TV Globo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Rede Globo)
TV Globo
Globo Comunicação e Participações S/A
Sede do jornalismo da emissora na cidade do Rio de Janeiro
Tipo Rede de televisão comercial aberta
País Brasil
Fundação 26 de abril de 1965 (56 anos)
por Roberto Marinho
Pertence a Globo (Grupo Globo)
Antigo proprietário Roberto Marinho (1965–2003)
Presidente Jorge Nóbrega
Cidade de origem Rio de Janeiro, RJ
Sede Rio de Janeiro, RJ
Estúdios Rio de Janeiro, RJ
São Paulo, SP
Formato de vídeo
Quota de mercado 33,3% (2020)[1][2][3]
Audiência 15,3 pontos (2020)[1]
Receita R$ 12,523 bilhões (2020)
Cobertura 99,45% do território nacional e 99,49% dos telespectadores potenciais[4]
Emissoras próprias
Emissoras afiliadas ver lista
Cobertura internacional ver TV Globo Internacional
Página oficial redeglobo.globo.com
Disponibilidade aberta e gratuita
Digital
Disponibilidade por satélite
Claro TV
Canal 24 / 524 HD[nota 1]
Sky
Oi TV
Vivo TV
Star One C2
Disponibilidade por cabo
Claro TV
Vivo TV
Canal 5 / 305 HD
Cabo Mais
Canal 32 (Recife)
Disponibilidade digital
Globoplay
Simulcast[nota 2]
DirecTV Go
Simulcast

TV Globo[a] é uma rede de televisão comercial aberta brasileira com sede na cidade do Rio de Janeiro. É assistida por mais de 200 milhões de pessoas diariamente, sejam elas no Brasil ou no exterior.[9][10] É a segunda maior rede de televisão comercial do mundo, atrás apenas da norte-americana American Broadcasting Company (ABC),[11] sendo que alcança 98,56% do território brasileiro, cobrindo 5 490 municípios e cerca de 99,55% do total da população brasileira.[9]

A emissora é também uma das maiores produtoras de telenovelas do mundo e é parte da Globo, um dos principais conglomerados de mídia do planeta e uma das subsidiárias do Grupo Globo.[12][13][14] Ao todo, possui 122 emissoras próprias e afiliadas,[15] além da transmissão no exterior pela TV Globo Internacional e de serviço mediante assinatura no país.[4][16] O sinal da Globo também é disponibilizado na internet pelo serviço de vídeo sob demanda Globoplay.

Apesar de em 5 de janeiro de 1951, durante o governo de Eurico Gaspar Dutra, a Rádio Globo ter requerido pela primeira vez uma concessão de televisão, foi somente em julho de 1957, que o então presidente Juscelino Kubitschek aprovou a concessão; no fim de dezembro do mesmo ano, o Conselho Nacional de Telecomunicações publicou um decreto que concedeu o canal 4 do Rio de Janeiro à TV Globo Ltda..[17] A emissora começou a funcionar em 26 de abril de 1965 e foi fundada pelo jornalista Roberto Marinho.

A sede administrativa da Globo encontra-se no bairro Jardim Botânico, localizado na Zona Sul do município do Rio de Janeiro, onde também funciona o departamento de jornalismo. Os principais estúdios de produção localizam-se nos Estúdios Globo, em Jacarepaguá, na Zona Oeste da cidade, que compreende o maior complexo televisivo da América Latina.[18] O departamento de esportes, que antes encontrava-se no Jardim Botânico com o jornalismo, atualmente se localiza no bairro Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio. A rede também conta com geração da programação nacional e estúdios de produção em São Paulo.

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História da TV Globo

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em 5 de janeiro de 1951, durante o governo de Eurico Gaspar Dutra, a Rádio Globo requereu sua primeira concessão de televisão.[17] O requerimento foi analisado pela Comissão Técnica de Rádio, que emitiu um parecer favorável à concessão, aprovada pelo governo dois meses depois, no dia 13 de março.[17] A essa altura, porém, o país tinha um novo presidente, Getúlio Vargas.[17] Dois anos depois, em janeiro de 1953, contrariando o parecer da Comissão Técnica, Vargas voltou atrás e revogou a concessão.[17] Foi somente em junho de 1957, que o então presidente Juscelino Kubitschek aprovou a concessão de TV para a Rádio Globo e, em 30 de dezembro do mesmo ano, o Conselho Nacional de Telecomunicações publicou um decreto concedendo o canal 4 do Rio de Janeiro à TV Globo Ltda.[17]

Em 1962, um acordo assinado entre a Time-Life e o Grupo Globo proporcionou a Roberto Marinho o acesso a um capital de trezentos milhões de cruzeiros (seis milhões de dólares, segundo o documentário Beyond Citizen Kane),[19] o que lhe garantiu recursos para comprar equipamentos e infraestrutura para a Globo.[20]

No final de 1964 foram apresentadas à imprensa as primeiras instalações da emissora. Em plena ditadura militar, seu primeiro diretor de programação foi o capitão Abdon Torres, que garantiu aos jornalistas que quando a emissora entrasse no ar, a maioria dos programas já estariam prontos, gravados em videofita. A responsabilidade pela construção das instalações foi de três engenheiros, liderados pelo general Lauro de Medeiros. Seriam três estúdios, um auditório com quatrocentos lugares e outras dependências. Exceto o auditório no segundo andar, o público não teria acesso a nenhuma outra dependência. Os produtores Haroldo Costa e Domingos de Oliveira já tinham os planos prontos para vários programas, enquanto o diretor Graça Mello já havia selecionado dezenas de atores, apresentadores e locutores. Com essa estrutura, a emissora buscava ser a primeira em organização, dentre as demais no Rio de Janeiro.[21]

A TV Tupi, na época a maior emissora do país, havia sido montada com um capital de trezentos mil dólares.[19] O acordo foi questionado em 1965 por deputados federais na CPI da TV Globo, pois seria ilegal segundo o artigo 160 da Constituição da época, que proibia a participação de capital estrangeiro na gestão ou propriedade de empresas de comunicação.[19][20] Segundo Marinho, o acordo previa apenas a assessoria técnica da Time-Life.[20] A CPI terminou com parecer desfavorável à emissora, mas em outubro de 1967 o consultor-geral da República Adroaldo Mesquita da Costa emitiu um parecer considerando que não havia uma sociedade entre as duas empresas.[20] Com isso, a situação da TV Globo foi oficialmente legalizada.[20] Mesmo assim, Marinho resolveu encerrar o contrato com a Time-Life, ressarcindo o grupo através de empréstimos tomados em bancos nacionais e pondo fim ao acordo em julho de 1971.[20]

Fundação[editar | editar código-fonte]

A TV Globo foi oficialmente fundada no dia 26 de abril de 1965 às 10h45, com a transmissão do programa infantil Uni Duni Tê.[22] Também estavam na programação dos primeiros dias a série infantil Capitão Furacão e o telejornal Tele Globo, embrião do atual Jornal Nacional. Os primeiros oito meses da TV Globo foram um fracasso, o que levou à contratação de Walter Clark, na época com 29 anos, para o cargo de diretor-geral da emissora.[19] Clark foi um dos grandes responsáveis pelo sucesso da emissora.[19] Em janeiro de 1966, o Rio de Janeiro sofreu uma das suas piores inundações; mais de cem pessoas morreram e aproximadamente vinte mil ficaram desabrigadas. A cobertura da tragédia feita ao vivo pela TV Globo foi um marco na história da emissora,[19] que fez sua primeira campanha comunitária, centralizando a arrecadação de doações em dois de seus estúdios. Nessa altura, a transmissão das imagens ainda era em preto e branco.[23] Ainda naquele ano, a Globo chegou ao estado de São Paulo[24] com a aquisição do canal 5 que, desde 1952, funcionava como a TV Paulista, de propriedade das Organizações Victor Costa. Em 5 de fevereiro de 1968, foi inaugurada a terceira emissora, em Belo Horizonte, e as retransmissoras de Juiz de Fora e de Conselheiro Lafaiete, além de um link de micro-ondas que ligava o Rio de Janeiro a São Paulo.

