Neiva T-25

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
T-25 Universal
Caça
T-25 taxiando em São Sebastião do Paraíso
Descrição
Tipo / Missão Aeronave de treino básica e ataque leve, com motor a pistão, monomotor monoplano
País de origem  Brasil
Fabricante Indústria Aeronáutica Neiva
Período de produção 1963-?
Quantidade produzida 189 unidade(s)
Primeiro voo em 29 de abril de 1966 (52 anos)
Introduzido em 1971
Tripulação 2
Especificações
Dimensões
Comprimento 8,76 m (28,7 ft)
Envergadura 11 m (36,1 ft)
Altura 2,97 m (9,74 ft)
Área das asas 17,20  (185 ft²)
Alongamento 7
Peso(s)
Peso vazio 1 150 kg (2 540 lb)
Peso máx. de decolagem 1 700 kg (3 750 lb)
Propulsão
Motor(es) 1 x motor a pistão de seis cilindros Lycoming O-540 refrigerado a ar
Potência (por motor) 300 hp (224 kW)
Performance
Velocidade máxima 277 km/h (149 kn)
Alcance (MTOW) 1 150 km (715 mi)
Notas
2 x pontos duros para pods de metralhadoras MAG de 7,62 mm (0,300 in) ou foguetes SBAT ou bombas de 45 kg (99,2 lb)
Dados de: Jane's Aircraft Recognition Guide[1]

O Neiva T-25 Universal é uma aeronave brasileira desenvolvida pela Indústria Aeronáutica Neiva na década de 1960, com a incumbência de substituir o North-American T-6 na instrução avançada dos Cadetes da Força Aérea Brasileira. O primeiro protótipo realizou seu voo inaugural no dia 9 de abril de 1966, com o prefixo experimental PP-ZTW. Já em dezembro de 1967, a Neiva fechou contrato para uma fabricação inicial de 150 T-25 Universal, em uma linha de montagem localizada em São José dos Campos. A primeira unidade foi entregue à FAB em 1971, já bem diferente do protótipo, devido aos requisitos militares.[2][3]

Esquadrilha da Fumaça[editar | editar código-fonte]

A Esquadrilha da Fumaça, que fora desativada em 1976, renasceu em 1980 com o Neiva T-25, sendo chamada de "Cometa Branco". A primeira demonstração foi em 10 de julho, na entrega dos espadins aos cadetes que haviam ingressado na AFA. Em 1983, com a chegada dos T-27 Tucano, o T-25 foi retirado da Esquadrilha.[4][5]

Atualmente[editar | editar código-fonte]

Atualmente o T-25 é utilizado na instrução primária e básica dos Cadetes da Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga, com grande sucesso. Paralelamente, é utilizado em inúmeras unidades aéreas e bases como aeronave padrão para adestramento dos pilotos.

Atualmente, a Força Aérea Brasileira opera 83 unidades, porém serão substituídos em breve por outro modelo de avião, possivelmente desenvolvido no Brasil.[6]

Foi exportado para o Paraguai e Chile, com algumas unidades usadas doadas para a Bolívia.

Utilizadores[editar | editar código-fonte]

 Bolívia

  • Força Aérea Boliviana

 Brasil

 Chile

 Paraguai

Referências

  1. Rendall, David (1995). Jane's Aircraft Recognition Guide. Glasgow, UK: HarperCollinsPublishers. p. 505. ISBN 0-00-4709802.
  2. «Rootsweb FAB T25 Universal». 4 de agosto de 2006. Consultado em 16 de dezembro de 2017. 
  3. «T-25 Universal, um sucessor á altura dos T-6´s». cafemodelismoforum.livreforum.com 
  4. «54 ANOS DA ESQUADRILHA DA FUMAÇA». aviacaopaulista.com. Consultado em 16 de dezembro de 2017. 
  5. «A Neiva e a Embraer». GGN - O jornal de todos os brasis. Consultado em 16 de dezembro de 2017. 
  6. «T-Xc deverá ser utilizado na FAB 'substituindo os atuais Neiva T-25', diz nota do MCTI - Poder Aéreo - Forças Aéreas e Indústria Aeronáutica». Poder Aéreo - Forças Aéreas e Indústria Aeronáutica. 2 de setembro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]