Assíria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a antiga Assíria. Para seu coração geográfico e cultural, veja Pátria assíria. Para outros significados, veja Assíria (desambiguação).
Disambig grey.svg Nota: "Império Assírio" redireciona para este artigo. Para o estágio mais poderoso do antigo estado assírio, veja Império Neoassírio.
Assíria
Blank.png
c. 2025 a.C.[a] — 609 a.C.[b] 
Blank.png
Blank.png
Símbolo do deus Assur, a antiga divindade nacional assíria
Símbolo do deus Assur, a antiga divindade nacional assíria
Assyrie general.PNG
Mapa mostrando o antigo coração assírio (vermelho) e a extensão do Império Neoassírio no século VII a.C. (laranja)
Capitais Assur
(c. 2025–1233 a.C.)
Car-Tuculti-Ninurta
(c. 1233–1207 a.C.)
Assur
(c. 1207–879 a.C.)
Ninrude
(879–706 a.C.)
Dur Sarruquim
(706–705 a.C.)
Nínive
(705–612 a.C.)
Harã
(612–609 a.C.)

Línguas oficiais
Religião antiga religião mesopotâmica

Forma de governo Monarquia
Reis notáveis
• c. 2025 a.C.  Puzurassur I (primeiro)
• c. 1974–1935 a.C.  Erisum I
• c. 1808–1776 a.C.  Samsiadade I
• c. 1700–1691 a.C.  Belbani
• c. 1363–1328 a.C.  Assurubalite I
• c. 1243–1207 a.C.  Tuculti-Ninurta I
• 1114–1076 a.C.  Tiglate-Pileser I
• 883–859 a.C.  Assurnasirpal II
• 745–727 a.C.  Tiglate-Pileser III
• 705–681 a.C.  Senaqueribe
• 681–669 a.C.  Assaradão
• 669–631 a.C.  Assurbanípal
• 612–609 a.C.  Assurubalite II (último)

Período histórico Idade do Bronze à Idade do Ferro
• c. 2600 a.C.  Fundação de Assur
• c. 2025 a.C.[a]  Assur se torna uma cidade-estado independente
• c. 2025–1364 a.C.  período assírio antigo
• c. 1363–912 a.C.  período assírio médio
• 911–609 a.C.  período neoassírio
• 609 a.C.[b]  Conquista pelos impérios neobabilônico e medo
• c. 240 d.C.  Saque e destruição de Assur pelo Império Sassânida

Assíria (cuneiforme neoassírio: Inscription mat Assur-ki for Assyria in the Rassam cylinder, 1st column, line 5.jpg, romanizado: māt Aššur; siríaco clássico: ܐܬܘܪ, romanizado: ʾāthor) foi uma importante civilização mesopotâmica antiga que existiu como uma cidade-estado do século XXI a.C. ao século XIV a.C. e, posteriormente, como um estado territorial e, eventualmente, como um império do século XIV a.C. ao século VII a.C.

Abrangendo desde o início da Idade do Bronze até o final da Idade do Ferro, os historiadores modernos normalmente dividem a história antiga da Assíria nos períodos assírio inicial (c. 2600–2025 a.C.), assírio antigo (c. 2025–1364 a.C.), assírio médio (c. 1363–912 a.C.), neoassírio (911–609 a.C.) e pós-imperial (609 a.C.–c. 240 d.C.), com base em eventos políticos e mudanças graduais na linguagem.[4][5] Assur, a primeira capital assíria, foi fundada em c. 2 600 a.C., mas não há evidências de que a cidade fosse independente até o colapso da terceira dinastia de Ur no século XXI a.C.,[3] quando uma linha de reis independentes começando com Puzurassur I começou a governar a cidade. Centrado no coração assírio no norte da Mesopotâmia, o poder assírio flutuou ao longo do tempo. A cidade passou por vários períodos de governo e domínio estrangeiro antes que a Assíria ascendesse sob Assurubalite I no século XIV a.C. como o Médio Império Assírio. Nos períodos médio e neoassírio, a Assíria foi um dos dois principais reinos da Mesopotâmia, ao lado da Babilônia no sul, e às vezes se tornou a potência dominante no Antigo Oriente Próximo. A Assíria estava em seu auge no período neoassírio, quando o exército assírio era o poder militar mais forte do mundo[6] e os assírios governavam o maior império até então reunido na história mundial,[6][7][8] abrangendo desde partes do Irã moderno, no leste, até o Egito, no oeste.

O Império Assírio caiu no final do século VII a.C., conquistado por uma coalizão de babilônios e medos, que viveram sob o domínio assírio por cerca de um século. Embora o território central da Assíria tenha sido amplamente devastado na conquista medo-babilônica do Império Assírio e o posterior Império Neobabilônico investido poucos recursos na reconstrução, a antiga cultura e tradições assírias continuaram a sobreviver por séculos ao longo do período pós-imperial. A Assíria experimentou uma recuperação sob os impérios selêucida e parta, embora tenha declinado novamente sob o Império Sassânida, que saqueou várias cidades na região, incluindo a própria Assur. Os restantes do povo assírio, que sobreviveram no norte da Mesopotâmia até os tempos modernos, foram gradualmente cristianizados a partir do século I d.C. A antiga religião mesopotâmica persistiu em Assur até seu saque final no século III d.C., e em alguns outros redutos por séculos depois.[9]

O sucesso da antiga Assíria não derivava apenas de seus enérgicos reis-guerreiros, mas também de sua capacidade de incorporar e governar com eficiência as terras conquistadas por meio de sofisticados sistemas administrativos. Inovações em guerra e administração pioneiras na antiga Assíria foram usadas em impérios e estados posteriores por milênios depois.[6] A antiga Assíria também deixou um legado de grande significado cultural,[10] particularmente através do Império Neoassírio, causando uma impressão proeminente na tradição literária e religiosa assíria, greco-romana e hebraica posterior.[11][12][c]

Nomenclatura[editar | editar código-fonte]

No período assírio antigo, quando a Assíria era apenas uma cidade-estado centrada em torno da cidade de Assur, o estado era normalmente referido como ālu Aššur ("cidade do [deus] Assur"). A partir do momento de sua ascensão como um estado territorial no século XIV a.C. em diante, a Assíria foi referida na documentação oficial como māt Aššur ("terra do [deus] Assur"), marcando a mudança para ser uma entidade política regional. O termo māt Aššur é atestado pela primeira vez como sendo usado no reinado de Assurubalite I (c. 1363–1328 a.C.), o primeiro rei do Médio Império Assírio.[13] Tanto ālu Aššur quanto māt Aššur derivam da divindade nacional assíria Assur.[14] O deus Assur provavelmente se originou no período assírio inicial como uma personificação deificada da própria cidade de Assur.[2] No período assírio antigo, a divindade era considerada o rei formal da cidade de Assur, com os governantes contemporâneos usando apenas o título Išši'ak ("governador").[15][16] A partir do momento da ascensão da Assíria como um estado territorial, o deus Assur começou a ser considerado a personificação de toda a terra governada pelos reis assírios.[14]

O nome moderno "Assíria" é de origem grega,[17] derivado de Ασσυρία (Assuría). O termo é atestado pela primeira vez no tempo do antigo historiador grego Heródoto (século V a.C.). Os gregos designaram o Levante como "Síria" e a Mesopotâmia como "Assíria", embora a população local da época, e até o período cristão posterior, usasse ambos os termos de forma intercambiável para toda a região.[17] Se os gregos começaram a se referir à Mesopotâmia como "Assíria" porque equiparavam a região com o Império Assírio, há muito tempo caído no momento em que o termo é atestado pela primeira vez, ou porque nomearam a região em homenagem às pessoas que viviam lá (os assírios) não é conhecido.[18] Como o termo é tão semelhante a "Síria", a questão de saber se os dois estão conectados tem sido examinada por estudiosos desde o século XVII. Uma vez que a forma abreviada "Síria" é atestada em fontes anteriores às gregas como sinônimo de Assíria, notadamente em textos lúvios e aramaicos da época do Império Neoassírio, os estudiosos modernos apoiam esmagadoramente os nomes como sendo conectados.[19]

Tanto "Assíria" quanto a contraída "Síria" são, em última análise, derivados do acádio Aššur.[20] Os numerosos impérios posteriores que governaram a Assíria após a queda do Império Neoassírio usaram seus próprios nomes para a região, muitos dos quais também foram derivados de Aššur. O Império Aquemênida se referia à Assíria como Aθūrā ("Atura").[21] O Império Sassânida inexplicavelmente se referia ao sul da Mesopotâmia como Āsōristān ("terra dos assírios"),[22] embora a província do norte de Nōdšīragān, que incluía grande parte do antigo coração assírio, também fosse às vezes chamada de Atūria ou Āthōr.[23] No siríaco clássico, a Assíria era e é referida como ʾāthor.[24]

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História dos Assírios
Assíria pós-imperialImpério NeoassírioMédio Império Assírioperíodo assírio antigoperíodo assírio inicial

História antiga[editar | editar código-fonte]

Cabeça de uma figura feminina, datada do período acádio (c. 2334–2154 a.C.), encontrada em Assur, em exposição no Museu de Pérgamo em Berlim.

Sabe-se que as aldeias agrícolas na região que mais tarde se tornaria a Assíria existiam na época da cultura de Hassuna,[25] c. 6300–5800 a.C.[26] Embora os locais de algumas cidades próximas que mais tarde seriam incorporadas ao coração assírio, como Nínive, sejam habitados desde o Neolítico,[27] as primeiras evidências arqueológicas de Assur datam do Período Dinástico Arcaico, c. 2 600 a.C.[28] Nessa época, a região do entorno já era relativamente urbanizada.[25] Não há evidências de que a antiga Assur tenha sido um assentamento independente,[3] e pode não ter sido chamado de Assur inicialmente, mas sim Baltil ou Baltila, usado em tempos posteriores para se referir à parte mais antiga da cidade.[29] O nome "Assur" é atestado pela primeira vez para o local em documentos do período acádio no século XXIV a.C.[30] Durante a maior parte do período assírio inicial (c. 2600–2025 a.C.), Assur foi dominada por estados e governos do sul da Mesopotâmia.[31] No início, Assur por um tempo caiu sob a frouxa hegemonia da cidade suméria de Quis[32] e mais tarde foi ocupada pelo Império Acádio e posteriormente pela terceira dinastia de Ur.[3] Em c. 2 025 a.C., devido ao colapso da terceira dinastia de Ur, Assur tornou-se uma cidade-estado independente sob Puzurassur I.[33]

Ruínas da colônia comercial assíria antiga em Cultepe

Assur estava sob a dinastia de Puzurassur, lar de menos de 10.000 pessoas e provavelmente detinha um poder militar muito limitado; nenhuma instituição militar é conhecida dessa época e nenhuma influência política foi exercida nas cidades vizinhas.[34] A cidade ainda era influente de outras maneiras; sob Erisum I (c. 1974–1934 a.C.), Assur experimentou o livre-comércio, o mais antigo experimento conhecido na história mundial, que deixou a iniciativa de comércio e transações estrangeiras em larga escala inteiramente para a população e não para o estado.[35] O incentivo real ao comércio levou Assur a se estabelecer rapidamente como uma importante cidade comercial no norte da Mesopotâmia[36] e logo depois estabelecendo uma extensa rede de comércio de longa distância,[37] a primeira impressão notável que a Assíria deixou no registro histórico.[31] Entre as evidências deixadas por esta rede comercial estão grandes coleções de tabuinhas cuneiformes assírias antigas de colônias comerciais assírias, a mais notável das quais é um conjunto de 22.000 tabuinhas de argila encontradas em Cultepe, perto da cidade moderna de Caiseri, na Turquia.[37] À medida que o comércio declinava, talvez devido ao aumento da guerra e do conflito entre os crescentes estados do Oriente Próximo,[38] Assur foi frequentemente ameaçada por estados e reinos estrangeiros maiores.[39] A cidade-estado original de Assur e a dinastia de Puzurassur chegaram ao fim em c. 1 808 a.C., quando a cidade foi conquistada pelo governante amorreu de Ecalatum, Samsiadade I.[40] As extensas conquistas de Samsiadade no norte da Mesopotâmia eventualmente o tornaram o governante de toda a região,[38] fundando o que alguns estudiosos chamaram de "Reino da Alta Mesopotâmia".[41] A sobrevivência deste reino dependia principalmente da própria força e carisma de Samsiadade e, portanto, entrou em colapso logo após sua morte em c. 1 776 a.C.[42]

Após a morte de Samsiadade, a situação política no norte da Mesopotâmia era altamente volátil, com Assur às vezes ficando sob o breve controle de Esnuna,[43] Elão[44][45] e do Antigo Império Babilônico.[44][45] Em algum momento, a cidade voltou a ser uma cidade-estado independente,[46] embora a própria política de Assur também fosse volátil, com lutas entre membros da dinastia de Samsiadade, assírios nativos e hurritas pelo controle.[47] As lutas internas chegaram ao fim após a ascensão de Belbani como rei em c. 1 700 a.C.[48][49] Belbani fundou a dinastia adasida, que após seu reinado governou a Assíria por cerca de mil anos.[50] A ascensão da Assíria como um estado territorial em tempos posteriores foi em grande parte facilitada por duas invasões separadas da Mesopotâmia pelos hititas. Uma invasão do rei hitita Mursil I em c. 1 595 a.C. destruiu o Antigo Império Babilônico dominante, permitindo que os reinos menores de Mitani e Babilônia cassita surgissem no norte e no sul, respectivamente.[51] Por volta de c. 1 430 a.C., Assur foi subjugada por Mitani, um arranjo que durou cerca de 70 anos, até c. 1 360 a.C.[52] Outra invasão hitita por Supiluliuma I no século XIV a.C. efetivamente paralisou o reino de Mitani. Após sua invasão, a Assíria conseguiu libertar-se de seu suserano, alcançando a independência mais uma vez sob Assurubalite I (r. 1363–1328 a.C.), cuja ascensão ao poder, independência e conquistas de territórios vizinhos tradicionalmente marcam a ascensão do Médio Império Assírio (c. 1363–912 a.C.).[53]

Império Assírio[editar | editar código-fonte]

Mapas das fronteiras do Médio Império Assírio (à esquerda) e do Império Neoassírio (à direita) em seus respectivos auges nos séculos XIII e VII a.C.

