço de aviação.[12]

Criação[editar | editar código-fonte]

A criação da Força Aérea Real (Reino Unido) em 1918, da Força Aérea Italiana (Regia Aeronautica) e da Força Aérea da França durante a década de 1920, levou a ideia de unir o poder aéreo brasileiro sob a mesma organização.[13] Juntamente com esses eventos, os estrategistas brasileiros também foram influenciados pelas teorias de Giulio Douhet, Billy Mitchell e Hugh Montague Trenchard.[13]

Após o final da Primeira Guerra Mundial, as escolas de aviação brasileiras continuavam formando pilotos, porém em menor número, já que o orçamento era reduzido.[13] Em 1921, o governo federal determinou a estruturação da defesa do litoral, com o estabelecimento de duas linhas, sendo uma pelo interior e outra ao longo da costa litorânea, ligando o Rio de Janeiro e a região sul do país.[14] Já em 1922, foram criados as bases de operação da aviação naval no Rio de Janeiro (atual Base Aérea do Galeão) e em Santos (atual Base Aérea de Santos).[14] No mesmo ano, foram criadas as primeiras bases de operação no sul do país, em Santa Maria (atual Base Aérea de Santa Maria) e em Alegrete, onde foi desativada pouco tempo depois.[15]

A década de 1920 foi marcada por inúmeros movimentos de contestação à política oligárquica praticada pelo governo federal, fruto dos interesses políticos das classes dominadoras dos estados de São Paulo e Minas Gerais, além do revezamento na presidência da República com a política do café com leite, trouxe descontentamento aos demais estados brasileiros, principalmente aos militares.[16][17] Com isso, surgiu um movimento denominado Tenentismo, o qual causou diversas rebeliões entre os militares de médio e alto escalão do Exército Brasileiro e da Marinha do Brasil.[18]

O primeiro manifesto público para criar um serviço aéreo militar integrado surgiu em 1928,[19] quando o então major do exército Lysias Augusto Rodrigues escreveu um artigo chamado Uma necessidade premente: o Ministério do Ar.[20] Dois anos mais tarde, a Missão Militar Francesa, que estava auxiliando o Exército Brasileiro, deu os primeiros passos para organizar uma força aérea nacional.[13] A ideia recebeu maior apoio quando um grupo de aviadores brasileiros vieram da Itália em 1934 e mostraram as vantagens de ter uma aviação militar unificada.[21] Além disso, a Revolução Espanhola e os primeiros movimentos da Segunda Guerra Mundial no final dos anos 1930 mostraram a importância do poder aéreo para as estratégias militares.[22]

Ambas as aviações militares brasileiras, na década de 1930, criaram correios aéreos.[15] Em 12 de junho de 1931, o Curtiss Fledgling da Aviação Militar, pilotado pelos tenentes Casimiro Montenegro Filho e Nelson Freire Lavenère Wanderley, transportaram a primeira mala postal entre as cidades de Rio de Janeiro e São Paulo, onde enfrentaram diversas dificuldades, como um vento de frente, que reduziu a velocidade para 80 quilometros por hora, aumentando a duração da viagem em duas horas. Ao chegarem a São Paulo, após cinco horas e meia de voo partindo do Campo dos Afonsos, já era noite e, com as luzes da cidade, foi impossível localizar o Aeroporto Campo de Marte, por isso eles aterrissaram na pista do Jockey Club da Mooca (atual Jockey Club de São Paulo).[23] Em apenas seis meses de voos, as rotas já cobriam 1 731 quilômetros, e haviam sido transportados 340 kg de correspondência, além de formar 37 pilotos com experiência em voos de longa distância.[15]

Um dos principais defensores do plano para criar uma força aérea independente foi o então presidente Getúlio Vargas.[24] Ele organizou um grupo de estudos no início de 1940 e toda a estrutura do Ministério da Aeronáutica foi criada no final desse ano.[25] Esta nova agência governamental era a responsável por todos os aspectos da aviação civil e militar, incluindo regulação, infraestrutura e organização.[6]

Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Brasil na Segunda Guerra Mundial
1º GAvCa. Republic P-47 Thunderbolt levava o emblema "Senta a pua!" no nariz juntamente com a insígnia nacional do Brasil.

