Mari (Síria)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mari
Tel Hariri
em árabe: تل حريري
Zigurate em Mari
Localização atual
Mari está localizado em: Síria
Mari
Localização de Mari na Síria
Coordenadas 34° 32' 58" N 40° 53' 24" E
País  Síria
Cidade Abu Camal
Distrito Deir ez-Zor
Região histórica Mesopotâmia
Área 140 000 m²
Dados históricos
Fundação 2 900 a.C.
Abandono século III a.C.
Período/era Idade do Bronze
Civilização de Quis
Amoritas
Notas
Escavações 1933-1939
1951-1956
desde 1960
Arqueólogos André Parrot
Jean-Claude Margueron
Pascal Butterlin
Estado de conservação Ruínas
Ocupado por Estado Islâmico
Acesso público Não

Mari (atualmente Tel Hariri), foi uma antiga cidade semítica da Síria e um dos sítios arqueológicos mais importantes na Mesopotâmia. Suas ruínas constituem um tel (colina artificial) situada a 11 quilômetros a noroeste de Abu Camal na margem ocidental do rio Eufrates, aproximadamente 120 km a sudeste de Deir ez-Zor e cerca de 30 km da fronteira com o Iraque. Floresceu como um centro de comércio e Estado hegemônico entre 2900 e 1 759 a.C..[a] Como um cidade propositalmente construída, a existência de Mari esteve vinculada à sua posição sobre as rotas comerciais do médio Eufrates; esta posição fez-a um posto intermediário entre a Suméria no sul e o Levante no oeste.

Mari foi abandonada pela primeira vez em meados do século XVI a.C., mas foi reconstruída e tornar-se-ia capital dum Estado semítico oriental hegemônico antes de 2 500 a.C.. Esta segunda Mari envolveu-se numa longa guerra com sua rival Ebla, e é conhecida por sua forte afinidade com a cultura suméria. Foi destruída no século XVIII a.C. pelos acadianos que permitiram que fosse reconstruída e nomearam um governador militar portando o título de xacanacu (shakkanakku). Os governadores mais tarde tornar-se-iam independentes com a rápida desintegração do Império Acádio e reconstruída a cidade como centro regional no vale do médio Eufrates. Os xacanacus governaram Mari até a segunda metade do século XIX a.C., quando a dinastia colapsou por razões desconhecidas. Pouco tempo após o colapso dos xacanacus, Mari tornou-se capital da dinastia Lim dos amoritas. A Mari amorita foi de curta duração, pois seria anexada pela Babilônia ca. 1 761 a.C.. Ela sobreviveu como um pequeno assentamento sob o governo de babilônios e assírios antes de ser abandonada e esquecida durante período helenístico.

Os mariotas cultuavam divindades semíticas e sumérias e estabeleceram sua cidade como centro de comércio. Contudo, embora os períodos pré-amoritas foram caracterizados pela pesada influência cultura suméria, Mari não era uma cidade de imigrantes sumérios, mas uma nação falante do semítico que utilizou um dialeto similar ao eblaíta. Os amoritas eram semitas ocidentais que começaram a se estabelecer na área antes do século XXI a.C.; pelo tempo da dinastia Lim (ca. 1 830 a.C.), eles começaram a dominar a população no Crescente Fértil.

A descoberta de Mari em 1933 forneceu um importante luz sobre o mapa geopolítico das antigas Mesopotâmia e Síria devido a descoberta de mais de 25 000 tabletes que contêm importante informação sobre a administração do Estado durante o segundo milênio a.C. e a natureza das relações diplomáticas entre as entidades políticas na região. Eles também revelaram as amplas redes de comércio do século XVIII a.C., que conectavam áreas como o longínquo Afeganistão no sul da Ásia e Creta no Mediterrâneo.

História[editar | editar código-fonte]

Pontos de referência em Mari

O nome da cidade pode ser associado a Mer, uma antiga divindade dos trovões do norte da Mesopotâmia e Síria que foi considerada patrona da cidade. Georges Dossin notou que o nome da cidade foi escrito do mesmo modo que o deus do trovão e concluiu que Mari foi nomeada em sua homenagem.[1][2]

Primeiro reino[editar | editar código-fonte]

Mari não é considerada um pequeno assentamento que mais tarde cresceria, mas sim uma pequena cidade propositalmente fundada durante o Período Dinástico Precoce I ca. 2 900 a.C. para controlar as rotas comerciais do Eufrates que conectavam o Levante no norte com a Suméria no sul.[3] Foi construída cerca de 1 a 2 quilômetros de distância do Eufrates para protegê-la de enchentes,[4] e esteve conectada ao rio por um canal artificial que media entre 7 e 10 quilômetros de comprimento dependendo de qual meandro antigo fosse utilizado para a conexão, o que é difícil de identificar atualmente.[5] A cidade foi abandonada no fim do Período Dinástico Precoce II (ca. 2 550 a.C.) por razões desconhecidas.[3]

Esta cidade é difícil de ser escavada, uma vez que está enterrada fundo abaixo das camadas de habitação posteriores. Um sistema defensivo contra enchentes, composto de um aterro foi desenterrado, em conjunto com um baluarte circular interno de 6,7 metros de espessura para protegê-la de inimigos.[3] Uma área de 300 metros de comprimento foi preenchida com jardins e bairros de artesãos separou o aterro externo do baluarte interno que tinha uma altura de 8 a 10 metros, e foi fortalecido por torres defensivas.[5] Outros achados incluem um dos portões da cidade, uma rua que iniciou no centro e terminou no portão e edifícios residenciais.[3] Mari possuía uma colina central,[6] contudo nenhum templo ou palácios foram desenterrados,[3] embora um grande edifício que parece ter sido um centro administrativo foi descoberto; este edifício tinha fundações de pedra e dimensões de 32 metros por 25 metros, com salas de 12 metros de largura e 6 metros de comprimento.[7]

Segundo reino[editar | editar código-fonte]

Segundo Reino Mariota
Segundo Reino Mariota
ca. 2 500 a.C. – ca. 2 290 a.C. Sargon de Acad-pt.svg
Localização de Segundo Reino Mariota
Reino Mariota sob Iblul-Il
Continente Ásia
Região Mesopotâmia Superior
Capital Mari
Língua oficial mariota
Religião mesopotâmica
Governo Monarquia
Período histórico Idade do Bronze
 • ca. 2 500 a.C. Refundação de Mari
 • ca. 2 290 a.C. Conquista pelo Império Acádio

Por volta do começo do Período Dinástico Precoce III (antes de 2 500 a.C.)[8] Mari foi reconstruída e povoada.[9] A nova cidade manteve boa parte dos padrões exteriores da primeira cidade, incluindo o portão e baluarte internos.[3] Também manteve o aterro circular exterior medindo 1,9 quilômetros de diâmetro, que foi encimado por uma muralha de dois metros de espessura,[10] adequada para a proteção de arqueiros.[3] Contudo, a estrutura interna foi completamente alterada,[11] com a cidade sendo cuidadosamente planejada; a primeira coisa a ser construída foram as ruas que declinaram do centro elevado em direção aos portões, assegurando a drenagem da água da chuva.[3]

No coração da cidade, um palácio real, que também serviria como templo, foi edificado.[3] Quatro níveis arquitetônico sucessivos do palácio do segundo reino foram desenterrados (o mais velho é designado P3, enquanto o último é P0), e os últimos dois níveis são datados do período acadiano. Os primeiros dois níveis foram escavados, e os achados incluem um templo chamado "Recinto Sagrado" (em francês: Enceinte Sacrée), que era o maior da cidade, porém é desconhecido a quem foi dedicado.[12] Também foi escavado uma sala do trono com pilares e um salão que continha três pilares duplos de madeira que levam ao templo.[13]