Assurubalite I foi o primeiro governante assírio nativo a reivindicar o título real šar ("rei").[39] Pouco depois de alcançar a independência, ele reivindicou ainda a dignidade de um grande rei no nível dos faraós egípcios e dos reis hititas.[53] A ascensão da Assíria foi entrelaçada com o declínio e queda do reino de Mitani, seu antigo suserano, o que permitiu aos primeiros reis assírios médios expandir e consolidar territórios no norte da Mesopotâmia.[54] Sob os reis guerreiros Adadenirari I (c. 1305–1274 a.C.), Salmaneser I (c. 1273–1244 a.C.) e Tuculti-Ninurta I (c. 1243–1207 a.C.), a Assíria começou a realizar suas aspirações de se tornar uma potência regional significativa.[55] Esses reis fizeram campanha em todas as direções e incorporaram uma quantidade significativa de território ao crescente Império Assírio. Sob Salmaneser I, os últimos remanescentes do reino de Mitani foram formalmente anexados à Assíria.[55] O mais bem-sucedido dos reis assírios médios foi Tuculti-Ninurta I, que trouxe o Médio Império Assírio à sua maior extensão.[55] Suas realizações militares mais notáveis ​​foram sua vitória na Batalha de Niria em c. 1 237 a.C., que marcou o início do fim da influência hitita no norte da Mesopotâmia,[56] e sua conquista temporária da Babilônia, que se tornou um vassalo assírio entre c. 1225–1 216 a.C.[57][58] Tuculti-Ninurta também foi o primeiro rei assírio a tentar mudar a capital de Assur, inaugurando a nova cidade Car-Tuculti-Ninurta como capital[59] em c. 1 233 a.C.[60] A capital retornou a Assur após sua morte capital.[59]

O assassinato de Tuculti-Ninurta I em c. 1 207 a.C. foi seguido por um conflito interdinástico e uma queda significativa no poder assírio.[61] Os sucessores de Tuculti-Ninurta I foram incapazes de manter o poder assírio e a Assíria tornou-se cada vez mais restrita apenas ao coração assírio,[61] um período de declínio que coincidiu amplamente com o colapso da Idade do Bronze.[61] Embora alguns reis neste período de declínio, como Assurdã I (c. 1178–1133 a.C.), Assurrexixi I (r. 1132–1115 a.C.) e Tiglate-Pileser I (r. 1114–1076 a.C.) trabalhassem para reverter o declínio e fizessem conquistas significativas,[62] suas conquistas foram efêmeras e instáveis, rapidamente perdidas novamente.[63] A partir da época de Eribadade II (r. 1056–1054 a.C.), o declínio assírio se intensificou.[64] O coração assírio permaneceu seguro, uma vez que foi protegido por seu afastamento geográfico.[65] Como a Assíria não foi o único estado a sofrer declínio durante esses séculos, e as terras ao redor do coração assírio também estavam significativamente fragmentadas, seria relativamente fácil para o exército assírio revigorado reconquistar grandes partes do império. Sob Assurdã II (r. 934–912 a.C.), que fez campanha no nordeste e noroeste, o declínio assírio foi finalmente revertido, abrindo caminho para esforços maiores sob seus sucessores. O fim de seu reinado marca convencionalmente o início do Império Neoassírio (911-609 a.C.).[66]

Relevo parcial de Tiglate-Pileser III (r. 745–727 a.C.), sob quem o Império Neoassírio foi consolidado, centralizado e significativamente expandido

Ao longo de décadas de conquistas, os primeiros reis neoassírios trabalharam para retomar as terras do Médio Império Assírio.[8][67] Uma vez que esta reconquista teve que começar quase do zero, seu eventual sucesso foi uma conquista extraordinária.[68] Sob Assurnasirpal II (r. 883–859 a.C.), o Império Neoassírio tornou-se o poder político dominante no Oriente Próximo.[69] Em sua nona campanha, Assurnasirpal II marchou para a costa do Mar Mediterrâneo, coletando tributos de vários reinos no caminho.[70] Um desenvolvimento significativo durante o reinado de Assurnasirpal II foi a segunda tentativa de transferir a capital assíria para longe de Assur. Assurnasirpal restaurou a antiga e arruinada cidade de Ninrude, também localizada no coração da Assíria, e em 879 a.C. designou essa cidade como a nova capital do império.[70] Embora não seja mais a capital política, Assur permaneceu o centro cerimonial e religioso da Assíria.[71] O filho de Assurnasirpal II, Salmaneser III (r. 859–824 a.C.), também passou por amplas guerras de conquista, expandindo o império em todas as direções.[71] Após a morte de Salmaneser III, o Império Neoassírio entrou em um período de estagnação chamado de "era dos magnatas", quando poderosos oficiais e generais eram os principais detentores do poder político, em vez do rei.[72] Este período de estagnação chegou ao fim com a ascensão de Tiglate-Pileser III (r. 745–727 a.C.), que reduziu o poder dos magnatas,[73] consolidou e centralizou as propriedades do império,[8][74] e através de suas campanhas militares e conquistas mais do que dobrou a extensão do território assírio. As conquistas mais significativas foram a vassalagem do Levante até a fronteira egípcia e a conquista da Babilônia em 729 a.C.[75]

O Império Neoassírio atingiu o auge de sua extensão e poder sob a dinastia sargônida,[76] fundada por Sargão II (r. 722–705 a.C.). Sob Sargão II e seu filho Senaqueribe (r. 705–681 a.C.), o império foi ainda mais expandido e os ganhos foram consolidados. Ambos os reis fundaram novas capitais; Sargão II mudou a capital para a nova cidade de Dur Sarruquim em 706 a.C.[77] e no ano seguinte, Senaqueribe transferiu a capital para Nínive, que ele ampliou e renovou ambiciosamente.[78] A conquista do Egito em 671 a.C. sob Assaradão (r. 681–669 a.C.) levou a Assíria à sua maior extensão de todos os tempos.[76] Após a morte de Assurbanípal (r. 669–631 a.C.), o Império Neoassírio rapidamente entrou em colapso. Uma das principais razões foi a incapacidade dos reis neoassírios de resolver o "problema babilônico"; apesar de muitas tentativas de apaziguar a Babilônia no sul, as revoltas foram frequentes durante todo o período sargônida. A revolta da Babilônia sob Nabopolassar em 626 a.C., em combinação com uma invasão dos medos sob Ciaxares em 615/614 a.C., levou à conquista medo-babilônica do Império Assírio.[79] Assur foi saqueada em 614 a.C. e Nínive caiu em 612 a.C.[80] O último governante assírio, Assurubalite II, tentou reunir o exército assírio em Harã no oeste, mas foi derrotado em 609 a.C., marcando o fim da antiga linha de reis assírios e da Assíria como um estado.[81][82]

História posterior[editar | editar código-fonte]

Detalhe de uma estela no estilo das estelas reais neoassírias erguidas em Assur no século II d.C. (sob o domínio parta) pelo governante local Rʻuth-Assor[83]

Apesar da violenta queda do Império Assírio, a cultura assíria continuou a sobreviver durante o subsequente período pós-imperial (609 a.C. – c. 240 d.C.) e além.[5] O coração assírio experimentou uma diminuição dramática no tamanho e número de assentamentos habitados durante o governo do Império Neobabilônico fundado por Nabopolassar; as antigas capitais assírias Assur, Ninrude e Nínive foram quase completamente abandonadas.[84] Ao longo do tempo do Império Neobabilônico e depois do Império Aquemênida, a Assíria permaneceu uma região marginal e escassamente povoada.[85] No final do século VI a.C., o dialeto assírio da língua acádia foi extinto, tendo no final do Império Neoassírio já sido amplamente substituído pelo aramaico como língua vernácula.[86] Sob os impérios que sucederam aos neobabilônicos, a partir do final do século VI a.C., a Assíria começou a experimentar uma recuperação. Sob os aquemênidas, a maior parte do território foi organizada na província[d] de Atura (Aθūrā).[21] A organização em uma única grande província,[88] a falta de interferência dos governantes aquemênidas nos assuntos locais,[21] e o retorno da estátua de culto do deus Assur para a cidade de Assur logo após os aquemênidas conquistarem a Babilônia facilitou a sobrevivência da cultura assíria.[89] Sob o Império Selêucida, que controlava a Mesopotâmia do final do século IV a meados do século II a.C., locais assírios como Assur, Ninrude e Nínive foram reassentados e um grande número de aldeias foi reconstruída e expandida.[90]

Depois que o Império Parta conquistou a região no século II a.C., a recuperação da Assíria continuou, culminando em um retorno sem precedentes à prosperidade e ao renascimento nos séculos I a III d.C. A região foi reassentada e restaurada com tanta intensidade que a densidade populacional e de assentamentos atingiu níveis não vistos desde o Império Neoassírio.[90] A região estava sob os partas governada principalmente por um grupo de reinos vassalos, incluindo Osroena, Adiabena e Hatra. Embora em alguns aspectos influenciados pela cultura assíria, esses estados em sua maioria não eram governados por governantes assírios.[91][92] A própria Assur floresceu sob o domínio parta.[91][93] Por volta ou logo após o final do século II a.C.,[94] a cidade pode ter se tornado a capital de seu próprio pequeno reino assírio semi-autônomo,[91] sob a suserania de Hatra,[95] ou sob suserania direta parta.[93] Por causa da semelhança entre as estelas dos governantes locais e as dos antigos reis assírios,[91] eles podem ter se visto como os restauradores e continuadores da antiga linhagem real.[96] O antigo templo do deus Assur foi restaurado no século II d.C.[91][93] Esta última era de ouro cultural chegou ao fim com o saque de Assur pelo Império Sassânida por volta de c. 240 d.C.[97] Durante o saque, o templo do deus Assur foi destruído novamente e a população da cidade foi dispersada.[95]

A partir do século I d.C., muitos dos assírios tornaram-se cristianizados,[98] embora os remanescentes da antiga religião mesopotâmica continuassem a sobreviver por séculos.[9] Apesar da perda de poder político, os assírios continuaram a constituir uma parcela significativa da população no norte da Mesopotâmia até a supressão e massacres por motivos religiosos sob o Ilcanato e o Império Timúrida no século XIV, que os relegou a uma minoria étnica e religiosa local.[99] Os assírios viveram em grande parte em paz sob o domínio do Império Otomano, que ganhou o controle da Assíria no século XVI.[100][101][102] No final do século XIX e início do século XX, quando os otomanos se tornaram cada vez mais nacionalistas, novas perseguições e massacres foram decretados contra os assírios, mais notavelmente o Sayfo (genocídio assírio),[103] que resultou na morte de cerca de 250.000 assírios.[104][e] Ao longo do século XX e ainda hoje, muitas propostas sem sucesso foram feitas pelos assírios para autonomia ou independência.[105] Outros massacres e perseguições, decretados tanto por governos quanto por grupos terroristas como o Estado Islâmico, resultaram na maioria do povo assírio vivendo na diáspora.[106]

Governo e militares[editar | editar código-fonte]

Governo[editar | editar código-fonte]

Desenho de um selo real do antigo rei assírio Erisum I (c. 1974–1934 a.C.). Acredita-se que o governante sentado represente o deus Assur, com Erisum sendo a figura calva sendo conduzida em direção a ele.[107]

