WhatsApp

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
WhatsApp
Captura de tela
Logo WhatsApp
Desenvolvedor WhatsApp Inc.
Facebook, Inc. (atual)
Plataforma iOS
Android
BlackBerry OS
BlackBerry 10
Nokia Series 40
Plataforma Nokia Asha
Symbian
Windows Phone[1]
Lançamento 2009
Versão estável 2.12.429 (29 de Janeiro de 2016)
Versão em teste [+/-]
Idioma(s) Multilíngue
Gênero(s) Mensageiro instantâneo
Licença Proprietário
Estado do desenvolvimento Ativo
Tamanho 20,31 MB
Página oficial https://www.whatsapp.com/

WhatsApp Messenger, é um aplicativo multiplataforma de mensagens instantâneas e chamadas de voz para smartphones. Além de mensagens de texto, os usuários podem enviar imagens, vídeos, mensagens de áudio de mídia e na nova atualização, podem ligar para qualquer contato de sua agenda que possua WhatsApp . O software cliente está disponível para Android, BlackBerry OS, iOS, Symbian, Windows Phone e Nokia.[2] A empresa com o mesmo nome foi fundada em 2009 por Brian Acton e Jan Koum, ambos veteranos do Facebook e está sediada em Santa Clara, Califórnia.

Competindo com uma série de serviços com base na Ásia, WhatsApp cresceu de 2 bilhões de mensagens por dia em abril de 2012 para 10 bilhões em agosto do mesmo ano. De acordo com o Financial Times, WhatsApp "tem feito para SMS em celulares o que o Skype fez para chamadas internacionais em telefones fixos".[3] Em setembro de 2015, o aplicativo alcançou a marca dos 900 milhões de usuários ativos.[4]

Segundo dados da consultoria GlobalWebIndex, 73 % dos usuários que utilizam o Whatsapp no mundo são donos de celulares com o sistema Android (Google Play ). A plataforma IOS (Apple) está em segundo lugar, com 22% do mercado.[5] [6] Os servidores do aplicativo utilizam o sistema operacional FreeBSD com a linguagem de programação Erlang.[7]

Em janeiro de 2015 o app também passou a ser utilizado pelo computador, através do Google Chrome e, em Fevereiro, o serviço também foi disponibilizado para usuários dos navegadores Mozilla Firefox e Opera.[8]

Em 18 de janeiro de 2016, os criadores do aplicativo WhatsApp divulgaram a notícia de que o aplicativo se tornaria isento de qualquer cobrança anual. No mesmo comunicado, foi anunciado que o serviço de mensagem chegou a 990 milhões de usuários.[9]

Em 02 de fevereiro de 2016, Mark Zuckerberg anuncia que o WhatsApp alcança a marca de 1 bilhão de usuários, e Poucos serviços conectam mais de um bilhão de pessoas comenta Zuckerberg.

Especificações técnicas[editar | editar código-fonte]

WhatsApp usa uma versão personalizada do padrão aberto. Após a instalação, ele cria uma conta de usuário usando um número de telefone como o nome de usuário (Jabber ID). Mensagens multimídia são enviadas através do carregamento da imagem, áudio ou vídeo para um servidor http e enviando um link para o conteúdo juntamente com a sua miniatura codificada em Base64 (se aplicável).[10] O WhatsApp também sincroniza com a agenda do telefone, para que os usuários não precisem adicionar contatos em uma agenda separada. Como todos os usuários são registrados com o número do telefone, o software identifica todos os usuários WhatsApp entre os contatos registrados no telefone. Isto significa que o WhatsApp coleta dados dos contatos de todos os usuários, a fim de fazer tal equiparação conveniente, o que levanta questões óbvias de privacidade.[10]

Compatibilidade[editar | editar código-fonte]

O WhatsApp é compatível com:

Android[editar | editar código-fonte]

  • Android 2.1 (Eclair) ou superior
  • Apenas para telefone e tablets com chips e superiores

iOS[editar | editar código-fonte]

  • iOS 6.0 ou superior
  • Apenas para iPhone

Windows Phone[editar | editar código-fonte]

  • Windows Phone 7.5 ou superior
  • e para computadores agora 1.8 e superiores e os melhores

BlackBerry[editar | editar código-fonte]

  • BlackBerry OS 4.6 ou superior

Nível de segurança[editar | editar código-fonte]