Seis outros templos foram descobertos na cidade, incluindo o templo chamado de "Maciço Vermelho" (em francês: Massif Rouge), a quem sua dedicação é desconhecida, e templos dedicados a Nini-Zaza, Istarate,[14] Istar, Ninursague e Samas. Todos os templos estavam localizados no centro da cidade, exceto o Templo de Istar, e a área entre o Recinto Sagrado e o Maciço Vermelho é considerada como centro administrativo do sumo sacerdote.[12]

O segundo reino parece ter sido um poderoso e próspero centro político.[8] Seus reis utilizavam o título de lugal.[15] Muitos são atestados na cidade, mas a mais importante fonte é a carta do rei Ena-Dagam de ca. 2 350 a.C.,[b][16] que foi enviada a Ircabe-Damu de Ebla[c] e nela o rei mariota menciona seus predecessores e suas realizações militares.[17] Outrossim, a leitura desta carta é ainda problemática e muitas interpretações foram apresentadas pelos estudiosos.[18][19][20]

Selo cilíndrico do Segundo Reino Mariota retratando uma batalha entre heróis e animais
Inscrição do rei Icum-Samas

Guerra eblaíta-mariota[editar | editar código-fonte]

O rei mais antigo atestado na carta de Ena-Dagam é Ansude, que é mencionado atacando Ebla, o tradicional rival de Mari com quem teve uma longa guerra,[21] e conquistou muitas das cidades de Ebla, incluindo a terra de Belam (atualmente localizada a 26 quilômetros de Raca[22]).[18] O próximo rei mencionado na carta é Sa'umu, que conquistou as terras de Ra'aque e Nirum (situadas no Eufrates médio próximo de Sueiat[23]), mas Mari foi derrotada pelo rei Cun-Damu de Ebla em meados do século XXV a.C..[24] A guerra continuou com Istupe-Isar, que conquistou Emar durante um período de debilidade de Ebla em meados do século XXIV a.C.[18] O rei Igrixe-Halam teve que pagar tributo a Iblul-Il de Mari,[23][25] que é mencionado na carta conquistando muitas das cidades de Ebla e realizando campanha na região de Burmam.[18]

Ena-Dagam também recebeu tributo,[25] e seu reinado coincidiu inteiramente com o reinado de Ircabe-Damu de Ebla,[26] que conseguiu derrotar Mari e deixar de pagar tributo.[27] Mari derrotou Nagar, um aliado de Ebla, no sétimo ano do mandato do vizir eblaíta Ibrium, causando o bloqueio das rotas comerciais entre Ebla e o sul da Mesopotâmia via a al-Jazira (Mesopotâmia Superior).[28] A guerra alcançou seu clímax quando o vizir eblaíta Ibi-Sipixe fez uma aliança com Nagar e Quis para derrotar Mari numa batalha próximo de Terca cerca de 2 300 a.C.,[29] durante o reinado do rei mariota Hidar.[30]

Segundo Alfonso Archi, Hidar foi sucedido por Isci-Mari, cujo selo real foi descoberto e descreve cenas de batalha, levando Archi a sugerir que foi responsável pela destruição de Ebla enquanto ainda era general.[30][31] Uma década após a destruição de Ebla (ca. 2 300 a.C. pela cronologia média),[32] Mari foi destruída e incendiada por Sargão da Acádia;[33] Michael Astour, segundo a cronologia curta, fornece a data de 2 265 a.C..[34]

Terceiro reino[editar | editar código-fonte]

Mari permaneceu deserta por duas gerações antes de ser restaurada pelos rei acadiano Manichtuchu.[35] Um governador militar com o título de "xacanacu" (shakkanakku) foi nomeado para comandar a cidade. A Acádia deteve controle direto sobre a cidade, o que é evidente pela nomeação de Naram-Sin de duas de suas filhas para ofícios sacerdotais na cidade.[36]

Dinastia xacanacu[editar | editar código-fonte]

Terceiro Reino Mariota
Terceiro Reino Mariota
Sargon de Acad-pt.svg
ca. 2 266 a.C. – ca. 1 761 a.C. Hammurabi's Babylonia pt.svg
Localização de Terceiro Reino Mariota
Reino Mariota sob Zimri-Lim em ca. 1 764 a.C.
Continente Ásia
Região Mesopotâmia Superior
Capital Mari
Língua oficial acadiano
amorita
Religião levantina
Governo Monarquia
Período histórico Idade do Bronze
 • ca. 2 266 a.C. Independência do Império Acádio
 • ca. 1 761 a.C. Conquista pelo Império Paleobabilônico
Leão de Mari (século XXII a.C.)

O primeiro membro da dinastia xacanacu nas listas reais é Ididis que foi nomeado em ca. 2 266 a.C.[d][37] Ele governou por 60 anos[38] e foi sucedido por seu filho, o que tornou a posição hereditária.[39]

A terceira Mari sucedeu em termos gerais a estrutura segunda cidade,[40] com a fase P0 do antigo palácio sendo substituída pelo novo palácio de xacanacu.[41] Outro palácio menor foi construído na porção oriental da cidade,[6] e continha sepultamentos reais que datam de períodos anteriores.[42] Os baluartes foram reconstruídos e fortificados enquanto o aterro tornar-se-ia uma muralha defensiva que alcançou 10 metros de largura. O antigo recinto sagrado foi mantido, assim como o Templo de Ninursague. Contudo, o Templo de Nina-Zaza e Istarate desapareceram,[41] enquanto um novo templo chamado "Templo dos Leões" (dedicado a Dagom),[43] foi construído pelo xacanacu Ichtupe-Ilum e anexado a ele estava um terraço sacrificial retangular (zigurate) que mediu 40 por 20 metros.[41][6][44]

A Acádia se desintegrou após o reinado de Charcalicharri,[45] e Mari ganhou sua independência, com o uso do título xacanacu continuou durante o subsequente período da Terceira Dinastia de Ur.[46] Uma princesa de Mari casou com o filho do rei Ur-Namu de Ur,[47][48] e Mari estava nominalmente sob hegemonia de Ur.[49] Todavia, a vassalagem não impediu a independência de Mari,[50][51] e alguns xacanacus utilizaram o título real lugal em suas inscrições votivas, enquanto utilizaram o título de xacanacu em sua correspondência com a corte de Ur.[52] A dinastia terminou por razões desconhecidas não muito antes do estabelecimento da dinastia seguinte, o que ocorreu na segunda metade do século XIX a.C..[53][54][55]

Dinastia Lim[editar | editar código-fonte]

O segundo milênio a.C. no Crescente Fértil foi caracterizado pela expansão dos amoritas, que culminou com a dominação e governo deles de boa parte da região,[56] incluindo Mari que em ca. 1 830 a.C., tornar-se-ia sede da dinastia Lim dos amoritas sob o rei Iagide-Lim.[55][57] Todavia, as evidências epigráficas e arqueológicas mostraram um elevado grau de continuidade entre os períodos xacanacu e amorita, o que enfraqueceu a teoria anterior de que houve um abandono de Mari durante o período transicional.[47]