Roberto Marinho no início da carreira.

Foi nessa época que o governo federal, liderado pelo marechal Costa e Silva, deu prioridade ao desenvolvimento de um moderno sistema de telecomunicações, criando o Ministério das Comunicações e concedendo à população uma linha de crédito para a compra de televisores.[19] Outro impulso foi um decreto elaborado pelo ministro Delfim Neto que isentou as empresas de rádio e televisão de imposto de importação sobre equipamentos, isto permitiu à empresa se renovar e ao mesmo tempo utilizar a cotação oficial do dólar para reduzir suas despesas de importação.[25] Além disso, com o advento do videoteipe, a produção de programais locais foi logo se tornando escassa, sendo a maior parte da programação produzida no Rio de Janeiro e em São Paulo, o que impulsionou as grandes emissoras dessas cidades a formarem redes nacionais.[19] É nesse cenário que se dá o início da TV Globo como uma rede de emissoras afiliadas em 1° de setembro de 1969, quando entrou no ar o Jornal Nacional, primeiro telejornal em rede nacional,[19] que é ainda hoje transmitido pela emissora e líder de audiência no horário.[22] O primeiro programa foi apresentado por Hilton Gomes e Cid Moreira. Naquele mesmo ano, a Globo realizou sua primeira transmissão via satélite, ao exibir, direto de Roma, entrevista de Hilton Gomes com o Papa Paulo VI.[26] No ano seguinte, durante a Copa do Mundo FIFA de 1970, no México, a emissora recebeu sinais experimentais em cores da Embratel.[26] Dois anos depois, durante a exibição da Festa da Uva de Caxias do Sul, ocorreu a primeira transmissão oficial em cores da televisão brasileira.[26] Com três emissoras em 1969 (Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte), em 1973 já eram onze.[25]

Em 28 de abril de 1974, o Jornal Nacional passou a ser transmitido em cores, três dias após ter iniciado suas coberturas internacionais pela Revolução dos Cravos. No mesmo ano, é transmitido o primeiro especial de fim de ano do cantor Roberto Carlos, ainda hoje uma tradição na emissora.[26] Em 1975, a TV Globo passou a exibir boa parte de sua programação simultaneamente para todo o país, consolidando-se como rede de televisão.[26] A partir desse momento, começou a construir o que ficaria conhecido como Padrão Globo de Qualidade. O horário nobre passou a preenchido com duas telenovelas de temática leve entre dois telejornais curtos e sintéticos (Praça TV e Jornal Nacional), uma telenovela de produção nobre e com enredo mais forte, que seria chamada a partir de então de "novela das oito" e a partir das 22h uma linha de séries, minisséries, filmes ou e/ou Globo Repórter. A estrutura de grade fixa é utilizada pela Globo até os dias de hoje.[27][28][29]

Expansão e liderança de audiência[editar | editar código-fonte]

Nesse período, a Globo enfrentou dificuldades à sua expansão.[17] O regime militar negou ao grupo de Roberto Marinho pedidos para concessões de canais nas cidades de João Pessoa (PB) e Curitiba (PR).[17] A emissora aponta isso como uma evidência de que fazia um jornalismo independente que às vezes se chocava com os interesses do governo e de que não obteve favores do regime.[17] No entanto, uma passagem do livro Dossiê Geisel, uma compilação de papéis do arquivo pessoal do ex-presidente Ernesto Geisel, traz outra versão para a recusa do governo militar em conceder mais dois canais para o Grupo Globo.[30] O regime teria começado a ficar preocupado com a monopolização do setor de telecomunicações pelo grupo de Roberto Marinho e tentou evitar que a empresa crescesse mais ainda.[30] As emissoras próprias da Globo haviam sido compradas de particulares: em São Paulo e em Recife das Organizações Victor Costa e em Belo Horizonte de João Batista do Amaral.[17] Até hoje as demais emissoras que compõem a rede são afiliadas, ou seja, são associadas, mas não são de propriedade do Grupo Globo.[17] A censura não se limitava às notícias, atuava também no entretenimento. Foram inúmeros os casos de censura à dramaturgia da Globo. O mais sério foi o da proibição, a dois dias da estreia, da novela Roque Santeiro, em 1975. O prejuízo foi grande para a emissora: já haviam sido gravados 36 capítulos, com o custo de 500 mil dólares (em valores da época). Mas este não foi o único caso. Em dezembro de 1976, a novela Despedida de Casado também foi censurada na véspera de estrear, quando já estava com cerca de 30 capítulos gravados.[17]

O apresentador William Bonner entrevistou a recém-eleita presidente Dilma Rousseff em novembro de 2010.

A primeira telenovela exibida pela Globo no horário das 20 horas foi O Ébrio, de José Castellar, em 1965.[31] Embora O Rei dos Ciganos, de Moysés Weltman,[32][33] e A Sombra de Rebecca, de Glória Magadan,[34] tenham sido exibidas no horário em 1966 e 1967, respectivamente, somente com a entrada de Janete Clair no roteiro de Anastácia, a Mulher sem Destino, originalmente de Emiliano Queiroz, que a estrutura que posteriormente se convencionaria como "novela das oito" se popularizou.[32][35] Desde O Ébrio até Passione em 2010, foram exibidas 74 produções que foram chamadas de "novela das oito", sendo que a partir de Insensato Coração em 2011, a emissora passou a denominar o produto como "novela das nove".[36][37] Também em 1965 foi lançado o horário das 19 horas, com Rosinha do Sobrado,[38] sendo exibidas 70 produções desde então.[38] No horário das 18 horas, a primeira telenovela transmitida foi Meu Pedacinho de Chão, de Benedito Ruy Barbosa, em 1971. Mais de 60 produções foram ao ar após esta.[39]

Entre 1965 e 1979, a Globo possuiu ainda um quarto horário (que passou a ser o quinto desde a estreia de Malhação em 1995) destinado à exibição de telenovelas, às 22h. A primeira produção exibida neste horário foi também a primeira telenovela a ser exibida pela emissora: Ilusões Perdidas, de Ênia Petri.[40] Sinal de Alerta, de Dias Gomes, foi a última telenovela a ser exibida no horário durante aquele período.[41][42] Em duas oportunidades o quarto horário foi "ressuscitado": Eu Prometo, de Janete Clair, foi exibida como "novela das dez" em 1983[43] e Araponga, de Dias Gomes, foi exibida em 1990 no horário das 21h30.[44] A partir de 2011, houve uma nova denominação de novela na Globo, a "novela das onze" que anteriormente era a "novela das dez", sendo de certa forma uma tentativa da emissora de aumentar o índice de audiência no horário ocupado até então por minisséries, seriados e outros programas. A primeira novela exibida na faixa foi O Astro, remake da versão de 1977.[45] Em 1976, a emissora exportou suas primeiras telenovelas.[26]

Em 1977, toda a programação da emissora passou a ser em cores, antes restrita a telenovelas e telejornais.[26] Nesse mesmo ano, Walter Clark foi substituído por Boni no cargo de diretor-geral.[19] Em 1979, a Globo começou a desenvolver a tecnologia de efeitos especiais digitais.[26] Em 1982, a emissora implantou a transmissão via satélite.[26] Nos anos 1980, a Globo consolida-se na liderança da audiência com telenovelas e minisséries como Vereda Tropical, O Tempo e o Vento, O Pagador de Promessas e O Salvador da Pátria. Em 1990, no entanto, enfrenta, pela primeira e única vez, desde o fim da Rede Tupi, concorrência na teledramaturgia com o sucesso da telenovela Pantanal da Rede Manchete.[46] Nos anos 1990, a Globo realizou as primeiras experiências interativas da televisão no Fantástico e no Você Decide, e obtém novos recordes de audiência com as telenovelas Mulheres de Areia, A Viagem e A Próxima Vítima.[26]

