Narrador não confiável

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ilustração de Gustave Doré para Barão de Münchhausen: contos, como o do Barão, muitas vezes apresentam narradores não confiáveis.

Um narrador não confiável é um narrador, seja na literatura, cinema, ou teatro, cuja credibilidade foi seriamente comprometida.[1] O termo foi cunhado em 1961 por Wayne C. Booth em The Rhetoric of Fiction.[1] [2] Enquanto narradores não confiáveis são quase por definição narradores em primeira pessoa, argumentos têm sido feitos para a existência de narradores não confiáveis em segunda e terceira pessoa, especialmente no contexto do cinema e da televisão.

Às vezes, a falta de confiabilidade do narrador está imediatamente evidente. Por exemplo, uma história pode começar com o narrador fazendo uma reivindicação claramente falsa ou delirante ou admitindo severamente ser um doente mental, ou a história em si pode ter um quadro em que o narrador aparece como um personagem, com pistas para a não confiabilidade do personagem. Uma utilização mais dramática do termo atrasa a revelação até perto do fim da história. Este plot twist acaba forçando o leitor a reconsiderar seu ponto de vista e experiência da história. Em alguns casos, a não confiabilidade do narrador nunca é totalmente revelada, mas apenas insinuada, deixando os leitores para saber o quanto o narrador deve ser confiável e como a história deve ser interpretada.

Visão geral[editar | editar código-fonte]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Tentativas têm sido feitas para classificar os narradores não confiáveis. William Riggan analisou em seu estudo os tipos discerníveis de narradores não confiáveis, enfocando no narrador em primeira pessoa, como este é o tipo mais comum de narração inverossímil.[3] Adaptada de suas descobertas está a seguinte lista:

  • O Pícaro: Um narrador que é caracterizado pelo exagero e vangloriamento, o primeiro exemplo provavelmente sendo o soldado na comédia de Plauto, Miles Gloriosus.
Exemplos na literatura moderna são Moll Flanders, Simplicius Simplicissimus ou Felix Krull.
Exemplos incluem os narradores auto alienantes de Franz Kafka, narradores da ficção noir ou o narrador "duro" (cínico) de ficção Hardboiled que descreve de modo não confiável suas emoções, Barbara Covett em Notes on a Scandal e Patrick Bateman em American Psycho.
  • O Palhaço: Um narrador que não leva a sério narrações e conscientemente brinca com as convenções, verdades e expectativas do leitor.
Exemplos do tipo incluem Tristram Shandy e Brás Cubas.
  • O Ingênuo: Um narrador cuja percepção é imatura ou limitada através de seu ponto de vista.
Exemplos de ingênuos incluem Huckleberry Finn, Holden Caulfield, e Forrest Gump.
  • O Mentiroso: Um maduro narrador de boa cognição que deliberadamente deturpa-se, muitas vezes, para ocultar sua conduta imprópria ou passado desonroso.
John Dowell no romance de Ford Madox Ford, The Good Soldier, exemplifica este tipo de narrador.

Esta tipologia não é certamente exaustiva e não pode pretender cobrir todo o espectro da narração não confiável na sua totalidade ou mesmo apenas o narrador em primeira pessoa. Pesquisas mais amplas nesta área têm sido realizadas. [4]

Também continua a ser uma questão de debate se e como uma narrativa em não primeira pessoa pode não ser confiável, embora a restrição deliberada de informações para o público—por exemplo nas três peças entrelaçadas de Alan Ayckbourn, The Norman Conquests, cada uma das quais mostra a ação tendo lugar apenas em um dos três locais durante o curso de um fim de semana—pode fornecer exemplos de narrativa não confiável, ainda que não necessariamente de um narrador não confiável.

