Mulheres na ficção especulativa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em 1948, 10-15% dos autores de ficção científica eram do sexo feminino. O papel da mulher na ficção especulativa (incluindo ficção científica) tem crescido desde então e, em 1999, as mulheres representavam 36% dos profissionais da Science Fiction and Fantasy Writers of America.[1] Frankenstein (1818) por Mary Shelley foi chamado do primeiro romance de ficção científica,[2] embora as mulheres escreveram romances utópicos antes mesmo deste, com Margaret Cavendish publicando o primeiro (The Blazing World), no século xvii.[3] A publicação inicial de fantasia foi escrito por e para ambos os sexos. No entanto, ficção especulativa, e a ficção científica em particular, tem sido tradicionalmente vista orientada pelo gênero masculino.[4]

Escritoras[editar | editar código-fonte]

Ficção científica originalmente tinha uma reputação de ser criado pelos homens para outros homens, embora o gênero tivesse mulheres autoras, como Clara Ala Harris, Miriam Allen deFord, e Gertrude Barrows Bennett, desde o início.[5] Até a década de 1960, as mulheres não ganharam prêmios de ficção científica, tais como os Hugos. A enquete de 1966, "Analog Science Fiction and Fact All-Time Poll" não lista qualquer s romances de mulheres[6] e a de 1973, "Locus Autores Favoritos de Todos os Tempos Enquete" foi de mais de 90% do sexo masculino.[6] Das duas mulheres na enquete da Locus, Andre Norton, tinha sido "gênero ambíguo" para muitos de seus leitores. Outras autoras da época, como C. L. Moore e Leigh Brackett, também utilizavam ambíguos ou nomes masculinos. As mulheres que escreveu sob seus próprios nomes, como Zenna Henderson, inicialmente, escreveu material mais "domésticos" a professores e mães. Uma excepção parcial foi Katherine MacLean, que escreveu orientada para sociologia e a psicologia ficção e raramente uso um nome masculino.[5]

Eric Leif Davin, argumenta em Partners in Wonder que reputação da ficção científica de "macho-orientada"  é injustificada, e que era um "porto seguro" para os excluídos, incluindo as mulheres.[7] Davin relata que apenas L. Taylor Hansen escondida seu sexo nos primeiros anos, e que C. L. Moore queria esconder sua carreira de autora de ficção científica do seu trabalho. 

Escritoras estão em minoria: durante os anos 50 e 60, das quase 1.000 histórias publicadas em revistas de ficção científica, 200 mulheres autoras foram identificadas, entre os documentos de 1926 a 1960, tornando elas 10 a 15% dos colaboradores. O ponto de vista dele é minoritário, "em desacordo com a percepção comum de ficção científica".[7]

O advento da segunda onda do feminismo na década de 1960, combinado com o crescimento da ficção científica como literatura de ideias, levou a um afluxo de escritoras de ficção científica, e alguns viram este influxo como a primeira aparição de mulheres no gênero. Nos anos 1960 e 1970, autoras como Ursula K. Le Guin (que estreou em 1963) e Joanna Russ (que estreou em 1950) começou a conscientemente explorar temas feminista em obras como The Left Hand of Darkness e The Female Man, a criação de uma auto-consciente ficção científica feminista. 

Em 2013, estatísticas publicadas indicam que os homens ainda superam as mulheres  entre autores de língua inglesa de ficção especulativa, segundo a publicação, mas que as percentagens variam consideravelmente por gênero. Os números a seguir são baseados nas 503 submissões recebidas pela Tor Books, uma grande editora de ficção científica e fantasia, entre janeiro e julho de 2013.[8]

Por gênero Mulher Homem
Histórica, épico ou alta fantasia 33% 67%
Fantasia urbana ou romance paranormal  57% 43%
Horror 17% 83%
Ficção científica  22% 78%
Young-adult fiction 68% 32%
Outros ou não classificados 27% 73%
Total 37% 63%

Cinco mulheres ter sido nomeada Grão-Mestre da ficção científica pela Science Fiction and Fantasy Writers of America:[9]

Doris Lessing, que escreveu os cinco romance de ficção científica  dasérie Canopus em Argos, recebeu em 2007 o Prêmio Nobel em Literatura.

