Birra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
"Christina Rossetti dando chilique", de seu irmão, Dante Gabriel Rossetti

Uma birra ou chilique[a] é uma explosão emocional, geralmente associada àqueles em sofrimento emocional, que normalmente é caracterizada por teimosia, choro, gritos, violência, desafio, reclamação furiosa, resistência a tentativas de pacificação e, em alguns casos, golpes e outros comportamentos fisicamente violentos. O controle físico pode ser perdido; a pessoa pode não conseguir ficar parada; e mesmo que o "objetivo" da pessoa seja alcançado, eles não podem ser acalmados. Ter um ataque de birra pode fazer com que uma criança fique de castigo ou até seja suspensa da escola.[1][2][3][4][5][6] Uma birra pode ser expressa de forma verbal, por um discurso prolongado e raivoso.[1][2][7]

No jardim de infância[editar | editar código-fonte]

Criança tendo birra

As birras são uma das formas mais comuns de comportamento problemático em crianças pequenas, mas tendem a diminuir em frequência e intensidade à medida que a criança cresce.[8] Para a criança, as birras podem ser consideradas normais, mesmo como indicadores de desenvolvimento de força de caráter.[9][10][11]

Embora as birras às vezes sejam vistas como um preditor de futuros comportamentos antissociais,[12] em outro sentido, elas são simplesmente um sinal apropriado para a idade de frustração excessiva[13] e diminuirão com o tempo, com um manuseio calmo e consistente.[14][15][16] A contenção dos pais em que uma criança não pode se conter — e não o que a criança é ostensivamente exigente — pode ser o que é realmente necessário.[17][18]

Distúrbios intelectuais e do desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Algumas pessoas que têm distúrbios do desenvolvimento, como autismo,[19][20] TDAH e deficiência intelectual[21] podem ser mais vulneráveis às birras do que outras, embora qualquer pessoa que sofra danos cerebrais (temporários ou permanentes) possa sofrer de birras.[22] Qualquer pessoa pode estar sujeita a birras de vez em quando, independentemente de sexo ou idade.[23][24] No entanto, um colapso devido à sobrecarga sensorial (que até crianças neurotípicas podem experimentar) não é o mesmo que uma birra.[25]

Aberrações[editar | editar código-fonte]

Freud considerou que o desenvolvimento do Homem Lobo das birras estava ligado à sua sedução por sua irmã: ele ficou "descontente, irritado e violento, se ofendeu em todas as ocasiões possíveis, e então ficou furioso e gritou como um selvagem".[26] Freud vinculou as birras a uma necessidade inconsciente de punição motivada por sentimentos de culpa[27] algo que ele pensou que poderia ser generalizado para muitos outros casos de birras na infância.[28]

Heinz Kohut sustentou que as birras eram ataques de raiva narcisistas,[29] causadas pelo impedimento do grandioso núcleo da criança — exibicionista. O golpe na auto-imagem inflada, quando os desejos de uma criança são (ainda que justificadamente) recusados, cria fúria porque atinge o sentimento de onipotência.[30]

O ciúme do nascimento de um irmão e a consequente agressão também podem provocar birras negativistas, pois o esforço para controlar os sentimentos sobrecarrega o sistema de autorregulação da criança.[31][32]

Vida posterior[editar | editar código-fonte]

O escritor William Makepeace Thackeray afirmou que, na vida posterior, "você pode dizer uma birra, tanto quanto você pode ver, pela expressão angustiada e insatisfeita de seu semblante — 'birrento', se é que podemos chamar assim".[33]

Heinz Kohut sustentou que "é provável que o núcleo da criança contenha uma parte exponencial grandiosa e egocêntrica", e que "as birras por estar frustrado representam, portanto, fúria narcisista"[29] no golpe para a auto-imagem inflada. Com "uma criança confrontada com alguma recusa [...] independentemente de suas justificativas, a recusa provoca automaticamente fúria, pois ofende seu senso de onipotência".[30]

A disposição das celebridades de dar chiliques sempre que frustradas[34] é uma espécie de Narcisismo Situacional Adquirido[35] ou comportamento birrento.

Se as birras são mostradas pelos idosos, muitas vezes podem ser sinais de imaturidade e uma deficiência mental; no entanto, muitas pessoas podem tê-las sob estresse extremo.[36]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Uma variação da expressão "dar chilique" é "dar piti".

