Saltar para o conteúdo

TikTok

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
 Nota: Para a canção de Kesha, veja Tik Tok. Para outros significados, veja Tik Tok (desambiguação).
TikTok
Desenvolvedor ByteDance
Plataforma Android, iOS, iPadOS e HarmonyOS
Modelo do desenvolvimento Proprietário
Lançamento Setembro de 2016
Versão estável 15.9.30 (9 de maio de 2020; há 4 anos)
Versão em teste [+/-]
Idioma(s)
Sistema operacional iOS, iPadOS, Android, Windows e HarmonyOS
Gênero(s) Rede social
Compartilhamento de Vídeos
Licença Software proprietário com Termos de Uso
Estado do desenvolvimento Ativo
Tamanho 88,00 MB (Android)[1]
405,7 MB (iOS)[2]
Página oficial www.tiktok.com

TikTok, também conhecido como Douyin e anteriormente Musical.ly[3] (em Han: 抖音; pronúncia mandarim: [təu³ in¹]) na China, é um aplicativo de mídia para criar e compartilhar vídeos curtos. De propriedade da companhia de tecnologia chinesa ByteDance, o aplicativo de mídia foi lançado como Douyin na China em setembro de 2016,[4][5] e introduzido no mercado internacional como musical.ly um ano depois, porém em novembro de 2017 o TikTok comprou o Musical.ly.[6] É uma plataforma de vídeos curtos líder na Ásia, nos Estados Unidos e em outras partes do mundo. O aplicativo ganhou popularidade e se tornou o mais baixado nos Estados Unidos em outubro de 2018.[7][8][9]

A partir de 2018, esteve disponível em mais de 150 mercados e em 75 idiomas. O aplicativo permite que os usuários criem vídeos de até 10 minutos.[10][11] Em julho de 2018, o aplicativo contava com mais de 500 milhões de usuários em todo o mundo,[12] chegando a 1 bilhão de usuários em 2021.[13]

O Douyin foi lançada pela ByteDance na China em setembro de 2016.[4] O Douyin foi desenvolvido em 200 dias e, em um ano, recebeu 100 milhões de usuários, com mais de 1 bilhão de vídeos visualizados todos os dias.[14][15] Mantendo o título do aplicativo como Douyin na China, foi lançado como TikTok para o mercado internacional quando começou a se expandir para outros países em setembro de 2017.[16] Em 23 de janeiro de 2018, o aplicativo ficou em primeiro lugar entre os downloads gratuitos de aplicativos para dispositivos móveis em lojas de aplicativos na Tailândia e em outros países.[17]

O TikTok foi baixado cerca de 80 milhões de vezes nos Estados Unidos e 1 bilhão de vezes em todo o mundo, de acordo com dados da empresa de pesquisa móvel Sensor Tower, que exclui os usuários do Android na China.[18] Celebridades incluindo Jimmy Fallon e Tony Hawk aderiram ao aplicativo em novembro de 2018.[19][20]

Em 9 de novembro de 2017, a ByteDance, empresa controladora da TikTok, gastou até US$1 bilhão para comprar a Musical.ly, uma startup sediada em Xangai com um escritório em Santa Monica, Califórnia, que detém uma popular plataforma de mídia social voltada para o mercado adolescente norte-americano.[21][22] Com o objetivo de alavancar a jovem base de usuários da plataforma digital dos Estados Unidos, o TikTok se uniu ao Musical.ly em 2 de agosto de 2018 para criar uma comunidade de vídeo maior, com contas e dados existentes consolidados em um aplicativo, mantendo o título TikTok.[22][23]

A partir de 2018, o TikTok esteve disponível em mais de 150 mercados e em 75 idiomas.[24][25] O TikTok foi baixado mais de 104 milhões de vezes na App Store da Apple durante todo o primeiro semestre de 2018, de acordo com dados fornecidos à CNBC pela Sensor Tower, uma plataforma de análise de aplicativos baseada em São Francisco. Ele ultrapassou o Facebook, o YouTube e o Instagram para se tornar o aplicativo iOS mais baixado do mundo naquele período de tempo.[26][27]

