Parnaíba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

256 mm

Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Paraíba.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Parnaíba (desambiguação).
Parnaíba
  Município do Brasil  
Município de Parnaíba
Município de Parnaíba
Símbolos
Bandeira de Parnaíba
Bandeira
Brasão de armas de Parnaíba
Brasão de armas
Hino
Lema Parnaíba, a princesa do norte
Apelido(s) "Princesa do Norte"
"Capital do Delta"
"Capital do Baixo Parnaíba"
"Parnaíba City"
"Parnaibinha"
Gentílico parnaibano(a)
Localização
Localização de Parnaíba no Piauí
Localização de Parnaíba no Piauí
Mapa de Parnaíba
Coordenadas 2° 54' 18" S 41° 46' 37" O
País Brasil
Unidade federativa Piauí
Municípios limítrofes Luís Correia, Bom Princípio do Piauí, Buriti dos Lopes, Ilha Grande e Araioses (MA)
Distância até a capital 336 km
História
Fundação 14 de agosto de 1844 (177 anos)
Aniversário 14 de agosto
Administração
Prefeito(a) Mão Santa (União Brasil, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [1] 499,229 km²
População total (estimativa IBGE/2020[2]) 183 482 hab.
Densidade 367,5 hab./km²
Clima Tropical úmido
Altitude [3] 5 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2020[4]) 0,789 alto
PIB (IBGE/2020) R$ 22 037 540,02 mil
PIB per capita (IBGE/2020[5]) R$ 15 534,25
Sítio www.parnaiba.pi.gov.br (Prefeitura)

Parnaíba é um município brasileiro do Estado do Piauí, o segundo mais populoso do estado, possuindo uma população estimada em 183 482 habitantes em julho de 2020.[2] Situado no litoral piauiense é um dos quatro municípios litorâneos do estado (além de Ilha Grande, Luís Correia e Cajueiro da Praia), é o portal de entrada para o Delta do Parnaíba, o único delta em mar aberto das Américas, tornando-se popularmente conhecida como a "Capital do Delta".[6] A cidade apresenta grande valor histórico para o Piauí com inúmeros monumentos históricos tombados pelo Iphan, principalmente nas proximidades do Porto das Barcas.[7][8]

Historia[editar | editar código-fonte]

Essa região era povoada pelo índios tremembes. Em 1607 bandeirantes, jesuítas e pesquisadores chegaram pra desbravar essa região entre o rio Igaraçu e Serra da Ibiapaba. Parnaíba surgiu de dois povoados: Testa Branca e Porto das Barcas. Testa Branca era uma grande fazenda de Gado que depois se tornou um arraial com poucos habitantes e não conseguia prosperar. Já o Porto das Barcas antes conhecido como Porto Salgado fica as margens direita do rio Igaraçu começou a prosperar devido o grande numero de embarcações que utilizavam o local onde havia o transporte de charque e comercio de mercadorias. Em 1711, Coronel Pedro Barbosa Leal e alguns moradores construíram uma pequena capela para Nossa Senhora de Mont Serrat, que foi escolhida para ser a padroeira daquele feitoria. Em 1758, o português Domingos Dias da Silva chegou a região adquiriu grande quantidades de terras e logo depois começou a produzir charque, exportando para Lisboa e importando produtos pra feitoria. Domingos Dias da Silva construiu o porto da Barcas. Em 1762, o povoado testa Branca tornou-se a Vila São Joao da Parnaíba. O povo migrou de testa Branca pro Porto das Barcas. O distrito criado recebeu o nome de Parnaíba. Em 14 de Agosto de 1844, a vila de São Joao da Parnaíba foi elevado a categoria de cidade. Ainda em 1844 foi construída a Igreja de Nossa Senhora das Gracas, padroeira da cidade, uma construção em estilo barroco.[9]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Praia Pedra do Sal, Delta do Parnaíba
Hidrografia

Clima[editar | editar código-fonte]

