Monomito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2010)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Segundo Campbell, a narrativa clássica de Prometeu segue a estrutura do monomito.

O monomito (às vezes chamado de "Jornada do Herói") é um conceito de jornada cíclica presente em mitos, de acordo com o antropólogo Joseph Campbell. Como conceito de narratologia, o termo aparece pela primeira vez em 1949, no livro de Campbell The Hero with a Thousand Faces ("O Herói de Mil Faces").[1] No entanto, Campbell era um conhecido estudioso da obra de James Joyce (em 1944 publicara, em co-autoria com Henry Morton Robinson, a resenha A Skeleton Key to Finnegans Wake, "Uma Chave-Mestra para Finnegan's Wake"[1]) e tomou emprestado o termo monomyth (monomito) do conto Finnegan's Wake, do autor irlandês.

Campbell e outros acadêmicos, tais como Erich Neumann, descrevem as narrativas de Gautama Buddha, Moisés e Cristo em termos do monomito e Campbell afirma que mitos clássicos de muitas culturas seguem esse padrão básico. O padrão do monomito foi adotado também por George Lucas para a criação da saga Star Wars, tanto na trilogia original quanto suas "preqüências".

O roteirista de Hollywood e executivo da indústria cinematográfica Christopher Vogler também usou as teorias de Campbell para criar um memorando para os estúdios Disney, depois desenvolvido como o livro "The Writer's Journey: Mythic Structure For Writers" (A Jornada do Escritor: Estrutura Mítica para Roteiristas). Este trabalho influenciou os 10 filmes produzidos pela empresa entre 1989 (A Pequena Sereia) e 1998 (Mulan), além da trilogia Matrix das irmãs Wachowski.

A ideia de monomito em Campbell explica sua ubiquidade por meio de uma mescla entre o conceito junguiano de arquétipos, forças inconscientes da concepção freudiana, e a estruturação dos ritos de passagem por Arnold van Gennep. Desde o final dos anos 1960, com o advento do pós-estruturalismo, teorias como as do monomito (que são dependentes de abordagens baseadas no estruturalismo) perderam terreno nos círculos acadêmicos. Este padrão da "jornada do herói" ainda é influente entre artistas e intelectuais mundo afora, no entanto, o que pode indicar a utilidade contínua e a influência ubíqua dos trabalhos de Campbell (e assim como evidência sobre a importância e validade dos modelos psicológicos freudiano e especialmente junguiano).

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Está dividido em três seções: Partida (às vezes chamada Separação), Iniciação e Retorno.

Gráfico do Monomito

A Partida lida com o herói aspirando à sua jornada; a Iniciação contém as várias aventuras do herói ao longo de seu caminho; e o Retorno é o momento em que o herói volta a casa com o conhecimento e os poderes que adquiriu ao longo da jornada.

Isto foi estabelecido por Joseph Campbell na primeira parte de O Herói de Mil Faces, intitulada "A Aventura do Herói". A tese do autor é de que todos os mitos seguem essa estrutura em algum grau. Para citar vários exemplos, as histórias de Prometeu, Osíris, Buda e Jesus Cristo todas seguem este paradigma quase exatamente, enquanto a Odisseia apresenta repetições freqüentes da Iniciação, o conto da Gata Borralheira (Cinderela) segue esta estrutura um tanto mais livremente e até mesmo o anime Cãezinhos de Sorte se vale de alguns estágios.

Os 12 Estágios da Jornada do Herói - "The Writer's Journey" (Christopher Vogler)[editar | editar código-fonte]

  1. Mundo Comum - O mundo normal do herói antes da história começar.
  2. O Chamado da Aventura - Um problema se apresenta ao herói: um desafio ou a aventura.
  3. Reticência do Herói ou Recusa do Chamado - O herói recusa ou demora a aceitar o desafio ou aventura, geralmente porque tem medo.
  4. Encontro com o mentor ou Ajuda Sobrenatural - O herói encontra um mentor que o faz aceitar o chamado e o informa e treina para sua aventura.
  5. Cruzamento do Primeiro Portal - O herói abandona o mundo comum para entrar no mundo especial ou mágico.
  6. Provações, aliados e inimigos ou A Barriga da Baleia - O herói enfrenta testes, encontra aliados e enfrenta inimigos, de forma que aprende as regras do mundo especial.
  7. Aproximação - O herói tem êxitos durante as provações
  8. Provação difícil ou traumática - A maior crise da aventura, de vida ou morte.
  9. Recompensa - O herói enfrentou a morte, se sobrepõe ao seu medo e agora ganha uma recompensa (o elixir).
  10. O Caminho de Volta - O herói deve voltar para o mundo comum.
  11. Ressurreição do Herói - Outro teste no qual o herói enfrenta a morte, e deve usar tudo que foi aprendido.
  12. Regresso com o Elixir - O herói volta para casa com o "elixir", e o usa para ajudar todos no mundo comum.

Os Estágios da Aventura do Herói - "O Herói de Mil Faces" (Joseph Campbell) [2][editar | editar código-fonte]

  1. Partida, separação
    1. Mundo cotidiano
    2. Chamado à aventura
    3. Recusa do Chamado
    4. Ajuda Sobrenatural
    5. Travessia do Primeiro Limiar
    6. Barriga da baleia
  2. Descida, Iniciação, Penetração
    1. Estrada de Provas
    2. Encontro com a Deusa
    3. A Mulher como Tentação
    4. Sintonia com o Pai
    5. Apoteose
    6. A Grande Conquista
  3. Retorno
    1. Recusa do Retorno
    2. Voo Mágico
    3. Resgate Interior
    4. Travessia do Limiar
    5. Senhor de Dois Mundos
    6. Liberdade para Viver

Ver também[editar | editar código-fonte]

Livros baseados em entrevistas com Campbell
  • The Hero's Journey: Joseph Campbell on His Life and Work. Editado por e com introdução de Phil Cousineau. Prefácio de Stuart L. Brown, Editor Executivo. Nova York, EUA: Harper and Row, 1990.
  • The Power of Myth (Bill Moyers e Betty Sue Flowers, ed.), 1988
Filmes
  • Joseph Campbell and the Power of Myth (1988)
  • The Hero's Journey: The World of Joseph Campbell (1987)

Referências

  1. Campbell, Joseph. The Hero with a Thousand Faces. Princeton: Princeton University Press, 1968, p. 30 / Novato, Califórnia: New World Library, 2008, p. 23.
  2. CAMPBELL, JOSEPH. O Herói de Mil Faces. [S.l.: s.n.] 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]