Super-herói

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Super-herói (desambiguação).
Captain Future, super-herói da editora Nedor

Um super-herói é um personagem modelo fictício "sem precedentes das proezas físicas dedicadas aos atos em prol do interesse público". Protagoniza as histórias de superaventura, ou super-aventura,[1] um gênero de ficção especulativa marcado também pelos super-vilões e pela associação com os quadrinhos estadunidenses, embora esteja presente noutros meios de comunicação por meio de adaptações e obras originais.[2]

Um super-herói ou super-heroína é um bom personagem, normalmente ajudando o mundo a se tornar um lugar melhor, dedicado a proteger o público e a impedir o mal.

O termo para o gênero tem criação mais recente, pelo sociólogo Nildo Viana, especialista em sociologia das histórias em quadrinhos.[2] O gênero tem origem especialmente nos quadrinhos estadunidenses desde a década de 1930 (e posteriormente nos filmes de Hollywood), bem como na mídia japonesa (incluindo kamishibai, tokusatsu, mangá e anime) desde a década de 1930. As histórias do gênero, desde a estreia do super-herói Superman em 1938, variam de aventuras-solo, breves episódios contínuos a sagas de grupos com vários personagens. Os quadrinhos estadunidenses têm dominado o segmento em revistas e outros meios de comunicação social. As personagens femininas são conhecidas como super-heroínas. Vale salientar que personagens não têm necessidade de ter superpoderes para serem considerados super-heróis, personagens como Batman, por exemplo, derivam seu status da tecnologia que criam e usam, e não da biologia não humana ou sobre-humana.[3][4][5] Enquanto a definição de "super-herói" no Dictionary.com é "uma figura, especialmente em uma história em quadrinhos ou desenho animado, dotada de poderes sobre-humanos e geralmente retratada como combatendo o mal ou o crime",[6] o antigo dicionário Merriam-Webster fornece a definição como "um herói fictício com poderes extraordinários ou sobre-humanos; também: uma pessoa excepcionalmente habilidosa ou bem-sucedida."[7] Termos como combatentes do crime mascarados, aventureiros fantasiados ou vigilantes mascarados às vezes são usados ​​para se referir a personagens como The Spirit, que podem não ser explicitamente referidos como super-heróis, mas compartilham características semelhantes.

derivam. Will Eisner, famoso autor de The Spirit, ao explicar porque não queria que o personagem fosse um super-herói, alegando que o conceito era negativo a medida que fora divulgado por Hitler em seu livro Mein Kampf, publicado nos Estados Unidos em 1935. Ele disse

O objetivo dos super-heróis é, geralmente, a defesa do bem, da paz, o combate ao crime, tomando para si a responsabilidade de ser protagonista na luta do bem contra o mal. No entanto, um super-herói também pode ser um personagem real ou fictício que inspira qualquer pessoa a agir melhor. Alguns super-heróis usam seus poderes para ajudar a combater o crime diário, além de combater ameaças contra a humanidade de supervilões, que são suas contrapartes criminosas. Muitas vezes, pelo menos um desses supervilões será o arqui-inimigo de um super-herói.

Universo[editar | editar código-fonte]

Capa de Thor, God of Thunder #1, de Weird Comics (1940), Fox Feature Syndicate.


As editores de histórias de super-heróis foram rapidamente ganhando vários personagem, levando à criação progressiva de universos fantásticos elaborados, dos quais o Universo DC e o Universo Marvel são os principais exemplos. Superman e Batman, portanto, compartilham muitas aventuras. À medida que os universos compartilhados se desenvolvem, o herói pode se tornar menos excepcional em seu mundo. Em uma série como a Legião dos Super-Heróis, a equipe inclui dezenas de personagens e é composta em grande parte por extraterrestres cujos superpoderes são inatos e não adquiridos. A equipe atua como uma força de segurança oficial, mas é uma série futurista que se passa no século trinta. Em Savage Dragon, Erik Larsen transforma seu personagem em policial e o coloca em um mundo onde abundam super-seres. Astro City também é um lugar onde o super-herói é banalizado.

O universo dos super-heróis pode ser misturado com temas mitológicos ou mundos imaginários muito diversos, muitos heróis encontrar deuses olímpicos,asgardianos ou de outras mitologias,[9] bem como personagens literários (Drácula, Monstro de Frankenstein, Fu Manchu, entre outros). Alan Moore criou séries que às vezes caem apenas marginalmente do gênero. Ele remonta às fontes do gênero, por um lado, A Liga Extraordinária, que exibe personagens de romances de ficção científica e fantasia como Mr. Hyde e o Homem Invisível, e, por outro lado, Tom Strong, um personagem na tradição dos pulps e histórias em quadrinhos da Era de Ouro. Promethea é usado principalmente para falar sobre magia e tem quase um aspecto didático.

Simbolismo[editar | editar código-fonte]

Em seu livro De Superman au Surhomme, Umberto Eco observa que a maioria das histórias de super-heróis evoluem fora do tempo, já que não envelhecem e têm uma vida idêntica. Eles também estão fora do mundo, porque, apesar de superpoderes às vezes consideráveis, os super-heróis modificam menos o equilíbrio do mundo que os rodeia do que se poderia acreditar. No seu sentido primordial, os super-heróis podem ser usados como personagens simbólicos, ou no limite da caricatura, às vezes envolvidos em histórias puramente maniqueísta que se destinam a uma audiência jovem. O arquétipo do super-herói, no entanto, tem muitas variações.

