A Rede Social

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A Rede Social
The Social Network
Cartaz do filme
 Estados Unidos
2010 •  cor •  121 min 
Direção David Fincher
Produção Scott Rudin
Dana Brunetti
Michael De Luca
Ceán Chaffin
Produção executiva Kevin Spacey
Roteiro Aaron Sorkin
Ben Mezrich
Elenco Jesse Eisenberg
Andrew Garfield
Justin Timberlake
Armie Hammer
Max Minghella
Joseph Mazzello
Brenda Song
Gênero drama biográfico
Música Trent Reznor
Atticus Ross
Cinematografia Jeff Cronenweth
Edição Kirk Baxter
Angus Wall
Companhia(s) produtora(s) Relativity Media
Trigger Street Productions
Distribuição Columbia Pictures
Idioma inglês
Orçamento US$ 40 milhões[1]
Receita US$ 224,9 milhões[1]

The Social Network (bra/prt: A Rede Social)[2][3] é um filme estadunidense de 2010, do gênero drama biográfico, dirigido por David Fincher, com roteiro de Aaron Sorkin e Ben Mezrich, baseado no livro de não ficção The Accidental Billionaires, escrito pelo próprio Mezrich. Este livro conta a história da origem da rede social Facebook, entre parcerias e processos judiciais que marcaram a empresa durante a sua ascensão, que levou o criador Mark Zuckerberg (protagonista biografado no filme) a ser o bilionário mais jovem do mundo até então. Embora nenhum funcionário da empresa tenha se envolvido na produção, o brasileiro Eduardo Saverin, ex-diretor de finanças da instituição, foi um consultor para o livro que inspirou o drama.[4]

O filme apareceu em 78 listas de melhores filmes do ano,[carece de fontes?] 22 delas como número um.[carece de fontes?]Recebeu oito indicações ao Oscar.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Em Outubro de 2003, Mark Zuckerberg, um jovem acadêmico da Universidade de Harvard, fica indignado ao levar um fora da sua namorada, Erica Albright, após esta questionar o seu comportamento egocêntrico. Ao voltar para o alojamento estudantil, Zuckerberg escreve um post insultante sobre Albright em seu blog pessoal no LiveJournal. Após hackear e utilizar os servidores da universidade, este cria um site chamado Facemash, onde os visitantes do site votam e classificam a atratividade de estudantes do sexo feminino; o tráfego no site é tamanho que a rede de computadores de Harvard é desligada por sobrecarga. Zuckerberg é punido pela reitoria com seis meses de suspensão acadêmica, mas a popularidade do Facemash atrai a atenção dos gêmeos Cameron e Tyler Winklevoss, atletas e líderes de uma fraternidade na instituição, que juntos de seu parceiro de negócios Divya Narendra, convidam Zuckerberg para trabalhar no projeto Harvard Connection, um site de relacionamentos exclusivo para estudantes da instituição. Zuckerberg aborda seu amigo Eduardo Saverin, um brasileiro estudante de Economia, com uma ideia chamada The Facebook, uma rede social para universitários da Ivy League; Saverin aceita depositar 1.000 dólares em financiamento inicial para o projeto, permitindo que Zuckerberg construa o site, que rapidamente torna-se popular.

Ao descobrir sobre o The Facebook, Narendra e os gêmeos Winklevoss ficam furiosos, acreditando que Zuckerberg roubou sua ideia enquanto os enganava ao paralisar o desenvolvimento do Harvard Connection; ao levarem sua reclamação ao reitor Larry Summers, este desdenha da queixa, declarando que uma ação disciplinar ao The Facebook seria perda de tempo. Saverin e Zuckerberg conhecem uma colega de turma chamada Christy Lee, que os elogia pelo projeto e lhes diz "Facebook-me", uma frase que os deixa impressionados. À medida que a rede social cresce em popularidade, Saverin aumenta seu financiamento no projeto, permitindo que Zuckerberg expanda seu alcance para as universidades de Yale, Columbia e Stanford. Lee consegue que Saverin e Zuckerberg reúnam-se com Sean Parker, cofundador do site Napster; este diz-lhes que a empresa tem potencial de valer um bilhão de dólares, também sugere renomear o site para apenas Facebook. Zuckerberg fica impressionado, mas Saverin considera-o alguém paranoico e narcisista. Zuckerberg transfere a empresa para a California, seguindo o conselho de Parker, enquanto Saverin permanece em Nova Iorque para obter parcerias e anunciantes para o negócio. Parker muda-se para a base de operações de Zuckerberg e se envolve mais com a empresa, o que aborrece Saverin.