Século XXI[editar | editar código-fonte]

Desde o início dos anos 2000, apesar de sucessos como Mulheres Apaixonadas, Senhora do Destino, Alma Gêmea e Da Cor do Pecado,[26] a Globo registra constantes quedas em sua audiência. O aumento da renda provocou mudanças nos hábitos de consumo dos brasileiros no que diz respeito à televisão.[47] As pessoas saem mais de casa e migram, ainda que de modo ligeiro, para a televisão por assinatura.[47] Além disso, a internet tem atraído parte do público antes cativo das emissoras de televisão aberta.[47] A média de audiência da Globo caiu de 56% em 2004 para 42% em 2013 na Região Metropolitana de São Paulo,[47] principal mercado para os anunciantes. Ainda assim, a participação das emissoras em publicidade cresceu em 2012 e atingiu 65% do total de um montante de 19,5 bilhões de reais.[47] Estima-se que a rede e suas afiliadas ficaram com 80% do valor, devido, em parte, ao sucesso das telenovelas Cheias de Charme e Avenida Brasil.[47] Além disso, a verba publicitária do governo federal investida na emissora subiu de 370 milhões de reais em 2000 para 495 milhões em 2012.[47]

A partir de 2020 a TV Globo fez parte do processo de fusão do Sistema Globo, que vinha sendo elaborado desde o ano 2000, sendo oficializada apenas em 2021, quando a Globo, Globoplay, Globo.com e GE passaram a ser unificadas em uma única empresa.

Identificação[editar | editar código-fonte]

Logotipo[editar | editar código-fonte]

O primeiro logotipo foi criado com a fundação da emissora em 1965. Inicialmente era uma rosa-dos-ventos, cujas pontas lembram o número quatro, número da emissora no Rio de Janeiro.[48] Foi criado por Aloísio Magalhães, um dos grandes responsáveis pela expansão do design no Brasil. Ele foi substituído em 1966, dando lugar a um círculo com três linhas geográficas, que faziam alusão a um "globo", que foi utilizado até 1976.[48] No mesmo ano, ganhou uma variação pela qual esse logotipo ganhou, ao seu lado, nove anéis, representando as nove emissoras afiliadas da época, formando assim a "Rede Globo".[49]

Logo da Globo usado de 1966 a 1976

O primeiro conceito do logotipo atual foi apresentado em 1976.[48] É composto de uma esfera azul com um retângulo de cantos arredondados e extremidades desiguais.[48] Dentro desse retângulo, assenta-se uma pequena esfera de tamanho médio.[48] O projeto é de autoria do designer austríaco Hans Donner e foi esboçado num guardanapo de papel. Segundo ele, a esfera representa o mundo e o retângulo uma tela de televisão que exibe o próprio mundo.[48] Duas variações acinzentadas da marca a substituíram: em 1981 e 1983, respectivamente. A partir de 1985, em comemoração aos vinte anos da emissora, seu logotipo era o número vinte metálico tridimensional cujas laterais formavam o logotipo da Globo. Em 1986, o logotipo ganhou a forma tridimensional e multicor utilizada até hoje. A primeira variação consistiu numa esfera metálica oca com uma abertura retangular colorida (com faixas em azul, verde, amarelo e vermelho, representado a TV a cores) e a esfera menor posicionada em seu centro.[50]

Em 1992, a esfera deixa de ser cinza e passa a ser azul-claro e perde o efeito opaco, ganhando reflexo, e o retângulo colorido passa a ser composto por um mosaico de triângulos. As linhas do reflexo sofreram pequenas alterações com as mudanças posteriores e duraram até 2008. Em 1995, aos 30 anos da emissora, o logotipo da Globo foi apresentado de lado com o retângulo e a bola média simbolizando o número "0" e, o lado esquerdo, o "3". Em 1996, o logotipo ganha mais brilho e perde a cor azul clara para um azul mais escuro. Durante o ano de 1999, a marca teve duas variações diferentes durante a campanha "Uma Nova Emoção a Cada Dia". Ambas foram alterações apenas na área do espectro colorido da tela, que ganhou ondulações de água sobre ela: uma com o efeito de uma gota num lago e a outra com o efeito de ondas num oceano.[50] Durante a comemoração dos 35 anos em 2000, a marca ganhou um tom azulado, menos brilhoso, e seu reflexo tornou-se levemente simplificado A partir daí, também foi utilizado o Globo de vidro para toda a programação e para as vinhetas interprogramas. Com os 40 anos em 2005, veio uma marca com tonalidade mais leve e clara. O uso de fundos pretos para o logo deixa de ser predominante, em prol de cores mais claras. O logotipo criado naquele ano também marcou os últimos momentos em que ele apresentava a tela 4:3, o mosaico com triângulos e as linhas do reflexo desde 1992, que sofriam modificações de acordo com a mudança do logotipo, mantendo o conceito original. A logomarca fez sua primeira aparição na virada do ano de 2004/2005, no palco da edição do Show da Virada daquele ano.

Em 2008, o logo se adapta à televisão digital, que foi implantada no Brasil no dia 2 de dezembro de 2007, com o formato da tela substituído de 4:3 para 16:9. Os triângulos do mosaico colorido da tela foram substituídos por linhas horizontais, que nas vinhetas são formados por prismas triangulares. Os reflexos foram refeitos do zero; segundo Donner, eles representam a forma de um sorriso. A partir daí, passou a ser usado um logotipo único para as emissoras próprias da rede.[50] Este também foi o último logotipo a apresentar o efeito metálico e as faixas coloridas estáticas desde 1986.

Em 2013, são criadas versões monocromáticas da logomarca de 2008, para as chamadas, cada uma variando de acordo com a atração anunciada. Em 2014, a emissora passou por uma nova reformulação visual: Pela primeira vez ganharam movimento dentro do globo e ao perder o cinza metálico, ganhou branco.[48][51][52] Em 2015, passou por pequenas alterações: o azul passa a ser uma cor mais limpa, se tornando branca, e também perdendo reflexos internos, devido aos 50 anos da emissora..[53]

Em 2021, para finalizar a unificação de algumas empresas do grupo, desejada desde o início dos anos 2000, a Globo adota uma nova identidade visual, apostando em cores vívidas e mais brilhantes (azul com verde, roxo com lilás, rosa com vermelho, amarelo com laranja), além de implantar um degradê que já é usado nas chamadas verticais dos programas. A canopla dos microfones de reportagem também serão modificados, buscando a extinção da tradicional logomarca preta. A logomarca de tradicionais programas seguirão a mesma proposta. A nova identidade já começou a ser aderida na plataforma de vagas da Globo e no Instagram voltado aos futuros profissionais da emissora.[54][55][56][57]

Slogan[editar | editar código-fonte]

Como forma de identificação, a TV Globo tem lançado diversos slogans desde o começo dos anos 1970. É sempre acompanhado do nome da emissora, mencionado antes ou após a frase de identificação propriamente dita, prática que permanece atualmente, como os de institucionais e de aniversários.[58]

Estrutura e alcance[editar | editar código-fonte]

Edifício Jornalista Roberto Marinho, em São Paulo. O prédio integra 17 setores e abriga o departamento comercial da emissora.[59]
Torre da Globo na região da Avenida Paulista, em São Paulo

