Autonomia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Autonomia (do grego antigo αὐτονομία, autonomia: de αὐτόνομος, autonomos, uma junção de αὐτο-, auto-, "de si mesmo" + νόμος, nomos, "lei", ou seja, "aquele que estabelece suas próprias leis") é um conceito encontrado na moral, na política, na filosofia e na bioética. É a capacidade de um indivíduo racional (não necessariamente um organismo vivo) de tomar uma decisão não forçada baseada nas informações disponíveis. Na filosofia ligada à moral e à política, a autonomia é usada como base para se determinar a responsabilidade moral da ação de alguém (ver teoria desenvolvida por Kant). Outras áreas do conhecimento também usam o termo, como medicina e exploração espacial.

Autonomia em ciência política[editar | editar código-fonte]

"Autonomia" é uma palavra vinda do grego que designa lei, e ao mesmo tempo, território. No inglês, o termo é devolution ou home rule. Em ciência política, é a qualidade de um território ou organização de estabelecer com liberdade suas próprias leis ou normas. O conceito difere do de soberania, uma vez que um Estado soberano tem plenos poderes sobre si próprio em termos de representação diplomática internacional, enquanto que, na autonomia, os poderes não são plenos.

"Autonomia local" é o direito e a capacidade efetiva de as autarquias locais regulamentarem e gerirem, nos termos da lei, sob sua responsabilidade e no interesse das respectivas populações, uma parte importante dos assuntos públicos.

O termo "autonomia" é usado para indicar a concessão de poder por parte de um governo central em favor de um governo em nível regional ou local, segundo o princípio da subsidiariedade, ou, na época do Antigo regime, fazer a passagem da sucessão de um território a um herdeiro legítimo.

Muitas vezes, os poderes autônomos são temporários e permanecem, em última análise, ligados ao governo central. Os sistemas federais delegam o poder e as funções das entidades federais sob garantia da observância da Constituição ou das normas de âmbito constitucional.

Lista de estados unitários com autonomias concedidas
Estado Forma de governo Subdivisões Número de subdivisões Outras subdivisões
Flag of Spain.svg Espanha Monarquia Comunidades autónomas da Espanha 17 comunidades autónomas 2 cidades autónomas
 Itália República Regiões da Itália 15 regiões 5 regiões autónomas
 Madagáscar República Províncias de Madagáscar 6 províncias
 Peru República Regiões do Peru 25 regiões 1 província de 1ª ordem
 Portugal República Regiões Autónomas 2 regiões autónomas
Ilhas Salomão Monarquia Províncias das Ilhas Salomão 9 províncias 1 território da capital
Sri Lanka República Províncias do Sri Lanka 9 províncias
 Reino Unido Monarquia Países constituintes 3 países auto-governados

Autonomia em Filosofia[editar | editar código-fonte]

Filosoficamente, o conceito de autonomia confunde-se com o de liberdade, consistindo na qualidade de um indivíduo de tomar suas as próprias decisões com base na razão. No caso, o indivíduo não é condicionado a agir, mas sim impulsionado por uma autoexigência.

Cquote1.svg Servir-se da sua própria razão é ser autónomo e, portanto, livre. Cquote2.svg

Autonomia em Educação[editar | editar código-fonte]

Em educação, o termo "autonomia" está ligado à condição do aprendente de organizar seus próprios estudos, buscando fontes de informação e conhecimento, e construindo um saber ligado aos seus próprios objetivos. Em educação a distância, o termo "autonomia" é usado para evidenciar a independência do aluno em relação aos professores. Há uma liberdade na escolha dos caminhos e alvos da educação, o que significa, também, uma responsabilidade maior por parte do aprendiz.

Autonomia em Sistemas Espaciais[editar | editar código-fonte]

Autonomia é uma característica de uso cada vez mais frequente na exploração espacial, com dois objetivos:

  • Precisão e continuidade nas operações:
exemplo - várias espaçonaves voando em formação ajustam suas posições relativas de uma forma muito mais precisa e complexa
  • Redução de custo:
exemplo - detecção de falhas e recuperação dessas falhas usando o sistema da própria espaçonave, sem envolvimento da estação terrestre, diminuem o tempo de uso dos links de comunicação, reduzindo custos operacionais.

Ver, também, Robótica, Cibernética e Veículo aéreo não tripulado.

Criança em um campo de refugiados em Goma, na República Democrática do Congo: à medida em que uma criança cresce, ela vai adquirindo maior grau de autonomia