Roma Antiga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Nota: Romano e romana redirecionam para este artigo. Para outros significados dos termos, veja Romanos e Romana (desambiguação).



Roma Antiga
753 a.C. – 476

Brasão de Roma Antiga

Brasão

Localização de Roma Antiga
Animação da evolução territorial do Estado romano.
Continente Eurásia e África
Capital Roma (753 a.C.-330)
Várias capitais (330–476)
Língua oficial Latim
Governo Reino (753-509 a.C.)
República (509-27 a.C.)
Império (27 a.C.-476 d.C.)
Período histórico Antiguidade
 • 753 a.C. Fundação de Roma
 • 509 a.C. Queda de Tarquínio, o Soberbo
 • 27 a.C. Otaviano proclamado Augusto
 • 476 Queda do Império Romano do Ocidente

Roma Antiga foi uma civilização itálica que surgiu no século VIII a.C. Localizada ao longo do mar Mediterrâneo e centrada na cidade de Roma, na península Itálica, expandiu-se para se tornar um dos maiores impérios do mundo antigo,[1] com uma estimativa de 50 a 90 milhões de habitantes (cerca de 20% da população global na época[2][3]) e cobrindo 6,5 milhões de quilômetros quadrados no seu auge entre os séculos I e II.[4][5][6]

Em seus cerca de doze séculos de existência, a civilização romana passou de uma monarquia para a república clássica e, em seguida, para um império cada vez mais autocrático. Através da conquista e da assimilação, ele passou a dominar a Europa Ocidental e Meridional, a Ásia Menor, o Norte da África e partes da Europa Setentrional e Oriental. Roma foi preponderante em toda a região do Mediterrâneo e foi uma das mais poderosas entidades políticas do mundo antigo. É muitas vezes agrupada na Antiguidade Clássica, juntamente com a Grécia Antiga e culturas e sociedades semelhantes, que são conhecidas como o mundo greco-romano.

A sociedade romana antiga contribuiu para o governo, o direito, a política, a engenharia, as artes, a literatura, a arquitetura, a tecnologia, a guerra, as religiões, as línguas e as sociedade modernas. Como uma civilização altamente desenvolvida, Roma profissionalizou e expandiu suas forças armadas e criou um sistema de governo chamado res publica, a inspiração para repúblicas modernas,[7][8][9] como os Estados Unidos e a França. Conseguiu feitos tecnológicos e arquitetônicos impressionantes, tais como a construção de um amplo sistema de aquedutos e estradas, bem como a construção de grandes monumentos, palácios e instalações públicas. Até o final da República (27 a.C.), Roma tinha conquistado as terras em torno do Mediterrâneo e além: seu domínio se estendia do oceano Atlântico à Arábia e da boca do Reno ao norte da África. O Império Romano surgiu com o fim da República e da ditadura de Augusto. Os 721 anos de Guerras Romano-Persas começaram em 92 a.C. com a sua primeira guerra contra o Império Parta. Este se tornaria o mais longo conflito da história humana e teve grandes efeitos e consequências duradouros para ambos os impérios. Sob Trajano, o Império atingiu o seu pico territorial. Os costumes e as tradições republicanas começaram a diminuir durante o período imperial, com guerras civis tornando-se um prelúdio comum para o surgimento de um novo imperador.[10][11][12]

Estados dissidentes, como o Império de Palmira, iriam dividir temporariamente o império durante a crise do terceiro século. Atormentado pela instabilidade interna e atacado pelas invasões bárbaras, a parte ocidental do império fragmentou-se no século V, o que é visto como um marco pelos historiadores, que usam para dividir a Antiguidade Tardia da Idade das Trevas na Europa. A parte oriental do império permaneceu como uma potência durante toda a Idade Média, até a sua queda em 1453. Embora os cidadãos do império não fizessem tal distinção, o Império Oriental é mais comumente referido como "Império Bizantino" para diferenciá-lo do Estado da Antiguidade no qual ele nasceu.[13]

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História de Roma

Fundação[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Fundação de Roma
Loba capitolina: Segundo a lenda, o animal teria amamentado os gêmeos Rômulo e Remo

Os primeiros habitantes de Roma, os latinos e sabinos, integram o grupo de populações indo-europeias originárias da Europa Central que vieram para a península Itálica em ondas sucessivas em meados do milênio II a.C.; Velho Lácio (Latium Vetus) era o antigo território dos latinos, atualmente o sul do Lácio; em caso de perigo, as habitações latino-sabinas uniam-se em confederações para enfrentar seus inimigos.[b] As colinas de Roma começaram a ser ocupadas nos primórdios do milênio I a.C.; restos arqueológicos datados entre os séculos XIV-X a.C. são as primeiras evidências de habitação no monte Palatino.[14][15] Três recintos muralhados sucessivos sobrepostos foram datados no local, dois dos séculos VIII-VII a.C. e um dos séculos VII-VI a.C.[16]

Mito[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Eneias, Rômulo e Remo e Rômulo

Conforme a versão lendária da fundação de Roma, relatada em diversas obras literárias romanas, tais como a Ab Urbe condita libri (literalmente, "desde a fundação da Cidade"), de Tito Lívio, e a Eneida, do poeta Virgílio, Eneias, príncipe troiano filho de Vénus, fugindo de sua cidade, destruída pelos gregos, chegou ao Lácio e se casou com uma filha de um rei latino. Seus descendentes, Rómulo e Remo, filhos de Reia Sílvia, rainha da cidade de Alba Longa, com o deus Marte, foram jogados por Amúlio, rei da cidade, no rio Tibre. Mas foram salvos por uma loba que os amamentou, tendo sido, em seguida, encontrados por camponeses. Conta ainda a lenda que, quando adultos, os dois irmãos voltaram a Alba Longa, depuseram Amúlio e em seguida fundaram Roma, em [753 a.C. A data tradicional da fundação (21 de abril de 753 a.C.[17]) foi convencionada bem mais tarde por Públio Terêncio Varrão, atribuindo uma duração de 35 anos a cada uma das sete gerações correspondentes aos sete mitológicos reis. Segundo a lenda, Rômulo matou o irmão e se transformou no primeiro rei de Roma.[18]

Reino[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Reino de Roma

A documentação do período monárquico de Roma encontrada até hoje é muito precária, o que torna este período menos conhecido que os períodos posteriores. Várias dessas anotações registram a sucessão de sete reis, começando com Rômulo em 753 a.C., como representado nas obras de Virgílio (Eneida) e Tito Lívio (História de Roma). A região do Lácio foi habitada por vários povos. Além dos latinos, os etruscos tiveram um papel importante na história da monarquia de Roma, já que vários dos reis tinham origem etrusca.[19]

O último rei de Roma teria sido Tarquínio, o Soberbo (r. 534–509 a.C.) que, em razão de seu desejo de reduzir a importância do senado na vida política romana, acabou sendo expulso da cidade e também assassinado. Este foi o fim da monarquia em Roma. Durante esse período, o monarca (rei) acumulava os poderes executivo, judicial e religioso, e era auxiliado pelo senado, ou conselho de anciãos, que detinha o poder legislativo e de veto, decidindo aprovar, ou não, as leis criadas pelo rei.[19]

República[editar | editar código-fonte]

Busto associado a Lúcio Júnio Bruto, que liderou a revolta contra o último rei de Roma
Museus Capitolinos

De acordo com a tradição e escritores posteriores como Tito Lívio, a República Romana foi fundada por volta de 509 a.C.,[20] quando o último dos sete reis de Roma, Tarquínio, o Soberbo, foi deposto por Lúcio Júnio Bruto e um sistema baseado em magistrados eleitos anualmente e em várias assembleias representativas foi estabelecido.[21] Uma constituição estabeleceu uma série de pesos e contrapesos e a separação de poderes. Os magistrados mais importantes eram os dois cônsules, que juntos exerciam autoridade executiva, como o imperium, ou o comando militar.[22] Os cônsules tiveram que trabalhar com o senado, que inicialmente era um conselho consultivo da nobreza, ou patrícios, mas cresceu em tamanho e poder.[23]

Outros magistrados da República incluem tribunos, questores, edis, pretores e censores.[24] As magistraturas eram originalmente restritas a patrícios, mas depois foram abertas para pessoas comuns ou plebeus.[25] Assembleias republicanas de votação incluíam a assembleia das centúrias, que votava sobre assuntos de guerra e paz e elegia homens para os cargos mais importantes, e a assembleia tribal, que elegia cargos menos importantes.[26]

No século IV a.C., Roma havia sido atacada pelos gauleses, que agora estendiam seu poder na península Itálica além do vale do Pó e através da Etrúria. Em 16 de julho de 390 a.C., um exército gaulês sob a liderança de um chefe tribal chamado Breno encontrou os romanos às margens do rio Ália, a apenas 16 quilômetros ao norte de Roma. Breno derrotou os romanos e os gauleses marcharam diretamente para a cidade de Roma. A maioria dos romanos tinha fugido, mas alguns se trancaram no Capitólio para uma última resistência. Os gauleses saquearam e incendiaram a cidade, depois cercaram o monte Capitolino.[27]

Cícero denuncia Catilina, afresco que representa o senado romano reunido na Cúria Hostília
Palazzo Madama, Roma

O cerco durou sete meses, os gauleses concordaram em dar paz aos romanos em troca de 1.000 libras de ouro. Segundo uma lenda posterior, os romanos que supervisionavam a pesagem notaram que os gauleses estavam usando falsas escamas. Os romanos pegaram em armas e derrotaram os gauleses; seu general vitorioso, Marco Fúrio Camilo, comentou: "Com ferro, não com ouro, Roma compra sua liberdade".[27]

Os romanos gradualmente subjugaram os outros povos na península Itálica, incluindo os etruscos.[28] A última ameaça à hegemonia romana na Itália veio quando Tarentum, uma importante colônia grega, recrutou a ajuda de Pirro de Épiro em 281 a.C., mas este esforço também fracassou.[29][28] Os romanos garantiram suas conquistas fundando colônias romanas em áreas estratégicas, estabelecendo assim um controle estável sobre a região da Itália que já haviam conquistado.[28]

Guerras Púnicas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guerras Púnicas

No século III a.C., Roma enfrentou um novo e formidável adversário: Cartago, uma rica e próspera cidade fenícia que pretendia dominar a região do mar Mediterrâneo. As duas cidades eram aliadas nos tempos de Pirro, que era uma ameaça para ambas, mas com a hegemonia de Roma na Itália continental e a talassocracia cartaginesa, essas cidades se tornaram as duas maiores potências no Mediterrâneo Ocidental e sua disputa pela região levou ao conflito. A Primeira Guerra Púnica começou em 264 a.C., quando a cidade de Messana pediu a ajuda de Cartago em seus conflitos com Hierão II de Siracusa. Após a intercessão cartaginesa, Messana pediu a Roma para expulsar os cartagineses. Roma entrou nessa guerra porque Siracusa e Messana estavam muito próximas das recém-conquistadas cidades gregas do sul da Itália e Cartago agora podia fazer uma ofensiva através do território romano; junto com isto, Roma poderia estender seu domínio sobre a Sicília.[30] Embora os romanos tivessem experiência em batalhas terrestres, para derrotar este novo inimigo, batalhas navais eram necessárias. Cartago era uma potência marítima e a falta de navios de experiência naval entre os romanos tornariam o caminho da vitória longo e difícil para a República Romana. Apesar disto, depois de mais de 20 anos de guerra, Roma derrotou Cartago e um tratado de paz foi assinado. Entre as razões para a Segunda Guerra Púnica[31] estavam as reparações de guerra subsequentes em que Cartago aceitou no final da Primeira Guerra Púnica.[32]

Aníbal e seus homens cruzando os Alpes

A Segunda Guerra Púnica começou com a audaciosa invasão da Hispânia por Aníbal, o general cartaginês que liderara as operações na Sicília na Primeira Guerra Púnica. Aníbal, filho de Amílcar Barca, rapidamente marchou através da Hispânia para os Alpes italianos, causando pânico entre os aliados italianos de Roma. A melhor maneira encontrada para derrotar o propósito de Aníbal de causar os italianos a abandonar Roma foi para atrasar os cartagineses com uma guerra de atrito, uma estratégia proposta por Fábio Máximo, que seria apelidado Cunctator ( "retardado", em latim). Devido a isso, o objetivo de Aníbal foi inalterado: ele não poderia fazer com que cidades itálicas em número suficiente se revoltassem contra Roma e reabastecer seu exército cada vez menor, sendo assim, ele não tinha as máquinas e os recursos humanos para sitiar Roma. Ainda assim, a invasão de Aníbal durou mais de 16 anos, devastando a Itália. Finalmente, quando os romanos perceberam que os suprimentos de Aníbal estavam acabando, eles enviaram Cipião, que havia derrotado o irmão de Aníbal, Asdrúbal, na Hispânia, para invadir o interior cartaginês desprotegido e forçar Aníbal a voltar para defender Cartago. O resultado foi o final da Segunda Guerra Púnica pela famosa e decisiva Batalha de Zama, em outubro de 202 a.C., que deu a Cipião seu agnome Africano. A grande custo, Roma obteve ganhos significativos: a conquista da Hispânia por Cipião e de Siracusa, o último reino grego na Sicília, por Marcelo.[33]