A TV Globo faz parte do Grupo Globo, um grande conglomerado de mídia brasileiro e o maior da América Latina. Suas empresas associadas são: TV Globo Rio de Janeiro (emissora de televisão no Rio de Janeiro), TV Globo São Paulo (emissora de televisão em São Paulo), TV Globo Minas (emissora de televisão em Belo Horizonte), TV Globo Brasília (emissora de televisão em Brasília), TV Globo Nordeste (emissora de televisão em Recife), TV Globo Internacional (difusão internacional), Canais Globo (programadora de canais de TV fechada), Portal Globo.com (portal de notícias na internet), Infoglobo (publicadora de jornais impressos), Editora Globo (editora de livros e revistas no Brasil), Edições Globo Condé Nast (editora de livros e revistas internacionais), Sistema Globo de Rádio (emissoras de rádio), Som Livre (gravadora musical), Zap Imóveis (site de aluguéis e vendas de imóveis), Globo Filmes (empresa cinematográfica), Globo Marcas (branding e publicidade) e a Globo Vídeo (vídeos na internet).[60][61]

Sedes[editar | editar código-fonte]

A rede de televisão é a peça central do conglomerado. A Globo tem o seu principal complexo de produção no Rio de Janeiro. Inaugurado em 1995, os Estúdios Globo (anteriormente chamado de Projac e oficialmente chamado de Central Globo de Produção) é onde as suas telenovelas são produzidas e é um dos maiores centros de produção televisiva do mundo; atualmente, é o maior da América Latina.[62]

No final da década de 1990, a Globo mudou parte de sua divisão de jornalismo, que engloba tanto as mesas de notícias, a equipe de produção e os estúdios, para São Paulo, no bairro da Vila Cordeiro. Entretanto, seus principais programas jornalísticos, como o Jornal Nacional e o Fantástico, bem como o seu próprio canal de notícias, a Globo News, continuam a ser transmitidos a partir da sede principal no Rio de Janeiro, onde a sede de notícias da Globo, a Central Globo de Jornalismo, está localizada.

Cobertura nacional[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lista de emissoras da TV Globo

A TV Globo opera sua programação simultaneamente na televisão analógica e digital, em definição padrão e alta definição. Em 2 de dezembro de 2007, a TV Globo São Paulo deu início às transmissões em alta definição (1080i) na metrópole paulista.[63] Em 2008, o sinal digital foi lançado pela TV Globo Minas no dia 25 de abril para Belo Horizonte, e pela TV Globo Rio de Janeiro no dia 16 de junho para a metrópole homônima.[63][64] Em 2009, a TV Globo Brasília iniciou as transmissões digitais na capital federal no dia 22 de abril, e a TV Globo Nordeste inaugurou oficialmente o sinal digital no Recife em dia 15 de junho.[65][66]

A Globo é formada por 124 emissoras (sendo 5 emissoras próprias e 119 emissoras afiliadas), além da transmissão no exterior pela TV Globo Internacional e de serviço mediante assinatura no país.[4][16] A Globo é transmitida em áreas metropolitanas através de um número de estações de propriedade e operadoras, incluindo a TV Globo Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), a TV Globo São Paulo (São Paulo), a TV Globo Brasília (Brasília), a TV Globo Minas (Belo Horizonte) e a TV Globo Nordeste (Recife). A programação também é levada para outras regiões do Brasil por 147 redes afiliadas, de propriedade de empresas de terceiros. A TV Globo através de sinal terrestre cobre 98,53% do território do Brasil, além de cobrir seu sinal por cabo através de todas as afiliadas, e também por TV paga via satélite, em parceria com as principais afiliadas, além de ter cobertura em 100% do território nacional através de antena parabólica.[9]

Audiência[editar | editar código-fonte]

Desde 2003, a audiência dos principais programas da TV Globo tem caído constantemente na medição do Ibope na Região Metropolitana de São Paulo: a audiência da novela das sete foi de 40 pontos para os atuais 23,0; a da novela das nove caiu de 67,5 para 34,0; a do Fantástico, de 46,6 para 19,7; a do futebol, de 47,1 para 21,0; e a do Jornal Nacional, de 46,7 para 25,0.[47] Apesar disso, a emissora mantém, desde os anos 1970, a liderança isolada no segmento de televisão aberta no Brasil.[67] O Ibope anual da emissora caiu de 21 pontos em 2003 para 14,4 em 2013 na Grande São Paulo, onde cada ponto representa 65 mil domicílios na região.[67] A nível nacional, onde cada ponto representa 217 mil domicílios, a emissora caiu de 22,7 pontos em 2003 para 16,4 em 2013.[67] Em 2014, a emissora perdeu 5% da audiência, caindo para 13,5 pontos na média,[68] passando para média de 15,1 pontos em 2015.[69]

Programação[editar | editar código-fonte]

Teledramaturgia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lista de telenovelas da TV Globo
Reprodução do rio Ganges para a telenovela Caminho das Índias na cidade cenográfica do Projac (hoje Estúdios Globo), no Rio de Janeiro, o maior complexo televisivo da América Latina.[18]

Ao todo, a Globo possui em sua programação seis horários destinados a telenovelas: o primeiro é o Vale a Pena Ver de Novo, exibido na faixa da tarde e o segundo é a novela destinada ao público jovem: a soap opera Malhação, que é exibida no final da tarde. Logo após, segue o horário "das seis", que apresenta tramas com um enredo simples e romântico, sendo de época e/ou regional.[70]

Já o "das sete" costuma possuir folhetins mais cômicos, enquanto o "das nove" (anteriormente conhecido como "das oito") é o principal horário da teledramaturgia brasileira, ou ao menos, o de maior repercussão. E, finalmente, o horário "das dez/onze é o mais tardio e, geralmente, apresenta obras mais pesadas e com temas fortes. Este último é o único na qual as novelas não são exibidas em sequência; pausas ocorrem entre uma produção e outra.[71] À parte disso, a emissora também produz minisséries.[72][73]

A medição do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE) na Grande São Paulo mostra que as novelas da Globo perderam, entre 2004 e 2008, 26,19% dos telespectadores,[74] embora a teledramaturgia da emissora ainda seja líder em audiência em seus horários de exibição.[75][76]

Distribuição internacional[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: TV Globo Internacional
Barraca da Globo Internacional no Brazilian Day Canada 2012.

Fundada em 1999 e agora com mais de 620 mil assinantes,[77] a TV Globo Internacional opera canais de televisão por satélite em todo o mundo, inclusive nas Américas, Oceania (mais especificamente na Austrália), Europa, Oriente Médio, África e Japão, trazendo uma mistura de entretenimento, notícias e programação esportiva provenientes dos canais TV Globo, GNT, Globo News, Viva, Futura e SporTV para brasileiros que moram no exterior e demais lusófonos. Duas fontes distintas alimentam a programação internacional ao vivo a partir do centro da rede de transmissão localizado no Rio de Janeiro, gerando o sinal da TV Globo Internacional Europa/África/Oriente Médio e da TV Globo Américas/Oceania.[78] Um terço da TV Globo Internacional Ásia é originária do Japão pelo IPC[79] e baseia-se em material gravado no início do dia da TV Globo Américas/Oceania, que é repetido em uma programação mais apropriada para o fuso horário do Extremo Oriente. Desde 2007, a TV Globo também opera um canal "premium" que se origina a partir de Lisboa, Portugal, chamado TV Globo Portugal. A programação da TV Globo Portugal é diferente da programação da TV Globo na Europa devido a acordos contratuais com outras redes de televisão portuguesas, principalmente a SIC, que detém direitos para transmitir primeiro parte da programação da TV Globo, como as novelas.