Iagide-Lim foi o governante de Suprum (12 quilômetros rio acima de Mari, talvez identificável com a moderna Tel Abu Haçane [58]). Ainda há duvidas entre os estudiosos se ele se estabeleceu com sua família em Mari,[59] porém tradicionalmente se admite que foi o primeiro rei de sua dinastia.[60] Iagide-Lim entrou em aliança com Ilacabcabu de Ecalatum, mas as relações entre eles deteriorou até a eclosão duma guerra aberta[61] que foi concluída com a captura de Iadum-Lim, o herdeiro de Iagide-Lim. Segundo um tablete encontrado em Mari, conquanto de credibilidade duvidosa por ter sido escrito por Iasma-Adade, neto de Ila-cabcabu, Iagide-Lim foi assassinado por seus servos.[60]

Em ca. 1 820 a.C., Iadum-Lim estava firmemente estabelecido como rei em Mari, sendo plausível supor que a transição da família Lim de Suprum para lá tenha sido trabalho dele após a guerra com Ila-cabcabu.[62] Iadum-Lim começou seu reinado subjugando sete líderes tribais rebeldes e reconstruiu as muralhas de Mari e Terca para além de ter construído um novo forte que foi nomeado Dur-Iadum-Lim.[63] Daí expandiu-se para oeste e alegou ter alcançado o Mediterrâneo,[64][65] mas mais tarde teve que enfrentar uma rebelião dos nômades Banu Iamina que estavam centrados em Tutul e eram apoiados por Sumu-Epu, rei de Iamade, cujos interesses foram ameaçados pela recém-estabelecida aliança entre Iadum-Lim e Esnuna.[51][64]

Iadum-Lim derrotou os Iamina, mas uma guerra aberta com Iamade foi evitada, com o rei mariota ocupando-se com sua rivalidade com Sansiadade I do Império Assírio Antigo, filho de Ila-cabcabu. A guerra terminou numa derrota para Mari,[66][67] e Iadum-Lim foi assassinado em cerca de 1 798 a.C. por seu possível filho Sumu-Iamam,[68][69] que também seria assassinado dois anos após ascender ao trono enquanto Sansiadade avançou e anexou Mari.[70]

Período assírio e restauração Lim[editar | editar código-fonte]

Investidura de Zimri-Lim (século XVIII a.C.)

Sansiadade nomeou seu filho Iasma-Adade ao trono de Mari, o novo rei casou-se com a filha de Iadum-Lim,[71][72] enquanto o resto da família Lim tomou refúgio em Iamade,[73] e a anexação foi oficialmente justificada pelo que Sansiadade considerou os atos pecaminosos do lado da família Lim.[74] Para fortalecer sua posição contra seu novo inimigo Iamade, Sansiadade casou Iasma-Adade com Beltum, filha de Isiadade de Catna. Contudo, Iasma-Adade ignorou sua esposa, causando uma crise com Catna. Ele mostrou-se um líder incapaz para lidar com a situação, o que provocou a ira de seu pai, que faleceu em ca. 1 776 a.C.,[72][75] enquanto os exércitos de Iarim-Lim I estavam avançando em apoio de Zimri-Lim, o herdeiro da dinastia Lim.[76][e]

A medida que Zimri-Lim avançava, um líder dos Banu-Simaal (a tribo de Zimri-Lim) derrubou Iasma-Adade,[77] abrindo-lhe caminho. Zimri-Lim chegou alguns meses após a fuga de Iasma-Adade,[78] e casou-se pouco tempo após sua entronização em 1 776 a.C. com a princesa Sibtu, filha de Iarim-Lim I.[76] A ascensão ao trono de Zimri-Lim com a ajuda de Iarim-Lim I afetou o estatuto de Mari, com Zimri-Lim referindo-se a Iarim-Lim como seu pai e o rei iamadita sendo capaz de ordenar a Mari que mediasse entre a principal divindade de Iamade, Hadade, e Zimri-Lim, que declarou-se servo de Hadade.[79]

Deusa dos vasos (século XVIII a.C.)

Zimri-Lim começou seu reinado realizando campanha contra os Banu Iamina, estabelecendo alianças com Esnuna e o rei da Babilônia Hamurabi,[73] e enviando seus exércitos em ajuda dos babilônios.[80] O novo rei dirigiu sua política expansionista em direção ao norte, na região do Chabur Superior, que era chamada Izdamaraz, onde subjugou os pequeninos reinos locais de Urques[81] e Talhaium, forçando-os a vassalagem.[82] A expansão encontrou resistência de Carni-Lim, o rei de Andarigue,[83] a quem Zimri-Lim derrotou, assegurando o controle mariota sobre a região em ca. 1 771 a.C.,[84] e o reino prosperou como centro comercial e entrou num período de paz relativa.[76] A maior herança de Zimri-Lim foi a renovação do palácio real, que foi consideravelmente expandido para abrigar 275 salas,[6][85] artefatos requintados como a estátua da Deusa do Vaso,[86] e um arquivo real que continha 20 000-25 000 tabletes.[87]

A aliança de Mari com Esnuna contribuiu para sua destruição, pois Esnuna mais tarde tornar-se-ia inimiga de Hamurabi.[88] As relações com a Babilônia pioraram com uma disputa sobre a cidade de Hit que consumiu muito tempo em negociações,[89] bem como uma guerra contra o Elam decorrida em ca. 1 765 a.C. e que envolveu ambos os reinos.[90] Finalmente, o reino foi invadido por Hamurabi que derrotou Zimri-Lim em batalha em ca. 1 761 a.C. e encerrou a dinastia Lim,[91][92] enquanto Terca tornou-se capital dum Estado menor chamado Reino de Hana.[93]

Períodos posteriores[editar | editar código-fonte]

Mari sobreviveu à destruição e rebelou-se contra a Babilônia em ca. 1 759 a.C., o que levou Hamurabi a destruir a cidade inteira. Apesar disso, Mari recebeu permissão de continuar existindo como uma pequena vila sob administração babilônica, um ato considerado misericordioso por Hamurabi.[94] Mais tarde, Mari tornar-se-ia parte da Assíria e foi listada entre os territórios conquistados pelo rei assírio Tuculti-Ninurta I (r. 1243-1 207 a.C.). Mais adiante, Mari constantemente mudou de mãos entre a Assíria e Babilônia. Em meados do século XI a.C., Mari tornou-se parte de Hana cujo rei Tuculti-Mer tomou o título rei de Mari e rebelou-se contra a Assíria, o que incitou um ataque à cidade do rei assírio Assurbelcala.[95]

Mari permaneceu firmemente sob autoridade do Império Neoassírio, e foi concedida na primeira metade do século VIII a.C. pelo rei Adadenirari III ao governador Nergaleres.[95] Em ca. 760 a.C., Samas-Richa-Usur,[96] um governador autônomo que governou porções do curso médio do Eufrates sob a autoridade nominal de Assurdã III , declarou-se governador das terras de Sui e Mari, tal como seu filho Ninurta-Cudurri-Usur.[95]

Por esta época, Mari relatadamente fazia parte da chamada Terra de Lace (território que incluía a confluência dos rios Chabur e Eufrates[97]), o que suscita dúvidas quanto a real possibilidade da família Usur tê-la controlado, e os historiadores sugerem que o título foi empregado puramente por razões históricas. A cidade continuou a existir como um pequeno assentamento nos subsequentes períodos neobabilônico, aquemênida e período helenístico. Após o último, Mari desapareceu totalmente dos registros históricos.[95]

Povo, língua e governo[editar | editar código-fonte]

Busto dum mariota do segundo reino (século XXV a.C.)