Na cidade-estado de Assur do período assírio antigo, o governo era em muitos aspectos uma oligarquia, onde o rei era um ator permanente, embora não o único proeminente.[108] Os reis assírios antigos não eram autocratas, com poder único, mas atuavam como administradores em nome do deus Assur e presidiam as reuniões da assembleia da cidade,[16][109] o principal órgão administrativo assírio durante este período.[110] A composição da assembleia da cidade não é conhecida, mas geralmente acredita-se que tenha sido composta por membros das famílias mais poderosas da cidade,[108] muitos dos quais eram comerciantes.[36] O rei atuou como o principal executivo e presidente desse grupo de indivíduos influentes e também contribuiu com conhecimento e experiência jurídica.[110] Os antigos reis assírios foram denominados como iššiak Aššur ("governador [em nome] do deus Assur"), com Assur sendo considerado o rei formal da cidade.[111] Que a população da cidade de Assur no período assírio antigo muitas vezes se referia ao rei como rubā’um ("grande") indica claramente que os reis, apesar de seu poder executivo limitado, eram vistos como figuras reais e como primus inter pares (primeiro entre iguais) entre os poderosos da cidade.[112]

Assur experimentou pela primeira vez uma forma mais autocrática de governo sob o conquistador amorreu Samsiadade I,[108] o primeiro governante de Assur a usar o título šarrum (rei)[113] e o título 'rei do Universo'.[114] Samsiadade I parece ter baseado sua forma mais absoluta de governo nos governantes do Antigo Império Babilônico.[115] Sob Samsiadade I, os assírios também fizeram seus juramentos pelo rei, não apenas pelo deus. Esta prática não sobreviveu além de sua morte.[116] A influência da assembleia da cidade havia desaparecido no início do período assírio médio. Embora o tradicional iššiak Aššur continuasse a ser usado às vezes, os reis assírios médios eram autocratas, em termos de poder tendo pouco em comum com os governantes do período assírio antigo.[111] À medida que o Império Assírio crescia, os reis começaram a empregar uma gama cada vez mais sofisticada de títulos reais. Assurubalite I foi o primeiro a assumir o título šar māt Aššur ("rei da terra do [deus] Assur") e seu neto Ariquedenili (c. 1317–1306 a.C.) introduziu o título šarru dannu ("rei forte"). As inscrições de Adadenirari I exigiam 32 linhas para serem dedicadas apenas aos seus títulos. Este desenvolvimento atingiu o auge sob Tuculti-Ninurta I, que assumiu, entre outros títulos, os títulos "rei da Assíria e Cardunias", "rei da Suméria e Acádia", "rei dos Mares Superior e Inferior" e "rei de todos os povos". Os títulos e epítetos reais muitas vezes refletiam altamente os desenvolvimentos políticos atuais e as conquistas de reis individuais; durante os períodos de declínio, os títulos reais usados normalmente se tornavam mais simples novamente, apenas para se tornarem mais grandiosos novamente à medida que o poder assírio experimentava ressurgimentos.[117]

Estela do rei neoassírio Assurnasirpal II (r. 883–859 a.C.)

Os reis dos períodos médio e neoassírio continuaram a se apresentar e a serem vistos por seus súditos como intermediários entre o deus Assur e a humanidade.[118] Essa posição e papel foram usados ​​para justificar a expansão imperial: os assírios viram seu império como sendo a parte do mundo supervisionada e administrada pelo deus Assur por meio de seus agentes humanos. Em sua ideologia, o reino exterior fora da Assíria era caracterizado pelo caos e as pessoas ali eram incivilizadas, com práticas culturais desconhecidas e línguas estranhas. A mera existência do "reino exterior" era considerada uma ameaça à ordem cósmica dentro da Assíria e, como tal, era dever do rei expandir o reino do deus Assur e incorporar essas terras estranhas, convertendo o caos em civilização. Os textos que descrevem a coroação de reis assírios médios e neoassírios às vezes incluem o deus Assur ordenando ao rei que "amplie a terra do deus Assur" ou "estenda a terra a seus pés". Assim, a expansão foi lançada como um dever moral e necessário.[119] Como o governo e as ações do rei assírio eram vistos como divinamente aprovados,[120] a resistência à soberania assíria em tempos de guerra era considerada resistência contra a vontade divina, que merecia punição.[121] Povos e governos que se revoltaram contra a Assíria eram vistos como criminosos contra a ordem divina mundial.[122] Como Assur era o rei dos deuses, todos os outros deuses estavam sujeitos a ele e, portanto, as pessoas que seguiam esses deuses deveriam ser submetidas ao representante do deus Assur, o rei assírio.[123]

Os reis também tinham deveres religiosos e judiciais. Os reis eram responsáveis ​​por realizar vários rituais em apoio ao culto de Assur e ao sacerdócio assírio.[124] Esperava-se que, juntamente com o povo assírio, fornecessem oferendas não apenas a Assur, mas também a todos os outros deuses. A partir da época de Assurrexixi I em diante, os deveres religiosos e cúlticos do rei foram colocados em segundo plano, embora ainda fossem mencionados com destaque nos relatos de construção e restauração de templos. Títulos e epítetos assírios nas inscrições a partir de então geralmente enfatizavam os reis como poderosos guerreiros.[118] Desenvolvendo-se a partir de seu papel no período assírio antigo, os reis médio e neoassírio eram a autoridade judicial suprema no império, embora geralmente pareçam estar menos preocupados com seu papel como juízes do que seus predecessores no período assírio antigo.[125] Esperava-se que os reis garantissem o bem-estar e a prosperidade da Assíria e seu povo, indicado por várias inscrições referindo-se aos reis como "pastores" (re’û).[118]

Cidades capitais[editar | editar código-fonte]

Vista de uma parede de pedra cinza e arcada, com as estátuas de três lamassu (divindades protetoras com asas, cabeça de humano e corpo de leão ou touro).
Ruínas de uma das entradas do Palácio Noroeste em Ninrude (capital assíria entre 879 e 706 a.C.), destruída pelo Estado Islâmico em 2015

Nenhuma palavra para a ideia de uma capital existia em acádio, sendo a mais próxima a ideia de uma "cidade da realeza", ou seja, um centro administrativo usado pelo rei, mas existem vários exemplos de reinos com múltiplas "cidades da realeza". Devido ao crescimento da Assíria na cidade-estado de Assur do período assírio antigo, e devido à importância religiosa da cidade, Assur foi o centro administrativo da Assíria durante a maior parte de sua história. Embora a administração real às vezes se mudasse para outro lugar, o status ideológico de Assur nunca foi totalmente substituído[126] e permaneceu um centro cerimonial no império, mesmo quando foi governado de outro lugar.[71] A transferência da sede real do poder para outras cidades era ideologicamente possível, pois o rei era o representante do deus Assur na Terra. O rei, como o deus, encarnava a própria Assíria, e assim a capital da Assíria era, em certo sentido, onde quer que o rei tivesse sua residência.[126]

A primeira transferência do poder administrativo de Assur ocorreu sob Tuculti-Ninurta I,[59] que em c. 1 233 a.C.[60] inaugurou Car-Tuculti-Ninurta como capital.[59] A fundação de uma nova capital por Tuculti-Ninurta I talvez tenha sido inspirada por desenvolvimentos na Babilônia no sul, onde a dinastia cassita havia transferido a administração da antiga cidade de Babilônia para a recém-construída cidade de Dur-Curigalzu, também com o nome em homenagem a um rei. Parece que Tuculti-Ninurta I pretendia ir além dos cassitas e também estabelecer Car-Tuculti-Ninurta como o novo centro de culto assírio. A cidade, no entanto, não foi mantida como capital após a morte de Tuculti-Ninurta I, com reis subsequentes mais uma vez governando de Assur.[59]

O Império Neoassírio passou por várias capitais diferentes. Há alguma evidência de que Tuculti-Ninurta II (r. 890–884 a.C.), talvez inspirado por seu predecessor de mesmo nome, fez planos não cumpridos para transferir a capital para uma cidade chamada Nemide Tuculti-Ninurta, ou uma cidade completamente nova ou um novo nome aplicado a Nínive, que a essa altura já rivalizava com Assur em escala e importância política.[127] A capital foi transferida sob o filho de Tuculti-Ninurta II, Assurnasirpal II, para Ninrude em 879 a.C.[70] Um detalhe arquitetônico que separa Ninrude e as outras capitais neoassírias de Assur é que elas foram projetadas de uma maneira que enfatizava o poder real: os palácios reais em Assur eram menores que os templos, mas a situação se inverteu nas novas capitais.[128] Sargão II transferiu a capital em 706 a.C. para a cidade de Dur Sarruquim, que ele mesmo construiu.[77] Uma vez que a localização de Dur Sarruquim não tinha nenhum mérito prático ou político óbvio, este movimento foi provavelmente uma declaração ideológica.[129] Imediatamente após a morte de Sargão II em 705 a.C., seu filho Senaqueribe transferiu a capital para Nínive,[78][130] uma sede de poder muito mais natural.[130] Embora não fosse uma residência real permanente,[131] Assurubalite II escolheu Harã como sua sede de poder após a queda de Nínive em 612 a.C. Harã é normalmente vista como a capital assíria final de curta duração. Nenhum projeto de construção foi realizado durante esse período, mas Harã havia sido estabelecido há muito tempo como um importante centro religioso, dedicado ao deus Sim.[132]


Aristocracia e elite[editar | editar código-fonte]

Estela de Belharrambeliusur, um arauto do palácio, feito no reinado do rei neoassírio Salmaneser IV (r. 783–773 a.C.)

Devido à natureza da preservação das fontes, sobrevivem mais informações sobre as classes superiores da antiga Assíria do que sobre as inferiores.[133] No topo da sociedade média e neoassíria havia membros de famílias grandes e estabelecidas há muito tempo chamadas "casas". Os membros dessa aristocracia tendiam a ocupar os cargos mais importantes dentro do governo[133] e eles eram provavelmente descendentes das famílias mais proeminentes do período assírio antigo.[134] Um dos cargos mais influentes na administração assíria foi o cargo de vizir (sukkallu). Desde pelo menos a época de Salmaneser I em diante, havia grão-vizires (sukkallu rabi’u), superior aos vizires comuns, que às vezes governavam suas próprias terras como nomeados dos reis. Pelo menos no período assírio médio, os grão-vizires eram tipicamente membros da família real e a posição era nessa época, como muitos outros cargos, hereditária.[135]

A elite do Império Neoassírio foi expandida e incluiu vários cargos diferentes. A elite interna neoassíria é tipicamente dividida pelos estudiosos modernos em "magnatas", um conjunto de cargos de alto escalão, e os "eruditos" (ummânī), encarregados de aconselhar e guiar os reis através da interpretação de presságios. Os magnatas incluíam os cargos masennu (tesoureiro), nāgir ekalli (arauto do palácio), rab šāqê (copeiro-chefe), rab ša-rēši (chefe/eunuco), sartinnu (juiz principal), sukkallu (grão-vizir) e turtanu (comandante-em-chefe), que por vezes continuou a ser ocupado por membros da família real. Alguns dos magnatas também atuavam como governadores de províncias importantes e todos estavam profundamente envolvidos com os militares assírios, controlando forças significativas. Eles também possuíam grandes propriedades isentas de impostos, espalhadas por todo o império.[136] No final do Império Neoassírio, havia uma crescente desconexão entre a elite tradicional assíria e os reis devido a ascensão de eunucos com poder sem precedentes.[137] Os cargos mais altos tanto na administração civil como no exército passaram a ser ocupados por eunucos de origens deliberadamente obscuras e humildes, uma vez que isso assegurava que seriam leais ao rei.[138] Os eunucos eram confiáveis, pois acreditava-se que não eram capazes de ter quaisquer aspirações dinásticas próprias.[139]

A partir da época de Erisum I, no início do período assírio antigo,[140] um titular de cargo anual, um oficial limmu, era eleito entre os homens influentes da Assíria. O funcionário limmu deu seu nome ao ano, o que significa que seu nome apareceu em todos os documentos administrativos assinados naquele ano. Os reis eram tipicamente os oficiais limmu em seus primeiros anos de reinado. No período assírio antigo, os funcionários limmu também detinham um poder executivo substancial, embora esse aspecto do cargo tenha desaparecido na época da ascensão do Médio Império Assírio.[108]

Administração[editar | editar código-fonte]

Estela de Ilitija, governador de Libiali, Car-Tuculti-Ninurta, Ecalatum, Itu, e Ruqahu, c. 804 a.C.