A TV Globo Internacional nos Estados Unidos é feita tanto pelo serviço de satélite (Dish Network, DirecTV, que também oferece o Premiere Futebol Clube, canal de futebol brasileiro dos Canais Globo) e por cabo (Comcast em Miami, Boston e New Jersey; RCN em Boston e Atlantic Broadband em Atlanta). No Canadá, está disponível através de Rogers Cable e pela NexTV, serviço de IPTV. No México e em outros países latino-americanos pode ser vista no satélite Sky.[80] A TV Globo Internacional foi transmitida na Austrália e na Nova Zelândia através da UBI World TV até junho de 2012, quando a empresa encerrou as operações.[81]

Em 2007, a TV Globo se juntou com a Telefé da Argentina para um "intercâmbio" entre os participantes dos reality shows Big Brother (do Brasil) e Big Brother (da Argentina). Em 21 de maio de 2009, houve uma parceria entre a Globo e a TV Azteca do México para iniciar a gravação de suas novelas no país. A aliança Globo-TV Azteca se iniciou a partir de uma terça-feira do dia 11 de maio de 2010 com a transmissão da novela A Favorita em espanhol no canal Azteca 13 às 12 horas.[82] A partir de uma parceria entre Globo e a Telemundo dos Estados Unidos, estreiou em julho de 2013 a versão hispânica de Fina Estampa, novela de Aguinaldo Silva que foi um sucesso de audiência no Brasil. A expansão da Telemundo deve representar também a expansão do público das telenovelas da rede, que hoje, já marcam presença em cem países. Ainda não se sabe, mas a Telemundo África poderá ser mais um canal para a chegada de novelas da TV Globo ao continente.[83]

Internet[editar | editar código-fonte]

Globo.com[editar | editar código-fonte]

Logo do Globo.com
Ver artigo principal: Globo.com

Globo.com é o portal de internet da empresa e tem uma grande biblioteca de vídeos históricos, além de fornecer parte do conteúdo atual gravado, noticiários de TV ao vivo e programas especiais, como o Big Brother Brasil. Também difundiu os jogos da Copa do Mundo FIFA de 2006 em 480i e 480p. O portal também oferece acesso aos demais produtos do conglomerado de mídia como revistas, jornais e rádio ao vivo. O domínio atraiu pelo menos 1,8 milhões de visitantes anualmente até 2008, segundo um estudo do Compete.com[84] e, atualmente, é classificado como o 104º site mais acessado no mundo, segundo o Alexa.[85]

Globoplay[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Globoplay
Logo do Globoplay

Globoplay é uma plataforma digital de streaming de vídeos sob demanda criada e desenvolvida com a ideia de Valdir Miranda o qual registrou o domínio em 2013 e enviou a ideia para o Grupo Globo, que teve o seu lançamento feito em 26 de outubro de 2015. Em 2020 consagrou a marca de 20 milhões de usuários e se tornou líder nacional de streaming.[86][87][88] Seu aplicativo está disponível desde o dia 3 de novembro de 2015 pela App Store e na Google Play.[89] Também, possui versão para a webOS, da LG.[90] A versão web pode ser acessada pelo site da empresa.[91] Em fevereiro de 2016, seu app móvel ganhou compatibilidade com o Chromecast.[92][93][94] Estão sendo desenvolvidos aplicativos para TV's da Samsung, Philips, LG e Panasonic,[90] sendo que em abril de 2017, a TCL lançou o televisor P2 Ultra HD, cujo controle remoto possui um botão de atalho exclusivo para o aplicativo.[95] Também, foi anunciado uma versão para o Windows.[96] Em abril de 2021, a TV Globo firma parceria com a Google por 7 anos, migrando 100% do data center privado da Globo para o ambiente de nuvem da Google, a criação de uma aplicação para Android TV, a otimização de processos de produção, edição, transmissão e distribuição de conteúdos variados e a digitalização da infraestrutura de servidores voltados aos produtos digitais do canal.[97] [98][99] A cooperação tecnológica prevê uma transformação em, pelo menos, três frentes de negócio do conglomerado de mídia brasileiro: a otimização de processos de produção, edição, transmissão e distribuição de novelas, programas esportivos e reality shows e a digitalização da infraestrutura de servidores voltados aos produtos digitais. [100] O acordo também tem impacto direto no media supply chain, com a migração para a nuvem do Google de etapas relevantes dos processos de produção e distribuição do seu conteúdo. Uma das prioridades do contrato é a otimização das plataformas tecnológicas da Globo, que deve gerar em médio prazo novas oportunidades de negócios.[101]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Influência política[editar | editar código-fonte]

Bandeira criticando a emissora durante os protestos contra a Copa do Mundo em 2014.

Sendo a maior rede de televisão do Brasil e a segunda maior do mundo, a TV Globo possui um histórico de controvérsias em suas relações na sociedade brasileira. A emissora possui uma capacidade sem paralelo de influenciar a cultura e a opinião pública.[47] Para o cientista político e jornalista Laurindo Leal Filho, o poderio da emissora pode ser observado em um fenômeno ainda pouco estudado: sua onipresença em locais públicos como bares, restaurantes e salas de espera de hospitais.[47] Segundo ele, essa força faz com que a Globo seja um elemento capaz de desestabilizar a democracia.[47]

A principal controvérsia histórica do Grupo Globo está justamente ligada ao apoio dado à ditadura militar brasileira e a censura nos noticiários da emissora dos movimentos pró-democracia. O regime, segundo os críticos da emissora, teria rendido benefícios ao grupo midiático da família Marinho, em especial para o canal de televisão que, em 1984, fez uma cobertura omissa das Diretas Já.[102] A própria Globo reconheceu em editorial lido no Jornal Nacional, 49 anos depois e pressionada pelas manifestações de junho de 2013,[103][104][105] que o apoio o golpe militar de 1964 e ao regime subsequente foi um "erro".[106]

Roberto Marinho foi criticado no documentário britânico, Beyond Citizen Kane (Muito Além do Cidadão Kane), por seu poder e papel na fundação da TV Globo e vínculos com a ditadura militar no período. A emissora foi à Justiça para impedir a liberação e exibição do filme no Brasil, mas que se tornou viral na internet após a virada do século 21.[107] Em 2009, a Rede Record comprou o documentário e passou a divulgar trechos do mesmo na emissora.[108]

Desde o colapso da ditadura militar e o início da Nova República, a Globo foi acusada de influenciar nos resultados de diversos pleitos eleitorais. No final dos anos 1980, a emissora foi criticada devido à edição que promoveu do último debate entre os candidatos a presidente na eleição de 1989, o que teria favorecido Fernando Collor de Mello.[109] No final da década de 1990, o Grupo Globo enfrentou diversos problemas financeiros que teriam sido aliviados pelo Estado apesar de se tratar de uma empresa privada.[47] Durante o período, a emissora utilizou sua influência entre os políticos para conseguir mudar um artigo da Constituição Federal para permitir a entrada de 30% de capital estrangeiro nas empresas de mídia.[47]

Manifestantes penduram efígie do ex-juiz Sergio Moro como "traidor" e protestam contra a TV Globo em frente ao prédio da 13ª Vara da Justiça Federal, em São Paulo

Houve também várias críticas à forma como a Globo fez a cobertura das eleições gerais de 2006, por conta de acusações de que a emissora teria atuado para prejudicar a campanha do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva à reeleição.[110] Em 19 de abril de 2010, a emissora tirou do ar, logo após o primeiro dia de veiculação, a campanha de comemoração de aniversário dos 45 anos da rede por ter sido acusada de estar fazendo campanha subliminar a José Serra, candidato a presidente pelo PSDB.[111]