Os fundadores da primeira cidade podem ter sido sumérios ou mais provavelmente povos falantes do semítico oriental de Terca no norte.[4] I. J. Gelb relaciona a fundação de Mari com a Civilização de Quis,[98] que era uma entidade cultura de populações falantes do semítico oriental que estendeu-se do centro da Mesopotâmia à Ebla no Levante Ocidental.[99]

Em seu auge, a segunda cidade abrigou aproximados 40 000 indivíduos.[100] Esta população era semítica oriental e utilizou um dialeto muito similar ao dialeto eblaíta,[9][101] enquanto o período xacanacu teve uma população semítica oriental falante de acadiano.[102] Nomes semíticos ocidentais começaram a ser notados em Mari desde o segundo reino,[103] e desde meados da Idade do Bronze as tribos semíticas ocidentais dos amoritas tornaram-se a maioria dos grupos pastoris dos vales do médio Eufrates e Chabur.[104] Nomes amoritas começaram a ser observados na cidade próximo ao fim do período xacanacu, mesmo entre os membros da dinastia reinante.[105]

Durante a era Lim, a população era predominantemente amorita, mas também incluía indivíduos com nomes acadianos,[f] e embora a língua amorita tornar-se-ia dominante, o acadiano permaneceu a língua escrita.[106][107][108] Os pastoris amoritas em Mari foram chamados haneanos, um termo que indica nômades em geral, e eles foram divididos em Banu Iamina (filhos da direita) e Banu Simaal (filhos da esquerda), com a casa reinante pertencendo ao ramo Banu Simaal.[109] O reino também abrigou as tribos dos suteanos que viveram no distrito de Terca.[110]

Mari foi uma monarquia absoluta, com o rei controlando todo a administração, porém sob auxílio de escribas que desempenharam o papel de administradores.[111] Durante o período Lim, Mari foi dividida em quatro províncias em complementariedade à capital, e as sedes provinciais estavam localizadas em Terca, Sagaratum, Catunan e Tutul. Cada província tinha sua própria burocracia,[112] com o governo suprindo os aldeões com arados e equipamentos agrícolas em troca de uma parcela da colheita.[113]

Reis de Mari[editar | editar código-fonte]

A Lista Real Suméria registra uma dinastia de seis reis de Mari gozando de hegemonia entre as dinastia de Adabe e Quis.[114] Os nomes dos reis mariotas foram danificados nas cópias mais antigas da lista,[21] e estes reis foram correlacionados com os reis históricos que pertenceram à segunda cidade.[9] Contudo, uma cópia não danificada da lista que data do período babilônico antigo foi descoberta em Chubate-Enlil, e os nomes não possuem nenhuma semelhança com os monarcas historicamente atestados da segunda cidade, indicando que os compiladores da lista tinham uma dinastia mais velho e provavelmente lendária em mente, que predatou a segunda Mari.[21]

A ordem cronológica dos reis do segundo reino é incerta; no entanto, se assume que a carta de Ena-Dagam lista-os cronologicamente.[115] Muitos dos reis foram atestados através de seus objetos votivos descobertos na cidade,[116] e as datas são amplamente especulativas.[117]

Para os xacanacus, as listas estão incompletas e após Hanum-Dagam que governou no fim do período Ur em ca. 2 008 a.C. (ca. 1 920 a.C. pela cronologia curta), eles estão cheias de lacunas.[118] Prováveis 13 xacanacus sucederam Hanum-Dagam, mas apenas alguns são conhecidos, com o último conhecido reinando não muito antes do reinado de Iagide-Lim que fundou a dinastia Lim em ca. 1 830 a.C..[54][119]

Estátua de Idi-Ilum (ca. 2 090 a.C.)
Puzuristar, xacanacu de Mari (2 050 a.C.)
Inscrição de Iadum-Lim (ca. 1 810 a.C.)
Um tablete de Zimri-Lim (ca. 1 770 a.C.)

Cultura e religião[editar | editar código-fonte]

Uma mariota (século XXV a.C.)

O primeiro e segundo reinos foram pesadamente influenciados pela Suméria.[147] A sociedade foi liderada por uma oligarquia urbana,[148] e os cidadãos foram bem conhecidos por suas vestimentas e estilos de cabelo elaborados.[149] O calendário foi baseado em um ano solar dividido em 12 meses, e foi o mesmo calendário utilizado em Ebla.[150][151] Escribas escreviam em língua suméria e a arte foi indistinguivelmente suméria, tal como o estilo arquitetônico.[152]

A influência mesopotâmica continuou a afetar a cultura de Mari durante o período amorita,[153] que é evidente no estilo escribal babilônico utilizado na cidade.[154] Porém, foi menos influente que nos períodos precedentes e um distinto estilo sírio prevaleceu, o que é perceptível nos selos de reis, que refletem uma clara origem síria.[153] A sociedade era tribal,[155] consistindo principalmente de agricultores e nômades (haneanos),[156] e em contraste com a Mesopotâmia, o templo tinha um papel menor na vida cotidiana, pois o poder esteve principalmente investido no palácio.[157] As mulheres gozaram de relativa igualdade em relação aos homens[158] com atestado pelo caso da rainha Chibtu que governou em nome de seu marido enquanto estava ausente e teve um papel administrativo extensivo e autoridade sobre os mais altos oficiais de seu marido.[159]

O panteão incluía tanto divindades sumérias como semíticas,[160] e por boa parte de sua história, Dagam foi o chefe do panteão de Mari,[161] enquanto Mer foi a divindade patrona.[1] Outras divindades incluíam as divindades semíticas Istar[160] e Astar,[162] ambas deusas da fertilidade, e Samas, o deus Sol que foi considerado entre as divindades mais relevantes da cidade[163] e que se acreditava ser onisciente.[164] As divindades sumérias incluíam Ninursague,[160] Dumuzi,[165] Enqui, Anu e Enlil.[166] Profecias tinham um importante papel para a sociedade, com os templos possuindo profetas,[167] que davam conselhos ao rei e participaram em festivais religiosos.[168]

Economia[editar | editar código-fonte]

Espelho de bronze (século XIII-XII a.C.)

A primeira Mari forneceu a mais antiga oficina de rodas descoberta na Síria,[169] e foi um centro de metalurgia do bronze.[4] A cidade também continha distritos devotados a fundição, tingimento e manufatura de cerâmica,[3] e carvão era levado por barcos de rios do Chabur Superior ao Eufrates.[4]

A economia do segundo reino era baseada na agricultura e comércio. Ela estava centrada e dirigida à uma organização comunal, onde cereais eram estocados em armazéns comunitários e distribuídos entre a população segundo os estatutos sociais. A organização também controlou rebanhos de animais no reino. Algumas pessoas estiveram diretamente conectadas ao palácio em vez da organização comunal; entre estes estavam os metalúrgicos e tecelões e os oficiais militares.[107] Ebla foi a parceira e rival comercial mais importante de Mari,[170] uma vez que a posição de Mari a possibilitava controlar a rota que ligava o Levante com a Mesopotâmia.[171]

A Mari amorita manteve os aspectos mais antigos da economia, que ainda era amplamente centrada na agricultura irrigada junto ao vale do Eufrates.[107] A cidade manteve seu papel comercial e foi centro de mercadores da Babilônia e outros reinos,[172] e recebeu bens do sul e oeste através de barcos e distribuiu-os para o norte, noroeste e oeste. As principais mercadorias manipuladas por Mari foram metais estanho importados do planalto Iraniano e então exportou a oeste tão longe quanto Creta. Outros bens incluíam cobre do Chipre, prata da Anatólia, madeira do Líbano, ouro do Egito, azeite de oliva, vinho e têxteis, além de pedras preciosas do atual Afeganistão.[173]

