Filípicas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com a obra de mesmo nome de Cícero, as "Filípicas".

Filípicas é um ardente, discurso condenável, ou discurso, para condenar uma figura política particular. O termo é mais conhecido como associado a dois oradores famosos do mundo antigo: Cícero da Roma Antiga e Demóstenes da Antiga Atenas. O próprio termo é derivado dos discursos de Demóstenes em 351 a.C. denunciando as ambições imperialistas de Filipe II da Macedônia, que mais tarde veio a ser conhecido como Filípicas.[1]

Grécia[editar | editar código-fonte]

Os "filípicos" originais foram proferidos por Demóstenes, um estadista ateniense e orador na Grécia clássica que fez vários ataques a Filipe II da Macedônia no século 4 a.C.

Um primeiro, segundo e terceiro filípicos foram atribuídos a Demóstenes. Uma Quarta Filipica também existe, mas é de autoria disputada.[2][3][4][5][6]

Roma[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Filípicas (Cícero)

Cícero conscientemente modelou suas próprias condenações de Marco Antônio nos discursos de Demóstenes, e se a correspondência entre Marco Junius Brutus, o Jovem, e Cícero é genuína [ad Brut. ii 3.4, ii 4.2].

Após a morte de César, Cícero expressou em particular seu pesar de que os assassinos de César não tivessem incluído Antônio em sua trama e direcionou seus esforços para desacreditá-lo. Cícero até promoveu ações ilegais, como legitimar o exército particular de Gaius Octavius, ou Otaviano. Ao todo, Cícero entregou quatorze Filípicas em menos de dois anos. O foco de Cícero em Antônio, no entanto, contribuiu para sua queda, pois ele falhou em reconhecer a ameaça de Otaviano ao seu ideal republicano.

Os ataques de Cícero a Antônio não foram perdoados nem esquecidos, com o resultado de que Cícero foi proscrito e morto em 43 a.C. Sua cabeça e mãos foram exibidas publicamente no Fórum Romano para desencorajar qualquer um que se opusesse ao novo Triunvirato de Otaviano, Marco Antônio e Lépido.

Segundo o historiador romano Tácito, essa obra, junto com o Pro Milone, In Catilinam e In Verrem, tornou Cícero famoso, e grande parte de sua carreira política surgiu do efeito dessas obras.[2][3][4][5][6]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Philippic definition and meaning | Collins English Dictionary». www.collinsdictionary.com (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2021 
  2. a b M. Tulli Ciceronis Orationes tom. II. Recognovit brevique adnotatione critica instruxit Albertus Curtis Clark (Scriptorvm Classicorvm Bibliotheca Oxoniensis), typogr. ND der Ausgabe Oxford 2. Auflage 1918
  3. a b Marcus Tullius Cicero. Die politischen Reden, Band 3. Lateinisch-deutsch. Herausgegeben, übersetzt und erläutert von Manfred Fuhrmann, Darmstadt 1993.
  4. a b Stroh, Wilfried: Ciceros Philippische Reden: Politischer Kampf und literarische Imitation. In: Meisterwerke der antiken Literatur: Von Homer bis Boethius, hrsg. von Martin Hose, München 2000, 76-102
  5. a b Hall, Jon: The Philippics, in: Brill's Companion to Cicero. Oratory and Rhetoric, hrsg. von James M. May, Leiden-Boston-Köln 2002, 273-304
  6. a b Manuwald, Gesine: Eine Niederlage rhetorisch zum Erfolg machen: Ciceros Sechste Philippische Rede als paradigmatische Lektüre, in: Forum Classicum 2 (2007) 90-97
Ícone de esboço Este artigo sobre Roma Antiga e o Império Romano é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.