Definições e abordagens teóricas[editar | editar código-fonte]

Wayne C. Booth foi o primeiro que formulou uma abordagem centrada no leitor para a narração não confiável e distinguiu entre narrador confiável e não confiável em razão de se o discurso do narrador viola ou está em conformidade com as normas e valores gerais. Ele descreve: "Eu chamei de narrador confiável quando ele fala a favor ou age em conformidade com as normas da obra (que é dizer que está implícito nas normas do autor), e não confiável quando ele não as segue".[2] Peter J. Rabinowitz criticou a definição de Booth por confiar demais nos fatos extradiegéticos tais como normas e ética, que deve necessariamente contaminadas pela opinião pessoal. Ele consequentemente modifica a abordagem para narração não confiável.

Eles são narradores não confiáveis (c.f. Booth). Um narrador não confiável no entanto, não é simplesmente um narrador que 'não diz a verdade' – qual narrador fictício diz a verdade literal? Um narrador não confiável mais do que contar mentiras, oculta informações, julga mal no que diz respeito a narrativa para a audiência – ou seja, umas tais declarações são falsas não pelos padrões do mundo real ou da audiência real, mas pelos padrões de sua própria audiência narrativa. [...] Em outras palavras, todos os narradores fictícios são falsos pois são imitações. Mas alguns são imitações que dizem a verdade, algumas das pessoas que mentem.[5]

O foco principal de Rabinowitz é o estado do discurso ficcional, por oposição a factualidade. Ele discute as questões da verdade na ficção, trazendo para frente quatro tipos de público que atuam como receptores de qualquer obra literária:

  1. "Audiência real" (= as pessoas de carne e osso que leram o livro)
  2. "Audiência autoral" (= público hipotético a quem o autor aborda o assunto)
  3. "Audiência narrativa" (= público imitativo que também possui conhecimentos específicos)
  4. "Audiência narrativa ideal" (= público acrítico que aceita o que o autor está dizendo)

Rabinowitz sugere que "Na leitura correta de um romance, então, os eventos que são retratados devem ser tratados tanto como 'verdadeiros' e 'falsos', ao mesmo tempo. Embora haja muitas maneiras de entender essa dualidade, proponho analisar as quatro audiências que ele gera".[6] Similarmente, Tamar Yacobi propôs um modelo de cinco critérios ('mecanismos integrantes') que determinam se um narrador não é confiável.[7] Em vez de confiar no dispositivo implícito do autor e uma análise centrada no texto da narração não confiável, Ansgar Nünning dá evidências de que a narrativa não confiável pode ser reconceitualizada no contexto da teoria de quadros e de estratégias cognitivas dos leitores.

[...] para determinar uma não confiabilidade do narrador não precisa apenas confiar em juízos intuitivos. Não são as intuições do leitor nem as normas e valores implícitos do autor que fornecem a pista para a falta de confiabilidade do narrador, mas uma ampla gama de sinais definíveis. Estes incluem tanto os dados textuais e conhecimento conceitual preexistente do leitor sobre o mundo. Em suma, se um narrador é chamado de confiável ou não, não depende da distância entre as normas e valores do narrador e aqueles implícitos pelo autor, mas entre a distância que separa a visão de mundo do autor a partir do mundo modelo e os padrões de normalidade do leitor.[8]

A narração não confiável nessa visão torna-se puramente uma estratégia de um leitor de fazer sentido de um texto, ou seja, de conciliar discrepâncias em conta do narrador (sinais de narração não confiável). Nünning assim, efetivamente elimina a dependência de juízos de valor e códigos morais que são sempre contaminados pela perspectiva e gosto pessoal. Greta Olson tem debatido recentemente os modelos tanto o de Nünning e Booth, revelando discrepâncias em seus respectivos pontos de vista.

