Ética feminista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Ética feminista é uma abordagem ética que se baseia na crença de que, tradicionalmente, a teoria ética tem desvalorizado/ou sub-apreciado a moral das mulheres e suas experiências e, portanto, escolhe reinventar a ética através de uma abordagem e visão holística feminista.[1]

Conceito[editar | editar código-fonte]

Filosofas feministas criticam a ética tradicional como pré-eminentemente focada na perspectiva dos homens, com pouca consideração para o ponto de vista das mulheres. Questões de cuidado e  moralidade na vida privada e familiar, as responsabilidades eram tradicionalmente considerados como assuntos triviais. Geralmente, as mulheres são retratadas como eticamente imaturas e superficial em comparação aos homens. A ética tradicional premia traços masculinos culturais como "a independência, a autonomia, o intelecto, a vontade, a desconfiança, hierarquia, dominação, cultura, transcendência, produto, ascetismo, guerra e morte",[2] e dá menos peso para traços culturalmente femininos como "interdependência, comunidade, ligação, partilha, emoção, corpo, confiança, ausência de hierarquia, a natureza, a imanência, o processo, a alegria, a paz e a vida."[2] A ética tradicional é convencionalmente "macho" orientada, em que a razão moral é visualizada através de um quadro de regras, direitos, universalidade e imparcialidade. As abordagens "femininas" para a razão moral enfatiza os relacionamentos, responsabilidades, particularidade e parcialidade.[2]

Fundo histórico[editar | editar código-fonte]

A ética feminista desenvolveu-se com Uma Reivindicação pelos Direitos da Mulher de Mary Wollstonecraft, publicado em 1792.[3] Com as novas ideias do Iluminismo, feministas foram capazes de individualmente viajar mais do que nunca, gerando mais oportunidades para a troca de ideias e o avanço dos direitos das mulheres.[4] Com os novos movimentos sociais, como o Romantismo, desenvolveu sem precedentes visão otimista sobre a capacidade humana e seu destino. Esse otimismo foi refletido no ensaido de John Stuart MillThe Subjection of Women (1869).[3] As abordagens feministas para ética, foram desenvolvidas em torno deste período, por pessoas notáveis como Catherine Beecher, Charlotte Perkins Gilman, Lucretia Mott e Elizabeth Cady Stanton , com ênfase sobre a natureza de género da moralidade, especificamente relacionadas com "moralidade das mulheres".[4]

Charlotte Perkins Gilman[editar | editar código-fonte]

A escritora americana e socióloga, Charlotte Perkins Gilman imaginou um mundo ficcional, "Herland". Nesta sociedade sem homens, as mulheres produzem suas filhas através de partenogênese e vivem uma moralidade superior. A sociedade centrada nas mulheres valoriza tanto o zelo e a maternidade enquanto desanima abordagens individualistas, competitivas para a vida. O pensamento de Gilman é que em um cenário onde as mulheres poderiam relacionar-se de forma cooperativa não haveria nenhuma necessidade de dominar o outro. Herland cultiva e combina as melhores virtudes "femininas"  e "masculinas" juntas para cria uma co-existência humana, a virtude. Se uma sociedade quer ser virtuosa, de acordo com Gilman, deve exemplificar a utopia de Herland.[5] No entanto, enquanto as mulheres são dependentes dos homens para apoio econômico, elas continuarão a ser conhecidas por seu servilismo e os homens por sua arrogância. As mulheres precisam ser igual aos homens economicamente antes que possam desenvolver-se de maneira verdadeiramente humana uma virtude moral, isto é uma mistura perfeita entre o orgulho e a humildade que podemos chamar de auto-respeito.[6]

Ética do cuidado [editar | editar código-fonte]

Carol Gilligan e Nel Noddings são expoentes de uma ética do cuidado feminista que crítica a ética tradicional por tratar com descaso, banalizar ou atacar valores e virtudes culturalmente femininas.[7] No século XX, as feminista eticistas desenvolveram uma variedade de abordagens do cuidado centrada no feminismo e a ética em comparação as abordagens de cuidados não-feminista. Elas tendem a apreciar o impacto das questões de gênero de forma mais plena.[8] Feminista eticistas de cuidado focam-se em tendências das sociedades patriarcais em não apreciar o valor e os benefícios de mulheres, formas de amar, de pensar, de trabalhar e de escrever e tendem a ver mulheres como subordinadas.[7]

Ética da justiça [editar | editar código-fonte]

