Odontologia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Portal A Wikipédia possui o
Portal da Odontologia
Operando en la Facultad de Odontología.jpg
Atendimento

Odontologia (português brasileiro) ou medicina dentária (português europeu) é a área da saúde humana que estuda e trata o sistema estomatognático - compreende a face, pescoço e cavidade bucal, abrangendo ossos, musculatura mastigatória, articulações, dentes e tecidos. Em Portugal, a Medicina Dentária é um segmento independente, tal como no Brasil é a Odontologia. Cirurgião-Dentista é a denominação dada a estes profissionais no Brasil; em Portugal, os licenciados em Medicina Dentária designam-se Médicos Dentistas. Por saúde oral, entende-se a ausência de doença estomatológica, bem como a correcta função, estabilidade e até mesmo estética de todo o sistema estomatognático. É hoje certo e sabido que a saúde oral tem sérias implicações na saúde humana, sendo as duas indissociáveis.

A formação inclui disciplinas das áreas de saúde e ciências biológicas, como anatomia, patologia, fisiologia, histologia, microbiologia, imunologia e bioquímica. As matérias profissionalizantes incluem radiologia, materiais dentários, dentística, endodontia, periodontia, cirurgia bucomaxilofacial, próteses, odontopediatria e ortodontia. No segundo ano o aluno começa a treinar restaurações e demais procedimentos em aulas práticas de laboratório, utilizando um manequim odontológico. A partir do terceiro ano o aluno passa a atender pacientes na clínica da faculdade. O curso dura em média 5 anos, chegando a 6 em algumas faculdades. É obrigatória a apresentação de um trabalho de conclusão de curso.

Medicina dentária em Portugal[editar | editar código-fonte]

Um Médico Dentista é o profissional da saúde responsável por diagnosticar, tratar e prevenir todas as patologias orais e maxilares, bem como todas as estruturas anexas a estes. Para se poder intitular Médico Dentista, é necessário possuir um curso superior (Licenciatura ou Mestrado Integrado) em Medicina Dentária obtido em Portugal e estar inscrito na Ordem dos Médicos Dentistas.

Existe, no entanto, outro profissional de saúde cujas competências são iguais às dos Médicos Dentistas - os Médicos Estomatologistas. A diferença reside sobretudo no percurso profissional destes dois - o Médico Estomatologista é um profissional licenciado em Medicina e que tira, posteriormente, a especialidade em Estomatologia. Os Médicos Estomatologistas estão englobados na Carreira Médica Hospitalar e exercem a sua função em hospitais, centros de saúde e clínicas privadas, enquanto que os Médicos Dentistas não estão actualmente contemplados por qualquer carreira e exercem quase exclusivamente em Clínicas Privadas. No entanto, esta situação ocorre apenas em Portugal Continental - nos Açores, os Médicos Dentistas trabalham em Centros de Saúde e na Madeira estão contratualizados.

A Licenciatura em Medicina Dentária é algo recente no panorama Português. A política de criação de Escolas Superiores de medicina dentária teve a sua origem num plenário de Médicos Estomatologistas, realizado em 1974 na cidade de Aveiro. Nas conclusões desse plenário ressalvou-se que se deveria fazer o ensino da Odonto-Estomatologia a um nível pré-graduado nas Universidades de Lisboa, Porto e Coimbra. Estas foram criadas em 1975 - Dec.-Lei 282/75, com a criação da Escola Superior de Medicina Dentária de Lisboa (ESMDL), em 1976 - Dec.-Lei 368/76, com a do Porto (ESMDP) e em 1976 a de Coimbra, tendo esta última como base o Serviço de Estomatologia e Cirurgia Maxilo-Facial dos Hospitais da Universidade de Coimbra (SECMF-HUC).

No entanto, hoje observa-se que a tendência é a de se formarem cada vez menos Médicos Estomatologistas, ao passo que muitos serviços de Estomatologia têm encerrado, nomeadamente em Centros de Saúde.