Como um aplicativo separado do TikTok, o Douyin está disponível no site do desenvolvedor e manteve o mesmo título desde o seu lançamento em setembro de 2016.[28] Parte de sua popularidade é atribuída a suas campanhas de marketing, lançando várias atividades com celebridades chinesas para atrair o interesse de seus fãs. Por exemplo, a campanha de marketing da Gala do Festival da Primavera de 2018 trouxe um aumento de 70 milhões de usuários ativos diariamente.[29] Em fevereiro de 2018, a Douyin lançou uma parceria com a Modern Sky para monetizar a música.[30]

Recursos e ferramentas

[editar | editar código-fonte]

O aplicativo móvel TikTok permite que os usuários criem vídeos curtos de até 60 segundos que geralmente apresentam músicas em segundo plano, podem ser acelerados, desacelerados ou editados com um filtro. Para criar um videoclipe com o aplicativo, os usuários podem escolher música de fundo de diversos gêneros musicais e gravar um vídeo de 15 segundos com ajustes de velocidade antes de enviá-lo para compartilhar com outros no TikTok ou outras plataformas sociais.

O aplicativo permite que os usuários definam suas contas como privadas, permitindo que apenas as pessoas aprovadas visualizem seu conteúdo. Os usuários também podem permitir que todos ou apenas seus amigos enviem comentários ou mensagens para eles e “reajam” ou “duetem” com eles. O recurso "dueto” permite aos usuários filmar um vídeo ao lado de outro vídeo. O recurso “reagir” permite aos usuários filmar sua reação a um vídeo específico, sobre o qual ele é colocado em uma pequena janela que é móvel ao redor da tela.[31] A empresa remove conteúdo impróprio e encerra contas que violam os termos de serviço da plataforma.

O TikTok emprega inteligência artificial para analisar os interesses e preferências do usuário por meio de suas interações com o conteúdo e exibe um feed de conteúdo personalizado para cada usuário.[32][33]

Em junho de 2018, o TikTok atingiu 500 milhões de usuários ativos mensais em todo o mundo e 150 milhões de usuários ativos diários na China. Tornou-se o aplicativo mais baixado do mundo na App Store da Apple no primeiro semestre de 2018, com uma estimativa de 104 milhões de downloads, superando os downloads registrados pela PUBG Mobile, YouTube, WhatsApp e Instagram no mesmo período.[26]

Em fevereiro de 2019, alcançou o marco de 1 bilhão de usuários.[34]

O aplicativo gerou inúmeras tendências virais e celebridades da Internet em todo o mundo, impulsionou as músicas para a fama e é conhecido por ser popular entre as celebridades devido à sua imensa popularidade e influência social.[35][36][37][38][39][40]

Há uma variedade de tendências dentro do TikTok, incluindo memes, músicas com lábios e comédias. Os duetos, um recurso que permite aos usuários adicionar seu próprio vídeo a um vídeo existente com o áudio do conteúdo original, levaram à maioria dessas tendências.

As tendências são exibidas na página de exploração no TikTok ou na página com o logotipo da pesquisa. A página inclui as hashtags e os desafios de tendências entre o aplicativo. Alguns incluem #posechallenge, #filterswitch, #makeeverysecondcount, #wannalisten, #pillowchallenge, #furrywar, #hitormiss e muito mais.

As contas mais seguidas no TikTok

[editar | editar código-fonte]

Esta lista contém as 10 maiores contas que tiveram mais seguidores no TikTok,[41] que já se fundiram com o Musical.ly.[42]

Principais usuários do TikTok[43][44] (última atualização em 8 de dezembro de 2022)
Classificação Utilizador Identidade Seguidores
(milhões)
País
1 Khaby Lame @khaby.lame 152,7 Senegal
2 Charli D'Amelio @charlidamelio 149,0  Estados Unidos
3 Bella Poarch @bellapoarch 92,5  Estados Unidos
4 Addison Rae @addisonre 88,8  Estados Unidos
5 Will Smith @willsmith 72,7  Estados Unidos
6 Zach King @zachking 71,4  Estados Unidos
7 Kimberly Loaiza @kimberly.loaiza 70,5  México
8 TikTok @tiktok 66,4  China
9 Burak Özdemir @cznburak 65,9  Turquia
10 The Rock @therock 64,2  Estados Unidos
Usuários Top Douyin (última atualização em 15 de outubro de 2018)
Classificação Do utilizador identidade Seguidores
(milhões)
País ou região
1 Chen He (陈 赫) @ 191433445 50,7  China
2 Dilraba Dilmurat (迪丽 热 巴) @ 274110380 46,7  China
3 Liu (刘 说话 的 刘 二 豆) @erdou 43,9  China
4 Yi Chan (一 禅 小和尚) @ yichan6666 42,1  China
5 Angelababy (杨颖) @ 228.228 37,8  Hong Kong
6 Ele Jiong (何 炅) @ he.jiong 31,8  China
7 Feng Timo (冯 提莫) @ Fengtimo1219 28,7  China
8 Hei Lian V (黑脸 V) @ 145651081 26,0  China
9 Guan Xiaotong (关 晓彤) @guanxiaotong 25,6  China
10 Yang Yang (杨洋) @ YANGYANG.99 20,4  China