Em janeiro de 1941, os acontecimentos na Europa em decorrência da Segunda Guerra Mundial levaram o governo brasileiro a centralizar em um único comando as operações aéreas das Forças Armadas do Brasil, criando o Ministério da Aeronáutica, que foi fundado em 20 de janeiro de 1941 e o seu ramo militar foi inicialmente denominado como "Forças Aéreas Nacionais", alterado para "Força Aérea Brasileira" pelo decreto-lei nº 3 302, de 22 de maio de 1941.[26][25] Os ramos aéreos do Exército e da Marinha foram extintos e todo o pessoal, aeronaves, instalações e outros equipamentos relacionados foram transferidos para a FAB.[6]

Com a extinção das aviações militar e naval, a Força Aérea Brasileira herdou 430 aviões de 35 modelos diferentes, todos obsoletos, os quais não permitiriam confrontar potências da guerra, como a Alemanha e União Soviética, o Brasil adquiriu novas aeronaves dos Estados Unidos, através de um acordo de empréstimo e arrendamento,[27] com os primeiros Curtiss P-36 Hawk chegando ao Brasil em 1942.[27] No dia 22 de agosto de 1942, após vários navios brasileiros terem sido torpedeados e afundados, o Brasil declarou guerra a Alemanha e a Itália.[28] Foram montados comboios navais e unidades aéreas da FAB e da Marinha dos Estados Unidos para patrulhar os mares brasileiros, para proteger o país da ameaça submarina alemã.[28] Ao final de 1942, o governo brasileiro decidiu enviar unidades militares para lutar ao lado das nações aliadas na Europa.[29] A Força Expedicionária Brasileira foi composta por setores de infantaria, unidades de artilharia e de um componente aéreo, formado pelo 1º Grupo de Aviação de Caça (1º GAvCA) e pela 1ª Esquadrilha de Ligação e Observação (1ª ELO). Essas unidades chegaram à Itália em 1944 e lutaram juntamente ao Exército e Força Aérea dos Estados Unidos.[29]

Pós-Segunda Guerra e Guerra Fria[editar | editar código-fonte]

Um Boeing B-17 da FAB voa sobre o navio de guerra francês Tartu (D636), ao largo da costa do Brasil em 1963, durante a Guerra da Lagosta.

Após a Grande Guerra, a FAB começou a voar com o caça a jato britânico Gloster Meteor. Os jatos foram comprados dos britânicos por 15 000 toneladas de algodão bruto, como o Brasil não tinha reservas em moeda estrangeira de sobra. O jato foi operado pela FAB até meados dos anos 1960, quando foi substituído pelo F-80C e TF-33A, que mais tarde foram substituídos pelos jatos MB-326, Mirage III e Northrop F-5.

Durante a Guerra Fria, a República brasileira estava alinhada com os Estados Unidos e a OTAN. Isto significava que os F-5 podiam ser comprados mais baratos dos Estados Unidos, que chamavam este jato o "Freedom Fighter". Muitos outros países, como México, também se beneficiaram desta política.

A Embraer (Empresa Brasileira de Aeronáutica, Aeronáutica brasileira Co.) tem suas origens como uma empresa diretamente gerida e promovida pela FAB. Trabalhando com empresas italianas, desenvolveu o avião de ataque AMX nova (conhecida localmente como A-1) que constitui a espinha dorsal da força de ataque da FAB. O bem-sucedido Tucano T-27 e o avião de ataque "A-29", fabricados pela Embraer, também são amplamente utilizados pela FAB.

Século XXI[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Projeto FX-2
Caça F-5EM Tiger II, que será substituído pelo Gripen NG
T-27 Tucano da Esquadrilha da Fumaça, que hoje utiliza o A-29 Super Tucano.[30]
KC-390, o maior avião de transporte militar produzido na América do Sul.[31]
Representação artística do VANT hipersônico 14-X da FAB, dotado de motor Scramjet, testado no Centro de Lançamento de Alcântara em 14 de Dezembro de 2021, na missão 14-XS,[32] parte da Operação Cruzeiro.[33]

