Lista de capitais do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde janeiro de 2014). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Esta lista de capitais do Brasil apresenta cidades que são ou já foram local onde está estabelecida a sede de governo. Assim, estão incluídas sedes coloniais, capitais nacionais e estaduais do Brasil, bem como transferências simbólicas comemorativas.

Capitais nacionais[editar | editar código-fonte]

Sedes administrativas da América portuguesa[editar | editar código-fonte]

Embora não seja precisamente correto considerar que uma colônia tenha capital (já que a ideia de capital está relacionada ao conceito de soberania), a cidade de Salvador é geralmente tratada como a "primeira capital do Brasil" por ter abrigado durante mais de dois séculos a sede da administração colonial portuguesa (governo-geral e vice-reinado). A rigor, no entanto, o Brasil só teve uma capital de jure a partir da Independência em 1822. Vale, também, mencionar que durante alguns períodos a colônia brasileira não esteve unificada, sendo dividida em Repartição Norte e Repartição Sul, e também em Estado do Maranhão (que depois ainda seria desmembrado em Estado do Grão-Pará e Rio Negro e Estado do Maranhão e Piauí) e Estado do Brasil, cada um com sedes diferentes; e que, no contexto da primeira das Invasões holandesas no Brasil, a sede do Estado do Brasil foi transferida provisoriamente para Olinda.

Sedes das colônias não portuguesas no Brasil[editar | editar código-fonte]

Brasil independente[editar | editar código-fonte]

Capitais estaduais[editar | editar código-fonte]

Acre[editar | editar código-fonte]

Entre 1904 e 1920 o Acre não teve uma única capital, com as capitais dos três departamentos se reportando diretamente ao governo federal.[1]

Alagoas[editar | editar código-fonte]

desmembrado a partir de Pernambuco

  • Alagoas (1823–1839) — sede da província das Alagoas
  • Maceió (1839–1889) — sede da província das Alagoas
  • Maceió (1889–atual) — sede do estado de Alagoas

Amapá[editar | editar código-fonte]

desmembrado a partir do Pará

  • Amapá (município) (1943–1944) — sede do território do Amapá
  • Macapá (1944–1988) — sede do território do Amapá
  • Macapá (1988–atual) — sede do estado do Amapá

Amazonas[editar | editar código-fonte]

desmembrado a partir do Pará

Bahia[editar | editar código-fonte]

Ceará[editar | editar código-fonte]

Distrito Federal[editar | editar código-fonte]

Espírito Santo[editar | editar código-fonte]

Goiás[editar | editar código-fonte]

desmembrado a partir de São Paulo

Maranhão[editar | editar código-fonte]

  • sem sede para a Capitania do Maranhão (1536–1538)
  • capitania extinta (1538–1615)
  • sem sede para a Capitania do Maranhão (1615–1621)
  • São Luís (1621–1641) — sede da Capitania do Maranhão
  • subordinada à Nova Holanda (1641–1644)
  • São Luís (1644–1821) — sede da Capitania do Maranhão
  • São Luís (1821–1889) — sede da província do Maranhão
  • São Luís (1889–atual) — sede do estado do Maranhão

Mato Grosso[editar | editar código-fonte]

desmembrado a partir de São Paulo

Mato Grosso do Sul[editar | editar código-fonte]

desmembrado a partir do Mato Grosso

  • Campo Grande (1979–atual) — sede do estado de Mato Grosso do Sul

Minas Gerais[editar | editar código-fonte]

desmembrado a partir de São Paulo

Pará[editar | editar código-fonte]

Paraíba[editar | editar código-fonte]

Paraná[editar | editar código-fonte]

desmembrado a partir de São Paulo

Pernambuco[editar | editar código-fonte]

Piauí[editar | editar código-fonte]

desmembrado a partir do Maranhão

Rio Grande do Norte[editar | editar código-fonte]

