Roménia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Romênia)
Ir para: navegação, pesquisa
România
Romênia / Roménia
Bandeira da Roménia
Brasão de armas da Roménia
Bandeira Brasão de armas
Lema: Nihil Sine Deo
Em latim: Nada Sem Deus
Hino nacional: Deșteaptă-te, Române!
Gentílico: Romeno(a)

Localização da Roménia

Localização da Roménia (em vermelho)
No continente europeu (em cinza)
Na União Europeia (em branco)
Capital Bucareste
44° 25' N 26° 6' E
Cidade mais populosa Bucareste
Língua oficial Romeno
Governo República semipresidencialista
 - Presidente Klaus Iohannis
 - Primeiro-ministro Dacian Cioloş
Formação  
 - Valáquia 1290 
 - Moldávia 1346 
 - Primeira unificação 1599 
 - Reunificação da Moldávia com a Valáquia 24 de janeiro de 1859 
 - Independência oficialmente reconhecida 13 de julho de 1878 
 - Unificação com a Transilvânia 1 de dezembro de 1918 
Entrada na UE 1 de janeiro de 2007
Área  
 - Total 238.391 km² (82.º)
 - Água (%) 3
 Fronteira Hungria, Ucrânia, Moldávia, Bulgária e Sérvia
População  
 - Estimativa para 2014 19 942 642 hab. (50.º)
 - Censo 2011 20 121 641[1] hab. 
 - Densidade 93 hab./km² (104.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2014
 - Total US$ 386,511 bilhões*[2] 
 - Per capita US$ 19 397[2] 
PIB (nominal) Estimativa de 2014
 - Total US$ 202,467 bilhões*[2] 
 - Per capita US$ 10 160[2] 
IDH (2014) 0,793 (52.º) – elevado[3]
Gini (2013) 34[4]
Moeda Leu romeno (RON)
Fuso horário EET (UTC+2)
 - Verão (DST) EEST (UTC+3)
Cód. ISO ROU
Cód. Internet .ro
Cód. telef. +40
Website governamental gov.ro

Mapa da Roménia

Roménia (português europeu) ou Romênia (português brasileiro) (em romeno: România, pronunciado: [romɨˈni.a] ( ouvir)) é uma república unitária semipresidencialista localizada no centro-sudeste da Europa, no norte da península dos Balcãs e na costa ocidental do mar Negro. O país faz fronteira com Hungria, Sérvia, Ucrânia, Moldávia e Bulgária, abrangendo um território de 238 391 quilômetros quadrados com um clima predominantemente temperado-continental.

Com 20,1 milhões de habitantes, é o sétimo membro mais populoso da União Europeia (UE). Sua capital e maior cidade, Bucareste, é a sexta maior cidade da UE. Cerca de 90% da população identifica-se como praticantes da Ortodoxia Oriental e são falantes nativos do romeno, uma língua românica. Com uma rica história cultural, a Roménia tem sido o lar de artistas, músicos e inventores influentes e apresenta uma variedade de atrações turísticas, como o "Castelo do Drácula".

A Roménia surge no interior dos territórios da antiga Dácia, uma província do Império Romano, assim como dos principados da Moldávia e Valáquia, formados em uma união pessoal em 1859. A nação conquistou a independência do Império Otomano em 1877 e, no final da Primeira Guerra Mundial, Transilvânia, Bucovina e Bessarábia uniram-se como o soberano Reino da Roménia. No final da Segunda Guerra Mundial, os territórios que hoje correspondem aproximadamente à Moldávia foram ocupados pela União Soviética e o país tornou-se uma república socialista e membro do Pacto de Varsóvia. Após a Revolução Romena de 1989, a nação começou uma transição para a democracia e a economia de mercado capitalista.

Desde então, os padrões de vida da população têm tido uma grande melhoria, e, atualmente, a Roménia é um país de renda média-alta com um alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). É membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) desde 2004 e faz parte da União Europeia desde 2007. Após um rápido crescimento econômico na década de 2000, o país tem uma economia predominantemente baseada em serviços e é um produtor e exportador de máquinas e de energia elétrica, com empresas como a Automobile Dacia.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome Romênia deriva do termo latino romanus, que significa "cidadão de Roma".[5] O primeiro uso conhecido desta denominação foi atestado no século XVI por humanistas italianos que viajam por Transilvânia, Moldávia e Valáquia.[6][7][8][9] O documento sobrevivente mais antigo escrito em romeno é uma carta de 1521 conhecida como a "Carta de Neacşu de Câmpulung", que também é notável por incluir a primeira ocorrência documentada do nome do país: a Valáquia é mencionada como Țeara Rumânească (ortografia antiga para "terra do romenos"; teara do latim terra; ortografia atual: Țara Românească).[10]

Duas formas de ortografias - român e rumân - eram usadas ​​indistintamente até desenvolvimentos sociolinguísticos no final do século XVII levarem a uma diferenciação semântica das duas formas: rumân passou a significar "fiador", enquanto român manteve o significado etnolinguístico original.[11] Depois da abolição da servidão em 1746, a palavra rumân gradualmente caiu em desuso e a ortografia estabilizou-se na forma român. Tudor Vladimirescu, um líder revolucionário do início do século XIX, usou o termo Rumânia para se referir exclusivamente ao principado da Valáquia.[12] O uso do nome da Romênia para se referir à pátria comum de todos os romenos foi documentado pela primeira vez no início do século XIX. O nome foi adotado oficialmente em 11 de dezembro de 1861.[13]

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História da Romênia

Antiguidade[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Dácia e Dácia (província romana)
Ruínas de Sarmizegetusa, a capital da antiga Dácia

Os restos humanos encontrados em Peştera cu Oase ("A Caverna com Ossos"), datados como sendo de cerca de 40 mil anos atrás, representam os mais antigos registros conhecidos do Homo sapiens na Europa.[14][15] No período Neolítico, a região de Cucuteni, no nordeste do país, era o lar da mais antiga civilização europeia, conhecida como a Cultura de Cucuteni.[16] Também o mais antigo conhecido trabalho com sal no mundo está em Poiana Slatinei, perto da aldeia de Lunca; foi usado pela primeira vez no início do Neolítico, por volta de 6 050 a.C., pela Cultura Starčevo-Criş e mais tarde pela Cultura de Cucuteni.[17]

Antes da conquista romana da Dácia, os territórios entre os rios Danúbio e Dniester eram habitados por vários povos trácios, como os dácios e os getas.[18] Heródoto, em sua obra Histórias, observa a diferença religiosa entre os getas e os outros trácios,[19] no entanto, de acordo com Estrabão, dácios e getas falavam a mesma língua.[18] Dião Cássio chama a atenção para as semelhanças culturais entre os dois povos.[18] Ainda há uma disputa acadêmica sobre se os dácios e os getas eram o mesmo povo.[20][21]

Incursões romanas durante o regime do imperador Trajano (r. 98–117), entre 101-102 e 105-106, tornaram metade do reino da Dácia uma província do Império Romano chamada Dácia Feliz. O domínio romano durou 165 anos. Durante este período, a província foi totalmente integrada ao restante do império e uma parte considerável da população era recém-chegada de outras províncias.[22] Os colonos romanos introduziram a língua latina na região. De acordo com os seguidores da teoria da continuidade, a romanização intensa da região teve como consequência o surgimento da língua protorromena.[23][24] A província era rica em depósitos de minério (principalmente ouro e prata em lugares como Alburnus Maior). As tropas romanas saíram da Dácia por volta do ano 271.[25][26] O território foi posteriormente invadido por vários povos migrantes.[27][28][29][30] Burebista (r. 82–44 a.C.), Decébalo (r. 87–106) e Trajano são considerados antepassados ​​dos romenos na historiografia do país.[31][32][33]

Idade média[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Romênia na Idade Média
Os três principados romenos da Valáquia, Moldávia e Transilvânia durante o regime de Miguel, o Valente

Na Idade Média, os romenos viviam em três principados: Valáquia (em romeno: Țara Românească - "Terra Romena"), Moldávia (em romeno: Moldova) e Transilvânia.[34] A existência de voivodatos romenos independentes na Transilvânia no século IX é mencionada em Gesta Hungarorum,[35] mas por volta do século XII, a região tinha se tornado em grande parte autônoma do Reino da Hungria.[36] Em outras áreas, Estados locais muito pequenos e com diferentes graus de independência desenvolveram-se, mas apenas sob o regime de Bassarabe I e Bogdan I que os principados maiores da Valáquia e da Moldávia surgiram, no século IV, para combater a ameaça do Império Otomano.[37][38]