Protótipos[editar | editar código-fonte]

Antecedentes do arquétipo incluem personagens mitológicos como Gilgamesh, Hanuman, Perseu, Ulisses, Davi, semideuses como Hércules na mitologia grega-romana,[10][11] ou deuses como Thor da mitologia germânica, que também seriam adaptados como personagens de quadrinhos. O vigilantismo é também um arquétipo das contas lendárias e populares através de personagens conhecidos, como Robin Hood.[12][11] As inspirações da vida real por trás de super-heróis fantasiados podem ser rastreadas até os "vigilantes mascarados" do Velho Oeste americano, como os San Diego Vigilantes[13] e os Bald Knobbers[14] que lutaram e mataram bandidos enquanto usavam máscaras.[15]

Hugo Hercules lifting a car.jpg
TheGirlWithTheX-RayEyes logo.jpg
Hugo Hercules e Olga Mesmer, dois personagens pioneiros das tiras


O primeiro registro de um herói fantasiado foi na peça de teatro Pimpinela Escarlate (1903), personagem que popularizou um vingador mascarado e o tropo da identidade secreta.[12] Outros personagens incluem Green Hornet, Scarecrow of Romney Marsh e Spring Heeled Jack, o último de quem surgiu pela primeira vez como uma lenda urbana.[16]

Cartaz do seriado do Fantômas, 1914

Fantômas, criado em 1911 por Marcel Allain e Pierre Souvestre, está mais próximo do supervilão. Rapidamente adaptadas pelo cinema mudo, as aventuras de Fantômas inspiram, no cinema, as de Judex, um vigilante concebido como uma versão positiva de Fantômas.[17]

Da mesma forma, os heróis de ficção científica e John Carter, Buck Rogers e Flash Gordon, com as suas armas futuristas e gadgets;[18][19] Tarzan, com o seu alto grau de capacidade atlética e força, e sua capacidade de se comunicar com os animais; Conan, o Bárbaro de Robert E. Howard e o biologicamente modificado Hugo Danner do romance Gladiator,[nota 1] foram heróis com habilidades incomuns que lutaram inimigos, às vezes maiores que a vida. A palavra "superhero" teria surgido em 1917.[20]

Os antecedentes mais diretos são os personagens da literatura pulp como os mascarado Jimmie Dale/the Gray Seal (1914), Zorro[11] (criado por Johnston McCulley em 1919 com publicação da novela The Curse of Capistrano) com a sua marca "Z", o preternatural mesmérico Shadow (1930), o "auge humano Doc Savage (1933)[21][22][23]os heróis de aventuras espaciais do subgênero space opera como Lensman de E. E. Smith[24] e personagens dos quadrinhos como Hugo Hercules (1902) do cartunista William HD Koerner, publicado por cinco meses no jornal Chicago Tribune,[25] Patoruzú de Dante Quinterno (1928),[26] Popeye de E. C. Segar (1929). Uma outra notável influência foram os homens fores como Siegmund Breitbart[27] e Charles Atlas, esse último conhecido por anúncios de seu método de exercícios físicos publicados nas próprias revistas em quadrinhos.[28][29]

Anúncio do chamado Método Charles Atlas

Um super-herói usa, na grande maioria dos casos, um traje especial para distingui-lo dos outros, para ajudá-lo a lutar melhor e / ou ocultar sua identidade. O traje é frequentemente descrito como muito apertado, mostrando os detalhes dos músculos do corpo mais do que na vida real e, portanto, é chamado de collant. O traje do Superman foi inspirado no medieval usado por Douglas Fairbanks no filme Robin Hood.[30]

Douglas Fairbanks como Robin Hood em 1922.


Em 1936, são lançados os primeiros heróis mascarados das histórias em quadrinhos: O Fantasma, criado por Lee Falk e publicado em uma tira diária lançada em 17 de fevereiro de 1936[31] e The Clock, criado por George Brenner e publicado pela primeira vez em Funny Pages #6 (Novembro de 1936) da editora Centaur Publications.[32] Em agosto de 1936, nas páginas da revista pulp Thrilling Wonder Stories, Max Plaisted publica a história em quadrinhos Zarnak,[33] em uma sessão de cartas, publicada em agosto de 1937, o termo supehero é usado para definir o herói da história.[34] Em 1937, surge na revista pulp Spicy Mystery Stories, a tira da personagem Olga Mesmer,[35] sobre uma mulher que possuía visão de raio-x.[36]

Historiadores apontam para a primeira aparição de Superman, criado por Jerome "Jerry" Siegel e desenhado por Joseph "Joe" Shuster, em Action Comics 1 (Junho de 1938) como a estréia do arquétipo de histórias em quadrinhos do super-herói.[37]

Exemplo de kamishibai de Ōgon Bat

Fora da indústria de quadrinhos norte-americanos, personagens japoneses dos kamishibais, uma espécie de teatro de papel, como Ōgon Bat e Princípe Gamma (em japonês: ガンマ王子), já apresentavam uniformes e superpoderes no início da década de 1930.[38]