Em 4 de novembro de 2014, WhatsApp marcou apenas 2 de 7 pontos em termos de segurança, segundo a Electronic Frontier Foundation. Ele perdeu pontos porque as comunicações são vulneráveis à acesso por terceiros, os usuários não podem verificar a identidade dos contatos, mensagens passadas não são seguras, o código não é aberto para revisão independente, o projeto de segurança não está devidamente documentado e outros fatores.[11]

Estudo datado de 2014, feito por entidades especializadas em cibersegurança como o Princeton Center for Information Technology e a Electronic Frontier Foundation, estabeleceu os principais pontos de vulnerabilidade de diversos aplicativos, entre eles o WhatsApp. Tais estudos são atualizados continuamente e estão disponíveis nos sítios das organizações participantes do estudo.[12]

Em novembro de 2014, o aplicativo adotou o sistema 'TextSecure', protocolo de textos seguros que evita que as mensagens enviadas pelos usuários sejam espionadas. [13]

Preços[editar | editar código-fonte]

WhatsApp é gratuito para download e pode ser utilizado em todos os tipos de telefone. Para os usuários do iPhone só havia uma cobrança quando o aplicativo for baixado. Mas, em dezembro de 2012, como uma oferta limitada dispensou a taxa única para iOS e estava disponível para download diretamente no iTunes, da Apple gratuitamente.[14]

Venda para o Facebook[editar | editar código-fonte]

No dia 19 de fevereiro de 2014, o Facebook adquiriu a empresa pelo montante de 16 bilhões de dólares, sendo 4 bilhões em dinheiro e 12 bilhões em ações do Facebook, além de 3 bilhões de ações no prazo de quatro anos caso permaneçam na companhia. Seus fundadores serão incorporados no conselho administrativo do Facebook.[15]

Saída do Windows Phone[editar | editar código-fonte]

Em 17 de maio de 2014, o WhatsApp foi retirado da loja de aplicativos do Windows Phone.[16] Duas semanas após a retirada, a Microsoft se pronunciou dizendo que foi uma opção dos desenvolvedores do aplicativo para corrigir problemas referente as notificações de mensagens.[17] Estima-se que cerca de 1 milhão de novos usuários do Windows Phone ficaram sem acesso ao WhatsApp. A Microsoft afirmou que suas equipes estavam trabalhando em conjunto, porém o WhatsApp não se pronunciou sobre o ocorrido. Durante o período de indisponibilidade do aplicativo, o sistema teve quedas nos números de vendas.[18]

Em 20 de maio, quase duas semanas depois de fora da loja, o WhatsApp retornou com mais funções, como a possibilidade de se usar imagens ao fundo de conversas, algo que até então não era possível na versão do sistema da Microsoft.[19]

Função Ligar[editar | editar código-fonte]

No início do mês de fevereiro do ano de 2015 o WhatsApp começou a ter a tão esperada função "Ligar", que serve para efetuar ligações através de aplicativo.[20] Usuários com as versões 2.11.528 do Google Play e 2.1.531 do site oficial do app, até o momento, são os únicos que podem visualizar essa função. Ainda não foram divulgados os termos de uso. [21]

Suspensão no Brasil[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Bloqueio do WhatsApp no Brasil

Em fevereiro de 2015, o juiz Luiz Moura Correia, da Justiça do Piauí, determinou a suspensão temporária do WhatsApp em todo o Brasil. Essa decisão foi tomada depois que o aplicativo se recusou a dar informações sobre um inquérito policial que investigava um crime de pedofilia ocorrido em Teresina, capital piauiense.[22] Contudo, a decisão logo foi derrubada pelos desembargadores Raimundo Nonato da Costa Alencar e José Ribamar Oliveira.[23]

Em 16 de dezembro de 2015, uma nova ordem judicial determinou o bloqueio do aplicativo por um período de 48 horas. O autor da ação não foi identificado. No entanto, as operadoras estimam que se trate de uma investigação policial. O bloqueio está relacionado a uma possível quebra de sigilo de dados. [24]

Em 17 de dezembro, porém, uma nova decisão judicial, vinda do desembargador Xavier de Souza, considerou que a suspensão do serviço não seria algo razoável por prejudicar milhões de usuários. Com isso o serviço foi restabelecido 12 horas após o bloqueio. [25]