Aética da justiça feminista é uma visão feminista sobre a moralidade, que procura envolver-se com, e, por fim, transformar, as abordagens tradicionais, universais da ética.[9] Como a maioria dos tipos de ética feminista, a ética da justiça analisa o modo como o sexo é deixado de fora das considerações mainstream de ética. A ética mainstream é tida como de orientação masculina. No entanto, a ética da justiça feminista difere consideravelmente das outras. Um conjunto de ética universal é uma parte significativa da ética da justiça feminista.[9] Está disciplina deixa clara a divisão entre moralidade "grossa" e moralidade  "fina". Outras abordagens éticas que definem e diferencia o grupo é o meio cultural e ou outros fenômenos são considerados como moralidade "grossa". Feministas da ética da justiça afirmam que a ordem moral "grossa" em oposição a moralidade "fina", são intrinsecamente propensos à erosão válida da crítica feminista.[9]

Ética feminista e o futuro[editar | editar código-fonte]

Eticistas feministas acreditam que é uma obrigação para as mulheres, de diferentes pontos de vista serem ouvidas, e em seguida, para a chegada inclusiva de um consenso a partir da análise de suas visões. Para tentar conseguir isto e empurrar em direção a igualdade de gênero com homens juntos é o objetivo da ética feminista.

"O objetivo da ética feminsta é a transformação das sociedades e situações onde as mulheres são prejudicadas, por meio da violência, subordinadas e excluídas. Quando tais injustiças são evidentes, agora e no futuro, ativistas feministas radicais continuaram seu trabalho de protesto e ação após cuidadosa avaliação e reflexão"[10]

Ética feminista e Relações Internacionais[editar | editar código-fonte]

As feministas teorizam que a ética amplia o escopo das esfera das Relações Internacionais predominantemente masculina. Isto é especialmente importante para as questões da esfera privada tomarem o palco para o público, que inclui questões como os direitos da criança, violência de gênero e a discriminação, as relações de gênero em sociedades dilaceradas pela guerra, e outras questões semelhantes, que são difíceis de aparecer relevantes nos principais debates da ética nas relações internacionais. Os diálogos feministas com a ética são quase inevitavelmente presente para a esfera privada e são conhecidos apenas pela sombra dominante dos paradigmas "masculino" da ética na esfera pública. Isto é especialmente uma realidade na discussão da ética nas Relações Internacionais, onde é predominantemente construída em uma linguagem da violência, tecnologias ou da economia, e que são conhecidos por ser tópicos de discussão masculino.

Ver a discussão de Kimberly Hutchings em "Ética" para obter mais detalhes sobre os fundamentos da teoria das Relações Internacionais [11]

Algumas autores que aplicam a teoria nas Relações Internacionais[editar | editar código-fonte]

Alison Watson [12]

Watson descreve o problema de crianças nascidas na guerra, estupro e usa a teoria feminista da ética na abordagem destes problemas marginalizados. A invisibilidade é enfatizada na construção tradicional em grande parte da legislação internacional de discurso da maternidade como uma "atividade da esfera privada", onde importantes temas são focados, como filhos de guerra e estupro pode ser perdido na tradução do diálogo internacional e minimamente aflorado.[13] A teoria da ética feminista é fornecida em termos de ampliação de diálogos teóricos das relações internacionais e a resolução de questões que permanecem marginalizadas.

Puechguirbal [14]

Há evidências de que a falha em ampliar o escopo atual de ética em operações de manutenção da paz e reconstrução de estratégias, em torno de armas e violência, resulta em falha para atender as necessidades de homens e mulheres. Puechguirbal argumenta que o conflito é um "experiência de gênero" e aborda a importância das operações de manutenção da paz mantendo-se em verificar os impactos diferenciados da guerra sobre as mulheres, homens, meninos e meninas em situação de pós-conflito da sociedade, de modo a não marginalizar os grupos mais vulneráveis da população([14] atualmente, as operações de paz são fortemente masculina, no sentido de que a segurança gira em torno da cessação das hostilidades e do desarmamento).[14] As operações de paz devem ser construídas descolando o foco apenas no desarmamento e a cessação das hostilidades contra membros de gangues para as construções sociais da violência contra as mulheres, homens e crianças que está incorporado em sociedades separadas pelo conflito. As questões de gênero não tem sido parte dos mandatos das missões de manutenção da paz,[14] e exorta as mulheres a assumir um papel mais ativo nos processos políticos da reconstrução pós-conflito.[14] A aplicação da ética feminista na manutenção da paz e estratégias de re-construção pode chegar a uma vasta gama de questões, bem como as não consideradas de extrema importância em diálogos de Relações Internacionais. As estratégias atuais não atingir os objetivos de gerar a paz, cessação da violência de gênero e abusos sexuais que continuam a atingir níveis elevados de incidência. Este continua a ser um resíduo das sociedades pós-conflito que deve ser resolvido. A implementação da ética feminista gera maior de manutenção da paz e construção estratégias de paz de gênero para atender as necessidades de ambos os sexos, de modo a ser implementado não apenas nas instituições, mas na sociedade.