Em Portugal, ainda falta a inserção da Medicina Dentária como área de saúde pública, em Hospitais Públicos, Centros de Saúde Públicos, entre outros.

Podem-se destacar diversas faculdades, em Portugal, de que são exemplo, a Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto (FMDUP), o Instituto Superior de Ciências da Saúde - Norte (ISCS-N/CESPU) , a Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Fernando Pessoa, o Instituto de Ciências de Saúde Egas Moniz, a Universidade Católica Portuguesa (polo de Viseu), assim como a Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC), que incorpora ao mesmo tempo o ensino da Medicina Dentária com Medicina, e a Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa (FMDUL).

História[editar | editar código-fonte]

Recursos Humanos[editar | editar código-fonte]

Níveis de complexidade do trabalho[editar | editar código-fonte]

Em cada um dos campos de ação da Odontologia, desde a clínica geral à reabilitação oral, podem ser identificadas tarefas de distintos níveis de complexidade. No setor industrial, por exemplo, são muito aplicadas as técnicas de "análise ocupacional" pelas quais uma determinada atividade ou ocupação é fracionada em seus módulos de conhecimentos, permitindo que os considerados como de maior simplicidade sejam executados por pessoal com preparo elementar ou básico, e os mais complexos caibam a profissionais de alto nível de formação, que evidentemente são mais caros para a empresa.

Respeitadas as peculiaridades do trabalho em saúde, não há porque deixar de aplicar a análise ocupacional, com objetivo de estender a cobertura populacional, ao labor em Odontologia e ao campo da saúde em geral.

Uma vez identificadas as tarefas por seu nível de complexidade, cada uma deve ser atribuída a pessoa com o correspondente nível de formação técnica. Quando isso não é feito, dois resultados podem ser inevitáveis:

  1. uma redução nas possibilidades de acesso aos serviços disponíveis, devido ao encarecimento da atividade;
  2. uma perda de qualidade nos serviços prestados, devido à inadequação entre o tipo de recurso humano utilizado e o tipo de tarefa que lhe foi dada.

É um erro colocar um profissional com um elevado padrão científico, adquirido em sofisticadas Universidades, para efetuar ações de baixo requerimento tecnológico. O exemplo mais comum, no campo odontológico, é o das restaurações dentárias nos programas de atenção a escolares primários: na sua maioria de referem a cavidades simples, constituindo-se em atividade essencialmente mecânica que exige esforço mental mediano para sua realização. Para efetuar uma boa restauração classe I ou II com amálgama, resina ou silicato, os requisitos fundamentais são três: destreza manual, prática constante e capacidade de discernimento para equacionar situações de dificuldade momentânea, sabendo quando referir o paciente. quando esta tarefa se repete de maneira continuada, reduzem-se ao mínimo as oportunidades de inovações ou variação, fazendo-a monótona para um cirurgião-dentista que só se satisfaz realmente com trabalhos de maior densidade tecnológica, compatíveis com sua formação universitária. Em consequência, pode perder o interesse pelo que faz, tornando-a muito difícil evitar que o seu desempenho baixe de qualidade[1] .

Mercado de trabalho[editar | editar código-fonte]

A odontologia vem sofrendo, desde as últimas décadas, forte retração, consubstanciando uma drástica queda na procura pelos seus serviços, mormente no setor privado. Na verdade, não existe nenhuma congruência na formação de recursos humanos nesse setor,em relação a colocação da mão-de -obra odontológica no Brasil. O que existe , de fato, é um enorme abismo entre a grande massa de jovens recém formados e o mercado de trabalho. No País, não há mais a necessidade de formação de profissionais de odontologia, apesar da paradoxal necessidade de significativa parte da população carente desses serviços. A solução é criar vagas no setor público para promover uma odontologia de qualidade, abrangendo todas as suas ramificaçações, principalmente a preventiva.

O mercado de trabalho em Odontologia para um determinado país, região ou localidade, é função do modelo de prestação de serviços; dos padrões epidemiológicos, culturais e econômicos da população; do crescimento da oferta de mão-de-obra e da própria estrutura profissional.