O sucesso da Assíria não se deveu apenas aos reis enérgicos que expandiram suas fronteiras, mas principalmente devido à sua capacidade de incorporar e governar com eficiência as terras conquistadas.[141] A partir da ascensão da Assíria como estado territorial no início do período assírio médio em diante, o território assírio foi dividido em um conjunto de províncias ou distritos (pāḫutu).[142] O número total e o tamanho dessas províncias variaram e mudaram à medida que a Assíria se expandia e se contraía.[143] Cada província era chefiada por um governador provincial (bel pāḫete,[142] bēl pīhāti[144] ou šaknu)[144] que era responsável por cuidar da ordem local, segurança pública e economia. Os governadores também armazenavam e distribuíam os bens produzidos em sua província, que eram inspecionados e recolhidos pelos representantes reais uma vez por ano. Por meio dessas inspeções, o governo central pode acompanhar os estoques e a produção atuais em todo o país. Os governadores tinham que pagar impostos e oferecer presentes ao deus Assur, embora esses presentes fossem geralmente pequenos e principalmente simbólicos.[142] A canalização de impostos e presentes não era apenas um método de coleta de lucros, mas também servia para conectar a elite de todo o império ao coração assírio.[145] No período neoassírio, é atestada uma extensa hierarquia dentro da administração provincial. Na base dessa hierarquia estavam os funcionários mais baixos, como gerentes de aldeias (rab ālāni) que supervisionavam uma ou mais aldeias, cobrando impostos sob a forma de trabalho e bens e mantendo a administração informada sobre as condições de seus assentamentos,[146] e oficiais de corveia (ša bēt-kūdini) que mantinham registros sobre o trabalho realizado por trabalhadores forçados e o tempo restante devido.[147] As cidades individuais tinham suas próprias administrações, chefiadas por prefeitos (ḫazi’ānu), responsáveis pela economia e produção local.[148]

Algumas regiões do Império Assírio não foram incorporadas ao sistema provincial, mas ainda estavam sujeitas ao domínio dos reis assírios. Tais estados vassalos poderiam ser governados indiretamente, permitindo que as linhas locais estabelecidas de reis continuassem governando em troca de tributos ou através dos reis assírios nomeando seus próprios governantes vassalos.[148] Através do sistema ilku, os reis assírios também podiam conceder terras aráveis ​​a indivíduos em troca de bens e serviço militar.[149]

Para superar os desafios de governar um grande império, o Império Neoassírio desenvolveu um sofisticado sistema de comunicação estatal,[150] que incluía várias técnicas inovadoras e estações de retransmissão.[151] Segundo estimativas de Karen Radner, uma mensagem oficial enviada no período neoassírio da província fronteiriça ocidental de Que para o coração assírio, uma distância de 700 quilômetros (430 milhas) sobre um trecho de terras com muitos rios sem pontes, poderia levar menos de cinco dias para chegar. Tal velocidade de comunicação era sem precedentes antes da ascensão do Império Neoassírio e não foi superada no Oriente Médio até que o telégrafo foi introduzido pelo Império Otomano em 1865, quase dois mil e quinhentos anos após a queda do Império Neoassírio.[152][151]

Militares[editar | editar código-fonte]

Ilustração do século XX de um lanceiro neoassírio

O exército assírio foi ao longo de sua história composto majoritariamente por tropas, mobilizadas apenas quando eram necessárias (como na época das campanhas). Por meio de regulamentos, obrigações e sistemas governamentais sofisticados, grandes quantidades de soldados poderiam ser recrutadas e mobilizadas já no início do período médio assírio.[153] Uma pequena unidade do exército central permanente foi estabelecida no Império Neoassírio, chamada de kiṣir šarri ("unidade do rei").[154] Algumas tropas profissionais (embora não permanentes) também são atestadas no período assírio médio, chamadas de ḫurādu ou ṣābū ḫurādātu, embora qual era o seu papel não é claro devido à escassez de fontes. Talvez esta categoria incluísse arqueiros e cocheiros, que precisavam de treinamento mais extenso do que soldados de infantaria normais.[153]

O exército assírio desenvolveu e evoluiu ao longo do tempo. No período assírio médio, os soldados de infantaria foram divididos em sạ bū ša kakkē ("tropas de armas") e sạ bū ša arâtē ("tropas de escudo"), mas os registros sobreviventes não são detalhados o suficiente para determinar quais eram as diferenças. É possível que o sạ bū ša kakkē incluísse tropas de ataque à distância, como fundibulários (ṣābū ša ušpe) e arqueiros (ṣābū ša qalte). As carruagens do exército compunham uma unidade própria. Com base em representações sobreviventes, as carruagens eram tripuladas por dois soldados: um arqueiro que comandava a carruagem (māru damqu) e um piloto (ša mugerre).[153] As carruagens entraram em uso militar extensivo pela primeira vez sob Tiglate-Pileser I nos séculos XII e XI a.C.[153] e foram, no posterior período neoassírio, gradualmente eliminadas em favor da cavalaria[155] (ša petḫalle).[153] No período assírio médio, a cavalaria era usada principalmente para escolta ou entrega de mensagens.[156]

Sob o Império Neoassírio, novos desenvolvimentos importantes nas forças armadas foram a introdução em larga escala da cavalaria, a adoção de ferro para armaduras e armas,[157] e o desenvolvimento de novas e inovadoras técnicas de guerra de cerco.[6] No auge do Império Neoassírio, o exército assírio era o exército mais forte já reunido na história mundial.[6] O número de soldados no exército neoassírio era provavelmente várias centenas de milhares.[158] O exército neoassírio foi subdividido em kiṣru, composto por talvez 1.000 soldados, a maioria dos quais teria sido soldados de infantaria (zūk, zukkû ou raksūte). A infantaria foi dividida em três tipos: leve, médio e pesado, com armas variadas, nível de armadura e responsabilidades.[154] Durante a campanha, o exército assírio fez uso intenso de intérpretes/tradutores (targumannu) e guias (rādi kibsi), ambos provavelmente vindo de estrangeiros reassentados na Assíria.[159]

População e sociedade[editar | editar código-fonte]

População e posição social[editar | editar código-fonte]

População[editar | editar código-fonte]

Relevo neoassírio representando alguns indivíduos assírios em uma procissão

A maioria da população da antiga Assíria eram agricultores que trabalhavam nas terras de suas famílias.[160] A antiga sociedade assíria era dividida em dois grupos principais: escravos (subrum) e cidadãos livres, referidos como awīlum ("homens") ou DUMU Aššur ("filhos do [deus] Assur"). Entre os cidadãos livres havia também uma divisão dos membros da assembleia municipal em rabi ("grandes") e ṣaher ("pequenos").[161] A sociedade assíria tornou-se mais complexa e hierárquica ao longo do tempo. No Médio Império Assírio, havia vários grupos entre as classes mais baixas, sendo a mais alta a dos homens livres (a’ılū), que, como as classes altas, podiam receber terras em troca de desempenhar funções para o governo, mas que não podiam viver nessas terras por serem comparativamente pequenas.[162] Abaixo dos homens livres estavam os homens não livres[163] (šiluhlu̮).[162] Os homens não livres haviam desistido de sua liberdade e entrado nos serviços de outros por conta própria, e por sua vez receberam roupas e rações. Muitos deles provavelmente se originaram como estrangeiros. Embora semelhante à escravidão, era possível que uma pessoa não livre recuperasse sua liberdade fornecendo uma substituto e durante seu serviço era considerado propriedade do governo e não de seus empregadores.[162] Outras classes mais baixas do período assírio médio incluíam os ālāyû ("residentes da aldeia"), ālik ilke (pessoas recrutadas através do sistema ilku) e os hupšu, embora não se saiba o que essas designações significavam em termos de posição social e padrões de vida.[164]

A estrutura da sociedade assíria média em geral durou até o período neoassírio subsequente. Abaixo das classes mais altas da sociedade neoassíria estavam os cidadãos livres, trabalhadores semi-livres e escravos. Era possível, através do serviço constante à burocracia estatal assíria, que uma família ascendesse na escala social; em alguns casos, o trabalho estelar realizado por um único indivíduo melhorou o status de sua família para as próximas gerações. Em muitos casos, grupos familiares assírios, ou "clãs", formaram grandes grupos populacionais dentro do império, chamados de tribos. Essas tribos viviam juntas em aldeias e outros assentamentos próximos ou adjacentes às suas terras agrícolas.[160]

A escravidão era uma parte intrínseca de quase todas as sociedades no Antigo Oriente Próximo.[165] Havia dois tipos principais de escravos na antiga Assíria: escravos móveis, principalmente estrangeiros que foram sequestrados ou que eram espólios de guerra, e escravos por dívida, anteriormente homens e mulheres livres que haviam sido incapaz de pagar suas dívidas.[166] Em alguns casos, as crianças assírias foram apreendidas pelas autoridades devido às dívidas de seus pais e vendidas como escravas quando seus pais não puderam pagar.[167] As crianças nascidas de mulheres escravas automaticamente se tornavam escravas,[168] a menos que algum outro arranjo tivesse sido acordado.[169] Embora os textos babilônicos antigos frequentemente mencionem a origem geográfica e étnica dos escravos, há apenas uma única referência conhecida em textos assírios antigos (enquanto há muitos descrevendo escravos em um sentido geral), uma escrava sendo explicitamente referida como subaraeana, indicando que a etnia não era vista como muito importante em termos de escravidão.[170] A evidência sobrevivente sugere que o número de escravos na Assíria nunca atingiu uma grande parte da população.[160] Na língua acádia, vários termos foram usados ​​para escravos, comumente wardum, embora esse termo também possa ser usado para servidores oficiais (livres), retentores e seguidores, soldados e súditos do rei. Como muitos indivíduos designados como wardum nos textos assírios são descritos como manejando propriedades e realizando tarefas administrativas em nome de seus senhores, muitos podem ter sido na verdade servos livres e não escravos no sentido comum do termo.[165] No entanto, vários wardum também são registrados como sendo comprados e vendidos.[171]

Status das mulheres[editar | editar código-fonte]

Relevo representando Naquia, mãe de Assaradão (r. 681–669 a.C.) e uma das mulheres mais influentes da história assíria

Poucas evidências sobreviveram sobre a vida de mulheres comuns na antiga Assíria, sendo a principal evidência documentos administrativos e códigos de lei.[123] Não havia distinção legal entre homens e mulheres no período assírio antigo e ambos tinham mais ou menos os mesmos direitos na sociedade.[172] Tanto homens quanto mulheres pagavam as mesmas multas, podiam herdar propriedades, participar do comércio, comprar, possuir e vender casas e escravos, fazer seus próprios testamentos e serem autorizados a se divorciar de seus parceiros.[167] Registros de casamentos assírios antigos confirmam que o dote da noiva pertencia a ela, não ao marido, e foi herdado por seus filhos após sua morte.[173] Embora fossem iguais legalmente, homens e mulheres no período assírio antigo foram criados de maneira diferente e tinham expectativas e obrigações sociais diferentes. As meninas eram tipicamente criadas por suas mães, ensinadas a fiar, tecer e ajudar nas tarefas diárias, enquanto os meninos eram ensinados por mestres a ler e escrever, mais tarde seguindo seus pais em expedições comerciais. A filha mais velha de uma família às vezes era consagrada como sacerdotisa, o que significava que ela não podia mais se casar, mas também que se tornava economicamente independente.[174] Esperava-se também que as esposas fornecessem a seus maridos roupas e comida. Embora os casamentos fossem tipicamente monogâmicos, os maridos podiam comprar uma escrava para produzir um herdeiro caso sua esposa fosse infértil. Sua esposa foi autorizada a escolher a escrava e a escrava nunca ganhou o status de uma segunda esposa.[173] Os maridos que viajavam em longas jornadas comerciais podiam tomar uma segunda esposa em uma das colônias comerciais, embora com regras estritas: a segunda esposa não podia acompanhá-lo de volta a Assur e ambas as esposas tinham que receber uma casa para viver, comida e madeira.[173] Como são conhecidas várias cartas escritas por mulheres desde o período assírio antigo, é evidente que as mulheres eram livres para aprender a ler e escrever.[175]

O status das mulheres diminuiu no período assírio médio, como pode ser deduzido das leis sobre elas entre as Leis da Assíria Média. Entre essas leis estavam punições para vários crimes, muitas vezes sexuais ou conjugais.[123][176] As leis da Assíria Média, embora não privassem as mulheres de todos os seus direitos e não fossem significativamente diferentes de outras leis antigas do Oriente Próximo de seu tempo, efetivamente tornaram as mulheres cidadãs de segunda classe.[123] No entanto, não está claro com que força essas leis foram aplicadas.[176] As leis davam aos homens o direito de punir suas esposas como quisessem. Entre as punições mais severas escritas em lei, por um crime nem mesmo cometido pela própria mulher, estava que uma mulher estuprada seria casada à força com seu estuprador.[123] As leis também especificavam que a maioria das mulheres nas ruas eram obrigadas a usar véus. Algumas mulheres, como escravas e mulheres ḫarımtū, no entanto, eram proibidas de usar véus e outras, como certas sacerdotisas, só podiam usar véus se fossem casadas.[176] Nem todas as leis eram repressivas contra as mulheres; mulheres cujos maridos morreram ou foram feitos prisioneiros na guerra, e que não tinham filhos ou parentes para sustentá-las, tinham garantia de apoio do governo.[177] Historicamente, acreditava-se que as mulheres ḫarımtū eram prostitutas, mas hoje são interpretadas como mulheres com status social independente, ou seja, não vinculadas a um marido, pai ou instituição. Embora a maioria das ḫarımtū pareçam ter sido pobres (houve no entanto exceções notáveis) e o termo aparece com conotações negativas em vários textos, sua mera existência deixa claro que era possível para as mulheres viverem vidas independentes, apesar de sua menor posição social.[123]