Em 18 de dezembro de 2008, o Presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, assinou o Decreto nº 6 703, aprovando a Estratégia Nacional de Defesa. O texto busca reafirmar a necessidade de se modernizar as Forças Armadas. O governo brasileiro lançou um pacote de medidas que, em cinco anos, garantiria investimentos no setor equivalentes a 2,5% do PIB brasileiro, um aumento de 75%. Para 2008, 5,6 bilhões de dólares (de um orçamento 24,4 bilhões de dólares deverão ser investidos em novos equipamentos.[34][35] O projeto de orçamento de 2009 prevê R$ 50,2 bilhões para a Defesa. Destes, R$ 10,9 bilhões para investimentos no Exército, Marinha e Aeronáutica, essa última com uma previsão de R$ 1,2 bilhões destinados ao reaparelhamento.[36]

O governo brasileiro, através do Centro Técnico Aeroespacial e da Agência Espacial Brasileira está investindo alto em um projeto que beneficiará as três forças armadas brasileiras, os satélites geoestacionários brasileiros,[37] apenas com o projeto, já foram gastos R$ 10 milhões,[38] além de beneficiar diversas áreas civis, o projeto beneficiaria as forças armadas, que passariam a ter mais tecnologia para comunicações seguras e para monitorar o vasto território brasileiro, e este seria um embrião, para futuramente abandonar o sistema GPS estadunidense e criar um próprio sistema de tecnologia nacional. O Brasil é um dos 15 países que mantêm programas espaciais no mundo e o único na América Latina com um programa nesses moldes.[39]

O ministro da defesa Nelson Jobim, coordena uma licitação internacional de R$ 8 bilhões, para aquisição de aeronaves caça de última geração,[40] esta não é uma simples licitação para compra de aeronaves, o governo brasileiro pretende também adquirir a tecnologia necessária para fabricar seus próprios caças,[41][42] com isto, em caso de conflito, o Brasil não dependerá de importações de aeronaves caça para se defender, terá a tecnologia para fabricá-los no país. As aeronaves que estão na fase final de seleção são a F/A-18E/F Super Hornet da empresa estadunidense Boeing, o Dassault Rafale da empresa francesa Dassault Aviation e o Gripen NG da empresa sueca SAAB.[42]

Já estão em operação na amazônia brasileira, os helicópteros de ataque e missões C-SAR, Mil Mi-35M, designados pela Força Aérea Brasileira como AH-2 Sabre, são helicópteros adquiridos da empresa russa Rosoboronexport, em contrato de US$ 363 milhões[43] firmado em 2008.[44]

Já está concretizado pelo Ministério da Defesa, o negócio com as empresas Eurocopter da França e a brasileira Helibrás, por 1,890 bilhão de euros, para a compra e fabricação no Brasil, com transferência de tecnologia, de 50 helicópteros EC-725 Super Cougar, que estão entre os helicópteros militares de transporte de tropas mais modernos do mundo, também foram adquiridos quinze helicópteros UH-60L Black Hawk já foram encomendados pelo Ministério da Defesa por US$ 525 milhões as empresas estadunidenses Sikorsky Aircraft Corporation e General Electric Engines.[45]

Cem aviões leves de ataque A - 29 Super Tucano já foram entregues, foram adquiridos da empresa brasileira Embraer, esta aeronave é um sucesso de vendas da empresa, e inclusive foi utilizada no ataque da Força Aérea Colombiana a um acampamento do grupo narcoguerrilheiro Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, onde Raúl Reyes, o número 2 na hierarquia do grupo, veio a óbito.[46]

O governo brasileiro, através da Força Aérea Brasileira, está participando em sociedade com as empresas Mectron do Brasil, a sul-africana Denel Aerospace Systems e a Força Aérea Sul-Africana no desenvolvimento e construção do míssil ar-ar A-Darter, projeto estimado em US$ 130 milhões, este míssil equipará os sessenta e oito caças F-5 da Força Aérea Brasileira, e as futuras aeronaves de 5º geração que serão adquiridas em processo licitatório que está em andamento. Além disto, a empresa Mectron desenvolveu para a FAB, outros mísseis, como o MAA-1B Piranha[47] e o míssil antirradiação MAR-1, que foi concebido para atacar radares de sistemas de defesa antiaérea, terrestres e marítimos.[48]

