Yik Yak

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Yik Yak
Pessoas-chave Tyler Droll (CEO)

Brooks Buffington (COO)

Fundador(es) Tyler Droll

Brooks Buffington

Cadastro Nenhum
País de origem  Estados Unidos
Lançamento 2013
Extinção Abril de 2017
Linguagem de programação Java

Objective-C

Endereço eletrônico yikyakapp.com [ligação inativa]

Yik Yak era um aplicativo de mídia social para Smartphone descontinuado que foi lançado em 2013. Estava disponível para iOS e Android e permitiu que as pessoas criassem e visualizassem tópicos de discussão em um raio de 8 km.

Apesar dos fortes níveis de crescimento em 2013 e 2014, após várias críticas pesadas da mídia à facilitação do cyberbullying, o serviço viu uma estagnação maciça no crescimento de sua base de usuários. Somente em 2016, os downloads de usuários caíram 76% em comparação com 2015.[1]

Na falta de manter o envolvimento dos usuários, Yik Yak anunciou em 28 de abril de 2017 que o serviço seria fechado na próxima semana. Por US $ 1 milhão, a Square comprou a propriedade intelectual de Yik Yak e contratou vários de seus ex-funcionários.[2]


História[editar | editar código-fonte]

Os co-fundadores, Tyler Droll e Brooks Buffington, são ambos formados pela Universidade Furman, em Greenville, Carolina do Sul. Os dois começaram a colaborar quando foram colocados na mesma classe em que aprenderam a codificar aplicativos para iPhone.[3]

Depois de se formar na Universidade Furman, eles decidiram ir em tempo integral com seu projeto. Droll abandonou a faculdade de medicina pouco antes de começar e Buffington adiou sua carreira financeira. Os dois, juntamente com Will Jamieson, lançaram o aplicativo em novembro de 2013 e, doze meses depois, Yik Yak foi classificado como o nono aplicativo de mídia social mais baixado nos Estados Unidos.[4][5]

Em 28 de abril de 2017, a Yik Yak anunciou que seria encerrada. Isso seguiu meses de rumores entre os usuários do aplicativo sobre um possível desligamento. A popularidade em declínio do aplicativo se tornou muito visível e o aplicativo deixou de funcionar a partir de 5 de maio de 2017.[6]

Recursos[editar | editar código-fonte]

  • Yakarma: Yakarma foi uma pontuação numérica gerada pelo software que teve como objetivo medir o sucesso ativo de um usuário. O número aumentou e diminuiu com base nas respostas aos seus yaks por outros usuários próximos. Yakarma mudou dependendo do número de votos negativos ou positivos, respostas e comentários feitos na postagem de um usuário. O recebimento de votos negativos afetou negativamente o Yakarma de um usuário, enquanto os votos positivos aumentaram. O efeito exato no yakarma foi determinado pelo status (yakarma) do usuário que votou.[7]


  • Voto a favor / voto negativo: Votos acima e abaixo foram essencialmente classificações de usuários em um determinado iaque. Para que um post se tornasse popular, ele precisava receber mais votos positivos do que negativos, quando exibia um número positivo ao lado. Se os votos em uma postagem atingirem o valor de -5, ela será excluída permanentemente.[7]


  • Espiar: O recurso "espiar" permitiu que os usuários visualizassem anonimamente outros feeds da comunidade Yik Yak. Inicialmente, as únicas outras áreas em que os usuários podiam "espiar" eram faculdades americanas e internacionais. Com a atualização do aplicativo em 20 de outubro de 2014, os usuários puderam espreitar qualquer faculdade ou cidade do mundo. Quando os usuários visualizavam outros feeds do Yik Yak, eles podiam ver as postagens de outros usuários, mas não podiam votar ou postar nessa comunidade. Os usuários só podiam postar em sua comunidade local do Yik Yak.[7]


  • Outros Yaks principais: isso simplesmente mostrava a página de resultados de imagens do google pesquisando a palavra "iaque". Geralmente apenas fotos de iaques (o animal).[7]