Descoberta e escavações[editar | editar código-fonte]

Parte das muralhas

Mari é classificada pelos arqueólogos como o "posto mais ocidental da cultura suméria".[174] Ela foi descoberta em 1933, na região oriental da Síria, perto da fronteira com o Iraque. Uma tribo beduína estava cavando em um monte chamado Tel Hariri um tumulo que seria usado para enterrar um membro da tribo recentemente falecido, quando se depararam com uma estátua sem cabeça. ​​Após esta descoberta, a notícia chegou às autoridades francesas que controlavam a Síria naquele período e uma escavação foi iniciada em 14 de dezembro de 1933 por arqueólogos do Museu do Louvre de Paris.[175]

Desde o início das escavações, foram descobertos entre 20 000-25 000 tabletes em argila em cuneiforme acadiano do período babilônico antigo (século XVIII a.C.).[87] As descobertas das escavações estão em exposição no Museu do Louvre,[176][177] no Museu Nacional de Alepo,[178] no Museu Nacional de Damasco[179] e no Museu de Deir ez-Zor. Neste último, a fachada sul do Palácio de Zimri-Lim foi reconstruída, incluindo as pinturas nas paredes.[180]

Mari foi escavada em campanhas anuais entre 1933-1939, 1951-1956 e 1960.[181] As primeiras 21 escavações (até 1975), foram lideradas por André Parrot,[182] seguida por Jean-Claude Margueron (até 2004)[183] e Pascal Butterlin (a partir de 2005).[184] Desde 1982, um jornal chamado Mari: Anais de estudos interdisciplinares (Mari: Annales de recherches interdisciplinaires) devota sua atenção às descobertas concernentes ao sítio.[185][186] Os arqueólogos tem tentando determinar quantas camadas o sítio possui e segundo o arqueólogo francês André Parrot: "cada vez que uma sonda vertical foi iniciada a fim de traçar a história do sítio abaixo do solo virgem, tão importantes descobertas foram feitas que a escavação horizontal teve que ser recomeçada."[187]

Tabletes de Mari[editar | editar código-fonte]

Os tabletes foram escritos em acadiano,[188] e fornecem informações sobre o reino, seus costumes, e os nomes das pessoas que viveram durante aquele tempo.[57] Mais de 3 000 são cartas, e o restante inclui textos administrativos, econômicos e judiciais.[189] Quase todos os tabletes encontrados foram datados para os últimos 50 anos da independência de Mari (ca. 1800-1750),[189] e muitos já foram publicados.[190] A língua dos textos, apesar de ser oficialmente o acadiano, apresenta nomes e alusões na sintaxe que mostram que a língua comum dos habitantes de Mari foi o semítico do noroeste.[191]

Situação atual[editar | editar código-fonte]

Como resultado da Guerra Civil Síria, as escavações pararam,[184] e o sítio permaneceu sob controle de grupos armados, com testemunhas informando que houve grande quantidade de saques. Um relatório oficial revelou que os saqueadores estão concentrados no palácio real, nas termas públicas, no Templo de Istar e o Templo de Dagan.[192]

Notas[editar | editar código-fonte]

[a] ^ Todas as datas estão segundo a cronologia média
[b] ^ Em leituras antigas pensou-se que Ena-Dagan era um general de Ebla. Contudo, a decifração dos tabletes de Ebla mostrou-o em Mari e recebeu presentes de Ebla durante os reinados de seus predecessores mariotas.[193]
[c] ^ Ircabe-Damu não é nomeado na carta, mas é quase certo que foi o destinatário dela.[27]
[d] ^ Segundo Jean-Marie Durand, este xacanacu foi nomeado por Manichtuchu, outras opiniões consideram Naram-Sin como o nomeador de Ididiche.[194]
[e] ^ Embora oficialmente um filho de Iadum-Lim, na realidade ele foi um neto ou sobrinho.[195]
[f] ^ Jean-Marie Durand, embora não especulando o destino da população semítica oriental, acredita que os acadianos durante a dinastia Lim não são descendentes dos semitas orientais do período xacanacu.[102]
[g] ^ Gudugue (gudug) foi uma posição na hierarquia dos trabalhadores templários mesopotâmicos. Os gudugues não estavam vinculados ao culto de alguma divindade específica e serviram em muitos templos.[196]