Jumbo Comics número 1 de 1938, revista produzida pelo Eisner and Iger Studio

Em 1933, Jerry Siegel publica o conto de ficção científica The Reign of the Superman na terceira edição do fanzine Science Fiction: The Advance Guard of Future Civilization, ilustrada por Joe Shuster, a história era protagonizado por um ser humano que havia adquirido superpoderes após entrar em contato com uma rocha extraterrestre e usou a alcunha de Superman. No ano seguinte, o Superman foi remodelado como um herói para as tiras de jornal. A dupla tentou negocia-lo para publicar em jornais e em revistas em quadrinhos, porém, não conseguiram, em 1935, começaram a trabalhar na revista New Fun da National Allied Publications, editora que daria origem a DC Comics.[39]

Em 1936, surge o Eisner and Iger Studio, fundado por Will Eisner e Jerry Iger, o estúdio forneceria material para as editora Fiction House, Fox Feature Syndicate e Quality Comics, na Fiction House, publicou Sheena, a rainha das selvas, uma garota das selvas criada em 1937[18] para a revista britânica Wags, sendo publicada no ano seguinte pela Fiction House, na revista Jumbo Comics, em 1942, foi a primeira heroína a ter uma revista solo.[40] Pelo estúdio, passaram artistas como Jack Kirby, Bob Kane e Lou Fine.[41]

Em junho de 1938, Jerry Siegel e Joe Shuster introduziram o Superman na primeira edição da revista Action Comics da National Allied Publications, a publicação marca o início da "Era de Ouro" das histórias em quadrinhos americanas.[42] O personagem possuía muitas das características que vieram a definir o super-herói: uma identidade secreta, poderes sobre-humanos e um traje colorido incluindo um símbolo e capa. Os primeiros heróis dos quadrinhos foram, por vezes, também chamado de homens misteriosos ou heróis mascarados.

A pedido do editor da Fox Feature Syndicate, Eisner criou uma imitação do Superman, Wonder Man, que daria origem ao primeiro processo de plágio envolvendo um super-herói.[18]

Década de 1940[editar | editar código-fonte]

Fantomah de Fletcher Hanks.

Durante a década de 1940, havia muitos super-heróis: Flash, Lanterna Verde e Besouro Azul estrearam nesta época.

Em 1940, Maximo the Amazing Superman estreou eum Big Little Book por Russell R. Winterbotham (texto), Henry E. Vallely e Erwin L. Hess (desenhos).[43][44]

Esta era viu a estréia da primeira super-heroína conhecida, Fantomah[18] de Fletcher Hanks, uma mulher imortal do Egito Antigo que poderia se transformar em uma criatura com superpoderes para combater o mal; Ela estreou em Jungle Comics # 2 (fevereiro de 1940) da editora Fiction House, creditado com pseudônimo "Barclay Flagg".[45] Invisible Scarlet O'Neil, uma personagem sem disfarce que lutou contra o crime e sabotadores de guerra usando o poder da invisibilidade criada por Russell Stamm, estrearia na tira de jornal homônima alguns meses depois, em 3 de junho de 1940.[46] Black Widow[nota 2] foi uma rara anti-heroína superpoderosa, a personagem era uma emissária de Satanás[18] que matava os malfeitores para enviá-los ao Inferno e estreou em Mystic Comics # 4 (agosto de 1940) da Timely Comics, uma antecessora da Marvel Comics na década de 1940.[47] A maioria das outras outras heroínas da época não tinham superpoderes. As personagens notáveis ​​incluem The Woman in Red,[18] introduzido lançada em Thrilling Comics #2 (março de 1940) da Standard Comic;[48] Lady Luck, que surgiu no suplemento de jornal The Spirit Section em 2 de junho de 1940;[49] A personagem cômica Red Tornado, que estreou em All-American Comics #20 (novembro de 1940);[50] Miss Fury, que estreia na tira de jornal homônima da cartunista Tarpé Mills em 6 de abril de 1941;[51] Phantom Lady, lançada na revista Police Comics # 1 (agosto de 1941) da Quality Comics;[52] Black Cat, lançada em Pocket Comics #1 (também em agosto de 1941) da Harvey Comics;[53] Black Canary, apresentada em Flash Comics #86 (agosto de 1947) como uma personagem de apoio.[54] A super-heroína da quadrinhos mais icônica, que estreou durante a Era de Ouro, é a Mulher-Maravilha. Inspirado pelas amazonas da mitologia grega, ela foi criada pelo psicólogo William Moulton Marston, com ajuda e inspiração de sua esposa Elizabeth e seu amante mútua Olive Byrne. A primeira aparição da personagem foi em All Star Comics # 8 (dezembro de 1941), publicado pela All-American Publications,[55] uma das duas empresas que se fundiriam para formar DC Comics em 1944.[39]

Adolf Hitler apanhando de super-heróis

Durante a Segunda Guerra Mundial, os super-heróis se tornaram ainda mais populares, sobrevivendo ao racionamento de papel e a perda de vários talentosos ilustradores que serviram nas forças armadas.[56]

A busca de histórias simples de vitórias do bem sobre o mal que poderiam levar a consular ou parcialmente esquecer os horrores da guerra e do momento em que pode explicar a popularidade dos super-heróis em tempo de guerra. Nesta pesquisa dos leitores, os criadores dos quadrinhos responderam com histórias em que os super-heróis de combate as forças do Eixo e introduziram alguns heróis inspirados em temas patrióticos, incluindo o Capitão América da Timely Comics,[18][11] que, juntamente com o Tocha Humana e Namor, mais de uma vez salvaram o mundo da ameaça do nazismo.[57]


O Capitão América também apareceu pela primeira vez na imprensa em dezembro de 1940, um ano antes do ataque a Pearl Harbor pelo governo japonês, quando os Estados Unidos ainda estavam isolados. Criado por Joe Simon e Jack Kirby, o super-herói foi a personificação física do espírito americano durante a Segunda Guerra Mundial.