Em áreas com alta prevalência de doenças bucais sem tratamento, caso típico da maioria dos países em desenvolvimento[2] , há, em princípio, um amplo mercado de trabalho à disposição tanto dos cirurgiões-dentistas como do pessoal técnico e auxiliar que atua ou deseja atuar no setor. Paradoxalmente, porém, não é incomum ouvir falar de "pletora profissional" (excesso de cirurgiões-dentistas) e até mesmo de desemprego nestas mesmas regiões. Isso significa que, por um lado, devido à forma de organização dos serviços uma grande parte da população não tem acesso a eles, seja por não dispor de recursos financeiros para custeá-los, seja porque o Estado os oferta em volume insuficiente; e por outro lado, algumas pessoas que têm acesso e podem pagar não os utiliza em função de aspectos comportamentais ou educacionais.

O mercado de trabalho torna-se, portanto, dependente em maior proporção de fatores extraodontológicos ligados notadamente à estrutura sócio-econômica e de organização da sociedade. A concentração de profissionais nas grandes cidades e nas áreas com melhores níveis de renda é um fenômeno virtualmente universal que se agodiza nos países onde a concepção econômica se dá de maneira mais indisciplinada e de forma particular em tempos de escassez.

Especialidades[editar | editar código-fonte]

A Odontologia Brasileira conta com as seguintes especialidades reconhecidas pelo Conselho Federal de Odontologia – CFO, que são:

Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais[editar | editar código-fonte]

Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais é a especialidade que tem como objetivo o diagnóstico e o tratamento cirúrgico e coadjuvante das doenças, traumatismos, lesões e anomalias congênitas e adquiridas do aparelho mastigatório e anexos, e estruturas crânio-faciais associadas.

As áreas de competência para atuação do especialista em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais incluem:

  • implantes, enxertos, transplantes e reimplantes;
  • biópsias;
  • cirurgia com finalidade protética;
  • cirurgia com finalidade ortodôntica;
  • cirurgia ortognática; e,
  • tratamento cirúrgico de cistos; afecções radiculares e periradiculares; doenças das glândulas salivares; doenças da articulação têmporo-mandibular; lesões de origem traumática na área buco-maxilo-facial; malformações congênitas ou adquiridas dos maxi-lares e da mandíbula; tumores benignos da cavidade bucal; tumores malignos da cavidade bucal, quando o especialista deverá atuar integrado em equipe de oncologista; e, de distúrbio neurológico, com manifestação maxilo-facial, em colaboração com neurologista ou neurocirurgião.

Dentística[editar | editar código-fonte]

Dentística é a especialidade que tem como objetivo o estudo e a aplicação de procedimentos educativos, preventivos, operatórios e terapêuticos para preservar e devolver ao dente integridade anátomo-funcional e estética.

As áreas de competência para atuação do especialista em Dentística Restauradora incluem:

  • diagnóstico e prognóstico das doenças dentá-rias;
  • procedimentos estéticos, educativos e preventivos;
  • procedimentos conservadores da vitalidade pul-par; e,
  • tratamento das lesões dentárias possíveis de restauração, inclusive a confecção de coroas individuais e restaurações metálicas fundidas.

Endodontia[editar | editar código-fonte]

Endodontia é a especialidade que tem como objetivo a preservação do dente por meio de prevenção, diagnóstico, prognóstico, tratamento e controle das alterações da polpa e dos tecidos peri-radiculares. As áreas de competência para atuação do especialista em Endodontia incluem:

  • procedimentos conservadores da vitalidade pulpar;
  • procedimentos cirúrgicos no tecido e na cavidade pulpares;
  • procedimentos cirúrgicos para-endodônticos; e,
  • tratamento dos traumatismos dentários.