  • Fotos: esse recurso permitiu que os usuários incluíssem fotos em seus iaques. A empresa indicou que as fotos enviadas eram moderadas e que nenhum conteúdo inapropriado, conteúdo ilegal ou rostos eram permitidos nos feeds locais.  Mais especificamente, as coleções de fotos exibiam uma grade de fotografias populares enviadas por qualquer pessoa no local especificado.[7]


  • Recursos ocultos: Yik Yak também continha um filtro de palavras. Quando uma postagem continha linguagem ofensiva ou ameaçadora, o aplicativo lembrava ao usuário que sua postagem poderia ser ofensiva e perguntava se eles ainda desejavam publicá-la. Se o usuário ignorar o aviso, a postagem será sinalizada e sujeita a remoção pelos moderadores. As postagens que continham números de telefone não puderam ser postadas.[7]


Extinção[editar | editar código-fonte]

Uma das maiores críticas aos sites e aplicativos de mídia social é seu potencial inerente para alimentar a quantidade crescente de cyberbullying.[8] Devido ao assédio generalizado e assédio cometido por Yik Yak, muitas escolas e distritos escolares tomaram medidas para banir o aplicativo. Isso incluiu vários distritos escolares de Chicago,[9] Universidade de Norwich, em Vermont, Distrito Escolar Independente de Eanes, no Texas, Lincoln High School district, em Rhode Island,[10] New Richmond School District, em Ohio , Shawnigan Lake School no Canadá e Pueblo County School District no Colorado. Tatum High School no Novo México proibiu o uso de telefone celular da escola devido a Yik Yak, e a Associação de Governo Estudantil da Universidade Emory, na Geórgia, tentou proibir o aplicativo no campus, mas não o fez após uma imensa reação. dos alunos.[11]

Em 13 de maio de 2015, o presidente da Universidade de Santa Clara, padre Michael Engh, divulgou uma declaração a todos os alunos depois que várias observações racistas foram publicadas no Yik Yak. Ele escreveu: "O discurso de ódio, que não deve ser confundido com o discurso livre, não tem lugar na Universidade de Santa Clara, porque viola a dignidade e o respeito com os quais cada membro de nossa comunidade tem o direito de ser tratado. Comentários prejudiciais dirigidos a indivíduos ou grupos diminuem a todos nós e criam uma atmosfera divisória de desconfiança e suspeita."[12][13]

Em 3 de outubro de 2014, o The Huffington Post publicou um editorial de Ryan Chapin Mach intitulado "Por que seu campus universitário deveria proibir o Yik Yak", que afirmava que os painéis de mensagens anônimas do Yik Yak "são como bancas de banheiro sem banheiros. são fontes de conversas inúteis ou prejudiciais, e são uma tristeza completa ".[14]

Para remediar os casos de bullying nas escolas de ensino médio e médio de todo o país, Droll e Buffington alteraram o aplicativo para incluir cercas geográficas que funcionam em segundo plano. Essas cercas invisíveis desativam o aplicativo dentro de suas fronteiras definidas. No início, esses limites foram instalados manualmente pelos desenvolvedores, mas rapidamente ficou claro que eles precisariam de assistência externa. Eles encontraram essa assistência em uma empresa com sede em Vermont, conhecida como Maponics. Maponics "constrói e define limites geográficos". Eles já tinham quase 85% das escolas secundárias do país mapeadas, facilitando o acesso ao Yik Yak nessas áreas.[15]

A frequência de bullying e assédio que aconteceu em Yik Yak pode ter sido exagerada pelas histórias da mídia citando incidentes específicos.  pesquisadores identificaram como o Yik Yak é usado principalmente como uma maneira positiva de explorar identidades raciais, étnicas e sexuais e criar um senso de comunidade no campus. Outros identificaram como o Yik Yak dá voz aos estudantes marginalizados no campus.[16][17]

Em dezembro de 2014, os pesquisadores de segurança descobriram e demonstraram um possível ataque ao serviço, em que um usuário do Yik Yak poderia ter sua conta comprometida e desanonizada (com a identidade revelada) se um invasor estivesse usando a mesma rede Wi-Fi.[18]