As mulheres da realeza e da classe alta experimentaram maior influência durante o período neoassírio.[178] As mulheres ligadas à corte real neoassíria enviavam e recebiam cartas, eram independentemente ricas e podiam comprar e possuir terras próprias.[123] As rainhas do Império Neoassírio são melhor atestadas historicamente do que rainhas de períodos anteriores. Sob a dinastia sargônida, elas receberam suas próprias unidades militares, às vezes conhecidas por terem participado ao lado de outras unidades em campanhas militares.[178] Entre as mulheres mais influentes do período neoassírio estavam Samuramate, rainha de Samsiadade V (r. 824–811 a.C.), que no reinado de seu filho Adadenirari III (r. 811–783 a.C.) pode ter sido regente e participou de campanhas militares,[179][180] e Naquia, que influenciou a política nos reinados de Senaqueribe, Assaradão e Assurbanípal.[181]

Economia[editar | editar código-fonte]

Tabuinha cuneiforme assíria antiga de Cultepe registrando o reembolso de um empréstimo, impressa com quatro selos cilíndricos diferentes

No período assírio antigo, uma grande parte da população de Assur estava envolvida no comércio internacional da cidade.[182] Como se pode depreender dos contratos de contratação e outros registros, o comércio envolvia pessoas das mais diversas profissões, incluindo carregadores, guias, condutores de burros, agentes, comerciantes, padeiros e banqueiros.[169] Por causa dos extensos registros cuneiformes conhecidos do período, os detalhes do comércio são relativamente bem conhecidos. Estima-se que apenas no período c. 1950-1836 a.C., vinte e cinco toneladas de prata da Anatólia foram transportadas para Assur, e que aproximadamente cem toneladas de estanho e 100.000 têxteis foram transportados para a Anatólia em troca.[37] Os assírios também vendiam gado, produtos processados ​​e produtos de cana.[183] Em muitos casos, os materiais vendidos pelos colonos assírios vinham de lugares distantes; os têxteis vendidos pelos assírios na Anatólia foram importados do sul da Mesopotâmia e o estanho veio do leste nas Montanhas Zagros.[184]

Depois que o comércio internacional diminuiu no século XIX a.C.,[38] a economia assíria tornou-se cada vez mais orientada para o estado. No período neoassírio, a riqueza gerada por investimentos privados era ofuscada pela riqueza do Estado, que era de longe o maior empregador do império e tinha um monopólio na agricultura, fabricação e exploração de minerais. A economia imperial privilegiou principalmente a elite, pois foi estruturada de forma a garantir que a riqueza excedente fluísse para o governo e fosse então utilizada para a manutenção do Estado em todo o império. Embora todos os meios de produção fossem de propriedade do Estado, também continuou a haver um setor econômico privado vibrante dentro do império, com direitos de propriedade dos indivíduos assegurados pelo governo.[185]

Identidade pessoal e continuidade[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: povo assírio e continuidade assíria
Relevo do século VII a.C. representando Assurbanípal (r. 669–631 a.C.) e dois assistentes reais

Etnia e cultura são amplamente baseados na autopercepção e autodesignação.[186] Uma identidade assíria distinta parece ter se formado já no período assírio antigo, quando as práticas funerárias, alimentos e códigos de vestimenta distintamente assírios são atestados[1] e documentos assírios parecem considerar os habitantes de Assur como um grupo cultural distinto.[172] Uma identidade assíria mais ampla parece ter se espalhado pelo norte da Mesopotâmia sob o Médio Império Assírio, uma vez que escritos posteriores sobre as reconquistas dos primeiros reis neoassírios referem-se a algumas de suas guerras como a libertação do povo assírio das cidades que reconquistaram.[187]

Evidências sobreviventes sugerem que os antigos assírios tinham uma definição relativamente aberta do que significava ser assírio. Ideias modernas, como a origem étnica de uma pessoa, ou a ideia romana de cidadania legal, não parecem ter se refletido na antiga Assíria.[186] Embora os relatos assírios e obras de arte de guerra frequentemente descrevam e descrevam inimigos estrangeiros, eles não são retratados com características físicas diferentes,[f] mas sim com roupas e equipamentos diferentes. Relatos assírios descrevem os inimigos como bárbaros apenas em termos de seu comportamento, como carentes de práticas religiosas corretas e como transgressores contra a Assíria. Tudo considerado, não parece ter havido nenhum conceito bem desenvolvido de etnia ou raça na antiga Assíria.[189] O que importava para uma pessoa ser vista pelos outros como assíria era principalmente o cumprimento de obrigações (como o serviço militar), ser filiado politicamente ao Império Assírio e manter a lealdade ao rei assírio. Uma das inscrições que atestam essa visão, bem como as políticas reais assírias promulgadas para incentivar a assimilação e a mistura cultural, é o relato de Sargão II sobre a construção de Dur Sarruquim.[186] Uma das passagens da inscrição diz:[186]

Embora o texto claramente diferencie os novos colonos daqueles que "nasceram assírios", o objetivo da política de Sargão também era claramente transformar os novos colonos em assírios por meio da nomeação de supervisores e guias para ensiná-los.[186] Embora a expansão do Império Assírio, em combinação com reassentamentos e deportações, tenha mudado a composição etnocultural do coração assírio, não há evidências que sugiram que os habitantes assírios mais antigos da terra tenham desaparecido ou se tornado restritos a um pequena elite, nem que a identidade étnica e cultural dos novos colonos fosse outra coisa senão "assíria" depois de uma ou duas gerações.[186]

Aquitu sendo celebrado em Duhok em 2008 (acima) e uma garota assíria celebrando Aquitu em 2019 (abaixo)

Embora o uso do termo "assírio" pelo moderno povo assírio tenha sido historicamente alvo de mal-entendidos e controvérsias, tanto politicamente quanto academicamente,[190] a continuidade assíria é geralmente aceita pelos estudiosos[186][191][192][193][194][195][196][197] com base em evidências históricas[198] e genéticas[195] no sentido de que os assírios modernos são considerados descendentes da população do antigo Império Assírio.[191] Embora a antiga língua acádia e a escrita cuneiforme não tenham sobrevivido por muito tempo na Assíria depois que o império foi destruído em 609 a.C., a cultura assíria claramente sobreviveu;[186] a antiga religião assíria continuou a ser praticada em Assur até o século III d.C., e em outros locais por séculos depois, gradualmente perdendo terreno para o cristianismo. Em Mardin, os crentes na antiga religião são conhecidos desde o século XVIII.[9] Indivíduos com nomes que remontam à antiga Mesopotâmia também são atestados em Assur até que foi saqueada pela última vez em 240 d.C.[199] e em outros locais até o século XIII.[200] Embora muitos estados estrangeiros tenham governado a Assíria nos milênios após a queda do império, não há evidências de qualquer influxo de imigrantes em grande escala que substituiu a população original,[186] que, em vez disso, continuou a constituir uma parcela significativa do povo da região até os massacres mongóis e timúridas no final do século XIV.[201]

Em fontes pré-modernas de língua siríaca (o tipo de aramaico usado nos escritos cristãos da Mesopotâmia), as autodesignações típicas usadas são ʾārāmāyā ("arameu") e suryāyā, com o termo ʾāthorāyā ("assírio") raramente sendo usado como uma autodesignação. Os termos Assíria (ʾāthor) e assírio (ʾāthorāyā) foram, no entanto, usados ​​em vários sentidos nos tempos pré-modernos; mais notavelmente sendo usado para os antigos assírios e para a terra ao redor de Nínive (e para a cidade de Mosul, construída ao lado das ruínas de Nínive). Nas traduções siríacas da Bíblia, o termo ʾāthor também é usado para se referir ao antigo Império Assírio. No sentido de um cidadão de Mosul, a designação ʾāthorāyā foi usada ​​para alguns indivíduos no período pré-moderno.[24] A relutância dos cristãos em usar ʾāthorāyā como uma autodesignação talvez possa ser explicada pelos assírios descritos na Bíblia serem inimigos proeminentes de Israel;[h] o termo ʾāthorāyā às vezes era empregado nos escritos siríacos como um termo para os inimigos dos cristãos.[24] Nesse contexto, o termo às vezes era aplicado aos persas do Império Sassânida; o escritor siríaco do século IV Efrém da Síria, por exemplo, referiu-se ao Império Sassânida como "imundo ʾāthor, mãe da corrupção". De maneira semelhante, o termo também foi aplicado às vezes aos governantes muçulmanos posteriores.[203]

A autodesignação suryāyā, suryāyē ou sūrōyē,[191] às vezes traduzido como "sírio",[203] é acreditado ser derivado do termo acádio assūrāyu ("assírio"), que às vezes era até mesmo nos tempos antigos traduzido na forma mais curta sūrāyu.[191][192] Alguns documentos cristãos siríacos medievais usavam āsūrāyē e sūrāyē, em vez de āthōrāyē, também para os antigos assírios.[204] Fontes armênias medievais e modernas também conectaram assūrāyu e suryāyā, referindo-se consistentemente aos cristãos de língua aramaica da Mesopotâmia e da Síria como Asori.[205][206]

Apesar da complexa questão das autodesignações, as fontes pré-modernas em língua siríaca às vezes se identificavam positivamente com os antigos assírios[198] e desenhou conexões entre o antigo império e eles mesmos.[203] Mais proeminentemente, antigos reis e figuras assírias apareceram por muito tempo no folclore local e na tradição literária[12] e reivindicações de descendência da antiga realeza assíria foram encaminhadas tanto para figuras no folclore quanto por membros vivos de alto escalão da sociedade no norte da Mesopotâmia.[207] As visitas de missionários de várias igrejas ocidentais ao coração assírio no século XVIII provavelmente contribuíram para que o povo assírio relacionasse mais fortemente sua autodesignação e identidade à antiga Assíria;[206] no contexto das interações com os ocidentais que os ligavam aos antigos assírios, e devido a um número crescente de atrocidades e massacres dirigidos contra eles, o povo assírio experimentou um "despertar" ou "renascimento" cultural no final do século XIX, que levou ao desenvolvimento de uma ideologia nacional mais fortemente enraizada em sua descendência da antiga Assíria e a uma re-adoção de autodenominações como ʾāthorāyā e ʾāsurāyā.[208] Hoje, sūryōyō ou sūrāyā são as autodesignações predominantes usadas pelos assírios em sua língua nativa, embora sejam tipicamente traduzidas como "assírios" em vez de "sírios".[209][i]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Línguas[editar | editar código-fonte]

Acádio[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Língua acádia
Tabuinha cuneiforme assíria antiga contendo um relato de uma viagem de caravana

Os antigos assírios falavam e escreviam principalmente a língua assíria, uma língua semítica (ou seja, relacionada ao moderno hebraico e árabe) intimamente relacionada com o babilônico, falado no sul da Mesopotâmia.[39] Tanto o assírio quanto o babilônico são geralmente considerados pelos estudiosos modernos como dialetos da língua acádia.[1][39][210][211] Esta é uma convenção moderna, uma vez que autores antigos contemporâneos consideravam o assírio e o babilônico como duas línguas separadas;[211] apenas o babilônico era referido como akkadûm, com o assírio sendo referido como aššurû ou aššurāyu.[86] Embora ambos tenham sido escritos com escrita cuneiforme, os sinais parecem bastante diferentes e podem ser distinguidos com relativa facilidade.[39] Dado o vasto período de tempo coberto pela antiga Assíria, a língua assíria se desenvolveu e evoluiu ao longo do tempo. Os estudiosos modernos a classificam amplamente em três períodos diferentes, correspondendo aproximadamente (embora longe de precisamente) aos períodos usados para dividir a história assíria: a língua assíria antiga (2000–1500 a.C.), a língua assíria média (1500–1000 a.C.) e a língua neoassíria (1000–500 a.C.).[212] Como o registro das tabuinhas e documentos assírios ainda é um tanto irregular, muitos dos estágios da linguagem permanecem pouco conhecidos e documentados.[213]

Os sinais usados nos textos assírios antigos são em sua maior parte menos complexos do que os usados durante os sucessivos períodos médio e neoassírio e eram em menor número, totalizando não mais que 150-200 sinais únicos,[175] a maioria dos quais eram sinais silábicos (representando sílabas).[213] Devido ao número limitado de sinais usados, o assírio antigo é relativamente mais fácil de decifrar para pesquisadores modernos do que as formas posteriores da língua, embora o número limitado de sinais também signifique que existem, nos casos, vários valores e leituras fonéticas alternativas possíveis.[213][214] Isso significa que, embora seja fácil decifrar os sinais, muitos pesquisadores permanecem desconfortáveis ​​com a própria linguagem.[214] Embora fosse uma variante mais arcaica da língua assíria posterior,[214] o antigo assírio também contém várias palavras que não são atestadas em períodos posteriores, algumas sendo formas primitivas peculiares de palavras e outras sendo nomes para termos comerciais ou vários produtos têxteis e alimentícios da Anatólia.[215]

