Vício

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para vício em substâncias e atitudes comportamentais, veja adicção.
"Sócrates afastando Alcibíades do vício". Óleo sobre tela, 1865. Nesta imagem, pode-se observar uma acepção genérica do conceito, não relacionado ao uso de drogas, mas ao prazer.

Vício (do termo latino "vitium", que significa "falha" ou "defeito" [1]) é um hábito repetitivo que degenera ou causa algum prejuízo ao viciado e aos que com ele convivem.

A acepção contemporânea do termo está relacionada a uma sucessão de denominações que se alteraram historicamente e que culmina com uma relação entre o Estado, a individualidade, a ética e a moral, nas formas convencionadas atualmente. Além disso, está fortemente relacionada a interpretações religiosas, sempre denotando algo negativo, inadequado, socialmente reprimível, abusivo e vergonhoso. Porém, em termos genéricos, é interessante a abordagem de Margaret Mead:

A virtude é quando se tem a dor seguida do prazer; o vício, é quando se tem o prazer seguido da dor.

Faltando porém, um detalhe: os períodos onde a dor e o prazer se inserem variam, sendo que o segundo é sempre mais longo e permanente que o primeiro, em ambos os casos. Daí a relação que se cria também com o trabalho, como processo doloroso que gera prazer posterior permanente, e que portanto, eleva(m) o homem, através do orgulho e da vitória. Fatalmente, o vício relaciona-se também com a perda, a derrota, e portanto, a queda, fechando um ciclo conceitual que interliga o social, o biológico, o religioso e a ética-moral laica.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Provém do latim vitium, usado originariamente em relação a uma anomalia física, com o passar do tempo, o termo foi empregado no contexto litúrgico, mais especificamente quando nos sacrifícios dos animais suas entranhas apresentavam alguma anomalia (quando isso ocorria o sacrifício animal era invalidado e devia ser repetido).[2]

Religião[editar | editar código-fonte]

Budismo[editar | editar código-fonte]

Na tradição Sarvastivada do Budismo, existem 108 impurezas, ou vícios, que são proibidos. Estes são subdivididos em 10 vínculos e 98 propensões.[3] The 10 bonds are the following:[3]

Wikcionário
O Wikcionário tem o verbete vício.

Referências

  1. «Dicionário Michaelis - Vício». michaelis.uol.com.br 
  2. «Etimologia de "Vício"». Consultado em 28 de março de 2023 
  3. a b Hirakawa (1998, p. 202)

Veja também[editar | editar código-fonte]