Em 1947, o roteirista e desenhista filipino Mars Ravelo introduziu a primeira super-heroína do país, Darna, uma que encontrou um talismã místico de outro planeta que lhe permite se transformar em um mulher guerreira adulta.[58]

Década de 1950[editar | editar código-fonte]

Gekko Kamen

Em 1952, o mangá Tetsuwan Atom de Osamu Tezuka (mais popularmente conhecido no Ocidente como Astro Boy) foi publicado. A série se concentrou em um menino robô construído por um cientista para substituir seu filho falecido. Sendo construído a partir de um robô incompleto originalmente destinado a fins militares, Astro Boy possuía poderes surpreendentes, como o

O ator Sonny Chiba interpretou alguns super-heróis no cinema japonês

voo através de propulsores em seus pés e a incrível força mecânica de seus membros.[59][60]

Após a guerra, os super-heróis perderam popularidade. Um fator foi uma cruzada moral que foi considerada prejudicial para os quadrinhos, que foram acusados de incitar a delinquência juvenil. O movimento foi liderado pelo Dr. Fredric Wertham, que, no livro Seduction of the Innocent (1954). Em resposta várias editoras adotaram o Comics Code Authority, um sistema de auto-censura.[37][11][18][61] Alguns pesquisadores chamam esse período de interregno ou "Era atômica" (1946-1955).[62]

Em 1956 a DC Comics lançou uma nova versão do Flash, que foi um sucesso imediato.[37][63][64] Isso levou a empresa a reviver outros super-heróis como Gavião Negro e Lanterna Verde,[18][65] que ganharam um enfoque mais próximo da ficção científica, lançando uma era mais tarde considerada a Era de Prata dos Quadrinhos. e lançar a equipe de super-heróis da Liga da Justiça da América, o que teria reavivado as glórias do primeiro supergrupo da editora, a Sociedade da Justiça da América. Proponente principal desta renovação foi o editor Julius Schwartz, que teve a ideia de reformular os personagens de histórias em quadrinhos dos anos quarenta e cinquenta.[66] Como principais colaboradores estiveram Gardner Fox, Joe Orlando, John Broome, Curt Swan, Joe Kubert e Carmine Infantino, todos símbolos desse período que ficou conhecido como Era de Prata dos Quadrinhos. Durante esta era, DC apresentou personagens como de Batwoman em 1956, Supergirl,[67] Miss Arrowette[68] e Bat-Girl; [69]


Em 1957, no Japão, Shintoho produziu a primeira série de filmes com o personagem de super-herói Super Giant, sinalizando uma mudança na cultura popular japonesa em direção a super-heróis mascarados tokusatsu sobre monstros gigantes de kaiju. Juntamente com Astro Boy, a série Super Giant teve um efeito profundo na televisão japonesa. 1958 viu a estréia do super-herói Gekko Kamen na televisão japonesa.[70] Foi o primeiro de vários programas de super-heróis televisionados que formariam o gênero tokusatsu.[71] Criado por Kōhan Kawauchi, ele seguiu seu sucesso com os super-heróis dos tokusatsus, 7-Color Mask (1959)[72] e Messenger of Allah (1960), ambos estrelados por um jovem Sonny Chiba.


Década de 1960[editar | editar código-fonte]

Revistas da Marvel Comics lançadas nos anos 60.

Com o retorno dos super-heróis da DC, Stan Lee editor da concorrente Atlas Comics (anteriormente conhecida como Timely) de Martin Goodman, e artistas/coautores Jack Kirby e Steve Ditko e outros ilustradores lançaram uma nova linha de super-heróis (a Atlas passou a usar o nome Marvel Comics), começando com o Quarteto Fantástico, equipe criada em 1961 para competir com a Liga da Justiça. Contudo, as novas aventuras enfatizavam conflitos pessoais para o desenvolvimento do caráter, mas também com muita ação e aventura.[11] Esta nova forma de entender os super-heróis teve como consequência que muitos deles diferiam muito dos padrões criados em 1940.[73] Alguns exemplos:

  • O Coisa, um membro do Quarteto Fantástico, é uma criatura muito forte mas monstruosa, com a pele semelhante à rocha e sua aparência muitas vezes o levou a autopiedade.[74]
  • O Homem-Aranha era um jovem que muitas vezes fora forçado a cuidar de si mesmo para sobreviver e manter sua vida social.[75]
  • Hulk viveu como sua alter ego Bruce Banner à maneira de Dr. Jekyll e Mr. Hyde e estava propenso a explosões de raiva com consequências extremas.[76]
  • Os X-Men são mutantes com poderes adquiridos por mudanças genéticas, odiados e temidos pela sociedade.[77]

