Anti-herói

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para um álbum musical, veja Anti-Herói (álbum).
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde dezembro de 2017).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Cosplay do personagem Han Solo, um anti-herói do cinema

Anti-herói é o termo que designa o protagonista que não possui as virtudes tradicionalmente atribuídas aos heróis.[1]

Anti-heróis são personagens não inerentemente maus que, às vezes, praticam atos moralmente questionáveis. Contudo, algumas vezes é difícil traçar a linha que separa o anti-herói do vilão. No entanto, note-se que o anti-herói, diferente do vilão, sempre obtém aprovação, seja através de seu carisma, seja por meio de seus objetivos muitas vezes justos ou ao menos compreensíveis, o que jamais os torna lícitos. A malandragem, por exemplo, é uma ferramenta tipicamente anti-heroica.

Origem[editar | editar código-fonte]

Não existe um momento definitivo para quando o anti-herói surgiu como um elemento literário.

O anti-herói evoluiu ao longo do tempo, mudando junto com as concepções da sociedade sobre o herói, desde o Período elisabetano, com o Falstaff de Shakespeare, passando pelo pré-romantismo do Fausto de Goethe, até aos mais sombrios temas da literatura vitoriana do século XIX, como a Ópera dos Mendigos, de John Gay. Inicialmente, o anti-herói surge como um homem tímido, passivo e indeciso, que contrasta fortemente com os heróis clássicos.

O herói byroniano também estabelece um precedente literário para o conceito moderno de anti-heroísmo, criando um anti-herói rebelde que é simpático, apesar de sua rejeição da virtude.

Distinção entre Anti-herói e Herói Trágico[editar | editar código-fonte]

Um anti-herói difere de um herói trágico por este ainda ser essencialmente heroico, mas com uma grande falha trágica: já no anti-herói as falhas são mais visíveis do que as suas qualidades heroicas. Anti-herói pode também ser definido como herói atrapalhado.

Há mais de um tipo de anti-herói. Além dos que buscam satisfazer seus próprios interesses, há também os que sofrem desapontamentos em suas vidas, mas persistem até alcançar o ato heroico. Ainda há o tipo de anti-herói que está próximo do herói, mas segue a filosofia de que "o fim justifica os meios". Esse último é bem popular nos quadrinhos.

Existem também anti-heróis que têm atitudes morais suficientes para serem heróis, mas não têm o condicionamento físico e/ou intelectual suficientes, só que não percebem ou se preocupam com esse fato.

Leitura na sociedade[editar | editar código-fonte]

Rousseau disse em seu livro O contrato Social (1762) que o homem nasce essencialmente bom, mas a sociedade o corrompe. Em contrapartida, o livro O Leviatã (1651) de Hobbes indica que a visão do autor é que o homem é essencialmente mau, perverso e egoísta. Essa dualidade na percepção de mundo dos dois filósofos indica que todos nós temos esses dois lados dentro de nós. Esse aspecto nos permite entender o porque os anti-heróis geralmente são amados pelo grande público, a identificação. Não nos reconhecemos na perfeição dos protagonistas heróis, mas também não nos vemos de maneira vil e desprezível como as dos vilões.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 131.
Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.