Referências

  1. a b Green 2003, p. 62
  2. Oldenburg 1969, p. 60
  3. a b c d e f g h i j Aruz 2003, p. 136
  4. a b c d Viollet 2007, p. 36
  5. a b Crawford 2013, p. 520
  6. a b c d Akkermans 2003, p. 286
  7. Crawford 2013, p. 522
  8. a b Akkermans 2003, p. 267
  9. a b c d Liverani 2013, p. 117
  10. Crawford 2013, p. 523
  11. Crawford 2013, p. 524
  12. a b Crawford 2013, p. 527
  13. Aruz 2003, p. 137
  14. Aruz 2003, p. 531
  15. Nadali 2007, p. 354
  16. Aruz 2003, p. 463
  17. a b Roux 1992, p. 200
  18. a b c d e f g Liverani 2013, p. 119
  19. a b Gordon 2002, p. 57
  20. Matthews 2006, p. 261
  21. a b c d Gordon 2002, p. 58
  22. Daviau 2001, p. 233
  23. a b Frayne 2008, p. 756
  24. Kühne 2008, p. 68
  25. a b Aruz 2003, p. 462
  26. Podany 2010, p. 315
  27. a b Podany 2010, p. 26
  28. a b Bretschneider 2009, p. 5
  29. Gordon 2002, p. 219
  30. a b Bretschneider 2009, p. 7
  31. Archi 2003
  32. Matthiae 2013, p. 339
  33. Liverani 2013, p. 123
  34. Gordon 2002, p. 75
  35. Gordon 2002, p. 71
  36. Gordon 2002, p. 68
  37. Leick 2002, p. 93
  38. a b c d e f g Oliva 2008, p. 86
  39. a b Leick 2002, p. 166
  40. Aruz 2003, p. 138
  41. a b c Crawford 2013, p. 530
  42. Suriano 2010, p. 56
  43. Strommenger 1964, p. 167
  44. Crawford 2013, p. 531
  45. McLaughlin 2012, p. 2
  46. Lerberghe 1999, p. 65
  47. a b Wossink 2009, p. 31
  48. Tetlow 2004, p. 10
  49. Bryce 2014, p. 18
  50. Gordon 2002, p. 127
  51. a b Bryce 2009, p. 451
  52. Gordon 2002, p. 132
  53. Roux 1992, p. 256
  54. a b Frayne 1990, p. 597
  55. a b Gordon 2002, p. 139
  56. Sicker 2000, p. 25
  57. a b LaMoine 2006, p. 27
  58. Bryce 2009, p. 673
  59. Frayne 1990, p. 601
  60. a b c Porter 2012, p. 31
  61. Roux 1992, p. 257
  62. a b Feliu 2003, p. 86
  63. Frayne 1990, p. 603
  64. a b Frayne 1990, p. 606
  65. Fowden 2013, p. 93
  66. Coogan 2001, p. 68
  67. Meer 1955, p. 29
  68. Launderville 2003, p. 271
  69. Frayne 1990, p. 613
  70. Bryce 2014, p. 20
  71. Mieroop 2007, p. 109
  72. a b c Tetlow 2004, p. 125
  73. a b Bryce 2009, p. 452
  74. Grayson 1972, p. 27
  75. Harris 2003, p. 141
  76. a b c Hamblin 2006, p. 254
  77. Liverani 2013, p. 357
  78. a b Dalley 2002, p. 143
  79. Emerton 1980, p. 75
  80. Toorn 1996, p. 101
  81. Bryce 2009, p. 329
  82. Bryce 2009, p. 687
  83. Bryce 2009, p. 45
  84. Charpin 2012, p. 39
  85. Burns 2009, p. 198
  86. Gates 2013, p. 65
  87. a b Malāmāṭ 1998, p. 45
  88. Levin 2009, p. 76
  89. Levin 2009, p. 77
  90. Mieroop 2008, p. 70
  91. Roux 1992, p. 271
  92. Mieroop 2008, p. 75
  93. Fleming 2012, p. 226
  94. Mieroop 2008, p. 76
  95. a b c d Bryce 2009, p. 453
  96. Dalley 2002, p. 201
  97. Bryce 2009, p. 408
  98. Hasselbach 2005, p. 3
  99. Hansen 2002, p. 133
  100. Chew 2007, p. 67
  101. Crawford 2013, p. 469
  102. a b Heimpel 2003, p. 21
  103. Haldar 1971, p. 8
  104. Liverani 2013, p. 222
  105. Heimpel 2003, p. 22
  106. Nemet-Nejat 1998, p. 114
  107. a b c Giosan 2013, p. 117
  108. Freedman 2000, p. 55
  109. Liverani 2013, p. 223
  110. Heimpel 2003, p. 26
  111. Finer 1997, p. 173
  112. Liverani 2013, p. 224
  113. Maisels 2003, p. 322
  114. a b Haldar 1971, p. 16
  115. Frayne 2008, p. 739
  116. Frayne 2008, p. 742
  117. Hamblin 2006, p. 241
  118. Frayne 1990, p. 593
  119. Bertman 2005, p. 87
  120. Kramer 2010, p. 329
  121. a b c d e Cohen 2013, p. 148
  122. Biggs 2008, p. 195
  123. Frayne 2008, p. 745
  124. Frayne 2008, p. 777
  125. Frayne 2008, p. 741
  126. Frayne 2008, p. 823
  127. Frayne 2008, p. 827
  128. Heimpel 2003, p. 3
  129. Leick 2002, p. 81
  130. Leick 2002, p. 18
  131. Abusch 2001, p. 61
  132. Leick 2002, p. 92
  133. Claire 2016
  134. Leick 2002, p. 78
  135. Leick 2002, p. 168
  136. a b c Oliva 2008, p. 91
  137. Oliva 2008, p. 92
  138. Leick 2002, p. 67
  139. Veenhof 2008, p. 38
  140. Frayne 1990, p. 596
  141. Young 1992, p. 158
  142. Frayne 1990, p. 597
  143. Oliva 2008, p. 87
  144. Frayne 1990, p. 598
  145. Frayne 1990, p. 599
  146. Frayne 1990, p. 600
  147. Fagan 1996, p. 457
  148. Snell 2008, p. 43
  149. Aruz 2003, p. 170
  150. Pettinato 1981, p. 147
  151. Cohen 1993, p. 23
  152. Kramer 2010, p. 30
  153. a b Green 2003, p. 161
  154. Aruz 2003, p. 16
  155. Wossink 2009, p. 126
  156. Heimpel 2003, p. 29
  157. Grabbe 2004, p. 3
  158. Dougherty 2013, p. 657
  159. Tetlow 2004, p. 84
  160. a b c Feliu 2003, p. 90
  161. Feliu 2003, p. 304; 171
  162. Greenfield 1995, p. 629
  163. Grabbe 2007, p. 245
  164. Darke 2010, p. 293
  165. Feliu 2003, p. 92
  166. Feliu 2003, p. 170
  167. Machinist 2003, p. 79
  168. Walton 1994, p. 209
  169. Crawford 2013, p. 521
  170. Queens College 2002, p. 113
  171. Liverani 2013, p. 123
  172. Aubet 2013, p. 141
  173. Teissier 1996, p. 6
  174. Edwards 1971, p. 97
  175. Dalley 2002, p. 10
  176. Francoise 2016
  177. Louvre 2016
  178. Gates 2013, p. 143
  179. Darke 2010, p. 293
  180. Bonatz 1998, p. 93
  181. Bromiley 1995, p. 272
  182. Raggi-Verlag 1999, p. 495
  183. Crawford 2013, p. 17
  184. a b Ministério da Cultura Sírio 2013
  185. Dalley 2002, p. 2
  186. Heintz 1990, p. 48
  187. McLerran 2011
  188. Ring 1996, p. 214
  189. a b Grabbe 2004, p. 48
  190. Feliu 2003, p. 63
  191. Gates 2013, p. 62
  192. Cockburn 2014
  193. Frayne 2008, p. 817
  194. Liverani 1993, p. 83
  195. Radner 2011, p. 252
  196. Black 2004, p. 112

