Consequencialismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2011).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde julho de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Consequencialismo é um termo filosófico que começou por ser usado para um teoria acerca da responsabilidade, mas é agora habitualmente usado para uma teoria acerca do correcto e do incorrecto. O termo foi criado por Elizabeth Anscombe em “Modern Moral Philosophy”, 1958, para defender a tese de que um agente é responsável tanto pelas consequências intencionais de um acto, como pelas não intencionais quando previstas.

A tese de Anscombe difere da tese anterior de Sidgwick, que não fazia a distinção entre as consequências não intencionais previstas e imprevistas para a atribuição de responsabilidades. As consequências deveriam ser levadas em consideração quando se faz juízos sobre o correcto e incorrecto. Uma acção é justa se, e somente se, o seu resultado total for o melhor possível. Existem, contudo, muitos outros tipos. Muitos autores agora usam o termo “utilitarismo” para designar um tipo de consequencialismo. Alguns reservam o termo “utilitarismo” para o ponto de vista que combina o consequencialismo com a premissa hedonista de que apenas o prazer tem valor intrínseco. Outros reservam o termo para o ponto de vista que combina o consquencialismo com a premissa eudemonística de que a felicidade tem valor intrínseco.1

O consequencialismo também pode ser contrastado com teorias morais e com a ética da virtude. Criticando as teorias consequencialistas, que postulam que as consequências da acção devem ser o foco principal do nosso pensamento sobre a ética, as teorias da virtude ética insistem que é mais o carácter da acção, e não as consequências, que devem ser o foco principal. Alguns especialistas em ética da virtude sustentam que as teorias consequencialistas desconsideram o desenvolvimento e a importância do carácter moral. Por exemplo há quem argumente que as consequências em si não têm conteúdo ético, a menos que tenham resultado de uma virtude como a benevolência. No entanto, a ética da virtude e o consequencialismo podem não ser totalmente antagónicas. Há teorias consequencialistas que podem considerar o carácter de várias maneiras.2 Por exemplo, os efeitos sobre o carácter do agente, ou quaisquer outras pessoas envolvidas numa acção, podem ser considerados como uma consequência relevante. Da mesma forma, com uma teoria consequencialista pode-se ter por objectivo a maximização de uma virtude particular, ou conjunto de virtudes. Por fim, pode-se adoptar por um determinado tipo de consequencialismo, como aquele que argumenta que a actividade virtuosa, em última análise, produz as melhores consequências.3

Referências

  1. Dicionário de Filosofia coordenado por Thomas Mautner. Edições 70, 2010
  2. "Reasons and Persons", por Derek Parfit - Oxford University Press, (1984)
  3. Simon Blackburn, Dicionário de Filosofia. Gradiva, 1997
Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Walter Sinnott-Armstrong, Consequetilaism, 2006. Stanford Encyclopedia of Philosophy

Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia / um filósofo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.