Em 1963, Astro Boy foi adaptado para uma série de televisão de anime altamente influente.[78] Phantom Agents de Tatsuo Yoshida, foi lançada em 1964 centrou-se em ninjas que trabalham para o governo japonês. Em 1966, surge a série de ficção científica/terror Ultra Q criada por Eiji Tsuburaya, que eventualmente daria origem a Ultraman, gerando uma franquia de sucesso focada no subgênero do herói gigante, onde os super-heróis seriam tão grandes quanto os monstros gigantes (kaijus) que eles lutaram.[79] Em 1966, Ōgon Bat teve um filme estrelado por Sonny China[80] e no ano seguine, ganha uma série de anime.[81]

O monstro kaiju Godzilla, originalmente um vilão, começou a ser retratado como um super-herói radioativo nos filmes de Godzilla,[82] começando com Ghidorah (1964).[83] Na década de 1970, Godzilla passou a ser visto como um super-herói, com a revista King of the Monsters, em 1977, descrevendo Godzilla como "Super-herói dos anos 70".

Década de 1970[editar | editar código-fonte]

Em 1971, Kamen Rider lançou o "Henshin Boom" na televisão japonesa no início dos anos 70, impactando bastante o gênero de super-heróis tokusatsu no Japão.[84] Em 1972, o anime Science Ninja Team Gatchaman estreou, baseado na ideia da equipe de super-heróis Phantom Agents, além de apresentar cores diferentes para membros da equipe e veículos especiais para apoiá-los,[85] seus veículos também podiam se combinar em um maior. Outro evento importante foi a estréia do Mazinger Z por Go Nagai, criando o gênero Super Robot.[86] Go Nagai também escreveu o mangá Cutie Honey em 1973, embora o gênero garota mágica já existisse, o mangá de Nagai apresentou sequências de transformação que se tornariam um elemento básico do mesmo.[87]

A década de 1970 veria mais anti-heróis serem introduzidos na ficção de super-heróis. Tais exemplos incluíram a estréia de Skull Man, de Shotaro Ishinomori (a base de seu Kamen Rider) em 1970, Devilman de Go Nagai em 1972 e e Punisher de Gerry Conway e John Romita em 1974.

Mais tarde, o mangá Dark Skull Man receberia uma adaptação para a televisão e sofreria mudanças drásticas. O personagem foi redesenhado para se parecer com um gafanhoto, tornando-se o renomado primeiro herói mascarado da série Kamen Rider. Kamen Rider é um herói de motocicleta em uma fantasia de inseto, que grita Henshin (Metamorfose) para vestir sua roupa e ganhar superpoderes.

As idéias do feminismo da segunda onda, que se espalharam da década de 1960 até a década de 1970, influenciaram bastante a maneira como as empresas de quadrinhos retratariam e comercializariam suas personagens femininas: a Mulher Maravilha foi por um tempo renovada como uma artista marcial que se modifica diretamente inspirada pela personagem Emma Peel da série de televisão britânica The Avengers (nenhuma relação com a equipe de super-heróis com o mesmo nome), mas mais tarde voltou ao conceito original de Marston depois que os editores da revista Ms. desaprovaram publicamente o personagem que estava sendo desqualificado e sem seu traje tradicional; Supergirl foi transferida de um recurso secundário da Action Comics para a um título principal em Adventure Comics em 1969; Lady Liberators apareceram em uma edição de Os Vingadores como um grupo de super-heroínas controladas pela mente lideradas por Valquíria (na verdade uma supervilão disfarçada) e deveriam ser uma paródia caricaturada de feministas;[88] e Jean Grey se tornou a personificação de um entidade cósmica conhecida como Força Phoenix, com poder aparentemente ilimitado no final dos anos 70, um forte contraste de sua representação como o membro mais fraco de sua equipe há uma década.

As duas principais editoras começaram a introduzir novas super-heroínas com um tema feminista mais distinto, como parte de suas histórias de origem ou desenvolvimento de personagens. Exemplos incluem Big Barda, Power Girl e The Huntress da DC Comics; e da Marvel, a segunda Viúva Negra, Shanna, a Mulher Demônio e a Felina. As personagens coadjuvantes do sexo feminino, profissionais de sucesso ou que ocupam cargos de autoridade por direito próprio, também estreou nas páginas de vários títulos populares de super-heróis a partir do final dos anos 1950: o interesse amoroso de Hal Jordan, Carol Ferris, foi apresentado como vice-presidente da Ferris Aircraft e, posteriormente, assumiu a empresa do pai; Medusa, que foi introduzida pela primeira vez na série Quarteto Fantástico, é membro da Família Real Inumana e uma pessoa de destaque na sociedade quase-feudal de seu povo; e Carol Danvers, uma oficial decorada da Força Aérea dos Estados Unidos que se tornaria uma superheroína fantasiada anos depois.

