Web 2.0 Suicide Machine

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Web 2.0 Suicide Machine é um serviço que ajuda os usuários cansados do MySpace, LinkedIn e Twitter a "se suicidar nas redes sociais", automaticamente "retirando seus conteúdos privados e vínculos de amizade" (mas sem deletar ou desativar suas contas).[1][2][3][4] O serviço pertence à organização sem fins lucrativos WORM, sediada em Rotterdam, na Holanda.[5]

A Web 2.0 Suicide Machine contribuiu, desde janeiro de 2010, para mais de 1.000 mortes virtuais, encerrando mais de 80.500 amizades no Facebook e removendo 276.000 tweets do Twitter.[6]

Como funciona[editar | editar código-fonte]

Em vez de excluir contas de usuário, ele remove conteúdo privado e amizades. Para iniciar o processo de suicídio, o usuário precisa fornecer sua credencial de login para a rede social da qual deseja ser excluído e, em seguida, "assistir sua vida passando e refletir sobre seus amigos reais e virtuais", enquanto conteúdo privado e relacionamento com amigos são removidos. No final, o usuário é incluído em um álbum memorial de todos os suicídios, com sua foto de perfil, seu nome e suas "últimas palavras".[7]

Capacidades[editar | editar código-fonte]

A Web 2.0 Suicide Machine listou as funções para as quais o serviço é capaz, conforme o seguinte:[8]

A opção do Facebook não está mais disponível na Web 2.0 Suicide Machine, pois o Facebook enviou uma carta de cessar e desistir (C&D) em 6 de janeiro de 2010 exigindo que suicidemachine.org encerrasse suas ações.[9]

LinkedIn
  • Login em sua conta
  • Alterando sua senha e sua foto de perfil
  • Removendo todas as suas conexões comerciais
  • Sair
Myspace
  • Login em sua conta
  • Removendo todos os seus amigos
  • Deixando uma mensagem de status de que você cometeu suicídio
  • Sair
Twitter
  • Login em sua conta
  • Alterando sua senha e sua foto de perfil
  • Removendo todas as pessoas que você segue
  • Removendo todos os seus seguidores
  • Removendo todos os seus tweets
  • Sair

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2010, o Facebook conseguiu bloquear o serviço por um pouco tempo[10] e enviou uma carta de cessar e desistir de seus advogados.[11] O serviço permaneceu ativo e funcionando, mas o site parou de funcionar. Para seus criadores, “o projeto é como uma obra de net art sociopolítica”.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Web2.0 Suicide Machine - Meet your Real Neighbours again! - Sign out forever!». Suicide Machine. Suicide Machine. Consultado em 28 de maio de 2012 
  2. Yan, Sophia (19 de janeiro de 2010). «Web 2.0 Suicide Machine: How to Quit Facebook, Twitter». TIME. Consultado em 27 de fevereiro de 2012 
  3. Jardin, Xeni (11 de janeiro de 2010). «Facebook blocks "Web 2.0 Suicide Machine," now a cease-and-desist reported». Boing Boing. Consultado em 27 de fevereiro de 2012 
  4. McNamara, Paul (12 de janeiro de 2010). «Facebook unleashes lawyers on Web 2.0 Suicide Machine». Network World (em inglês). Consultado em 10 de março de 2021 
  5. McNamara, Paul (12 de janeiro de 2010). «Buzzblog: Facebook unleashes lawyers on Web 2.0 Suicide Machine». Paul McNamara. Network World. Consultado em 28 de maio de 2012 
  6. Yan, Sophia (19 de janeiro de 2010). «Web 2.0 Suicide Machine: How to Quit Facebook, Twitter». TIME. Consultado em 27 de fevereiro de 2012 
  7. «Web2.0 Suicide Machine - Meet your Real Neighbours again! - Sign out forever!». Suicide Machine. Suicide Machine. Consultado em 28 de maio de 2012 
  8. «Web2.0 Suicide Machine - Meet your Real Neighbours again! - Sign out forever!». Suicide Machine. Suicide Machine. Consultado em 28 de maio de 2012 
  9. «Facebook C&D letter» (PDF). suicidemachine.org 
  10. «Facebook blocks 'Web 2.0 Suicide Machine'». Networkworld.com. 4 de janeiro de 2010. Consultado em 27 de fevereiro de 2012 
  11. McNamara, Paul (12 de janeiro de 2010). «Buzzblog: Facebook unleashes lawyers on Web 2.0 Suicide Machine». Paul McNamara. Network World. Consultado em 28 de maio de 2012 

 

Links externos[editar | editar código-fonte]