Na Inglaterra, enquanto representam Harvard na Regata Real Henley, os gêmeos Winklevoss descobrem que o Facebook expandiu-se para a Europa, obtendo usuários em Oxford, Cambridge e na LSE; juntos com Narendra, decidem processar a empresa por roubo de propriedade intelectual. Enquanto isso, cansado de Parker liderando as decisões de negócios para o Facebook, Saverin congela a conta bancária da empresa, mas muda de ideia quando Zuckerberg lhe informa que o megainvestidor Peter Thiel aceitou em participar do projeto, injetando um capital extra de 500 mil dólares. Saverin assina um novo contrato de sociedade, sob a promessa de participação de 34% nas ações do Facebook; ao descobrir que na realidade sua participação foi reduzida para apenas 0,03% e seu título de cofundador retirado do site, Saverin fica furioso e confronta Zuckerberg e Parker, jurando processá-los por fraude antes de ser expulso do prédio. Após o site atingir a marca de 1 milhão de usuários, Parker e alguns estagiários são detidos em flagrante por posse de cocaína durante uma festa comemoração. Parker tenta culpar Saverin pelo incidente, mas Zuckerberg resolve cortar laços, dizendo-lhe para "ir para casa".

Em depoimentos separados na reunião judicial, os gêmeos Winklevoss alegam que Zuckerberg roubou sua ideia, enquanto Saverin afirma que sua participação do Facebook foi injustamente diluída durante construção da empresa. Após discussões entre os representantes das partes, Marylin Delpy, advogada de defesa de Zuckerberg, informa-o que será firmado um acordo com os requerentes, já que os detalhes sórdidos sobre fundação do Facebook e a atitude egocêntrica de Zuckerberg, o tornariam antipático diante de um júri popular, o que acarretaria em mais prejuízos. Sozinho na sala, Zuckerberg descobre o perfil de Albright no Facebook, envia-lhe uma solicitação de amizade e atualiza a página repetidamente. No final, é revelado ao espectador que os gêmeos Winklevoss assinaram um acordo de 65 milhões de dólares, incluindo um termo de confidencialidade, e remaram para os EUA nas Olimpíadas de Pequim, ficando em 6º lugar. Eduardo Saverin recebeu um valor desconhecido, mas seu nome foi restaurado nos registros públicos do Facebook como cofundador. O Facebook chegou a 500 milhões de usuários em 207 países, com um valor na época de 25 bilhões de dólares, o que tornou Mark Zuckerberg o bilionário mais jovem do mundo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Escolha do elenco[editar | editar código-fonte]

O elenco começou a ser escolhido no início de agosto de 2009, e foram abertas audições em vários estados norte-americanos. Jesse Eisenberg foi o primeiro anunciado como parte do projeto, em setembro do mesmo ano. Em uma entrevista para o Baltimore Sun, o ator comentou, "Mesmo que eu tenha feito parte de vários filmes maravilhosos, esse personagem Mark Zuckerberg parece ser o mais evidentemente insensível em tantos sentidos que deve ser o mais real para mim. Eu não costumo interpretar pessoas insensíveis, estão é bastante confortável: novo e excitante, como se nunca tivesse que se preocupar com o público. Não que eu me preocupe de qualquer maneira - essa deve ser a menor coisa na sua cabeça".[5] Justin Timberlake e Andrew Garfield foram confirmados nos papéis de Sean Parker e Eduardo Saverin no mesmo mês.[6] Em outubro de 2009, Brenda Song, Rooney Mara, Armie Hammer, Shelby Young e Josh Pence também foram escolhidos, assim como Max Minghella e Dakota Johnson, mais tarde.[7]

Filmagens[editar | editar código-fonte]

As filmagens começaram em outubro de 2009, em Cambridge, Massachusetts.[8] As cenas foram filmadas no campus de duas escolas, a Phillips Academy e a Milton Academy.[9] Cenas adicionais foram filmadas na Wheelock College, que serviu de locação para o campus de Harvard.[10] A cena de abertura do filme, com Zuckerberg e sua namorada, levou 99 tomadas para ser terminada.[11] A cena das regatas foram filmadas em Newton e na Henley Royal Regatta.[12] Apesar de uma grande parte do filme se passar no Vale do Silício, os produtores decidiram filmar essas cenas em Los Angeles e em Pasadena.