Predomina em Parnaíba o clima megatérmico e tropical semiúmido, apresentando grande índice de pluviosidade devido à atuação da massa Equatorial Atlântica durante os meses de janeiro a junho. Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1971 a 1985 e a partir de 1993, a menor temperatura registrada em Parnaíba foi de 17,5 °C em 5 de julho de 1974,[10] e a maior atingiu 38,8 °C em 4 de novembro de 2016.[11] O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 256 mm em 21 de março de 2019. [12] Abril de 1974, com 977,1 mm, foi o mês de maior precipitação.[13]

Dados climatológicos para Parnaíba
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 37,1 37,5 37,2 34,9 35,2 35,3 36,4 37,2 37,8 38,6 38,8 36,9 38,8
Temperatura máxima média (°C) 32,1 31,4 30,9 30,9 31,2 31,7 32,2 33,4 33,9 33,7 33,6 33,2 32,4
Temperatura média compensada (°C) 27,1 26,7 26,3 26,4 26,4 - 26,2 26,8 27,5 27,9 28,1 28,1 -
Temperatura mínima média (°C) 23,4 23,2 23,1 23 22,8 22,2 21,8 22,3 23,1 23,6 23,9 24 23
Temperatura mínima recorde (°C) 18,7 19,9 19,9 20,1 19,8 18,6 17,5 18,5 18 20 19,6 20,3 17,5
Precipitação (mm) 121,7 180,7 259,2 269,2 173,7 50,1 40,9 4,3 1,1 0,9 3,7 27,5 1 133,1
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 9 13 17 17 12 5 4 1 0 0 0 3 81
Umidade relativa compensada (%) 78,7 83,7 86,6 87,4 84,3 - 77 72,3 68,7 67,8 69 71,3 -
Horas de sol 199,2 165,7 162,4 168,2 211,8 239,3 262,1 298,2 290,6 299,6 276,3 244,2 2 817,6
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica de 1981-2010;[14] recordes de temperatura de 01/01/1971 a 31/12/1985 e 01/11/1993-presente)[10][11]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento
Populacional[15][16][17]

[18]

Ano População
1697 605
1762 12 746
1940 42 062
1950 49 369
1960 62 719
1970 79 216
1980 102 181
1991 127 929
2000 132 282
2007 144 892
2010 145 705
2020 153 863

Indicadores Sociais[editar | editar código-fonte]

Economia[editar | editar código-fonte]

Artesanato da cidade de Parnaíba (1975). Imagem do Fundo Documental Agência Nacional

Parnaíba foi agraciada com uma zona de processamento de exportação (ZPE) trazendo assim, a sua velha imagem de grandes indústrias como no início do século XX.

O agronegócio vem ganhando destaque devido ao perímetro irrigado tabuleiros litorâneos onde são cultivados diversos tipos de culturas.

Em 2009, Parnaíba foi considerada a cidade mais dinâmica do estado, a 5º da região Nordeste e a 32º do Brasil.[19] Em 2011, Parnaíba foi a cidade com maior crescimento do Brasil, registrando índice de 229%. A cidade investiu R$ 34 milhões no ano de 2011 contra os R$ 10,3 milhões que foram aplicados no ano de 2010.[20]

O turismo também vem contribuindo muito para crescimento do município, pois a cada ano vem se profissionalizando mais, atraindo assim mais visitantes de todas as partes do Brasil e do mundo. Novos hotéis, resort e outros grandes empreendimentos estão sendo construídos.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Colégio Nossa Senhora das Graças de Parnaíba

Os centros de educação de Parnaíba destacam-se principalmente nos níveis médio e superior, atraindo pessoas das cidades da região. Dentre os maiores centros, podem-se citar:

  • Universidade Federal do Delta do Parnaíba - UFDPar: criada por desmembramento da Universidade Federal do Piauí, oferece 900 vagas por ano, nos seguintes cursos: Turismo, Engenharia de Pesca, Ciências Econômicas, Administração de Empresas, Fisioterapia, Psicologia, Ciências Contábeis, Biologia, Biomedicina, Medicina, Matemática e Pedagogia. Além de oferecer mestrados em Biotecnologia, Ciências Biomédicas, Psicologia, Saúde da Família, Matemática e Museologia. Alem de um doutorado em Biotecnologia. Em 2016, foi encaminhado ao Congresso Nacional pela presidenta da República Dilma Rousseff o projeto de lei de criação da nova universidade.[21] Em 2018, o presidente Michel Temer, após aprovação no Congresso Nacional, sancionou a lei Nº 13.651, DE 11 DE ABRIL DE 2018 oficializando a criação da Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar). Em 2019, o presidente Jair Bolsonaro empossou o primeiro reitor da instituição, em caráter pró tempore, efetivando que o até então campus da UFPI se tornava uma nova universidade independente.[22]
  • Universidade Estadual do Piauí - UESPI, esta universidade oferece 290 vagas por ano, nos seguintes cursos: História, Agronomia, Pedagogia, Biologia, Enfermagem, Direito, Odontologia, Letras-Português, Letras-Inglês, Ciência da Computação, Filosofia e Sociologia.
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - IFPI, este instituto oferece cursos de técnicos e superiores. Os superiores são: Lic. Química, Lic. Física e Processos Gerenciais. Cursos tecnicos: Admistracao, comércio, edificações, eletrotécnica, informática e energias renováveis.
  • Faculdade Maurício de Nassau/Faculdade Piauiense - FAP, esta faculdade oferece aproximadamente 600 vagas ao ano, nos seguintes cursos: Arquitetura e Urbanismo, Fisioterapia, Enfermagem, Nutrição, Direito, Pedagogia, Administração de Empresas, Contabilidade, Cosmeticos e Estetica, Sistemas de Informação, Farmácia, Biomedicina, Educação Física, Engenharia Civil, Engenharia Mecanica, Engernharia Química, Engenharia de Producao, Engenharia Ambiental e Sanitária, Jornalismo, Serviço Social, CST em Rede de Computadores e CST em Marketing, Logística, Desing interiores e Gastronomia. Esta faculdade está em expansão e novos cursos já foram solicitados juntos ao MEC.
  • Instituto Superior de Teologia Aplicada - INTA, esta faculdade oferece os seguintes cursos: História e Serviço Social.
  • Instituto Superior de Educação Antonino Freire - ISEAF (Escola Normal)

Institutos federais de educação e aprendizagem[editar | editar código-fonte]

  • 3 unidades do SENAI/FIEPI (Serviço Nacional da Aprendizagem Industrial)
  • SENAC (Serviço Nacional da Aprendizagem Comercial)
  • SESI (Serviço Social da Indústria)
  • 2 unidades do SESC
  • Fecomercio

Aeroporto[editar | editar código-fonte]

O Aeroporto Internacional de Parnaíba - Prefeito Dr. João Silva Filho, localizado em uma área privilegiada entre os municípios de Camocim e Jericoacoara (ambos no Ceará), o Delta do Rio Parnaíba (Piauí) e os Lençóis Maranhenses, o aeroporto é a porta de entrada para uma região em que o turismo tende a crescer, chamada Rota das Emoções. O aeroporto está a 67 km da famosa praia de Barra Grande, 13 km da Praia de Atalaia, entre outras praias do litoral piauiense. O terminal de passageiros é inspirado na arquitetura modernista do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro. A pista de pouso e decolagem, com 2.500 metros de comprimento, é uma das maiores do Nordeste e está preparada para receber voos internacionais, fretados ou regulares. A Infraero estuda agora dotar o aeroporto da mais moderna infraestrutura aeroportuária. Nos próximos anos deverão ser realizados investimentos para melhorias no terminal de passageiros, pista, pátio de aeronaves e auxílio à navegação aérea. Com a consolidação de mais uma porta de entrada para o Nordeste, a tendência é atrair turistas e impulsionar a economia da região. Empresas aéreas demonstraram interessem em operar rotas regulares e os operadores em atrair voos fretados internacionais para o aeroporto, que tem condições de operar com aeronaves do tipo Boeing 767-300 que tem capacidade para transportar 300 passageiros e carga. A partir do dia 20 de dezembro de 2020, a Azul Linhas Aéreas começará a operar no aeroporto de Parnaíba todos domingos e quartas feiras, conectando a capital do Delta com o restante do Brasil via o aeroporto internacional de Viracopos em Campinas, São Paulo.[carece de fontes?][23]A Voepass linhas aerea, que compatilha bilhetes aereos com Latam e Gol linhas aereas, voa todas as semanas de Teresina e Fortaleza para Parnaiba.