Quando em 151 a.C., a Numídia, um Estado cliente de Roma, invadiu Cartago, a cidade pediu intercessão romana. Embaixadores foram enviados para Cartago, entre eles Marco Pórcio Catão, que depois de ver que Cartago poderia voltar a recuperar sua importância política e militar, passou a terminar todos os seus discursos, não importa qual assunto fosse, dizendo: "Ceterum censeo Carthaginem esse delendam" ("Além disso, acho que Cartago deve ser destruída"). Como Cartago lutou contra a Numídia sem o consentimento romano, a Terceira Guerra Púnica começou quando Roma declarou guerra em 149 a.C.. Cartago resistiu bem no primeiro ataque, com a participação de todos os habitantes da cidade. No entanto, ela não suportou ao ataque de Cipião Emiliano, que destruiu inteiramente a cidade e suas muralhas, escravizou e vendeu todos os cidadãos e ganhou o controle daquela região, que se tornou a província da África Proconsular. Todas essas guerras resultaram nas primeiras conquistas ultramarinas de Roma (Sicília, Hispânia e África) e a ascensão de Roma como uma potência imperial significativa, o que deu início ao fim da democracia.[34][35]

César e Primeiro Triuvirato[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Júlio César e Primeiro Triunvirato

Depois de derrotar os impérios Macedônio e Selêucida no século II a.C., os romanos se tornaram o povo dominante do mar Mediterrâneo.[36][37] A conquista dos reinos helenísticos aproximou as culturas romana e grega e a elite romana, antes rural, tornou-se luxuosa e cosmopolita. Naquela época, Roma era um império consolidado - na visão militar - e não tinha grandes inimigos. O domínio estrangeiro levou a conflitos internos. Os senadores ficam ricos às custas das províncias; os soldados, na maioria agricultores de pequena escala, estavam fora de casa por mais tempo e não podiam manter suas terras; e o aumento da dependência de escravos estrangeiros e o crescimento dos latifúndios reduziram a disponibilidade de trabalho remunerado.[38][39]

A renda do espólio de guerra, o mercantilismo nas novas províncias e a criação de impostos criaram novas oportunidades econômicas para os ricos, formando uma nova classe de comerciantes, chamada de ordem equestre.[40] A lex Claudia proibiu os membros do Senado de se engajarem no comércio e, apesar dos equestres teoricamente poderem se juntar ao Senado, eles eram severamente restringidos do poder político.[40][41] Gangues violentas de desempregados urbanos, controladas por senadores rivais, intimidavam o eleitorado por meio da violência. A situação chegou ao auge no final do século II a.C. sob os irmãos Gracos, um par de tribunos que tentaram aprovar uma legislação de reforma agrária que redistribuiria as principais propriedades patrícias entre os plebeus. Ambos os irmãos foram mortos e o Senado aprovou reformas revertendo as ações deles.[42]

Em meados do século I a.C., a política romana estava inquieta. As divisões políticas em Roma eram identificadas em dois grupos, populares (que esperavam o apoio do povo) e os optimates (os "melhores", que queriam manter o controle aristocrático exclusivo). Sula derrubou todos os líderes populistas e suas reformas constitucionais removeram poderes (como os do tribuno da plebe) que apoiaram abordagens populistas. Enquanto isso, os estresses social e econômico continuaram a crescer; Roma havia se tornado uma metrópole com uma aristocracia super-rica, aspirantes endividados e um grande proletariado, frequentemente de fazendeiros empobrecidos. Os últimos grupos apoiaram a Conspiração Catilinária - um fracasso retumbante, já que o cônsul Marcus Tullius Cicero rapidamente prendeu e executou os principais líderes da conspiração.[43]

Sobre esta cena turbulenta surgiu Caio Júlio César, de uma família aristocrática de riqueza limitada. Sua tia Júlia era a esposa de Marius[44] e César identificou-se com os populares. Para alcançar o poder, César reconciliou os dois homens mais poderosos de Roma: Marcus Licinius Crassus, que financiara grande parte de sua carreira anterior, e o rival de Crasso, Gnaeus Pompeius Magnus (ou Pompeu), com quem sua filha se casou. Ele os formou em uma nova aliança informal, que incluía ele mesmo e era chamada de Primeiro Triunvirato ("três homens"). Isso satisfez os interesses de todos os três: Crasso, o homem mais rico de Roma, tornou-se ainda mais rico e finalmente alcançou o alto comando militar; Pompeu passou a exercer mais influência no Senado; e César obteve o consulado e o comando militar na Gália. Enquanto pudessem concordar, os três eram os governantes de facto de Roma.[45]

A Morte de César, por Vincenzo Camuccini (1805)

Em 54 a.C., a filha de César, esposa de Pompeu, morreu no parto, desvendando um elo da aliança. Em 53 a.C., Crasso invadiu o Império Arsácida e foi morto na Batalha de Carras. O triunvirato desintegrou-se com a morte de Crasso, que atuava como mediador entre César e Pompeu. Sem ele, os dois generais passaram a atacar um ao outro pelo poder. César conquistou a Gália, obtendo imensa riqueza, respeito em Roma e a lealdade de legiões endurecidas pela batalha. Ele também se tornou uma clara ameaça para Pompeu e era detestado por muitos optimates. Confiante de que César poderia ser impedido por meios legais, o partido de Pompeu tentou tirar de César suas legiões, um prelúdio para o julgamento, o empobrecimento e o exílio de César.[46]

Para evitar esse destino, César atravessou o rio Rubicão e invadiu Roma em 49 a.C.. Pompeu e seu grupo fugiram da Itália, perseguidos por César. A Batalha de Farsalo foi uma brilhante vitória para César e nesta e em outras campanhas ele destruiu todos os líderes dos optimates: Metelo Cipião, Catão, o Jovem, e o filho de Pompeu, Cneu Pompeu. Pompeu foi assassinado no Egito em 48 a.C.. César era agora dominante sobre Roma, o que atraiu a amarga inimizade de muitos aristocratas. Ele recebeu muitos cargos e honras. Em apenas cinco anos, ele obteve quatro consulados, duas ditaduras comuns e duas ditaduras especiais: uma por dez anos e outra pela perpetuidade. Ele foi assassinado em 44 a.C., nos idos de março pelos Liberatores.[47]

Otaviano e Segundo Triunvirato[editar | editar código-fonte]

A República Romana em 44 a.C.

O assassinato de César causou tumulto político e social em Roma; sem a liderança do ditador, a cidade era governada por seu amigo e colega, Marco Antônio. Logo depois, Otaviano, a quem César adotou por sua vontade, chegou a Roma. Otaviano (historiadores consideram Otávio como Octaviano devido às convenções de nomenclatura romana) tentou se alinhar com a facção cesariana. Em 43 a.C., junto com Antônio e Marco Emílio Lépido, o melhor amigo de César,[48] ele estabeleceu legalmente o Segundo Triunvirato. Esta aliança duraria cinco anos. Após sua formação, 130 a 300 senadores foram executados e suas propriedade foram confiscadas, devido ao suposto apoio aos Liberatores.[49]

Em 42 a.C., o Senado deificou César como Divino Júlio; Otaviano tornou-se assim Divino Filho,[50] o filho do deificado. No mesmo ano, Otaviano e Antônio derrotaram os assassinos de César e os líderes dos Liberatores, Marcus Junius Brutus e Caio Cássio Longino, na Batalha de Filipos. O Segundo Triunvirato foi marcado pelas proibições de muitos senadores e equestres: depois de uma revolta liderada pelo irmão de Antônio, Lucius Antonius, mais de 300 senadores e equestres envolvidos foram executados no aniversário dos Idos de Março, embora Lúcio tenha sido poupado.[51] O triunvirato proscrevia vários homens importantes, incluindo Cícero, a quem Antônio odiava;[52] Quinto Túlio Cícero, o irmão mais novo do orador; e Lúcio Júlio César, primo e amigo do aclamado general, por seu apoio a Cícero. No entanto, Lúcio foi perdoado, talvez porque sua irmã Júlia tenha intervido por ele.[53]

A família flaviana representada em Triunfo de Tito, por Lawrence Alma-Tadema, 1885

O Triunvirato dividiu o Império entre os triúnviros: Lépido foi encarregado da África, Antônio das províncias orientais e Otaviano permaneceu na Itália e controlava a Hispânia e a Gália. O Segundo Triunvirato expirou em 38 a.C., mas foi renovado por mais cinco anos. No entanto, a relação entre Otaviano e Antônio se deteriorou e Lépido foi forçado a se aposentar em 36 a.C., depois de trair Otaviano na Sicília. No final do Triunvirato, Antônio vivia no Egito ptolomaico, um reino independente e rico governado por sua amante, Cleópatra VII. O caso de Antônio com Cleópatra era visto como um ato de traição, já que ela era rainha de outro país. Além disso, Antônio adotou um estilo de vida considerado muito extravagante e helênico para um estadista romano.[54]

Após as Doações de Alexandria feitas por Antônio, que deram a Cleópatra o título de "Rainha dos Reis" e aos filhos de Antônio e Cleópatra os títulos régios dos recém-conquistados territórios orientais, eclodiu a guerra entre Otaviano e Antônio. Otaviano aniquilou as forças egípcias na Batalha de Ácio em 31 a.C.. Antônio e Cleópatra se suicidaram, o Egito havia sido conquistado pelo Império Romano e, para os romanos, uma nova era havia começado.

Império[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Império Romano

Em 27 a.C. e com a idade de 36 anos, Otaviano era o único líder romano. Naquele ano, ele tomou o nome de Augusto. Esse evento é geralmente considerado pelos historiadores como o início do Império Romano - embora Roma fosse um estado "imperial" desde 146 a.C., quando Cartago foi arrasada por Cipião Emiliano e a Grécia foi conquistada por Lúcio Múmio. Oficialmente, o governo era republicano, mas Augusto assumiu poderes absolutos.[55][56] Sua reforma do governo provocou um período de dois séculos coloquialmente referido pelos romanos como Pax Romana.[57]

Dinastia júlio-claudiana[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Dinastia júlio-claudiana

A dinastia júlio-claudiana foi estabelecida por Augusto. Os imperadores desta dinastia foram: Augusto, Tibério, Calígula, Cláudio e Nero. A dinastia é assim chamada devido às gente Júlia, a família de Augusto, e as gente Cláudia a família de Tibério. Os júlio-claudianos iniciaram a destruição dos valores republicanos, mas, por outro lado, impulsionaram o estatuto de Roma como a principal potência do mundo antigo.[58]

Enquanto Calígula e Nero são geralmente lembrados como imperadores disfuncionais na cultura popular, Augusto e Cláudio são lembrados como imperadores que tiveram sucesso na política e nas forças armadas. Esta dinastia instituiu a tradição imperial em Roma[59] e frustrou qualquer tentativa de restabelecer a República.[60]

Dinastia flaviana[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Dinastia flaviana

Os flavianos foram a segunda dinastia a governar Roma. Por volta do ano 68, ano da morte de Nero, não houve chance de retorno à antiga e tradicional República Romana, assim um novo imperador teve que se levantar. Após o tumulto no Ano dos Quatro Imperadores, Tito Flávio Vespasiano (ou Vespasiano) assumiu o controle do Império e estabeleceu uma nova dinastia. Sob o domínio dos flavianos, Roma continuou sua expansão e o Estado permaneceu seguro.[61][62]

Dinastia nerva-antonina[editar | editar código-fonte]

Império em seu auge sob Trajano em 117
Ver artigo principal: Dinastia nerva-antonina

A dinastia nerva-antonina, que governou entre 96 a 192, foi o domínio dos imperadores Nerva, Trajano, Adriano, Antonino Pio, Marco Aurélio, Lúcio Vero e Cômodo. Durante seu governo, Roma atingiu seu apogeu territorial e econômico. Este foi um momento de paz para Roma. Os critérios para escolher um imperador eram as qualidades do candidato e não mais laços de parentesco; Além disso, não houve guerras civis ou derrotas militares neste período.[63]

Após o assassinato de Domiciano, o Senado rapidamente nomeou Nerva para manter a dignidade imperial. Esta foi a primeira vez que os senadores escolheram o imperador desde que Otaviano foi honrado com os títulos de príncipe e Augusto. Nerva tinha uma ascendência nobre e servira como conselheiro de Nero e dos flavianos. Seu governo restaurou muitas das liberdades assumidas por Domiciano e iniciou a última era de ouro de Roma.[64]

Dinastia severa[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Dinastia severa