Rio Grande do Sul[editar | editar código-fonte]

desmembrado a partir do Rio de Janeiro, apesar de não lhe ser limítrofe

Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

desmembrado da Capitania de São Vicente

  • Rio de Janeiro (1565–1822) — sede da Capitania do Rio de Janeiro
  • Rio de Janeiro (1822–1834) — sede da província do Rio de Janeiro
  • Niterói (1834–1889) — até 1835, denominada "Vila Real da Praia Grande"; sede da província do Rio de Janeiro
  • Niterói (1889–1892) — sede do estado do Rio de Janeiro
  • Petrópolis (1894–1903) — sede do estado do Rio de Janeiro
  • Niterói (1903–1975) — sede do estado do Rio de Janeiro
  • Rio de Janeiro (1975–atual) — sede do estado do Rio de Janeiro

Rondônia[editar | editar código-fonte]

criado em 13 de setembro de 1943 sob o nome de "Território do Guaporé", desmembrado dos estados do Mato Grosso e Amazonas. Transformado em estado de Rondônia em 1982

  • Guajará-Mirim (1943–1944) — Sede do Território do Guaporé
  • Porto Velho (1944–1956) — Sede do Território do Guaporé
  • Porto Velho (1956–1982) — Sede do Território de Rondônia
  • Porto Velho (1982–atual) — Sede do Estado de Rondônia

Roraima[editar | editar código-fonte]

criado em 1943 sob o nome de "Território do Rio Branco", desmembrado do Amazonas. Transformado em estado de Roraima em 1988.

  • Boa Vista (1943–1962) — sede do Território do Rio Branco
  • Boa Vista (1962–1988) — sede do Território de Roraima
  • Boa Vista (1988–atual) — sede do Estado de Roraima

Santa Catarina[editar | editar código-fonte]

desmembrado a partir de São Paulo

São Paulo[editar | editar código-fonte]

Sergipe[editar | editar código-fonte]

desmembrado a partir da Bahia

Tocantins[editar | editar código-fonte]

desmembrado a partir de Goiás

Capitais de unidades da federação extintas[editar | editar código-fonte]

Fernando de Noronha[editar | editar código-fonte]

Criado em 1943 sob o nome de "Território de Fernando de Noronha". Incorporado a Pernambuco.

Guanabara[editar | editar código-fonte]

Criado em 1960 a partir do território do antigo Distrito Federal. Fundido com o estado do Rio de Janeiro em 1975.

Iguaçu[editar | editar código-fonte]

Criado em 1943 sob o nome de "Território do Iguaçu". Reincorporado ao Paraná e a Santa Catarina.

Maracaju[editar | editar código-fonte]

Criado em 1932 pelos revolucionários do sul do Mato Grosso durante a Revolução de 32 sob o nome de "Estado de Maracaju", desmembrando do sul de Mato Grosso (atual Mato Grosso do Sul). Reincorporado ao Mato Grosso.

Ponta Porã[editar | editar código-fonte]

Criado em 1943 sob o nome de "Território de Ponta Porã". Reincorporado ao Mato Grosso, hoje compõe o estado de Mato Grosso do Sul.

Princesa[editar | editar código-fonte]

Criado em 1930 pelos revolucionários de Princesa Isabel, sob o nome de "Território de Princesa", por discordâncias políticas. O estado livre correspondia aos limites do município na época[3]

  • Princesa (28 de fevereiro–11 de agosto de 1930)

São João da Palma[editar | editar código-fonte]

Criada em 1808 como capitania por decreto de Dom João VI sob o nome de "São João das Duas Barras", foi extinta em 1814. Recriada como província autônoma em 1821 sob o nome de "São João da Palma", extinta em 1823 por Dom Pedro I. Hoje parte do Pará e Tocantins.[4]

  • Barra do Tacay-Una (1808–1810) — atualmente chamada Marabá
  • Vila de Palma (1810–1814) — atualmente chamada Paranã
  • Cavalcante (1821–1823)

Capitais de territórios já controlados pelo Brasil[editar | editar código-fonte]