Também está em desenvolvimento pela Embraer, com apoio do governo brasileiro, uma nova aeronave para transporte de tropas, cargas e lançamento de paraquedistas, a ser utilizada pela FAB, o Embraer KC-390,[49] o congresso brasileiro aprovou R$ 800 milhões para a Embraer concluir o projeto, já é considerada pela imprensa especializada como a aeronave mais moderna da categoria, tal aeronave já despertou interesse internacional, e vários países já demonstraram interesse em adquiri-la e até participar no seu desenvolvimento, como a França e a Colômbia.[50]

A Força Aérea adotou o uso dos veículos aéreos não tripulados, conhecidos pela sigla VANT, que são controlados remotamente por militares. E está em fase de testes o VANT Hermes-450 da empresa israelense Elbit, na Base Aérea de Santa Maria.[51] Outras compras e programas já realizados: Programa F-5BR - modernização dos caças F-5 E/F, concluído; Programa CL-X - compra de 12 aeronaves Casa C-295, todos entregues, com possibilidade de adquirir mais 8 unidades; Programa P-X - compra e modernização, ainda em processo, de aeronaves P-3 para patrulha marítima; Compra de 12 caças Mirage 2000, já entregues; Compra de um novo avião presidencial, o Airbus, já entregue; Compra de 2 aviões de transporte VIP, já entregues. A aeronave escolhida foi Embraer 190; Programa AMX-M - O programa iniciado em 2004 e 'liderado' pela Embraer mostrou atividade ao contratar, em novembro de 2008, a Elbit para o desenvolvimento dos aviônicos para modernizar as aeronaves AMX, Deve ser finalizado até 2014.

Inventário[editar | editar código-fonte]

Gripen NG brasileiro, de fabricação sueca.

Aeronaves[editar | editar código-fonte]

Armamentos[editar | editar código-fonte]

Organização e estrutura[editar | editar código-fonte]

A Força Aérea Brasileira é o ramo aeroespacial das forças armadas brasileiras e é administrada pelo Comando da Aeronáutica (Comando da Aeronáutica – COMAer). O COMAer foi criado em 1999[53] e é designado como braço de serviço das Forças Armadas no âmbito do Ministério da Defesa.

Comandos[editar | editar código-fonte]

O Comando militar da força é exercido pelo Comando da Aeronáutica - COMAER, ao qual estão subordinados três Comandos-Gerais, três departamentos e diversos outros órgãos relacionadas com o funcionamento e administração da aviação brasileira, tanto civil como militar, e da pesquisa e desenvolvimento aeroespacial.[52][53]

  • Grandes Comandos: Comando da Aeronáutica (COMAER)
  • Comando de Operações Aéreas (COMGAR)
  • Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER)
  • Comando de Preparo (COMPREP)
  • Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE)
  • Comando-Geral de Pessoal (COMGEP)
  • Comando-Geral de Apoio (COMGAP)
  • Secretaria de Economia, Finanças e Administração da Aeronáutica (SEFA)
  • Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA)
  • Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA)
Estrutura organizacional da Força Aérea

Unidades aéreas[editar | editar código-fonte]

Em níveis de unidade, os "Grupos" geralmente consistem de um a dezesseis "Esquadrões" numerados consecutivamente, cada um com um número variável de aeronaves, geralmente de seis a 12. Formações menores são conhecidas como "Esquadrilhas". De acordo com suas tarefas, um grupo tem uma das seguintes designações:[53]

  • Grupo de Defesa Aérea (GDA): caças de defesa aérea. (Jatos de combate);
  • Grupo de Transporte (GT): transporte, Reabastecimento de Voo;
  • Grupo de Aviação (GAv): caça, ataque, reconhecimento, SAR, asa rotativa;
  • Grupo de Aviação de Caça (GAvCa): caça, aviões de ataque;
  • Grupo de Transporte de Tropas (GTT): transportes, transporte de tropas, lançamento de pára-quedistas;
  • Grupo Especial de Inspeção em Vôo (GEIV): calibração;
  • Grupo Especial de Ensaios de Vôo (GEEV): vôos de teste;
  • Grupo de Transporte Especial (GTE): transporte especial.