Usina eólica[editar | editar código-fonte]

Usina Eólica da Pedra do Sal

A cidade apresenta um parque eólica chamado "Complexo Delta", na localidade da praia da Pedra do Sal. Os 20 aerogeradores da Usina Eólica da empresa Tractebel Energia, instalados na praia da Pedra do Sal podem ser vistos a quilômetros de distância e são responsáveis pela produção de 18 megawatts, suficientes para o abastecimento de 70 mil pessoas, 40% da população de Parnaíba. A Usina Eólica da Pedra do Sal de 250 hectares, começou a funcionar em fevereiro de 2009, após investimentos de R$ 105 milhões e atualmente está expansão. Recentemente, o complexo delta foi inaugurado com capacidade de produção de 70 MW, esse tem capacidade de abastecimento de 200 mil residências.

Esporte[editar | editar código-fonte]

Estádios esportivos[editar | editar código-fonte]

  • Estádio Petrônio Portela, considerado o berço do futebol parnaibano, a história do estádio Petrônio Portela se confunde com a história do Parnahyba. Construído na década de 1920, pela Casa Inglesa, foi batizado originalmente por Estádio Internacional. Seu estilo arquitetônico semelhante aos estádio ingleses da época, único no Brasil, era símbolo do glamour das disputas do Campeonato Parnahybano no século passado.
  • Estádio Pedro Alelaf, outrora Estádio Mão Santa, conhecido pela alcunha de "Piscinão", tem capacidade para 4.700 pessoas.
  • Ginásio Verdinho, estádio de propriedade da Federação das Indústrias do Piauí (FIEPI), tem capacidade de 4.500 pessoas.

Times de futebol[editar | editar código-fonte]

  • Parnahyba Sport Club (PSC) é o maior clube de futebol da cidade de Parnaíba e com maior torcida, sendo conhecido com a alcunha de Tubarão do Litoral. Fundado em 1913, o clube é o mais antigo do estado.
  • Ferroviário Atlético Club (FAC), com alcunha de Ferão, foi fundado em 1946 por funcionários da então Estrada de Ferro Central do Piauí.
  • Paysandu Esporte Clube, fundado em 12 de agosto de 1928 por Cauby, Moarcy e Paracy, oriundos de Belém, era conhecido como "brasinha", porém está sem atividades profissionais desde 2001.

Locais Esportivos[editar | editar código-fonte]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Religião[editar | editar código-fonte]

A cidade de Parnaíba é destaque em grandes manifestações religiosas do Estado do Piauí que contribui ao turismo e economia da região, entre elas a tradicional festa de São Francisco de Assis, que entre o período de 24 de setembro à 4 de outubro, milhares de pessoas superlotam a praça em frente a igreja matriz de são sebastião para novenas e quermesses, chegando o esperado dia 4 dia outubro (feriado municipal), milhares de pessoas superlotam a avenida são Sebastião para a tradicional procissão com as mais variadas expressões de fé e devoção onde reúnem romeiros de estados vizinhos. A cidade de Parnaíba é conhecida popularmente como a "segunda canindé" pela forte participação do público e grandiosidade do evento, comparado com as festividades religiosas de Canindé.

Bibliotecas[editar | editar código-fonte]

As mais importantes bibliotecas da região norte do estado estão em Parnaíba, destacando:

  • Biblioteca pública municipal de Parnaíba, foi originalmente criada em 1937, é denominada "Biblioteca Municipal Mirócles Veras".
  • Biblioteca do SESC, localizada na avenida Presidente Vagas
  • Biblioteca estadual, localizada na avenida São Sebastião.
  • Biblioteca da UFPI, localizada na avenida São Sebastião
  • Biblioteca da UESPI, localizada na avenida Nossa Senhora de Fátima
  • Biblioteca do IFPI, localizada na BR-402

Monumentos[editar | editar código-fonte]

Monumento em forma de carnaúba com o busto de James Frederik Clark.