[...] o modelo de narrador não confiável de Booth tem sido criticado por Ansgar Nünning por desconsiderar o papel do leitor na percepção de confiabilidade e por confiar no conceito insuficientemente definido pelo autor implícito. Nünning atualiza o trabalho de Booth com uma teoria cognitiva da falta de confiabilidade que se baseia em valores do leitor e seu senso que existe uma discrepância entre as declarações e as percepções do narrador e outras informações dadas pelo texto.

e oferece "[...] uma atualização do modelo de Booth, fazendo sua diferenciação implícita entre narradores confiáveis e não confiáveis explícitas". Olson argumenta, em seguida, "[...] de que estes dois tipos de narradores suscitam diferentes respostas em leitores e são melhor descritas usando escalas de falibilidade e falta de confiança".[9] Ela profere que todos os textos ficcionais que empregam o dispositivo de não confiabilidade podem ser melhor considerados ao longo de um espectro de falibilidade que começa com a confiabilidade e termina com a não confiabilidade. Este modelo permite todos os tons de cinza entre os polos de confiabilidade e insegurança. Por conseguinte, cada leitor individual deve determinar a credibilidade do narrador em um texto ficcional.

Sinais de narração não confiável[editar | editar código-fonte]

Qualquer que seja a definição de não confiabilidade que segue, há uma série de sinais que constituem ou, pelo menos, indiciam a não confiabilidade do narrador. Nünning sugeriu dividir estes sinais em três grandes categorias.[10]

  • Sinais intratextuais tais como o narrador se contradizendo, tendo lacunas na memória, ou mentindo para os outros personagens
  • Sinais extratextuais como contradizendo o conhecimento geral de mundo do leitor, ou impossibilidades (dentro dos parâmetros da lógica)
  • A competência literária do leitor. Isso inclui o conhecimento do leitor sobre os tipos literários (por exemplo, personagens de estoque que reaparecem ao longo dos séculos), o conhecimento sobre os gêneros literários e suas convenções ou dispositivos estilísticos.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

Acontecimentos históricos[editar | editar código-fonte]

Um dos primeiros usos da não confiabilidade na literatura é em As Rãs de Aristófanes. Após o deus Dionísio afirmar ter afundado 12 ou 13 barcos inimigos com Clístenes, seu escravo Xanthias diz: "Então eu acordei". A versão mais conhecida está na comédia de Plauto, Miles Gloriosus (séculos III–II a.C.), que apresenta um soldado que constantemente embeleza suas realizações enquanto seu escravo Artotrogus, em apartes, afirma que as histórias são falsas e que ele só as apoia para obter alimentos. O termo literário do "narrador não confiável" foi usado em vários contos árabes ficcionais medievais de As Mil e Uma Noites, também conhecido como Noites Árabes.[11] Em um conto, "Os Sete Vizires", uma cortesã acusa o filho de um rei de tê-la atacado, quando na realidade ela não conseguiu seduzi-lo (inspirado na história bíblica/corânica de José/Yusuf). Sete vizires tentam salvar sua vida narrando sete histórias para provar a não confiabilidade da cortesã, e a cortesã responde narrando uma história para provar a não confiabilidade dos vizires.[12] O dispositivo do narrador não confiável também foi usado para gerar suspense em outro conto de As Mil e Uma Noites, "As Três Maças", uma das primeiras histórias de mistério. Em um ponto da história, dois homens afirmam ser o assassino, um dos quais é revelado estar mentindo. Em outro momento da história, em um flashback mostrando os motivos para o assassinato, é revelado que um narrador não confiável convenceu o homem da infidelidade de sua esposa, levando assim ao assassinato da mulher.[13]

Outro exemplo precoce de narração não confiável está Os Contos de Canterbury de Geoffrey Chaucer. Em "O Conto do Mercador" por exemplo, o narrador, que é infeliz em seu casamento, permite a sua inclinação misógina contar a maior parte da história. Em "A Esposa de Bath", a esposa muitas vezes faz cotações imprecisas e lembra incorretamente de histórias.

Romances[editar | editar código-fonte]

Um exemplo controverso de um narrador não confiável ocorre no romance de Agatha Christie, The Murder of Roger Ackroyd, onde o narrador esconde verdades essenciais no texto (principalmente através da evasão, omissão, e ofuscação) sem nunca mentir abertamente. Muitos leitores da época sentiram que o plot twist no clímax do romance, no entanto, foi injusto. Christie usou o conceito novamente em seu romance de 1967, Endless Night. Narradores não confiáveis similares muitas vezes aparecem em romances de detetive e thrillers, onde até mesmo um narrador em primeira pessoa pode esconder informações essenciais e deliberadamente enganar o leitor, a fim de preservar a surpresa final. Em alguns casos, o narrador descreve a si mesmo fazendo coisas que parecem questionáveis ou desacreditadas, apenas para revelar, no final, que tais ações não eram o que pareciam (por exemplo, o romance de Alistair MacLean, The Golden Rendezvous e o romance de John Grisham, The Racketeer).