Cômodo foi morto por uma conspiração envolvendo Quinto Emílio Leto e sua esposa Marcia no final de 192. O ano seguinte é conhecido como o Ano dos Cinco Imperadores, durante o qual Públio Hélvio Pertinax, Dídio Juliano, Pescênio Níger, Clódio Albino e Septímio Severo mantiveram a dignidade imperial. Pertinax, um membro do Senado que havia sido um braço direito de Marco Aurélio, foi a escolha de Leto e ele governou de forma vigorosa e judiciosa. Leto logo ficou com ciúmes e instigou o assassinato de Pertinax pela Guarda Pretoriana, que então leiloou o império para o maior lance, Dídio Juliano, por 25 000 sestércios por homem.[65]

O povo de Roma ficou horrorizado e apelou às legiões de fronteira para salvá-lo. As legiões de três províncias fronteiriças - Britânia, Panônia Superior e Síria - ressentiam-se de serem excluídas do "donativo" e respondiam declarando que seus generais individuais eram imperadores. Lúcio Septímio Severo Geta, o comandante da Panônia, subornou as forças adversárias, perdoou os guardas pretorianos e instalou-se como imperador. Ele e seus sucessores governaram com o apoio das legiões. As mudanças nas cunhagens e nos gastos militares foram a raiz da crise financeira que marcou a crise do terceiro século.[65]

Crise do terceiro século[editar | editar código-fonte]

As divisões internas do Império Romano formaram o Império de Palmira (em amarelo) e o Império das Gálias (em verde)

Um cenário desastroso surgiu após a morte de Alexandre Severo: o Estado romano foi atormentado por guerras civis, invasões externas, caos político, pandemias e depressão econômica.[66][34] Os antigos valores romanos haviam entrado em decadência e o mitraísmo e o cristianismo começaram a se espalhar pela população. Os imperadores não eram mais homens ligados à nobreza; eles geralmente nasceram em classes baixas de partes distantes do Império. Esses homens alcançaram proeminência através das fileiras militares e tornaram-se imperadores através de guerras civis.[67]

Houve 26 imperadores em um período de 49 anos, um sinal de instabilidade política. Maximino Trácio foi o primeiro imperador da época e governou por apenas três anos. Outros governaram apenas por alguns meses, como Gordiano I, Gordiano II, Balbino e Hostiliano. A população e as fronteiras foram abandonadas, uma vez que os imperadores estavam mais preocupados em derrotar seus rivais e em estabelecer seu domínio. A economia também sofreu durante essa época. Os enormes gastos militares do Severo causaram uma desvalorização das moedas romanas. A hiperinflação veio também nesse momento. A Praga de Cipriano estourou em 250 e matou uma grande parte da população.[68][69]

Em 260, as províncias da Síria Palestina, Ásia Menor e Egito separaram-se do resto do Estado romano para formar o Império Palmirense, governado pela rainha Zenóbia e centrado na cidade de Palmira. Nesse mesmo ano, o Império Gálico foi criado por Póstumo, mantendo controle sobre a Britânia e a Gália.[70] Estas regiões do império separaram-se de Roma depois da captura do imperador Valério pelos sassânidas da Pérsia, o primeiro governante romano a ser capturado por seus inimigos; foi um fato humilhante para os romanos.[68] A crise começou a retroceder durante os reinados de Cláudio Gótico (268-270), que derrotou os invasores godos, e Aureliano (271-275), que reconquistou os Impérios Gálico e Palmirensee.[71][72] A crise foi superada durante o reinado de Diocleciano.[67]

Dominato[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Dominato
Diocleciano[editar | editar código-fonte]

Em 284, Diocleciano foi saudado como imperador pelo exército oriental. Diocleciano resolveu a crise através de mudanças políticas e econômicas. Uma nova forma de governo foi estabelecida: a Tetrarquia. O Império foi dividido entre quatro imperadores, dois no Ocidente e dois no Oriente. Os primeiros tetrarcas foram Diocleciano (no Oriente), Maximiano (no Ocidente) e dois imperadores júnior, Galério (no Oriente) e Flávio Constâncio (no Ocidente). Para ajustar a economia, Diocleciano fez várias reformas tributárias.[73]

Diocleciano expulsou os persas que saquearam a Síria e conquistaram algumas tribos bárbaras com Maximiano. Ele adotou muitos comportamentos de monarcas orientais, como usar pérolas, sandálias e vestes douradas. Qualquer um na presença do imperador tinha agora que se prostrar[74] - um ato comum no Oriente, mas nunca praticado em Roma antes. Diocleciano não usou uma forma disfarçada de República, como os outros imperadores desde Augusto fizeram.[75] Entre 290 e 330, meia dúzia de novas capitais haviam sido estabelecidas pelos membros da Tetrarquia, oficialmente ou não: Antioquia, Nicomédia, Tessalônica, Sírmio, Mediolano (atual Milão) e Trier.[76]

Diocleciano também foi responsável por uma significativa perseguição aos cristãos. Em 303, ele e Galério iniciaram a perseguição e ordenaram a destruição de todas as igrejas e proibiram o culto cristão.[77] Diocleciano abdicou em 305 juntamente com Maximiano, assim, ele foi o primeiro imperador romano a renunciar ao cargo. Seu reinado terminou a forma tradicional de governo imperial, o Principado (de príncipe) e iniciou o Dominato (de Dominus, "Mestre").[78]

Constantino e Cristianismo[editar | editar código-fonte]
Maquete de Roma durante o reinado de Constantino (306-337)

Constantino assumiu o império como um tetrarca em 306. Ele conduziu muitas guerras contra os outros tetrarcas. Em primeiro lugar, ele derrotou Maxêncio em 312. Em 313, ele emitiu o Edito de Milão, que concedia liberdade para os cristãos professarem sua religião. Constantino foi convertido ao cristianismo, reforçando a fé cristã. Ele começou a cristianização do Império e da Europa - um processo concluído pela Igreja Católica durante a Idade Média.[79][80]

Ele foi derrotado pelos francos e pelos alamanos entre 306 e 308. Em 324, ele derrotou outro tetrarca, Licínio, e passou a controlar todo o império, como era antes de Diocleciano. Para celebrar suas vitórias e a relevância do cristianismo, ele reconstruiu Bizâncio e renomeou-a como a Nova Roma; mas a cidade logo ganhou o nome informal de Constantinopla ("Cidade de Constantino").[81][82]

Bizâncio serviu como uma nova capital para o Império, sendo que Roma havia perdido sua importância central desde a crise do terceiro século - Mediolano foi a capital ocidental de 286 a 330, até o reinado de Honório, quando Ravena foi transformada em capital, no século V.[83] As reformas administrativas e monetárias de Constantino, que reuniram o Império sob um imperador e reconstruíram a cidade de Bizâncio, mudaram o mundo antigo.[80]

Colapso[editar | editar código-fonte]

O Saque de Roma em 410, perpetrado pelos visigodos, foi a primeira vez em 800 anos que a capital romana caiu para um inimigo estrangeiro

Sob os últimos imperadores da dinastia constantiniana e da dinastia valentiniana, Roma perdeu batalhas decisivas contra o Império Sassânida e os bárbaros germânicos: em 363, o imperador Juliano, o Apóstata, foi morto na Batalha de Samarra contra os persas e a desastrosa Batalha de Adrianópolis custou a vida do imperador Valente (364-378); os vitoriosos godos nunca foram expulsos nem assimilados pelo Império.[84] O imperador seguinte, Teodósio I (379-395), deu ainda mais força à fé cristã e, após sua morte, o Império foi dividido em Império Romano do Oriente, governado por Arcádio, e o Império Romano do Ocidente, comandado por Honório, ambos dos quais eram filhos de Teodósio. No final dos séculos IV e V, o Império Romano do Ocidente entrou em um estágio crítico que culminou em seu colapso.[85]

A situação tornou-se mais crítica em 408, após a morte de Estilicão, um general que tentou reunir o Império e repelir a invasão bárbara nos primeiros anos do século V. O exército profissional entrou em colapso. Em 410, a dinastia teodosiana viu os visigodos saquearem Roma.[86] Durante o século V, o Império do Ocidente experimentou uma redução significativa de seu território. Os vândalos conquistaram o norte da África, os visigodos reivindicaram a Gália, a Hispânia foi tomada pelos suevos, a Britânia foi abandonada pelo governo central e o Império sofreu ainda mais com as invasões de Átila, líder dos hunos.[87][88][89][90][91][92]

O general Orestes recusou-se a atender às exigências dos "aliados" bárbaros que agora formavam o exército e tentou expulsá-los da Itália. Infeliz com isso, seu chefe Odoacro derrotou e matou Orestes, invadiu Ravena e destronou Rômulo Augusto, filho de Orestes. Este evento, ocorrido em 476, geralmente marca o fim da Antiguidade Clássica e início da Idade Média na Europa.[93][94]

Após cerca de 1200 anos de independência e quase 700 anos como uma grande potência, o governo de Roma no Ocidente acabou.[95] Várias razões para a queda de Roma foram propostas desde então, incluindo o fim do republicanismo, a decadência moral, a tirania militar, a guerra de classes, a escravidão, a estagnação econômica, as mudanças ambientais, o surgimento de pandemias e o declínio do povo romano, assim como o inevitável fluxo e refluxo que todas as civilizações da história já experimentam. Na época, muitos pagãos argumentavam que o cristianismo e o declínio da religião romana tradicional eram os responsáveis pelo colapso do império; alguns pensadores racionalistas da era moderna atribuem a queda a uma mudança de uma religião marcial para uma religião mais pacifista, que diminuiu o número de soldados disponíveis; enquanto cristãos, como Agostinho de Hipona, argumentavam que a natureza pecaminosa da própria sociedade romana tinha sido a culpada pelo declínio.[96]

Império do Oriente (ou Bizantino)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Império Bizantino
O Império Bizantino em seu auge no ano de 555, durante o período de Justiniano

O Império do Oriente teve um destino diferente. Ele sobreviveu por quase 1000 anos após a queda de sua contraparte ocidental e se tornou o reino cristão mais estável da Idade Média. Durante o século VI, Justiniano reconquistou o norte da África e a península itálica. Mas poucos anos após a morte de Justiniano, as possessões bizantinas na Itália foram bastante reduzidas pelos lombardos, que se estabeleceram na região.[97]

No leste, parcialmente devido ao efeito enfraquecedor da Praga de Justiniano, os bizantinos foram ameaçados pela ascensão do islã. Seus seguidores rapidamente provocaram a conquista da Síria, a conquista da Armênia e a conquista do Egito durante as guerras bizantino-árabes, e logo representaram uma ameaça direta a Constantinopla.[98][99] No século seguinte, os árabes também capturaram o sul da Itália e a Sicília.[100]

Os bizantinos, no entanto, conseguiram impedir novas expansões islâmicas em suas terras durante o século VIII e, a partir do IX, recuperaram partes das terras conquistadas.[98][101] Em 1000, o Império do Oriente estava no auge: Basílio II reconquistou a Bulgária e a Armênia, período em que a cultura e o comércio floresceram.[102] No entanto, logo depois, esta expansão foi abruptamente interrompida em 1071 com a derrota bizantina na Batalha de Manziquerta. As consequências dessa batalha levaram o império a um longo período de declínio.[98]

Colapso[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Queda de Constantinopla

Duas décadas de lutas internas e invasões turcas acabaram levando o imperador Aleixo I Comneno a enviar um pedido de ajuda aos reinos da Europa Ocidental em 1095.[98] O Ocidente respondeu com as Cruzadas, o que eventualmente resultou no saque de Constantinopla pelos participantes da Quarta Cruzada. A conquista de Constantinopla em 1204 fragmentou o que restou do Império em Estados sucessores; o vencedor final foi o Império de Niceia.[103] Após a reconquista de Constantinopla pelas forças imperiais, o Império Bizantino era pouco mais que um Estado grego confinado à costa do mar Egeu. O Império entrou em colapso quando Maomé II, o Conquistador, tomou a cidade Constantinopla em 29 de maio de 1453.[104]

Sociedade[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Sociedade Romana e Cidadania romana
O Fórum Romano, o centro político, econômico, cultural e religioso da cidade durante a República e, mais tarde, durante o Império, está agora em ruínas

Os principais grupos sociais que se construíram em Roma eram os patrícios, os clientes, os plebeus e os escravos:[105][106]

  • Patrícios: eram grandes proprietários de terras, rebanhos e escravos. Desfrutavam de direitos políticos e podiam desempenhar altas funções públicas no exército, na religião, na justiça ou na administração. Eram os cidadãos romanos.[105][106]
  • Clientes: eram homens livres que se associavam aos patrícios, prestando-lhes diversos serviços pessoais em troca de auxílio econômico e proteção social. Constituíam ponto de apoio da dominação política e militar dos patrícios.[105][106]
  • Plebeus: eram homens e mulheres livres que se dedicavam ao comércio, ao artesanato e aos trabalhos agrícolas. Apesar da conotação do nome, havia plebeus ricos.[105][106]
  • Escravos: Representavam uma propriedade, e, assim, o senhor tinha o direito de castigá-los, de vendê-los ou de alugar seus serviços. Muitos escravos também eram eventualmente libertados.[105][106]

Família[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Casamento na Roma Antiga
Retrato de uma família romana

