Calçoene

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Calçoene (desambiguação).
Município de Calçoene
"A capital da incorporação"
Bandeira de Calçoene
Brasão de Calçoene
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 22 de dezembro de 1956 (60 anos)[1]
Gentílico calçoenense
Prefeito(a) Lindoval Santos do Rosário (PSC)
(2017–2020)
Localização
Localização de Calçoene
Localização de Calçoene no Amapá
Calçoene está localizado em: Brasil
Calçoene
Localização de Calçoene no Brasil
02° 29' 52" N 50° 56' 56" O02° 29' 52" N 50° 56' 56" O
Unidade federativa  Amapá
Região
intermediária

Oiapoque-Porto Grande IBGE/2017[2]

Região
imediata

Oiapoque IBGE/2017[2]

Municípios limítrofes Oceano Atlântico, Amapá, Pracuuba, Serra do Navio e Oiapoque
Distância até a capital 384 km
Características geográficas
Área 14 231,783 km² [3]
Distritos Calçoene (sede), Cunani e Lourenço[1]
População 10 525 hab. estatísticas IBGE/2017[4]
Densidade 0,74 hab./km²
Altitude 10 m
Clima tropical úmido e equatorial chuvoso Af
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,643 médio PNUD/2010[5]
PIB R$ 122 045 mil IBGE/2014[6]
PIB per capita R$ 12 230,14 IBGE/2014[6]
Página oficial
Prefeitura www.calcoene.ap.gov.br

Calçoene é um município brasileiro no estado do Amapá, Região Norte do país. Sua população estimada em 2017 era de 10 525 habitantes.[4]

História[editar | editar código-fonte]

A Vila de Calçoene iniciou em frente à cachoeira do Firmino, como era conhecido antigamente o povoado que originou o município, era parte da província do Grão-Pará. Seus moradores viviam, basicamente, da exploração do ouro, nas minas do Lourenço - por isso o nome da vila.

No final do século XIX, foi implantada na região uma colônia de imigrantes russos, no contexto de esforço de povoamento do território brasileiro por braços assalariados provindos da Europa, como ocorreu no mesmo período nas regiões Centro-Sul do Brasil.

O governo do território, após invasão por parte do governo de Caiena, resolveu retomar o povoado e suas terras, decretando a reincorporação da vila ao estado. Em 22 de dezembro de 1956, ocorreu a emancipação da vila, que passou a se chamar Calçoene - calço (cunha), ene (norte).

Geografia[editar | editar código-fonte]

De acordo com a divisão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística vigente desde 2017,[7] o município pertence às Regiões Geográficas Intermediária de Oiapoque-Porto Grande e Imediata de Oiapoque.[2] Até então, com a vigência das divisões em microrregiões e mesorregiões, o município fazia parte da microrregião de Oiapoque, que por sua vez estava incluída na mesorregião do Norte do Amapá.[8]

Seus limites são o oceano Atlântico a norte e leste, Amapá e Pracuuba a sudeste, Serra do Navio a oeste e Oiapoque a noroeste.

Clima[editar | editar código-fonte]

Calçoene é o local onde mais chove no Brasil, com uma precipitação média anual de 4.165 mm, sendo que em 2000 foram registrados quase 7.000 mm de chuva. Comparativamente chove 3 vezes mais neste município do que em todo município de São Paulo. Entre janeiro e junho foram registradas uma média de 25 dias de chuvas por mês; o que significa que chove praticamente todos os dias.[9]

Administração[editar | editar código-fonte]

Calçoene: último município até o Oiapoque[editar | editar código-fonte]

Estrada que liga Calçoene a Macapá.

O município de Calçoene é último ponto de parada com infraestrutura de serviços de qualidade até Oiapoque e fica a 356 quilômetros de Macapá pela BR-156. A rodovia é asfaltada até aqui. Até Oiapoque são mais 200 quilômetros de estrada de terra com cerca de 56 quilômetros novamente asfaltados, na chegada a Oiapoque.

Atrações turísticas[editar | editar código-fonte]

A 'Stonehenge' brasileira, em Calçoene.
Parque Arqueológico do Solstício

No local existe um círculo de pedras, que se supõe construído como um antigo observatório indígena. Tem 30 metros de diâmetro, com pedras de granito com até 4 metros de comprimento. Semelhante ao encontrado na Guiana Francesa que tem 2.000 anos de idade. O círculo de Calçoene apelidado de "Stonehenge do Amapá", se referindo ao Stonehenge da Inglaterra.

As escavações no local por arqueólogos estão sendo feitas a partir de 2006 e por isso ainda não se tem prova que realmente seja um observatório. O local já era conhecido da comunidade científica desde 1950.[10]

Praia do Goiabal

A 14 km de distância do centro, através de uma estrada de terra precária, chega-se a quase intocada praia do Goiabal, banhada pelo Oceano Atlântico. Os poucos habitantes do município são os principais frequentadores. Apesar de barrenta em seus primeiros 150 metros, a água é salgada. A praia tem aproximadamente 70 km de extensão.

Educação[editar | editar código-fonte]

Dentre os projetos do Plano de Desenvolvimento da Educação, vinculado ao Ministério da Educação, executado pelo INEP, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, na Região Norte, Estado do Amapá, as Escolas Públicas Urbanas estabelecidas no Município de Calçoene obtiveram os seguintes IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), em 2005:

IDEB, escola e ranking estadual
Nota Escola Ranking
3,5 Escola estadual José Rodrigues Cordeiro 35º
3,0 Escola estadual Amaro Brasilino de F. Filho 94º
3,0 Escola municipal Nelma Suely Barata Alves 95º

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «Calçoene - Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 9 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2013 
  2. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 6 de novembro de 2017 
  3. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (15 de janeiro de 2013). «Áreas dos Municípios». Consultado em 6 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2017 
  4. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (30 de agosto de 2017). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2017» (PDF). Consultado em 6 de novembro de 2017 
  5. Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 26 de agosto de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2014 
  6. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2014). «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2014». Consultado em 6 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2017 
  7. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 6 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2017 
  8. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1990). «Divisão regional do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas» (PDF). Biblioteca IBGE. 1: 29. Consultado em 6 de novembro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 6 de novembro de 2017 
  9. «Embrapa identifica cidade mais chuvosa do Brasil» 
  10. Jornal Folha de S. Paulo, 9 de dezembro de 2006, folha A30 (Ciência)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Baci-4s.jpg O município possui sítio arqueológico (arte rupestre brasileira) de interesse histórico e turístico!