Em 1975, Himitsu Sentai Gorenger, de Shotaro Ishinomori, estreou no que agora é TV Asahi, trouxe os conceitos de equipes multicoloridas e veículos de apoio que estreou como uma versão Gatchaman em live-action e iniciou a franquia Super Sentai (a base para a série american Power Rangers) séries nos anos 90). Em 1978, Toei adaptou o Homem-Aranha em uma série de televisão live-action. Nessa continuidade, o Homem-Aranha tinha um veículo chamado Marveller que poderia se transformar em um robô gigante e poderoso chamado Leopardon, essa ideia seria transferida para o Battle Fever J de Toei (também co-produzido pela Marvel) e agora equipes multicoloridas que não só tinha veículos de apoio, mas robôs gigantes para combater monstros gigantes.


Paródias[editar | editar código-fonte]

Super Mouse.

Em 1940 já havia paródias do gênero como Super Mouse.[89] Em 1969, a Mondadori, editora que publicava quadrinhos da Disney na Itália, Pato Donald ganhou outra identidade como Superpato, inicialmente, inspirado em Diabolik, um ladrão dos quadrinhos italianos, anos depois, o Superpato passou a ser retratado como um super-herói.[90] Nos Estados Unidos, Pateta também foi dotado de uma identidade como um super-herói, o Superpateta, adquirindo poderes semelhantes aos de Superman ou Marvelman ao comer um tipo especial de amendoim. Superpato e Superpateta integraram grupos de super-heróis em histórias produzidas no Brasil (Clube dos Heróis) e na Itália (Ultra-Heróis).[91]

Marcas registradas[editar | editar código-fonte]

Nos EUA, apesar de genericamente utilizado no termo popular, o stermo Super Hero e Super Heroes são marcas registradas somente aos personagens da DC Comics e Marvel (U.S. Trademark Serial Nos. 72243225 and 73222079). Outras companhias tem utilizado termos como Superhero ou super-hero (com hífen).[92] DC Comics e Marvel Comics têm sido assíduas na proteção de seus direitos sobre a marca "Super Hero" em jurisdições onde os registros estão em vigor, incluindo Estados Unidos, Reino Unido e Austrália.[93]

Os críticos na comunidade legal contestam se as marcas "Super Hero" cumprem o padrão legal para a proteção de marca registrada na designação distintiva dos Estados Unidos de uma única fonte de um produto ou serviço. Existe um conflito sobre cada elemento desse padrão: se "Super Hero" é distintivo e não genérico, se o "Super Hero" designa uma fonte de produtos ou serviços, e se a DC e a Marvel representam conjuntamente uma única fonte.[94] Alguns críticos caracterizam ainda mais as marcas como um uso indevido da lei de marcas registradas para combater a concorrência.[95] Até essa data, além de uma ação de remoção de marca registrada realizada em 2016 contra o registro DC Comics e Marvel Comics no Reino Unido, nenhuma disputa envolvendo a marca registrada "Super Hero" teve julgamento ou audiência.[93] America's Best Comics, originalmente parte do selo Wildstorm, usou o termo science hero, cunhado por Alan Moore.[96]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Usado na série Young All-Stars como pai do super-herói Iron Munro graças ao domínio público
  2. Não confundir com a personagem de mesmo nome, integrante dos Vingadores[18]