As unidades militares da Força Aérea Brasileira são:[53]

Localização Estado ICAO CODE Air Base
Anápolis Goiás SBAN ALA2 Base Aérea de Anápolis
Belém Pará SBBE ALA9 Base Aérea de Belém
Boa Vista Roraima SBBV ALA7 Base Aérea de Boa Vista
Brasília Federal District SBBR ALA1 Base Aérea de Brasília
Campo Grande Mato Grosso do Sul SBCG ALA5 Base Aérea de Campo Grande
Canoas Rio Grande do Sul SBCO ALA3 Base Aérea de Canoas
Florianópolis Santa Catarina SBFL BAFL Base Aérea de Florianópolis
Fortaleza Ceará SBFZ BAFZ Base Aérea de Fortaleza
Guarulhos São Paulo SBGR BASP Base Aérea de São Paulo
Manaus Amazonas SBMN ALA8 Base Aérea de Manaus
Natal Rio Grande do Norte SBNT ALA10 Base Aérea de Natal
Porto Velho Rondônia SBPV ALA6 Base Aérea de Porto Velho
Recife Pernambuco SBRF BARF Base Aérea de Recife
Rio de Janeiro Rio de Janeiro SBGL ALA11 Base Aérea do Galeão
Rio de Janeiro Rio de Janeiro SBSC ALA12 Base Aérea de Santa Cruz
Rio de Janeiro Rio de Janeiro SBAF BAAF Base Aérea dos Afonsos
Salvador Bahia SBSV BASV Base Aérea de Salvador
Santa Maria Rio Grande do Sul SBSM ALA4 Base Aérea de Santa Maria
Santos São Paulo SBST BAST Base Aérea de Santos
Caravelas Bahia SBCV DESTAE-CV Destacamento da Força Aérea de Caravelas
Macapá Amapá SBMQ DESTAE-MQ Destacamento da Força Aérea de Macapá
São Gabriel da Cachoeira Amazonas SBUA DASG Destacamento da Força Aérea de São Gabriel da Cachoeira
Guaratinguetá São Paulo EEAR Escola de Especialistas de Aeronáutica
Pirassununga São Paulo SBYS AFA Academia da Força Aérea Brasileira
Novo Progresso Pará SBCC Campo de Provas Brigadeiro Velloso

Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento[editar | editar código-fonte]

Unidade Para-SAR em exercício de enfrentamento ao terrorismo.

O Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (EAS), mais conhecido como PARA-SAR ('PARA' de paraquedistas, 'SAR' do inglês search and rescue, "busca e salvamento"), é o Esquadrão de emprego operacional FAB, que realiza missões de operações especiais e de busca e resgate, com um efetivo especialista em missões, evasão e resgate em território hostil, próximo ou atrás das linhas inimigas e C-SAR,[54] está baseado na Base Aérea de Campo Grande, Mato Grosso do Sul.[53]

Infantaria da Aeronáutica[editar | editar código-fonte]

A Infantaria da Aeronáutica, baseada na sua maioria pelos batalhões de infantaria da Aeronáutica, segundo seu regulamento, "tem como missão executar ações convencionais defensivas, ofensivas, e de proteção, a fim de contribuir para o cumprimento da missão constitucional da FAB, preservando equipamentos, instalações e pessoal de interesse da Força Aérea Brasileira".[55]

Controle do espaço aéreo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: CINDACTA

O espaço aéreo é controlado pelo Departamento de Controle do Espaço aéreo (DECEA), através do SISCEAB (Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro), que abrange toda a Circulação Aérea Nacional (CAN). O DECEA exerce sua função por intermédio da atuação de quatro Centros Integrados de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA), o Centro Regional de Controle do Espaço Aéreo - Sudeste (CRCEA-SE), cinco Centros de Controle de Área (ACC), quarenta e sete Centros de Controle de Aproximação (APP), cinquenta e nove Torres de Controle de Aeródromo (TWR), e ainda setenta e nove Destacamentos de Controle do Espaço Aéreo (DTCEA).[56]

Ensino e pesquisa[editar | editar código-fonte]

A Força Aérea Brasileira mantém as seguintes instituições de ensino:

Cerimônia de conclusão do Curso de Formação de Oficiais na Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga, em São Paulo.

Exercícios[editar | editar código-fonte]

Aeronaves participam do exercício Cruzex na Base Aérea de Natal.