O município possui alguns monumentos, entre os quais, citam-se: o obelisco do centenário, a Carnaúba-busto de James Frederick Clark, a pirâmide do Lions Clube, a coluna da águia e outros[24][25][26]

Palacete da União Caixeiral, atual Centro Cultural de Parnaíba

Carnaval[editar | editar código-fonte]

No carnaval da cidade, o ponto alto são os desfiles de escolas de samba, blocos carnavalescos, entre outras atrações.[27] Tendo entre as escolas de samba: Unidos da Ponte, Princesa do Igaraçu e Império do Cais.

Comunicações[editar | editar código-fonte]

Estações de rádios[editar | editar código-fonte]

Consulte abaixo a listagem das rádios que são captadas em Parnaíba:

Estações de televisão[editar | editar código-fonte]

Consulte abaixo a listagem dos canais de televisão que são captadas em Parnaíba:

Prefeitos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lista de prefeitos de Parnaíba
Nome Partido Início do mandato Fim do mandato Observações
1 Feliciano Gomes de Farias Veras 1893 1895 Intendente
2 Sebastião Hermes de Seixas 1896 1896 Intendente
3 Joaquim Antônio dos Santos 1897 1899 Intendente
4 Francisco Severiano de Moraes Correia Filho 1899 1900 Intendente
5 Jonas de Moraes Correia 1901 1904 Intendente
6 Luiz Antônio de Moraes Correia 1905 1912 Intendente
7 Constantino de Moraes Correia 1913 1914 Intendente
8 José Alexandre Rodrigues 1915 1915 Intendente
9 Veridiano Borges 1916 1916 Intendente
10 Nestor Gomes Véras 1917 1920 Intendente
11 José Narciso da Rocha Filho 1921 1928 Intendente
12 Carlos Marães Picanço 1929 1930 Intendente
13 Samuel Antônio dos Santos 1930 1931 Prefeito nomeado
14 Ademar Gonçalves Neves 1931 1934 Prefeito nomeado
15 Mirócles Campos Veras 1934 1936 Prefeito nomeado
16 Joaquim Antônio Gomes de Almeida 1937 1937 Prefeito nomeado
17 Mirócles Campos Veras 1937 1945 Prefeito nomeado
18 Cândido de Almeida Athayde 1946 1946 Prefeito nomeado
19 Raimundo Martins Delbão Rodrigues 1946 1947 Prefeito nomeado
20 Acrisio de Paiva Furtado 1947 1947 Prefeito nomeado
21 Darcy Furtado Mavgnier 1948 1948 Prefeito nomeado
22 Alberto Tavares Silva 1948 1951 Prefeito eleito
23 João Orlando de Moraes Correia 1951 1955 Prefeito eleito
24 Alberto Tavares Silva UDN 1955 1959 Prefeito eleito
25 José Alexandre Caldas Rodrigues 1959 1962 Prefeito eleito
José Quirino Memória 1962 1962
26 Lauro Andrade Correia 1963 1967 Prefeito eleito
27 João Tavares da Silva Filho ARENA 1967 1971 Prefeito eleito
28 Carlos Furtado de Carvalho ARENA 1971 1973 Prefeito eleito
29 Elias Ximenes do Prado MDB 1973 1977 Prefeito eleito
30 João Baptista Ferreira da Silva MDB 1977 1983 Prefeito eleito
31 João Tavares da Silva Filho PMDB 1983 31 de dezembro de 1988 Prefeito eleito
32 Francisco de Assis de Morais Souza PDS 1º de janeiro de 1989 31 de dezembro de 1992 Prefeito eleito
33 José Hamilton Furtado Castelo Branco PFL 1º de janeiro de 1993 31 de dezembro de 1996 Prefeito eleito
34 Antônio José de Moraes Souza Filho PFL 1º de janeiro de 1997 31 de dezembro de 2000 Prefeito eleito
35 Paulo Eudes Carneiro PFL 1º de janeiro de 2001 31 de dezembro de 2004 Prefeito eleito
36 José Hamilton Furtado Castelo Branco PTB 1º de janeiro de 2005 31 de dezembro de 2008 Prefeito eleito
1º de janeiro de 2009 31 de dezembro de 2012 Prefeito reeleito
37 Florentino Alves Veras Neto[28] PT 1º de janeiro de 2013 31 de dezembro de 2016 Prefeito eleito
38 Francisco de Assis de Morais Souza DEM 1º de janeiro de 2017 31 de Dezembro de 2020 Prefeito eleito
1° de Janeiro de 2021 31 de Dezembro de 2024 Prefeito reeleito