Referências

  1. Super-heróis a axologia
  2. a b Panorama do estudo da superaventura
  3. «'V for Vendetta' is S for Subversive». Lawrence Journal-World. 14 de novembro de 2013. Consultado em 14 de junho de 2020 
  4. Gresh, Lois H. (2002). The science of superheroes (PDF). Hoboken, N.J.: J. Wiley. OCLC 52390509 
  5. «THE DARK KNIGHT». Film Journal International. 7 de novembro de 2014. Consultado em 14 de junho de 2020 
  6. «Definition of SUPERHERO». www.merriam-webster.com (em inglês). Consultado em 14 de junho de 2020 
  7. «Definition of SUPERHERO». www.merriam-webster.com (em inglês). Consultado em 14 de junho de 2020 
  8. Trecho transcrito de artigo publicado na revista Gibi Especial (4) - Agosto de 1975 - Rio Gráfica e Editora S/A - Rio de Janeiro - Brasil
  9. Kirby in Van Hise, James (abril de 1985). "Superheroes: The Language That Jack Kirby Wrote". Comics Feature (New Media/Irjax) (34).
  10. Gomes, Morgana (2013). «O reflexo social dos super-heróis». Editora Escala. Leituras da História (59) 
  11. a b c d e f A Identidade Secreta dos Super-Heróis - Livro mostra a influência dos heróis na sociedade
  12. a b Packer, Sharon (2009). Superheroes and Superegos: Analyzing the Minds Behind the Masks. Greenwood Publishing Group. 52 p. ISBN 978-0313355363.
  13. Crawford, Richard (30 de abril de 1992). «The Wild West : Executions Staged by Vigilantes Marred Justice in the 1880s». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 14 de junho de 2020 
  14. «The Punisher and The Dark Myth of the Real Life Vigilante». Den of Geek (em inglês). 20 de janeiro de 2019. Consultado em 14 de junho de 2020 
  15. Gavaler, Chris,. On the origin of superheroes : from the big bang to Action Comics no. 1. Iowa City: [s.n.] OCLC 907651852 
  16. 1º super-herói da história era lenda urbana e lembrava um Batman assustador
  17. Fournier, Xavier (2014). Super-héros : une histoire française. Paris: Huginn & Muninn. pp. 14–22. OCLC 897451075 
  18. a b c d e f g h i j Codespoti, Sergio (2005). «Surgem os Super-heróis». Editora Eclipse. Eclipse Quadrinhos - Especial Kaboom (1): 10 a 13 
  19. Doug Murray, "Birth of a Legend", in Alex Raymond and Don Moore, Flash Gordon : On the Planet Mongo: Sundays 1934-37. London : Titan Books, 2012.ISBN 9780857681546 (10-15 p.)
  20. superhero
  21. «Tom Strong: Um Século de Aventuras». Consultado em 29 de abril de 2009. Cópia arquivada em 29 de abril de 2009 
  22. Octavio Aragão. «Homens de Aço e Ícones de Marfim: Supreme e a reconstrução do herói». Universo HQ. Consultado em 7 de maio de 2010 
  23. «Representations: Cartoons, Graphic Novels, Comic Books: North America». Encyclopedia of Women & Islamic Cultures. Consultado em 14 de junho de 2020 
  24. Super-heróis e superpoderes na Ficção Científica
  25. American Comic Strips Before 1918, p. 20, no Google Livros
  26. El regreso de Patoruzú
  27. «Quem é o homem que inspirou a criação do Superman?». UOL. Consultado em 23 de julho de 2020 
  28. Assis, Érico (8 de fevereiro de 2010). «Blog revela parte do processo por trás de material proibido de Grant Morrison». Omelete. Consultado em 23 de julho de 2020 
  29. «Super-Homem é um herói de sua época». UOL. 4 de junho de 2006. Consultado em 23 de julho de 2020 
  30. Sadoul, Jacques. (1989). 93 ans de BD. Paris: Ja̕i lu. OCLC 22913930 
  31. Otacílio Costa d'Assunção Barros (2015). «O super-herói da selva». O Fantasma - O Tesouro do Fantasma. [S.l.]: Ediouro. ISBN 9788577487356 
  32. Charles Hatfield, Jeet Heer e Kent Worcester (2013). The Superhero Reader. [S.l.]: Univ. Press of Mississippi. 11 páginas. 9781617038068 
  33. Davin, Eric Leif (2006). Partners in Wonder: Women and the Birth of Science Fiction, 1926-1965 (em inglês). [S.l.]: Lexington Books 
  34. «Citations for superhero n.». www.jessesword.com. Consultado em 14 de junho de 2020 
  35. Coogan, Peter (2006). Superhero: The Secret Origin of a Genre. Monkeybrain. pp. 165–174. ISBN 978-1932265187
  36. Especial Super-Heróis: Hulk, vítima da era atômica. História Viva
  37. a b c Leandro Luigi Del Manto (2008). «Esbarrando na Era de Bronze». Supremo - A Era de Bronze. [S.l.]: Devir Livraria 
  38. Bradner, Liesl (29 de Novembro de 2009). "The superheroes of Japan who predated Superman and Batman". Los Angeles Times.
  39. a b Gerard Jones. Homens do Amanhã - geeks, gângsteres e o nascimento dos gibis. [S.l.]: Conrad Editora, 2006. 85-7616-160-5
  40. Comics Through Time: A History of Icons, Idols, and Ideas [4 Volumes: A History of Icons, Idols, and Ideas], p. 344, no Google Livros
  41. Morreu Will Eisner, o mestre
  42. «A cronologia dos super-heróis». Super Interessante (306a). 2012 
  43. Schelly, Bill (18 de junho de 2013). The Best of Alter Ego Volume 2 (em inglês). [S.l.]: TwoMorrows Publishing 
  44. Carper, Steve (27 de junho de 2019). Robots in American Popular Culture (em inglês). [S.l.]: McFarland 
  45. Divas, Dames & Daredevils: Lost Heroines of Golden Age Comics no Google Livros
  46. Heintjes, Tom (11 de maio de 2012). "Not Seen but not Forgotten: The Invisible Scarlet O'Neil". Hogan's Alley (17).
  47. Superheroines and the Epic Journey: Mythic Themes in Comics, Film and Television, p. 240-241, no Google Livros