Tentativas de bloqueios

[editar | editar código-fonte]

Bloqueios na Indonésia, Índia e Bangladesh

[editar | editar código-fonte]

A Indonésia bloqueou temporariamente o aplicativo TikTok em 3 de julho de 2018 em meio à preocupação pública com conteúdos ilegais como pornografia e blasfêmia. O aplicativo foi desbloqueado uma semana depois, após várias alterações, incluindo a remoção de conteúdo negativo, a abertura de um escritório de contato do governo e a implementação de restrições de idade e mecanismos de segurança.[45]

A plataforma WeChat da Tencent foi acusada de bloquear os vídeos de Douyin.[46][47] Em abril de 2018, Douyin processou a Tencent e acusou-a de espalhar informações falsas e prejudiciais em sua plataforma WeChat, exigindo 1 milhão de RMB em indenização e um pedido de desculpas. Em junho de 2018, a Tencent entrou com uma ação contra Toutiao e Douyin em um tribunal de Pequim, alegando que eles repetidamente difamaram a Tencent com notícias negativas e prejudicaram sua reputação, buscando uma quantia nominal de RMB 1 em compensação e um pedido público de desculpas.[48] Em resposta, Toutiao apresentou uma queixa no dia seguinte contra a Tencent por supostamente a concorrência desleal e pedindo 90 milhões de RMB em perdas econômicas.[49]

O TikTok foi completamente banido na Índia pelo Ministério da Tecnologia da Informação, em 29 de junho de 2020, juntamente com outros 223 aplicativos chineses,[50] sob a alegação de que eles eram "prejudiciais à soberania, integridade e defesa da Índia, segurança do Estado e ordem pública”.[51]

Além da Indonésia e Índia, o TikTok está, atualmente, bloqueado também em Bangladesh.[52]

Tentativas de bloqueio nos Estados Unidos

[editar | editar código-fonte]

Em 6 de agosto de 2020, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou um decreto executivo que baniria o TikTok em 45 dias, caso o aplicativo não fosse vendido pela empresa ByteDance; Trump também assinou um decreto similar contra o aplicativo WeChat, propriedade da multinacional chinesa Tencent.[53] Em 14 de agosto, Trump baixou novo documento legal dando a ByteDance 90 dias para vender ou desmembrar seus negócios com o TikTok nos EUA. No decreto, Trump declarou que havia "evidências claras” que o levavam a acreditar que a ByteDance “tomaria atitudes que ameaçam prejudicar a segurança nacional dos Estados Unidos”.[54] Em 23 de setembro, o TikTok entrou com um pedido de liminar para evitar que o aplicativo fosse banido pela administração Trump.[55] A liminar foi aprovada pelo ministro Carl J. Nichols em 27 de setembro.[56]

As fiscalizações do Executivo dos Estados Unidos em relação ao TikTok diminuíram ao longo de 2022 e 2023, apesar de vários projetos de lei bipartidários, propostos por congressistas Democratas e Republicanos, que visavam banir o aplicativo nos EUA. Uma reportagem da Forbes,[57] publicada em agosto de 2023, sugeriu que essa redução pode estar relacionada a um possível acordo de 100 páginas entre o governo dos EUA e a ByteDance, a empresa controladora do TikTok, intermediado pelo Comitê de Investimento Estrangeiro nos EUA (CFIUS). Este comitê é responsável por investigar investimentos estrangeiros em negócios que possam ameaçar os interesses nacionais. O rascunho do acordo, discutido em 2022, daria aos ministérios dos EUA a autoridade para, em certas circunstâncias, forçar a ByteDance a interromper temporariamente as operações do TikTok nos EUA. Além disso, o acordo incluiria medidas como supervisão independente, auditorias de cibersegurança e inspeções de código-fonte. Em março de 2023, a CFIUS exigiu que a ByteDance buscasse vender a plataforma para uma empresa americana, sob ameaça de possível proibição federal.[58]