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. IBGE (10 de julho de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 21 de agosto de 2019 
  2. a b «Parnaíba». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 2 de março de 2021 
  3. «Portal de dados municipais do Governo Estadual». Consultado em 9 de Julho de 2019. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2009 
  4. Atlas do Desenvolvimento Humano. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2019 https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pi/parnaiba/pesquisa/37/30255. Consultado em 4 de abril de 2019  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  5. «Produto Interno Bruto dos Municípios 201». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 9 de março de 2019 
  6. Patrícia; PI, radeDo G1; Parnaíba, em (14 de agosto de 2013). «Parnaíba, conhecida como a capital do Delta, comemora seus 169 anos». Piauí. Consultado em 28 de maio de 2020 
  7. «Iphan disponibiliza R$ 2 milhões para reforma de imóveis tombados». parnaiba.pi.gov.br. Consultado em 28 de maio de 2020 
  8. «Confira a lista de patrimônios tombados pelo IPHAN no Piauí». CAU/PI. 22 de maio de 2013. Consultado em 28 de maio de 2020 
  9. «Página - IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional». portal.iphan.gov.br. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  10. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura mínima (°C) - Parnaíba». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 7 de agosto de 2014 
  11. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (°C) - Parnaíba». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 7 de agosto de 2014 
  12. «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Parnaíba». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 7 de agosto de 2014 
  13. «BDMEP - série histórica - dados mensais - precipitação total (mm) - Parnaíba». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 7 de agosto de 2014 
  14. «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 24 de março de 2018 
  15. «Dados IBGE 2007». IBGE. Consultado em 9 de Julho de 2008 
  16. «Teresina – processo de estruturação e expansão urbana e suas influências ambientais na Zona Sul». Brasil Escola. Consultado em 10 de Julho de 2008 
  17. «Morais Brito Viagens & Turismo». Morais Brito Viagens & Turismo. Consultado em 10 de julho de 2008. Arquivado do original em 22 de novembro de 2008 
  18. http://www.ibge.gov.br/cidadesat/xtras/perfil.php?codmun=220770  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  19. «www.florenzano.com.br/empresa/300maisdinamicos.htm». www.florenzano.com.br. Consultado em 26 de fevereiro de 2010. Arquivado do original em 9 de junho de 2009 
  20. «Parnaíba, no Piauí, é a cidade com maior crescimento do Brasil». g1.globo.com 
  21. «G1 - Dilma propõe ao congresso criação de cinco novas universidades». G1. Consultado em 5 de abril de 2020 
  22. «Prof Alex Marinho é nomeado ao cargo de reitor da UFDPar». UFPI. Consultado em 5 de abril de 2020 
  23. «Governo do Piauí». Governo do Piauí. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  24. Almanaque da Parnaíba, edições de 1940,43, 45.
  25. MATTOS, João Batista de. Os Monumentos Nacionais - Piauí. Rio de Janeiro; Imprensa Militar, 1949
  26. Ponte, Ailton Vasconcelos. O tombamento municipal e sua relevância para Parnaíba. Teresina: Sistema Fecomércio Piauí, 2004.
  27. Pedro Santiago, para o G1-Piauí (23 de janeiro de 2013). «Programação oficial do carnaval em Parnaíba tem 10 dias de folia». 17:07. Consultado em 16 de março de 2013 
  28. Dados do candidato a prefeito Florentino

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SELBACH, Jeferson Francisco. LEITE, José Roberto de Souza Almeida (orgs.). Meio ambiente no Baixo Parnaíba: olhos no mundo, pés na região. São Luis/MA: EDUFMA, 2008, 216p. il. [1]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]