Referências

  1. a b Penelope Leach. «What is a tantrum?». BabyCentre 
  2. a b «Temper Tantrums». KidsHealth 
  3. Karisa Ding. «Tantrums». BabyCenter 
  4. Jan Hunt. «When a Child Has a Tantrum». The Natural Child Project 
  5. Mullen. «Understanding and managing the temper tantrum». Child Care Quarterly. 12: 59–70. doi:10.1007/BF01258080 
  6. Geelerd. «Observations on temper tantrums in children». American Journal of Orthopsychiatry. 15: 238–246. doi:10.1111/j.1939-0025.1945.tb04937.x 
  7. Daniels. «Assessment, management, and prevention of childhood temper tantrums». Journal of the American Academy of Nurse Practitioners. 24: 569–573. PMID 23006014. doi:10.1111/j.1745-7599.2012.00755.x 
  8. Banham Bridges. «Emotional Development in Early Infancy». Child Development. 3: 324–341. JSTOR 1125359. doi:10.1111/j.1467-8624.1932.tb05842.x 
  9. Robin Skynner; John Cleese (1993). Families and how to survive them. [S.l.: s.n.] 
  10. Isaacs. «Temper tantrums in early childhood in their relation to internal objects.». The International Journal of Psychoanalysis. 21: 280–293 
  11. Solter. «Understanding Tears and Tantrums». Young Children. 47: 64–68. JSTOR 42725308 
  12. «Temper Tantrums in Young Children». Journal of Developmental & Behavioral Pediatrics. 24: 140–147. PMID 12806225. doi:10.1097/00004703-200306000-00002 
  13. Green. «Screaming, yelling, whining, and crying: Categorical and intensity differences in vocal expressions of anger and sadness in children's tantrums.». Emotion. 11: 1124–1133. PMC 3192404Acessível livremente. PMID 21707157. doi:10.1037/a0024173 
  14. Roy Benaroch (2008). Solving Health and Behavioral Problems from Birth Through Preschool. [S.l.: s.n.] 
  15. Kopp. «Regulation of distress and negative emotions: A developmental view.». Developmental Psychology. 25: 343–354. doi:10.1037/0012-1649.25.3.343 
  16. Levine. «Young Children's Understanding of the Causes of Anger and Sadness». Child Development. 66: 967–709. JSTOR 1131944 
  17. Patrick Casement (1990). Further Learning from the Patient. [S.l.: s.n.] 
  18. Selma H. Fraiberg (1987). The Magic Years. [S.l.: s.n.] 
  19. Margolies. «Behavioral approaches to the treatment of early infantile autism: A review.». Psychological Bulletin. 84: 249–264. doi:10.1037/0033-2909.84.2.249 
  20. Lord, C. (1993). «Early Social Development in Autism». In: Edsopler; Bourgondien; Bristol. Preschool Issues in Autism. Plenum Press. Nova Iorque: [s.n.] pp. 61–94 
  21. Luiselli. «Providing Instruction from Novel Staff as an Antecedent Intervention for Child Tantrum Behavior in a Public School Classroom». Education and Treatment of Children. 25: 356–365. JSTOR 42899711 
  22. Lancioni. «Effects of gross motor activities on the severe self-injurious tantrums of multihandicapped individuals.». Applied Research in Mental Retardation. 5: 471–482. PMID 6240965. doi:10.1016/S0270-3092(84)80039-9 
  23. Sandra Ketcham. «Temper Tantrums and Autism». LoveToKnow 
  24. Osterman. «A Cross-Sectional Study of Onset, Cessation, Frequency, and Duration of Children's Temper Tantrums in a Nonclinical Sample». Psychological Reports. 106: 448–454. doi:10.2466/pr0.106.2.448-454 
  25. «Tantrum vs Autistic Meltdown: What Is The Difference?». Autism Awareness Centre Inc. 
  26. Sigmund Freud. Case Histories II (PFL 9). [S.l.: s.n.] 
  27. Sigmund Freud. Case Histories II (PFL 9). [S.l.: s.n.] 
  28. Sigmund Freud. Case Histories II (PFL 9). [S.l.: s.n.] 
  29. a b H. Goldenberg; I. Goldenberg (2007). Family Therapy. [S.l.: s.n.] 
  30. a b Edmund Bergler em J. Halliday/P. Fuller eds., The Psychology of Gambling (Londres, 1974) p. 182
  31. Selma H. Fraiberg (1987). The Magic Years. [S.l.: s.n.] 
  32. Dennis. «Emotional self-regulation in preschoolers: The interplay approach reactivity, and control capacities». Developmental Psychology. 42: 84–97. PMID 16420120. doi:10.1037/0012-1649.42.1.84 
  33. William Makepeace Thackeray (1848). The Irish Sketch Book. [S.l.: s.n.] 
  34. Cooper Lawrence, The Cult of Celebrity (2009) p. 72
  35. Simon Crompton, All about Me (Londres, 2007) p. 176
  36. «North Jersey». North Jersey 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Birra