Fãs[editar | editar código-fonte]

As mulheres têm sido ativas no fandom de ficção científica desde cedo, e o dicionário Oxford de ficção científica cunha o termo "femfan" (às vezes: "femme fã") desde  1944.[10] Leigh Brackett diz que a história das mulheres na FC "sempre houve um certo número de mulheres, fãs e leitoras."[11] Labalestier cita Startling Stories escrito em 1953, como dizendo:

"Dez anos atrás, [i.é., 1943] fãs de fc foram, praticamente todos do sexo masculino, hoje em dia, com ou sem o benefício de atividades de fãs, um monte de meninas, donas de casa e outros membros do sexo tranquilamente leem ficção científica e começam a adicionar suas vozes a mesa.. Nós honestamente não esperava tal onda de mulheres na ficção científica,"[12]

e Silverberg coloca "provavelmente, a primeira aparição das mulheres na ficção científica em breve se tornar uma fixação dessas convenções", que ocorre no 10º World Science Fiction Convention, em 1953;[13] que foi também a primeira World Science Fiction Convention, presidido por uma mulher, autor Juliano de Maio.

Enquanto o fandom de ficção científica tem sido um fenômeno organizado por décadas—ocioso que anuncia o fandom organizado e outros gêneros e mídia—o estudo de ficção científica de fandom, dentro dos estudos culturais eestudos de ficção científica é relativamente novo. Consequentemente, as afirmações sobre a prevalência de mulheres no fandom são pontual e pessoal, e, por vezes, contraditórias. A mais proeminente entre essas afirmações, é a alegação de que o advento da série Star Trek trouxe muitas mulheres para o fandom. Esta afirmação é analisadas criticamente por Davin, que acha mal fundada, e cita uma longa história de envolvimento feminino no fandom, décadas antes de Star Trek;[14] Larbalestier também cita as mulheres ativas no fandom de ficção científica antes do final da década de 1960 e início de 1970.[12]

No enanto, as mulheres tornaram-se mais visíveis no fandom, e mais organizadas, nos anos 70.  O movimento slash começou entre os fãs, com a primeira publicação de uma história Kirk/Spock em Grup #3 por Diane Marchant em 1974. Neste ano, também viu a criação da primeira fanzine feminista, The Witch and the Chameleon[15] A fanzine Khatru, publicada como "Mulher na Ficção Científica" foi lançada em 1975 (um dos homens que participou foi James Tiptree, Jr.).   Susan Wood apareceu no painel "mulher na ficção científica" no MidAmericon, a Worldcon de 76; isto levou a fundação da A Women's APA, a primeira associação de imprensa amadora feminina. Também em 1976, WisCon, a líder no mundo,—e por muitos anos, a única—convenção feminista de ficção científica e conferência foi fundada: A conferência anual é em Madison, Wisconsin. Como resultado das discussões na WisCon, instituições como o Tiptree Awards e Broad Universe passaram a abordar questões de gênero na ficção especulativa e voltadas a peculiaridade das autoras de ficção especulativa.[16] Algumas das mesmas pessoas envolvidas na criação da WisCon também fundou a revista fanzine Janus, que foi três vezes nomeadas ao Hugo Award de Melhor Fanzine (1978–1980).[17]

Porém, a percepção da ficção especulativa como gênero masculino continua persistindo. Com a inclusão da mulher na ficção científica e fantasia mais amplamente tornou-se evidente, e a percepção se modificou. Por exemplo, a visão ainda muito difundida de que "ficção científica e fantasia são gêneros masculinos" tem sido aperfeiçoado para a distinção que a ficção científica é mais masculina, e a fantasia, é vista como mais acomodativa para as mulheres[18] (alguns subgêneros, como a fantasia urbana, com mulheres protagonistas e romance paranormal são vistos como mais popular com as mulheres do que os homens[19]). 

Gênero [editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Gênero na ficção especulativa

O retratado da mulher, ou mais especificamente, o retrato de gênero na ficção científica, tem variado muito ao longo da história do gênero. Alguns escritores e artistas têm desafiado as normas de gênero da sua sociedade na produção de seu trabalho; outros não têm. Entre aqueles que têm desafiado entendimentos e retratos das mulheres, homens e sexualidade convencionais, houve, naturalmente, variações significativas.

Influência de movimentos políticos [editar | editar código-fonte]

O estudo da mulher na ficção científica nas últimas décadas tem sido levado pelos movimentosfeminista e libertação gay, e tem incluindo vertentes de movimentos relacionados, como estudos de gêneros e teoria queer

Durante os anos 70, numerosos eventos passaram a focar na mulher no fandom, na profissional ficção científica, e personagens. Em 1974, Pamela Sargent publicou uma antologia influente, Women of Wonder: Science Fiction Stories by Women, About Women—a primeira de muitas antologias focadas nas mulheres ou padrões de gênero. Da mesma maneira, os autores focaram-se no feminismo e papéis de gênero, criando o gênero de ficção científica feminista, com o The Female Man de Joanna Russ,  Trouble on Triton: An Ambiguous Heterotopia (1976) de Samuel R. Delany, e Woman on the Edge of Time de Marge Piercy (1976).