Armie Hammer, que interpretou os gêmeos Winklevoss, atuou ao lado do dublê de corpo Josh Pence enquanto filmava suas cenas. Seu rosto foi digitalmente colocado sobre o rosto de Pence durante a pós produção, enquanto em outras cenas foi usado a técnica de divisão de tela.[13]

Música[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: The Social Network (álbum)

Em 1 de junho de 2010 foi anunciado que Trent Reznor e Atticus Ross, da banda de rock industrial Nine Inch Nails, iriam compor a trilha sonora do filme.[14] A trilha sonora foi lançada em 28 de setembro desse ano em diversos formatos. Antes do lançamento da trilha, um extended play com cinco faixas foi disponibilizado de graça para download.[15] A canção "Baby, You're a Rich Man", dos Beatles, aparece nos créditos finais do filme, o que é notável porque a banda raramente libera suas músicas para serem tocadas em filmes ou outras Mídias; ela não está presente na trilha sonora.[16]

Em 2011, Trent Reznor e Atticus Ross ganharam um Oscar e um Globo de Ouro de melhor trilha sonora original, para o filme A Rede Social.

Recepção[editar | editar código-fonte]

The Social Network foi aclamado pela crítica. No site Rotten Tomatoes o filme possui um índice de aprovação de 97%, baseado em 253 críticas. O consenso foi, "Com um roteiro impecável, bela direção e cheio de ótimas performances, The Social Network é um ambicioso exemplo do melhor do cinema moderno".[17] No Metacritic o filme recebeu uma média de 95/100, com base em 42 críticas, sendo classificado como "aclamação universal".[18]

Peter Travers, da revista Rolling Stone, disse "The Social Network é o filme do ano. Porém Fincher e Sorkin triunfam ao levá-lo além. Laçando suas sagacidades mordazes com uma dolorosa tristeza, eles definem a ironia negra da última década".[19]

Apesar disso, não foi apoiado pelo Facebook e seu diretor-executivo e cofundador Mark Zuckerberg, que é mostrado como um anti-herói; apesar do roteiro ter sido mostrado para os sócios da empresa e algumas edições terem sido feitas, eles não o aprovaram.[20]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

Debutou na primeira posição em seu primeiro final de semana nos cinemas dos Estados Unidos, arrecadando US$23 milhões.[21] Permaneceu nessa posição no final de semana seguinte, com US$15,5 milhões, acumulando 46 milhões em seus primeiros quinze dias.[22]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Oscar
Categoria Recipiente Resultado
Melhor filme Dana Brunetti, Ceán Chaffin,
Michael de Luca e Scott Rudin
Indicado[23]
Melhor diretor David Fincher Indicado[23]
Melhor ator Jesse Eisenberg Indicado[23]
Melhor roteiro adaptado Aaron Sorkin Venceu[23]
Melhor trilha sonora Trent Reznor e Atticus Ross Venceu[23]
Melhor mixagem de som Ren Klyce, David Parker,
Michael Semanick e Mark Weingarten
Indicado[23]
Melhor fotografia Jeff Chonenwetth Indicado[23]
Melhor edição Kirk Baxter e Angus Wall Venceu[23]
Golden Globe Awards
Categoria Recipiente Resultado
Melhor filme - drama Venceu[24]
Melhor diretor David Fincher Venceu[24]
Melhor roteiro Aaron Sorkin Venceu[24]
Melhor ator - drama Jesse Eisenberg Indicado[24]
Melhor ator coadjuvante Andrew Garfield Indicado[24]
Melhor trilha sonora Trent Reznor e Atticus Ross Venceu[24]
BAFTA Award
Categoria Recipiente Resultado
Melhor filme David Fincher, Scott Rudin, Dana Brunetti,
Michael De Luca, Ceán Chaffin e Kevin Spacey
Indicado[carece de fontes?]
Melhor diretor David Fincher Venceu[carece de fontes?]
Melhor roteiro Adaptado Aaron Sorkin Venceu[carece de fontes?]
Melhor ator Jesse Eisenberg Indicado[carece de fontes?]
Melhor ator coadjuvante Andrew Garfield Indicado[carece de fontes?]
Melhor edição Kirk Baxter e Angus Wall Venceu[carece de fontes?]
Melhor ator em ascensão Andrew Garfield Indicado[carece de fontes?]
Satellite Award
Categoria Recipiente Resultado
Melhor filme - drama Venceu[carece de fontes?]
Melhor diretor David Fincher Venceu[carece de fontes?]
Melhor roteiro adaptado Aaron Sorkin Venceu[carece de fontes?]
Melhor ator Jesse Eisenberg Indicado[carece de fontes?]
Melhor ator coadjuvante Andrew Garfield Indicado[carece de fontes?]
Melhor edição Kirk Baxter e Angus Wall Indicado[carece de fontes?]
Melhor trilha sonora Trent Reznor e Atticus Ross Indicado[carece de fontes?]
Screen Actors Guild Award
Categoria Recipiente Resultado
Melhor performance de um ator em papel principal Jesse Eisenberg Indicado[carece de fontes?]
Melhor performance de um elenco em um filme Jesse Eisenberg, Andrew Garfield, Armie Hammer,
Max Minghella, Josh Pence e Justin Timberlake
Indicado[carece de fontes?]