Em 1541, toda a península dos Balcãs, além de Hungria, Moldávia, Valáquia e Transilvânia, estava sob suserania otomana, preservando autonomia interna parcial ou total até meados do século XIX (a Transilvânia até 1711[39]). Este período é caracterizado por vários governantes proeminentes, tais como: Estêvão, o Grande, Basílio, o Lobo, Alexandre, o Bom e Demétrio Cantemiro na Moldávia; Vlad, o Empalador, Mircea, o Velho, Mateus Bassarabe, Neagoe Bassarabe e Constantino Brancovano na Valáquia; e Gabriel Bethlen no Principado da Transilvânia, assim como João Corvino e Matias Corvino na Transilvânia, enquanto ela ainda era parte do Reino da Hungria.[40][41] Em 1600, os três principados eram governados simultaneamente pelo príncipe Miguel, o Valente (Mihai Viteazul), da Valáquia, que foi considerado, posteriormente, o precursor da Romênia moderna e tornou-se um ponto de referência para os nacionalistas, bem como um catalisador para a criação de um Estado romeno unificado.[42]

Independência e monarquia[editar | editar código-fonte]

Mudanças no território da Roménia desde 1859

Durante o período do domínio do Império Austro-Húngaro na Transilvânia e da suserania otomana sobre a Valáquia e a Moldávia, a maioria dos romenos tinham poucos direitos[43] num território onde eles eram a maioria da população.[44][45] Temas nacionalistas tornaram-se populares durante a revolta da Valáquia em 1821 e nas revoluções de 1848 na Moldávia e na Valáquia. A bandeira adotada pelos revolucionários valáquios era um tricolor horizontal azul-amarelo-vermelho (com azul acima, em linha com o sentido de "liberdade, justiça, fraternidade"),[46] enquanto os estudantes romenos em Paris saudaram o novo governo com a mesma bandeira "como um símbolo de união entre moldávios e valáquios".[47][48] A mesma bandeira, com o tricolor a ser montado verticalmente, viria a ser oficialmente adotada como a bandeira nacional da Romênia.[49]

Após as fracassadas revoluções de 1848, nem todas as grandes potências apoiavam o desejo expresso dos romenos de se unir oficialmente em um único Estado.[50] Mas em 1859, depois da Guerra da Crimeia, os eleitores moldávios e valáquios votaram no mesmo líder, Alexandre João Cuza, como Domnitor ("príncipe governante" em romeno) e os dois principados tornaram-se uma união pessoal formalmente sob a suserania do Império Otomano.[51] Após um golpe de Estado em 1866, Cuza foi exilado e substituído pelo príncipe Carlos I da Romênia da Casa de Hohenzollern-Sigmaringen. Durante a Guerra Russo-Turca de 1877-1878, os romenos lutaram do lado russo,[52] e, na sequência, o país foi reconhecido como um Estado independente tanto pelo Império Otomano quanto pelas grandes potências através do Tratado de San Stefano e do Tratado de Berlim.[53][54] O novo Reino da Romênia passou por um período de estabilidade e progresso até 1914, sendo que também anexou a Dobruja do sul da Bulgária após a Segunda Guerra Balcânica.[55]

Guerras Mundiais e Grande Romênia[editar | editar código-fonte]

Mapa britânico de 1917 mostrando territórios com populações de maioria romena

O país se manteve neutro durante os dois primeiros anos da Primeira Guerra Mundial. No entanto, após o assinatura do Tratado de Bucareste, segundo o qual a Romênia iria adquirir territórios com maioria romena da Áustria-Hungria, o governo fez um acordo de paz com Tríplice Entente e declarou guerra contra a Tríplice Aliança, em 27 de agosto de 1916.[56] Depois de conseguir alguns avanços iniciais, a campanha militar romena rapidamente se transformou em um desastre para o país, assim como para as Potências Centrais, que ocupariam dois terços do território romeno dentro de alguns meses, antes de chegar a um impasse em 1917. As perdas militares e civis totais no período entre 1916 e 1918, dentro de fronteiras contemporâneas romenas, foram estimados em 748 mil mortos.[57] Depois da guerra, a transferência da Bucovina da Áustria foi reconhecida pelo Tratado de Saint-Germain-en-Laye de 1919,[58] do Banato e da Transilvânia da Hungria pelo Tratado de Trianon de 1920[59] e da Bessarábia do domínio russo pelo Tratado de Paris, em 1920.[60]

Durante o período entre-guerras, conhecido como Grande Romênia, o país alcançou sua maior extensão territorial (quase 300 mil quilômetros quadrados).[61] A aplicação de reformas agrícolas radicais e a aprovação de uma nova Constituição criaram um quadro democrático e permitiu um rápido crescimento econômico. Com uma produção de petróleo de 7,2 milhões toneladas em 1937, a Romênia era o segundo maior exportador da Europa e o sétimo no mundo,[62][63] além de também ser o segundo maior produtor de alimentos do continente europeu. No entanto, o início dos anos 1930 foram marcados por agitação social, elevado desemprego e greves, sendo que houve mais de 25 governos seguidos ao longo desta década. Em várias ocasiões nos últimos anos antes da Segunda Guerra Mundial, os partidos democráticos foram espremidos por conflitos com a Guarda de Ferro fascista e chauvinista e pelas tendências autoritárias do rei Carlos II.[64]

Ditador romeno Ion Antonescu em reunião com Adolf Hitler em junho de 1941

O regime fascista de Ion Antonescu desempenhou um papel importante no Holocausto na Romênia[65] e copiou as políticas nazistas de opressão e genocídio de judeus e ciganos, principalmente nos territórios do leste que foram retomados pelos romenos da União Soviética. No total, entre 280 mil e 380 mil judeus romenos (dos governorados da Bessarábia, Bucovina e Transnístria) foram assassinados durante a guerra[66][67] e, pelo menos, 11 mil ciganos romenos também foram mortos.[68] Antonescu foi condenado por crimes de guerra e executado em 9 de outubro, data que agora é o Dia Nacional de Comemoração do Holocausto na Romênia.[69]

Durante a Segunda Guerra, a Romênia tentou novamente permanecer neutra, mas em 28 de junho de 1940, o país recebeu um ultimato soviético com uma ameaça implícita de invasão em caso de não cumprimento.[70] Novamente, as potências estrangeiras criaram uma forte pressão sobre a Romênia, por meio do Pacto Molotov-Ribbentrop de não agressão, firmado em 23 de agosto de 1939 entre União Soviética e Alemanha nazista. Como resultado, o governo e o exército romenos foram forçados a recuar da Bessarábia, bem como do norte da Bucovina, para assim evitar uma guerra com os soviéticos.[71] O rei foi obrigado a abdicar e a nomear o general Ion Antonescu como o novo primeiro-ministro, com plenos poderes para governar o país por decreto real.[72] A Romênia solicitou então a sua participação na campanha militar das Potências do Eixo. Posteriormente, o sul da Dobruja foi cedido à Bulgária, enquanto a Hungria recebeu o norte Transilvânia como resultado da arbitragem do Eixo.[73]

A contribuição romena para a Operação Barbarossa foi enorme, sendo que o exército nacional contribuiu com 1,2 milhão de soldados no verão de 1944, atrás apenas da Alemanha nazista.[74] O país era a principal fonte de petróleo do Terceiro Reich[75] e, portanto, tornou-se alvo de intenso bombardeios promovidos pelos Aliados. O crescente descontentamento entre a população finalmente atingiu o auge em agosto de 1944 com o golpe do rei Miguel, quando o país mudou de lado para se juntar aos Aliados. Estima-se que o golpe encurtou a guerra em até seis meses.[76] Apesar do exército romeno ter sofrido 170 mil baixas depois de alternar entre os lados do conflito,[77] o papel da Romênia na derrota dos nazistas não foi reconhecido pela Conferência de Paz de Paris de 1947, quando a União Soviética anexou a Bessarábia e outros territórios que correspondem aproximadamente ao atual território da República da Moldávia.[78]

Regime socialista[editar | editar código-fonte]

Nicolae Ceaușescu governou o país entre 1965 e 1989

Durante a ocupação soviética da Romênia, o governo, dominado pelo Partido Comunista Romeno, convocou novas eleições em 1946, que foram fraudulentamente vencidas, com uma maioria fabricada de 70% dos votos.[79] Dessa maneira, os comunistas romenos rapidamente se estabeleceram como a força política dominante do país[80] e, em 1947, forçaram o rei Miguel I a abdicar e exilar-se, quando então foi proclamada uma república popular.[81][82] A Romênia permaneceu sob a ocupação militar e controle econômico direto da União Soviética até o final dos anos 1950. Durante este período, os vastos recursos naturais do país foram continuamente drenados por empresas mistas soviéticas-romenas (SovRoms), criadas para fins de exploração unilaterais.[83][84][85]

Em 1948, o Estado começou a nacionalizar empresas privadas e a coletivizar a agricultura.[86] Até o início dos anos 1960, o governo havia reduzido drasticamente as liberdades políticas e suprimido vigorosamente qualquer dissidência com a ajuda da Securitate (a polícia secreta romena). Durante este período, o regime lançou várias campanhas de expurgos em que vários "inimigos do Estado" e "elementos parasitas" (entre eles muitos ativistas sionistas judeus) foram punidos de diferentes formas, como a deportação, o exílio interno e a internação em campos de trabalho forçado e prisões, às vezes por toda a vida, além da execução extrajudicial.[87] Não obstante, a resistência anticomunista romena foi uma das mais duradouras do Bloco de Leste.[88] Uma comissão de 2006 estimou o número de vítimas diretas da repressão comunista em dois milhões de pessoas.[89]

Em 1965, Nicolae Ceausescu chegou ao poder e começou a conduzir uma política externa mais independente dos soviéticos. Dessa maneira, a Romênia comunista tornou-se o único país do Pacto de Varsóvia que se recusou a participar da invasão de 1968 da Tchecoslováquia (Ceauşescu ainda condenou publicamente a ação como "um grande erro e um perigo grave para a paz na Europa e para o destino do comunismo no mundo"[90]); o país também foi o único Estado comunista a manter relações diplomáticas com Israel após a Guerra dos Seis Dias, em 1967, além de ter estabelecido relações com a Alemanha Ocidental no mesmo ano.[91] Ao mesmo tempo, laços estreitos com os países árabes (e a OLP), fizeram com que a Romênia pudesse desempenhar um papel fundamental nas negociações de paz entre Israel e Egito e entre Israel e OLP.[92]

Como a dívida externa romena aumentou acentuadamente entre 1977 e 1981 (de 3 bilhões para 10 bilhões de dólares), a influência das organizações financeiras internacionais (como o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial) cresceu, em conflito gradual com o governo autocrático de Ceauşescu, que então iniciou uma política de reembolso total da dívida externa através da imposição de medidas de austeridade que empobreceram a população e esgotaram a economia. Ao mesmo tempo, Ceauşescu aumentou grandemente a autoridade da polícia secreta e impôs um severo culto de personalidade, o que levou a uma diminuição dramática na popularidade do ditador e culminou na sua queda e execução, juntamente com sua esposa, na violenta Revolução Romena de 1989.[93]

Democracia e integração europeia[editar | editar código-fonte]

A Romênia entrou para a OTAN em 2003 sediou a cúpula de 2008 em Bucareste

Após a revolução, a Frente de Salvação Nacional (FSN), conduzida por Ion Iliescu, fez reformas democráticas e econômicas parciais.[94][95] Em abril de 1990, um protesto que contestava os resultados das eleições e acusava a FSN, incluindo Iliescu, de ser composta por ex-comunistas e membros da Securitate, rapidamente cresceu para se tornar o que foi chamado de Golaniad. As manifestações pacíficas acabaram em violência, o que instigou a intervenção de mineiros de carvão convocados por Iliescu. Este episódio foi amplamente documentado por meios de comunicação locais[96] e estrangeiros.[97][98][99]

A subsequente desintegração da Frente de Salvação culminou na criação de vários partidos políticos, incluindo o Partido Social-Democrata e o Partido Democrata. O governo anterior comandou a Romênia de 1990 até 1996, através de várias coalizões que tinham Ion Iliescu como chefe de Estado. Desde então, houve várias transições democráticas: em 1996, Emil Constantinescu foi eleito presidente; em 2000, Iliescu retornou ao poder, enquanto Traian Băsescu foi eleito em 2004 e, por pouco, reeleito em 2009.[100]

Após a Guerra Fria, o país desenvolveu laços mais estreitos com a Europa Ocidental e os Estados Unidos, sendo que se tornou um dos membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) em 2004, além de ter hospedado, em Bucareste, a cúpula de 2008 da aliança militar.[101] Em junho de 1993, o governo romeno entregou um pedido de adesão à União Europeia (UE). A Romênia tornou-se um Estado associado da UE em 1995, um país candidato à adesão em 2004 e um membro pleno em 1 de janeiro de 2007.[102] Após o "acordo de livre circulação" com a UE e a instabilidade econômica durante toda a década de 1990, um grande número de romenos emigraram para a América do Norte e a Europa Ocidental, com grandes comunidades principalmente na Itália e na Espanha. Atualmente, a diáspora romena é estimada em mais de dois milhões de pessoas ao redor do mundo.[103]

Durante a década de 2000, o país alcançou uma das mais altas taxas de crescimento econômico na Europa e tem sido referido às vezes como "o tigre da Europa Oriental".[104] Isto tem sido acompanhado por uma melhoria significativa do padrão de vida, assim como conseguiu reduzir a pobreza interna e estabeleceu um Estado democrático funcional.[105][106] No entanto, o desenvolvimento romeno sofreu um grande revés durante a Grande Recessão do final da década de 2000, o que teve como consequência uma grande contração do produto interno bruto e um déficit orçamental em 2009.[107] Isto levou o governo a pedir empréstimos ao FMI.[108] A piora das condições econômicas levou a distúrbios e desencadeou uma crise política em 2012.[109] A Romênia ainda enfrenta questões relacionadas à infraestrutura,[110] serviços médicos, educação e corrupção.[111] No final de 2013, no entanto, a publicação britânica The Economist afirmou que o país tinha voltado a crescer, os salários aumentavam rapidamente e o desemprego era inferior ao registrado no Reino Unido. A economia foi acelerada pelo governo por meio de um processo de liberalização, que está abrindo novos setores (nomeadamente, energia e de telecomunicações) para a concorrência e o investimento privado.[112]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mapa topográfico do território romeno
Vila de Bran com os Cárpatos ao fundo
Ver artigo principal: Geografia da Romênia

Uma grande parte das fronteiras da Roménia com a Sérvia e a Bulgária seguem o curso do Danúbio. O Danúbio desagua no mar Negro onde forma o delta do Danúbio, juntamente com o rio Prut que serve de fronteira com a República da Moldávia.[113] Os montes Cárpatos dominam a parte ocidental da Roménia, com picos de até 2.700 metros. O mais elevado, o Moldoveanu, atinge os 2.744 metros. As principais cidades são a capital, Bucareste, Brașov, Timișoara, Cluj-Napoca, Constança, Craiova, Iași, Brăila e Galați.[113]

Clima[editar | editar código-fonte]

Devido à distância do mar aberto e por sua localização na porção sudeste do continente europeu, a Romênia tem um clima temperado e continental, com quatro estações definidas. A temperatura média anual é de 11°C no sul e 8 °C no norte.[114] No verão, as temperaturas máximas médias em Bucareste sobem para 28 °C e temperaturas acima de 35 °C são bastante comuns nas zonas mais baixas do país. No inverno, a temperatura máxima média é inferior a 2 °C. O nível de precipitação atinge 750 mm por ano apenas nas mais altas montanhas ocidentais, enquanto em Bucareste o índice cai para cerca de 600 mm.[115]

Biodiversidade[editar | editar código-fonte]

Grande parte do país (47% do território) está coberta por ecossistemas naturais e semi-naturais.[116] A Romênia tem uma das maiores áreas de florestas intactas na Europa, que abrangem quase 27% do seu território.[117] A fauna é composta por 33.792 espécies de animais, 33.085 invertebrados e 707 vertebrados,[118] com quase 400 espécies únicas de mamíferos, aves, répteis e anfíbios,[119] incluindo cerca de 50% da população de ursos marrons[120] e 20% dos lobos do continente europeu (excluindo a Rússia).[120]

Mais de 3.700 espécies de plantas foram identificadas no país, das quais 23 foram consideradas monumentos naturais, 74 foram extintas, 39 estão ameaçadas de extinção, 171 estão vulneráveis ​​e 1.253 são raras.[118] Há quase 10 mil quilômetros quadrados (cerca de 5% da área total) de áreas protegidas. que cobrem 13 parques nacionais e três reservas da biosfera.[121] O delta do Danúbio, com 5,8 mil quilômetros quadrados de área,[122] é a maior região pantanosa contínua da Europa[123] e mantém sozinho 1.688 espécies de plantas diferentes.[124]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Romenos
Mapa étnico do território romeno

Segundo o censo de 2011, a população da Romênia é de 20 121 641 habitantes.[1] Assim como outros países da região, a população deverá diminuir gradualmente nos próximos anos, como resultado de baixas taxas de fertilidade e taxa de migração líquida negativa. Em outubro de 2011, os romenos compunham 88,9% da população do país. As maiores minorias étnicas eram os húngaros (6,5% da população) e ciganos (3,3% da população).[125] Os húngaros constituem a maioria nos municípios de Harghita e Covasna. Outras minorias incluem ucranianos, alemães, turcos, russos lipovanos e tártaros.[126] Em 1930, havia 745 421 alemães na Romênia,[127] mas apenas cerca de 36 mil permanecem até os dias atuais.[126] Em 2009, também havia cerca de 133 mil imigrantes vivendo na Romênia, provenientes principalmente da Moldávia e da China.[105]

A taxa de fecundidade total em 2013 foi estimada em 1,31 filhos por mulher, o que está abaixo da taxa de substituição de 2,1, sendo uma das mais baixas do mundo.[128] Em 2012, 31% dos partos foram de mulheres solteiras.[129] A taxa de natalidade (9,49‰, 2012) é muito menor do que a taxa de mortalidade (11,84 ‰, 2012), o que resulta na diminuição (-0,26% ao ano, de 2012) e no envelhecimento da população (idade média: 39,1 de 2012), sendo que cerca de 14,9% do total da população com 65 anos ou mais.[130][131][132] A expectativa de vida em 2013 foi estimado em 74,45 anos (70,99 anos para homens e 78,13 anos para mulheres).[128] O número de romenos e pessoas com antepassados ​​nascidos na Romênia vivendo no exterior é estimada em cerca de 12 milhões.[103]

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Religiões[editar | editar código-fonte]

Catedral Metropolitana de Iaşi, o maior templo ortodoxo do país
Ver artigo principal: Religião na Romênia

A Romênia é um Estado laico e não tem religião oficial. A esmagadora maioria da população, no entanto, se identifica como cristã. No censo de 2011 do país, 86,5% dos entrevistados identificaram-se como cristãos ortodoxos pertencentes à Igreja Ortodoxa Romena. Outras denominações incluem o protestantismo (6,9%), o catolicismo romano (4,6%) e o catolicismo grego (0,8%). Os restantes 2,2% da população incluem 64.337 muçulmanos (principalmente de turcos e tártaros), 3.519 judeus e 39.660 pessoas irreligiosas, ateias ou agnósticas.[133]

O catolicismo (tanto o católico romano como o católico romeno) e o protestantismo também estão representados, principalmente nas áreas habitadas pela população mais próxima da influência ocidental. Em Dobruja, a região situada na costa do Mar Negro, há uma pequena minoria muçulmana (de etnia turca e tártara), uma remanescente do governo otomano e de migrações da Crimeia.[133]

Línguas[editar | editar código-fonte]

Distribuição do romeno na Europa

A língua oficial é romeno, uma língua românica oriental semelhante ao arromeno, megleno-romeno e istrorromeno, mas que também partilha muitas características com outras línguas românicas, como o italiano, francês, espanhol e português. O romeno é a língua materna de 85% da população, enquanto o húngaro e romani são falados por 6,2% e 1,2% dos habitantes, respectivamente. Há 25 mil falantes nativos do alemão e 32 mil falantes de turcos no país, assim como quase 50 mil falantes de ucraniano,[134] concentrados em algumas regiões perto da fronteira, onde eles formam uma maioria.[135]

De acordo com a constituição, conselhos locais podem garantir os direitos linguísticos de todas as minorias, sendo que há localidades onde a linguagem minoritária pode ser usada na administração pública, no sistema judicial e educaional. Os cidadãos estrangeiros e apátridas que vivem na Roménia têm acesso à justiça e à educação em sua própria língua.[136] O inglês e o francês são as principais línguas estrangeiras ensinadas nas escolas.[137] Em 2010, a Organização Internacional da Francofonia identificou 4.756.100 falantes de francês no país.[138] De acordo com o Eurobarómetro de 2012, o inglês é falado por 31% dos romenos, o francês por 17% e o italiano por 7%.[139]

Governo e política[editar | editar código-fonte]

A constituição da Romênia se baseia na constituição da Quinta República Francesa e foi aprovada em um referendo nacional em 8 de dezembro de 1991, sendo alterada em outubro de 2003 para estar em conformidade com a legislação da União Europeia. O país é governado com base em um sistema político democrático, multipartidário e com separação de poderes. É uma república semipresidencialista, onde as funções executivas são realizadas tanto pelo governo quanto pelo presidente,[140] que é eleito por voto popular para no máximo dois mandatos de cinco anos e nomeia o primeiro-ministro, que por sua vez nomeia o Conselho de Ministros. O ramo legislativo do governo, conhecido coletivamente como Parlamento, é composto por duas câmaras (Senado e Câmara dos Deputados), cujos membros são eleitos a cada quatro anos.[141][142]

O sistema jurídico é independente dos outros poderes do Estado e é composto por um sistema hierárquico de tribunais, cujo ponto máximo é a Alta Corte de Cassação e Justiça, que é o tribunal supremo da Romênia. Há também tribunais de recurso, tribunais de comarca e tribunais locais. O sistema judicial romeno é fortemente influenciada pelo modelo francês, considerando que ele é baseado no direito civil e é inquisitorial por natureza. O Tribunal Constitucional (Curtea Constituţională) é responsável por avaliar a conformidade das leis e outras regulamentações estatais à Constituição, que é a lei fundamental do país e só pode ser alterada através de um referendo público.[141][143]

Relações internacionais[editar | editar código-fonte]

Desde dezembro de 1989, a Romênia tem seguido uma política de fortalecimento das relações com o Ocidente em geral, mais especificamente com os Estados Unidos e a União Europeia (UE). O país ingressou na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) em 29 de março de 2004, na UE em 1 de janeiro de 2007 e no Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Mundial em 1972, além de também ser um dos membros fundadores da Organização Mundial do Comércio (OMC).[144]

O atual governo declarou seu objetivo de estreitar os laços e ajudar outros países (em especial, a Moldávia, a Ucrânia e a Geórgia) no processo de integração com o resto do Ocidente.[145] A Romênia também deixou claro desde o final da década de 1990 que apoia a adesão à OTAN e da UE de todas as ex-repúblicas soviéticas democráticas localizadas na Europa Oriental e no Cáucaso. O país também declarou seu apoio público à adesão da Turquia e da Croácia à União Europeia. Por ter uma grande minoria húngara, a Roménia também desenvolveu fortes relações com a Hungria. O governo romeno optou, em 1 de janeiro de 2007, por aderir ao Espaço Schengen, sendo que sua candidatura foi aprovada pelo Parlamento Europeu em junho de 2011, mas foi rejeitada pelo Conselho da União Europeia em setembro do mesmo ano.[145]

As relações com a Moldávia são um caso especial, considerando que os dois países compartilham a mesma língua e uma história comum.[145] Um movimento pela unificação dos dois países surgiu no início de 1990 depois de ambas as nações terem alcançado emancipação do jugo comunista,[146] mas perdeu terreno em meados da década, quando um novo governo na Moldávia seguiu uma agenda para preservar a independência.[147] A Romênia continua interessada nos assuntos da Moldávia e rejeitou oficialmente o Pacto Molotov-Ribbentrop.[146] Depois dos Protestos em Chișinău em 2009 e a posterior remoção dos comunistas do poder, as relações entre os dois países melhoraram consideravelmente.[148]

Forças armadas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Forças Armadas Romenas
Soldados romenos em missão de patrulha no Afeganistão

As forças armadas romenas consistem de um exército, uma marinha e uma força aérea, e são lideradas por seu comandante em chefe, o presidente, supervisionado pelo ministro da defesa.[149] Com um orçamento superior a 1,78 bilhão de euros (2,5% do PIB), atualmente conta com mais de 73 350 militares em suas fileiras.[150]

Nos últimos anos, as forças armadas tem se modernizado, especialmente devido a sua missão de combate no Afeganistão. A força aérea opera MiG-21s e Mig-29s soviéticos atualizados, com suas fileiras sendo engrossadas por novos F-16s, de fabricação americana, comprados de Portugal em outubro de 2013.[151] A marinha adquiriu novas fragatas Type 22 da marinha britânica.[152] Tropas romenas também participaram da fase de ocupação do Iraque. Eles retiraram suas tropas de lá em julho de 2009. A marinha do país ainda participou da intervenção militar na Líbia em 2011.[153]

Em dezembro de 2011, o senado romeno aprovou um acordo de cooperação militar com os Estados Unidos, como parte dos esforços para erguer um sistema de defesa antimísseis na Europa.[154]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

A Romênia é dividida em 41 distritos e o município de Bucareste. Cada município é administrado por um conselho municipal, responsável pelos assuntos locais, bem como por um prefeito responsável pela administração de assuntos do distrito. O prefeito é nomeado pelo governo central, mas não pode ser um membro de qualquer partido político.[155] Cada distrito é subdividido em cidades e comunas, que têm o seu próprio prefeito e conselho local. Há um total de 319 cidades e 2.686 comunas na Roménia. Das cidades maiores, 103 têm estatuto de município, o que lhes dá maior poder administrativo sobre assuntos locais. O município de Bucareste é um caso especial. Ele é dividido em seis setores e tem um prefeito, um prefeito geral e um conselho geral da cidade.[156]

Região em desenvolvimento Área (km2) População (2011)[157] Cidades mais populosas*
Noroeste 34.159 2.600.132 Cluj-Napoca (411.379)
Centro 34.082 2.360.805 Brașov (369.896)
Nordeste 36;850 3;302;217 Iași (382.484)
Sudeste 35.762 2.545.923 Constança (425.916)
Sul 34.489 3.136.446 Ploiești (276.279)
Bucharest-Ilfov 1.811 2.272.163 Bucareste (2.272.163)
Sudoeste 29.212 2.075.642 Craiova (285.098)
Oeste 32.028 1.828.313 Timișoara (384.809)
*Com sua região metropolitana.

Economia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Economia da Romênia

Em 2013, a Romênia teve um PIB (PPC) de cerca de 386 bilhões de dólares e um PIB per capita (PPC) de 19.397 dólares.[158] De acordo com a CIA o The World Factbook da CIA, o país é uma economia de renda média-alta.[159] De acordo com o Eurostat, o PIB per capita romeno era equivalente a 55% da média da UE em 2013, um aumento de 42% em relação a 2007 (o ano da adesão da Roméênia à UE).[160]

Depois de 1989, o país viveu uma década de instabilidade econômica, causada em parte por uma base industrial obsoleta e pela falta de reformas estruturais. A partir dos anos 2000, no entanto, a economia romena foi transformada com uma relativa estabilidade macroeconômica, caracterizada por um crescimento elevado, baixo desemprego e inflação em declínio. Em 2006, de acordo com o Escritório de Estatísticas da Romênia, o PIB registrou um aumento de 7,7%, uma das taxas mais elevadas da Europa na época.[161] No entanto, um declínio econômico depois da Grande Recessão no final da década de 2000 forçou o governo a tomar dinheiro emprestado no exterior, incluindo um programa de resgate do FMI de 20 bilhões de euros.[162] O PIB vem crescendo a uma taxa de 2% ao ano desde então.[163] A Romênia ainda tem uma das mais baixas salário médio mensal líquido na UE (540 euros em 2012)[164] e uma inflação de 3,7% em 2013.[165] A taxa de desemprego registrada em 2012 foi de 7%.[166]

Principais produtos exportados pela Roménia (em inglês)

As maiores empresas locais incluem montadora Automobile Dacia, Petrom, Rompetrol, Electrica, Romgaz, RCS & RDS e Banca Transilvania.[167] As principais exportações da Roménia são carros, softwares, vestuário e têxteis, máquinas industriais, equipamentos elétricos e eletrônicos, produtos metalúrgicos, matérias-primas, equipamento militar, farmacêuticos, químicos e produtos agrícolas (frutas, legumes e flores). O comércio é principalmente centrado nos Estados-membros da União Europeia, sendo que a Alemanha e a Itália são os maiores parceiros comerciais do país.[168]

Após uma série de privatizações e reformas no final dos anos 1990 e 2000, a intervenção do governo na economia romena é um pouco menor do que em outras economias europeias.[169] Em 2005, o governo substituiu sistema tributário progressivo por um imposto fixo de 16% tanto a renda pessoal quanto para lucros das empresas, uma das taxas mais baixas na UE.[170] A economia é predominantemente baseada em serviços, que respondem por 51% do PIB, apesar da indústria e a agricultura também terem contribuições significativas, com 36% e 13% do PIB, respectivamente. Além disso, 30% da população romena estava empregada na agricultura e na produção primária em 2006, uma das taxas mais elevadas na Europa.[171]

Desde 2000, o país tem atraído uma quantidade crescente de investimentos estrangeiros, tornando-se o destino de maior destino de investimentos da Europa Central e dos Bálcãs. De acordo com um relatório de 2011 do Banco Mundial, a Romênia ocupava a posição 72ª entre 175 economias avaliados na facilidade de fazer negócios, inferior a outros países da região, como a República Checa.[172] Além disso, um estudo em 2006 classificou o país como segundo mais rápido reformador econômico do mundo (depois da Geórgia).[173] Desde 1867 a moeda oficial foi o leu romeno, mas está previsto que o país adote o euro por volta de 2020.[174]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Castelo de Bran, construído em 1212, tornou-se conhecido por ter sido a casa de Vlad III, o Empalador

O turismo na Romênia concentra-se em paisagens naturais e sua rica história, tendo também um contributo importante para a economia. Em 2006, o turismo doméstico e internacional compôs 4,8% do PIB e cerca de meio milhão de postos de trabalho (5,8% do emprego total).[175] Depois do comércio, o turismo é o ramo mais importante da indústria de serviços, principalmente devido seu desenvolvimento rápido e dinâmico.[176] De acordo com estimativas do Conselho Mundial de Viagens e Turismo, a Roménia ocupa a quarta posição entre os países em desenvolvimento na categoria de crescimento rápido do turismo. O número de turistas aumentou de 4,8 milhões em 2002 para 6,6 milhões em 2004, atraindo investimentos de ES$ 400 milhões neste período.[177]

Mais de 60% dos turistas estrangeiros vêm de países da União Europeia.[178] Cidades como Mangalia, Saturn, Venus, Neptun, Olimp e Mamaia estão entre as principais atrações no verão.[179] No inverno, estações de esqui no Vale Prahova e Poiana Brasov também são muito visitados.[180][181] Por sua atmosfera medieval e castelos nas proximidades, muitas cidades da Transilvânia, como Sibiu, Brașov, Sighişoara, Cluj-Napoca e Târgu Mureș tornaram-se importantes atrações para os turistas. Recentemente desenvolveu-se um turismo rural que se centra na promoção do folclore e tradições do país.[182] Outros pontos de atração turística são as Igrejas do norte de Moldávia, o Castelo de Bran, as Igrejas de madeira na Transilvânia e o Cemitério alegre de Sapantza.[183] Há, ainda, atrações turísticas naturais, tais como o delta do Danúbio, os Portões de ferro, Scarisoara e cavernas nas montanhas de Apuseni.[184]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Trecho da autoestrada A3 próximo a Turda

De acordo com o The World Factbook, a rede rodoviária romena tinha uma extensão de 81 713 quilômetros em 2009 (excluindo as áreas urbanas), dos quais 66 632 km eram pavimentados. Há planos para construir uma rede de 2 262 km de autoestradas, que consistiria de seis autoestradas principais e outras seis autoestradas de desvio. No entanto, em julho de 2015, havia 707 km de autoestradas estabelecidas, com outros 230 km em construção ou em licitação.[185]

O Banco Mundial estima que a rede ferroviária do país tenha 22 298 quilômetros, sendo a quarta maior rede ferroviária europeia.[186] O transporte ferroviário sofreu uma queda dramática depois de 1989. Em 2004, cerca de 99 milhões de viagens de passageiros foram realizadas. Em 2013, o setor passou por renascimento devido a melhorias da infraestrutura e privatização parcial de linhas,[141] que respondem por 45% de todos os movimentos de passageiros e de mercadorias no país.[141] O Metrô de Bucareste, o único sistema metropolitano do país, foi aberto em 1979 e se estende por 61,41 km, com uma média de passageiros, em 2007, de 600 mil por semana.[187] Há dezesseis aeroportos comerciais internacionais em serviço, sendo que cinco deles são capazes de receber aeronaves de fuselagem larga. Em 2013, mais de 7,6 milhões de passageiros voaram através do Aeroporto Internacional Henri Coandă.[188]

Energia[editar | editar código-fonte]

Central Nuclear de Cernavodă

A Roménia é um exportador líquido de energia elétrica e está na posição 46ª no mundo em termos de consumo de energia.[189] Cerca de um terço da energia produzida provém de fontes renováveis, principalmente a energia hidroelétrica. Em 2010, as principais fontes eram carvão (36%), hidrelétrica (33%), nuclear (19%) e hidrocarbonetos (11%).[190]

O país tem uma das maiores capacidades de refinação na Europa Oriental, embora a produção de gás natural e petróleo tenha sido decrescente por mais de uma década.[189]

Com uma das maiores reservas de petróleo bruto e de gás de xisto da Europa,[189] a Romênia é um dos países mais independentes em termos energéticos na União Europeia[191] e planeja expandir a sua usina nuclear em Cernavodă.[192]

Educação[editar | editar código-fonte]

A Universidade de Bucareste foi criada em 1864

Desde a Revolução Romena de 1989, o sistema educacional tem estado em um processo contínuo de reforma, o que tem recebido críticas.[193] Em 2004, 4,4 milhões de romenos estavam matriculados na escola. Destes, 650 mil no jardim de infância (3-6 anos), 3,1 milhões nos níveis primário e secundário e outros 650 mil no nível superior (universidades).[194] No mesmo ano, a taxa de alfabetização de adultos era de 97,3% (45ª em todo o mundo), enquanto a taxa de escolarização bruta combinada dos ensinos primário, secundário e superior foi de 75% (52ª em todo o mundo).[195]

O jardim de infância é opcional entre os 3 e os 6 anos. A escola inicia aos 7 anos (às vezes em 6) e é obrigatória até a oitava série..[196] A educação primária e secundária é dividida em 12 ou 13 graus. Existe também um sistema semi-legal e informal de aulas particulares, usadas principalmente durante a escola secundária, que prosperou durante o regime comunista.[197]

O ensino superior está alinhado com o restante da Europa. O Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA - sigla em inglês) de 2012 classificou as escolas romenas na45ª posições entre os 65 países participantes.[198] A Universidade de Iaşi, a Universidade Babeş-Bolyai, a Universidade de Bucareste e a Universidade do Oeste de Timişoara foram incluídas entre as 800 melhores do mundo no QS World University Rankings.[199]

Ciência e tecnologia[editar | editar código-fonte]

Stefan Hell, físico romeno-alemão ganhador do Nobel de Química de 2014

Historicamente, os pesquisadores e inventores romenos têm feito contribuições notáveis ​​para vários campos da ciência. Traian Vuia fez experimentos pioneiros e bem sucedidos na aviação e Aurel Vlaicu construiu e voou alguns dos primeiros aviões da história, enquanto Henri Coandă descobriu o efeito Coandă em fluidos. Victor Babeş descobriu mais de 50 tipos de bactérias; o biólogo Nicolae Paulescu descobriu a insulina, enquanto Emil Palade recebeu um Prêmio Nobel por suas contribuições à biologia celular. Lazăr Edeleanu foi o primeiro químico a sintetizar a anfetamina, enquanto Costin Neniţescu desenvolveu inúmeras novas classes de compostos em química orgânica. Matemáticos notáveis ​​incluem Spiru Haret, Grigore Moisil e Ştefan Odobleja; físicos e inventores: Șerban Țițeica, Alexandru Proca e Ştefan Procopiu.[200]

Durante os anos 1990 e 2000, o desenvolvimento da pesquisa foi prejudicado por diversos fatores, incluindo a corrupção, o baixo financiamento e uma fuga de cérebros considerável.[201] No entanto, desde a adesão do país à União Europeia, isso começou a mudar.[202] Depois de ser cortado em 50% em 2009 devido à Grande Recessão, os gastos em pesquisa e desenvolvimento foram aumentados em 44% em 2010 e agora está em 500 milhões de dólares.[203]

Em janeiro de 2011, o parlamento também aprovou uma lei que impõe "rigoroso controle de qualidade em universidades e introduz regras mais duras para o financiamento de avaliação e avaliação interpares".[204] O país aderiu ou está prestes a juntar-se várias das principais organizações científicas internacionais, como o CERN e a Agência Espacial Europeia.[205][206]

Saúde[editar | editar código-fonte]

A Roménia tem um sistema de saúde universal e as despesas totais de saúde do governo são de aproximadamente 5% do PIB.[207] Ele abrange exames médicos, quaisquer intervenções cirúrgicas e qualquer assistência médica, além de fornecer medicamentos gratuitos ou subsidiados para várias doenças. O Estado é obrigado a financiar hospitais e clínicas públicas. As causas mais comuns de morte são as doenças cardiovasculares e câncer. Doenças transmissíveis, como a tuberculose, sífilis ou hepatite viral, são mais comuns do que na Europa Ocidental.[208] Em 2010, a Roménia tinha 428 hospitais públicos e 25 hospitais privados,[209] com 6,2 leitos por 1.000 habitantes,[210] e mais de 200 mil equipes médicas, incluindo mais de 52 mil médicos.[211] Em 2013, a taxa de emigração de médicos foi de 9%, superior à média europeia de 2,5%.[212]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cultura da Romênia

Artes e monumentos[editar | editar código-fonte]

A origem dos romenos começou a ser discutida no final do século XVIII entre os estudiosos da Escola da Transilvânia.[213] Vários escritores ganharam destaque no século XIX, como George Cosbuc, Ioan Slavici, Mihail Kogălniceanu, Vasile Alecsandri, Nicolae Bălcescu, Ion Luca Caragiale, Ion Creangă e Mihai Eminescu, sendo posteriormente considerado o maior e mais influente poeta romeno, em particular para o poema Luceafărul.[214] No século XX, entre os artistas romenos aclamados internacionalmente estavam Tristan Tzara, Marcel Janco,[215] Mircea Eliade, Nicolae Grigorescu, Marin Preda, Liviu Rebreanu,[216] Eugène Ionesco, Emil Cioran e Constantin Brâncuşi. O romeno sobrevivente do Holocausto Elie Wiesel recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1986, enquanto a escritora Herta Müller recebeu o Prêmio Nobel de Literatura em 2009.[217]

No cinema, vários filmes da "Nova Onda Romena" alcançaram fama internacional. No Festival de Cannes, 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias, de Cristian Mungiu, ganhou a Palma de Ouro em 2007.[218] No Festival de Berlim, Child's Pose, de Călin Peter Netzer, ganhou o Urso de Ouro em 2013.[219]

O Festival George Enescu é realizada anualmente em Bucareste em homenagem ao compositor do século XX.[220] Músicos como Angela Gheorghiu, Gheorghe Zamfir,[221] Inna,[222] Alexandra Stan[223] e muitos outros têm conseguido reconhecimento internacional. Os cantores romenos conseguiram o terceiro lugar em 2005 e 2010 no Festival Eurovisão da Canção.[224]

A lista dos Patrimônios Mundiais da UNESCO inclui seis locais culturais localizados dentro do país, como as Igrejas da Moldávia, as Igrejas de Madeira de Maramureş, sete vilas com igrejas fortificadas na Transilvânia, o Monastério de Horezu e o Centro Histórico de Sighişoara.[225] A cidade de Sibiu foi selecionada como a Capital Europeia da Cultura em 2007.[226] Existem vários castelos no território romeno, incluindo atrações turísticas populares como o Castelo de Peleş,[227] o Castelo de Hunyadi e o "Castelo do Drácula".[228]

Feriados, tradições e gastronomia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Feriados na Romênia

Há 12 feriados nacionais, incluindo o Grande Dia da União, celebrado no dia 1 de dezembro em comemoração da união da Transilvânia com a Romênia em 1918.[229] As férias de inverno incluem as festividades do Natal e do Ano Novo, durante os quais ocorrem várias danças folclóricas e jogos tradicionais são comuns, como pluguşorul, sorcova, ursul e capra.[230][231] Durante a Páscoa, ovos pintados são muito comuns, enquanto que em 1 de março, no feriado Mărțișor, também há uma tradição de troca de presentes, provavelmente de origem trácia.[232]

Ovos de Páscoa pintados

A vestimenta tradicional romena, que ficou fora de uso ao longo do século XX, é uma roupa cerimonial popular usada ​​em festividades, especialmente nas áreas rurais.[233] O costume de sacrificar suínos vivos durante o Natal e cordeiros durante a Páscoa exigiu uma derrogação especial do União Europeia depois de 2007.[234]

A culinária romena tem algumas semelhanças com outras cozinhas dos Balcãs, como a grego, búlgara e turca.[235] A carne de porco, frango e carne são as preferidas, mas cordeiro e peixes também são populares.[236] Certas receitas tradicionais são feitas em conexão direta com os feriados[237] Țuică, um forte conhaque de ameixa que atinge um teor alcoólico de 70%, é a bebida tradicional do país, tendo 75% dd produção nacional (a Romênia é um dos os maiores produtores de ameixa no mundo).[238][239] Entre outras bebidas alcoólicas tradicionais também estão vinho, rachiu, palinca e vişinată, mas o consumo de cerveja aumentou dramaticamente ao longo dos últimos anos.[240]

Esportes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Esporte na Romênia

O futebol é o esporte mais popular no país, com mais de 234 mil jogadores registrados em 2010.[241] O corpo diretivo é a Federação Romena de Futebol, que pertence à UEFA. A seleção nacional de futebol participou de sete Copas do Mundo FIFA e teve seu período de maior sucesso na década de 1990, quando alcançou as quartas de final da Copa do Mundo FIFA de 1994 e ficou em terceiro lugar pela FIFA em 1997.[242] O jogador núcleo desta "geração de ouro" era Gheorghe Hagi, que foi apelidado de "o Maradona dos Cárpatos".[243][244]

O tênis é o segundo esporte mais popular, com mais de 15 mil jogadores registrados.[245] A Romênia chegou à final da Copa Davis três vezes (1969, 1971, 1972). O tenista Ilie Năstase ganhou vários títulos de Grand Slam e foi o primeiro jogador a ser classificado como número 1 pela Associação de Tenistas Profissionais (ATP) entre 1973 e 1974. Virginia Ruzici ganhou o Aberto da França em 1978 e foi vice-campeã em 1980. Simona Halep jogou a final em 2014 e está atualmente em segundo pela Associação de Tênis Feminino (WTA).[246]

Outros esportes populares são o rugby e o handebol.[245] A seleção nacional de rugby competiu em todas as Copas do Mundo de Rugby, enquanto as seleções nacionais de handebol masculina e feminina são múltiplas campeãs mundiais. Em 13 de janeiro de 2010, Cristina Neagu se tornou o primeiro romeno a o prêmio de melhor jogador de handebol do mundo pela IHF.[247] Entre os esportes individuais mais populares estão atletismo, xadrez, judô, dança esportiva, tênis de mesa e esportes de combate.[245] Apesar de ter uma popularidade limitada atualmente, o oina é um jogo esportivo tradicional romeno semelhante ao beisebol que tem sido continuamente praticado desde, pelo menos, o século XIV.[248]

A Romênia participou dos Jogos Olímpicos pela primeira vez em 1900 e participou em 18 dos 24 jogos de verão. Tem sido um dos países mais bem-sucedidos nos Jogos Olímpicos de Verão, com um total de 301 medalhas conquistadas ao longo dos anos, das quais 88 são de ouro, e segundo (atrás da vizinha Hungria) entre as nações que nunca hospedaram os jogos. O país participou dos Jogos Olímpicos de Verão de 1984 em Los Angeles, em desafio a um boicote do Pacto de Varsóvia e terminou em segundo lugar, com 20 medalhas de ouro e em terceiro lugar na contagem de medalhas total (53).[249] Quase um quarto de todas as medalhas foram conquistadas na ginástica, sendo que Nadia Comaneci tornou-se a primeira ginasta a marcar um dez perfeito em um evento olímpico, durante os Jogos Olímpicos de Verão de 1976.[250]

