Extraversão e introversão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A teoria do traço da extraversão-introversão é uma dimensão central das teorias humanas da personalidade. Os termos "introversão" e "extraversão" foram popularizados por Carl Jung,[1] embora ambos o entendimento popular e o uso psicológico diferem de sua intenção original. A extraversão tende a manifestar-se em comportamento extrovertido, falante e energético, enquanto que a introversão se manifesta em comportamentos mais reservados e solitários.[2]

A extraversão e a introversão são tipicamente vistos como um único continuum. Assim, ser mais de um modo necessita ser menos no outro. Carl Jung e os desenvolvedores do Indicador do Tipo Myers-Briggs fornecem uma perspectiva diferente e sugerem que todos têm um lado extrovertido e um lado introvertido, sendo um mais dominante do que o outro. Em vez de se concentrar no comportamento interpessoal, Jung definiu a introversão como uma "atitude-tipo caracterizada pela orientação na vida através de conteúdos psíquicos subjetivos" (foco na atividade psíquica interna) e a extraversão como "um tipo de atitude caracterizada pela concentração de interesse no objeto externo "(o mundo exterior).[3]

Variedades[editar | editar código-fonte]

Extraversão[editar | editar código-fonte]

A extraversão é o estado de primariamente obter a gratificação de fora de si mesmo.[4] Extrovertidos tendem a apreciar as interações humanas e se sentir com entusiasmo, falantes, assertivos e sociáveis. Extravertidos são energéticos e prosperaram em torno de outras pessoas. Eles se divertem em atividades que envolvem grandes encontros sociais, como festas, atividades comunitárias, demonstrações públicas e grupos empresariais ou políticos. Eles também tendem a trabalhar bem em grupos.[5]

Introversão[editar | editar código-fonte]

A introversão é o estado de estar predominantemente interessado no próprio eu mental.[4] Os introvertidos são tipicamente percebidos como mais reservados ou reflexivos.[5] Alguns psicólogos populares caracterizaram os introvertidos como pessoas cuja energia tende a se expandir através da reflexão e diminuir durante a interação.[6] Eles são mais analíticos antes de falar.[7] Os introvertidos são facilmente subjugados por excesso de estimulação de reuniões sociais e engajamento, introversão até mesmo ter sido "definido" por alguns em termos de uma preferência por um ambiente externo quieto, mais minimamente estimulante.[8]

Ambiversão[editar | editar código-fonte]

Embora muitas pessoas considerem introvertidas ou extrovertidas como mutuamente exclusivas, as teorias de traços mais contemporâneas medem os níveis de extroversão e introversão como parte de uma única dimensão contínua da personalidade, com algumas pontuações perto de uma extremidade e outras próximas da metade do caminho.[9] A ambiversão está mais ou menos diretamente no meio.[4][10]

Prevalência relativa[editar | editar código-fonte]

O livro de 2012 de Susan Cain: Quiet: The Power of Introverts in a World That Can't Stop Talking (O poder dos quietos) relata que os estudos indicam que 33-50% da população norte-americana são de instrovertidos.[11]


Referências

  1. Jung, C. G. (1921) Psychologische Typen, Rascher Verlag, Zurich – translation H.G. Baynes, 1923.
  2. Thompson, Edmund R. (2008). «Development and Validation of an International English Big-Five Mini-Markers». Personality and Individual Differences. 45 (6): 542–8. doi:10.1016/j.paid.2008.06.013 
  3. Jung, Carl (1995). Memories, Dreams, Reflections. London: Fontana Press. pp. 414–5. ISBN 0-00-654027-9 
  4. a b c Merriam Webster Dictionary.
  5. a b «Extraversion or Introversion». The Myers & Briggs Foundation 
  6. Helgoe, Laurie (2008). "Introvert Power: Why Your Inner Life is Your Hidden Strength". Naperville, Illinois: Sourcebooks, Inc.[falta página]
  7. Laney, Marti Olsen (2002). The Introvert Advantage: How to Thrive in an Extrovert World. Workman Publishing. ISBN 0-7611-2369-5.
  8. Cain, Susan, Quiet: The Power of Introverts in a World That Can't Stop Talking, Crown Publishing 2012: quoted by Szalavitz, Maia, "'Mind Reading': Q&A with Susan Cain on the Power of Introverts" (WebCite archive), Time Healthland, January 27, 2012; and Cook, Gareth, "The Power of Introverts: A Manifesto for Quiet Brilliance" (WebCite archive), Scientific American, 24/1/2012.
  9. The OCEAN of Personality Personality Synopsis, Chapter 4: Trait Theory. AllPsych Online. Last updated March 23, 2004
  10. Cohen, Donald; Schmidt, James P. (1979). «Ambiversion: Characteristics of Midrange Responders on the Introversion-Extraversion Continuum». Journal of Personality Assessment. 43 (5): 514–6. PMID 16367029. doi:10.1207/s15327752jpa4305_14 
  11. Cain, Susan (2012), Quiet: The Power of Introverts in a World That Can't Stop Talking at page 3 (Introduction) and page 280 (note 11). • Goudreau, Jenna, "The Secret Power Of Introverts" (WebCite archive), Forbes, 26/12012.