A década de 70 também viu o vibrante movimento da libertação gay que teve presença na ficção científica,[20] com painéis gays/lésbicas e simpatizantes nas convenções e artigos das fanzines; o conteúdohomossexual ficou cada vez mais presente na própria ficção; A Different Light, da literatura gay, tem seu título do romance de mesmo nome de Elizabeth A. Lynn; e um foco das questões LGBT nas páginas das publicações feministas. [21][22]

Referências

  1. Davin, Eric Leif (2006). Partners in Wonder: Women And the Birth of Science Fiction, 1926-1965. Lanham, MD: Lexington Books. pp. 69–70. ISBN 9780739112670 
  2. Aldiss, Brian W. (1973). Billion Year Spree: The True History of Science Fiction 1st ed. Garden city: N.Y. ISBN 978-0385088879 
  3. Davin, Eric Leif (2006). Partners in Wonder. [S.l.]: Lexington Books. pp. 54–55. ISBN 9780575123625 
  4. Clute, John; Nocholls, Peter (1999). «Sex». The Encyclopedia of Science Fiction 2nd ed. Great Britain: Orbit. p. 1088. ISBN 1-85723-897-4 
  5. a b Tuttle, Lisa. Women as portrayed in Science Fiction. The Encyclopedia of Science Fiction]. [S.l.: s.n.] p. 1343 
  6. a b Kelly, Mark R. «1966 Astounding/Analog All-Time Poll». The LOCUS Index to SF Awards. Locus Publications. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2010 
  7. a b Davin, pp. 3-5
  8. Crisp, Julie (10 de julho de 2013). «SEXISM IN GENRE PUBLISHING: A PUBLISHER'S PERSPECTIVE». Tor Books. Consultado em 29 de abril de 2015 
  9. SFWA Grand Master page
  10. Jeff Prucher, Brave New Words: the Oxford Dictionary of Science Fiction, "Femfan," page 62.
  11. Davin 2006, page 82
  12. a b Justine Larbalestier, "The Women Men Don't See," in The Battle of the Sexes in Science Fiction, p. 159, Wesleyan University Press, 2002.
  13. Robert Silverberg, "Reflections: Problems of Time Travel," Asimov's Science Fiction, issue 0206 (2002))
  14. Davin 2006, Chapter 4
  15. Phillips, Julie.
  16. See generally Merrick, Helen.
  17. Hugo Nominee List
  18. Tuttle, Lisa.
  19. Arthur, Keri (2007). «Paranormal Romance and Urban Fantasy--defining two popular subgenres». The Romance Writers of Australia. Consultado em 30 de abril de 2007 
  20. Eric Garber, Lyn Paleo Uranian Worlds: A Guide to Alternative Sexuality in Science Fiction, Fantasy, and Horror, "Preface" p. x G K Hall: 1983 ISBN 0-8161-8573-5.
  21. «Elizabeth A Lynn». Fantasticfiction.co.uk. Consultado em 28 de fevereiro de 2009 
  22. «Locus: Elizabeth A. Lynn interview». Locusmag.com. Consultado em 28 de fevereiro de 2009 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Index to Female Writers In Science Fiction, Fantasy & Utopia: 18th Century to the Present
  • Badami, Mary Kenny. "A Feminist Critique of Science Fiction," Extrapolation 18 (Dec. 1978), pp. 6–19.
  • Davin, Eric Leif (2005). Partners in Wonder: Women and the Birth of Science Fiction, 1926-1965. [S.l.]: Lexington Books. ISBN 978-0-7391-1267-0 
  • Larbalestier, Justine. The Battle of the Sexes in Science Fiction. Wesleyan University Press, Middleton, Connecticut, 2002.
  • Merrick, Helen. "From Female Man to Feminist fan: Uncovering 'Herstory' in the Annals of SF Fandom." in Women of Other Worlds: Excursions through Science Fiction and Feminism, edited by Helen Merrick and Tess Williams, University of Western Australia Press: Nedlands, 1999: pp. 115–139.
  • -- The Secret Feminist Cabal: A Cultural History of Science Fiction Feminisms. Seattle: Aqueduct Press, 2009. ISBN 978-1-933500-33-1