Ética feminista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ética feminista é uma abordagem ética que se baseia na crença de que, tradicionalmente, a teoria ética tem desvalorizado/ou sub-apreciado a moral das mulheres e suas experiências e, portanto, escolhe reinventar a ética através de uma abordagem e visão holística feminista.[1]

Conceito[editar | editar código-fonte]

Filosofas feministas criticam a ética tradicional como pré-eminentemente focada na perspectiva dos homens, com pouca consideração para o ponto de vista das mulheres. Questões de cuidado e  moralidade na vida privada e familiar, as responsabilidades eram tradicionalmente considerados como assuntos triviais. Geralmente, as mulheres são retratadas como eticamente imaturas e superficial em comparação aos homens. A ética tradicional premia traços masculinos culturais como "a independência, a autonomia, o intelecto, a vontade, a desconfiança, hierarquia, dominação, cultura, transcendência, produto, ascetismo, guerra e morte",[2] e dá menos peso para traços culturalmente femininos como "interdependência, comunidade, ligação, partilha, emoção, corpo, confiança, ausência de hierarquia, a natureza, a imanência, o processo, a alegria, a paz e a vida."[2] A ética tradicional é convencionalmente "macho" orientada, em que a razão moral é visualizada através de um quadro de regras, direitos, universalidade e imparcialidade. As abordagens "femininas" para a razão moral enfatiza os relacionamentos, responsabilidades, particularidade e parcialidade.[2]

Fundo histórico[editar | editar código-fonte]

A ética feminista desenvolveu-se com Uma Reivindicação pelos Direitos da Mulher deMary Wollstonecraft, publicado em 1792.[3] Com as novas idéias do Iluminismo, feministas foram capazes de individualmente viajar mais do que nunca, gerando mais oportunidades para a troca de idéias e o avanço dos direitos das mulheres.[4] Com os novos movimentos sociais, como o Romantismo, desenvolveu sem precedentes visão otimista sobre a capacidade humana e seu destino. Esse otimismo foi refletido no ensaido de John Stuart MillThe Subjection of Women (1869).[3] As abordagens feministas para ética, foram desenvolvidas em torno deste período, por pessoas notáveis como Catherine Beecher, Charlotte Perkins Gilman, Lucretia Mott e Elizabeth Cady Stanton , com ênfase sobre a natureza de género da moralidade, especificamente relacionadas com "moralidade das mulheres".[4]

Charlotte Perkins Gilman[editar | editar código-fonte]

A escritora americana e socióloga, Charlotte Perkins Gilman imaginou um mundo ficcional, "Herland". Nesta sociedade sem homens, as mulheres produzem suas filhas através de partenogênese e vivem uma moralidade superior. A sociedade centrada nas mulheres valoriza tanto o zelo e a maternidade enquanto desanima abordagens individualistas, competitivas para a vida. O pensamento de Gilman é que em um cenário onde as mulheres poderiam relacionar-se de forma cooperativa não haveria nenhuma necessidade de dominar o outro. Herland cultiva e combina as melhores virtudes "femininas"  e "masculinas" juntas para cria uma co-existência humana, a virtude. Se uma sociedade quer ser virtuosa, de acordo com Gilman, deve exemplificar a utopia de Herland.[5] No entanto, enquanto as mulheres são dependentes dos homens para apoio econômico, elas continuarão a ser conhecidas por seu servilismo e os homens por sua arrogância. As mulheres precisam ser igual aos homens economicamente antes que possam desenvolver-se de maneira verdadeiramente humana uma virtude moral, isto é uma mistura perfeita entre o orgulho e a humildade que podemos chamar de auto-respeito.[6]

Ética do cuidado [editar | editar código-fonte]

Carol Gilligan e Nel Noddings são expoentes de uma ética do cuidado feminista que crítica a ética tradicional por tratar com descaso, banalizar ou atacar valores e virtudes culturalmente femininas.[7] No século 20, as feminista eticistas desenvolveram uma variedade de abordagens do cuidado centrada no feminismo e a ética em comparação as abordagens de cuidados não-feminista. Elas tendem a apreciar o impacto das questões de gênero de forma mais plena.[8] Feminista eticistas de cuidado focam-se em tendências das sociedades patriarcais em não apreciar o valor e os benefícios de mulheres, formas de amar, de pensar, de trabalhar e de escrever e tendem a ver mulheres como subordinadas.[7]

Ética da justiça [editar | editar código-fonte]