Nos impérios médio e neoassírio, as versões posteriores da língua assíria não foram as únicas versões do acádio usadas. Embora o assírio fosse normalmente usado em cartas, documentos legais, documentos administrativos,[213] e como vernáculo,[216] o babilônico padrão também era usado em caráter oficial.[216][217] O babilônio padrão era uma versão altamente codificada do babilônio antigo, usado por volta de 1 500 a.C., e era usado como uma língua de alta cultura, para quase todos os documentos acadêmicos, literatura, poesia[216][218] e inscrições reais.[213] A cultura da elite assíria foi fortemente influenciada pela Babilônia no sul; em uma veia semelhante a como a civilização grega era respeitada e influente na Roma Antiga, os assírios tinham muito respeito pela Babilônia e sua cultura antiga.[216]

Devido à natureza multilíngue do vasto império, muitas palavras de empréstimo são atestadas como entrando na língua assíria durante o período neoassírio.[219] O número de documentos sobreviventes escritos em cuneiforme diminuiu consideravelmente no final do reinado de Assurbanípal, o que sugere que a linguagem estava em declínio, uma vez que provavelmente é atribuível a um aumento no uso do aramaico, muitas vezes escrito em materiais perecíveis como rolos de couro ou papiro.[220] A antiga língua assíria não desapareceu completamente até o final do século VI a.C., bem no período pós-imperial subsequente.[86]

Aramaico e outras línguas[editar | editar código-fonte]

Pedaço de papiro do século IX d.C. com escrita em língua siríaca

Como os assírios nunca impuseram sua língua a povos estrangeiros cujas terras conquistaram fora do coração assírio, não havia mecanismos para impedir a disseminação de outras línguas além do acádio. Começando com as migrações de arameus para o território assírio durante o período assírio médio, essa falta de políticas linguísticas facilitou a disseminação da língua aramaica.[220] Como a mais falada e mutuamente compreensível das línguas semíticas (o grupo linguístico que contém muitas das línguas faladas no império),[221] o aramaico cresceu em importância ao longo do período neoassírio e substituiu cada vez mais a língua neoassíria, mesmo dentro do próprio coração assírio.[222] A partir do século IX a.C., o aramaico tornou-se a língua franca de facto do Império Neoassírio, com o neoassírio e outras formas de acádio sendo relegadas a uma língua da elite política.[220]

Desde a época de Salmaneser III, no século IX a.C., o aramaico foi usado em contextos relacionados ao estado ao lado do acádio e, na época de Tiglate-Pileser III, os reis empregaram escribas reais de língua acádia e aramaica, confirmando a ascensão do aramaico a uma posição de uma língua oficial usada pela administração imperial.[216][223] Durante o tempo após a queda do Império Neoassírio, a antiga língua assíria foi completamente abandonada na Mesopotâmia em favor do aramaico.[86] Em 500 a.C., o acádio provavelmente não era mais uma língua falada.[212]

Os assírios modernos referem-se à sua língua como "assíria" (Sūrayt ou Sūreth).[224] Embora tenha pouco em comum com o dialeto assírio da língua acádia,[86] é uma versão moderna do antigo aramaico mesopotâmico. A língua retém alguma influência do antigo acádio,[225] especialmente na forma de empréstimos.[226] As variedades assírias modernas do aramaico são muitas vezes referidas pelos estudiosos como neoaramaico ou neossiríaco. Como uma língua litúrgica, muitos assírios também falam síriaco, uma versão codificada do aramaico clássico falado em Edessa durante a cristianização da Assíria.[225]

Outra língua às vezes usada na antiga Assíria como língua de erudição e cultura, embora apenas na forma escrita, era a antiga língua suméria.[227][219] No auge do Império Neoassírio, várias outras línguas locais também eram faladas dentro das fronteiras imperiais, embora nenhuma alcançasse o mesmo nível de reconhecimento oficial que o aramaico.[221]

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Arquitetura da Mesopotâmia
Reconstrução do século XIX de Nínive (capital assíria 705-612 a.C.)

Existem três formas sobreviventes de evidência primária para a arquitetura da antiga Assíria. A forma mais importante são os próprios edifícios sobreviventes, encontrados através de escavações arqueológicas, mas evidências importantes também podem ser reunidas tanto em documentação contemporânea, como cartas e documentos administrativos que descrevem edifícios que podem não ter sido preservados, quanto em documentação de reis posteriores sobre as obras de construção dos reis anteriores. Os edifícios e obras assírias eram quase sempre construídos com tijolos de barro. O calcário também foi usado, embora principalmente apenas em obras como aquedutos e paredes de rios, expostos a água corrente, e fortificações defensivas.[228]

Para suportar grandes edifícios, eles eram frequentemente construídos em cima de plataformas de fundação ou em fundações de tijolos de barro. Os pisos eram tipicamente feitos de terra batida, cobertos em salas importantes com tapetes ou esteiras de junco. Os pisos em locais expostos aos elementos, como no exterior em terraços ou pátios, foram pavimentados com lajes de pedra ou tijolos de apoio. As coberturas, principalmente nos cômodos maiores, eram sustentadas por vigas de madeira.[228]

Os antigos assírios realizaram vários projetos de construção tecnologicamente complexos, incluindo construções de novas capitais inteiras, o que indica um conhecimento técnico sofisticado.[229] Embora em grande parte seguindo a arquitetura mesopotâmica anterior, existem várias características da arquitetura assíria antiga. Alguns exemplos de características da arquitetura assíria antiga incluem merlões escalonados,[230] telhados abobadados,[231] e palácios, em grande parte, muitas vezes compostos por conjuntos de suítes independentes.[232]

Arte[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Arte da Mesopotâmia
Ilustração do século XX de padrões decorativos encontrados em antigos relevos e roupas assírias

Um número relativamente grande de estátuas e estatuetas foram recuperadas das ruínas de templos em Assur que datam do período assírio inicial. A maioria das obras de arte sobreviventes dessa época foi claramente influenciada pela arte de potências estrangeiras. Por exemplo, um conjunto de 87 figuras de alabastro de adoradores masculinos e femininos de Assur antes da ascensão do Império Acádio se assemelha muito a figuras sumérias do Período Dinástico Arcaico.[233][234] Por causa da variação na arte em outros lugares, a arte de Assur inicial também era altamente variável dependendo do período de tempo, variando de altamente estilizada a altamente naturalista.[235] Entre os achados mais originais do período inicial está a cabeça de uma figura feminina, cujos olhos, sobrancelhas e elaborada cobertura de cabelo foram originalmente incrustados. Esta cabeça é típica do estilo de arte do período acádio, com um estilo geral naturalista, curvas lisas e suaves e uma boca cheia.[233][236] Outra peça de arte única do período inicial é uma estatueta de marfim de uma mulher nua e fragmentos de pelo menos cinco estatuetas semelhantes adicionais. O marfim usado pode ter vindo de elefantes indianos, o que indicaria o comércio entre a Assur inicial e as primeiras tribos e estados do Irã.[233] Entre outras obras de arte conhecidas do período inicial estão um punhado de grandes estátuas de pedra de governantes (governadores e reis estrangeiros),[236] figuras de animais e estátuas de pedra de mulheres nuas.[237]

As obras de arte conhecidas do período assírio antigo, além de alguns objetos, como uma estátua de pedra parcial talvez representando Erisum I, são amplamente limitadas a selos e impressões de selos em documentos cuneiformes.[238] Os selos reais da dinastia de reis de Puzurassur, antes da ascensão de Samsiadade I, são muito semelhantes aos selos dos reis da terceira dinastia de Ur.[239] No período assírio médio, de Assurubalite I em diante, os selos pareciam bem diferentes e parecem enfatizar o poder real, em vez das fontes teológicas e cósmicas do direito do rei de governar. Entre os selos não reais do período assírio médio, uma grande variedade de figuras diferentes é conhecida, incluindo cenas religiosas e cenas pacíficas de animais e árvores. A partir da época de Tuculti-Ninurta I, as selos também às vezes apresentavam competições e lutas entre humanos, vários animais e criaturas mitológicas.[240]

Várias outras inovações artísticas também foram feitas no período assírio médio. No templo dedicado a Istar em Assur, quatro pedestais de culto (ou "altares") da época de Tuculti-Ninurta foram descobertos. Esses altares foram decorados com várias figuras, inclusões comuns sendo o rei (às vezes várias vezes) e figuras e padrões divinos protetores. Um dos pedestais preserva ao longo do degrau inferior de sua base uma imagem em relevo que é a mais antiga imagem narrativa conhecida na história da arte assíria. Este relevo, pouco conservado, parece representar filas de prisioneiros diante do rei assírio. As primeiras pinturas murais assírias conhecidas também são da época de Tuculti-Ninurta I, de seu palácio em Car-Tuculti-Ninurta. Os ornamentos incluíam padrões baseados em plantas (rosetas e palmetas), árvores e gênios com cabeça de pássaro. As cores usadas para pintar as paredes incluíam preto, vermelho, azul e branco. Uma estátua incomum de calcário de uma figura feminina nua é conhecida em Nínive desde a época de Assurbelcala (r. 1074–1056 a.C.). Um tipo inteiramente novo de monumento introduzido no século XI a.C. foram os obeliscos; estelas de pedra de quatro lados decoradas com imagens e texto. Obeliscos viram uso contínuo até pelo menos o século IX a.C.[241]

Em comparação com outros períodos, uma maior quantidade de obras de arte sobreviveu do período neoassírio, particularmente a arte monumental feita sob o patrocínio dos reis. A forma mais conhecida de arte monumental neoassíria são os relevos de parede, obras de arte em pedra esculpida que revestiam as paredes internas e externas de templos e palácios. Outra forma bem conhecida de arte neoassíria são os colossos, muitas vezes leões ou touros com cabeça humana (lamassu), que foram colocados às portas dos templos, palácios e cidades. Os primeiros exemplos conhecidos de relevos de parede e colossos são do reinado de Assurnasirpal II, que pode ter sido inspirado pela arte monumental hitita que viu em suas campanhas no Mediterrâneo. Pinturas murais como as feitas sob Tuculti-Ninurta I no período assírio médio também continuaram a ser usadas, às vezes para complementar os relevos das paredes e às vezes em vez deles. As paredes interiores podiam ser decoradas cobrindo o tijolo de barro usado na construção com estuque de barro pintado e as paredes exteriores eram às vezes decoradas com azulejos ou tijolos vitrificados e pintados.[242] Os mais extensos conjuntos sobreviventes conhecidos de relevos de parede são do reinado de Senaqueribe.[243] Em termos de arte neoassíria, os estudiosos modernos prestaram atenção especial aos relevos produzidos sob Assurbanípal, que foram descritos como possuindo uma "qualidade épica" distinta, diferente da arte sob seus antecessores.[244]

Educação e literatura[editar | editar código-fonte]

Tabuleta da Biblioteca de Assurbanípal contendo uma parte da Epopeia de Gilgamés

A literatura assíria antiga baseava-se fortemente nas tradições literárias babilônicas. Ambos os períodos assírio antigo e médio são limitados em termos de textos literários sobreviventes. A mais importante obra literária assíria antiga sobrevivente é Sargão, Senhor das Mentiras, um texto encontrado em uma versão bem preservada em uma tabuinha cuneiforme de Cultepe. Uma vez pensado para ter sido uma paródia, o conto é uma narrativa em primeira pessoa do reinado de Sargão da Acádia, o fundador do Império Acádio. O texto segue Sargão enquanto ele ganha força do deus Adade, jura por Istar, a "dama do combate", e fala com os deuses. A literatura assíria média sobrevivente é apenas um pouco mais diversificada.[245] Uma tradição distinta de erudição assíria, embora ainda se baseie na tradição babilônica, é convencionalmente colocada como começando na época do início do período assírio médio. O status crescente da erudição neste momento pode estar ligado ao fato de os reis começarem a considerar o acúmulo de conhecimento como uma forma de fortalecer seu poder.[246] As obras assírias médias conhecidas incluem o Épico de Tuculti-Ninurta (uma narrativa do reinado de Tuculti-Ninurta I e suas façanhas), fragmentos de outros épicos reais, O Caçador (um pequeno poema marcial) e alguns hinos reais.[245]

A clara maioria da literatura assíria antiga sobrevivente é do período neoassírio.[247] Os reis do Império Neoassírio começaram a ver a preservação do conhecimento como uma de suas responsabilidades, e não (como os reis anteriores) uma responsabilidade de particulares e templos.[248] Esse desenvolvimento pode ter se originado com os reis não mais vendo a adivinhação realizada por seus adivinhos como suficiente e desejando ter acesso aos próprios textos relevantes.[249] O cargo de erudito-chefe é atestado pela primeira vez no reinado do rei neoassírio Tuculti-Ninurta II.[70]