As unidades básicas da sociedade romana eram os lares e as famílias (ver gente),[107] que incluíam a cabeça da casa (geralmente o pai), pater familias (pai da família), sua esposa, filhos e outros parentes. Nas classes superiores, escravos e servos também faziam parte do lar.[107] O poder do chefe da família era supremo (patria potestas, "poder do pai") dentro da casa: ele podia forçar o casamento (geralmente por dinheiro) e o divórcio de seus filhos, vendê-los à escravidão, reivindicar a propriedade de seus dependentes ou até punir ou matar membros da família (embora esse último direito aparentemente tenha deixado de ser exercido após o século I a.C.).[108]

O patria potestas se estendia até a filhos adultos com seus próprios lares: um homem não era considerado um pater familias e nem podia verdadeiramente possuir bens, enquanto seu próprio pai estivesse vivo.[108][109] Durante o período inicial da história de Roma, uma filha, quando casava, caia sob o controle (manus) do pater familias da casa de seu marido, embora no final da República isto caído em desuso, visto que a mulher podia optar por continuar reconhecendo a família do pai como sua verdadeira família.[110] No entanto, como os romanos consideravam a descendência através da linhagem masculina, qualquer criança dela pertenceria à família de seu marido.[111]

Pouco carinho era mostrado às crianças de Roma. A mãe ou um parente idoso geralmente criava meninos e meninas. As crianças indesejadas eram frequentemente vendidas como escravas.[112] Em famílias nobres, uma enfermeira grega geralmente ensinava as crianças latinas e gregas. Seu pai ensinava os meninos a nadar e andar, embora às vezes ele contratasse um escravo para fazer isto. Aos sete anos, um menino começava a sua educação. Como não havia prédio da escola, as aulas eram realizadas em um telhado (se estivesse escuro, o menino teria que levar uma lamparina). Pranchas cobertas de cera eram usadas como papel, visto que papiro e pergaminho eram muito caros - ou ele podia apenas escrever na areia. Um pedaço de pão para ser comido também era levado.[113]

Educação[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Educação na Roma Antiga
Retrato de jovem lendo um rolo de papiro, Herculano, século I

No início da República, não havia escolas públicas, então os meninos eram ensinados a ler e escrever por seus pais, ou por escravos instruídos, chamados pedagogos, geralmente de origem grega.[114][115][116] O principal objetivo da educação durante esse período era treinar jovens na agricultura, na guerra, nas tradições romanas e nos assuntos públicos.[114] Os rapazes aprendiam muito sobre a vida cívica, acompanhando seus pais em funções religiosas e políticas, incluindo o Senado para os filhos dos nobres.[115]

Os filhos dos nobres eram aprendizes de uma figura política proeminente aos 16 anos e faziam campanha com o exército a partir dos 17 anos (esse sistema ainda estava em uso entre algumas famílias nobres na era imperial).[115] As práticas educacionais foram modificadas após a conquista dos reinos helenísticos no século III a.C. e a resultante influência grega, embora as práticas educacionais romanas ainda fossem muito diferentes das gregas.[115][117] Se seus pais pudessem pagar, meninos e algumas meninas com 7 anos de idade eram enviados para uma escola particular chamada ludus, onde um professor (chamado de litterator ou magister ludi, e muitas vezes de origem grega) lhes ensinava leitura, escrita, aritmética e, às vezes, grego, até a idade de 11 anos.[115][116][118]

Aos 12 anos, os estudantes passavam a frequentar as escolas secundárias, onde o professor (agora chamado de gramático) ensinava-lhes sobre a literatura grega e romana.[115][118] Aos 16 anos, alguns estudantes iam para a escola de retórica (onde o professor, geralmente grego, era chamado de retor).[115][118] A educação nesse nível preparava os estudantes para carreiras jurídicas e exigia que os alunos memorizassem as leis de Roma.[115]

Forças armadas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História militar da Roma Antiga

Exército[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Legião romana e Exército romano
Reencenação de soldados de uma legião romana em formação tartaruga

O antigo exército romano (c. 500 a.C.) era, como os de outras cidades-Estado contemporâneas influenciadas pela civilização grega, uma milícia cidadã que praticava táticas hoplitas. Era pequena (a população de homens livres em idade militar era então de cerca de 9 000) e organizada em cinco classes (paralelamente à assembleia das cúrias, o corpo de cidadãos organizado politicamente), sendo que três forneciam hoplitas e duas forneciam infantaria. O exército romano primitivo era limitado taticamente e sua postura durante esse período era essencialmente defensiva.[119][120][121]

Por volta do século III a.C., os romanos abandonaram a formação de hoplitas em favor de um sistema mais flexível, no qual grupos menores de 120 (ou às vezes 60) homens chamados manípulos podiam manobrar mais independentemente no campo de batalha. Trinta manípulos dispostos em três linhas com tropas de apoio constituíam uma legião, que totalizava entre 4 000 e 5 000 homens.[119][120]

A antiga legião republicana consistia em cinco seções, cada uma das quais era equipada de maneira diferente e tinha lugares distintos em formação: as três linhas de infantaria pesada manipular (hastados, príncipes e triários), uma força de infantaria leve (vélites) e a cavalaria (equestre). Com a nova organização surgiu uma nova orientação para a ofensiva e uma postura muito mais agressiva em relação às cidades-Estados adjacentes.[119][120]

Em plena força nominal, uma legião republicana primitiva incluía 4.000 a 5.000 homens: 3.600 a 4.800 de infantaria pesada, várias centenas de infantaria leve e várias centenas de cavaleiros.[119][122][123] As legiões eram significativamente insatisfatórias devido a falhas de recrutamento ou após períodos de serviço ativo devido a acidentes, vítimas de batalhas, doenças e deserções. Durante a Guerra Civil, as legiões de Pompeu no leste estavam em plena força, porque foram recrutadas recentemente, enquanto as legiões de Júlio César estavam frequentemente bem abaixo da força nominal após um longo serviço ativo na Gália. Esse padrão também se aplica a forças auxiliares.[124][125]

Encenação histórica do exército romano em manobras

No final da Guerra Civil, Augusto reorganizou as forças militares romanas, descarregando soldados e dispersando legiões. Ele manteve 28 legiões, distribuídas pelas províncias do Império.[126] Durante o Principado, a organização tática do exército continuou a evoluir. Os auxiliares continuaram coortes independentes e as tropas legionárias frequentemente operavam grupos de coortes em vez de legiões completas. Um novo tipo de unidade versátil - as coortes equestres - combinavam cavalaria e legionários em uma única formação. Elas poderiam ser estacionadas em guarnições ou postos avançados e poderiam lutar em suas próprias forças ou combinar-se com outras unidades similares como uma força maior do tamanho de uma legião. Esse aumento na flexibilidade organizacional ajudou a garantir o sucesso de longo prazo das forças militares romanas.[127]

O imperador Galiano (r. 253–268) iniciou uma reorganização que criou a última estrutura militar do Império tardio. Retirando alguns legionários das bases fixas na fronteira, ele criou forças móveis (os comitatenses ou exércitos de campo) e as estacionou atrás e a alguma distância das fronteiras como uma reserva estratégica. As tropas fronteiriças (limítanes) estacionadas em bases fixas continuaram a ser a primeira linha de defesa. A unidade básica do exército de campo era o "regimento", legiões ou auxiliares de infantaria e vexellationes para cavalaria. Evidências sugerem que forças nominais podem ter sido 1.200 homens para regimentos de infantaria e 600 para cavalaria, embora muitos registros mostrem níveis reais de tropas menores (800 e 400).[128]

Muitos regimentos de infantaria e cavalaria operavam em pares sob o comando de um conde. Além das tropas romanas, os exércitos de campanha incluíam regimentos de "bárbaros" recrutados de tribos aliadas e conhecidos como federados. Por volta de 400, os regimentos federados tornaram-se unidades permanentemente estabelecidas do exército romano, pagas e equipadas pelo Império, lideradas por um tribuno e usadas apenas como unidades romanas. Além dos federados, o Império também usou grupos de bárbaros para lutar junto com as legiões como "aliados" sem integração nos exércitos de campo. Sob o comando do alto general romano presente, eles eram conduzidos em níveis mais baixos por seus próprios oficiais.[128]

Marinha[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Marinha romana

Menos se sabe sobre a marinha romana do que sobre o exército romano. Antes de meados do século III a.C., oficiais conhecidos como duúnviros navais (duumviri navales) comandavam uma frota de vinte navios usados ​​principalmente para controlar a pirataria. Esta frota foi abandonada em 278 d.C. e substituída por forças aliadas. A Primeira Guerra Púnica exigiu que Roma construísse grandes frotas, o que fez em grande parte com a assistência e financiamento de aliados. Essa dependência de aliados continuou até o fim da República Romana. O quinquerreme era o principal navio de guerra em ambos os lados das Guerras Púnicas e permaneceu o esteio das forças navais romanas até ser substituído na era de César Augusto por embarcações mais leves e manobráveis.[129]

Em comparação com um trirreme, o quinquerreme permitia o uso de uma mistura de tripulantes experientes e inexperientes (uma vantagem para uma potência primariamente baseada em terra) e sua manobrabilidade menor permitia aos romanos adotar e aperfeiçoar táticas de embarque usando uma tropa de cerca de 40 fuzileiros navais. Os navios eram comandados por um navarco, uma patente igual a um centurião, que geralmente não era cidadão. Potter sugere que, como a frota era dominada por não-romanos, a marinha era considerada não romana e atrofiava em tempos de paz.[129]

Evidências sugerem que, na época do Império Tardio (350), a marinha romana compreendia várias frotas, incluindo navios de guerra e navios mercantes para transporte e abastecimento. Navios de guerra eram transportados por galeras com três a cinco bancos de remadores. As bases da frota incluíam portos como Ravena, Arles, Aquileia, Miseno e a foz do rio Somme, no oeste, e Alexandria e Rodes, no leste. As flotilhas de pequenas embarcações fluviais (classes) faziam parte das limítanes (tropas fronteiriças) durante este período, baseadas em portos fluviais fortificados ao longo dos rios Reno e Danúbio. Os proeminentes generais que comandaram os exércitos e as frotas sugerem que as forças navais eram tratadas como auxiliares do exército e não como um serviço independente. Os detalhes da estrutura de comando e das forças da frota durante este período não são bem conhecidos, embora as frotas fossem comandadas por prefeitos.[130]

Tecnologia[editar | editar código-fonte]

Representação da Via Ápia em seu auge, uma estrada que liga a cidade de Roma às partes do sul da Itália e que permanece utilizável até hoje.
Porta Nigra, parte de uma antiga muralha romana, em Tréveris, na Bélgica romana. Foi construída entre os anos 186 e 200.

A Roma Antiga ostentava impressionantes proezas tecnológicas, usando muitos avanços que foram perdidos na Idade Média e não foram superados até os séculos XIX e XX. Um exemplo disso é o vidro duplo, que não foi reinventado até a década de 1930. Muitas inovações romanas práticas foram adotadas a partir de projetos gregos anteriores. Avanços foram frequentemente divididos e baseados em artesanato. Os artesãos guardavam as tecnologias como segredos comerciais.[131]

A engenharia civil e a engenharia militar romanas constituíam grande parte da superioridade e do legado tecnológico de Roma e contribuíram para a construção de centenas de estradas, pontes, aquedutos, banhos, teatros e arenas. Muitos monumentos, como o Coliseu, a Pont du Gard e o Panteão, permanecem como testamentos da engenharia e da cultura romana. Os romanos eram famosos por sua arquitetura, que é agrupada com tradições gregas em "arquitetura clássica". Embora houvesse muitas diferenças em relação à arquitetura grega, Roma foi fortemente influenciada pela Grécia ao aderir a projetos e proporções de construções rigorosas e estereotipadas. Além de duas novas encomendas de colunas, compósitas e toscanas, e da cúpula, derivada do arco etrusco.[132]

No século I a.C., os romanos começaram a usar amplamente o concreto, que havia sido inventado no final do século III a.C.. Era um cimento poderoso derivado da pozolana e logo suplantou o mármore como o principal material de construção romano e permitiu muitas formas arquitetônicas ousadas.[133] Também no século I a.C., Vitrúvio escreveu De architectura, possivelmente o primeiro tratado completo sobre arquitetura da história. No final do século I a.C., Roma também começou a usar o vidro soprado logo após sua invenção na Síria por volta de 50 a.C..[134] Os mosaicos tomaram o Império depois que amostras foram recuperadas durante as campanhas de Sula na Grécia.[135]

Com bases sólidas e boa drenagem, as estradas romanas eram conhecidas por sua durabilidade e muitos segmentos do sistema viário romano ainda estavam em uso mil anos após a queda de Roma. A construção de uma vasta e eficiente rede de viagens por todo o Império aumentou dramaticamente o poder e a influência de Roma. Elas permitiram que legiões romanas fossem implantadas rapidamente, com tempos de marcha previsíveis entre os principais pontos do império, não importando a estação do ano.[136] Essas estradas também tinham enorme significado econômico, solidificando o papel de Roma como uma encruzilhada comercial - a origem do ditado "todos os caminhos levam a Roma". O governo romano mantinha um sistema de estações de caminho, conhecido como curso público, que fornecia alimentação para mensageiros em intervalos regulares ao longo das estradas e estabelecia um sistema de relés de cavalos, permitindo que um despacho viajasse até 80 km por dia.[137]