A Força Aérea Brasileira realiza operações aéreas com o objetivo principal de treinar suas tropas e testar seus equipamentos para mantê-los sempre capacitados a oferecer uma pronta-resposta em caso de possíveis acionamentos e necessidades. Os exercícios são de variadas naturezas, visando determinadas metas, e envolvem diversas Unidades. Dependendo da manobra, até mesmo Forças Aéreas de outros países: são as operações conjuntas, que trazem benefícios comuns às nações participantes, além de ajudas humanitárias no Brasil ou no Exterior.[63]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Efetivos». Ministério da Defesa (Brasil). Consultado em 24 de dezembro de 2017 
  2. «FAB chega aos 75 anos à espera de aeronaves modernas». Airway. 20 de janeiro de 2016. Consultado em 15 de abril de 2018. Cópia arquivada em 3 de setembro de 2017 
  3. «Personalidades». Força Aérea Brasileira. Consultado em 15 de abril de 2018. Cópia arquivada em 21 de maio de 2008 
  4. «Personalidades». Força Aérea Brasileira. Consultado em 4 de janeiro de 2016 
  5. «Comandante». Força Aérea Brasileira. Consultado em 6 de janeiro de 2019 
  6. a b c «O Brasil na Segunda Guerra Mundial». Sua Pesquisa. Consultado em 22 de janeiro de 2017 
  7. World Air Force 2014 - Flight International, Flightglobal, Acessado em 23 de novembro de 2014
  8. «Acidentes ocorridos de 1908 a 1925». Desastres Aéreos. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  9. «O primeiro voo na América Latina aconteceu em Osasco». Aero Magazine. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  10. «Aeroclube Brasileiro, berço da aviação nacional.». Hangar 33. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  11. «O aeroclube brasileiro e a escola brasileira de aviação.». Hangar 33. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  12. «Aviação Naval comemora 100 anos». Marinha do Brasil. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  13. a b c d Daróz 2016, p. 108
  14. a b Daróz 2016, p. 118
  15. a b c «História da Força Aérea Brasileira». Rudnei Cunha. Consultado em 22 de janeiro de 2016 
  16. «República Oligárquica». Brasil Escola. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  17. «Política do Café com Leite». História Brasileira. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  18. «Movimento tenentista». Brasil Escola. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  19. Incaer 2007, p. 114
  20. «Brigadeiro Lysias Rodrigues». ReservAER. Consultado em 22 de janeiro de 2016 
  21. Daróz 2016, p. 122
  22. Daróz 2016, p. 124
  23. «O primeiro malote do Correio Aéreo veio parar na Mooca». Portal Mooca. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  24. «1944: O Brasil vai à guerra com a FEB». Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 22 de janeiro de 2017 
  25. a b «Aeronáutica comemora 75 anos de criação». Ministério da Defesa. Consultado em 22 de janeiro de 2016 
  26. Decreto-lei nº 3.302, de 22 de maio de 1941.Dá nova denominação às Forças Aéreas Nacionais e aos seus estabelecimentos. Câmara dos Deputados. Acesso em 31 de maio de 2018.
  27. a b Cunha, Rudnei. «Curtiss P-36A». NomFAB. Consultado em 25 de fevereiro de 2017 
  28. a b «Qual foi o real motivo de o Brasil ter entrado na Segunda Guerra?». Mundo Estranho. Consultado em 25 de fevereiro de 2017 
  29. a b Costa, Renata. «Como foi a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial?». Nova Escola. Consultado em 25 de fevereiro de 2017 
  30. T-27 Tucano faz último voo pela Esquadrilha da Fumaça - Poder Aéreo - Forças Aéreas e Indústria Aeronáutica
  31. Fox News, ed. (21 de outubro de 2014). «Brazil's Embraer unveils prototype of new military transport». Consultado em 22 de outubro de 2014 [ligação inativa]
  32. «FAB realiza primeiro teste de voo do motor aeronáutico hipersônico 14-X». FAB. 16 de dezembro de 2021. Consultado em 6 de julho de 2022 
  33. «FAB realiza primeiro teste de voo do motor aeronáutico hipersônico 14-X». Defesa Brasil Notícias. 16 de dezembro de 2021. Consultado em 3 de julho de 2022 
  34. A South American Arms Race? - TIME
  35. «Causa Operária Online». Consultado em 10 de julho de 2010. Arquivado do original em 16 de maio de 2011 
  36. «Novo plano de defesa nacional prevê serviço militar obrigatório para mulheres - O Globo Online». Consultado em 28 de outubro de 2009 
  37. «DefesaNet Estratégia e Defesa do Brasil e do Mundo». DefesaNet. Consultado em 19 de janeiro de 2021 
  38. Unknown (30 de junho de 2010). «Democracia & Política: SATÉLITE GEOESTACIONÁRIO BRASILEIRO». Democracia & Política. Consultado em 19 de janeiro de 2021 
  39. «Malima | Artigos, notícias, revisões de livros e produtos relacionados à tecnologia da informação, gerência de projetos, satélites, redes sem fios, voz sobre IP, e muito mais». Consultado em 10 de julho de 2010. Arquivado do original em 11 de março de 2011 
  40. «pbrasil.wordpress.com» 
  41. «defesanet.com.br» 
  42. a b «Military Power Review - Projeto FX da Força Aérea Brasileira». www.militarypower.com.br. Consultado em 19 de janeiro de 2021 
  43. Poder Aéreo
  44. «portuguese.ruvr.ru» 
  45. «Tecnodefesa | A mais antiga publicação de Defesa da América Latina». Consultado em 19 de janeiro de 2021 
  46. Düring, Nelson (7 de março de 2008). «Operación Fénix - Anatomia de um ataque». Consultado em 21 de setembro de 2009 
  47. Alexandre Galante (6 de novembro de 2008). «IAE faz ensaio do míssil MAA-1B Piranha II». Poder Aéreo - Aviação Militar, Indústria Aeronáutica e de Defesa. Consultado em 19 de janeiro de 2021 
  48. «Quintus». Consultado em 10 de julho de 2010. Arquivado do original em 13 de maio de 2012 
  49. Embraer Press Release (14 de abril de 2009). «Embraer lança programa do jato de transporte militar KC-390» (PDF). Consultado em 29 de outubro de 2009. Arquivado do original (PDF) em 19 de setembro de 2009 
  50. «Cópia arquivada». Consultado em 10 de julho de 2010. Arquivado do original em 3 de dezembro de 2015 
  51. Poder Aéreo
  52. «Reestruturação da FAB». Consultado em 18 de maio de 2018 
  53. a b c d Força Aérea Brasileira (ed.). «Listagem de unidades da FAB». Consultado em 9 de agosto de 2022 
  54. «Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (PARA-SAR)». Consultado em 10 de julho de 2010. Arquivado do original em 26 de março de 2009 
  55. «FAB». Consultado em 11 de julho de 2008. Arquivado do original em 20 de abril de 2009 
  56. «Cindacta I» (em Portuguese). DECEA. Consultado em 6 de maio de 2010 
  57. Academia da Força Aérea
  58. Escola de Especialistas de Aeronáutica
  59. Instituto Tecnológico de Aeronáutica
  60. Escola Preparatória de Cadetes do Ar
  61. «Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica». Consultado em 17 de abril de 2019. Arquivado do original em 30 de outubro de 2015 
  62. Instituto de Logística da Aeronáutica[ligação inativa]
  63. Cruzex Arquivado em 10 de novembro de 2008, no Wayback Machine.. Acessado em 28 de abril de 2012}}