Na época das eleições de 2010, a empresa tirou do ar, logo após o primeiro dia de veiculação, a campanha de comemoração de aniversário dos 45 anos da rede por ter recebido acusações de estar fazendo uma "campanha subliminar" a José Serra, candidato a presidente pelo PSDB, também de número 45, o que foi negado pela emissora.[111] Houve também controvérsia quanto a forma como a Globo fez a cobertura do julgamento do caso conhecido como Mensalão, que coincidiu com as eleições municipais no Brasil em 2012. Durante todo o segundo turno o noticiário do mensalão foi apresentado pelo telejornal sempre logo após ao fim do horário eleitoral.[112]

Em entrevista para a Agência Pública, após as primeiras revelações do The Intercept sobre as ações do ex-juiz Sergio Moro na Operação Lava Jato, o jornalista estadunidense Glenn Greenwald falou que a TV Globo e a "grande mídia" brasileira, com exceção do jornal Folha de S.Paulo e jornalistas independentes, trabalharam com a Lava Jato "publicando o que a força-tarefa queria que eles publicassem."[113]

Acusações de fraudes tributárias[editar | editar código-fonte]

Entre 2010 e 2012, o conglomerado foi notificado 776 vezes por sonegação fiscal.[114] Em uma destas lavagens de dinheiro nos Estados Unidos foi depositado 1,6 bilhão através do Banestado.[115] A maior parte das autuações envolve a apreensão de equipamentos, sem o recolhimento de impostos, no Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro.[114] Ainda segundo a Receita, a empresa praticou fraude contábil ao negociar um perdão de 158 milhões de reais em dívidas com o banco JP Morgan em 2005.[47] A emissora, multada em 730 milhões de reais, contesta a cobrança, mas foi derrotada em uma das instâncias do Ministério da Fazenda, o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, em setembro de 2013.[47]

Um documento datado de 15 de setembro de 2006, liberado pelo site WikiLeaks em 2013, cita que a Globo repassou à UNESCO apenas 10% do valor arrecadado desde 1986 com a campanha (à época 94,8 milhões de reais).[116][117] A emissora respondeu que "desconhece os documentos citados" e que "no acordo, não existe qualquer cláusula prevendo pagamento de taxa de administração", sendo que "todos os custos referentes à gestão e administração do fundo Criança Esperança, a cargo da Unesco, são integralmente pagos pela TV Globo com recursos próprios."[118] Em 2011, a UNESCO também divulgou comunicado em que esclarecia os boatos sobre a suposta sonegação. Segundo o órgão, “por se tratar de uma agência das Nações Unidas, doações para a Unesco não são dedutíveis no Imposto de Renda, que veta supressão de contribuições feitas a organismos internacionais.[119]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Prêmio Vladimir Herzog
Prêmio Vladimir Herzog de Reportagem de TV
Ano Obra Veículo de mídia Autor Resultado
2013 "Adoção irregular" TV Globo José Raimundo e equipe: German Maldonado, Priscila Ladeia, Rildo Araújo e Robel Sousa Venceu[120]
Menção Honrosa do Prêmio Vladimir Herzog por Reportagem de TV
Ano Obra Veículo de mídia Autor Resultado
2013 "SOS Criança" TV Globo Marcelo Canellas e equipe: Alexandre Beltran, Fabio Ibiapina, Felipe Queiroz, Felippe Quaglio, Joelson Maia, Lorena Barbier, Lucio Alves, Renata Scholl, Vera Souto, Vivian Raffaeli e Wellington Walsechi. Venceu[120]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. A numeração dos canais varia de acordo com a localidade.[5]
  2. Requer login com uma conta da Globo.com, do Facebook ou do Google. Disponível apenas na área de cobertura de algumas afiliadas.[6]
  1. Anteriormente, a emissora se chamava Rede Globo. A partir de uma mudança de sua marca em 2021, passou a ser conhecida como TV Globo.[7] Suas redes sociais trocaram de nome de @redeglobo para @tvglobo.[8]