Odontologia Legal[editar | editar código-fonte]

A Odontologia Legal é a especialidade que tem como objetivo a pesquisa de fenômenos psíquicos, físicos, químicos e biológicos que podem atingir ou ter atingido o homem, vivo, morto ou ossada, e mesmo fragmentos ou vestígios, resultando lesões parciais ou totais reversíveis ou irreversíveis. A atuação da Odontologia Legal restringe-se a análise, perícia e avaliação de eventos relacionados com a área de competência do cirurgião-dentista podendo, se as circunstâncias o exigirem, estender-se a outras áreas, se disso depender a busca da verdade, no estrito interesse da justiça e da administração.

As áreas de competência para atuação do especialista em Odontologia Legal incluem:

  • identificação humana;
  • perícia em foro civil, criminal e trabalhista;
  • perícia em área administrativa;
  • perícia, avaliação e planejamento em infortunística;
  • tanatologia forense;
  • elaboração de:
  1. autos, laudos e pareceres;
  2. relatórios e atestados;
  • traumatologia odonto-legal;
  • balística forense:
  • perícia logística no vivo, no morto, íntegro ou em suas partes em fragmentos;
  • perícia em vestígios correlatos, inclusive de manchas ou líquidos oriundos da cavidade bucal ou nela presentes;
  • exames por imagem para fins periciais;
  • deontologia odontológica;
  • orientação odonto-legal para o exercício profissional; e,
  • exames por imagens para fins odonto-legais.

Odontologia em Saúde Coletiva[editar | editar código-fonte]

Odontologia em Saúde Coletiva é a especialidade que tem como objetivo o estudo dos fenômenos que interferem na saúde bucal coletiva, por meio de análise, organização, planejamento, execução e avaliação de serviços, projetos ou programas de saúde bucal, dirigidos a grupos populacionais, com ênfase nos aspectos preventivos. As áreas de competência para atuação do especialista em Odontologia em Saúde Coletiva incluem:

  • análise sócio-epidemiológica dos problemas de saúde bucal da comunidade;
  • elaboração e execução de projetos, programas e/ou sistemas de ação coletiva ou de saúde pública visando à promoção, ao restabelecimento e ao controle da saúde bucal;
  • participação, em nível administrativo e operacional de equipe multiprofissional, por intermédio de:
  1. organização de serviços;
  2. gerenciamento em diferentes setores e níveis de administração em saúde pública;
  3. vigilância sanitária;
  4. controle das doenças;
  5. educação em saúde pública; e,
  • identificação e prevenção das doenças bucais oriundas exclusivamente da atividade laboral.


Odontopediatria[editar | editar código-fonte]

Odontopediatria é a especialidade que tem como objetivo o diagnóstico, a prevenção, o tratamento e o controle dos problemas de saúde bucal da criança, a educação para a saúde bucal e a integração desses procedimentos com os dos outros profissionais da área da saúde.

As áreas de competência para atuação do especialista em Odontopediatria incluem:

  • educação e promoção de saúde bucal, devendo o especialista transmitir às crianças, aos seus responsáveis e à comunidade, os conhecimentos indispensáveis à manutenção do estado de saúde das estruturas bucais;
  • prevenção em todos os níveis de atenção, devendo o especialista atuar sobre os problemas relativos à cárie dentária, à doença periodontal, às maloclusões, às malformações congênitas e às neoplasias;
  • diagnóstico dos problemas buco-dentários;
  • tratamento das lesões dos tecidos moles, dos dentes, dos arcos dentários e das estruturas ósseas adjacentes, decorrentes de cáries, traumatismos, alterações na odontogênese e malformações congênitas; e,
  • condicionamento da criança para a atenção odontológica.

Ortodontia[editar | editar código-fonte]

Ortodontia é a especialidade que tem como objetivo a prevenção, a supervisão e a orientação do desenvolvimento do aparelho mastigatório e a correção das estruturas dento-faciais, incluindo as condições que requeiram movimentação dentária, bem como harmonização da face no complexo maxilo-mandibular. As áreas de competência para atuação do especialista em Ortodontia incluem:

  • diagnóstico, prevenção, interceptação e prognóstico das maloclusões e disfunções neuro-musculares;
  • planejamento do tratamento e sua execução mediante indicação, aplicação e controle dos aparelhos mecanoterápicos e funcionais, para obter e manter relações oclusais normais em harmonia funcional, estética e fisiológica com as estruturas faciais; e,
  • inter-relacionamento com outras especialidades afins necessárias ao tratamento integral da face.