Os romanos construíram vários aquedutos para fornecer água para cidades, locais de manufatura e para a agricultura. No século III, a cidade de Roma era abastecida por 11 aquedutos com uma extensão combinada de 450 quilômetros. A maioria dos aquedutos foi construída abaixo da superfície, com apenas pequenas porções acima do solo suportadas por arcos.[138][139] Às vezes, onde vales mais profundos que 500 m tinham que ser cruzados, sifões invertidos eram usados ​​para transportar água através do obstáculo natural.[18]

Os romanos também fizeram grandes avanços no saneamento básico e eram particularmente famosos por seus banhos públicos, chamados termas, que eram usados ​​para fins higiênicos e sociais. Muitas casas romanas chegaram a ter vasos sanitários com descarga e água encanada. Além disso, um complexo sistema de esgoto, a Cloaca Máxima, era usado para drenar os pântanos locais e transportar resíduos para o rio Tibre.[140]

Alguns historiadores especularam que os canos de chumbo nos sistemas de esgoto e encanamento levaram ao saturnismo generalizado, o que contribuiu para o declínio na taxa de natalidade e a decadência geral da sociedade romana, o que levou ao colapso do Império do Ocidente. No entanto, o teor de chumbo teria sido minimizado porque o fluxo de água dos aquedutos não era interrompido; a água corria continuamente através de sistemas públicos para os drenos e apenas algumas torneiras estavam em uso.[141] Outros autores levantaram objeções semelhantes a essa teoria, também apontando que os canos romanos eram densamente revestidos com depósitos que impediam que o chumbo penetrasse na água.[142]

Pont du Gard, perto na Nîmes, na antiga Gália.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cultura da Roma Antiga

Artes, música e literatura[editar | editar código-fonte]

Trio de músicos tocando um aulo, címbalo e tímpano (mosaico de Pompeia).
Máscaras de teatro representadas em um mosaico na Vila Adriana.

A pintura como arte expressiva e decorativa foi praticada desde as origens de Roma, sendo sempre uma arte muito popular, mas a vasta maioria do acervo conhecido por relatos literários não sobreviveu. Contudo, por acaso dois grandes conjuntos de pintura mural em afresco foram preservados em Pompeia e Herculano em boas condições, e a partir deles foi criada uma sistematização para a pintura romana como um todo, dividindo-a em quatro grandes fases ou estilos.[143][144] A divisão em fases artísticas é objeto de relativamente poucos estudos, e permanece bastante polêmica, pois há grande dificuldade de extrapolar essa sistematização para os remanescentes de outras regiões e outras técnicas, e em particular pela limitação na cronologia: os murais das duas cidades soterradas pelo vulcão Vesúvio (e por isso suas pinturas se preservaram) datam apenas de fins da república até os primeiros anos do império. A erupção aconteceu em 79 d.C. De qualquer forma, o que mais se preservou, mesmo em outras regiões, foram murais, decorando interiores de residências, edifícios públicos e outras estruturas.[143][145][144]

Assim como em outros aspectos, também na escultura os romanos foram grandes devedores dos gregos, e também neste eles puderam desenvolver um caráter próprio, fundando um estilo original de narrativa nos relevos figurativos dos monumentos públicos, apreciando temas como a velhice, o humor, a infância e a morte, e fazendo a arte do retrato florescer a níveis de realismo e força expressiva nunca vistos. Foram sempre ávidos apreciadores e colecionadores de tudo o que fosse grego, e esculturas gregas sempre estiveram entre as presas de guerra mais cobiçadas, valendo fortunas. Muitos escultores gregos foram trabalhar em Roma e nas principais províncias, fundando escolas.[146][147][148][149][150]

Como nas outras artes, a influência grega foi determinante na formação da literatura romana e é sintomático que a primeira obra literária escrita em latim conhecida não seja criação original, mas a tradução de uma tragédia grega, realizada em 240 a.C. por Lívio Andrônico, um grego, autor também de outros textos latinos dos quais restam fragmentos. Na República a literatura enfim desabrochou, surgindo muitos autores, trabalhando em prosa e poesia, cujos limites se distinguiam melhor, e se destacando na poesia lírica, dramática, cômica, erótica, política, religiosa, histórica, laudatória, moralista, pastoral e épica; na crônica, na historiografia e outras formas. Alguns outros autores célebres desta fase são Plauto, Terêncio, Catão e Névio.[151][152] A literatura romana chegou a uma fase de apogeu entre o fim da República e os primeiros anos do império, quando o latim atinge sua forma clássica, e atuam grandes escritores como Cícero, Tito Lívio, Varrão, Virgílio, Horácio, Catulo, Ovídio, Lucrécio e mais uma plêiade de luminares, que continuam lidos até hoje.[153][154]

A música romana foi largamente baseada na música grega e desempenhou um papel importante em muitos aspectos da vida romana.[155] Nos militares romanos, instrumentos musicais como a tuba (trombeta longa) ou o corno (semelhante a uma trompa) eram usados ​​para dar vários comandos, enquanto a bucina (possivelmente um trompete) e o lítuo (provavelmente um instrumento em forma de J) eram utilizados em cerimônias.[156] A música era usada nos anfiteatros entre as lutas e no odeão, sendo que nesses locais é conhecida a presença do corno e do hidraulo (um tipo de órgão hidráulico).[157] A maioria dos rituais religiosos apresentava apresentações musicais, com tíbias (tubos duplos) em sacrifícios, címbalos e pandeiretas em cultos orgiásticos, além de chocalhos e hinos em toda ocasião.[158] Alguns historiadores acreditam que a música era usada em quase todas as cerimônias públicas[155] e não estão certos se os músicos romanos deram uma contribuição significativa à teoria ou prática da música.[155]

Os grafites, bordéis, pinturas e esculturas encontrados em Pompeia e Herculano sugerem que os romanos tinham uma cultura que cultuava o sexo.[159]

As artes cênicas estiveram presentes na vida romana desde seus primórdios. Tito Lívio diz que as primeiras manifestações dramáticas foram introduzidas pelos etruscos em 364 a.C., na forma de danças acompanhadas de música, mas sabe-se que encenações de vários tipos aconteciam desde bem antes, em festas e rituais religiosos, em celebrações militares, na dedicação de templos, durante as pompas fúnebres da elite e nos banquetes públicos.[160] Os atores em geral usavam máscaras para compor os personagens. Mulheres aparentemente não participavam.[161] As farsas atelanas, aparentemente de origem autóctone e com personagens fixos, e as flíaces, de caráter similar, se tornaram populares. Lívio Andrônico foi o primeiro a escrever para o teatro à maneira grega, traduzindo tragédias e comédias em verso e inventando outras com temas romanos, e Névio foi o primeiro a levar a dramaturgia a um alto patamar de qualidade estética, preferindo a temática trágica. As comédias tendiam a ser mais leves, rústicas e populares que seus protótipos gregos, e com uma linguagem direta, e em meio ao riso escrachado, podiam lançar agudas críticas sociais, explorando o lado sombrio ou o ridículo do ser humano e da sociedade, enquanto que as tragédias em geral imitavam os gregos com mais rigor, usando uma linguagem altamente retórica e moralizante. No século III a.C. se formaram guildas de atores e escritores, indicando a popularidade do teatro e a força da categoria.[160][161][162][163][164]

Culinária[editar | editar código-fonte]

Afresco da cena de um banquete, Pompeia.
Ver artigo principal: Gastronomia da Roma Antiga

A gastronomia romana mudou ao longo da longa duração desta civilização antiga. Os hábitos alimentares foram afetados pela influência da cultura grega, pelas mudanças políticas de reino para república e império, como também pela enorme expansão do império, que expôs os romanos a muitos novos hábitos e técnicas culinárias dos povos conquistados. No início, as diferenças entre as classes sociais eram relativamente pequenas, mas as disparidades evoluíram com o crescimento do império. Homens e mulheres bebiam vinho com suas refeições, uma tradição que foi levada até os dias atuais.[165]

Língua[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Línguas do Império Romano e Latim
Um papiro com texto em latim e em grego de um discurso de Cícero[166]

A língua nativa dos romanos era o latim, uma língua itálica.[167] Seu alfabeto era baseado no alfabeto etrusco, que por sua vez era baseado no alfabeto grego.[168] Embora a maior parte da literatura latina sobrevivente seja composta quase inteiramente pelo latim clássico, uma língua literária e altamente estilizada, polida e artificial do século I a.C., a língua falada do Império Romano era o latim vulgar, que diferia significativamente do latim clássico em aspectos como gramática e vocabulário, e, eventualmente, na pronúncia.[169]

Enquanto o latim continuou a ser a principal língua escrita do Império Romano, o grego veio a ser a língua falada pela elite bem-educada, visto que a maioria da literatura estudada pelos romanos era escrita em grego. Na metade oriental do Império Romano, que mais tarde se tornou o Império Bizantino, o latim nunca foi capaz de substituir o grego e, após a morte de Justiniano I, o grego se tornou a língua oficial do governo bizantino.[170] A expansão do Império Romano espalhou o latim em toda a Europa e o latim vulgar evoluiu para dialetos em diferentes locais, mudando gradualmente e se tornando as muitas línguas românicas distintas atuais.[171]

Religião[editar | editar código-fonte]

Interior do Panteão de Roma

A religião romana arcaica, pelo menos no que diz respeito aos deuses, era constituída não de narrativas escritas, mas de complexas inter-relações entre deuses e humanos.[172] Ao contrário da mitologia grega, os deuses não eram personificados, mas eram vagamente definidos como espíritos sagrados chamados numina. Os romanos também acreditavam que cada pessoa, lugar ou coisa tinha seu próprio gênio, ou alma divina. Durante a República Romana, a religião era organizada sob um rígido sistema de ofícios sacerdotais, que eram mantidos por homens de posição importante no Senado. O Colégio de Pontífices era o órgão mais importante nessa hierarquia e seu principal sacerdote, o Pontifex Maximus, era o chefe da religião do Estado. Flâmines cuidavam dos cultos de vários deuses, enquanto os áugures eram confiáveis ​​para receber os auspícios. O rei dos ritos sagrados assumia as responsabilidades religiosas dos reis deposto. No Império Romano, os imperadores passaram a ser deificados e o culto imperial oficial tornou-se cada vez mais proeminente.[173][174]

Com o aumento do contato com os gregos, os antigos deuses romanos se tornaram cada vez mais associados aos deuses gregos.[175] Assim, Júpiter era visto como a mesma divindade de Zeus, Marte tornou-se associado a Ares e Netuno com Poseidon. Os deuses romanos também assumiram os atributos e mitologias da tradição grega. Sob o Império, os romanos absorveram as crenças dos povos que conquistava, muitas vezes levando a situações nas quais os templos e sacerdotes de divindades italianas tradicionais existiam lado a lado com os deuses estrangeiros.[176]

Começando com o imperador Nero no século I, a política oficial romana em relação ao cristianismo era negativa e, em alguns pontos, simplesmente ser um cristão poderia ser algo punido com a morte. Sob o imperador Diocleciano, a perseguição aos cristãos atingiu o seu auge. No entanto, o culto cristão tornou-se a religião oficial, apoiada pelo Estado romano, sob o sucessor de Diocleciano, Constantino I (que ratificou o Édito de Milão em 313) e, rapidamente, se tornou dominante. Todas as religiões, exceto o cristianismo, foram proibidas em 391 por um decreto do imperador Teodósio I.[177]

Jogos e recreação[editar | editar código-fonte]

Pollice Verso, representação de um gladiador no Coliseu por Jean-Léon Gérôme (1872).
Mosaico das "garotas de biquini" na Villa Romana del Casale, Sicília.