Referências

  1. a b «TV tradicional perde força em 2020 mas Globo ainda domina o mercado». UOL. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  2. «Plataformas de streaming perderam apenas para a Globo no Ibope de Junho». IstoÉ. Consultado em 13 de outubro de 2020 
  3. «tvglobo tem pior mês no ibope em quase dois anos». Splash através de UOL. Consultado em 9 de novembro de 2020. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  4. a b c «Cobertura Brasil - Atlas de Cobertura». Negócios Globo. Consultado em 25 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2020 
  5. Portal Line-UP TV - Claro TV
  6. «Globo Play: a programação da Globo ao vivo ao alcance de um 'play'; saiba». Rede Globo. Globo.com. 26 de outubro de 2015. Consultado em 30 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2020 
  7. «Assista ao canal TV Globo». Globoplay. Consultado em 7 de abril de 2021 
  8. Em "TV GLOBO: perguntas frequentes", publicado em 29 de maio de 2020, as ligações para redes sociais no fim da página mostram o nome de usuário @redeglobo, contas atualmente inexistentes (Twitter, Facebook, Instagram), e o YouTube redireciona para uma conta chamada "TV Globo". As contas nas outras redes sociais utilizam atualmente o usuário @tvglobo (Twitter, Facebook, Instagram).
  9. a b c «Negócios Globo». Grupo Globo. Consultado em 21 de julho de 2015. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2015 
  10. «Estagiar». Grupo Globo. Consultado em 19 de novembro de 2007 [ligação inativa]
  11. «Rede Globo se torna a 2ª maior emissora do mundo». OFuxico. Consultado em 12 de maio de 2012. Cópia arquivada em 14 de maio de 2012 
  12. «BRAZIL - The Museum of Broadcast Corporations». Consultado em 30 de maio de 2011. Arquivado do original em 29 de junho de 2011 
  13. Globo são o 17º maior grupo de mídia do mundo[ligação inativa]
  14. «Google é maior empresa de mídia do mundo – Meio & Mensagem». www.meioemensagem.com.br. Consultado em 13 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  15. Sobre a Rede Globo no estudo Donos da mídia Arquivado em 15 de maio de 2010, no Wayback Machine..
  16. a b «TV Globo». Grupo Globo. Consultado em 8 de março de 2016. Arquivado do original em 3 de outubro de 2015 
  17. a b c d e f g h i j k l "Concessões de canais" Arquivado em 26 de dezembro de 2020, no Wayback Machine.. Memória Globo. Página acessada em 16 de novembro de 2013.
  18. a b «Globo inaugura estúdios nesta quinta-feira (8) e amplia seu complexo de produção no Rio». g1. Consultado em 8 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  19. a b c d e f g h i j "Muito Além do Cidadão Kane" Arquivado em 17 de novembro de 2020, no Wayback Machine.. Channel 4. Página acessada em 9 de dezembro de 2013.
  20. a b c d e f Caso Time-Life Arquivado em 20 de outubro de 2013, no Wayback Machine.. Memória Globo. Página acessada em 16 de novembro de 2013.
  21. «TV Globo quer ser a primeira em organização» (PDF). Revista Intervalo. São Paulo: Editora Abril. Dezembro de 1964. pp. 52–53. Consultado em 26 de março de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 26 de dezembro de 2020 
  22. a b «sobre TV - Rede Globo» 
  23. Memória Globo. «Enchente no Rio de Janeiro - 1966». Cópia arquivada em 16 de outubro de 2012 
  24. «Microfone: Rede Globo». Arquivado do original em 6 de Junho de 2013 
  25. a b Gaspari, Elio (2014). A Ditadura Escancarada 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca. 526 páginas. ISBN 978-85-8057-408-1 
  26. a b c d e f g h i j k "TV Globo" Arquivado em 5 de dezembro de 2013, no Wayback Machine.. Memória Roberto Marinho". Página acessada em 16 de novembro de 2013.
  27. A semiótica do cenário televisivo Arquivado em 26 de dezembro de 2020, no Wayback Machine.. João Batista Freitas Cardoso. Annablume. ISBN 9788574198576 (2008)
  28. A deusa ferida: por que a Rede Globo não é mais a campeã absoluta de audiência Arquivado em 26 de dezembro de 2020, no Wayback Machine.. Silvia Helena Simões Borelli, Gabriel Priolli. Summus Editorial. ISBN 9788532307538 (2000)
  29. Mercado brasileiro de televisão Arquivado em 26 de dezembro de 2020, no Wayback Machine.. César Bolaño. Editora da PUC-SP. ISBN 9788528302738 (2004)
  30. a b Nogueira, Paulo. "Por que a Globo faz o que faz" Arquivado em 17 de novembro de 2020, no Wayback Machine.. Diário do Centro do Mundo. 1° de dezembro de 2013. Página acessada em 9 de dezembro de 2013.
  31. «O Ébrio». Memória Globo. Globo.com. Consultado em 28 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 11 de julho de 2011 
  32. a b SOUZA, pp.177-178
  33. «O Rei dos Ciganos». Memória Globo. Globo.com. Consultado em 28 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 11 de julho de 2011 
  34. «A Sombra de Rebecca». Memória Globo. Globo.com. Consultado em 28 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 11 de julho de 2011 
  35. «Anastácia, a Mulher sem Destino». Memória Globo. Globo.com. Consultado em 28 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 11 de julho de 2011 
  36. Maia, Maria Carolina. «Em Insensato Coração, Gilberto Braga tem seu momento mais Manoel Carlos» 
  37. Ricco, Flávio (17 de janeiro de 2011). «Globo ganha audiência com mudanças de horário». Coluna do Flávio Ricco. UOL Televisão. Consultado em 23 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  38. a b «Rosinha do Sobrado». Memória Globo. Globo.com. Consultado em 28 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 11 de julho de 2011 
  39. «Meu Pedacinho de Chão». Memória Globo. Globo.com. Consultado em 28 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 11 de julho de 2011 
  40. «Ilusões Perdidas». Memória Globo. Globo.com. Consultado em 29 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 11 de julho de 2011 
  41. «Sinal de Alerta». Memória Globo. Globo.com. Consultado em 29 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 11 de julho de 2011 
  42. «A última novela das dez da Rede Globo». Tele História. 4 de maio de 2008. Consultado em 29 de janeiro de 2011. Arquivado do original em 6 de julho de 2011 
  43. «Eu Prometo». Memória Globo. Globo.com. Consultado em 29 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 5 de julho de 2011 
  44. «Araponga». Memória Globo. Globo.com. Consultado em 29 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2009 
  45. Carol Carvalho (18 de junho de 2011). «'O Astro' 2011 terá cenas mais 'ousadas'». Veja. Consultado em 16 de junho de 2015. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  46. Xavier, Nilson. "A saga de Renascer" Arquivado em 26 de dezembro de 2020, no Wayback Machine.. Canal Viva. 9 de novembro de 2012. Página acessada em 16 de novembro de 2013.
  47. a b c d e f g h i j k l m n o Barrocal, André (13 de novembro de 2013). "A batalha da TV". CartaCapital. p. 28-33.
  48. a b c d e f g «Nova marca da TV Globo está mais leve, mais clara e com movimento». Fantástico. Globo.com. 6 de abril de 2014. Consultado em 11 de abril de 2014. Cópia arquivada em 11 de Abril de 2014 
  49. «Logotipo da Rede Globo». Tecnologia e Informática. 21 de julho de 2010. Consultado em 17 de junho de 2015. Arquivado do original em 29 de junho de 2015 
  50. a b c «vem_aí: Globo apresenta sua nova marca; confira evolução desde 1965». Rede Globo. 3 de abril de 2014. Consultado em 16 de junho de 2015. Cópia arquivada em 7 de abril de 2014 
  51. «Globo anuncia programação 2014 e apresenta nova logomarca». 3 de abril de 2014 
  52. TV, Notícias da (3 de abril de 2014). «Nova logomarca da Globo vazou na internet há seis meses». Consultado em 3 de abril de 2014. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  53. «Globo revela novas mudanças no design de seu logo - Geek Publicitário». 13 de abril de 2015 
  54. «Globo confirma nova identidade visual para unificar empresas do grupo». 19/10/2020. Consultado em 19 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  55. «Com nova marca, vinheta histórica da Globo terá mudança radical». 13/12/2020. Consultado em 19 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  56. «Canopla usada há quase 40 anos pela Globo também deverá mudar». 13/12/2020. Consultado em 19 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  57. «Cópia arquivada». Consultado em 19 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  58. Edianez Parente (25 de abril de 2011). «O novo slogan da Rede Globo». Meio & Mensagem. Consultado em 16 de junho de 2015 
  59. «G1 > Edição São Paulo - NOTÍCIAS - Edifício Jornalista Roberto Marinho é inaugurado em SP». g1.globo.com. Consultado em 20 de julho de 2013. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  60. Paulo Pacheco (25 de agosto de 2014). «Organizações Globo viram 'Grupo Globo' para modernizar marca». Notícias da TV. Consultado em 16 de junho de 2015. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  61. «Organizações Globo adotam nova marca: Grupo Globo». O Globo. 27 de agosto de 2014. Consultado em 16 de junho de 2015. Cópia arquivada em 24 de agosto de 2016 