Muitos romances são narrados por crianças, cuja inexperiência pode prejudicar o seu julgamento e torná-las não confiáveis. Em As Aventuras de Huckleberry Finn (1884), a inocência de Huck leva-o a fazer julgamentos excessivamente beneficiários sobre os personagens do romance.

Dois dos romances mais famosos de Ken Kesey apresentam narradores não confiáveis. "Chief" Bromden em One Flew Over the Cuckoo's Nest sofre de esquizofrenia, e sua maneira de contar os acontecimentos muitas vezes inclui coisas como pessoas crescendo ou diminuindo, paredes escorrendo com lodo, ou os enfermeiros sequestrando e "curando" Papai Noel. A narração em Sometimes a Great Notion muda entre vários personagens principais, cuja inclinação tende a mudar as simpatias do leitor de uma pessoa para outra, especialmente na rivalidade entre o personagens principais Leland e Hank Stamper. Muitos dos romances de Susan Howatch similarmente usam esta técnica; cada capítulo é narrado por um personagem diferente e só depois de ler os capítulos de cada um dos narradores é que o leitor percebe que cada um dos narradores possuem inclinações e "pontos cegos" que lhe fazem perceber experiências compartilhadas de forma diferente.

Humbert Humbert, o protagonista e narrador do romance de Vladimir Nabokov, Lolita, muitas vezes conta a história de tal maneira a justificar sua fixação hebefila em meninas, em particular, o seu relacionamento sexual com sua enteada de 12 anos. Da mesma forma, o narrador de A.M. Homes em The End of Alice deliberadamente retém a história completa do crime que o colocou na prisão—o estupro e subsequente assassinato de uma menina—até o fim do romance.

Em alguns casos, a narração não confiável pode trazer o fantástico em obras de ficção. Em The Green Man de Kingsley Amis, por exemplo, a não confiabilidade do narrador Maurice Allington desestabiliza as fronteiras entre realidade e o fantástico. O mesmo se aplica em Witchcraft de Nigel Williams.[14] Em An Instance of the Fingerpost de Iain Pears também emprega vários pontos de vista de narradores cujas ações não são confiáveis e entram em conflito umas com as outras.[15]

Mike Engleby, o narrador do romance de Sebastian Faulks, Engleby, leva o leitor a acreditar em uma versão dos acontecimentos de sua vida que se mostra cada vez mais em desacordo com a realidade.[16]

Zeno Cosini, o narrador do romance de Italo Svevo, A Consciência de Zeno, é um exemplo típico de narrador não confiável: na verdade, o romance é apresentado como um diário de Zeno, que, sem querer, distorce os fatos para justificar suas falhas. Seu psiquiatra, que publica o diário, afirma na introdução que é uma mistura de verdades e mentiras.[17]