Os jovens de Roma tinham várias formas de jogos e exercícios atléticos, como pular, lutar, boxear e correr.[178] No campo, os passatempos para os ricos também incluíam a pesca e a caça.[178] Os romanos tinham várias formas de jogar bola, incluindo uma que lembrava o handebol.[179] Jogos de dados, jogos de tabuleiro e jogos de azar também eram passatempos populares.[178] As mulheres não participaram dessas atividades. Para os ricos, os jantares apresentavam uma oportunidade de entretenimento, às vezes com leituras de música, dança e poesia.[178] Os plebeus às vezes desfrutavam de festas semelhantes por meio de clubes ou associações, mas para a maioria dos romanos, as refeições recreativas geralmente significavam tavernas.[178] As crianças entretinham-se com brinquedos e jogos.[179][180]

Os jogos públicos eram patrocinados pelos principais romanos que desejavam anunciar sua generosidade e aprovação popular pelo tribunal; na era imperial, isso geralmente significava o imperador. Vários locais foram desenvolvidos especificamente para jogos públicos. O Coliseu foi construído na era imperial para sediar, entre outros eventos, combates de gladiadores. Esses combates começaram como jogos fúnebres por volta do século IV a.C. e se tornaram eventos populares no final da República e do Império. Os gladiadores tinha uma variedade exótica e inventiva de armas e armaduras. Eles às vezes lutavam até a morte, mas com mais geralmente a luta acabava com uma vitória julgada, que dependia da decisão de um árbitro. O resultado era geralmente de acordo com o humor da multidão que assistia ao duelo. Espetáculos com animais exóticos eram populares; mas às vezes os animais eram confrontados com seres humanos, profissionais armados ou criminosos desarmados que haviam sido condenados a uma morte pública espetacular e teatral na arena. Algumas dessas apresentações eram baseadas em episódios da mitologia romana ou grega. No Coliseu, também eram feitas apresentações aquáticas, que representavam batalhas navais dentro da arena e eram conhecidas como naumaquias.[181]

As corridas de bigas eram extremamente populares entre todas as classes. Em Roma, essas disputas eram geralmente realizadas no Circo Máximo, que tinha sido construído para corridas e, como o maior local público de Roma, também era usado para festivais e espetáculos com animais.[182] Ele tinha capacidade para acomodar cerca de 150.000 pessoas.[183]

Ética e moralidade[editar | editar código-fonte]

Páquio Próculo e a sua esposa. Fresco de Pompeia, século I, atualmente exposto no Museu de Capodimonte

Como muitas culturas antigas, os conceitos de ética e moralidade, embora compartilhem algumas semelhanças com a sociedade moderna, diferem bastante em vários aspectos importantes. Como civilizações antigas como Roma estavam sob constante ameaça de ataque de tribos saqueadoras, então sua cultura era necessariamente militarista, com habilidades marciais sendo um atributo valioso.[184]

Enquanto as sociedades modernas consideram a compaixão uma virtude, a sociedade romana considerava a compaixão um vício, um defeito moral. De fato, um dos propósitos principais dos jogos de gladiadores era inocular os cidadãos romanos dessa fraqueza.[185][184][186] Em vez disso, os romanos apreciavam virtudes como coragem e convicção (virtus), o senso de dever para com o povo, moderação e evitar excesso (moderatio), perdão e compreensão (clementia), justiça (severitas) e lealdade (pietas).[187]

Ao contrário das concepções populares, a sociedade romana tinha normas bem estabelecidas e restritivas relacionadas à sexualidade, embora, como em muitas sociedades, a maior parte das responsabilidades recaísse sobre as mulheres. Esperava-se que elas fossem monogâmicas tendo apenas um marido durante a vida (univira). Esperava-se que as mulheres fossem modestas em público, evitando qualquer aparência provocativa e demonstrando absoluta fidelidade aos seus maridos (pudicitia). De fato, usar um véu era uma expectativa comum para preservar a modéstia. O sexo fora do casamento era geralmente desaprovado para homens e mulheres e, na verdade, chegou a ser ilegal durante o período imperial.[188] No entanto, a prostituição era vista de maneira totalmente diferente e, de fato, era uma prática aceita e regulamentada.[189]