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Abusch, I Tzvi; Noyes, Carol (2001). Proceedings of the XLV Rencontre Assyriologique Internationale: historiography in the cuneiform world, Volume 2 CDL Press [S.l.] ISBN 1883053676. 
  • Akkermans, Peter M. M. G. (2003). The Archaeology of Syria: From Complex Hunter-Gatherers to Early Urban Societies (c.16,000-300 BC) (Cambridge: Cambridge University Press). ISBN 978-0-521-79666-8. 
  • Archi, Alfonso; Biga, Maria Giovanna. (2003). "A Victory over Mari and the Fall of Ebla". Journal of Cuneiform Studies 55 p. 1-44. The American Schools of Oriental Research.
  • Aruz, Joan; Wallenfels, Ronald (2003). Art of the First Cities: The Third Millennium B.C. from the Mediterranean to the Indus Metropolitan Museum of Art [S.l.] ISBN 978-1-588-39043-1. 
  • Aubet, Maria Eugenia (2013). Commerce and Colonization in the Ancient Near East (Cambridge: Cambridge University Press). ISBN 0521514177. 
  • Bertman, Stephen (2005). Handbook to Life in Ancient Mesopotamia (Oxford: OUP USA). ISBN 0195183649. 
  • Biggs, Robert D. (2008). Studies presented to Robert D. Biggs, June 4, 2004 Oriental Institute of the University of Chicago [S.l.] ISBN 1885923449. 
  • Black, Jeremy (2004). The Literature of Ancient Sumer (Oxford: OUP Oxford). 
  • Bonatz, Dominik; Kühne, Hartmut; Mahmoud, As'ad; al-Zawr, Matḥaf Dayr (1998). Rivers and steppes: cultural heritage and environment of the Syrian Jezireh: catalogue to the Museum of Deir ez-Zor Ministry of Culture, Directorate-General of Antiquities and Museums [S.l.] 
  • Bretschneider, Joachim; Vyve, Anne-Sophie Van; Leuven, Greta Jans (2009). War of the lords The battle of chronology [S.l.: s.n.] 
  • Bryce, Trevor (2014). Ancient Syria: A Three Thousand Year History (Oxford: OUP Oxford). 
  • Bryce, Trevor (2009). The Routledge Handbook of the Peoples and Places of Ancient Western Asia: The Near East from the Early Bronze Age to the Fall of the Persian Empire Routledge [S.l.] ISBN 1134159080. 
  • Bromiley, Geoffrey W. (1995). The International Standard Bible Encyclopedia: A-D Wm. B. Eerdmans Publishing [S.l.] ISBN 0802837816. 
  • Burns, Ross (2009). Monuments of Syria: A Guide I.B.Tauris [S.l.] ISBN 0857714899. 
  • Charpin, Dominique (2012). Hammurabi of Babylon I.B.Tauris [S.l.] ISBN 1848857527. 
  • Chew, Sing C. (2007). The Recurring Dark Ages: Ecological Stress, Climate Changes, and System Transformation Rowman Altamira [S.l.] ISBN 0759104522. 
  • Claire, Iselin (2016). «The Statuette of Iddi-Ilum». Museu do Louvre. Consultado em 30/08/2016. 
  • Cockburn, Patrick (2014). The destruction of the idols: Syria’s patrimony at risk from extremists Independent [S.l.] Consultado em 01/09/2016. 
  • Cohen, Yoram (2013). Wisdom from the Late Bronze Age Society of Biblical Lit [S.l.] ISBN 1589837541. 
  • Cohen, Mark E. (1993). The Cultic Calendars of the Ancient Near East CDL Press [S.l.] ISBN 1883053005. 
  • Coogan, Michael David (2001). The Oxford History of the Biblical World (Oxford: Oxford University Press). ISBN 978-0-19-513937-2. 
  • Crawford, Harriet (2013). The Sumerian World Routledge [S.l.] ISBN 978-1-136-21912-2. 
  • Dalley, Stephanie (2002). Mari and Karana: Two Old Babylonian Cities Gorgias Press [S.l.] ISBN 1931956022. 
  • Darke, Diana (2010). Syria Bradt Travel Guides [S.l.] ISBN 1841623148. 
  • Daviau, P.M. Michèle; Weigl, Michael; Wevers, John W. (2001). The World of the Aramaeans: Studies in Honour of Paul-Eugène Dion 1 [S.l.: s.n.] 
  • Dougherty, Beth K.; Ghareeb, Edmund A. (2013). Historical Dictionary of Iraq Scarecrow Press [S.l.] ISBN 0810879425. 
  • Edwards, I. E. S.; Gadd, C. J.; Hammond, N. G. L. (1971). «The Early Dynastic Civilization». The Cambridge Ancient History Volume I Part II: Early History of the Middle East (Cambridge: Cambridge University Press). 
  • Emerton, J. A. (1980). Prophecy: Essays presented to Georg Fohrer on his sixty-fifth birthday Walter de Gruyter [S.l.] ISBN 3110837412. 
  • Fagan, Brian M.; Beck, Charlotte (1996). The Oxford Companion to Archaeology (Oxford: Oxford University Press). 
  • Feliu, Lluís (2003). The God Dagan in Bronze Age Syria (Leida: Brill). ISBN 978-9-004-13158-3. 
  • Fleming, Daniel E. (2012). The Legacy of Israel in Judah's Bible: History, Politics, and the Reinscribing of Tradition (Cambridge: Cambridge University Press). ISBN 1139536877. 
  • Fowden, Garth (2013). Before and After Muhammad: The First Millennium Refocused Princeton University Press [S.l.] ISBN 1400848164. 
  • Francoise, Demange (2016). «Statue of a lion, Department of Near Eastern Antiquities: Mesopotamia». Museu do Louvre. Consultado em 31/08/2016. 
  • Frayne, Douglas (2008). Pre-Sargonic Period: Early Periods Volume 1 (2700-2350 BC) (Toronto: University of Toronto Press). ISBN 978-1-442-69047-9. 
  • Frayne, Douglas (1990). Old Babylonian Period (2003-1595 BC) (Toronto: University of Toronto Press). ISBN 978-0-8020-5873-7. 
  • Freedman, David Noel; Myers, Allen C. (2000). Eerdmans Dictionary of the Bible Amsterdam University Press [S.l.] ISBN 9053565035. 
  • Finer, Samuel Edward (1997). -The History of Government from the Earliest Times: Ancient monarchies and empires Routledge [S.l.] ISBN 1134863284. 
  • Gates, Charles (2013). Ancient Cities: The Archaeology of Urban Life in the Ancient Near East and Egypt, Greece and Rome Routledge [S.l.] ISBN 113467662X. 
  • Giosan, Liviu; Fuller, Dorian Q.; Nicoll, Kathleen; Flad, Rowan K.; Clift, Peter D. (2013). Climates, Landscapes, and Civilizations Wiley [S.l.] ISBN 1118704649. 
  • Greenfield, Jonas Carl; Zevit, Ziony; Gitin, Seymour; Sokoloff, Michael (1995). Solving Riddles and Untying Knots: Biblical, Epigraphic, and Semitic Studies in Honor of Jonas C. Greenfield Eisenbrauns [S.l.] ISBN 0931464935. 
  • Gordon, Cyrus; Rendsburg, Gary; Winter, Nathan (2002). Eblaitica: Essays on the Ebla Archives and Eblaite Language 4 Eisenbrauns [S.l.] ISBN 978-1-57506-060-6. 
  • Grabbe, Lester L.; Bellis, Alice Ogden (2004). The Priests in the Prophets: The Portrayal of Priests, Prophets, and Other Religious Specialists in the Latter Prophets Bloomsbury Publishing [S.l.] ISBN 0567401871. 
  • Grabbe, Lester L. (2007). Ahab Agonistes: The Rise and Fall of the Omri Dynasty A&C Black [S.l.] ISBN 0567045404. 
  • Grayson, Albert Kirk (1972). Assyrian Royal Inscriptions: From the beginning to Ashur-resha-ishi I Otto Harrassowitz Verlag [S.l.] ISBN 3447013826. 
  • Green, Alberto Ravinell Whitney (2003). The Storm-god in the Ancient Near East Eisenbrauns [S.l.] ISBN 978-1-57506-069-9. 
  • Haldar, Alfred (1971). Who Were the Amorites? 35 (Leida: Brill Archive). 
  • Hamblin, William (2006). Warfare in the Ancient Near East to 1600 BC: Holy Warriors at the Dawn of History Routledge [S.l.] ISBN 113452062X. 
  • Hansen, Donald P.; Ehrenberg, Erica (2002). Leaving No Stones Unturned: Essays on the Ancient Near East and Egypt in Honor of Donald P. Hansen Eisenbrauns [S.l.] ISBN 1575060558. 