Atualmente, o TikTok está proibido de ser instalado em celulares de trabalhadores do governo federal americano, bem como nos dispositivos de funcionários de metade dos governos estaduais.[59]

Durante uma audiência com senadores dos Estados Unidos para discutir a segurança de menores de idade nas redes sociais e plataformas em janeiro de 2024, membros do partido Republicano reiteraram a alegação de que o TikTok seria uma ferramenta do governo chinês e defenderam o banimento do aplicativo nos Estados Unidos.[60] Eles também questionaram o CEO Shou Zi Chew se ele já foi filiado ao Partido Comunista da China. Chew respondeu que era de Singapura e não possuía cidadania chinesa, no entanto, os parlamentares persistiram com as perguntas. Ele também afirmou que a ByteDance, proprietária da rede social, nunca compartilhou dados nem sofreu interferência da China.

Controversias

[editar | editar código-fonte]

Direitos autorais e inteligência artificial

[editar | editar código-fonte]

Em 31 de janeiro de 2024, a Universal Music Group (UMG), atualmente a maior gravadora do mundo em termos de artistas populares, retirou todos os seus artistas do TikTok após uma série de disputas relacionadas à maneira como a plataforma lida com o conteúdo protegido por direitos autorais.[61]

A gravadora acusou a rede social de não demonstrar esforços suficientes na remoção de vídeos e postagens que violam leis de direitos autorais, especialmente quando utiliza inteligência artificial para alterar músicas dos artistas. A UMG ainda argumentou que o TikTok não compensa adequadamente os artistas e chegou a afirmar que a plataforma estaria "patrocinando" a substituição de músicos por inteligência artificial.[62]

Conteúdo inapropriado e menores de idade

[editar | editar código-fonte]

Em 2021, uma reportagem do Wall Street Journal revelou que o algoritmo da rede social exibia conteúdo sexual a usuários menores de idade. A matéria criou uma conta fictícia, alegando ter 13 anos de idade, e recebeu vídeos promovendo contas do OnlyFans, drogas, pornografia e prostituição, violando as diretrizes da comunidade.[63]

Em 2022, um artigo da Forbes demonstrou que a rede social facilitava transmissões ao vivo que exploravam sexualmente menores de idade[64] em troca de dinheiro. O recurso de transmissão ao vivo pode propiciar um ambiente propenso ao aliciamento e à sextorsão, alertaram especialistas em segurança infantil, jurídica e infantojuvenil à revista.

Em 2023, reportagens do Núcleo Jornalismo revelaram que menores de idade brasileiros estavam utilizando a plataforma para promover cultos a massacres e violência em escolas, sendo destacado que um atirador brasileiro teria se radicalizado por meio dessa plataforma.[65][66] O Núcleo também apontou que usuários de países hispânicos estariam utilizando termos associados à pornografia infantil na plataforma para compartilhar links externos que direcionavam ao conteúdo criminoso.[67]

Uso do Tiktok para o recrutamento de crianças por grupos guerrilheiros

[editar | editar código-fonte]

Em 2024, a BBC investigou o aumento no número de vídeos de “recrutamento” postados na plataforma, que acontece na ausência de um acordo de paz entre o governo e as facções dissidentes. Segundo a investigação da BBC, os Grupos dissidentes das Farc, grupo guerrilheiro colombiano, estão postando vídeos no TikTok para recrutar jovens. As autoridades colombianas apontam que ao menos 189 jovens foram recrutados em 2023, e mais de 150 até agora em 2024.[68]

