Rede social virtual

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Rede social mais popular por país[1]
  Qzone
  Sem dados

As redes sociais virtuais (em inglês, Social Networking Services, SNS), também conhecido como mídia social ou simplesmente como rede social, é uma plataforma digital que permite estabelecer contacto com outras pessoas através de um website ou outra aplicação informática. Formada por um conjunto de equipamentos, servidores e programas, operando em desktops e laptops, em dispositivos móveis como tablets e smartphones e por pessoas que compartilham alguma relação, como de amizade, familiar, profissional, e estas mantêm interesses e atividades em comum ou se encontram interessados ​​em explorar os interesses e as atividades de outros usuários.[2]

As redes sociais são usadas principalmente para poder se comunicar com as pessoas, independentemente do país de onde são, e sem as limitações convencionais de e-mail ou telefonemas e videoconferência, em que embora existam serviços que permitem conversas em grupo.

Os serviços de redes sociais são frequentemente acessados ​​por meio de tecnologia, como dispositivos móveis.[3]

Os principais tipos de serviços de redes sociais contêm lugares de categoria (como idade, ocupação ou religião), meios para se conectar com amigos (geralmente com páginas de autodescrição) e um sistema de recomendação vinculado à confiança. Pode-se categorizar os serviços de redes sociais em quatro tipos:[4]

  • serviços de redes sociais de socialização usados ​​principalmente para socializar com amigos ou usuários existentes (por exemplo, Facebook, Instagram, Twitter)
  • As redes sociais online são redes de computadores descentralizadas e distribuídas onde os usuários se comunicam entre si por meio de serviços de internet.
  • rede serviços de rede social usados ​​principalmente para comunicação interpessoal não social (por exemplo, LinkedIn, um site voltado para carreiras e empregos)
  • serviços de rede social de navegação social usados ​​principalmente para ajudar os usuários a encontrar informações ou recursos específicos (por exemplo, Goodreads para livros, Reddit.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Hoje as redes sociais são responsáveis grande parte do tráfego na Internet brasileira e são uma das principais formas de representação dos relacionamentos pessoais ou profissionais.

Redes sociais populares no Brasil são:

  • Orkut, foi uma rede social filiada ao Google, criada em 24 de Janeiro de 2004 com o objetivo de ajudar seus membros a criar novas amizades e manter relacionamentos. Superada, a rede social foi encerrada em 30 de setembro de 2014. "O Orkut pode estar indo embora, mas todas as incríveis comunidades criadas pelos usuários vão ficar. Um arquivo com todas as comunidades públicas ficará disponível online a partir de 30 de setembro de 2014" , informou Paulo Golgher, Diretor de Engenharia do Google.
  • Facebook, website de relacionamento social foi lançado em 4 de fevereiro de 2004, fundado por Mark Zuckerberg e por seus colegas de quarto da faculdade, Eduardo SaverinDustin Moskovitz e Chris Hughes.
  • Twitter, rede social e servidor para microblogging que permite aos usuários que enviem e leiam atualizações pessoais de outros contatos.
  • Instagram, rede social criada para postagem de fotos e microblogging.
  • TikTok, é um aplicativo de mídia para criar e compartilhar vídeos curtos.

Aplicabilidade das redes sociais virtuais[editar | editar código-fonte]

Redes sociais virtuais focadas no trabalho[editar | editar código-fonte]

  • LinkedIn: Um dos precursores das redes sociais com perfil de trabalho; Carro-chefe da categoria; Muito popular entre HeadHunters e Analistas de RH que utilizam a Internet para busca e prospecção de candidatos a estágio e/ou emprego; Há contas pagas e gratuitas. Para profissionais, não há vantagens em passar para uma modalidade paga, já que os recursos extras fazem mais sentido para empresas em busca de candidatos; Famoso pelos endorsements;

Redes sociais genéricas[editar | editar código-fonte]

  • Orkut: foi uma febre no Brasil, apresentava os maiores índices de crescimento no número de usuários, e os usuários brasileiros representavam quase 2/3 do total de usuários cadastrados no mundo (encerrada em 30 de setembro de 2014);
  • Facebook: muito utilizada no inicio por estudantes universitários norte-americanos, transformou-se em uma das principais força nas redes sociais;
  • MySpace: A rede social já foi a mais popular do mundo, mas perdeu nos últimos anos para outras redes sociais como Facebook.

As redes sociais virtuais e a internet[editar | editar código-fonte]

Desde o advento da Internet, podemos afirmar que:

  • Mudou o modo de vida das pessoas;
  • Ampla cobertura, e acesso disposto a milhões de usuários em todo o mundo;
  • A mídia on-line evoluiu de certa forma que criou locais de acesso a estes usuários, havendo assim a criação de comunidades virtuais, onde se fala, discute, opina e debate de tudo;
  • Não há mais fronteiras delimitadas por localizações geográficas, e outros reveses que o mundo “real” nos impõe;
  • As "comunidades virtuais" são formadas pelas redes sociais virtuais, e são hoje as ferramentas de Internet mais populares e utilizadas no mundo todo;
  • Empresas utilizam as redes sociais virtuais, aproveitando o grande tráfego de usuários, como uma ferramenta de agregação da informação nos espaços virtuais, permitindo um fácil acesso a todos os interessados e principalmente, gerando uma economia nos investimentos.[5]

Redes Sociais Virtuais e o campo da política[editar | editar código-fonte]

Dentre as aplicações mais recorrentes quanto ao uso de redes sociais digitais está a criação e administração de perfis de políticos. No Brasil, já existe uma boa quantidade de estudos que tratam do tema tanto em épocas eleitorais,[6] quanto ao longo de mandatos.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Top 500 sites em cada país (8 de setembro de 2019)
  2. «academic.oup.com». academic.oup.com. doi:10.1111/j.1083-6101.2007.00393.x. Consultado em 4 de fevereiro de 2023 
  3. «El uso de las redes sociales | Módulo 7 - Nuevas tecnologías, nuevos retos para la coeducación». www.ite.educacion.es. Consultado em 4 de fevereiro de 2023 
  4. Thelwall, Mike (1 de janeiro de 2009). «Chapter 2 Social Network Sites: Users and Uses». Elsevier. Social Networking and The Web (em inglês): 19–73. doi:10.1016/s0065-2458(09)01002-x. Consultado em 4 de fevereiro de 2023 
  5. «What Is Social Networking - Social Media And Marketing Explained». 2022 
  6. Jamil Marques e Camila de Paula Pessoa (2013). «Twitter, Eleições e Poder Local : Um estudo sobre os vereadores de Fortaleza». Contemporanea - Revista de Comunicação e Cultura + Portal de Periódicos Eletrônicos da Universidade Federal da Bahia. ISSN 1809-9386. Consultado em 28 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 4 de março de 2018 
  7. Francisco Paulo Jamil Almeida Marques, Jakson Alves de Aquino e Edna Miola (2014). «Parlamentares, representação política e redes sociais digitais : perfis de uso do Twitter na Câmara dos Deputados» (PDF). Revista Opinião Pública da Universidade Estadual de Campinas + SciELO Brasil. doi:10.1590/1807-01912014202178. Consultado em 4 de março de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 4 de março de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]