Amapá (município)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Amapá (desambiguação).
Município de Amapá
Bandeira de Amapá
Brasão de Amapá
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 22 de outubro
Fundação 22 de outubro de 1901 (116 anos)
Gentílico amapaense
Prefeito(a) Carlos Sampaio Duarte (PMN)
(2017–2020)
Localização
Localização de Amapá
Localização de Amapá no Amapá
Amapá está localizado em: Brasil
Amapá
Localização de Amapá no Brasil
02° 03' 10" N 50° 47' 34" O02° 03' 10" N 50° 47' 34" O
Unidade federativa  Amapá
Região
intermediária

Oiapoque-Porto Grande IBGE/2017[1]

Região
imediata

Oiapoque IBGE/2017[1]

Municípios limítrofes Macapá, Cutias, Tartarugalzinho, Pracuúba, Calçoene
Distância até a capital 302 km
Características geográficas
Área 9 167,617 km² [2]
Distritos Amapá (sede) e Sucuriju[3]
População 8 757 hab. estatísticas IBGE/2017[4]
Densidade 0,96 hab./km²
Altitude 8 m
Clima tropical úmido Af
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,642 médio PNUD/2010[5]
PIB R$ 167 323 mil IBGE/2014[6]
PIB per capita R$ 19 563,02 IBGE/2014[6]
Página oficial

Amapá é um município brasileiro no estado homônimo, Região Norte do país. Sua população estimada em 2017 era de 8 757 habitantes[4] e a área é de 9 167,617 km².

Seus limites são o Oceano Atlântico a norte e leste, Macapá e Cutias a sul, Tartarugalzinho e Pracuuba a sudoeste e Calçoene a oeste e noroeste.

O município foi criado em 22 de outubro de 1901 e sua história está basicamente ligada a questões litigiosas com a França, que reivindicou soberania sobre a área. Nos episódios diplomáticos e de batalhas militares que culminaram com a conquista brasileira desse território em 1900, teve destaque a figura de Francisco Xavier da Veiga Cabral (o Cabralzinho), que por seus atos de bravura e coragem tornou-se uma figura heroica para o Estado.

A principal base econômica é do município é representada pela pecuária extensiva que, em relação ao Estado do Amapá, concentra o maior rebanho. Em Amapá existem as seguintes TVs: TV Amazônia (Amapá) e TV Cabralzinho.

História[editar | editar código-fonte]

A palavra Amapá é de origem indígena e vem da nação Nuaruaque, que habitava a região Norte do Brasil, na época do descobrimento. Já o nome do Município de Amapá, assim como o do Estado do Amapá, originou-se de uma espécie de árvore brasileira ou amazônica chamada amapazeiro, que possui um tronco volumoso, com cerca de um metro de diâmetro na base e casca espessa, por onde escorre um abundante leite branco conhecido como "leite de Amapá".

O município de Amapá, que fora capital do Território Federal do Amapá, foi criado pela lei n.º 798 de 22 de outubro de 1901. A história deste município é marcada por acontecimentos ligados à conquista de terras, cujos reflexos afetavam o povo da fronteira do extremo norte. Os conflitos acentuaram-se ainda mais a partir de 1894, quando se deu a descoberta de ouro em Calçoene. Este fato motivou ainda mais a presença de europeus e norte-americanos que se instalavam às cabeceiras do rio. Esses estrangeiros, principalmente caienenses passaram a dominar a região, agindo como verdadeiros senhores, pois perseguiam os índios e escravizavam as mulheres.

Geografia[editar | editar código-fonte]

De acordo com a divisão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística vigente desde 2017,[7] o município pertence às Regiões Geográficas Intermediária de Oiapoque-Porto Grande e Imediata de Oiapoque.[1] Até então, com a vigência das divisões em microrregiões e mesorregiões, o município fazia parte da microrregião de Amapá, que por sua vez estava incluída na mesorregião do Norte do Amapá.[8]

Aspectos naturais[editar | editar código-fonte]

O domínio é das áreas inundáveis, ocupando aproximadamente 5.793,13 km². Nesse domínio, destacam-se os ambientes litorâneos, representados pelos manguezais e os ambientes de várzea, com predomínio dos campos inundáveis e lagos. Outras características desse domínio natural são:

  • Flora dos campos inundáveis e composta de espécies de alto valor forrageiro, elevada resistência natural, sendo o principal suporte da pecuária extensiva do município;
  • Riqueza de ambientes flúvio-lacustres que podem ser tomados como indicadores para a introdução de manejos de espécies silvestres;
  • Fauna flúvio-lacustre altamente especializada, destacando-se os estoques naturais de capivara, jacarés, aves migratórias e residentes;
  • Planície inundável com solos eminentemente eutróficos;
  • Condição paisagística dos sistemas de lagos permanentes;
  • Presença de sítios de manguezais com frequência de caranguejo;
  • Alta vulnerabilidade à erosão natural, à inundação pluvial e por marés, impedimentos à drenagem e susceptibilidade dos campos à seca.
  • Baixa fertilidade natural dos solos.
  • Relevo, em toda sua extensão, suave ondulado;
  • Base física do solo caracteristicamente latossólica;
  • Susceptibilidade à seca;

Localização e limites[editar | editar código-fonte]

O município de Amapá, do ponto de vista geográfico, situa-se na parte nordeste do Estado do Amapá, com altitude de 8,64 m (sede). O município faz limite com os municípios de: Calçoene, Pracuuba, Tartarugalzinho, Cutias e Macapá.

Divisão Política: Além da sede municipal, existem 12 núcleos populacionais consideráveis: Base Aérea, Cruzeiro, Piquiá, calafate, Amapá Grande dos Miras, Vulcão do Norte, Raimundo, Vista Alegre, Santo Antônio, Sucuriju, Araquiçava e Paratu.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

É banhado pelo oceano Atlântico, rio Amapá, Região dos Lagos, e outros

Precipitação pluviométrica

As chuvas ocorrem nos meses de dezembro a agosto, atingindo mais de 3000 mm. A estação das secas inicia no mês de setembro, indo até próximo do meio do mês de dezembro, quando se registram temperaturas mais altas.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima predominante é quente e úmido. A temperatura máxima é de 34 °C e a mínima é de 20 °C.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 6 de novembro de 2017 
  2. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (15 de janeiro de 2013). «Áreas dos Municípios». Consultado em 6 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2017 
  3. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «Amapá - Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 7 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2013 
  4. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (30 de agosto de 2017). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2017» (PDF). Consultado em 6 de novembro de 2017 
  5. Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 26 de agosto de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2014 
  6. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2014). «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2014». Consultado em 6 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2017 
  7. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 6 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2017 
  8. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1990). «Divisão regional do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas» (PDF). Biblioteca IBGE. 1: 29. Consultado em 6 de novembro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 6 de novembro de 2017 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Livro "Amapá em perspectiva", Editora Valcan.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]