A ética da justiça feminista é uma visão feminista sobre a moralidade, que procura envolver-se com, e, por fim, transformar, as abordagens tradicionais, universais da ética.[9] Como a maioria dos tipos de ética feminista, a ética da justiça analisa o modo como o sexo é deixado de fora das considerações mainstream de ética. A ética mainstream é tida como de orientação masculina. No entanto, a ética da justiça feminista difere consideravelmente das outras. Um conjunto de ética universal é uma parte significativa da ética da justiça feminista.[10] Está disciplina deixa clara a divisão entre moralidade "grossa" e moralidade  "fina". Outras abordagens éticas que definem e diferencia o grupo é o meio cultural e ou outros fenômenos são considerados como moralidade "grossa". Feministas da ética da justiça afirmam que a ordem moral "grossa" em oposição a a moralidade "fina", são intrinsecamente propensos à erosão válida da crítica feminista.[9]

Ética feminista e o futuro[editar | editar código-fonte]

Eticistas feministas acreditam que é uma obrigação para as mulheres, de diferentes pontos de vista serem ouvidas, e em seguida, para a chegada inclusiva de um consenso a partir da análise de suas visões. Para tentar conseguir isto e empurrar em direção a igualdade de gênero com homens juntos é o objetivo da ética feminista.

"O objetivo da ética feminsta é a transformação das sociedades e situações onde as mulheres são prejudicadas, por meio da violência, subordinadas e excluídas. Quando tais injustiças são evidentes, agora e no futuro, ativistas feministas radicais continuaram seu trabalho de protesto e ação após cuidadosa avaliação e reflexão"[11]

Ética feminista e Relações Internacionais[editar | editar código-fonte]

As feministas teorizam que a ética amplia o escopo das esfera dasRelações Internacionais predominantemente masculina. Isto é especialmente importante para as questões da esfera privada tomarem o palco para o público, que inclui questões como osdireitos da criança, violência de gênero e a discriminação, as relações de gênero em sociedades dilaceradas pela guerra, e outras questões semelhantes, que são difíceis de aparecer relevantes nos principais debates da ética nas relações internacionais. Os diálogos feministas com a ética são quase inevitavelmente presente para a esfera privada e são conhecidos apenas pela sombra dominante dos paradigmas "masculino" da ética na esfera pública. Isto é especialmente uma realidade na discussão da ética nas Relações Internacionais, onde é predominantemente construída em uma linguagem da violência, tecnologias ou da economia, e que são conhecidos por ser tópicos de discussão masculino.

Ver a discussão de Kimberly Hutchings em "Ética" para obter mais detalhes sobre os fundamentos da teoria das Relações Internacionais [12]

Algumas autores que aplicam a teoria nas Relações Internacionais[editar | editar código-fonte]

Alison Watson [13]

Watson descreve o problema de crianças nascidas na guerra, estupro e usa a teoria feminista da ética na abordagem destes problemas marginalizados. A invisibilidade é enfatizada na construção tradicional em grande parte da legislação internacional de discurso da maternidade como uma "atividade da esfera privada", onde importantes temas são focados, como filhos de guerra e estupro pode ser perdido na tradução do diálogo internacional e minimamente aflorado.[14] A teoria da ética feminista é fornecida em termos de ampliação de diálogos teóricos das relações internacionais e a resolução de questões que permanecem marginalizadas.

Puechguirbal [15]

Há evidências de que a falha em ampliar o escopo atual de ética em operações de manutenção da paz e reconstrução de estratégias, em torno de armas e violência, resulta em falha para atender as necessidades de homens e mulheres. Puechguirbal argumenta que o conflito é um "experiência de gênero" e aborda a importância das operações de manutenção da paz mantendo-se em verificar os impactos diferenciados da guerra sobre as mulheres, homens, meninos e meninas em situação de pós-conflito da sociedade, de modo a não marginalizar os grupos mais vulneráveis da população([16] atualmente, as operações de paz são fortemente masculina, no sentido de que a segurança gira em torno da cessação das hostilidades e do desarmamento).[17] As operações de paz devem ser construídas descolando o foco apenas no desarmamento e a cessação das hostilidades contra membros de gangues para as construções sociais da violência contra as mulheres, homens e crianças que está incorporado em sociedades separadas pelo conflito. As questões de gênero não tem sido parte dos mandatos das missões de manutenção da paz,[18] e exorta as mulheres a assumir um papel mais ativo nos processos políticos da reconstrução pós-conflito.[19] A aplicação da ética feminista na manutenção da paz e estratégias de re-construção pode chegar a uma vasta gama de questões, bem como as não consideradas de extrema importância em diálogos de Relações Internacionais. As estratégias atuais não atingir os objetivos de gerar a paz, cessação da violência de gênero e abusos sexuais que continuam a atingir níveis elevados de incidência. Este continua a ser um resíduo das sociedades pós-conflito que deve ser resolvido. A implementação da ética feminista gera maior de manutenção da paz e construção estratégias de paz de gênero para atender as necessidades de ambos os sexos, de modo a ser implementado não apenas nas instituições, mas na sociedade.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Tong, R. and Williams N., Stanford Encyclopedia of Philosophy, Feminist Ethics, First published Tue May 12, 1998; substantive revision Mon May 4, 2009.
  2. a b c Jaggar, “Feminist Ethics,” 1992
  3. a b From Wollstonecraft to Mill: What British and European Ideas and Social Movements Influenced the Emergence of Feminism in the Atlantic World, 1792-1869?
  4. a b The Mothers of a Movement: Remembering 19th-Century Feminists
  5. Gilman, C. P. Herland.
  6. Gilman,C.P. Women and Economics, New York: Harper & Row, 1966
  7. a b Noddings, N., Caring: A Feminine Approach to Ethics and Moral Education.
  8. Gilligan, C., In a Different Voice: Psychological Theory and Women's Development, Cambridge, MA: Harvard University Press., 1982
  9. a b Hutchings, Kimberley.
  10. Hutchings, Kimberley.
  11. McLellan, B. Unspeakable: A feminist ethic of speech (p. 240).
  12. Hutchings, Kimberly.
  13. “Children Born of Wartime Rape: Rights and Representations .”
  14. Watson, Alison (2007).
  15. Puechguirbal, Nadine.
  16. Puechguirbal, Nadine.
  17. Puechguirbal, Nadine.
  18. Puechguirbal, Nadine.
  19. Puechguirbal, Nadine.