Pi Patel, o narrador do romance de Yann Martel, A Vida de Pi, publicado em 2001, é outro exemplo de narrador não confiável. Depois de passar muitos dias à deriva no mar, ele descreve vários eventos fantasiosos e diz a seus salvadores que compartilhou o seu bote salva-vidas com uma zebra, um orangotango, uma hiena (que matou a zebra e o orangotango) e um tigre de Bengala (que matou a hiena). Quando eles questionam sua história, Pi fornece uma alternativa, mais sombria, entretanto mais crível de eventos, em que um marinheiro e sua mãe são assassinados pelo cozinheiro canibal do barco, que Pi, em seguida, mata e come para sobreviver. As equipes de resgate percebem os paralelos entre as pessoas e os animais, com a zebra representando o marinheiro, o orangotango representando a mãe de Pi, a hiena representando o cozinheiro, e o tigre representando o próprio Pi. Quando Pi sublinha que nenhuma história é provável e que nenhuma altera o resultado (o barco afundou, e sua família morreu), as equipes de resgate optam por acreditar na história que apresenta os animais, porque é uma história melhor.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Frey, James N.. How to Write a Damn Good Novel, II: Advanced Techniques for Dramatic Storytelling. 1st ed. New York: St. Martin's Press, 1931. p. 107. ISBN 0-312-10478-2 Página visitada em 31 de julho de 2015.
  2. a b Booth, Wayne C.. The Rhetoric of Fiction. [S.l.]: Univ. of Chicago Press, 1961. 158–159 p.
  3. Riggan, William. Pícaros, Madmen, Naīfs, and Clowns: The Unreliable First-person Narrator. [S.l.]: Univ. of Oklahoma Press: Norman, 1981. ISBN 0806117141
  4. Nünning, Ansgar: "But Why Will You say That I Am mad?" On the Theory, History and Signals of Unreliable Narration in British Fiction, in Arbeiten aus Anglistik und Amerikanistik 22/1 (1997), pp 1 -105.
  5. Rabinowitz, Peter J.: Truth in Fiction: A Reexamination of Audiences. In: Critical Inquiry. Nr. 1, 1977, S. 121–141.
  6. Rabinowitz,Peter J.: Truth in Fiction: A Reexamination of Audiences. In: Critical Inquiry. Nr. 1, 1977, S. 121–141.
  7. Online Arquivado em janeiro 16, 2013 no Wayback Machine
  8. Nünning, Ansgar: But why will you say that I am mad?: On the Theory, History, and Signals of Unreliable Narration in British Fiction. In: Arbeiten zu Anglistik und Amerikanistik. Nr. 22, 1997, S. 83–105.
  9. Olson, Greta: Reconsidering Unreliability: Fallible and Untrustworthy Narrators. In: Narrative. Nr. 11, 2003, S. 93–109.
  10. Nünning, Ansgar (ed.): Unreliable Narration: Studien zur Theorie und Praxis unglaubwürdigen Erzählens in der englischsprachigen Erzählliteratur, Wissenschaftlicher Verlag: Trier (1998).
  11. Irwin, Robert. The Arabian Nights: A Companion. [S.l.]: Tauris Parke Paperbacks, 2003. p. 227. ISBN 1-86064-983-1
  12. Pinault, David. Story-telling Techniques in the Arabian Nights. [S.l.]: Brill Publishers, 1992. p. 59. ISBN 90-04-09530-6 Página visitada em 1 de agosto de 2015.
  13. Pinault, David. Story-Telling Techniques in the Arabian Nights. [S.l.]: Brill Publishers, 1992. 93–97 p. ISBN 90-04-09530-6 Página visitada em 1 de agosto de 2015.
  14. Martin Horstkotte. "Unreliable Narration and the Fantastic in Kingsley Amis's The Green Man and Nigel Williams's Witchcraft". Extrapolation 48,1 (2007): 137–151.
  15. THE MYSTERY READER reviews: An Instance of the Fingerpost by Iain Pears Themysteryreader.com. Visitado em 1 de agosto de 2015.
  16. Roberts, Michèle. "Engleby, by Sebastian Faulks. Sad lad, or mad lad?", The Independent, 18 de Maio de 2007. Página visitada em 1 de agosto de 2015.
  17. Wood, James. (3 de Janeiro de 2002). "Mixed Feelings". London Review of Books 24 (1): 17–20. ISSN 0260-9592.

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Smith, M. W. (1991). Understanding Unreliable Narrators. Urbana, IL: National Council of Teachers of English.
  • Shan, Den: "Unreliability", in Peter Hühn (ed.): The Living Handbook of Narratology, Hamburg: Hamburg University Press. (Arquivado em janeiro 16, 2013 no Wayback Machine. Ret. em 31 de julho de 2015)