Império Merínida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Império Merínida
Flag of Almohad Dynasty.svg
1244 — 1465 
Flag of Morocco 1258 1659.svg
Bandeira   Escudo
Bandeira Escudo
ImperioBenimeríSigloXIV-pt.svg
Império Merínida em seu zênite
Capital Fez
Países atuais

Língua oficial
Religião
Moeda

Período histórico
• 1244  Fundação
• 1465  Dissolução

Império Merínida foi um Estado berbere (amazigue) do Magrebe criado pelos merínidas ou Benamerim[1] (em berbere: Imrinen; em árabe: المرينيون; transl.: Al Marīniyūn) em substituição do Califado Almóada nos séculos XIII-XV. Os merínidas eram uma tribo dos zanatas que historicamente foram aliados do Califado de Córdova. Em 1248, Abu Iáia (r. 1244–1256) tomou Fez e a tornou a capital merínida. Em 1269, Abu Iúçufe Iacube (r. 1256–1286) derrotou o último almóada e tomou Marraquexe, com a sua dinastia desde então dominando todo o Magrebe Ocidental (atual Marrocos).[2]

Até meados do século XIV, conduziram a jiade na Hispânia (Alandalus) que, embora não recuperou quaisquer territórios perdidos na Reconquista (718–1492), ajudaram a consolidar o Reino Nacérida de Granada e expandir as fronteiras do Estado em áreas do extinto Califado Almóada no norte da África. Abu Haçane Ali (r. 1331–1348) conseguiu capturar Tremecém dos zianidas em 1337, mas nem ele nem seu sucessor Abu Inane Faris tomaram o Reino Haféssida da Ifríquia. As campanhas esgotaram os recursos do Império Merínida e o Estado entrou em anarquia. Um ramo colateral da dinastia, os oatácidas, fundaram seu próprio sultanato em 1465 e que existiu até 1548.[2]

Referências

  1. Thomaz 1994, p. 67.
  2. a b Editores 1998.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Thomaz, Luís Filipe Ferreira Reis. De Ceuta a Timor. São Paulo: Difel