Bibliografia [editar | editar código-fonte]

  • Abel, Emily K. and Margaret K. Nelson, (eds.), (1990). Circles of Care: Work and Identity in Women's Lives, Albany: SUNY Press.
  • Armbruster, H. Feminist Theories and Anthropology
  • Barker, Drucilla K. and Susan F. Feiner. Liberating Economics: Feminist Perspectives on Families, Work, and Globalization.University of Michigan Press, 2004.
  • Beasley, Chris. (1999). What is Feminism?: An Introduction to Feminist Theory, London: Sage Publications.
  • Beecher, C.E. and Stowe, H.B. (1971). The American Woman's Home: Principle of Domestic Science, New York: Aeno Press and The New York Times.
  • Pembroke Center for Teaching and Research on Women, Brown University
  • Feminist Theory Papers, Brown University
  • Brownmiller, S.(1993). Against Our Will: Men, Women, and Rape, New York: Fawcett Columbine.
  • Buhle, M.J., Buhle, P. (eds.) (1978). The Concise History of Women's Suffrage, Urbana: University of Illinois Press.
  • Butler, Judith. (1990). Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity, New Your: Routledge.
  • . (1999). On Feminist Ethics and Politics, Lawrence, KS: University Press of Kansas.
  • Chodorow, N. (1999). The Reproduction of Mothering: Psycholanalysis and the Sociology of Gender, updated edition, Berkeley: University of California Press.
  • Confessore, N.and D. Hakim. (2009). “Paterson picks Gillibrand for Senate seat”. NYTimes.com, January 23.
  • Copjec, Joan. (2002). Imagine There's No Woman: Ethics and Sublimation, Cambridge, MA: MIT Press.
  • Daly, M. (1984). Pure Lust: Elemental Feminist Philosophy, Boston: Beacon Press.
  • Donovan, Josephine. (2003). Feminist Theory: The Intellectual Traditions, 3rd ed., New York: Continuum..
  • Donovan, Josephine and Carol Adams. (2007). Feminist Care Tradition in Animal Ethics: A Reader, New York: Columbia University Press, 1-20.
  • The Feminist eZine- 1001 Feminist Links and Other Interesting Topics
  • Friedan, B. (1997). Feminist Mystique, New York: W.W. Norton & Company.
  • Friedan, B. (1998). The Second Stage, Cambridge, MA: Harvard University Press.
  • Frye. M. (1991). “A response to Lesbian Ethics: Why ethics?” In C. Card (ed.), Feminist Ethics, Lawrence, Kans.: University Press of Kansas, 52-59.
  • Gilligan, C. and D.A.J. Richards (2008). The Deepening Darkness: Patriarchy, Resistance, and Democracy's Future, Cambridge, MA: Harvard University Press.
  • Gilligan's stages of moral development
  • Hanigsberg, Julia E. and Sara Ruddick, (eds.), (1999). Mother Troubles: Rethinking Contemporary Maternal Dilemmas, Boston: Beacon Press.
  • Held, V. (1993). Feminist Morality: Transforming Culture, Society, and Politics, Chicago: University of Chicago Press.
  • Held, V. (ed.), (1995). Justice and Care: Essential Readings in Feminist Ethics, Boulder, CO: Westview Press.
  • Heywood, Leslie and Jennifer Drake, (eds.), (1997). Third Wave Agenda: Being Feminist, Doing Feminism, Minneapolis: University of Minnesota Press.
  • Larry Hinman's Ethics Updates Himan,L. Ethics Updates, University of San Diego.
  • Hoagland, S.L. (1988). Lesbian Ethics, Palo Alto, Calif.: Institute of Lesbian Studies.
  • Howard, Judith A. and Carolyn Allen. (2000). Feminisms at a Millennium, Chicago: The University of Chicago Press.
  • Hypatia, a Journal of Feminist Philosophy, Simpson center for the humanities, University of washington.