  62. «Bem-vindo ao Projac!». Rede Globo. Consultado em 16 de junho de 2015. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  63. a b «Globo lança sinal de TV digital no Rio». G1. Consultado em 24 de maio de 2015. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  64. «TV Globo Minas lança sinal digital em alta definição». Globominas.com. Consultado em 24 de maio de 2015. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  65. «Emissora da TV Globo em Brasília inicia transmissões digitais dia 22 de abril». Globo.com. Consultado em 24 de maio de 2015. Arquivado do original em 26 de maio de 2015 
  66. «Governo autoriza transmissão digital em Pernambuco». Globo.com. Consultado em 24 de maio de 2015. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  67. a b c Feltrin, Ricardo. "Projeção aponta 2013 como pior ano da Globo em ibope" Arquivado em 26 de dezembro de 2020, no Wayback Machine.. F5. 18 de outubro de 2013. Página acessada em 16 de novembro de 2013.
  68. Jardim, Lauro (2 de janeiro de 2015). «Um novo tempo». Abril. Veja. Consultado em 4 de janeiro de 2015. Arquivado do original em 6 de janeiro de 2015 
  69. Ricardo Feltrin (7 de janeiro de 2016). «Crise econômica dispara audiência da TV aberta em todo o país». Ooops!. UOL. Consultado em 8 de março de 2016. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  70. «Programação - Rede Globo». Rede Globo. Consultado em 16 de Junho de 2015. Cópia arquivada em 16 de Junho de 2015 
  71. Jorge Brasil (14 de outubro de 2009). «Caí na rede de Cama de Gato. E você? Está curtindo a novela das 6?». Contigo. Consultado em 16 de junho de 2015 
  72. Memória Globo. «Lampião e Maria Bonita». Consultado em 20 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  73. Redação Rede Globo (6 de novembro de 2012). «O Canto da Sereia: série da Globo estreia em 8 de janeiro; saiba tudo». Consultado em 30 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  74. «UOL Notícias: Ibope de novelas desaba na Globo. noticias.uol.com.br. Página visitada em 2009-05-26.». Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2012 
  75. «As novelas de maior audiência dos últimos 10 anos». Yahoo!. Consultado em 20 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2012 
  76. «Último capítulo de "Avenida Brasil" tem 50,9 de Ibope e é maior audiência da TV no ano». UOL. Consultado em 20 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  77. «Institucional». TV Globo Internacional. Consultado em 20 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  78. «Cópia arquivada». Consultado em 5 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 24 de maio de 2011 
  79. «IPC DIGITAL». IPC DIGITAL. Consultado em 5 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2011 
  80. Assine Globo Internacional Arquivado em 26 de dezembro de 2020, no Wayback Machine.. TV Globo Internacional.
  81. «Comunicado: Sinal da TV Globo Internacional na Austrália e Nova Zelândia». TV Globo Internacional. 13 de junho de 2012. Consultado em 16 de junho de 2015. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  82. «"La Favorita" Estreia na TV Azteca no México». TV Magazine. Consultado em 20 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  83. «Rede hispânica Telemundo vai desembarcar na África». Consultado em 2 de julho de 2013. Arquivado do original em 16 de novembro de 2013 
  84. «Globo attracts almost 2 m visitors online yearly». Consultado em 5 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 10 de novembro de 2013 
  85. «globo.com - Detalhes de tráfego no Alexa». Consultado em 5 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2020 
  86. «Globoplay: a programação da Globo ao vivo ao alcance de um 'play; saiba». Globo.com. Consultado em 30 de outubro de 2015 
  87. «A estratégia do Globoplay para brigar com Netflix e Disney». Grupo Abril. Consultado em 21 de maio de 2020 
  88. «Globoplay já tem 20 milhões de usuários e é líder nacional de streaming». Canal Tech. Consultado em 11 de dezembro de 2020 
  89. Paulo Higa (26 de outubro de 2015). «Globo Play: streaming ao vivo (e grátis) da TV Globo». Tecnoblog. Consultado em 30 de outubro de 2015 
  90. a b «Globo Play é lançado nas Smart TVs da marca LG». G1. Globo.com. 30 de dezembro de 2015. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  91. «Globo Play leva TV aberta para PCs, tablets e smartphones». Experiências Digitais. Revista Época. 27 de outubro de 2014. Consultado em 30 de outubro de 2015 
  92. «Globo Play chega em TVs comuns via Chromecast nesta segunda». NaTelinha. Universo Online, NE10. 16 de fevereiro de 2016. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  93. Vera Magalhães (14 de fevereiro de 2016). «Globo Play chega às TVs comuns via Chromecast». Radar On-line. Veja. Consultado em 28 de maio de 2016 
  94. Elson de Souza (20 de dezembro de 2015). «Globo Play e Globosat Play: apps permitem assistir TV online». TechTudo. Globo.com. Consultado em 28 de maio de 2016 
  95. «TCL lança smart TV 4K com botão exclusivo Globo Play». Tela Viva. 5 de abril de 2017. Consultado em 11 de junho de 2017 
  96. «No Android e iOS, app Globo Play também chegará ao Windows 10». TudoCelular. 13 de novembro de 2015. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  97. «Globo fecha parceria de 7 anos com a Google Cloud» 
  98. «Globo anuncia parceria estratégica de inovação conjunta e migração para nuvem com Google Cloud». O Globo. 2021 
  99. «Globo fecha acordo com o Google com objetivo de se tornar uma mediatech». Poder 360 
  100. Globo e Google Cloud anunciam parceria estratégica com foco em inovação - Forbes Brasil
  101. «Globo anuncia parceria estratégica de co-inovação e migração para nuvem com Google Cloud». Rede Globo 
  102. "Globo censurou Diretas-Já, diz Boni" Arquivado em 26 de dezembro de 2020, no Wayback Machine.. Folha de S. Paulo. 31 de dezembro de 2005. Página acessada em 16 de novembro de 2013.
  103. "Jornal 'O Globo' reconhece que apoio editorial a golpe de 64 foi 'um erro'" Arquivado em 26 de dezembro de 2020, no Wayback Machine.. Folha de S. Paulo. 31 de agosto de 2013. Página acessada em 16 de novembro de 2013.
  104. Ekman, Pedro. "Globo admite erro sobre ditadura. E o resto?" Arquivado em 26 de dezembro de 2020, no Wayback Machine.. CartaCapital. 2 de setembro de 2013. Página acessada em 16 de novembro de 2013.
  105. "Pressionado, jornal O Globo admite que errou ao apoiar Golpe de 1964" Arquivado em 26 de dezembro de 2020, no Wayback Machine.. Terra. 31 de agosto de 2013. Página acessada em 16 de novembro de 2013.
  106. O Globo (1 de setembro de 2013). «Apoio editorial ao golpe de 64 foi um erro» 
  107. «Muito além do Cidadão Kane, o documentário proibido.». 22 de maio de 2014. Consultado em 22 de maio de 2014. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  108. «Após 16 anos, Record compra documentário "Muito Além do Cidadão Kane"». 22 de maio de 2014. Consultado em 22 de maio de 2014. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2014 
  109. Kfouri, Juca. "A verdade sobre o debate de 1989" Arquivado em 30 de junho de 2014, no Wayback Machine.. Observatório da Imprensa. s/d. Página acessada em 16 de novembro de 2013.
  110. "Demitido, repórter acusa TV Globo de manipulação na cobertura eleitoral". UOL. 20 de dezembro de 2006. Página acessada em 16 de novembro de 2013.
  111. a b «Rede Globo tira do ar campanha comemorativa pelos seus 45 anos. PT vê semelhança com slogan de Serra». O Globo. Consultado em 3 de abril de 2014 
  112. Terra Eleições. ONG acusa Globo de crime eleitoral por cobertura do mensalão Arquivado em 17 de abril de 2015, no Wayback Machine.
  113. Domenici, Thiago (11 de junho de 2019). «Glenn Greenwald: "a Globo e a força-tarefa da Lava Jato são parceiras"». Agência Pública. Consultado em 12 de junho de 2019 
  114. a b «Globo tem bens bloqueados por dívida com o Tesouro Nacional». Rede Brasil Atual. Consultado em 23 de julho de 2013 
  115. «VÍDEO: Record revela que Globo enviou ao exterior R$ 1,6 bilhão por meio de contas CC5 do Banestado». Conteúdo MS. 15 de setembro de 2020. Consultado em 23 de setembro de 2020 
  116. R7, ed. (28 de agosto de 2013). «Globo diz desconhecer informações do WikiLeaks sobre investigação envolvendo o Criança Esperança». Consultado em 19 de setembro de 2013 
  117. Pragmatismo Político, ed. (3 de setembro de 2013). «Wikileaks aponta irregularidade com dinheiro do Criança Esperança». Consultado em 19 de setembro de 2013 
  118. «Globo diz desconhecer informações do WikiLeaks sobre investigação envolvendo o Criança Esperança». R7. Consultado em 31 de agosto de 2016 
  119. «Desmentido: UNESCO reforça esclarecimentos sobre "Criança Esperança" com anúncios». Portal Imprensa. Consultado em 10 de Outubro de 2016 
  120. a b «Juri do 35º Prêmio Jornalistico Vladimir Herzog». Vladimir Herzog. 2013. Consultado em 1 de abril de 2020. Cópia arquivada em 1 de abril de 2020 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Valério Cruz Brito; César Ricardo Bolano. Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia. [S.l.: s.n.] ISBN 9788534923378 
  • Genésio Lopes. O Super Poder. O Raio X da Rede Globo. [S.l.: s.n.] ISBN 9788534801928 
  • Romero Costa Machado. Afundação Roberto Marinho. [S.l.: s.n.] ISBN 9788530700317 
  • Daniel Herz. A História Secreta da Rede Globo. [S.l.: s.n.] ISBN 9788530700140 
  • Luís Carlos Cabral. O Nacional. Rede de Intrigas. [S.l.: s.n.] ISBN 9788501041487 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias