Chipre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a província romana, veja Chipre (província romana).
Κυπριακή Δημοκρατία (grego)
Kypriakí Dimokratía
Kıbrıs Cumhuriyeti (turco)

República de Chipre
Bandeira de Chipre
Brasão de Armas de Chipre
Bandeira Brasão de Armas
Hino nacional: Ὕμνος εἰς τὴν Ἐλευθερίαν (Ymnos is tin Eleftherian)
("Hino à Liberdade")
Gentílico: Cipriota,
cíprio,[1] ciprense

Localização de Chipre

Localização de Chipre (em verde)
Na União Europeia (em verde claro)
No Continente europeu (em cinza)
Capital Nicósia
35°08'N 33°28'
Cidade mais populosa Nicósia
Língua oficial Grego, turco
Governo República presidencialista
 - Presidente Nicos Anastasiades
Independência do Reino Unido 
 - Tratado de Zurique e Londres 19 de fevereiro de 1959 
 - Declarada 16 de agosto de 1960 
Entrada na UE 1 de maio de 2004
Área  
 - Total 9 251 km² (167.º)
 - Água (%) desprezável
População  
 - Estimativa de 2013 1 141 166[2] hab. (158.º)
 - Densidade 123,4[3] hab./km² (82.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2014
 - Total US$ 27,516 bilhões*[4]  (125.º)
 - Per capita US$ 30 882[4]  (37.º)
PIB (nominal) Estimativa de 2014
 - Total US$ 23,263 bilhões*[4]  (105.º)
 - Per capita US$ 26 109[4]  (31.º)
IDH (2014) 0,850 (32.º) – muito elevado[5]
Gini (2011) 29,1[6]
Moeda Euro (€) (EUR)
Fuso horário (UTC+2)
 - Verão (DST) (UTC+3)
Cód. ISO CY
Cód. Internet .cy
Cód. telef. +357

Mapa de Chipre

Chipre[nota 1] (em grego: Κύπρος; transl.: Kýpros pronunciado: [ˈcipros]; em turco: Kıbrıs pronunciado: [ˈkɯbɾɯs]), oficialmente República de Chipre (em grego: Κυπριακή Δημοκρατία; transl.: Kypriakí Dimokratía; em turco: Kıbrıs Cumhuriyeti) é um país insular no leste Mar Mediterrâneo, ao largo das costas da Síria e Turquia.[8] O Chipre é a terceira maior e mais populosa ilha no Mediterrâneo e um Estado-membro da União Europeia desde 2004.Ele está localizado ao sul da Turquia, a oeste da Síria e do Líbano, a noroeste de Israel e da Palestina, ao norte do Egito e a leste da Grécia.

A mais antiga atividade humana conhecida na ilha data do 10º milênio a.C. Vestígios arqueológicos deste período incluem a aldeia neolítica bem preservada de Choirokoitia e o Chipre é o lar de alguns dos poços de água mais antigos do mundo.[9] O país foi colonizado por gregos micênicos em duas ondas no 2º milênio a. C. Como uma localização estratégica no Oriente Médio, a ilha foi posteriormente ocupada por várias grandes potências, como os impérios de assírios, egípcios e persas, de quem o território foi anexado em 333 a. C. por Alexandre, o Grande. O país depois foi dominado pelo Egito ptolemaico, pelo Império Romano e pelo Império Romano do Oriente, por califados árabes por um curto período, pela dinastia francesa Lusignan e pelos venezianos, seguido por mais de três séculos de domínio otomano, entre 1571 e 1878 (de jure até 1914).[10]

Chipre foi colocado sob administração britânica com base na Convenção de Chipre em 1878 e formalmente anexado pelo Império Britânico em 1914. Em 1960, Chipre, Grécia e o Reino Unido assinam um tratado que declara a independência da ilha, ficando os britânicos com a soberania das bases de Acrotíri e Deceleia. Makarios assume a presidência, mas a constituição indicava que os turco-cipriotas ficariam com a vice-presidência, com poder de veto, o que dificultou o funcionamiento do estado e as relações entre greco-cipriotas e turco-cipriotas, desembocando em explosões de violência intercomunitária em 1963 e 1967. A 15 de julho de 1974 um golpe pró-helênico depôs o governo legítimo, o que provocou a reação de Turquia, que, utilizando-se da suposta defesa dos interesses dos turco-cipriotas, invadiu e até hoje ocupa militarmente a parte norte da ilha - ocupação esta que já fora declarada ilegal pelo Conselho de Segurança da ONU, cujas resoluções ordenavam a retirada imediata das tropas turcas. Esta foi a origem da República Turca de Chipre do Norte, um estado de facto que só é reconhecido pela Turquia e pela Organização da Conferência Islâmica. Deste então, o Estado turco vem tentando modificar a etnia da ilha, trazendo centenas de milhares de turcos (os quais não têm origem cipriota) e habitam as casas dos greco-cipriotas refugiados de guerra que fugiram da morte sem nada levar.

A República de Chipre tem soberania de jure sobre a ilha de Chipre e suas águas circundantes de acordo com o direito internacional, exceto pelo território ultramarino britânico de Acrotíri e Deceleia, administrado como zonas de soberania do Reino Unido. No entanto, a República de Chipre é dividida de facto em duas partes principais; a área sob o controle efetivo da República, que compreende cerca de 59% da área da ilha, e o norte,[11] administrado pela autodeclarada República Turca do Norte de Chipre, que é reconhecida apenas pela Turquia e que cobre cerca de 36% área da ilha. A comunidade internacional considera a parte norte da ilha como um território da República de Chipre ocupado por forças turcas.[12] [13] A ocupação é vista como ilegal sob a lei internacional, principalmente depois que o Chipre tornou-se membro da União Europeia.[14] O país é um importante destino turístico no Mediterrâneo.[15] [16] [17] Com uma economia de alta renda e um alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) muito elevado,[18] [19] a República de Chipre é um membro da Commonwealth desde 1961 e foi membro fundador do Movimento de Países Não Alinhados, até que aderiu à UE em 1 de maio de 2004. Em 1 de Janeiro de 2008, a República de Chipre entrou para a Zona Euro.[20]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O registro mais antigo do termo Chipre é do século XV aC, do grego micênico 𐀓𐀠𐀪𐀍, ku-pi-ri-jo,[21] [44] que significa "cipriota". (Em grego: Κύπριος), escrito no roteiro silábico linear B.[22] A forma clássica grega do nome é Κύπρος (Kýpros).

A etimologia do nome do país ainda é desconhecida. Entre as possíveis explicações estão: a palavra grega para a árvore de cipreste Mediterrâneo (Cupressus sempervirens), κυπάρισσος (Kyparissos); o nome grego da planta henna (Lawsonia alba), κύπρος (Kypros); uma palavra da língua eteocipriota para o cobre. Georges Dossin, por exemplo, sugere que tem raízes na palavra suméria para o cobre (Zubar) ou para o bronze (Kubar), a partir dos grandes depósitos de minério de cobre encontrados na ilha. Por conta do comércio exterior, a ilha deu seu nome à palavra latina clássica para o cobre, através da frase aes Cyprium, ou "metal de Chipre", mais tarde encurtado para Cuprum.[23]

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História de Chipre

Pré-história e Antiguidade[editar | editar código-fonte]

A mais antiga atividade humana registrada no Chipre é Aetokremnos, situada na costa sul, indicando que os caçadores-coletores eram ativos na ilha há cerca de 10.000 aC,[24] com comunidades rurais assentadas que datam de 8200 aC. A chegada dos primeiros seres humanos correlaciona-se com a extinção dos hipopótamos anões e elefantes anões.[25] Os poços de água descobertos por arqueólogos ni Chipre estão entre os mais antigos do mundo, com cerca de 9000 a 10.500 anos de idade.[9]

Durante o final da Idade do Bronze na ilha experimentou duas ondas de colonização grega.[26] A primeira consistia de comerciantes gregos micênicos que começaram a visitar o Chipre por volta de 1400 aC.[27] [28] Acredita-se que uma grande onda de assentamento grego tenha ocorrido após o colapso da Idade do Bronze da Grécia micênica entre 1100 e 1050 aC.[28] [29] A ilha ocupa um papel importante na mitologia grega por ser o berço de Afrodite e Adonis, além da casa dos reis Cíniras, Teucro e Pigmaleão.[30] No século VIII a. C. colônias fenícias foram fundadas na costa sul do Chipre, perto das cidades atuais de Lárnaca e Salamis.[28]

O Chipre está em uma localização estratégica no Oriente Médio.[31] Foi governado pela Assíria em 708 aC, antes de um breve período sob domínio egípcio e de governo persa em 545 aC.[28] Os cipriotas, liderados por Onesilus, rei de Salamina, juntou seus aliados gregos nas cidades jônicas durante a mal sucedida Revolta Jônica em 499 aC, contra o Império Aquemênida. A revolta foi reprimida, mas o Chipre conseguiu manter um alto grau de autonomia e permaneceu orientado ao mundo grego.[28]

A ilha foi conquistada por Alexandre, o Grande, em 333 aC. Após a sua morte e a consequente divisão de seu império depois de guerras entre seus sucessores, o Chipre tornou-se parte do Império Helenístico do Egito ptolomaico. Foi durante este período que a ilha foi totalmente helenizada. Em 58 aC, o Chipre foi anexado pela República Romana.[28]

Idade Média[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Reino do Chipre
As muralhas venezianas de Nicósia foram construídas para defender a cidade de ataques do Império Otomano

Quando o Império Romano foi dividido em partes Oriental e Ocidental em 395, o Chipre tornou-se parte do Oriente Romano, ou Império Bizantino, e assim permaneceria até que as Cruzadas, cerca de 800 anos mais tarde. Sob o domínio bizantino, a orientação grega que tinha sido proeminente desde a antiguidade desenvolveu o forte caráter helenístico-cristão, que continua a ser uma característica da comunidade cipriota grega.[28]

A partir de 649, o Chipre passou a sofrer uma série de ataques devastadores lançados pelos exércitos muçulmanos do Levante, que continuou pelos próximos 300 anos. Muitos eram rápidos ataques de pirataria, mas outros foram ataques de larga escala em que muitos cipriotas foram mortos e grande parte da riqueza da ilha foi saqueada ou destruída. O domínio bizantino foi restaurado em 965, quando o imperador Nicéforo II Focas teve vitórias decisivas em terra e mar.[28]

Em 1191, durante a Terceira Cruzada, Ricardo I de Inglaterra conquistou a ilha a partir do domínio de Isaac Comneno do Chipre.[32] Ricardo usou a ilha como uma grande base de fornecimento que era relativamente segura contra os sarracenos. Um ano mais tarde, Ricardo vendeu a ilha aos Cavaleiros Templários, que, após uma sangrenta revolta, venderam-na para Guido de Lusignan. Seu irmão e sucessor, Amalrico II, foi reconhecido como rei do Chipre por Henrique VI da Germânia.[28]

Após a morte em 1473 de Jaime II, o último rei lusignano, a República de Veneza assumiu o controle da ilha, enquanto a viúva veneziana do falecido rei, a rainha Catarina Cornaro, governou a região. Veneza anexou formalmente o Reino de Chipre em 1489, após a abdicação de Catarina.[28] Os venezianos fortificaram Nicósia através da construção das muralhas e usaram a cidade como um importante centro comercial. Durante todo o domínio veneziano, o Império Otomano invadiu o Chipre com frequência. Em 1539, os otomanos destruíram Limassol e, temendo o pior, os venezianos também fortificaram Famagusta e Cirênia.[28]

Durante os quase quatro séculos de domínio latino, existiram duas sociedades no Chipre. A primeira consistia de nobres francos e sua comitiva, assim como mercadores italianos e suas famílias. A segunda, a maioria da população, consistia de cipriotas gregos, servos e trabalhadores. Apesar do esforço para suplantar as tradições e a cultura nativa, a tentativa não teve fracassou.[28]

Domínio otomano[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Chipre otomano
Mapa histórico do Chipre feito pelo otomano Piri Reis

Em 1570, um ataque Otomano em larga escala, com 60 mil soldados, tornou a ilha uma possessão otomana, apesar de forte resistência por parte dos habitantes de Nicósia e Famagusta. As forças otomanas captura Chipre massacraram muitos gregos e habitantes cristãos armênios.[33] A elite latina anterior foi destruída e a primeira mudança demográfica significativa desde a antiguidade ocorreu com a formação de uma comunidade muçulmana.[34]

Os otomanos aboliram o sistema feudal anteriormente em vigor e aplicaram o sistema de millets ao Chipre, em que povos não-muçulmanos eram governados pelas suas próprias autoridades religiosas.[35] O domínio otomano de Chipre era às vezes indiferente, às vezes opressivo, dependendo dos temperamentos dos sultões e das autoridades locais, e a ilha entrou em 250 anos de declínio econômico.[36]

Assim que a Guerra da Independência Grega eclodiu em 1821, vários cipriotas gregos foram para a Grécia para se juntar às forças gregas. Em resposta, o governador otomano do Chipre prendeu e executou 486 cipriotas gregos proeminentes, incluindo o Arcebispo do Chipre, Kyprianos e outros quatro bispos.[37] Em 1828, o primeiro presidente da Grécia moderna, Ioannis Kapodistrias, clamou pela união do Chipre com a Grécia, e várias pequenas revoltas ocorreu.[38] A reação ao desgoverno otomano levou a levantes de cipriotas gregos e turcos, embora nenhum tenha sido bem sucedido. Depois de séculos de negligência por parte dos turcos, a pobreza implacável da maioria do povo e os sempre presentes cobradores de impostos alimentaram o nacionalismo grego e no início do século XX o conceito de enosis, ou a união com a Grécia recém-independente, foi firmemente enraizado entre cipriotas gregos.[36]

Domínio britânico[editar | editar código-fonte]

Manifestações de cipriotas gregos pela enosis (união com a Grécia) em 1930
Ver artigo principal: Convenção de Chipre

Após a Guerra Russo-Turca (1877-1878) e o Congresso de Berlim, o Chipre foi arrendado ao Império Britânico, que assumiu a sua administração de facto em 1878 (embora, em termos de soberania, o Chipre continuou a ser um território otomano de jure até 5 de novembro de 1914, juntamente com o Egito e o Sudão)[10] em troca de garantias de que o Reino Unido iria usar a ilha como uma base para proteger o Império Otomano contra uma possível agressão russa.[28]

A ilha serviria como uma base militar chave para as rotas coloniais do Reino Unido. Por volta de 1906, quando o porto de Famagusta foi concluído, Chipre era um posto naval estratégico com acesso ao Canal de Suez, a principal via para a Índia, que era então a mais importante colônia da Grã-Bretanha. Após a eclosão da Primeira Guerra Mundial e a decisão do Império Otomano para se juntar à guerra ao lado das Potências Centrais, em 5 de Novembro 1914, o Império Britânico anexou formalmente o Chipre e declarou os territórios otomanos do Egito e do Sudão em protetorados.[10] [28]

Em 1930 começam as primeiras revoltas a favor da enosis (união de Chipre com a Grécia) e, nos fins da Segunda Guerra Mundial, os greco-cipriotas aumentam a pressão para o fim do domínio britânico. O arcebispo Macário lidera a campanha pela enosis e é deportado para as Seicheles em 1956 depois duma série de atentados na ilha.

Independência, guerra civil e invasão turca[editar | editar código-fonte]

Makarios III, o primeiro presidente do Chipre
Ministros das Relações Exteriores dos Estados-membros da União Europeia reunidos em Limassol em 2012

Apesar os cipriotas turcos representarem apenas 18% da população, a partição do Chipre e a criação de um Estado turco no norte tornou-se uma política de líderes cipriotas turcos e da Turquia na década de 1950. Os líderes turcos defendiam a anexação do Chipre à Turquia, visto que a ilha era considerada uma "extensão da Anatólia" por eles; enquanto que desde o século XIX,[39] [40] a maioria da população cipriota grega e sua igreja ortodoxa tentava estabelecer uma união com a Grécia, que se tornou uma política nacional grega na década de 1950.[41]

Após a violência nacionalista na década de 1950, a independência política foi concedida ao Chipre em 1960.[42] Em 1963, um conflito de 11 anos entre as comunidades de cipriotas gregos e de cipriotas turcos deslocou mais de 25 mil cipriotas turcos[43] [44] e trouxe o fim da representação cipriota turca nas instituições da república. Em 15 de julho de 1974, um golpe de Estado foi encenado por nacionalistas cipriotas gregos[45] [46] e membros da junta militar grega[47] em uma tentativa de enosis, a incorporação de Chipre à Grécia.

O golpe acabou por precipitar a invasão turca de Chipre,[48] o que levou à captura do território atual do Chipre do Norte no mês seguinte, depois de um cessar-fogo fracassar e de mais de 150 mil cipriotas gregos[49] [50] e 50 mil cipriotas turcos terem sido deslocados de suas casas.[51] Um Estado cipriota turco separada no norte foi criado em 1983. Estes eventos e a situação política resultante são questões de uma disputa ainda vigente.

A invasão turca, seguida da ocupação e da declaração de independência da República Turca do Norte do Chipre, foram condenadas por resoluções das Nações Unidas, que foram reafirmadas anualmente pelo Conselho de Segurança.[52] O último grande esforço para resolver a disputa de Chipre foi o Plano Annan, em 2004, elaborado pelo então secretário-geral da ONU, Kofi Annan. O plano foi submetido a um referendo, onde 65% dos cipriotas turcos votaram a favor do plano e 74% cipriotas gregos votaram contra o plano, alegando que o projeto favorecia desproporcionalmente o lado turco.[53] No total, 66,7% dos eleitores rejeitaram plano. Em 1 de maio 2004, o Chipre aderiu à União Europeia, juntamente com outros nove países.[54] O país foi aceito na UE como um todo, embora a legislação da comunidade europeia não seja válida para o território ocupado pela Turquia no norte, até que uma solução definitiva seja alcançada para o problema da divisão do Chipre. Em julho de 2006, a ilha serviu como um refúgio para pessoas que fugiam do Líbano, devido ao conflito entre Israel e o Hezbollah (também chamado de "Guerra de Julho").[55]

Têm sido feitos esforços para melhorar a liberdade de circulação entre os dois lados. Em abril de 2003, a República Turca do Chipre unilateralmente aliviou as restrições na fronteira, permitindo que os cipriotas atravessassem entre os dois lados pela primeira vez em 30 anos.[56] Em março de 2008, um muro que tinha estado por décadas na fronteira entre a República de Chipre e a zona tampão das Nações Unidas foi demolido.[57] A parede atravessava a rua Ledra, no coração de Nicósia e era visto como um forte símbolo da divisão de 32 anos da ilha. Em 3 de abril de 2008, a rua Ledra foi reaberta na presença de autoridades cipriotas turcas .[58] O Norte e o Sul relançaram as negociações de reunificação em 15 de maio de 2015.[59]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite do território cipriota

Chipre é uma das grandes ilhas do mar Mediterrâneo (juntamente com a Sicília, Sardenha, Córsega e Creta), a mais oriental de todas, localizada entre a costa sul da Anatólia e a costa mediterrânica do Médio Oriente. Geograficamente, pertence à Ásia, embora culturalmente e historicamente seja um misto de elementos europeus e asiáticos, com os europeus a predominar, dado o seu passado grego e os dois terços actuais de população de origem grega.

A ilha é montanhosa, com duas zonas acidentadas separadas por um vale amplo (a Mesaoria), onde se ergue a capital, Nicósia. A sudoeste erguem-se os montes Troodos, que albergam o ponto mais elevado da ilha, o monte Olimpo, com 1 953 metros de altitude. A norte erguem-se os montes Pentadactylos, uma cordilheira bastante estreita que começa na costa norte e que se prolonga para leste na longa península que confere à ilha a sua forma característica. Há também pequenas planícies costeiras no sul. Nicósia é a maior cidade e a capital quer do estado reconhecido internacionalmente, quer da República Turca de Chipre do Norte. Outras cidades importantes são Limassol na parte grega e Famagusta na parte ocupada.[60]

Clima[editar | editar código-fonte]

Praia em Pafos

O Chipre tem um clima subtropical mediterrâneo e semiárido (na parte norte-oriental da ilha), com invernos muito suaves (na costa) e verões quentes. A neve só é registrada nas Montanhas Troodos, na parte central da ilha. A chuva ocorre principalmente no inverno, sendo que o verão que é geralmente seco.[61] [62]

O país tem um dos climas mais quentes da parte mediterrânica da União Europeia. A temperatura média anual na costa é de cerca de 24°C durante o dia e 14°C à noite. Geralmente, os verões dura cerca de oito meses, com início em abril, com temperaturas médias de 21-23°C durante o dia e 11-13°C à noite, terminando em novembro com temperaturas médias de 22-23°C durante o dia e 12-14°C à noite, embora nos restantes quatro meses temperaturas, por vezes, superior a 20°C.[63]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Distribuição populacional de Chipre em 1960

Idiomas[editar | editar código-fonte]

Os cipriotas gregos e turcos compartilham muitos costumes, mas mantêm sua etnicidade baseada na religião, idioma e outros fortes laços com suas respectivas terras maternas. O grego é falado predominantemente no sul, enquanto o turco predomina no norte. Esta delimitação das linguagens só corresponde ao período presente, devido à divisão da ilha depois de 1974, a qual implicou uma expulsão dos cipriotas gregos do norte e um movimento análogo dos cipriotas turcos desde o sul. No entanto, historicamente, o grego (em seu dialecto cipriota) era falado por um 82% da população aproximadamente, a qual estava regularmente distribuída ao longo de toda o área de Chipre, tanto no norte como no sul. De maneira similar, os falantes turcos estavam distribuídos também de maneira regular.[64]

Composição étnica[editar | editar código-fonte]

De acordo com o CIA World Factbook, em 2001 os cipriotas gregos compunham 77% da população, enquanto os cipriotas turcos representavam 18% e outros os restantes 5% da população cipriota.[65] Na época do censo de 2011, havia 10.520 russos no Chipre.[66] [67] [68] [69]

De acordo com o primeiro recenseamento da população após a declaração de independência, realizado em dezembro de 1960 e que cobriu toda a ilha, o Chipre tinha uma população total de 573.566; dos quais 442.138 (77,1%) eram gregos, 104.320 (18,2%) turcos e 27,108 (4,7%) outros.[70] [71]

Devido às tensões étnicas entre 1963 e 1974, um censo em toda a ilha era considerado impossível. No entanto, os cipriotas gregos realizaram um em 1973, sem a população cipriota turca.[72] De acordo com este censo, a população cipriota grega era de 482.000 pessoas. Um ano mais tarde, em 1974, do Departamento de Estatística e Investigação do governo cipriota estimou a população total de Chipre em 641.000 habitantes, dos quais 506.000 (78,9%) eram gregos e 118.000 (18,4%) turcos.[73] Após a divisão da ilha em 1974, os gregos realizaram outros quatro censos: em 1976, 1982, 1992 e 2001; estes excluíram a população turca que era residente na parte norte da ilha.[71]

Religião[editar | editar código-fonte]

A maioria da população de Chipre é cristã, sendo esta religião seguida por 72% dos cipriotas. Quase todos os cipriotas gregos são membros da Igreja Ortodoxa Grega e Igreja Ortodoxa de Chipre.[74]

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Governo e política[editar | editar código-fonte]

Palácio presidencial em Nicósia

Chipre é uma república, com um sistema presidencialista de governo. O presidente é o chefe de estado e de governo, nomeando e liderando o Conselho de Ministros, que exerce o poder executivo. O presidente é eleito por 5 anos, por sufrágio directo e universal. O poder legislativo é exercido pela Câmara dos Representantes. Os deputados são eleitos democraticamente por um sistema uninominal, de 5 em 5 anos. Os deputados são só cipriotas gregos. Os representantes da denominada República Turca do Norte de Chipre não são reconhecidos internacionalmente.

Símbolos nacionais[editar | editar código-fonte]

A atual bandeira nacional de Chipre foi adotada a 16 de agosto de 1960. Mostra um mapa de toda a ilha por cima de dois ramos de oliveira.

O brasão de armas de Chipre representa uma pomba que transporta um ramo de oliveira (um conhecido símbolo da paz) sobre 1960, o ano da independência dos cipriotas em relação á Grã-Bretanha. O fundo é um cobre-cor amarela; o presente simboliza os grandes depósitos de minério de cobre em Chipre (principalmente sob a forma de chalcopyrite, que é de cor amarela).

Tanto o hino nacional de Chipre como o da Grécia foram extraídos de um longo poema de 158 estrofes, todavia somente as duas primeiras são parte oficial da composição musical. O texto foi escrito por Dyonísios Solomós e musicado por Nikolaos Mantzaros, tendo sido oficialmente adotado em 1864. Trata-se de uma ode à liberdade alcançada em 1821, após séculos de domínio otomano.

Relações internacionais[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Relações exteriores do Chipre

O Chipre é um membro das Nações Unidas,[75] assim como a maioria de suas agências, bem como da Commonwealth, Banco Mundial, Fundo Monetário Internacional e Conselho da Europa. Além disso, o país assinou o Acordo Geral de Tarifas e Comércio (GATT). O país é membro da União Europeia desde 2004 e na segunda metade do 2012 ocupou a presidência do Conselho da União Europeia.[76]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Subdivisões de Chipre

Chipre divide-se em 6 distritos (em grego, επαρχίεςeparkhíes). As capitais possuem os mesmos nomes. Os distritos são:

Grego Turco
Famagusta Αμμόχωστος (Ammókhostos) Gazimağusa
Cirênia Κερύvεια (Kerýneia) Girne
Lárnaca Λάρνακα (Lárnaka) Larnaka
Limassol Λεμεσός (Lemesós) Limasol/Leymosun
Nicósia Λευκωσία (Lefkosía) Lefkoşa
Pafos Πάφος (Páfos) Baf

Enclaves e exclaves[editar | editar código-fonte]

Divisões internas do Chipre

O Chipre tem quatro exclaves, todos em território que pertence à zona de soberania britânica de Deceleia. Os dois primeiros são as aldeias de Ormidhia e Xylotymbou. O terceiro é o Estação de Energia de Deceleia, que é dividida por uma estrada britânica em duas partes. A parte norte é o assentamento de refugiados EAC. A parte sul, embora localizado junto ao mar, também é um exclave porque não tem águas territoriais próprias, sendo águas britânicas.[77]

A zona tampão da ONU esbarra em Deceleia e segue a partir de seu lado leste e está ligada ao resto da Dhekelia por um fino corredor de terra. Nesse sentido, a zona tampão transforma a área de Paralimni, na parte sudeste da ilha, em um exclave de facto, embora não de jure.

Economia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Economia de Chipre
Centro de Nicósia

No início do século XXI a economia cipriota tornou-se mais diversificada e próspera.[78] No entanto, em 2012 começou a ser afetada pela crise da dívida pública da Zona Euro. Em junho de 2012, o governo cipriota anunciou que iria precisar de 1,8 bilhão de euros em ajuda externa para apoiar o Banco Central do Chipre, o que foi seguido por um rebaixamento pela Fitch.[79] A Fitch disse Chipre seria necessário um adicional de 4 bilhões de euros para apoiar os seus bancos e o rebaixamento foi devido, principalmente, à exposição do Banco Central, do Banco Popular e do Banco Helênico, os três maiores bancos do país, à crise financeira da Grécia.[79]

A crise financeira cipriota de 2012-2013 levou a um acordo com o Eurogrupo em março 2013 para dividir o segundo maior banco do país, o Banco Popular do Chipre (também conhecido como Laiki Bank), em um banco que seria absorvido pelo Banco de Chipre. Em troca de um resgate de 10 bilhões de euros da Comissão Europeia, do Banco Central Europeu e do Fundo Monetário Internacional (FMI), muitas vezes referidos em conjunto como a "troika", o governo cipriota foi obrigado a impor um corte significativo sobre depósitos não segurados, uma grande proporção de que eram detidos por russos ricos que usavam Chipre como um paraíso fiscal. Os depósitos segurados de 100 mil euros ou menos não foram afetados.[80] [81] [82]

De acordo com o FMI estima, o seu PIB per capita (ajustado ao poder de compra) em 30.769 de dólares, um pouco acima da média da União Europeia.[83] O Chipre tem sido procurado como uma base por várias empresas offshore por suas baixas taxas de imposto. O turismo, os serviços financeiros e os transportes são partes importantes da economia. A política econômica do governo cipriota tem-se centrado no atendimento aos critérios de admissão à União Europeia. O governo local adotou o euro como moeda nacional em 1 de janeiro de 2008..[78]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Praia de Ayia Napa

O turismo no Chipre ocupa uma posição dominante na economia local.[84] A indústria do turismo tem um impacto econômico e cultural significativo no Chipre. Em 2006, o setor contribuiu com 10,7% do PIB cipriota, que em termos reais renderam 5,4 milhões de dólares ao país no mesmo ano. Em 2006, foi estimado que o turismo gerou cerca de 113 mil postos de trabalho, no entanto, devido à recente crise financeira cipriota o número de empregos no setor teve uma diminuição.

Com mais de 2 milhões de turistas por ano, é o 40º destino mais popular no mundo. No entanto, quando ajustado à população, o país sobe para a sexta posição.[85] O Chipre tornou-se um membro pleno da Organização Mundial de Turismo quando a instituição foi criada em 1975.[86]

De acordo com o Índice de Competitividade em Viagens e Turismo de 2013 do Fórum Econômico Mundial, a indústria do turismo cipriota ocupa o 29º lugar no mundo em termos de competitividade global. Em termos de infraestrutura turística, o turismo local ocupa o primeiro lugar no mundo.[87]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Porto de Limassol

Os meios de transporte disponíveis são por estrada, mar e ar. Dos 10 663 quilômetros de estradas na República de Chipre em 1998, 6 249 km eram pavimentados e 4 414 km não eram asfaltadas. Em 1996, a área sob ocupação turca tinha uma taxa semelhante de pavimentação, com cerca de 1 370 km de estrada asfaltadas e 980 km de terra. O Chipre é um dos únicos quatro países da União Europeia em que veículos dirigem no lado esquerdo da estrada, um resquício da colonização britânica (os outros são Irlanda, Malta e Reino Unido). Uma série de autoestradas atravessam ao longo da costa de Paphos a leste de Ayia Napa, com duas autoestradas que funcionam no interior para Nicósia, uma de Limassol e uma de Lárnaca.

O índice per capita de automóveis particulares é o 29º maior do mundo.[88] Havia aproximadamente 344 mil veículos de propriedade privada e um total de 517 mil veículos automóveis registados na República de Chipre em 2006.[89] Em 2006, foram anunciados planos para melhorar e ampliar os serviços de ônibus e outros transportes públicos em todo o país, com o apoio financeiro do Banco de Desenvolvimento da União Europeia. Em 2010 foi implementada uma nova rede de ônibus.[90]

O Chipre tem vários heliportos e dois aeroportos internacionais: Aeroporto Internacional de Lárnaca e o Aeroporto Internacional de Pafos. Um terceiro aeroporto, o Aeroporto Internacional de Ercan, atua na área cipriota administrada pelos turcos com voos diretos apenas para a Turquia (os portos cipriotas turcos estão fechadas ao tráfego internacional para além da Turquia). O Aeroporto Internacional de Nicósia foi fechado desde 1974.

Os principais portos da ilha são Limassol e Larnaca, que recebem cargas, passageiros e navios de cruzeiro.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Carnaval de Limassol em 2014

Apesar do fato de que a história de Chipre é uma história de ocupações e invasões, a cultura contemporânea é de caráter grego puro, um personagem que nunca mudou durante os últimos 3 500 anos.

Na verdade Chipre possui uma grande movimentação de turistas durante o período de verão, quando o calor e sol são fortíssimos. A noite também é bastante agitada com vários bares, com ares típicos de pubs.

Suas praias são lindíssimas, como é comum às ilhas gregas. Existem muitos passeios de barco pelo Mediterrâneo. Aliás, como país mediterrâneo que é, não poderia deixar de ter um bom vinho, sem esquecer os maravilhosos azeites.

A culinária é bastante saudável, sendo constituída basicamente de saladas, acompanhadas de grelhados variados de frango, carneiro ou porco temperados com diferentes e exóticas ervas.

Ao passear pelos antigos vilarejos encrustados no centro da Ilha e que parecem parados no tempo, é comum encontrar rodas de homens (nunca mulheres) em "botecos", engatando conversas ao velho estilo grego de ser. Sem esquecer as igrejas brancas, de origem ortodoxa, incrustadas nas pedras, às margens do Mediterrâneo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Existe também a forma menos usada, mas etimologicamente mais correta (de acordo com Ivo Xavier Fernandes, em Topónimos e Gentílicos) Cipro.[7]