A maior parte da literatura assíria antiga sobrevivente vem da neoassíria Biblioteca de Assurbanípal,[247] que incluía mais de 30.000 documentos.[250] As bibliotecas foram construídas no período neoassírio para preservar o conhecimento do passado e manter a cultura dos escribas. Os textos neoassírios se enquadram em uma ampla gama de gêneros, incluindo textos divinatórios, relatórios de adivinhação, tratamentos para os doentes (médicos ou mágicos), textos rituais, encantamentos, orações e hinos, textos escolares e textos literários.[251] Uma inovação do período neoassírio foram os anais, um gênero de textos que registram os eventos dos reinados de um rei, particularmente façanhas militares. Os anais foram disseminados por todo o império e provavelmente serviram para fins propagandísticos, apoiando a legitimidade do governo do rei.[252] Várias obras puramente literárias, anteriormente alinhadas por estudiosos com propaganda, são conhecidas do período neoassírio. Tais obras incluem, entre outras, a Visão do Submundo de um Príncipe Herdeiro Assírio, o Pecado de Sargão e a Provação de Marduque.[253] Além de suas próprias obras, os assírios também copiaram e preservaram a literatura mesopotâmica anterior. A inclusão de textos como a Epopeia de Gilgamés, o Enuma Elish (o mito da criação babilônico), Erra, o Mito de Etana e o Épico de Anzu na Biblioteca de Assurbanípal é a principal razão de como tais textos sobreviveram até os dias atuais.[244]

Religião[editar | editar código-fonte]

Antiga religião assíria[editar | editar código-fonte]

Três símbolos diferentes do deus Assur de relevos em Ninrude

O conhecimento da antiga religião politeísta assíria, referida como "Assurismo" por alguns assírios modernos,[254] é principalmente limitado a cultos estatais, dado que pouco pode ser averiguado das crenças e práticas religiosas pessoais das pessoas comuns da antiga Assíria.[255] Os assírios adoravam o mesmo panteão de deuses que os babilônios no sul da Mesopotâmia.[210] A principal divindade assíria era a divindade nacional Assur.[256][257] Embora a divindade e a antiga capital sejam comumente distinguidas pelos historiadores modernos, ambos foram inscritos exatamente da mesma maneira nos tempos antigos (Aššur). Em documentos do anterior período assírio antigo, a cidade e o deus muitas vezes não são claramente diferenciados, o que sugere que o deus Assur se originou em algum momento do período assírio inicial como uma personificação divinizada da própria cidade.[2] Abaixo do deus Assur, as outras divindades da Mesopotâmia eram organizadas em uma hierarquia, cada uma com seus próprios papéis atribuídos (o deus-sol Samas era, por exemplo, considerado um deus da justiça e Istar era vista como uma deusa do amor e da guerra) e seus próprios lugares primários de adoração (Ninurta foi, por exemplo, adorado principalmente em Ninrude e Istar principalmente em Arbela). Divindades essencialmente babilônicas como Enlil, Marduque e Nabu eram adoradas na Assíria tanto quanto na Babilônia, e vários rituais tradicionalmente babilônicos, como o festival de akitu, foram emprestados ao norte.[255]

O papel de Assur como divindade principal era flexível e mudou com a mudança de cultura e política dos próprios assírios. No período assírio antigo, Assur era considerado principalmente como um deus da morte e do renascimento, relacionado à agricultura.[258][259] Sob o Império Médio e Neoassírio, o papel de Assur foi expandido e completamente alterado. Possivelmente originada como uma reação ao período de suserania sob o reino de Mitani, a teologia assíria média apresentou Assur como um deus da guerra, que outorga aos reis assírios não apenas a legitimidade divina, algo retido do período assírio antigo, mas também comandava os reis para ampliar a Assíria ("a terra do [deus] Assur") com o "cetro justo" do deus Assur, ou seja, expandir o Império Assírio através da conquista militar.[134] Esta militarização da divindade Assur também pode ter derivado do conquistador amorreu Samsiadade I equiparando Assur com o deus sulista Enlil durante seu domínio sobre o norte da Mesopotâmia nos séculos XVIII e XVII a.C. No período assírio médio, Assur é atestado com o título de "rei dos deuses", um papel que as civilizações anteriores no norte e no sul da Mesopotâmia atribuíram a Enlil.[260] O desenvolvimento de igualar Assur com Enlil, ou pelo menos transferir o papel de Enlil para Assur, teve um paralelo na Babilônia, onde o deus local anteriormente sem importância Marduque foi elevado no reinado de Hamurábi (século XVIII a.C.) à chefe do panteão, modelado após Enlil.[261]

A religião assíria estava centrada em templos, estruturas monumentais que incluíam um santuário central que abrigava a estátua de culto do deus do templo e várias capelas subordinadas com espaço para estátuas de outras divindades. Os templos eram tipicamente comunidades independentes; eles tinham seus próprios recursos econômicos, principalmente na forma de propriedades de terra, e seu próprio pessoal hierarquicamente organizado. Em tempos posteriores, os templos tornaram-se cada vez mais dependentes de benefícios reais, na forma de impostos específicos, ofertas e doações de espólios e tributos. O chefe de um templo era intitulado como o "administrador-chefe" e era responsável perante o rei assírio, já que o rei era considerado o representante do deus Assur no mundo mortal. Registros de templos mostram que a adivinhação na forma de astrologia e extispício (estudo das entranhas de animais mortos) eram partes importantes da religião assíria, pois acreditava-se que eram meios pelos quais as divindades se comunicavam com o mundo mortal.[255]

Ao contrário de muitos outros impérios antigos, o Império Neoassírio, em seu auge, não impôs sua cultura e religião às regiões conquistadas; não havia templos significativos construídos para Assur fora do norte da Mesopotâmia.[222] No período pós-imperial, após a queda do Império Neoassírio, os assírios continuaram a venerar Assur e o resto do panteão,[95] embora sem o estado assírio, as crenças religiosas em muitas partes do coração assírio divergiram e se desenvolveram em diferentes direções.[262] A partir da época do domínio selêucida sobre a região (século IV ao II a.C.), houve uma forte influência da religião grega antiga, com muitas divindades gregas se tornando sincretizadas com divindades mesopotâmicas.[263] Houve também alguma influência do judaísmo, dado que os reis de Adiabena, um reino vassalo que cobria grande parte do antigo coração assírio, se converteram ao judaísmo no século I d.C.[264] A partir do século I a.C., como uma região de fronteira entre os impérios romano e parta, a Assíria provavelmente era altamente complexa e diversificada em termos religiosos.[90] Sob o domínio parta, deuses antigos e novos eram adorados na cidade de Assur.[265] Até o momento da segunda destruição da cidade no século III d.C., a divindade mais importante ainda era Assur, conhecida nessa época como Assor[95] ou Asor.[266] A adoração de Assur durante este tempo foi realizada da mesma forma que nos tempos antigos, por um calendário de culto efetivamente idêntico ao usado sob o Império Neoassírio 800 anos antes.[91] A antiga religião mesopotâmica persistiu em alguns lugares por séculos após o final do período pós-imperial, como em Harã até pelo menos o século X (os "Sabianos" de Harã) e em Mardin até o século XVIII (o Shamsīyah).[9]

Cristianismo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Igreja do Oriente
Arcebispo do início do século XX da Igreja Assíria do Oriente com comitiva

A Igreja do Oriente desenvolveu-se cedo na história cristã.[267] Embora a tradição sustente que o cristianismo foi espalhado pela primeira vez para a Mesopotâmia por Tomé, o Apóstolo,[268] o período de tempo exato em que os assírios foram cristianizados pela primeira vez é desconhecido. A cidade de Arbela foi um importante centro cristão primitivo; de acordo com a posterior Crônica de Arbela, Arbela tornou-se a sede de um bispo já em 100 d.C., mas a confiabilidade deste documento é questionada entre os estudiosos. No entanto, sabe-se que tanto Arbela quanto Quircuque serviram mais tarde como importantes centros cristãos nos períodos sassânidas e islâmicos posteriores.[269] Segundo algumas tradições, o cristianismo se instalou na Assíria quando São Tadeu de Edessa converteu o rei Abgar V de Osroene em meados do século I d.C.[98] A partir do século III d.C., fica claro que o cristianismo estava se tornando a principal religião da região,[9] com o deus cristão substituindo as antigas divindades mesopotâmicas.[198] A essa altura, os assírios já haviam contribuído intelectualmente para o pensamento cristão; no século I d.C., o escritor assírio cristão Taciano compôs o influente Diatessarão, uma versão sinótica dos evangelhos.[98]

Embora o cristianismo seja hoje uma parte intrínseca da identidade assíria,[9] os cristãos assírios ao longo dos séculos se dividiram em várias denominações cristãs diferentes. Embora a proeminente Igreja Assíria do Oriente, cujos seguidores têm sido muitas vezes denominados "nestorianos", continue a existir, outras igrejas orientais proeminentes incluem a Igreja Católica Caldeia, que se separou no século XVI, a Igreja Ortodoxa Siríaca, a Igreja Católica Siríaca,[98] e a Igreja Antiga do Oriente, que se ramificou da Igreja Assíria do Oriente em 1968.[270]

Embora essas igrejas tenham sido distintas por séculos, elas ainda seguem muito do mesmo fundamento litúrgico, espiritual e teológico.[267] Há também seguidores assírios de várias denominações do protestantismo, principalmente devido a missões de missionários americanos da Igreja Presbiteriana.[98]

Como a Igreja Assíria do Oriente continua sendo rejeitada como "nestoriana" e herética por muitos outros ramos do cristianismo, ela não foi admitida no Conselho de Igrejas do Oriente Médio e não participa da Comissão Internacional Conjunta para o Diálogo Teológico entre a Igreja Católica e a Igreja Ortodoxa. Isso não significa que os esforços de aproximação do ecumenismo não tenham sido empreendidos. Em 1994, o Papa João Paulo II e o Patriarca Dinkha IV assinaram a Declaração Cristológica Comum entre a Igreja Católica e a Igreja Assíria do Oriente, com alguns esforços adicionais também tendo sido feitos nos anos seguintes.[267] Historicamente, o principal obstáculo no caminho do ecumenismo tem sido o antigo texto Liturgia de Addai e Mari, usado nas igrejas assírias, onde a anáfora não contém as Palavras da Instituição, vistas como indispensáveis pela Igreja Católica. Esse obstáculo foi removido em 2001, quando o Dicastério Católico para a Doutrina da Fé determinou que o texto poderia ser considerado válido também no catolicismo, apesar da ausência das palavras.[271] Alguns esforços também foram feitos para aproximar a reunificação das igrejas assírias e caldeias. Em 1996, Dinkha IV e o Patriarca Raphael I Bidawid da Igreja Caldeia assinaram uma lista de propostas comuns para avançar em direção à unidade, aprovada pelos sínodos de ambas as igrejas em 1997.[272]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Assíria

Notas e referências

Notas

  1. Esta data refere-se a quando Assur se tornou uma cidade-estado independente, ou seja, o início do período assírio antigo. O período assírio antigo foi precedido pelo período assírio inicial, mas Assur não era independente durante esse período e as práticas culturais e religiosas assírias distintas ainda não haviam sido totalmente formadas.[1][2][3]
  2. Esta data refere-se ao fim do Império Neoassírio, quando a Assíria deixou de ser um estado. Ele omite o posterior período pós-imperial, quando não havia mais um reino assírio independente.
  3. Ver Império Neoassírio § Legado
  4. Embora muitas vezes referida como uma satrapia pelos historiadores modernos,[21] a Assíria aparece nas inscrições reais aquemênidas como uma dahyu; um termo de implicações incertas usado para se referir tanto a povos quanto a localizações geográficas (não necessariamente sinônimo das satrapias formais do império).[87]
  5. O número exato está longe de ser certo, já que os massacres foram mal documentados pelo governo otomano. A população assíria antes do genocídio era de cerca de 500.000-600.000 pessoas e a estimativa geralmente aceita é que cerca de 50% do povo assírio foi morto.[104]
  6. O único exemplo de arte assíria antiga retratando estrangeiros com características físicas diferentes dos próprios assírios são os relevos feitos no reinado de Assurbanípal. Possivelmente influenciados pela arte egípcia, que retratava os estrangeiros de maneira diferente, os relevos de Assurbanípal mostram elamitas e urartianos como mais encorpados, urartianos com narizes maiores e árabes com cabelos longos e lisos (em contraste com os cabelos encaracolados dos assírios). Inscrições e anais da época de Assurbanípal, no entanto, não oferecem evidências de que os estrangeiros fossem vistos como racial ou etnicamente diferentes em termos de biologia ou fisionomia.[188]
  7. Referindo-se ao deus do sol Samas.[186]
  8. Este fenômeno não se aplica apenas aos assírios; a população grega cristã do Império Bizantino na Idade Média predominantemente auto-identificada como romanos (Rhōmaîoi) em vez de gregos, uma vez que o termo "grego" foi associado aos antigos gregos pagãos.[202]
  9. Para nomes alternativos e o debate de nomes na comunidade cristã siríaca, veja termos para cristãos siríacos