Referências

  1. a b «The Social Network (2010)». Box Office Mojo 
  2. «A Rede Social». no CineCartaz (Portugal) 
  3. A Rede Social no CinePlayers (Brasil)
  4. Harris, Mark (17 de setembro de 2010). «Inventing Facebook». New York Magazine 
  5. «Known for playing likable everymen, Jesse Eisenberg takes on a darker role to tell the story of the start of Facebook» (em inglês). Chicago Tribune. Consultado em 12 de outubro de 2010 
  6. «Columbia casts trio in Facebook film» (em inglês). Variety. 22 de setembro de 2010. Consultado em 12 de outubro de 2010. Arquivado do original em 6 de outubro de 2010 
  7. «Max Minghella, Rooney Mara, Dakota Johnson & More Join David Fincher's 'Social Network'» (em inglês). The Playlist. 20 de outubro de 2009. Consultado em 12 de outubro de 2010 
  8. Fischer, Russ (20 de outubro de 2009). «Casting Notes: Selena Gomez in Teen Rom Com; The Social Network Gets New Kids; The Whistleblower Gets Proven Talent». /Film. Consultado em 10 de fevereiro de 2010. Arquivado do original em 30 de junho de 2012 
  9. «Facebook Movie Shoots on Campus». Phillips Academy. 2009. Consultado em 10 de fevereiro de 2010. Arquivado do original em 28 de maio de 2010 
  10. «Major motion picture filmed at Wheelock». Wheelock College. 29 de outubro de 2009. Consultado em 21 de março de 2010. Arquivado do original em 27 de maio de 2010 
  11. Harris, Mark (17 de setembro de 2010). «Inventing Facebook». New York Magazine 
  12. McCarthy, Caroline (2 de junho de 2010). «Gossip: 'Social Network' filming will row across the pond». CNET 
  13. Buchanan, Kyle (20 de outubro de 2010). «The Social Network's Armie Hammer Talks Special Effects, Misogyny, and the Downside of Being Tall and Handsome». NY Mag 
  14. Siegler, MG (2 de julho de 2010). «Trent Reznor To Score Facebook Movie. "It's Really F*cking Good. And Dark!"» (em inglês). TechCrunch. Consultado em 3 de julho de 2010 
  15. «Download Trent Reznor's Social Network Sampler for Free | Underwire» (em inglês). Wired.com. Consultado em 23 de setembro de 2010 
  16. «Soundtracks for The Social Network» (em inglês). IMDb. Consultado em 21 de outubro de 2010 
  17. «The Social Network (2010)» (em inglês). Rotten Tomatoes. Consultado em 11 de outubro de 2010 
  18. «The Social Network» (em inglês). Metacritic. Consultado em 12 de outubro de 2010 
  19. «The Social Network, Rolling Stone Movies, News and Reviews». Rolling Stone. Consultado em 30 de setembro de 2010 
  20. «Filme A Rede Social desagrada a criadores do Facebook». R7. Consultado em 11 de outubro de 2010 
  21. «'Social's' $23 mil solid start tops box office» (em inglês). Hollywood Records. Consultado em 11 de outubro de 2010 
  22. Gray, Brandon (11 de outubro de 2010). «Weekend Report: 'Social Network' Saves Face in Second Weekend» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 13 de outubro de 2010 
  23. a b c d e f g h «83.º Oscar - 2011». CinePlayers. Consultado em 3 de maio de 2019 
  24. a b c d e f «68.º Globo de Ouro - 2011». CinePlayers. Consultado em 3 de maio de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme estadunidense é um esboço relacionado ao Projeto Entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.