Dinastia Wei do Norte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa



北魏
Wei do Norte

Império

386 – 535 Blank.png
 
Blank.png
Localização de Wei do Norte
Ásia em 500 d.C, que mostra os territórios da dinastia Wei do Norte e suas proximidades
Continente Ásia
Região Ásia Oriental
País China
Capital Shengle(386-398, capital do antigo Dai, próximo da atual Huhhot)
Pingcheng (398-493)
Luoyang (493-534)
Chang'an (534-535)
Governo Monarquia
Imperador
 • 386-409 Imperador Daowu
 • 424-452 Imperador Taiwu
 • 471-499 Imperador Xiaowen
 • 499-515 Imperador Xuanwu
 • 528-530 Imperador Xiaozhuang
 • 532-535 Imperador Xiaowu
História
 • 20 de fevereiro[1] de 386 Fundação
 • 24 de janeiro [2] de 399 Reivindicação do título imperial do Imperador Daowu
 • 439 de Unificação do Norte da China
 • 25 de outubro de 493[3] Transferência da capital para Luoyang
 • 17 de maio[4] de 528 Massacre dirigido por Erzhu Rong sobre os funcionários imperiais, da classe dominante.
 • 8 de novembro[5] de 535 Instauração da dinastia Wei Oriental, divisão.
 • 3 de fevereiro de 535[5] Morte do Imperador Xiaowu
Área
 • 450 2 000 000 km2
Precedido por
Sucedido por
Blank.png Qin anterior
Blank.png Yan posterior
Blank.png Xia (Dezasseis Reinos)
Blank.png Yan sententrional
Blank.png Liang setentrional
Wei oriental Blank.png
Wei ocidental Blank.png
Dinastia Wei do Norte
Chinês: 北魏
Significado literal Wei do Norte

A Dinastia Wei do Norte (chinês: 北魏, pinyin: Běi Wèi), também conhecida por Tuoba Wei (拓跋魏), Wei tardio (後魏), ou Yuan Wei (元魏), foi uma dinastia fundada pelo clã Tuoba de Xianbei, que governou o norte da China de 386 a 534 (de jure até 535). Foi a mais longeva e poderosa das dinastias chinesas do norte estabelecidas antes da reunificação do país durante as dinastias Sui e Tang. Descrita como "parte de uma era de instabilidade política e de intensas alterações sociais e culturais",[6] a dinastia Wei do Norte é particularmente notória pela unificação do norte da China em 439: este foi também um período onde se verifica a introdução de novas ideias oriundas do estrangeiro, tal como o Budismo, que se tornou bastante enraizado no país. Deste período sobreviveram vários trabalhos de arte e antiguidades, tanto budistas como daoístas. Durante o período Taihe (477—499) do Imperador Xiaowen, conselheiros da corte instituíram profundas reformas e introduziram novas alterações que eventualmente conduziram a que a capital da dinastia se transferisse de Pingcheng (atual Datong) para Luoyang, em 494. Este foi o tempo em que as Grutas de Yungang foram construídas, perto de Datong, entre meados e finais do século V d.C., e para finais da dinastia; as Grutas de Longmen, a 13 quilómetros ao sul da capital Luoyang, na qual mais de 30 000 imagens budistas do período desta dinastia foram descobertas. Os Tuoba autodenominaram-se de Yuan como parte da sistemática sinização. Para finais da dinastia Wei confirma-se uma significativa dissensão interna que resultou numa secessão, surgindo as dinastias Wei oriental (534 — 550) e Wei ocidental (535 — 557).[carece de fontes?]

Referências

  1. Zizhi Tongjian, vol. 106.
  2. Zizhi Tongjian, vol. 110.
  3. Zizhi Tongjian, vol. 138.
  4. Zizhi Tongjian, vol. 152.
  5. a b Zizhi Tongjian, vol. 156.
  6. Katherine R. Tsiang, p. 222

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Zizhi Tongjian.
  • Jenner, W. J. F. Memories of Loyang: Yang Hsuan-chih and the lost capital (493-534). Oxford: Clarendon Press, 1981.
  • Tsiang, Katherine R. "Changing Patterns of Divinity and Reform in the Late Northern Wei" in The Art Bulletin, Vol. 84 No. 2 (June 2002), pp. 222–245.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Dinastia Wei do Norte


Ícone de esboço Este artigo sobre Estado extinto, integrado ao Projeto Estados Extintos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.