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Daróz, Carlos (2016). O Brasil na Primeira Guerra Mundial. Rio de Janeiro, Brasil: Editora Contexto. ISBN 978-85-7244-982-3 
  • Instituto Histórico e Cultural da Aeronáutica (2007). História Geral da Aeronáutica Brasileira. Rio de Janeiro, Brasil: Editora Itatiaia. ISBN 978-85-3190-332-8 
  • Hackett, James, ed. (3 de fevereiro de 2010), The Military Balance, ISBN 978-1-85743-557-3, Londres: International Institute for Strategic Studies, Routledge 
  • Hagedorn, Daniel P. (outubro de 1996). «Talkback». Air Enthusiast (65): 80. ISSN 0143-5450 
  • Neto, Ricardo Bonalume (March–April 1999). «'Ugly Ducklings' and the 'Forgotten Division': Brazilian Piper L-4s in Italy, 1944–1945, Part One». Air Enthusiast (80): 36–40. ISSN 0143-5450  Verifique data em: |data= (ajuda)
  • Neto, Ricardo Bonalume (junho de 1999). «'Ugly Ducklings' and the 'Forgotten Division': Brazilian Piper L-4s in Italy, 1944–1945, Part Two». Air Enthusiast (81): 73–77. ISSN 0143-5450 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]