Antes do bloqueio, a dívida do Whatsapp alcançou a marca de 12,7 milhões de Reais, dívida que ainda não foi paga. [26]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. "Tudo sobre o WhatsApp - TechTudo". 
  2. TechTudo. "Tudo sobre o WhatsApp". Consult. 19 de Janeiro de 2015. 
  3. TechTudo. "WhatsApp alcança 11 bilhões de mensagens enviadas". Consult. 19 de janeiro de 2015. 
  4. UOL (4 do setembro de 2015). "WhatsApp atinge 900 milhões de usuários ativos mensais". Consult. 18 de dezembro de 2015. 
  5. "8 em cada 10 brasileiros usam o Whatsapp no sistema Android". Consult. 2015-09-10. 
  6. "WhatsApp para Windows Phone recebe recurso de chamadas de voz e novas funções Matéria completa: http://canaltech.com.br/noticia/whatsapp/whatsapp-para-windows-phone-recebe-recurso-de-chamadas-de-voz-e-novas-funcoes-43921/#ixzz3lwXsQBDr O conteúdo do Canaltech é protegido sob a licença Creative Commons (CC BY-NC-ND). Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.". canaltech.com.br/. Consult. 16/09/2015.  Ligação externa em |title= (Ajuda)
  7. "WhatsApp tem 900 milhões de usuários e somente 50 funcionários; entenda como". olhardigital.uol.com.br/. Consult. 16 de setembro de 2015. 
  8. "Whats App Web é liberado para Firefox e Opera". psafe.com. Consult. 27/07/2015. 
  9. "WhatsApp deixará de cobrar US$ 1 por ano, diz criador". G1 tecnologia. 18 de janeiro de 2016. Consult. 18 de janeiro de 2016. 
  10. a b Faq Whatsapp. "Ajuda do WhatsApp". 
  11. "Apenas 6 aplicativos de mensagem de texto sao realmente seguros (original em ingles:Only 6 Messaging Apps Are Truly Secure)]". PCMAG. 5 de novembro de 2014. Consult. 15 de fevereiro de 2015. 
  12. "Secure Messaging Scorecard". Electronic Frontier Foundation. Consult. 15 de fevereiro de 2015. 
  13. Patricia Porto (1 de março de 2015). "Como proteger seus dados no Whats App". psafe. Consult. 17 de dezembro de 2015. 
  14. Vida Digital (20 de dezembro de 2012). "WhatsApp está disponível gratuitamente". Veja. Consult. 17 de dezembro de 2015. 
  15. "Facebook finaliza aquisição do Whatsapp por US$ 22 bilhões". Globo.com. Consult. 19 de Janeiro de 2015. 
  16. Wikerson Landim (17 de maio de 2014). "WhatsApp é retirado da loja do Windows Phone". Tecmundo. Consult. 19 de Janeiro de 2015. 
  17. Alexandre Lima (25 de maio de 2014). "Microsoft fala oficialmente sobre a retirada do Whatsapp da Windows Phone Store". windowsteam. Consult. 19 de Janeiro de 2015. 
  18. "Falta de WhatsApp está prejudicando venda de novos Lumias". NokiaAtividade. Consult. 19 de Janeiro de 2015. 
  19. "WhatsApp returns to Windows Phone, brings new features". WindowsCentral (em inglês). Consult. 19 de Janeiro de 2015. 
  20. "Ativar chamadas no Whatsapp, função "Ligar"". 
  21. "Veja como ativar a função ligar do Whats App". 
  22. "Decisão de juiz do Piauí manda tirar WhatsApp do ar em todo o Brasil". G1. 26 de fevereiro de 2015. Consult. 27 de fevereiro de 2015. 
  23. Fernando Aquino (26 de fevereiro de 2015). "Desembargador derruba determinação de suspender o WhatsApp no Brasil". Consult. 27 de fevereiro de 2015. 
  24. Julio Wiziack (16 de dezembro de 2016). "Justiça determina bloqueio do WhatsApp em todo o Brasil por 48 horas". Consult. 16 de dezembro de 2015. 
  25. G1 (16 de dezembro de 2016). "WhatsApp: Justiça concede liminar para restabelecer aplicativo no Brasil". Consult. 17 de dezembro de 2015. 
  26. Leonardo Pereira (18 de dezembro de 2015). "WhatsApp deve R$ 12,7 milhões em multas à Justiça brasileira". Consult. 16 de dezembro de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Software é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.