Em fevereiro de 2015, a Yik Yak foi exposta a votação sistemática e exclusão de postagens que mencionavam concorrentes. O sistema automático reduziu a votação e excluiu todas as postagens que continham palavras associadas a nomes de outros aplicativos usados ​​por estudantes universitários, incluindo "fade", "invisível", "erodr" e "sneek". O algoritmo de downvoting, que atribuiu downvotes em intervalos regulares até a exclusão das postagens, parecia ter sido projetado para induzir os usuários a pensar que suas postagens eram impopulares entre os pares, em vez de censuradas pelo próprio Yik Yak.[19]

Durante 2016, o uso do Yik Yak diminuiu severamente em 76% em relação a 2015. Isso limitou seu antigo potencial de crescimento projetado e, em dezembro de 2016, o Yik Yak demitiu 60% de seus trabalhadores. Com base em um relatório da The Verge, a comunidade, o marketing, o design e as equipes de produtos foram profundamente afetados.[20][21]

Em abril de 2017, a empresa anunciou seu fechamento. A operadora de pagamentos móveis Square Inc comprou o que restava da organização por US$ 1 milhão e despojou a empresa de seus ativos e integrou os engenheiros da Yik Yak em suas operações.[22]

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Yik Yak».

Referências

  1. «Yik Yak shuts down after Square paid $1 million for its engineers». TechCrunch (em inglês). Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  2. Statt, Nick (28 de abril de 2017). «Yik Yak, once valued at $400 million, shuts down and sells off engineers for $1 million». The Verge (em inglês). Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  3. «Why anonymous messaging app Yik Yak has teens hooked and parents freaking out». The Daily Dot (em inglês). 21 de março de 2014. Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  4. Berman, Nat (22 de dezembro de 2016). «Tyler Droll: 10 Things You Didn't Know About Yik Yak's CEO». Money Inc (em inglês). Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  5. «Yik Yak Moves Into Top 10 Social Media Apps». Yik Yaker. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2014 
  6. Safronova, Valeriya (27 de maio de 2017). «The Rise and Fall of Yik Yak, the Anonymous Messaging App». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  7. a b c d e f «How to Get More Yakarma on Yik Yak». Wojdylo Social Media (em inglês). 28 de agosto de 2014. Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  8. «Welcome atlasbusinessjournal.org - BlueHost.com». atlasbusinessjournal.org. Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  9. Rajwani, Naheed; St Clair, Stacy. «Yik Yak app disabled in Chicago amid principals' worries». chicagotribune.com (em inglês). Tribune Reporters. Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  10. Bologna, Alison (2 de outubro de 2014). «RI school district blocks Yik Yak». WJAR. Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  11. «Yik Yak Sows Hostility at Emory». The Emory Wheel (em inglês). 2 de outubro de 2014. Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  12. Engh, Michael (13 de maio de 2015). «Message to Students». Universidade de Santa Clara. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2015 
  13. Kinder, Stephen (4 de maio de 2017). «Yik Yak Kicks the Can». Blue Valley West Spotlight Online. Consultado em 26 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 5 de setembro de 2017 
  14. Moody, Jasmyne (20 de fevereiro de 2016). «Yik Yak – An analysis by Jasmyne Moody» (em inglês). Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  15. «Yik Yak App Makers Do the Right Thing». HuffPost (em inglês). 26 de março de 2014. Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  16. Opinion, Wired (17 de março de 2015). «Yik Yak and Online Anonymity Are Good for College Students». Wired. ISSN 1059-1028 
  17. Hess, Amanda (28 de outubro de 2015). «Feminists Want Universities to Ban the Very App That Gives Marginalized Students a Voice on Campus». Slate Magazine (em inglês). Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  18. Dredge, Stuart (9 de dezembro de 2014). «Yik Yak hack is latest warning of the risks of 'anonymous' messaging apps». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  19. «Yik Yak Systematically Downvotes Mentions Of Competitors». TechCrunch (em inglês). Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  20. «10 of the most-funded startups to fail in 2017». TechCrunch (em inglês). Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  21. Newton, Casey (8 de dezembro de 2016). «Yik Yak lays off 60 percent of employees as growth collapses». The Verge (em inglês). Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  22. Statt, Nick (28 de abril de 2017). «Yik Yak, once valued at $400 million, shuts down and sells off engineers for $1 million». The Verge (em inglês). Consultado em 26 de fevereiro de 2020