Referências

  1. Portal da Língua Portuguesa - Dicionário de Gentílicos e Topónimos
  2. «World Population Prospects: The 2012 Revision, Highlights and Advance Tables (ESA/P/WP.220)» (em inglês). World Population Prospects. Consultado em 25 de maio de 2016. 
  3. United Nations, Department of Economic and Social Affairs, Population Division (2013). «World Population Prospects: The 2012 Revision, DB02: Stock Indicators» (New York [s.n.]). 
  4. a b c d «Report for Selected Countries and Subjects». World Economic Outlook Database, October 2015. Washington, D.C.: Fundo Monetário Internacional. 6 de outubro de 2015. Consultado em 12 de outubro de 2015. 
  5. «Human Development Report 2015» (PDF) (em inglês). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 14 de dezembro de 2015. Consultado em 24 de dezembro de 2015. 
  6. «Gini coefficient of equivalised disposable income (source: SILC)». Eurostat Data Explorer. Consultado em 13 de agosto de 2013. 
  7. Fernandes, Ivo Xavier (1941). Topónimos e Gentílicos I (Porto: Editora Educação Nacional, Lda.). 
  8. «The World Factbook». 
  9. a b «Stone Age wells found in Cyprus» BBC News [S.l.] 25 de junho de 2009. Consultado em 31 de julho de 2009. 
  10. a b c «Treaty of Lausanne». 
  11. «According to the United Nations Security Council Resolutions 550 and 541». United Nations. Consultado em 27 de março de 2009. 
  12. European Consortium for Church-State Research. Conference (2007). Churches and Other Religious Organisations as Legal Persons: Proceedings of the 17th Meeting of the European Consortium for Church and State Research, Höör (Sweden), 17-20 November 2005 Peeters Publishers [S.l.] p. 50. ISBN 978-90-429-1858-0. «There is little data concerning recognition of the 'legal status' of religions in the occupied territories, since any acts of the 'Turkish Republic of Northern Cyprus' are not recognized by either the Republic of Cyprus or the international community.» 
  13. Quigley. The Statehood of Palestine Cambridge University Press [S.l.] p. 164. ISBN 978-1-139-49124-2. «The international community found this declaration invalid, on the ground that Turkey had occupied territory belonging to Cyprus and that the putative state was therefore an infringement on Cypriot sovereignty.» 
  14. James Ker-Lindsay; Hubert Faustmann; Fiona Mullen (15 May 2011). An Island in Europe: The EU and the Transformation of Cyprus I.B.Tauris [S.l.] p. 15. ISBN 978-1-84885-678-3. «Classified as illegal under international law, the occupation of the northern part leads automatically to an illegal occupation of EU territory since Cyprus' accession.» 
  15. Lesley Pender; Richard Sharpley (2005). The Management of Tourism SAGE [S.l.] p. 273. ISBN 978-0-7619-4022-7. 
  16. Richard Sharpley (16 May 2012). Tourism Development and the Environment: Beyond Sustainability? Routledge [S.l.] p. 296. ISBN 978-1-136-57330-9. 
  17. Sharpley, Richard; Telfer, David John (2002). Tourism and Development: Concepts and Issues Channel View Publications [S.l.] p. 334. ISBN 978-1-873150-34-4. 
  18. «Country and Lending Groups». World Bank. Consultado em 11 de maio de 2010. 
  19. «Human Development Index (HDI)–2011 Rankings». United Nations Development Programme. Consultado em 4 de novembro de 2011. 
  20. «The Non-Aligned Movement: Background Information». Movimento Não Alinhado. 21 September 2001. Consultado em 19 de janeiro de 2010. 
  21. Strange, John (1980). Caphtor : Keftiu : a new investigation (Leiden: Brill). p. 167. ISBN 978-90-04-06256-6. 
  22. Palaeolexicon, Word study tool of ancient languages
  23. Fisher, Fred H. Cyprus: Our New Colony And What We Know About It. London: George Routledge and Sons 1878, pp. 13–14.
  24. Mithen, S. After the Ice: A Global Human History, 20000 BC–5000 BC. Boston: Harvard University Press 2005, p.97. [1]
  25. Stuart Swiny, : (2001). The Earliest Prehistory of Cyprus: From Colonization to Exploitation (PDF) (Boston, MA: American Schools of Oriental Research). 
  26. Thomas, Carol G. and Conant, Craig: The Trojan War, pages 121–122. Greenwood Publishing Group, 2005. ISBN 0-313-32526-X, 9780313325267.
  27. A.D. Lacy. Greek Pottery in the Bronze Age Taylor & Francis [S.l.] p. 168. 
  28. a b c d e f g h i j k l m n «Library of Congress Country Studies. Cyprus». Lcweb2.loc.gov. Consultado em 1 de novembro de 2009. 
  29. Thomas, Carol G. The Trojan War. Santa Barbara, CA, USA: Greenwood Publishing Group 2005. p. 64. [2]
  30. Encyclopedia of Freemasonry Part 1 and Its Kindred Sciences Comprising the Whole Range of Arts ... – Page 25
  31. Getzel M Cohen (1995). The Hellenistic Settlements in Europe, the Islands and Asia Minor University of California Press [S.l.] p. 35. ISBN 978-0-520-91408-7. 
  32. Riddle, J.M. A History of the Middle Ages. Lanham, MD, USA: Rowman & Littlefield 2008. p. 326. [3]
  33. «Eric Solsten, ed. Cyprus: A Country Study. Washington: GPO for the Library of Congress, 1991». Countrystudies.us. Consultado em 16 de abril de 2013. 
  34. Mallinson, William (30 June 2005). Cyprus: A Modern History I. B. Tauris [S.l.] p. 1. ISBN 978-1-85043-580-8. 
  35. Mallinson, William. «Cyprus a Historical Overview (Chipre Una Visión Historica)» (PDF). Ministry of Foreign Affairs of the Republic of Cyprus website (em espanhol). Consultado em 22 de setembro de 2012. 
  36. a b Cyprus – OTTOMAN RULE, U.S. Library of Congress
  37. Mirbagheri, Farid (2010). Historical dictionary of Cyprus [Online-Ausg.]. ed. (Lanham, Md. [u.a.]: Scarecrow Press). pp. xxvii, 124. ISBN 9780810862982. 
  38. William Mallinson, Bill Mallinson (2005). Cyprus: a modern history I.B.Tauris [S.l.] p. 10. ISBN 978-1-85043-580-8. 
  39. Faustmann, Hubert; Ker-Lindsay, James (2008). The Government and Politics of Cyprus Peter Lang [S.l.] p. 48. ISBN 9783039110964. 
  40. Mirbagheri, Farid (2009). Historical Dictionary of Cyprus Scarecrow Press [S.l.] p. 25. 
  41. Trimikliniotis, Nicos (2012). Beyond a Divided Cyprus: A State and Society in Transformation Palgrave Macmillan [S.l.] p. 104. ISBN 9781137100801. 
  42. Cyprus date of independence (click on Historical review)
  43. Hoffmeister, Frank (2006). Legal aspects of the Cyprus problem: Annan Plan and EU accession EMartinus Nijhoff Publishers [S.l.] pp. 17–20. ISBN 978-90-04-15223-6. 
  44. «U.S. Library of Congress – Country Studies – Cyprus – Intercommunal Violence». Countrystudies.us. 21 December 1963. Consultado em 25 de outubro de 2009. 
  45. Mallinson, William (2005). Cyprus: A Modern History I. B. Tauris [S.l.] p. 81. ISBN 978-1-85043-580-8. 