Referências

  1. «TikTok – Apps no Google Play». play.google.com. Consultado em 26 de janeiro de 2020 
  2. «‎TikTok - Make Your Day». App Store (em inglês). Consultado em 26 de janeiro de 2020 
  3. Ferreira, Matheus (3 de agosto de 2018). «O Musical.ly mudou de nome e agora é Tiktok». GKPB - Geek Publicitário. Consultado em 11 de janeiro de 2022 
  4. a b «Is Douyin the Right Social Video Platform for Luxury Brands? | Jing Daily» (em inglês) 
  5. «How Douyin became the most popular app in the world · TechNode» (em inglês) 
  6. «Tik Tok, a Global Music Video Platform and Social Network, Launches in Indonesia». en.prnasia.com (em inglês) 
  7. «Tik Tok, a Global Music Video Platform and Social Network, Launches in Indonesia» 
  8. «How Douyin became China's top short-video App in 500 days – WalktheChat» 
  9. «‎TikTok - Make Your Day». App Store (em inglês). Consultado em 26 de janeiro de 2020 
  10. «Top 10 TikTok (Musical.ly) App Tips and Tricks» (em inglês) 
  11. «TikTok - Apps on Google Play». play.google.com (em inglês) 
  12. «TikTok surges past 6M downloads in the US as celebrities join the app» 
  13. «TikTok atinge a marca de 1 bilhão de usuários ativos por mês». 27 de setembro de 2021. Consultado em 5 de abril de 2022 
  14. «How Douyin became China's top short-video App in 500 days». WalktheChat (em inglês) 
  15. «8 Lessons from the rise of Douyin (Tik Tok) · TechNode». TechNode (em inglês) 
  16. «Tik Tok, a Global Music Video Platform and Social Network, Launches in Indonesia» (em inglês) 
  17. «Tik Tok, Global Short Video Community launched in Thailand with the latest AI feature, GAGA Dance Machine The very first short video app with a new function based on AI technology». thailand.shafaqna.com 
  18. «TikTok is the latest social network sensation». Cnn.com 
  19. «TikTok surges past 6M downloads in the US as celebrities join the app». The Verge 
  20. «TikTok App Nears 80 Million U.S. Downloads After Phasing Out Musical.ly, Lands Jimmy Fallon as Fan». Variety (em inglês) 
  21. «Social-Media App Musical.ly Is Acquired for as Much as $1 Billion» 
  22. a b «Social video app Musical.ly acquired for up to $1 billion» 
  23. «Musical.ly Is Going Away: Users to Be Shifted to Bytedance's TikTok Video App». www.msn.com 
  24. «Chinese video sharing app boost 500 monthly active users» 
  25. «Why China's Viral Video App Douyin is No Good for Luxury | Jing Daily» 
  26. a b «The biggest trend in Chinese social media is dying, and another has already taken its place» 
  27. «TikTok surpassed Facebook, Instagram, Snapchat & YouTube in downloads last month». TechCrunch (em inglês) 
  28. «【抖音短视频】记录美好生活-Douyin.com». www.douyin.com 
  29. «Tik Tok-The #1 App in China (THE NEXT SNAPCHAT!)». Dragon Social 
  30. «Douyin launches partnership with Modern Sky to monetize music» 
  31. «TikTok adds video reactions to its newly-merged app» (em inglês) 
  32. «Tech in Asia - Connecting Asia's startup ecosystem». www.techinasia.com (em inglês) 
  33. «How cutting-edge AI is making China's TikTok the talk of town». Medium 
  34. «O que é TikTok? Saiba tudo sobre a rede social do momento». 18 de dezembro de 2019 
  35. «J-pop song finds new life in China, a decade on» 
  36. «How Does Tik Tok Outperform Tencent's Super App WeChat and Become One of China's Most Popular Apps? (Part 1)» 
  37. «Viral 'Karma's a Bitch' Meme Takes Chinese Video App by Storm» 
  38. «Enhancing that 'chin on a hand' thingy». www.nst.com.my 
  39. «Tik Tok, a Global Music Video Platform and Social Network, Launches in Indonesia» 
  40. «Wannabe stars fuel video fad - SHINE» (em inglês) 
  41. «Top 50 Most Followed TikTok accounts in 2021 | TikTokBlade». Social Media Marketing & Management Dashboard (em inglês). Consultado em 30 de maio de 2021 
  42. «Top 20 Musical.ly Influencers Who Have Built Small Media Empires for Themselves» (em inglês) 
