Ética veterinária

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Ética veterinária é um sistema de princípios morais que se aplicam valores e julgamentos para a prática da medicina veterinária. Como uma disciplina acadêmica, a ética veterinária engloba sua aplicação prática na clínica, bem como o trabalho em sua história, filosofia, teologia e sociologia. A ética veterinária combina veterinária profissional ética e o tema da ética animal. Isto pode ser interpretado como uma reflexão crítica sobre a prestação de serviços veterinários em apoio das responsabilidades da profissão para a espécie animal e para a humanidade.[1]

História[editar | editar código-fonte]

O Bem-estar Animal tem sido um assunto estudado em profundidade; ele examina as maneiras que um animal pode sofrer em circunstâncias especiais ou como sua vida pode ser enriquecida. Ética Animal é outro assunto bem documentado em que os filósofos, desde Aristóteles,[2] têm ressaltado sua importância. Muitas vezes, referido como "o problema animal", as questões que parecem ser feitas neste campo são, em sua fundação, para tentar determinar qual a diferença relevante moral entre animais e seres humanos: se não há nenhuma diferença, como podemos justificar o tratamento de animais de uma determinada maneira e, por outro lado, se há uma diferença, qual é essa diferença que nos permite tratar os animais em uma determinada maneira.

Ética veterinária é um assunto moderno e que não tem definido seu ponto de início. Ela combina o estudo do bem-estar animal e da ética animal, bem como sua raiz e usa informações como dados para suas deliberações. Poderia ser dito que possui uma longa história, no entanto, como uma disciplina acadêmica, só recentemente os trabalhos sobre o tema têm sido publicados.

Os dois maiores acadêmicos que escrevem sobre ética veterinária são Bernard Rollin (Colorado State University)[3] e Jerrold Tannenbaum (Universidade da Califórnia, em Davis),[4] podendo ser vistos como os fundadores do assunto em ética veterinária. Atualmente, a maioria dos cursos de medicina veterinária possuem a disciplina de ética veterinária e, muitas vezes, combinam também o ensino sobre bem-estar animal e sobre as leis.

Relações com a Ética Médica[editar | editar código-fonte]

O assunto é muito semelhante a ética médica dos humanos, em que o estudo da relação entre médico e paciente relaciona-se intimamente com a do veterinário e o proprietário do animal. No entanto, o assunto é difere na consideração dos usos dos animais. Enquanto um médico tem o dever de preservar a vida a quase todo o custo, o veterinário precisa adaptar a sua atitude para com a saúde e longevidade de vida de acordo com a finalidade do animal (ex.: animais de fazenda).

Muito do que é entendido no campo de profissionalismo e de responsabilidades profissionais em sigilo, preservação de autonomia, beneficência, honestidade, denúncia, consentimento informado e comunicação é, em grande parte, levantada a partir da pesquisa feita na profissão médica. A diferença entre os pacientes humanos e pacientes animais não interfere com a discussão do profissionalismo entre médicos e pacientes humanos e entre veterinários e seus clientes.

Outra grande diferença entre a ética veterinária e a ética médica humana é a interação com a lei. A ética médica humana levou a mudanças na lei e, em menor grau, vice-versa. Em grande parte, envolvendo casos de direitos humanos, uma ampla variedade de desafios legais de alto perfil, envolveram a utilização de ética para encorajar a mudança na lei em muitos países (por exemplo, suicídio assistido, aborto, dever de cuidado, os direitos de oposição ao tratamento). Já a ética veterinária, não tem uma forte interação com as leis. É raro ter um desafio legal de um animal chegando ao sistema jurídico. Casos que envolvam desafios para o profissionalismo e o dever de cuidar, em grande parte, são tratados através de órgãos da veterinária pertencentes ao governo.

A profissão de veterinário permanece, em grande parte, auto-regulamentada no mundo todo (CRVs e AVMA). Isto tem causado alguma controvérsia a respeito do porque da profissão veterinária continuar a ser uma das poucas profissões auto-regulamentadas restantes. Bernard Rollin escreveu sobre a dificuldade em manter a confiança do público enquanto a auto-regulação é mantida; confiança e imparcialidade são fundamentais, mas o mais importante é a necessidade de uma profissão para o auto-sacrifício, que impondo as necessidades dos clientes acima da profissão ou da necessidade do profissional

Toda profissão - seja a medicina, o direito, ou a agricultura - é dada a liberdade pela ética social para prosseguir seus objetivos. Em troca, a sociedade basicamente diz para a profissão que não entende bem o suficiente para regular: "Você regula a si mesmo da maneira que nós regularíamos você se entendêssemos o que você faz, o que não é o caso. Mas vamos saber se você não se auto-regular corretamente e, em seguida, vamos [martelar você com draconianas regras e] regular, apesar da nossa falta de entendimento."[5]