Patologia Bucal[editar | editar código-fonte]

Patologia Bucal é a especialidade que tem como objetivo o estudo laboratorial das alterações da cavidade bucal e estruturas anexas, visando ao diagnóstico final e ao prognóstico dessas alterações.

As áreas de competência para atuação do especialista em Patologia Bucal incluem a execução de exames laboratoriais microscópicos, bioquímicos e outros bem como a interpretação de seus resultados.

Periodontia[editar | editar código-fonte]

Periodontia é a especialidade que tem como objetivo o estudo, o diagnóstico, a prevenção e o tratamento das doenças gengivais e periodontais, visando à promoção e ao restabelecimento da saúde periodontal.

As áreas de competência para atuação do especialista em Periodontia incluem:

  • avaliação diagnostica e planejamento do tratamento;
  • controle de causas das doenças gengivais e periodontais;
  • controle de sequelas e danos das doenças gengivais e periodontais;
  • procedimentos preventivos, clínicos e cirúrgicos para regeneração dos tecidos periodontais;
  • outros procedimentos necessários à manutenção ou à complementação do tratamento das doenças gengivais e periodontais; e,
  • colocação de implantes e enxertos ósseos.


Prótese Buco-Maxilo-Facial[editar | editar código-fonte]

Prótese Buco-Maxilo-Facial é a especialidade que tem como objetivo a reabilitação anatômica, funcional e estética, por meio de substitutos aloplásticos, de regiões da maxila, da mandíbula e da face ausentes ou defeituosas, como sequelas da cirurgia, do traumatismo ou em razão de malformações congênitas ou de distúrbios do desenvolvimento.

As áreas de competência para atuação do especialista em Prótese Buco-Maxilo-Facial incluem:

  • diagnóstico, prognóstico e planejamento dos procedimentos em Prótese Buco-Maxilo-Facial;
  • confecções, colocação e implantação de Prótese Buco-Maxilo-Facial; e,
  • confecção de dispositivos auxiliares no trata-mento emanoterápico das regiões Buco-Maxilo-Faciais.


Prótese Dentária[editar | editar código-fonte]

Prótese Dentária é a especialidade que tem como objetivo o restabelecimento e a manutenção das funções do sistema estomatognático, visando a proporcionar conforto, estética e saúde pela recolocação dos dentes destruídos ou perdidos e dos tecidos contíguos.

As áreas de competência do especialista em Prótese Dentária incluem:

  • diagnóstico, prognóstico, tratamento e controle dos distúrbios crânio-mandibulares e de oclusão, através da prótese fixa, da prótese removível parcial ou total e da prótese sobre implantes;
  • atividades de laboratório necessárias à execução dos trabalhos protéticos; e,
  • procedimentos e técnicas de confecção de peças, aparelhos fixos e removíveis parciais e totais como substituição das perdas de substâncias dentárias e paradentárias.

Radiologia Odontológica e Imaginologia[editar | editar código-fonte]

Imaginologia dento-maxilo-facial é a especialidade que tem como objetivo a aplicação dos métodos exploratórios por imagem com a finalidade de diagnóstico, acompanhamento e documentação buco-maxilo-facial e estruturas anexas.

As áreas de competência para atuação do especialista em Imaginologia Dento-Maxilo-Facial incluem:

  • Obtenção, interpretação e emissão de laudo das imagens de estruturas buco-maxilo-faciais e anexas obtidas, por meio de: radiologia convencional, digitalizada, subtração, tomografia convencional e computadorizada, ressonância magnética, ultra-sonografia, e outros; e,
  • Auxiliar no diagnóstico, para elucidação de problemas passíveis de solução, mediante exames pela obtenção de imagens e outros.