Legado[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Legado romano

A Roma Antiga é a progenitora da civilização ocidental.[190][191][192] Os costumes, religião, direito, tecnologia, arquitetura, sistema político, militar, literatura, línguas, alfabeto, governo e muitos fatores e aspectos da civilização ocidental são todos herdados dos avanços romanos. A redescoberta da cultura romana revitalizou a civilização ocidental, desempenhando um papel no Renascimento e na Era do Esclarecimento.[193][194]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Chris Scarre, The Penguin Historical Atlas of Ancient Rome (London: Penguin Books, 1995).
  2. McEvedy and Jones (1978).
  3. an average of figures from different sources as listed at the US Census Bureau's Historical Estimates of World Population; see also *Kremer, Michael (1993). "Population Growth and Technological Change: One Million B.C. to 1990" in The Quarterly Journal of Economics 108(3): 681–716.
  4. There are several different estimates for the Roman Empire. Scheidel (2006, p. 2) estimates 60. Goldsmith (1984, p. 263) estimates 55. Beloch (1886, p. 507) estimates 54. Maddison (2006, p. 51, 120) estimates 48. Roman Empire Population estimates 65 (while mentioning several other estimates between 55 and 120).
  5. Mclynn Frank "Marcus Aurelius" p. 4. Published by The Bodley Head 2009
  6. Taagepera, Rein (1979). «Size and Duration of Empires: Growth-Decline Curves, 600 B.C. to 600 A.D». Duke University Press. Social Science History. 3 (3/4): 125. JSTOR 1170959. doi:10.2307/1170959 
  7. A critical dictionary of the French Revolution By François Furet, Mona Ozouf. Pg 793.
  8. Democratization in the South: the jagged wave By Robin Luckham, Gordon White. Pg 11.
  9. American republicanism: Roman ideology in the United States Constitution By Mortimer N. S. Sellers. Pg. 90.
  10. The greatness and decline of Rome, Volume 2 By Guglielmo Ferrero, Sir Alfred Eckhard Zimmern, Henry John Chaytor. Pg. 215+.
  11. Shakespeare and republicanism By Andrew Hadfield. Pg. 68.
  12. The philosophy of law: an encyclopedia, Volume 1 By Christopher B. Gray. Pg. 741.
  13. «Byzantine Empire». Ancient History Encyclopedia. Consultado em 5 de setembro de 2017. 
  14. Coarelli 2008, p. 127; 135-136.
  15. Peroni 2008, p. 11.
  16. Salles 2008, pp. 113-114.
  17. JANNUZZI, Giovanni (2005). Breve historia de Italia. 1 1 ed. Buenos Aires: Letemendía. pp. 80 p. ISBN 987-21732-7-3 
  18. «Project Gutenberg - Roman History, Books I-III by Titus Livius» (em inglês). Consultado em 11 de abril de 2010. 
  19. a b rome.net (ed.). «Ancient Roman Monarchy». Consultado em 4 de julho de 2018. 
  20. Langley, Andrew and Souza, de Philip, "The Roman Times", Candle Wick Press, Massachusetts
  21. Matyszak, Philip (2003). Chronicle of the Roman Republic. London: Thames & Hudson. pp. 43–44. ISBN 0-500-05121-6 
  22. Adkins, Lesley; Adkins, Roy (1998). Handbook to Life in Ancient Rome. Oxford: Oxford University Press. pp. 41–42. ISBN 0-19-512332-8 
  23. Hooker, Richard (6 de junho de 1999). «Rome: The Roman Republic». Washington State University. Consultado em 24 de março de 2007.. Cópia arquivada em 14 de maio de 2011 
  24. Magistratus by George Long, M.A. Appearing on pages 723–724 of A Dictionary of Greek and Roman Antiquities by William Smith, D.C.L., LL.D. Published by John Murray, London, 1875. Website written 8 December 2006. Retrieved 24 March 2007.
  25. Livius, Titus (Livy) (1998). «Book II». The Rise of Rome, Books 1–5. Traduzido por Luce, T.J. Oxford: Oxford World's Classics. ISBN 0-19-282296-9 
  26. Adkins, Lesley; Adkins, Roy (1998). Handbook to Life in Ancient Rome. Oxford: Oxford University Press. p. 39. ISBN 0-19-512332-8 
  27. a b [1] Plutarch, Parallel Lives, Life of Camillus, XXIX, 2.
  28. a b c Haywood, Richard (1971). The Ancient World. United States: David McKay Company, Inc. pp. 350–358 
  29. Pyrrhus of Epirus (2) and Pyrrhus of Epirus (3) by Jona Lendering. Livius.org. Retrieved 21 March 2007.
  30. [2] Dião Cássio, História Romana, XI, XLIII.
  31. New historical atlas and general history By Robert Henlopen Labberton. Page 35.
  32. Hugh Chisholm (1911). The Encyclopædia Britannica: A Dictionary of Arts, Sciences, Literature and General Information. [S.l.]: Encyclopædia Britannica Company. pp. 652–. Consultado em 31 de maio de 2012. 
  33. Enciclopédia Britânica (ed.). «Second Punic War». Consultado em 24 de maio de 2018. 
  34. a b Haywood, Richard (1971). The Ancient World. United States: David McKay Company, Inc. pp. 376–393 
  35. Rome: The Punic Wars by Richard Hooker. Washington State University. Written 6 June 1999. Retrieved 22 March 2007.
  36. Bury, John Bagnell (1889). History of the Later Roman Empire. Londres, Nova Iorque: MacMillan and Co. 
  37. Rome: The Conquest of the Hellenistic Empires Arquivado em 1 de maio de 2011 no Wayback Machine. by Richard Hooker. Washington State University. Written 6 de junho de 1999. Acessado em 22 de março de 2007.
  38. Duiker, William; Spielvogel, Jackson (2001). World History Third ed. [S.l.]: Wadsworth. pp. 136–137. ISBN 0-534-57168-9 
  39. Fall of the Roman Republic, 133–27 BC. Purdue University. Acessado em 24 de março de 2007.
  40. a b Eques (Knight) by Jona Lendering. Livius.org. Acessado em 24 de março de 2007.
  41. Adkins, Lesley; Adkins, Roy (1998). Handbook to Life in Ancient Rome. Oxford: Oxford University Press. p. 38. ISBN 0-19-512332-8 
  42. Tuma, Elias H. (1965). Twenty-six Centuries of Agrarian Reform: A Comparative Analysis. [S.l.]: University of California Press. p. 34 
  43. Winningham, Brandon (19 de março de 2007) [2007]. Catiline. [S.l.]: iUniverse, Inc. ISBN 978-0-595-42416-0 
  44. Plutarch Parallel Lives, Life of Caesar, I,2
  45. Scullard, Howard Hayes (1982). From the Gracchi to Nero 5th ed. [S.l.]: Routledge. ISBN 0-415-02527-3 Chapters VI-VIII.
  46. Britânica (ed.). «Pompey the Great». Consultado em 25 de junho de 2018. 
  47. Julius Caesar (100BC – 44BC). [3]. Acessado em 21 de março de 2007.
  48. [4] Plutarch, Life of Caesar. Retrieved 1 October 2011
  49. Augustus (31 BC – 14 AD) by Garrett G. Fagan. De Imperatoribus Romanis. Written 5 July 2004. Retrieved 21 March 2007.
  50. Coins of the Emperor Augustus Arquivado em 25 de maio de 2009[Erro data trocada] no Wayback Machine.; examples are a coin of 38 BC inscribed "Divi Iuli filius", and another of 31 BC bearing the inscription "Divi filius" (Auguste vu par lui-même et par les autres by Juliette Reid Arquivado em 19 de março de 2009[Erro data trocada] no Wayback Machine.).
  51. [5] Suetonius, The Twelve Caesars, Augustus, XV.
  52. [6] Plutarch, Parallel Lives, Life of Antony, II, 1.
  53. Ancient Library Arquivado em 5 de junho de 2011 no Wayback Machine.. Acessado em 9 de setembro de 2011
  54. [7] Plutarch, Parallel Lives, Life of Antony, LXXI, 3–5.
  55. Augustus (63 BC. – AD14) from bbc.co.uk. Retrieved 12 March 2007.
  56. Langley, Andrew and Souza, de Philip:"The Roman Times" pg.14, Candle Wick Press, 1996
  57. «Pax Romana». Britannica Online Encyclopedia 
  58. The Julio-Claudian Dynasty (27 BC −68 AD). pelo Departamento de Arte Romana e Grega, do Metropolitan Museum of Art. Outubro de 2000. Acessado em 18 de março de 2007.
  59. James Orr (1915). The International Standard Bible Encyclopaedia. [S.l.]: Howard-Severance Company. pp. 2598–. Consultado em 31 de maio de 2012. 
  60. Charles Phineas Sherman (1917). Roman law in the modern world. [S.l.]: The Boston book company. pp. 50–. Consultado em 31 de maio de 2012. 
  61. O'Connell, Robert (1989). Of Arms and Men: A History of War, Weapons, and Aggression. Oxford: Oxford University Press. p. 81. ISBN 0-19-505359-1 
  62. Kreis, Stephen. «Augustus Caesar and the Pax Romana». The History Guide. Consultado em 21 de março de 2007. 
  63. Five Good Emperors from UNRV History. Acessado em 12 de março de 2007.
  64. [8] Cassius Dio, Roman History, LXVIII, 1.
  65. a b Metropolitan Museum of Art (ed.). «The Severan Dynasty (193–235)». Consultado em 3 de julho de 2018. 
  66. Skip Knox, E.L. «Crisis of the Third Century (235–285)». History of Western Civilization. Boise State University. Consultado em 20 de março de 2007.. Cópia arquivada em 3 de maio de 2007 
  67. a b Enciclopédia Britânica (ed.). «The Later Roman Empire». Consultado em 4 de julho de 2018. 
  68. a b Gibbon, Edward (1906). «Chapter X». In: Bury, J.B. The History of the Decline and Fall of the Roman Empire (Online version) (em English). [S.l.]: Fred de Fau and Co. 
  69. Pôncio de Cartago, Vida de Cipriano. Transl. Ernest Wallis, c. 1885. Online at Christian Classics Ethereal Library.
  70. [9] Historia Augusta, The Lives of the Thirty Pretenders, III et XXX.
  71. [10] Historia Augusta, The Life of Aurelian, XXXII.
  72. [11] Historia Augusta, The Life of Claudius, I.
  73. [12] Lactantius, De Mortibus Persecutorum, VII.
  74. Joannes Zonaras, Epitome: From Diocletian to the death of Galerius.
  75. Diocletian (284–305 AD) by Ralph W. Mathisen. De Imperatoribus Romanis. 17 de março de 1997. Acessado em 20 de março de 2007.
  76. Ward-Perkins, John Bryan (1994). Roman Imperial Architecture. New Haven, CT: Yale University Press. ISBN 978-0-300-05292-3 
  77. [13] Lactantius, De Mortibus Persecutorum, X-XVI.
  78. Kuhoff, Wolfgang (2002). "Die diokletianische Tetrarchie als Epoche einer historischen Wende in antiker und moderner Sicht". International Journal of the Classical Tradition. 9 (2): 177–178. doi:10.1007/BF02898434 JSTOR 30224306
  79. Gibbon, Edward (1906). «Chapter XX». In: Bury, J.B. The History of the Decline and Fall of the Roman Empire (Online version) (em English). [S.l.]: Fred de Fau and Co. 
  80. a b Britânica (ed.). «Constantine I». Consultado em 4 de julho de 2018. 
  81. Gibbon, Edward (1906). «Chapter XVII». In: Bury, J.B. The History of the Decline and Fall of the Roman Empire (Online version) (em English). [S.l.]: Fred de Fau and Co. 
  82. Constantine I (306 – 337 AD) by Hans A. Pohlsander. De Imperatoribus Romanis. 8 de janeiro de 2004. Acessado em 20 de março de 2007.
  83. Honorius (395–423 AD) by Ralph W. Mathisen. De Imperatoribus Romanis. 2 de junho de 1999. Acessado em 21 de março de 2007.
  84. Gibbon, Edward (1906). «Chapter XXVI». In: Bury, J.B. The History of the Decline and Fall of the Roman Empire (Online version) (em English). [S.l.]: Fred de Fau and Co. 
  85. Duiker, William; Spielvogel, Jackson (2001). World History Third ed. [S.l.]: Wadsworth. p. 155. ISBN 0-534-57168-9 
  86. Lapham, Lewis (1997). The End of the World. Nova Iorque: Thomas Dunne Books. ISBN 0-312-25264-1. pages 47–50.
  87. [14] Bury, J.B.: History of the Later Roman Empire, 8, §2.
  88. [15] Bury, J.B.: History of the Later Roman Empire, 6, §4.
  89. [16] Bury, J.B.: History of the Later Roman Empire, 6, §3.
  90. [17] Bury, J.B.: History of the Later Roman Empire, 9.
  91. «The Germanic Invasions of Western Europe». Universidade de Calgary. Agosto de 1996. Consultado em 22 de março de 2007.. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2013 
  92. Duiker, William; Spielvogel, Jackson (2001). World History Third ed. [S.l.]: Wadsworth. p. 157. ISBN 0-534-57168-9 
  93. «Roman Emperors – DIR Romulus Augustulus». www.roman-emperors.org 
  94. Romulus Augustulus (475–476 AD)--Two Views by Ralph W. Mathisen and Geoffrey S. Nathan. De Imperatoribus Romanis. 26 de agosto de 1997. Acessado em 22 de março de 2007.
  95. Durant, Will; Durant, Ariel (1944). The Story of Civilization – Volume III: Caesar and Christ. United States: Simon and Schuster, Inc. p. 670. ISBN 978-1567310238 
  96. Morris Bishop, The Middle Ages, 1996. p. 8
  97. Duiker, William; Spielvogel, Jackson (2001). World History Third ed. [S.l.]: Wadsworth. p. 347. ISBN 0-534-57168-9 
  98. a b c d Hooker, Richard (6 de junho de 1999). «The Byzantine Empire». Universidade do Estado de Washington. Consultado em 8 de abril de 2007.. Cópia arquivada em 24 de fevereiro de 1999 
  99. Bray, R.S. (2004). Armies of Pestilence. Cambridge: James Clarke & Co. p. 26. ISBN 978-0-227-17240-7 
  100. Kreutz, Barbara M. (1996). Before the Normans: Southern Italy in the Ninth and Tenth Centuries. Philadelphia: Universidade da Pensilvânia. ISBN 978-0-8122-1587-8 
  101. Duiker, William; Spielvogel, Jackson (2001). World History Third ed. [S.l.]: Wadsworth. p. 349. ISBN 0-534-57168-9 
  102. Basil II (AD 976–1025) by Catherine Holmes. De Imperatoribus Romanis. 1 de abril de 2003. Acessado em 22 de março de 2007.
  103. Gibbon, Edward (1906). «Chapter LXI». In: Bury, J.B. The History of the Decline and Fall of the Roman Empire (Online version) (em English). [S.l.]: Fred de Fau and Co. 
  104. Mehmet II by Korkut Ozgen. Theottomans.org. Acessado em 3 de abril de 2007.
  105. a b c d e Cláudio Fernandes. História do Mundo, ed. «Sociedade romana». Consultado em 5 de julho de 2018. 
  106. a b c d e Valerie Hope (29 de março de 2011). BBC, ed. «Social Pecking Order in the Roman World». Consultado em 5 de julho de 2018. 
  107. a b Duiker, William; Spielvogel, Jackson (2001). World History Third ed. [S.l.]: Wadsworth. p. 146. ISBN 0-534-57168-9 
  108. a b Casson, Lionel (1998). Everyday Life in Ancient Rome. Baltimore: The Johns Hopkins University Press. pp. 10–11. ISBN 0-8018-5992-1 
  109. Family Values in Ancient Rome by Richard Saller. The University of Chicago Library Digital Collections: Fathom Archive. Written 2001. Visited 14 April 2007.
  110. Adkins, Lesley; Adkins, Roy (1998). Handbook to Life in Ancient Rome. Oxford: Oxford University Press. p. 339. ISBN 0-19-512332-8 
  111. Adkins, Lesley; Adkins, Roy (1998). Handbook to Life in Ancient Rome. Oxford: Oxford University Press. p. 340. ISBN 0-19-512332-8 
  112. Rawson, Beryl (1 de janeiro de 1987). The Family in Ancient Rome: New Perspectives (em inglês). [S.l.]: Cornell University Press. pp. 2 of introduction. ISBN 0801494605 
  113. LifepacHistory&Geography, Grade6 Unidade 3, página 28.z
  114. a b Lecture 13: A Brief Social History of the Roman Empire by Steven Kreis. Written 11 October 2006. Retrieved 2 April 2007.
  115. a b c d e f g h Adkins, Lesley; Adkins, Roy (1998). Handbook to Life in Ancient Rome. Oxford: Oxford University Press. p. 211. ISBN 0-19-512332-8 
  116. a b Werner, Paul (1978). Life in Rome in Ancient Times. Geneva: Editions Minerva S.A. p. 31 
  117. Duiker, William; Spielvogel, Jackson (2001). World History Third ed. [S.l.]: Wadsworth. p. 143. ISBN 0-534-57168-9 
  118. a b c Roman Education. Latin ExCET Preparation. Texas Classical Association. Written by Ginny Lindzey, Setembro de 1998. Acessado em 27 de março de 2007.
  119. a b c d Keegan, John (1993). A History of Warfare. Nova Iorque: Alfred A. Knopf. pp. 263–264. ISBN 0-394-58801-0 
  120. a b c Potter, David (2004). «The Roman Army and Navy». In: Flower, Harriet I. The Cambridge Companion to the Roman Republic. Cambridge, U.K.: Cambridge University Press. pp. 67–70. ISBN 0-521-00390-3 
  121. For a discussion of hoplite tactics and their sociocultural setting, see Victor Davis Hanson, The Western Way of War: Infantry Battle in Classical Greece, Alfred A. Knopf (Nova Iorque 1989) ISBN 0-394-57188-6.
  122. Goldsworthy, Adrian (1996). The Roman Army at War 100BC-AD200. Oxford: Oxford University Press. p. 33. ISBN 0-19-815057-1 