Cisplatina[editar | editar código-fonte]

Guiana Francesa[editar | editar código-fonte]

Transferências temporárias simbólicas[editar | editar código-fonte]

Em caráter simbólico, as unidades da federação brasileira podem ter suas sedes de governo transferidas temporariamente. Em relação ao governo federal, a Constituição de 1988 traz:

Art. 48. Cabe ao Congresso Nacional, com a sanção do Presidente da República, não exigida esta para o especificado nos arts. 49, 51 e 52, dispor sobre todas as matérias de competência da União, especialmente sobre:
VII — transferência temporária da sede do Governo Federal;
CF1988[5]

A transferência ocorreu em apenas duas oportunidades:

Para os estados, a transferência é mais comum. Há situações de transferências recorrentes, em que a capital estadual é alterada em determinada data todo ano, como também há casos de transferências pontuais que não se repetiram. Dentre as pontuais estão:

  • Palmeiras de Goiás (6 de julho de 2017) — transferência por um dia da capital goiana em homenagem ao aniversário da cidade e para apresentação do programa Goiás na Frente[6]
  • Santa Cruz de Goiás (27 de agosto de 2017) — transferência por um dia da capital goiana em homenagem ao aniversário da cidade e para apresentação do programa Goiás na Frente[6]
  • Trindade (1 de setembro de 2017) — transferência por um dia da capital goiana em homenagem ao aniversário da cidade e para apresentação do programa Goiás na Frente[6]
  • Caruaru (18 de maio de 2007) — transferência por um dia da capital pernambucana em homenagem ao 150.º aniversário da cidade[6]
  • Cabo de Santo Agostinho (10 de julho de 2017) — transferência por um dia da capital pernambucana em homenagem ao 140.º aniversário da cidade[6]

As transferências cíclicas de capitais estaduais são:

  • Marechal Deodoro (15 de novembro, desde 2010) — transferência anual recorrente da capital alagoana em homenagem à cidade natal do primeiro presidente brasileiro Deodoro da Fonseca[6]
  • Cachoeira (25 de junho, desde 2008) — transferência anual recorrente da capital baiana em homenagem ao início das lutas pela independência no estado[6]
  • Porto Seguro (22 de abril, desde 2016) — transferência anual recorrente da capital baiana em homenagem à chegada dos portugueses em 1500[6]
  • Goiás (25 de julho, desde 1983) — transferência anual recorrente da capital goiana em homenagem ao aniversário da cidade, que foi capital do estado[6]
  • Vila Bela da Santíssima Trindade (19 de março, desde 2016) — transferência anual recorrente da capital mato-grossense em homenagem ao aniversário da cidade, que foi primeira capital do estado[6]
  • Mariana (16 de julho, desde 1945) — transferência anual recorrente da capital mineira em homenagem ao Dia de Minas e aniversário da cidade, que foi primeira capital do estado[6]
  • Cachoeira (11 de agosto, desde 2010) — transferência anual recorrente da capital catarinense em homenagem à fundação da capitania de Santa Catarina e sua cidade mais antiga[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Historia do Acre AC». www.achetudoeregiao.com.br 
  2. «Cametá torna-se sede do Grão Pará — Blog do Jeso». Blog do Jeso. Consultado em 21 de fevereiro de 2016 
  3. MEDEIROS, Mardson. «A Revolta de Princesa — 1930». Princesa Isabel. Consultado em 7 de Maio de 2012 [ligação inativa] 
  4. «Diário do Senado Federal — 14 de março de 2004» (PDF). Senado Federal do Brasil 
  5. «Constituição da República Federativa do Brasil de 1988». www.planalto.gov.br. Consultado em 25 de novembro de 2017 
  6. a b c d e f g h i j k l m n Pimentel, Matheus (14 de novembro de 2017). «Por que Itu, no interior de São Paulo, virou capital do Brasil por um dia». Nexo Jornal 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]