  • Harris, Rivkah (2003). Gender and Aging in Mesopotamia: The Gilgamesh Epic and Other Ancient Literature University of Oklahoma Press [S.l.] ISBN 0806135395. 
  • Hasselbach, Rebecca (2005). Sargonic Akkadian: A Historical and Comparative Study of the Syllabic Texts Otto Harrassowitz Verlag [S.l.] ISBN 3447051728. 
  • Heimpel, Wolfgang (2003). Letters to the King of Mari: A New Translation, with Historical Introduction, Notes, and Commentary Eisenbrauns [S.l.] ISBN 1575060809. 
  • Heintz, Jean Georges; Bodi, Daniel; Millot, Lison (1990). Bibliographie de Mari: archéologie et textes (1933-1988) Otto Harrassowitz Verlag [S.l.] ISBN 3447030097. 
  • Kramer, Samuel Noah (2010). The Sumerians: Their History, Culture, and Character University of Chicago Press [S.l.] ISBN 0226452328. 
  • Kühne, Hartmut; Czichon, Rainer Maria; Kreppner, Florian Janoscha (2008). 4 ICAANE Harrassowitz Verlag [S.l.] ISBN 978-3-447-05757-8. 
  • LaMoine, F. DeVries (2006). Cities of the Biblical World: An Introduction to the Archaeology, Geography, and History of Biblical Sites Wipf and Stock Publishers [S.l.] ISBN 1556351208. 
  • Launderville, Dale (2003). Piety and Politics: The Dynamics of Royal Authority in Homeric Greece, Biblical Israel, and Old Babylonian Mesopotamia Wm. B. Eerdmans Publishing [S.l.] ISBN 0802839940. 
  • Leick, Gwendolyn (2002). Who's Who in the Ancient Near East Routledge [S.l.] ISBN 978-1-134-78795-1. 
  • Lerberghe, Karel van; Voet, Gabriela (1999). Languages and Cultures in Contact: At the Crossroads of Civilizations in the Syro-Mesopotamian Realm Peeters Publishers [S.l.] ISBN 9042907193. 
  • Levin, Judith (2009). Hammurabi Infobase Publishing [S.l.] ISBN 1438116535. 
  • Liverani, Mario (1993). Akkad: the first world empire : structure, ideology, traditions Sargon [S.l.] 
  • Liverani, Mario (2013). The Ancient Near East: History, Society and Economy Routledge [S.l.] ISBN 978-1-134-75091-7. 
  • Louvre. «Collections & departments Department of Near Eastern Antiquities». Museu do Louvre. Consultado em 31/08/2016. 
  • Machinist, Peter (2003). Prophets and Prophecy in the Ancient Near East Society of Biblical Lit [S.l.] ISBN 158983027X. 
  • Maisels, Charles Keith (2003). The Emergence of Civilisation: From Hunting and Gathering to Agriculture, Cities and the State of the Near East 1 (Oxford: Oxford University Press). 
  • Malāmāṭ, Avrāhām (1998). Mari and the Bible (Leida: BRILL). ISBN 9004108637. 
  • Matthews, Victor Harold; Benjamin, Don C. Benjamin (2006). Old Testament Parallels: Laws and Stories from the Ancient Near East Paulist Press [S.l.] ISBN 0809144352. 
  • Matthiae, Paolo; Marchetti, Nicoló (2013). Ebla and its Landscape: Early State Formation in the Ancient Near East Left Coast Press [S.l.] ISBN 1611322286. 
  • McLaughlin, John L. (2012). The Ancient Near East Abingdon Press [S.l.] ISBN 1426753276. 
  • McLerran, Dan (2011). Ancient Mesopotamian city in need of rescue [S.l.: s.n.] Consultado em 01/09/2016. 
  • Meer, Petrus Van Der (1955). The Chronology of Ancient Western Asia and Egypt (Leida: Brill Archive). 
  • Mieroop, Marc Van De (2007). A History of the Ancient Near East ca. 3000 - 323 BC Wiley [S.l.] ISBN 1405149116. 
  • Mieroop, Marc Van De (2008). King Hammurabi of Babylon: A Biography John Wiley & Sons [S.l.] ISBN 047069534X. 
  • Ministério da Cultura Sírio (2013). «محاضرة بالمركز الثقافي العربي السوري في باريس بمناسبة الذكرى الثمانين لإكتشاف ماري» (em árabe). Syrian Ministry of Culture. Consultado em 31/08/2016. 
  • Nadali, Davide. (2007). "Monuments of War, War of Monuments: Some Considerations on Commemorating War in the Third Millennium BC.". Orientalia 76. Pontificium Institutum Biblicum.
  • Nemet-Nejat, Karen Rhea (1998). Daily Life in Ancient Mesopotamia Greenwood Publishing Group [S.l.] ISBN 0313294976. 
  • Oldenburg, Ulf (1969). «The Conflict Between El and Ba'al in Canaanite Religion». Diss Ertationes 1 (Leida: Brill Archive). 
  • Oliva, Juan (2008). Textos para un historia política de Siria-Palestina I Ediciones AKAL [S.l.] ISBN 8446019493. 
  • Pettinato, Giovanni (1981). The archives of Ebla: an empire inscribed in clay Doubleday [S.l.] ISBN 0385131526. 
  • Podany, Amanda H. (2010). Brotherhood of Kings: How International Relations Shaped the Ancient Near East Oxford University Press [S.l.] ISBN 978-0-199-79875-9. 
  • Porter, Anne (2012). Mobile Pastoralism and the Formation of Near Eastern Civilizations: Weaving Together Society (Cambridge: Cambridge University Press). 
  • Queens College; Jewish Studies Program and Center for Jewish Studies (2002). The Queens College Journal of Jewish Studies 4 [S.l.: s.n.] 
  • Radner, Karen; Robson (2011). The Oxford Handbook of Cuneiform Culture (Oxford: OUP Oxford). ISBN 0199557306. 
  • Raggi-Verlag (1999). Antike Welt 30 Raggi-Verlag [S.l.] 
  • Ring, Trudy; Salkin, Robert M. Salkin; Boda, Sharon La Boda (1996). International Dictionary of Historic Places: Middle East and Africa, Volume 4 Taylor & Francis [S.l.] ISBN 1884964036. 
  • Roux, Georges (1992). Ancient Iraq Penguin UK [S.l.] ISBN 0141938250. 
  • Sicker, Martin (2000). The Pre-Islamic Middle East Greenwood Publishing Group [S.l.] ISBN 0275968901. 
  • Snell, Daniel C. (2008). A Companion to the Ancient Near East John Wiley & Sons [S.l.] ISBN 1405137398. 
  • Strommenger, Eva (1964). 5000 years of the art of Mesopotamia H. N. Abrams [S.l.] 
  • Suriano, Matthew J. (2010). The Politics of Dead Kings: Dynastic Ancestors in the Book of Kings and Ancient Israel Mohr Siebeck [S.l.] ISBN 3161504739. 
  • Teissier, Beatrice (1996). Egyptian Iconography on Syro-Palestinian Cylinder Seals of the Middle Bronze Age Saint-Paul [S.l.] ISBN 3525538928. 
  • Tetlow, Elisabeth Meier (2004). Women, Crime and Punishment in Ancient Law and Society: Volume 1: The Ancient Near East A&C Black [S.l.] ISBN 0826416284. 
  • Toorn, K. Van Der (1996). Family Religion in Babylonia, Ugarit and Israel: Continuity and Changes in the Forms of Religious Life (Leida: BRILL). ISBN 9004104100. 
  • Veenhof, K. R.; Eidem, Jesper (2008). Mesopotamia: The Old Assyrian Period Saint-Paul [S.l.] ISBN 3525534523. 
  • Viollet, Pierre-Louis (2007). Water Engineering in Ancient Civilizations: 5,000 Years of History CRC Press [S.l.] ISBN 978-9-078-04605-9. 
  • Walton, John H. (1994). Ancient Israelite Literature in Its Cultural Context: A Survey of Parallels Between Biblical and Ancient Near Eastern Literature Zondervan [S.l.] ISBN 0310365910. 
  • Wossink, Arne (2009). Challenging Climate Change: Competition and Cooperation Among Pastoralists and Agriculturalists in Northern Mesopotamia (c. 3000-1600 BC) Sidestone Press [S.l.] ISBN 9088900310. 
  • Young, Gordon Douglas (1992). Mari in retrospect: fifty years of Mari and Mari studies Eisenbrauns [S.l.] ISBN 0931464285. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mari (Síria)