  46. «website» BBC News [S.l.] 4 de outubro de 2002. Consultado em 25 de outubro de 2009. 
  47. Constantine Panos Danopoulos; Dhirendra K. Vajpeyi; Amir Bar-Or (2004). Civil-military Relations, Nation Building, and National Identity: Comparative Perspectives Greenwood Publishing Group [S.l.] p. 260. ISBN 978-0-275-97923-2. 
  48. Eyal Benvenisti (23 February 2012). The International Law of Occupation Oxford University Press [S.l.] p. 191. ISBN 978-0-19-958889-3. 
  49. Barbara Rose Johnston, Susan Slyomovics. Waging War, Making Peace: Reparations and Human Rights (2009), American Anthropological Association Reparations Task Force, p. 211
  50. Morelli, Vincent. Cyprus: Reunification Proving Elusive (2011), DIANE Publishing, p. 10
  51. Borowiec, Andrew. Cyprus: A Troubled Island (2000), Greenwood Publishing Group, p. 125
  52. «Full list UN Resolutions on Cyprus». Un.int. Consultado em 29 de janeiro de 2012. 
  53. Palley, Claire (18 May 2005). An International Relations Debacle: The UN Secretary-general's Mission of Good Offices in Cyprus 1999–2004 Hart Publishing [S.l.] p. 224. ISBN 1-84113-578-X. 
  54. Stephanos Constantinides & Joseph Joseph, 'Cyprus and the European Union: Beyond Accession', Études helléniques/Hellenic Studies 11 (2), Autumn 2003
  55. Xinhua (21 de julho de 2006). «About 11,500 people flee Lebanon to Cyprus». People's Daily Online [S.l.: s.n.] 
  56. «Emotion as Cyprus border opens». BBC News [S.l.: s.n.] 23 April 2003. Arquivado desde o original em 4 de março de 2016. Consultado em 3 May 2016. 
  57. «Greek Cypriots dismantle barrier» BBC News [S.l.] 9 de março de 2007. Consultado em 7 de março de 2008. 
  58. Ledra Street crossing opens in Cyprus. Artigo da Associated Press publicado no website do International Herald Tribune em 3 de abril de 2008
  59. Hadjicostis, Menelaos (11 May 2015). «UN envoy says Cyprus reunification talks to resume May 15» [S.l.: s.n.] Associated Press. Consultado em 24 de maio de 2015. 
  60. Erdik, Mustafa (2013). Strong Ground Motion Seismology [S.l.: s.n.] p. 469. 
  61. Peel, M. C. and Finlayson, B. L. and McMahon, T. A. (2007). «Updated world map of the Köppen – Geiger climate classification». Hydrol. Earth Syst. Sci. [S.l.: s.n.] 11: 1633–1644. doi:10.5194/hess-11-1633-2007. ISSN 1027-5606.  (direct: Final Revised Paper)
  62. CIA Factbook – Geographic location
  63. «Meteorological Service – Climatological and Meteorological Reports». 
  64. http://www.thearda.com/internationalData/countries/country_64_1.asp
  65. «The World Factbook – Ethnic Groups». Central Intelligence Agency. Consultado em 22 de junho de 2013. 
  66. Boyle, Kevin; Sheen, Juliet (1997). Freedom of Religion and Belief: A World Report Routledge [S.l.] p. 288. ISBN 0-415-15978-4. 
  67. Salih, Halil Ibrahim (2004). Cyprus: Ethnic Political Counterpoints University Press of America [S.l.] p. 121. ISBN 0-415-15978-4. 
  68. Karoulla-Vrikki, Dimitra (2009). «Greek in Cyprus: Identity Oscillations and Language Planning». In: Georgakopoulou, Alexandra; Silk, M.S. (eds). Standard languages and language standards: Greek, past and present Ashgate Publishing [S.l.] p. 188. ISBN 0-7546-6437-6. 
  69. Hadjipavlou, Maria (2002). «Cyprus: A Partnership Between Conflict Resolution and Peace Education». In: Salomon, Gavriel; Nevo, Baruch (eds). Peace Education: The Concept, Principles, and Practices Around the World Routledge [S.l.] p. 195. ISBN 0-8058-4193-8. 
  70. Eric Solsten, ed. Cyprus: A Country Study, Library of Congress, Washington, DC, 1991.
  71. a b Hatay, Mete "Is the Turkish Cypriot Population Shrinking?", International Peace Research Institute, 2007. Pages 22–23.
  72. St John-Jones, L.W. (1983). The Population of Cyprus: Demographic Trends and Socio-Economic Influences (London: Maurice Temple Smith Ltd). p. 17. ISBN 0-85117-232-6. 
  73. Cyprus Ministry of Interior (1992). «The Demographic Structure of Cyprus» (PDF). Parliamentary Assembly. p. 6. 
  74. «People and Society: Cyprusistória de Manaus - O início da ocupação». CIA - The Word Factbook. Consultado em 13 de junho de 2012. 
  75. «UN Security Council Resolution 155 (1960)» (PDF). United Nations. 23 de agosto de 1960. Consultado em 29 de janeiro de 2007. 
  76. «Cyprus Presidency of the Council of the European Union 2012 - Cyprus Presidency of the Council of the EU (European Union)». Consultado em 19 de fevereiro de 2015. 
  77. «Dhekelia». Geosite.jankrogh.com. 30 de janeiro de 2012. Consultado em 28 de junho de 2013. 
  78. a b «Cyprus Economy». Republic of Cyprus. cyprus.gov.cy. Arquivado desde o original em 23 de junho de 2012. Consultado em 4 de maio de 2007. 
  79. a b «Cyprus's credit rating cut to junk status by Fitch». BBC News Online. 25 June 2012. Consultado em 25 de junho de 2012. 
  80. «Eurogroup Statement on Cyprus». Eurogroup. 25 de março de 2013. Consultado em 30 de março de 2013. 
  81. Jan Strupczewski; Annika Breidthardt (25 de março de 2013). «Last-minute Cyprus deal to close bank, force losses» Reuters [S.l.] Consultado em 25 March 2013. 
  82. «Eurogroup signs off on bailout agreement reached by Cyprus and troika». Ekathimerini (Greece [s.n.]). 25 de março de 2013. Consultado em 25 de março de 2013. 
  83. World Economic Outlook Database, April 2015, International Monetary Fund. Database updated on 14 April 2015. Accessed on 14 April 2015.
  84. «Cyprus Travel & Tourism - Climbing to new heights.» (PDF). Accenture. World Travel and Tourism Council. 2006. Arquivado desde o original (PDF) em 12 de fevereiro de 2012. Consultado em 2007-03-02. 
  85. «Economy Statistics - Tourist arrivals (per capita) (most recent) by country». Nationmaster. Consultado em 29 de janeiro de 2010. 
  86. «UNWTO member states». Organização Mundial de Turismo. Consultado em 2 de março de 2007. 
  87. «Travel and Tourism Competitiveness Index». Fórum Econômico Mundial [S.l.: s.n.] 2011. Consultado em 11 de junho de 2011. 
  88. «World Bank Data: Motor vehicles (per 1,000 people)». Banco Mundial. Consultado em 27 de agosto de 2011. 
  89. «''Public Works Department official statistics''». Mcw.gov.cy. 24 de março de 2006. Arquivado desde o original em 26 de março de 2012. Consultado em 25 de outubro de 2009. 
  90. «Cyprus By Bus». Cyprus By Bus. Consultado em 16 de fevereiro de 2011. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Chipre


Bandeira de Chipre Chipre
Bandeira • Brasão • Hino • Cultura • Economia • Geografia • História • Portal • Subdivisões • Imagens