Casuística

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde junho de 2013).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.

Casuística é um conjunto de casos.

Clínica[editar | editar código-fonte]

Em ciências da saúde, o termo é utilizado para relatórios clínicos de casos particulares, importante para a pesquisa de novas fronteiras.

Teologia[editar | editar código-fonte]

Em teologia, o termo é usado para denotar raciocínios morais desviantes construídos para justificar ações que são moralmente duvidosas. É um conceito que tem origem no século XVII, muito usado pelos jesuítas confessores de pessoas com muito prestígio. Recorriam a este estratagema para se referirem à falta de escrúpulos morais e religiosos. Consta de muitos textos jesuíticos para abordar a suposta falta de rigor moral, o que acabou por merecer a crítica dos seus opositores, sobretudo dos jansenistas. O mais famoso ataque foi o de Pascal. Em contextos religiosos, a teoria da casuística é conhecida como teologia moral. Entra nos casos de conflito entre deveres de consciência, deveres morais, e deveres religiosos.[1]

Outros usos[editar | editar código-fonte]

Casuística é também uma revista eletrônica de artes antiartes heterodoxias publicada desde 2009.[2]

Referências

  1. Dicionário de Filosofia coordenado por Thomas Mautner. Edições 70, 2010
  2. Casuística. artes antiartes heterodoxias