Referências

  1. a b c Düring 2020, p. 39.
  2. a b c Lambert 1983, pp. 82–85.
  3. a b c d Roux 1992, p. 187.
  4. Frahm 2017a, p. 5.
  5. a b Hauser 2017, p. 229.
  6. a b c d e Aberbach 2003, p. 4.
  7. Düring 2020, p. 133.
  8. a b c Frahm 2017b, p. 161.
  9. a b c d e f Parpola 2004, p. 21.
  10. Frahm 2017b, p. 196.
  11. Frahm 2017b, pp. 195–196.
  12. a b Kalimi & Richardson 2014, p. 5.
  13. Aissaoui 2018, p. 22.
  14. a b Maul 2017, p. 344.
  15. Lewy 1971, p. 754.
  16. a b Radner 2015, p. 3.
  17. a b Tamari 2019, p. 113.
  18. Rollinger 2006, p. 284.
  19. Rollinger 2006, pp. 285–287.
  20. Rollinger 2006, pp. 283–287.
  21. a b c d Parpola 2004, p. 18.
  22. Widengren 1986, pp. 785–786.
  23. Marciak 2017, p. 416.
  24. a b c Butts 2017, p. 600.
  25. a b Liverani 2014, p. 208.
  26. Liverani 2014, p. 48.
  27. Garfinkle 2007, p. 61.
  28. Lewy 1971, pp. 729–730.
  29. Lewy 1971, p. 731.
  30. Lewy 1971, p. 745.
  31. a b Garfinkle 2007, p. 63.
  32. Foster 2016, chapter 3.
  33. Lewy 1971, pp. 739–740.
  34. Veenhof 2017, p. 62.
  35. Lewy 1971, pp. 758–759.
  36. a b Veenhof 2017, p. 61.
  37. a b c Düring 2020, p. 34.
  38. a b c Garfinkle 2007, p. 67.
  39. a b c d e Radner 2015, p. 2.
  40. Veenhof 2017, p. 65.
  41. Van De Mieroop 2016, p. 115.
  42. Garfinkle 2007, p. 68.
  43. Veenhof 2017, p. 66.
  44. a b Veenhof & Eidem 2008, p. 30.
  45. a b Veenhof 2017, p. 68.
  46. Garfinkle 2007, p. 69.
  47. Yamada 2017, p. 112.
  48. Chen 2020, p. 198.
  49. Bertman 2003, p. 81.
  50. Frahm 2017b, p. 191.
  51. Düring 2020, pp. 41–42.
  52. Düring 2020, p. 42.
  53. a b Düring 2020, p. 43.
  54. Jakob 2017a, p. 117.
  55. a b c Düring 2020, p. 45.
  56. Jakob 2017a, p. 122.
  57. Jakob 2017a, pp. 125, 129–130.
  58. Chen 2020, pp. 199, 203.
  59. a b c d e Düring 2020, p. 57.
  60. a b Gerster 2005, p. 312.
  61. a b c Düring 2020, p. 46.
  62. Jakob 2017a, pp. 133–135.
  63. Jakob 2017a, pp. 136–138.
  64. Frahm 2017b, p. 165.
  65. Frahm 2017b, pp. 166–167.
  66. Frahm 2017b, pp. 165–168.
  67. Düring 2020, p. 136.
  68. Düring 2020, p. 144.
  69. Frahm 2017b, pp. 167, 169.
  70. a b c d Frahm 2017b, p. 169.
  71. a b c Frahm 2017b, p. 170.
  72. Frahm 2017b, p. 173.
  73. Frahm 2017b, p. 177.
  74. Elayi 2017, p. 2.
  75. Frahm 2017b, pp. 177–178.
  76. a b Frahm 2017b, p. 187.
  77. a b Frahm 2017b, p. 183.
  78. a b Frahm 2017b, pp. 183–184.
  79. Na'aman 1991, p. 266.
  80. Frahm 2017b, p. 192.
  81. Radner 2019, p. 141.
  82. Frahm 2017b, p. 193.
  83. Radner 2015, p. 20.
  84. Hauser 2017, p. 232.
  85. Hauser 2017, p. 236.
  86. a b c d e Luukko & Van Buylaere 2017, p. 314.
  87. Waters 2014, p. 97.
  88. Parpola 2004, p. 19.
  89. Hauser 2017, p. 230.
  90. a b c Hauser 2017, p. 238.
  91. a b c d e f Parpola 2004, p. 20.
  92. Drower, Gray & Sherwin-White 2012.
  93. a b c Harper et al. 1995, p. 18.
  94. Schippmann 2012, pp. 816–817.
  95. a b c d Radner 2015, p. 19.
  96. Radner 2015, pp. 19–20.
  97. Radner 2015, p. 7.
  98. a b c d e Donabed 2019, p. 118.
  99. Jacobsen 2021, p. 141.
  100. Murre-van den Berg 2021, pp. 27–28.
  101. Yapp 1988, p. 139.
  102. Mack 2017, From the Millet to the Sword.
  103. Donabed 2019, p. 119.
  104. a b Gaunt, Atto & Barthoma 2017, p. 10.
  105. Donabed 2019, pp. 119–120.
  106. Parpola 2004, p. 22.
  107. Eppihimer 2013, p. 43.
  108. a b c d Düring 2020, p. 38.
  109. Düring 2020, p. 37.
  110. a b Veenhof 2017, p. 70.
  111. a b Jakob 2017b, p. 143.
  112. Veenhof 2017, p. 71.
  113. Chavalas 1994, p. 117.
  114. Bertman 2003, p. 103.
  115. Eppihimer 2013, p. 49.
  116. Veenhof 2017, p. 74.
  117. Jakob 2017b, p. 144.
  118. a b c Jakob 2017b, p. 145.
  119. Parker 2011, pp. 363–365.
  120. Parker 2011, p. 365.
  121. Bedford 2009, p. 22.
  122. Bedford 2009, p. 29.
  123. a b c d e f g Bain 2017.
  124. Parker 2011, p. 367.
  125. Jakob 2017b, p. 146.
  126. a b Reade 2011, p. 109.
  127. Reade 2011, p. 112.
  128. Reade 2011, p. 114.
  129. Reade 2011, p. 118.
  130. a b Reade 2011, p. 120.
  131. Radner 2019, pp. 140–141.
  132. Reade 2011, p. 123.
  133. a b Jakob 2017b, p. 155.
  134. a b Fales 2017, p. 402.
  135. Jakob 2017b, pp. 146–147.
  136. Parker 2011, pp. 368–370, 377–378.
  137. Frahm 2017b, p. 190.
  138. Radner 2017, p. 213.
  139. Oates 1992, p. 172.
  140. Veenhof 2017, p. 58.
  141. Parker 2011, p. 359.
  142. a b c Jakob 2017b, pp. 149–150.
  143. Llop 2012, p. 107.
  144. a b Yamada 2000, p. 300.
  145. Parker 2011, p. 369.
  146. Parker 2011, pp. 360, 370–371.
  147. Parker 2011, p. 360.
  148. a b Jakob 2017b, pp. 149–151.
  149. Jakob 2017b, p. 154.
  150. Radner 2012, Estações rodoviárias em todo o império.
  151. a b Radner 2015b, p. 64.
  152. Radner 2012, Making speed.
  153. a b c d e Jakob 2017b, p. 152.
  154. a b Dalley 2017, pp. 526, 528.
  155. Dalley 2017, pp. 526–527.
  156. Jakob 2017b, p. 153.
  157. Dalley 2017, pp. 523, 525, 529–531.
  158. Dalley 2017, p. 531.
  159. Dalley 2017, pp. 528, 531.
  160. a b c Bedford 2009, p. 36.
  161. Michel 2017, pp. 81, 83.
  162. a b c Jakob 2017b, p. 156.
  163. Düring 2020, p. 101.
  164. Jakob 2017b, pp. 156–157.
  165. a b de Ridder 2017, p. 49.
  166. de Ridder 2017, p. 56.
  167. a b Michel 2017, p. 84.
  168. de Ridder 2017, p. 57.
  169. a b Michel 2017, p. 83.
  170. de Ridder 2017, p. 51.
  171. de Ridder 2017, p. 50.
  172. a b Michel 2017, p. 81.
  173. a b c Michel 2017, p. 85.
  174. Michel 2017, pp. 88–89.
  175. a b Michel 2017, p. 100.
  176. a b c Jakob 2017b, p. 157.
  177. Jakob 2017b, p. 158.
  178. a b Svärd 2015, pp. 163–166.
  179. Kertai 2013, p. 113.
  180. Svärd 2015, p. 167.
  181. Fink 2020.
  182. Michel 2017, p. 80.
  183. Garfinkle 2007, p. 64.
  184. Garfinkle 2007, p. 66.
  185. Bedford 2009, pp. 36, 38.
  186. a b c d e f g h i j k Novák 2016, p. 132.
  187. Düring 2020, p. 145.
  188. Bahrani 2006, p. 57.
  189. Bahrani 2006, pp. 56–57.
  190. Butts 2017, p. 599.
  191. a b c d Benjamen 2022, p. 2.
  192. a b Parpola 2004, pp. 16–17.
  193. Saggs 1984, p. 290.
  194. Biggs 2005, p. 10.
  195. a b Travis 2010, p. 149.
  196. Jupp 2001, p. 175.
  197. Odisho 1988, p. 10.
  198. a b c Hauser 2017, p. 241.
  199. Livingstone 2009, p. 154.
  200. Jackson 2020, Chapter 1.
  201. Filoni 2017, p. 37.
  202. Cameron 2009, p. 7.
  203. a b c Butts 2017, p. 601.
  204. acsya.org.
  205. Becker 2015, p. 328.
  206. a b Butts 2017, p. 602.
  207. Payne 2012, pp. 205, 217.
  208. Butts 2017, p. 603.
  209. Parpola 2004, p. 11.
  210. a b Garfinkle 2007, p. 54.
  211. a b Luukko & Van Buylaere 2017, p. 313.
  212. a b Deutscher 2009, p. 20.
  213. a b c d e Luukko & Van Buylaere 2017, p. 315.
  214. a b c Veenhof & Eidem 2008, p. 111.
  215. Veenhof & Eidem 2008, p. 112.
  216. a b c d e Radner 2021, p. 149.
  217. Luukko & Van Buylaere 2017, p. 316.
  218. Frahm 2017b, p. 162.
  219. a b Luukko & Van Buylaere 2017, p. 321.
  220. a b c Luukko & Van Buylaere 2017, p. 318.
  221. a b Radner 2021, p. 147.
  222. a b Frahm 2017b, p. 180.
  223. Luukko & Van Buylaere 2017, p. 319.
  224. Donabed 2019, p. 117.
  225. a b Donabed 2019, pp. 117–118.
  226. Kaufman 1974, p. 164.
  227. Wagensonner 2018, p. 228.
  228. a b Russell 2017a, pp. 423–424.
  229. Bagg 2017, p. 511.
  230. Albenda 2018, p. 110.
  231. Kletter & Zwickel 2006, p. 154.
  232. Kertai 2019, p. 44.
  233. a b c Mallowan 1971, pp. 299–300.
  234. Russell 2017b, p. 453.
  235. Russell 2017b, p. 454.
  236. a b Russell 2017b, p. 455.
  237. Düring 2020, p. 32.
  238. Russell 2017b, p. 458.
  239. Eppihimer 2013, p. 37.
  240. Russell 2017b, pp. 463–465.
  241. Russell 2017b, pp. 465–469.
  242. Russell 2017b, pp. 471–472.
  243. Russell 2017b, p. 487.
  244. a b Encyclopaedia Britannica.
  245. a b Livingstone 2017, pp. 359–360.
  246. Heeßel 2017, p. 368.
  247. a b Livingstone 2017, p. 359.
  248. Fincke 2017, p. 378.
  249. Fincke 2017, p. 379.
  250. Fincke 2017, pp. 383–385.
  251. Fincke 2017, pp. 379–380.
  252. Parker 2011, pp. 365–367.
  253. Livingstone 2017, p. 364.
  254. BetGivargis-McDaniel 2007, p. 7.
  255. a b c Bedford 2009, p. 35.
  256. Lambert 1983, p. 83.
  257. Lewy 1971, p. 763.
  258. Breasted 1926, p. 164.
  259. James 1966, p. 42.
  260. Maul 2017, p. 342.
  261. Maul 2017, pp. 343–344.
  262. Haider 2008, p. 200.
  263. Haider 2008, p. 202.
  264. Marciak & Wójcikowski 2016, p. 80.
  265. Haider 2008, p. 194.
  266. Hauser 2017, p. 240.
  267. a b c Cassidy 2005, p. 49.
  268. Filoni 2017, p. 6.
  269. Hauser 2017, p. 239.
  270. Akopian 2017, p. 409.
  271. Cassidy 2005, pp. 50–51.
  272. Cassidy 2005, p. 50.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Fontes da web[editar | editar código-fonte]