  48. Superheroines and the Epic Journey: Mythic Themes in Comics, Film and Television, p. 240-241, no Google Livros
  49. The Quality Companion: Celebrating the forgotten publisher of Plastic Man and the Freedom Fighters, p. 88, no Google Livros
  50. All-Star Companion Volume 4, p. 238, no Google Livros
  51. Comic Book History of Comics #2 no Google Livros
  52. The Superhero Book: The Ultimate Encyclopedia of Comic-Book Icons and Hollywood Heroes, p. 146, no Google Livros
  53. Man of Rock: A Biography of Joe Kubert, p. 52, no Google Livros
  54. The Justice League Companion, p. 61, no Google Livros
  55. Comics Through Time: A History of Icons, Idols, and Ideas [4 Volumes: A History of Icons, Idols, and Ideas], p. 245, no Google Livros
  56. John Strausbaugh (14 de dezembro de 2003). «ART; 60's Comics: Gloomy, Seedy, and Superior». The New York Times (em inglês). Consultado em 24 de dezembro de 2014 
  57. Jeet Heer,Kent Worcester (2009). A comics studies reader. [S.l.]: Univ. Press of Mississippi. 89 páginas. ISBN 1604731095, ISBN 9781604731095 Verifique |isbn= (ajuda) 
  58. O maravilhoso mundo dos quadrinhos filipinos (parte I)
  59. ASTRO BOY ("Shonen" version)
  60. Gravett, Paul. Mangá: Como o Japão Reinventou os Quadrinhos. Conrad, 2006, ISBN 85-7616-164-8
  61. Marcus Ramone (7 de janeiro de 2015). «Que Era que era?». Universo HQ 
  62. George Kovacs, C. W. Marshall (2011). Classics and Comics. [S.l.]: Oxford University Press. 10 páginas. 9780199792368 
  63. CBR News Team (2 de julho de 2007). «DC Flashback: The Flash». Comic Book Resources (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2011. Arquivado do original em 8 de fevereiro de 2012 
  64. Marcus Vinicius de Medeiros (27 de Julho de 2000). «Hipertempo: mais que um multiverso». Omelete 
  65. Alexandre Callari,Alexandre Callari, Bruno Zago, Daniel Lopes,. Quadrinhos no Cinema (em português). [S.l.]: Editora Évora, 2011. 50 p. ISBN 978-85-63993-18-2
  66. James Pethokoukis (26 de fevereiro de 2004). «Flash Facts». U.S. News and World Report (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2011 
  67. Novo trailer de Supergirl traz grande referência a Crise nas Terras Infinitas
  68. Jim Steele (1 de junho de 2008). HCA Comics and Original Comic Art Auction Catalog #829. Heritage Capital Corporation. pp. 161. ISBN 978-1-59967-276-2.
  69. Callari, Alexandre; Zago, Bruno; Lopes, Daniel. Quadrinhos no Cinema 2. [S.l.]: Editora Évora, 2012. ISBN 978-8-563-99339-7
  70. The Dorama Encyclopedia: A Guide to Japanese TV Drama Since 1953, p. 147, no Google Livros
  71. Craig, Timothy J., 1947- (2000). Japan pop! : inside the world of Japanese popular culture. Armonk, N.Y.: M.E. Sharpe. p. 262. OCLC 49415106 
  72. Clements, Jonathan; Tamamuro, Motoko (1 de novembro de 2003). The Dorama Encyclopedia: A Guide to Japanese TV Drama Since 1953 (em inglês). [S.l.]: Stone Bridge Press 
  73. Stan Lee, Origins of Marvel Comics (Simon and Schuster/Fireside Books, 1974), p. 16
  74. «Matéria: Quarteto Fantástico». Consultado em 15 de junho de 2017 
  75. A trajetória do Homem-Aranha nos quadrinhos - Parte 5
  76. O Incrível Hulk - Planeta Hulk - Parte 1
  77. Roberto, Roberto. «A Incrível História dos X-Men». Consultado em 15 de junho de 2017 
  78. Lembra desse? O menino biônico
  79. Especial Centenário – Parte 2: Os seriados japoneses no Brasil
  80. Macias, Patrick (2001). Tokyo scope = トーキョースコープ : the Japanese cult film companion. [S.l.]: Cadence Books. p. 77. OCLC 891719863 
  81. Clements, Jonathan. The anime encyclopedia : a century of Japanese animation 3rd revised edition ed. Berkeley, California: [s.n.] p. 163. OCLC 904144859 
  82. Lankes, Kevin; tales, ContributorTeller of (22 de abril de 2014). «Godzilla's Secret History». HuffPost (em inglês). Consultado em 20 de junho de 2020 
  83. Grebey, James (28 de maio de 2019). «The history of Ghidorah, Godzilla's rival for the title of King of the Monsters». SYFY WIRE (em inglês). Consultado em 20 de junho de 2020 
  84. Ion, Kabushiki Kaisha.; イオン株式会社. (1995). Chōjin gahō : kokusan kakū hīrō 40-nen no ayumi = The super heroes chronicles. Tōkyō: Take Shobō. p. 85. OCLC 40507555 
  85. Anime: A History, p. 147, no Google Livros
  86. A Historia Dos Super Robôs - Parte 1
  87. Manga: The Complete Guide, p. 147, no Google Livros
  88. Wright, Bradford W., 1968- (2001). Comic book nation : the transformation of youth culture in America. Baltimore: Johns Hopkins University Press. p. 250. OCLC 44573354 
  89. Supermouse terá longa de animação
  90. Abril lança novo Superpato
  91. Super-heróis Disney: os grandes crossovers
  92. «"Super Hero"? Só na Marvel e na DC!» 
  93. a b Stewart, DG (01/06/2017). ""The “Superhero” Trademark: how the name of a genre came to be owned by DC and Marvel, and how they enforce it""
  94. Coleman, Ron (2/03/2006). "SUPER HERO® my foot".
  95. Doctorow, Cory (18/03/2006). "Marvel Comics: stealing our language"
  96. Alessandro Di Nocera (2006). Supereroi e superpoteri. Miti fantastici e immaginario americano dalla guerra fredda al nuovo disordine mondiale. [S.l.]: Castelvecchi. pp. 212 e 213. ISBN 9788876151040 
Web

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]