Linktree

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Linktree
Slogan Um link. Infinitas possibilidades
Tipo de sítio Plataforma de social-linking e redes sociais
Proprietário(s) Alex Zaccaria, Anthony Zaccaria e Nick Humphreys
Fundador(es) Alex Zaccaria, Anthony Zaccaria e Nick Humphreys
Serviço Freemium
Gênero Rede social
País de origem Austrália
Idioma(s) Vários
Usuários +8 milhões
Lançamento 2016
Sede Melbourne e Sydney, Austrália
Estado atual Ativo

Linktree é uma plataforma de social-linking e redes sociais que opera num modelo freemium e foi desenvolvida por Alex Zaccaria, Anthony Zaccaria e Nick Humphreys, com sede nas cidades de Melbourne e Sydney, na Austrália.[1][2] Criada em 2016, seu objetivo é fornecer uma página única (ou mesmo landing page) onde quaisquer pessoas ou empresas consigam disponibilizar os seus diversos links, seja para suas redes sociais ou qualquer outro endereço de destino.[3] A plataforma foi criada a partir da necessidade de atualização constante dos links da bios das redes sociais, que não permitem mais de um link.[4] Estima-se que a plataforma tenha mais de 8 milhões de usuários em todo o mundo.

História[editar | editar código-fonte]

O Linktree foi criado em 2016 devido à necessidade constante de atualização dos links da bios das redes sociais que permitem que uma única URL seja compartilhada.[4] O site foi criado originalmente em apenas seis horas e recebeu mais de 3.000 inscrições de usuários durante uma das noites após o lançamento, o que fez com que o servidor travasse devido à sobrecarga. Em 2018, o Instagram baniu o site [5] devido a "spam", o que foi logo contornado e culminou com o Instagram emitindo um pedido de desculpas. Apesar disso, o Linktree conquistou mais de 8 milhões de usuários.[6]

Aspectos técnicos[editar | editar código-fonte]

O Linktree é um serviço freemium, mas também oferece uma assinatura 'Pro' lançada em abril de 2017 e que oferece mais benefícios: opções de personalização, análises mais detalhadas, integração para inscrição de e-mail, remoção de logotipo da Linktree, etc.[4][7] A sessão de analytics do Pro permite, ainda, que os usuários vejam suas taxas de cliques. O Linktree também fez uma parceria com a Amazon, permitindo que os usuários carreguem seu perfil de loja da Amazon como um link de afiliado.[8] Em meio aos protestos de George Floyd, o Linktree permitiu que seus usuários ativassem um ícone 'Apoie o anti-racismo ', que ligava os visitantes a artigos para entender melhor o racismo, organizações anti-racismo para fazer doações e locais de protesto.

Elogios[editar | editar código-fonte]

Em 2019, o Linktree foi incluído na lista Upstart 100' da CNBC das "mais brilhantes, mais intrigantes e jovens startups que prometem se tornar as grandes empresas de amanhã." [9] Em março de 2020, a Fast Company elegeu o Linktree como o quarto colocado na lista de 'Empresas mais inovadoras de 2020' na categoria 'Redes sociais' por "transformar o 'link in bio' do Instagram em um menu elegante para compartilhar artigos, mercadorias ou parcerias pagas ."[2] O lugar já foi conquistado anteriormente em 2018 pelo Reddit, em 2019 pela Are.na.[10][11]

Financiamento[editar | editar código-fonte]

No dia 27 de outubro de 2020, o Linktree anunciou ter recebido cerca de US$ 10.7 milhões em financiamento da Série A de dois fundos: o Airtree Ventures (Austrália) e o Insight Partners (EUA). O financiamento é o primeiro da empresa por meio de um investidor institucional.[6]

Referências

  1. «Linktree Review: Advantages, Disadvantages, Alternatives & How To Use». RecentHub (em inglês). 1 de junho de 2020. Consultado em 13 de julho de 2020. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2020 
  2. a b «The 10 most innovative social media companies of 2020». Fast Company (em inglês). 10 de março de 2020. Consultado em 13 de julho de 2020. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2020 
  3. Ford, Brooke (1 de julho de 2020). «Linktree Review 2020 | What Is It? Is It Worth It? Should You Get It?». Gain More Followers (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2020. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2020 
  4. a b c Zaccaria, Alex (6 de junho de 2020). «Bootstrapped and Global from Day One: The Story of Linktree». Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2020 
  5. Erica. «Why You Should Stop Using Linktree & How to Create Your Own in Squarespace». Big Cat Creative (em inglês). Consultado em 15 de julho de 2020. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2020 
  6. a b «Linktree raises $10.7M for its lightweight, link-centric user profiles». TechCrunch 
  7. «Is Linktree Safe? Or Are There Better Alternatives?». Socialfollow (em inglês). 28 de dezembro de 2019. Consultado em 13 de julho de 2020. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2020 
  8. Andress, Lina (31 de março de 2020). «Linktree Review: Share Links Limitlessly (Real Pros & Cons)». HowSociable (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2020. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2020 
  9. Spiegel, David (12 de novembro de 2019). «100 of the world's most promising start-ups to watch in 2019». CNBC (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2020. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2020 
  10. «The World's Most Innovative Companies 2019: Social Media Honorees». Fast Company (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2020. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2020 
  11. «The World's Most Innovative Companies 2018: Social Media Honorees». Fast Company (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2020. Cópia arquivada em 24 de maio de 2020