Implantodontia[editar | editar código-fonte]

Implantodontia é a especialidade da odontologia que tem como objetivo o estudo dos enxertos ósseos com a finalidade de viabilizar a instalação de implantes dentários, da própria cirurgia de instalação desses implantes e das próteses que são confeccionadas sobre estes dispositivos e é a especialidade que reúne o conhecimento necessário para tratar pacientes que necessitam desses tipos de procedimentos.

As áreas de competência para atuação do especialista em Implantodontia incluem:

  • planejamento pré-cirúrgico;
  • diagnóstico das alterações ósseas para verificar a necessidade ou não de enxertos;
  • cirurgia de instalação de implantes.
  • confecção de próteses sobre implantes; e,
  • manutenção e controle dos implantes.

Estomatologia[editar | editar código-fonte]

Estomatologia é a especialidade que tem como objetivo a prevenção, o diagnóstico, o prognóstico e o tratamento das doenças próprias da boca e suas estruturas anexas, das manifestações bucais de doenças sistêmicas, bem como o disgnóstico e a prevenção de doenças sistêmicas que possam eventualmente interferir no tratamento odontológico.

As áreas de competência para atuação do especialista em Estomatologia incluem:

  • promoção e execução de procedimentos preventivos em nível individual e coletivo na área de saúde bucal;
  • obtenção de informações necessárias à manu-tenção da saúde do paciente, visando à prevenção, ao diagnóstico, ao prognóstico e ao tratamento de alterações estruturais e funcionais da cavidade bucal e das estruturas anexas; e,
  • realização ou solicitação de exames complementares, necessários ao esclarecimento do diagnóstico.

Ortopedia Funcional dos Maxilares[editar | editar código-fonte]

Ortopedia Funcional dos Maxilares é a especialidade que tem como objetivo tratar a maloclusão através de recursos terapêuticos, que utilizem estímulos funcionais, visando ao equilibrio morfo-funcional do sistema estomatognático e/ou a profilaxia e/ou o tratamento de distúrbios crânio-mandibulares, recursos estes que provoquem estímulos de diversas origens, baseados no conceito da funcionalidade dos órgãos.

Disfunção Têmporo-Mandibular e Dor-Orofacial[editar | editar código-fonte]

Disfunção Têmporo-Mandibular e Dor-Orofacial é a especialidade que tem por objetivo promover e desenvolver uma base de conhecimentos científicos para melhor compreensão no diagnóstico e no tratamento de dores e desordens do aparelho mastigatório, região orofacial e outras estruturas relacionadas.

Odontogeriatria[editar | editar código-fonte]

Odontogeriatria é a especialidade que se concentra no estudo dos fenômenos decorrentes do envelhecimento que também têm repercussão na boca e suas estruturas associadas, bem como a promoção da saúde, o diagnóstico, a prevenção e o tratamento de enfermidades bucais e do sistema estomatognático do idoso.

Odontologia do Trabalho[editar | editar código-fonte]

Odontologia do Trabalho é a especialidade que tem como objetivo a busca permanente da compatibilidade entre a atividade laboral e a preservação da saúde bucal do trabalhador.

Odontologia para Pacientes com Necessidades Especiais[editar | editar código-fonte]

Odontologia para Pacientes com Necessidades Especiais é a especialidade que tem por objetivo o diagnóstico, a preservação, o tratamento e o controle dos problemas de saúde bucal dos pacientes que apresentam uma complexidade no seu sistema biológico e/ou psicológico e/ou social, bem como percepção e atuação dentro de uma estrutura transdisciplinar com outros profissionais de saúde e áreas correlatas com o paciente.

Estas especializações aplicam-se apenas no Brasil, pois em Portugal apenas existem, actualmente, duas: A Ortodontia e a Cirurgia Oral.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Odontologia


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikiversidade Cursos na Wikiversidade

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  1. Leite e Pinto, 1983
  2. O termo "país ou mundo em desenvolvimento" é aqui utilizado para representar um estágio intermediário de crescimento econômico entre o mundo subdesenvolvido (PIB per capita de até 1.000 dólares, aproximadamente) e o industrializado ou desenvolvido (PIB per capita superior a 4.000 dólares)