Princípios da Ética Médica Veterinária[editar | editar código-fonte]

A American Veterinary Medical Association (AVMA), regulariza revisões e atualizações de políticas e procedimentos, incluindo um documento considerado o princípios da ética. O Conselho Judicial da AVMA atua como o grupo encarregado de garantir que os princípios são atuais. Muito parecido com o código médico humano, é esperado dos médicos veterinários a adesão a um progressivo código de conduta ética, conhecido como os Princípios de Ética Médica Veterinária (PVME)".[6] Em fevereiro de 2015, a AVMA aprovou a versão mais recente dos "Princípios da Ética Médica Veterinária", que foi aprovada pela câmara dos representantes do AVMA . O conteúdo dos princípios "foi modelado após o Código de Ética da Associação Médica Americana.[7] No geral existem oito princípios fundamentais, que são:

  1. Um veterinário deve se dedicar a fornecer cuidado médico veterinário cuidado competente, com compaixão e respeito para o bem-estar animal e a saúde humana
  2. Um veterinário deve fornecer  atendimento clínico médico veterinário sob os termos de um relacionamento veterinário-cliente-paciente (VCPR).
  3. Um veterinário deve manter os padrões de profissionalismo, ser honesto em todas as interações profissionais e reportar os veterinários que são deficientes em caráter ou competência para as entidades competentes.
  4. Um veterinário devem respeitar a lei e também reconhecer a responsabilidade de buscar mudanças, normas e leis que são contrárias aos melhores interesses do paciente e de saúde pública.
  5. Um veterinário deve respeitar os direitos dos clientes, colegas e outros profissionais de saúde, e devem salvaguardar a informação médica dentro dos limites da lei.
  6. Um veterinário deve continuar a estudar, aplicar e avançar o conhecimento científico, manter um compromisso com a educação da medicina veterinária, disponibilizar informação relevante para os clientes, colegas, público, e obter consulta ou referência, quando indicado.
  7. Um veterinário deve, na provisão de cuidados de saúde, exceto em situações de emergência, ser livre para escolher a quem atender, com quem se associar e o ambiente no qual fornece atendimento médico veterinário.
  8. Um veterinário deve reconhecer a responsabilidade de participar de atividades que contribuam para a melhoria da comunidade e a melhoria da saúde pública.

Lista obtida a partir de "Princípios de Ética Médica Veterinária", revista.[8] As informações completas sobre as atualizações dos Princípios de Ética Médica Veterinária podem ser encontrados no site da American Veterinary Medical Association localizado no artigo da base de conhecimento, intitulado "Princípios de Ética Médica Veterinária da AVMA " [9]

Tópicos importantes[editar | editar código-fonte]

Os tópicos chave na ética veterinária são:

Textos importantes[editar | editar código-fonte]

  • An Introduction to Veterinary Medical Ethics: Theory and Cases by Bernard E. Rollin
  • Veterinary Ethics: An Introduction by Giles Legood
  • Veterinary Ethics: Animal Welfare, Client Relations, Competition & Collegiality: Animal Welfare, Client Relations, Competition and Collegiality by Jerrold Tannenbaum JD
  • Law and Ethics of the Veterinary Profession by James F. Wilson and Joanne L. Garbe
  • Law and ethics of the veterinary profession by James F Wilson
  • Principles of Veterinary Medical Ethics of the AVMA as adopted by the AVMA Judicial Council

Conferências[editar | editar código-fonte]

  • As Universidades da Federação para o bem-estar Animal (UFAW)[10] oferece anualmente conferências sobre bem-estar animal, que pode ser de interesse para veterinários especialistas em ética.
  • Institute of Medical Ethics[11] também oferece conferências, muitas vezes, várias vezes ao ano, sobre as questões de ética que afetam médicos. No entanto, como muitos destes são transferíveis para ética veterinária pode também ser interessante.
  • Animal Welfare Science, Ethics and Law Veterinary Association (AWSELVA)[12] oferece, regularmente, reuniões em todos os assuntos relativos ao seu nome.
  • A Primeira Conferência Internacional de Veterinária e Ética Animal[13] acaba de ser anunciada, com bolsas de estudo disponíveis para os alunos participantes.
  • American Veterinary Medical Association Leadership Conference and House of Delegates[14]
  • American Veterinary Medical Association Annual Convention[15]
  • Pet Saúde, Eventos De Sensibilização[16]

Referências