  • Jaggar, A.M. (1994). Living with Contradictions: Controversies in Feminist Social Ethics, Boulder, CO: Westview Press.
  • King, Y.(1995). “Engendering a peaceful planet: ecology, economy, and ecofeminism in contemporary context”.Women's Studies Quarterly, 23: 15-25.
  • Kittay, E. F. and E.K. Feder (2003). The Subject of Care: Feminist Perspectives on Dependency, Lanham, MD: Rowman & Littlefield.
  • Kolmar, W and Bartowski, F., “Lexicon of Debates”. Feminist Theory: A Reader. 2nd Ed, New York: McGraw-Hill, 2005. 42-60.
  • Lindemann, Hilde, Marian Verkerk, and Margaret Urban Walker.(2009). Naturalized Bioethics: Toward Responsible Knowing and Practice, Cambridge, MA: Cambridge University Press.
  • Maher, K.(2008). “Campaign '08: Obama puts spotlight on women's pay gap”. The Wall Street Journal, September 25: A15.
  • Mero, J. (2008). “The myths or catching-up development”. In M. Mies and V. Shiva(eds.), Ecofeminism, Chicago: University of Chicago Press. 125: 55-69.
  • Mies, M. and Shiva, N. (1993). “Fortune 500 women CEOs”. In Fortune.
  • Mitchell, J. and S.K. Mishra (2000). Psychoanalysis and Feminism: A Radical Reassessment of Freudian Psychoanalysis, New York: Basic Books.
  • n.paradoxa: international feminist art journal: feminist theory and contemporary women artists
  • Narayan, U. (1997). Decentering the Center: Philosophy for a Multicultural, Postcolonial, and Feminist World, Bloomington, IN: Indiana University Press.
  • Narayan, U. and S. Harding(2000). The Subject of Care: Feminist Perspectives on Dependency, Lanham, MD: Rowman & Littlefield.
  • Noddings, N. (2002). Starting at Home: Caring and Social Policy, Berkeley, CA.: University of California Press.
  • Nussbaum, Martha. (1999). “The Feminist Critique of Liberalism”. In A. Jeffries (ed.), Women's Voices, Women's Rights: Oxford Amnesty Lectures, The Oxford Amnesty Lecture Series. Boulder, CO: Westview Press.
  • Nussbaum, Martha. (2003). “Capabilities and Functional Entitlements: Sen and Social Justice”. Feminist Economics, 9 (2-3): 33-59.
  • The Radical Women Manifesto: Socialist Feminist Theory, Program and Organizational Structure (Seattle: Red Letter Press, 2001)
  • Robinson, F. (1999). Globalizing Care: Toward a Politics of Peace, Boston, MA: Beacon Press.
  • Sterba, James P., (ed.), (2000). Ethics: Classical Western Texts in Feminist and Multicultural Perspectives, New York: Oxford University Press.
  • The Third Wave Foundation
  • Tong, R. and Williams N., Stanford Encyclopedia of Philosophy, Feminist Ethics, First published Tue May 12, 1998; substantive revision Mon May 4, 2009.
  • Tong, R. (2009). Feminist Thought: A More Comprehensive Introduction, 3rd edition, Boulder, CO: Westview Press.
  • UN Women, 'Women, Poverty, and Economics- Facts and Figures'
  • Virginia Tech, Feminist theory website Center for Digital Discourse and Culture
  • Walker, Margaret Urban. (2007). Moral Understandings: A Feminist Study in Ethics, 2nd ed. New York: Oxford University Press.
  • Warren, K.J. (2000). Ecofemnist Philosophy: A Western Perspective on What It Is and Why It Matters, Lanham, Md: Rowman & Littlefield.
  • Wollstonecraft, M. (1988). A Vindication of the Rights of Women, M. Brody (ed.), London: Penguin.
  • Ziarek, Ewa Plonowska. (2001). An Ethics of Dissensus: Postmodernity, Feminism, and the Politics of Radical Democracy, Stanford, CA: Stanford University Press.