  123. Jo-Ann Shelton, ed., As the Romans Did: A Sourcebook in Roman Social History, Oxford University Press (Nova Iorque 1998)ISBN 0-19-508974-X, pp. 245–249.
  124. Goldsworthy, Adrian (2003). The Complete Roman Army. London: Thames and Hudson, Ltd. pp. 22–24, 37–38. ISBN 0-500-05124-0 
  125. Goldsworthy, Adrian (2008). Caesar: Life of a Colossus. U.K.: Yale University Press. pp. 384, 410–411, 425–427. ISBN 0300126891  Another important factor discussed by Goldsworthy was absence of legionaries on detached duty.
  126. Mackay, Christopher S. (2004). Ancient Rome: A Military and Political History. Cambridge, UK: Cambridge University Press. pp. 249–250. ISBN 0-521-80918-5 
  127. Goldsworthy, Adrian (1996). The Roman Army at War 100BC-AD200. Oxford: Oxford University Press. pp. 36–37. ISBN 0-19-815057-1 
  128. a b Elton, Hugh (1996). Warfare in Roman Europe AD350-425. Oxford: Oxford University Press. pp. 89–96. ISBN 0-19-815241-8 
  129. a b This paragraph is based upon Potter, pp. 76–78.
  130. Elton, Hugh (1996). Warfare in Roman Europe AD350-425. Oxford: Oxford University Press. pp. 99–101. ISBN 0-19-815241-8 
  131. Ancient Roman laws protected against a person corrupting slaves to obtain secrets about the master's arts. Zeidman, Bob (2011). The Software IP Detective's Handbook: : Measurement, Comparison, and Infringement Detection 1st ed. [S.l.]: Prentice Hall. p. 103. ISBN 0137035330 
  132. Dr. Stephen T. Muench e estudante J.P. Lehmer (2017). brewminate.com, ed. «Origin and Evolution of the Roman Dome». Consultado em 8 de julho de 2018. 
  133. Nelson, Winter, Thomas (1 de janeiro de 1979). «ROMAN CONCRETE: THE ASCENT, SUMMIT, AND DECLINE OF AN ART» 
  134. Vose, R.H. (1989). Glass. Collins Archaeology: London. ISBN 0-85223-714-6
  135. Witts 2005.
  136. Keegan, John (1993). A History of Warfare. Nova Iorque: Alfred A. Knopf. p. 303. ISBN 0-394-58801-0 
  137. «Roman road system». Encyclopædia Britannica. Encyclopædia Britannica, Inc. Consultado em 19 de agosto de 2017. 
  138. Peck, Harry Thurston, ed. (1963). «Aquae Ductus». Harper's Dictionary of Classical Literature and Antiquities. Nova Iorque: Cooper Square Publishers, Inc. pp. 104–106 
  139. Murray, Alexander Stuart; Mitchell, John Malcolm (1911). «Aqueduct». In: Chisholm, Hugh. Encyclopædia Britannica. 2 11th ed. pp. 240–244. Consultado em 31 de outubro de 2017. 
  140. Aldrete, Gregory S. (2004). Daily life in the Roman city: Rome, Pompeii and Ostia. Greenwood Publishing Group. ISBN 978-0-313-33174-9, pp.34-35.
  141. Roman Aqueducts and Water Supply by A.T. Hodge (1992)
  142. Grout, James. «Lead Poisoning and Rome». University of Chicago. Consultado em 22 de julho de 2011.. Cópia arquivada em 22 de julho de 2011 
  143. a b Ling, Roger. Roman painting. Cambridge University Press, 1991, pp. 8-10; 168-174
  144. a b Richardson, R. A catalog of identifiable figure painters of ancient Pompeii, Herculaneum, and Stabiae. JHU Press, 2000. pp. 5-10
  145. Clarke, John R. The Houses of Roman Italy, 100 B.C.-A.D. 250. University of California Press, 1991, p. 31
  146. Hemingway, Colette. "Retrospective Styles in Greek and Roman Sculpture". In Timeline of Art History. Nova Iorque: The Metropolitan Museum of Art, 2000
  147. Strong, Eugénie Sellers. Roman sculpture from Augustus to Constantine. Gerald Duckworth & Co, 1969, pp. 27-38
  148. Beard, Mary & Henderson, John. Classical Art: From Greece to Rome. Oxford University Press, 2001, p. 78
  149. Trentinella, Rosemarie. "Roman Portrait Sculpture: The Stylistic Cycle". In Heilbrunn Timeline of Art History. Nova Iorque: The Metropolitan Museum of Art, 2000
  150. Stewart, Peter. Statues in Roman Society: Representation and Response. Oxford University Press, 2003, pp. 47-58
  151. Conte, Gian Biagio. Latin Literature: A History. Johns Hopkins University Press, 1999, pp. 13-27
  152. MacKail, J. W. Latin Literature. Project Gutenberg, 2003
  153. Farrell, Joseph. "The Augustan Period: 40 BC–AD 14". In: Harrison, S. J. (ed.). A Companion to Latin Literature. Blackwell, 2005, pp. 44–57.
  154. Habinek, Thomas N. The Politics of Latin Literature: Writing, Identity, and Empire in Ancient Rome. Princeton University Press, 2001, pp. 3-14
  155. a b c Donald Jay Grout; Claude V. Palisca (Junho de 1988). A history of western music. [S.l.]: Norton. Consultado em 31 de maio de 2012. 
  156. Adkins, Lesley; Adkins, Roy (1998). Handbook to Life in Ancient Rome. Oxford: Oxford University Press. p. 89. ISBN 0-19-512332-8 
  157. Adkins, Lesley; Adkins, Roy (1998). Handbook to Life in Ancient Rome. Oxford: Oxford University Press. pp. 349–350. ISBN 0-19-512332-8 
  158. Adkins, Lesley; Adkins, Roy (1998). Handbook to Life in Ancient Rome. Oxford: Oxford University Press. p. 300. ISBN 0-19-512332-8 
  159. Grant, Michael (2005). Cities of Vesuvius: Pompeii and Herculaneum. London: Phoenix Press. pp. 130–134. ISBN 1-898800-45-6 
  160. a b Klar, Laura S. "Theater and Amphitheater in the Roman World". In: Heilbrunn Timeline of Art History. Nova Iorque: The Metropolitan Museum of Art, 2000
  161. a b "Introduction to Roman Stagecraft". In: Didaskalia - The Journal for Ancient Performance. Randolph College, 2012.
  162. Beacham, Richard C. The Roman Theatre and Its Audience. Harvard University Press, 1996, pp. 117-153
  163. Kennedy & Clausen, op. cit.
  164. Cahoon, Leslie. "Performing Plautus in the Provinces". In: Didaskalia - The Journal for Ancient Performance. Randolph College, 2012.
  165. Civitello, Linda (29 de março de 2011). Cuisine and Culture: A History of Food and People (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons. ISBN 9780470403716 
  166. Cicero, In Catilinam 2.15, P.Ryl. I 61 "recto".
  167. Latin Online: Series Introduction by Winfred P. Lehmann and Jonathan Slocum. Linguistics Research Center. The University of Texas at Austin. Written 2007-2-15. Retrieved 2007-4-1.
  168. The Latin Alphabet by J. B. Calvert. University of Denver. Written 1999-8-8. Retrieved 2007-4-1.
  169. Classical Latin Supplement. page 2. Retrieved 2007-4-2.
  170. Adkins, 1998. page 203.
  171. Harris, Martin; Vincent, Nigel (2001). Romance Languages. London, England, UK: Routledge 
  172. Matyszak, Philip (2003). Chronicle of the Roman Republic. London: Thames & Hudson. p. 24. ISBN 0-500-05121-6 
  173. Edward Gibbon (1787). The history of the decline and fall of the Roman Empire. [S.l.]: printed for J. J. Tourneisen. pp. 91–. Consultado em 31 de maio de 2012. 
  174. The Encyclopedia Americana: A Library of Universal Knowledge. [S.l.]: Encyclopedia Americana Corporation. 1919. pp. 644–. Consultado em 31 de maio de 2012. 
  175. Willis, Roy (2000). World Mythology: The Illustrated Guide. Victoria: Ken Fin Books. pp. 166–168. ISBN 1-86458-089-5 
  176. Metropolitan (ed.). «Eastern Religions in the Roman World». Consultado em 19 de julho de 2018. 
  177. Theodosius I (379–395 AD) by David Woods. De Imperatoribus Romanis. 3 de fevereiro de 1999. Acessado em 4 de abril de 2007.
  178. a b c d e Casson, Lionel (1998). Everyday Life in Ancient Rome. Baltimore: The Johns Hopkins University Press. pp. 98–108. ISBN 0-8018-5992-1 
  179. a b «Daily Life: Entertainment». SPQR Online. 1998. Consultado em 22 de abril de 2007.. Cópia arquivada em 30 de abril de 2007 
  180. Adkins, Lesley; Adkins, Roy (1998). Handbook to Life in Ancient Rome. Oxford: Oxford University Press. pp. 350–352. ISBN 0-19-512332-8 
  181. Coleman, K. M., "Launching into History: Aquatic Displays in the Early Empire", The Journal of Roman Studies, Vol. 83 (1993), p. 50; Society for the Promotion of Roman Studies, DOI: 10.2307/300978
  182. Circus Maximus. Encyclopedia Romana. University of Chicago. Retrieved 19 April 2007.
  183. John Humphrey, Roman circuses: arenas for chariot racing, University of California Press, 1986, p. 216.
  184. a b Astore, William. «Bread and Circuses in Rome and America». Consultado em 11 de agosto de 2017. 
  185. Annual Editions: Western Civilization. 1 12 ed. [S.l.]: McGraw-Hill/Dushkin. 2002. p. 68. ... where compassion was regarded as a moral defect ... 
  186. Jackson, Michael Anthony (2004). Look Back to Get Ahead: Life Lessons from History's Heroes. [S.l.]: Arcade Publishing. p. 174. Gladatorial games were popular because the Romans actually believed that compassion was a vice and a weakness 
  187. Harvey, Brian K., ed. (2016). Daily Life in Ancient Rome: A Sourcebook. [S.l.]: Hackett Publishing Company. pp. 21–28 
  188. Langlands, Rebecca (2006). Sexual Morality in Ancient Rome. [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 3–20 
  189. Mathew Dillon and Lynda Garland. Ancient Rome: From the Early Republic to the Assassination of Julius Caesar. [S.l.]: Taylor & Francis, 2005. p. 382. ISBN 9780415224598 
  190. Jacob Dorsey Forrest (1906). The development of western civilization: a study in ethical, economic and political evolution. [S.l.]: The University of Chicago Press. Consultado em 31 de maio de 2012. 
  191. William Cunningham (1900). An Essay on Western Civilization in Its Economic Aspects: Mediaeval and modern times. [S.l.]: University Press. Consultado em 31 de maio de 2012. 
  192. Andrew Fleming West, Value of the classics. 1917. Page 185
  193. Kuno Fischer (1887). History of modern philosophy. [S.l.]: C. Scribner's Sons. pp. 85–. Consultado em 31 de maio de 2012. 
  194. Michael Burger (1 de abril de 2008). The Shaping of Western Civilization: From Antiquity To the Enlightenment. [S.l.]: University of Toronto Press. pp. 203–. ISBN 978-1-55111-432-3. Consultado em 31 de maio de 2012. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Adkins, Lesley; Roy Adkins (1998). Handbook to Life in Ancient Rome. Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-512332-8 
  • Cary, M. (1967). A History of Rome Down to the Reign of Constantine 2nd ed. Nova Iorque: St. Martin's Press 
  • Casson, Lionel (1998). Everyday Life in Ancient Rome. Baltimore: The Johns Hopkins University Press. ISBN 0-8018-5992-1 
  • Dio, Cassius. «Dio's Rome, Volume V., Books 61–76 (AD 54–211)». Consultado em 17 de dezembro de 2006. 
  • Coarelli, Filippo (1996). «Santuari, il fiume, gli empori». In: A. Momigliano; A. Schiavone. Storia si Roma. 1. Torino: Giulio Einauri editore 
  • Duiker, William; Jackson Spielvogel (2001). World History Third ed. [S.l.]: Wadsworth. ISBN 0-534-57168-9 
  • Durant, Will (1944). The Story of Civilization, Volume III: Caesar and Christ. [S.l.]: Simon and Schuster, Inc. 
  • Elton, Hugh (1996). Warfare in Roman Europe AD350-425. Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-815241-8 
  • Flower (editor), Harriet I. (2004). The Cambridge Companion to the Roman Republic. Cambridge, UK: Cambridge University Press. ISBN 0-521-00390-3 
  • Edward Gibbon, The History of the Decline and Fall of the Roman Empire
  • Goldsworthy, Adrian Keith (2008). Caesar: Life of a Colossus. Yale University Press
  • Goldsworthy, Adrian Keith (1996). The Roman Army at War 100BC-AD200. Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-815057-1 
  • Goldsworthy, Adrian Keith (2003). The Complete Roman Army. London: Thames and Hudson, Ltd. ISBN 0-500-05124-0 
  • Grant, Michael (2005). Cities of Vesuvius: Pompeii and Herculaneum. London: Phoenix Press. ISBN 1-898800-45-6 
  • Haywood, Richard (1971). The Ancient World. [S.l.]: David McKay Company, Inc. 
  • Keegan, John (1993). A History of Warfare. Nova Iorque: Alfred A. Knopf. ISBN 0-394-58801-0 
  • Livy. The Rise of Rome, Books 1–5, translated from Latin by T.J. Luce, 1998. Oxford World's Classics. Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-282296-9.
  • Mackay, Christopher S. (2004). Ancient Rome: A Military and Political History. Cambridge, UK: Cambridge University Press. ISBN 0-521-80918-5 
  • Matyszak, Philip (2003). Chronicle of the Roman Republic. London: Thames & Hudson, Ltd. ISBN 0-500-05121-6 
  • O'Connell, Robert (1989). Of Arms and Men: A History of War, Weapons, and Aggression. Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-505359-1 
  • Peroni, Renato (2008). Comunità e insediamento in Italia fra età del bronzo e prima età del ferro. [S.l.: s.n.] 
  • Salles, Catherine (2008). Larousse das Civilização Antigas. Vol. I Dos faraós à fundação de Roma. São Paulo: Larousse do Brasil. ISBN 978-85-7635-443-7 
  • Scarre, Chris (Setembro de 1995). The Penguin Historical Atlas of Ancient Rome. [S.l.]: Penguin Books. ISBN 0-14-051329-9 
  • Scullard, H. H. (1982). From the Gracchi to Nero. [S.l.]: Routledge. ISBN 0-415-02527-3 
  • Ward-Perkins, John Bryan (1994). Roman Imperial Architecture. [S.l.]: Yale University Press. ISBN 978-0-300-05292-3 
  • Werner, Paul (1978). Life in Rome in Ancient Times. Geneva: Editions Minerva S.A. 
  • Willis, Roy (2000). World Mythology: The Illustrated Guide. Collingwood, Victoria: Ken Fin Books. ISBN 1-86458-089-5 
  • Witts, Patricia (2005). Mosaics in Roman Britain: Stories in Stone. Stroud: History Press. ISBN 978-0752434216 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Coarelli, Filippo. Rome and environs: An archaeological guide. Berkeley: Univ. of California Press, 2007.
  • Cornell, Tim J. The beginnings of Rome: Italy and Rome from the Bronze Age to the Punic Wars (c. 1000–264 BC). London: Routledge, 1995.
  • Coulston, J. C, and Hazel Dodge, editors. Ancient Rome: The archaeology of the eternal city. Oxford: Oxford University School of Archaeology, 2000.
  • Forsythe, Gary. A critical history of early Rome. Berkeley: University of California Press, 2005.
  • Fox, Matthew. Roman historical myths: The regal period in Augustan literature. Oxford: Oxford University Press, 1996.
  • Gabba, Emilio. Dionysius and the history of Archaic Rome. Berkeley: University of California Press, 1991.
  • Holloway, R. Ross. The archaeology of early Rome and Latium. London: Routledge, 1994.
  • Keaveney, Arthur. Rome and the unification of Italy. 2nd edition. Bristol: Bristol Phoenix, 2005.
  • Kraus, Christina Shuttleworth, and A. J. Woodman. Latin historians. Oxford: Oxford University Press, 1997.
  • Mitchell, Richard E. Patricians and plebeians: The origin of the Roman state. Ithaca: Cornell University Press, 1990.
  • Potter, T. W. Roman Italy. Berkeley: University of California Press, 1987.
  • Raaflaub, Kurt A., editors. Social struggles in Archaic Rome: New perspectives on the conflict of the orders. 2nd edition. Oxford: Blackwell, 2004.
  • Rosenstein, Nathan S., and Robert Morstein-Marx, editors. A companion to the Roman Republic. Oxford: Blackwell, 2006.
  • Scheidel, Walter, Richard P Saller, and Ian Morris. The Cambridge Economic History of the Greco-Roman World. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.
  • Smith, Christopher J. Early Rome and Latium: Economy and society c.1000–500 BC. Oxford: Oxford University Press, 1996.
  • Stewart, Roberta. Public office in early Rome: Ritual procedure and political practice. Ann Arbor: University of Michigan Press, 1998.
  • Woolf, Greg. Rome: An Empire's Story. Oxford: Oxford University Press, 2012.
  • Wyke, Maria. Projecting the Past: Ancient Rome, Cinema, and History. Nova Iorque: Routledge, 1997.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Roma Antiga