Referências

  1. Tong, R. and Williams N., Stanford Encyclopedia of Philosophy, Feminist Ethics, First published Tue May 12, 1998; substantive revision Mon May 4, 2009.
  2. a b c Jaggar, “Feminist Ethics,” 1992
  3. a b From Wollstonecraft to Mill: What British and European Ideas and Social Movements Influenced the Emergence of Feminism in the Atlantic World, 1792-1869?
  4. a b The Mothers of a Movement: Remembering 19th-Century Feminists
  5. Gilman, C. P. Herland.
  6. Gilman,C.P. Women and Economics, New York: Harper & Row, 1966
  7. a b Noddings, N., Caring: A Feminine Approach to Ethics and Moral Education.
  8. Gilligan, C., In a Different Voice: Psychological Theory and Women's Development, Cambridge, MA: Harvard University Press., 1982
  9. a b c Hutchings, Kimberley.
  10. «McLellan, B. Unspeakable: A feminist ethic of speech (p. 240).». Consultado em 12 de outubro de 2016. Arquivado do original em 15 de fevereiro de 2017 
  11. Hutchings, Kimberly.
  12. “Children Born of Wartime Rape: Rights and Representations .”
  13. Watson, Alison (2007).
  14. a b c d e Puechguirbal, Nadine.

Bibliografia [editar | editar código-fonte]

  • Abel, Emily K. and Margaret K. Nelson, (eds.), (1990). Circles of Care: Work and Identity in Women's Lives, Albany: SUNY Press.
  • Armbruster, H. Feminist Theories and Anthropology
  • Barker, Drucilla K. and Susan F. Feiner. Liberating Economics: Feminist Perspectives on Families, Work, and Globalization.University of Michigan Press, 2004.
  • Beasley, Chris. (1999). What is Feminism?: An Introduction to Feminist Theory, London: Sage Publications.
  • Beecher, C.E. and Stowe, H.B. (1971). The American Woman's Home: Principle of Domestic Science, New York: Aeno Press and The New York Times.
  • Pembroke Center for Teaching and Research on Women, Brown University
  • Feminist Theory Papers, Brown University
  • Brownmiller, S.(1993). Against Our Will: Men, Women, and Rape, New York: Fawcett Columbine.
  • Buhle, M.J., Buhle, P. (eds.) (1978). The Concise History of Women's Suffrage, Urbana: University of Illinois Press.
  • Butler, Judith. (1990). Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity, New Your: Routledge.
  • . (1999). On Feminist Ethics and Politics, Lawrence, KS: University Press of Kansas.
  • Chodorow, N. (1999). The Reproduction of Mothering: Psycholanalysis and the Sociology of Gender, updated edition, Berkeley: University of California Press.
  • Confessore, N.and D. Hakim. (2009). “Paterson picks Gillibrand for Senate seat”. NYTimes.com, January 23.
  • Copjec, Joan. (2002). Imagine There's No Woman: Ethics and Sublimation, Cambridge, MA: MIT Press.
  • Daly, M. (1984). Pure Lust: Elemental Feminist Philosophy, Boston: Beacon Press.
  • Donovan, Josephine. (2003). Feminist Theory: The Intellectual Traditions, 3rd ed., New York: Continuum..
  • Donovan, Josephine and Carol Adams. (2007). Feminist Care Tradition in Animal Ethics: A Reader, New York: Columbia University Press, 1-20.
  • The Feminist eZine- 1001 Feminist Links and Other Interesting Topics
  • Friedan, B. (1997). Feminist Mystique, New York: W.W. Norton & Company.
  • Friedan, B. (1998). The Second Stage, Cambridge, MA: Harvard University Press.
  • Frye. M. (1991). “A response to Lesbian Ethics: Why ethics?” In C. Card (ed.), Feminist Ethics, Lawrence, Kans.: University Press of Kansas, 52-59.
  • Gilligan, C. and D.A.J. Richards (2008). The Deepening Darkness: Patriarchy, Resistance, and Democracy's Future, Cambridge, MA: Harvard University Press.
  • Gilligan's stages of moral development
  • Hanigsberg, Julia E. and Sara Ruddick, (eds.), (1999). Mother Troubles: Rethinking Contemporary Maternal Dilemmas, Boston: Beacon Press.
  • Held, V. (1993). Feminist Morality: Transforming Culture, Society, and Politics, Chicago: University of Chicago Press.
  • Held, V. (ed.), (1995). Justice and Care: Essential Readings in Feminist Ethics, Boulder, CO: Westview Press.
  • Heywood, Leslie and Jennifer Drake, (eds.), (1997). Third Wave Agenda: Being Feminist, Doing Feminism, Minneapolis: University of Minnesota Press.
  • Larry Hinman's Ethics Updates Himan,L. Ethics Updates, University of San Diego.
  • Hoagland, S.L. (1988). Lesbian Ethics, Palo Alto, Calif.: Institute of Lesbian Studies.
  • Howard, Judith A. and Carolyn Allen. (2000). Feminisms at a Millennium, Chicago: The University of Chicago Press.
  • Hypatia, a Journal of Feminist Philosophy, Simpson center for the humanities, University of washington.
  • Jaggar, A.M. (1994). Living with Contradictions: Controversies in Feminist Social Ethics, Boulder, CO: Westview Press.
  • King, Y.(1995). “Engendering a peaceful planet: ecology, economy, and ecofeminism in contemporary context”.Women's Studies Quarterly, 23: 15-25.
  • Kittay, E. F. and E.K. Feder (2003). The Subject of Care: Feminist Perspectives on Dependency, Lanham, MD: Rowman & Littlefield.
  • Kolmar, W and Bartowski, F., “Lexicon of Debates”. Feminist Theory: A Reader. 2nd Ed, New York: McGraw-Hill, 2005. 42-60.
  • Lindemann, Hilde, Marian Verkerk, and Margaret Urban Walker.(2009). Naturalized Bioethics: Toward Responsible Knowing and Practice, Cambridge, MA: Cambridge University Press.
  • Maher, K.(2008). “Campaign '08: Obama puts spotlight on women's pay gap”. The Wall Street Journal, September 25: A15.
  • Mero, J. (2008). “The myths or catching-up development”. In M. Mies and V. Shiva(eds.), Ecofeminism, Chicago: University of Chicago Press. 125: 55-69.
  • Mies, M. and Shiva, N. (1993). “Fortune 500 women CEOs”. In Fortune.
  • Mitchell, J. and S.K. Mishra (2000). Psychoanalysis and Feminism: A Radical Reassessment of Freudian Psychoanalysis, New York: Basic Books.
  • n.paradoxa: international feminist art journal: feminist theory and contemporary women artists
  • Narayan, U. (1997). Decentering the Center: Philosophy for a Multicultural, Postcolonial, and Feminist World, Bloomington, IN: Indiana University Press.
  • Narayan, U. and S. Harding(2000). The Subject of Care: Feminist Perspectives on Dependency, Lanham, MD: Rowman & Littlefield.
  • Noddings, N. (2002). Starting at Home: Caring and Social Policy, Berkeley, CA.: University of California Press.
  • Nussbaum, Martha. (1999). “The Feminist Critique of Liberalism”. In A. Jeffries (ed.), Women's Voices, Women's Rights: Oxford Amnesty Lectures, The Oxford Amnesty Lecture Series. Boulder, CO: Westview Press.
  • Nussbaum, Martha. (2003). “Capabilities and Functional Entitlements: Sen and Social Justice”. Feminist Economics, 9 (2-3): 33-59.
  • The Radical Women Manifesto: Socialist Feminist Theory, Program and Organizational Structure (Seattle: Red Letter Press, 2001)
  • Robinson, F. (1999). Globalizing Care: Toward a Politics of Peace, Boston, MA: Beacon Press.
  • Sterba, James P., (ed.), (2000). Ethics: Classical Western Texts in Feminist and Multicultural Perspectives, New York: Oxford University Press.
  • The Third Wave Foundation
  • Tong, R. and Williams N., Stanford Encyclopedia of Philosophy, Feminist Ethics, First published Tue May 12, 1998; substantive revision Mon May 4, 2009.
  • Tong, R. (2009). Feminist Thought: A More Comprehensive Introduction, 3rd edition, Boulder, CO: Westview Press.
  • UN Women, 'Women, Poverty, and Economics- Facts and Figures'
  • Virginia Tech, Feminist theory website Center for Digital Discourse and Culture
  • Walker, Margaret Urban. (2007). Moral Understandings: A Feminist Study in Ethics, 2nd ed. New York: Oxford University Press.
  • Warren, K.J. (2000). Ecofemnist Philosophy: A Western Perspective on What It Is and Why It Matters, Lanham, Md: Rowman & Littlefield.
  • Wollstonecraft, M. (1988). A Vindication of the Rights of Women, M. Brody (ed.), London: Penguin.
  • Ziarek, Ewa Plonowska. (2001). An Ethics of Dissensus: Postmodernity, Feminism, and the Politics of Radical Democracy, Stanford, CA: Stanford University Press.