História de fundo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Uma história de fundo, é um conjunto de eventos inventados para um enredo, apresentados como precedentes e anteriores àquele enredo. É um dispositivo literário de uma história narrativa, cronologicamente mais cedo que a narrativa de interesse primário.

Em atuação, é a história do personagem antes do drama começar, e é criado durante a preparação do ator.

É a história dos personagens e outros elementos que fundamentam a situação existente no início da narrativa principal. Mesmo um trabalho puramente histórico revela seletivamente a história de fundo para o público.[1][2]

Uso[editar | editar código-fonte]

Como dispositivo literário, a história de fundo é frequentemente empregada para dar profundidade ou credibilidade à história principal. A utilidade de ter uma revelação dramática foi reconhecida por Aristóteles, em Poética.

As histórias de fundo são geralmente reveladas, parcialmente ou totalmente, cronologicamente ou não, à medida que a narrativa principal se desenrola. No entanto, o criador de uma história também pode criar partes de uma história de fundo ou mesmo toda uma história de fundo que é apenas para seu próprio uso.[3]

A história de fundo pode ser revelada por vários meios, incluindo flashbacks, diálogos, narração direta, resumo, lembrança e exposição. O filme original de Star Wars e suas duas primeiras sequências são exemplos de um trabalho com uma história de fundo preconcebida, que mais tarde foi lançada como a segunda parte, uma pré-sequência de três filmes.

Recordação[editar | editar código-fonte]

Recordação é o modo de escrever ficção, pelo qual um personagem lembra algo ou lembra-se dele. A memória de um personagem desempenha um papel na transmissão da história de fundo, pois permite que um escritor de ficção traga informações do início da história ou de antes do início da história. Embora a lembrança não seja amplamente reconhecida como um modo distinto de escrever ficção, a lembrança é comumente usada pelos autores de ficção.

Por exemplo, Orson Scott Card observa que "Se é uma memória que o personagem poderia ter lembrado a qualquer momento, fazê-la pensar a tempo de tomar uma decisão importante pode parecer uma coincidência implausível. . . ." Além disso, "Se a memória solicitar uma decisão atual, ela deverá ter sido solicitada por um evento recente".[4]

Universo compartilhado[editar | editar código-fonte]

Em um universo compartilhado, mais de um autor pode moldar a mesma história de fundo. A criação posterior de uma história de fundo que conflita com uma história principal escrita anteriormente pode exigir o dispositivo de ajuste conhecido como continuidade retroativa, informalmente conhecido como "retcon".

Atuação[editar | editar código-fonte]

Os atores podem criar suas próprias histórias de fundo para os personagens, indo além das informações às vezes escassas em um script. O preenchimento de detalhes ajuda o ator a interpretar o script e a criar personagens totalmente imaginados.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Definition of BACKSTORY». www.merriam-webster.com (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2019 
  2. «Definition of backstory | Dictionary.com». www.dictionary.com (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2019 
  3. Weil, K. M. (16 de agosto de 2009). «Backstory: The Importance of What Isn't Told». Helping Writers Become Authors (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 30 de novembro de 2019 
  4. Card, Orson Scott (1988). Character & Viewpoint. Cincinnati: OH: Writer's Digest Books. p. 113. ISBN 0-89879-307-6 
  5. Homan, Sidney; Rhinehart, Brian (2018). «3». Comedy Acting for Theatre: The Art and Craft of Performing in Comedies (em inglês). [S.l.]: Bloomsbury Publishing. ISBN 9781350012783. Consultado em 30 de novembro de 2019