  43. «TikRank - TokTok Influencer Rank Analysis». Consultado em 6 de dezembro de 2020 
  44. TV, Destacados (14 de abril de 2021). «¿Cuál es el video con más likes en TikTok? Aquí están los 10 mejores». Destacados TV Revista (em espanhol). Consultado em 24 de maio de 2021 
  45. «Indonesia overturns ban on Tik Tok after video streaming service agrees to increase security controls» 
  46. «Tencent and Toutiao come out swinging at each other» (em inglês) 
  47. «Tencent sues Toutiao for alleged defamation, demands 1 yuan and apology» 
  48. «Tencent sues Toutiao for alleged defamation, demands 1 yuan and...» (em inglês) 
  49. «Tencent and Toutiao sue each other in escalating legal battle» 
  50. World, Republic. «Full list of 224 Chinese apps banned in India till date; including PUBG, TikTok and Shein». Republic World. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  51. «TikTok se distancia de Pequim após Índia banir aplicativo». G1. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  52. Welle (www.dw.com), Deutsche. «Bangladesh 'anti-porn war' bans blogs and Google books | DW | 25.02.2019». DW.COM (em inglês). Consultado em 6 de outubro de 2020 
  53. CNN, Nikki Carvajal and Caroline Kelly. «Trump issues orders banning TikTok and WeChat from operating in 45 days if they are not sold by Chinese parent companies». CNN. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  54. «Qual é a melhor VPN para TikTok, app chinês que pode ser bloqueado?». vpnConfiável. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  55. Isaac, Mike (23 de setembro de 2020). «TikTok Files for Injunction to Stop Ban of App». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  56. «U.S. Judge Halts Trump's TikTok Ban, Hours Before It Was Set To Start». NPR.org (em inglês). Consultado em 6 de outubro de 2020 
  57. «A Draft Of TikTok's Plan To Avoid A Ban Gives The U.S. Government Unprecedented Oversight Power». Forbes. 21 de agosto de 2023. Consultado em 9 de fevereiro de 2024 
  58. «Acordo entre os Estados Unidos e a ByteDance poderia conferir ao governo americano amplos poderes sobre o TikTok». Núcleo Jornalismo. 21 de agosto de 2023. Consultado em 9 de fevereiro de 2024 
  59. «Mais da metade dos estados dos EUA proíbem o TikTok em celulares funcionais do governo». Núcleo Jornalismo. 18 de janeiro de 2023. Consultado em 9 de fevereiro de 2024 
  60. «O que rolou na audiência sobre segurança infantil nos EUA com CEOs de big techs». Núcleo Jornalismo. 31 de janeiro de 2024. Consultado em 9 de fevereiro de 2024 
  61. «AN OPEN LETTER TO THE ARTIST AND SONGWRITER COMMUNITY - WHY WE MUST CALL TIME OUT ON TIKTOK». 31 de janeiro de 2024. Consultado em 9 de fevereiro de 2024 
  62. «Universal Music diz que TikTok quer substituir artistas por IA». Núcleo Jornalismo. 31 de janeiro de 2024. Consultado em 9 de fevereiro de 2024 
  63. «How TikTok Serves Up Sex and Drug Videos to Minors». 8 de setembro de 2021. Consultado em 9 de fevereiro de 2024 
  64. «TikTok Livestream Facilitates Sexual Exploitation of Minors, Experts Say». Yahoo!. 27 de abril de 2022. Consultado em 9 de fevereiro de 2024 
  65. «Com moderação capenga, culto a assassinos e massacres escolares corre solto no TikTok». Núcleo Jornalismo. 26 de janeiro de 2023. Consultado em 9 de fevereiro de 2024 
  66. «Radicalização de atirador em SP passou por Discord e TikTok». Núcleo Jornalismo. 24 de outubro de 2023. Consultado em 9 de fevereiro de 2024 
  67. «Kwai e TikTok têm dificuldade para moderar conteúdos com exploração sexual de menores». Núcleo Jornalismo. 21 de julho de 2023. Consultado em 9 de fevereiro de 2024 
  68. BBC (24 de junho de 2024). «Como guerrilheiros colombianos estão usando TikTok para recrutar crianças». G1. Consultado em 24 de junho de 2024 

Leitura adicional

[editar | editar código-fonte]

Ligações externas

[editar | editar código-fonte]