Panorama da Arena Națională, em Bucareste

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Romanian 2011 census (final results)» (PDF) (em romeno). INSSE. Consultado em 28 de agosto de 2012. 
  2. a b c d Fundo Monetário Internacional (FMI), : (Outubro de 2014). «World Economic Outlook Database». Consultado em 29 de outubro de 2014. 
  3. «Human Development Report 2015» (PDF) (em inglês). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 14 de dezembro de 2015. Consultado em 24 de dezembro de 2015. 
  4. «Gini coefficient of equivalised disposable income (source: SILC)». Eurostat Data Explorer. Consultado em 8 de fevereiro de 2015. 
  5. «Explanatory Dictionary of the Romanian Language, 1998; New Explanatory Dictionary of the Romanian Language, 2002» (em romeno). Dexonline.ro. Consultado em 25 de setembro de 2010. 
  6. Verres, Andréas. Acta et Epistolae I [S.l.: s.n.] p. 243. «nunc se Romanos vocant» 
  7. Cl. Isopescu (1929). «Notizie intorno ai romeni nella letteratura geografica italiana del Cinquecento». Bulletin de la Section Historique [S.l.: s.n.] XVI: 1–90. «...si dimandano in lingua loro Romei...se alcuno dimanda se sano parlare in la lingua valacca, dicono a questo in questo modo: Sti Rominest ? Che vol dire: Sai tu Romano,...» 
  8. Holban, Maria (1983). Călători străini despre Țările Române (em Romanian) II Ed. Științifică și Enciclopedică [S.l.] pp. 158–161. «“Anzi essi si chiamano romanesci, e vogliono molti che erano mandati quì quei che erano dannati a cavar metalli...”» 
  9. Cernovodeanu, Paul (1960). Voyage fait par moy, Pierre Lescalopier l'an 1574 de Venise a Constantinople, fol 48. Studii și materiale de istorie medievală (em Romanian) IV [S.l.: s.n.] p. 444. «Tout ce pays la Wallachie et Moldavie et la plus part de la Transilvanie a eté peuplé des colonies romaines du temps de Traian l'empereur...Ceux du pays se disent vrais successeurs des Romains et nomment leur parler romanechte, c'est-à-dire romain ... » 
  10. Ion Rotaru, Literatura română veche, "The Letter of Neacșu from Câmpulung", București, 1981, pp. 62–65
  11. Brezeanu, Stelian (1999). Romanitatea Orientalǎ în Evul Mediu (Bucharest: Editura All Educational). pp. 229–246. 
  12. Goina, Călin. How the State Shaped the Nation: an Essay on the Making of the Romanian Nation in Regio – Minorities, Politics, Society.
  13. «Wallachia and Moldavia, 1859–61». Consultado em 5 de janeiro de 2008. 
  14. Europe Before Rome: A Site-by-Site Tour of the Stone, Bronze, and Iron Ages (T. Douglas Price) [1]
  15. Zilhão, João (2006). «Neanderthals and Moderns Mixed and It Matters». Evolutionary Anthropology [S.l.: s.n.] 15 (5): 183–195. doi:10.1002/evan.20110. 
  16. John Noble Wilford (1 de dezembro de 2009). «A Lost European Culture, Pulled From Obscurity» The New York Times (30 November 2009) [S.l.] 
  17. Patrick Gibbs. «Antiquity Vol 79 No 306 December 2005 The earliest salt production in the world: an early Neolithic exploitation in Poiana Slatinei-Lunca, Romania Olivier Weller & Gheorghe Dumitroaia». Antiquity.ac.uk. Consultado em 12 de outubro de 2012. 
  18. a b c Hitchins 2014, p. 7.
  19. Herodotus. Histories, 4.93-4.97.
  20. The Cambridge Ancient History (Volume 10) 2nd ed. Cambridge University Press [S.l.] 1996.  J. J. Wilkes mentions "the Getae of the Dobrudja, who were akin to the Dacians" (p. 562)
  21. András Mócsy (1974). Pannonia and Upper Moesia Routledge and Kegan Paul [S.l.] ISBN 0-7100-7714-9.  See p. 364, n. 41: "If there is any justification for dividing the Thracian ethnic group, then, unlike V. Georgiev who suggests splitting it into the Thraco-Getae and the Daco-Mysi, I consider a division into the Thraco-Mysi and the Daco-Getae the more likely."
  22. Hitchins 2014, pp. 13-14.
  23. Matley, Ian (1970). Romania; a Profile Praeger [S.l.] p. 85. 
  24. Giurescu, Constantin C. (1972). The Making of the Romanian People and Language (Bucharest: Meridiane Publishing House). pp. 43, 98–101, 141. 
  25. Eutropius, Abridgment of Roman History BOOK IX.
  26. Watkins, Thayer. «The Economic History of the Western Roman Empire». Consultado em 31 de agosto de 2008. «The Emperor Aurelian recognized the realities of the military situation in Dacia and, around 271 AD., withdrew Roman troops from Dacia, leaving it to the Goths. The Danube once again became the northern frontier of the Roman Empire in eastern Europe» 
  27. Jordanes (551). Getica, sive, De Origine Actibusque Gothorum (Constantinople [s.n.]). Consultado em 31 August 2008. 
  28. Iliescu, Vl.; Paschale, Chronicon (1970). Fontes Historiae Daco-Romanae II (București [s.n.]). pp. 363, 587. 
  29. Teodor, Dan Gh. (1995). Istoria României de la începuturi până în secolul al VIII-lea 2 (București [s.n.]). pp. 294–325. 
  30. Constantine VII, Porphyrogenitus (950). Constantine Porphyrogenitus De Administrando Imperio (Constantinople [s.n.]). Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  31. Cristian Lupşa (1 de março de 2008). «Regele Decebal» (em Romanian). Lumea-Copiilor. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  32. «Împăratul Traian, strămoşul uitat» (em Romanian). Adevărul. 4 de julho de 2013. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  33. «Mitul strămoşilor în "epopeea naţională": Dacii, Columna şi Burebista» (em romeno). Realitatea TV. 13 de abril de 2015. Consultado em 13 de abril de 2015. 
  34. Pop, Ioan-Aurel (Winter 2001). «The Romanians' Identity in the 16th Century According to Italian Authors» (PDF). Transylvanian Review Romanian Cultural Foundation [S.l.] 10 (4): 3. Consultado em 4 de setembro de 2015. 
  35. «''Gesta Hungarorum'', the chronicle of Bele Regis Notarius». Scribd.com. Consultado em 29 de agosto de 2011. 
  36. Makkai, László (2001). Köpeczi, Béla, : . «History of Transylvania: III. Transylvania in the Medieval Hungarian Kingdom (896–1526)». New York: Institute of History of the Hungarian Academy of Sciences, Columbia University Press. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  37. Ștefănescu, Ștefan (1991). Istoria medie a României I (Bucharest [s.n.]). p. 114. 
  38. Predescu, Lucian (1940). Enciclopedia Cugetarea. 
  39. Várkonyi, Ágnes R. (2001). «Columbia University Press». In: Köpeczi, Béla. History of Transylvania: VI. The Last Decades of the Independent Principality (1660–1711) 2 (New York: Institute of History of the Hungarian Academy of Sciences). Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  40. István, Vásáry. «Cumans and Tatars». cambridge.org. Consultado em 7 de setembro de 2009. 
  41. Copy of Domnitori Romani [S.l.: s.n.] Consultado em 5 de abril de 2015. 
  42. Giurescu, p. 211–13. Giurescu, Constantin C. (2007) [1935]. Istoria Românilor (em romeno) (Bucharest: Editura All). 
  43. David Prodan, Supplex Libellus Valachorum, Bucareste, 1948.
  44. Kocsis, Karoly; Kocsis-Hodosi, Eszter (1999). Ethnic structure of the population on the present territory of Transylvania (1880–1992) [S.l.: s.n.] Arquivado desde o original em 22 de fevereiro de 2008. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  45. Kocsis, Karoly; Kocsis-Hodosi, Eszter (2001). Ethnic Geography of the Hungarian Minorities in the Carpathian Basin Simon Publications [S.l.] p. 102. ISBN 1-931313-75-X. 
  46. Gazeta de Transilvania, year XI, no. 34 of 26 April 1848, p. 140.
  47. Dogaru (1978), p. 862.
  48. Căzănișteanu (1967), p. 36.
  49. Năsturel (1900/1901), p. 257. Năsturel, Petre Vasiliu, Steagul, stema română, însemnele domneşti, trofee (The Romanian flag [and] coat of arms; the princely insignias [and] trophies), Bucharest, 1903.
  50. The establishment of the Balkan national states, 1804–1920 Books.google.com [S.l.] Consultado em 28 de março de 2012. 
  51. Bobango, Gerald J (1979). The emergence of the Romanian national State (New York: Boulder). ISBN 978-0-914710-51-6. 
  52. «San Stefano Preliminary Treaty» (em Russian). 1878. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  53. The Treaty of Berlin, 1878 – Excerpts on the Balkans. Internet Modern History Sourcebook (Berlin: Fordham University). 13 July 1878. Consultado em 31 August 2008. 
  54. Patterson, Michelle (August 1996). «The Road to Romanian Independence». Canadian Journal of History [S.l.: s.n.] Arquivado desde o original (– Scholar search) em 24 de março de 2008. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  55. Anderson, Frank Maloy; Hershey, Amos Shartle (1918). Handbook for the Diplomatic History of Europe, Asia, and Africa 1870–1914 (Washington D.C.: Government Printing Office). 
  56. Horne, Charles F. «Romania's Declaration of War with Austria-Hungary». Source Records of the Great War. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  57. Erlikman, Vadim (2004). Poteri narodonaseleniia v XX veke : spravochnik (Moscow [s.n.]). ISBN 5-93165-107-1. 
  58. Bernard Anthony Cook (2001). Europe Since 1945: An Encyclopedia Taylor&Francis [S.l.] p. 162. ISBN 0-8153-4057-5. 
  59. «Text of the Treaty of Trianon». World War I Document Archive. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  60. Malbone W. Graham (October 1944). «The Legal Status of the Bukovina and Bessarabia». The American Journal of International Law American Society of International Law [S.l.] 38 (4): 667–673. doi:10.2307/2192802. JSTOR 2192802. 
  61. «Statul National Unitar (România Mare 1919–1940)» (em romeno). ici.ro. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  62. «his1». Aneir-cpce.ro. Consultado em 15 August 2014. 
  63. «VIDEO Înregistrare senzaţională cu Hitler: "Fără petrolul din România nu aş fi atacat niciodată URSS-ul"». adevarul.ro. Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  64. «Business in Romania: a country that's fast off the Bloc – Two years of EU membership have transformed the business face of Romania and savvy UK firms are reaping the rewards. Paul Bray reports.». The Daily Telegraph (London [s.n.]). 24 de fevereiro de 2010. Consultado em 1 de maio de 2010. 
  65. Note: follow the World War II link: Ronald D. Bachman, : (9 de novembro de 2005). «Romania:World War II» 2 ed. Washington D.C.: Library of Congress.Federal Research Division. OCLC DR205.R613 1990 Verifique |oclc= value (Ajuda). Consultado em 31 2008. 
  66. Ilie Fugaru, Romania clears doubts about Holocaust past, UPI, 11 de novembro de 2004
  67. International Commission on the Holocaust in Romania (28 de janeiro de 2012). «Executive Summary: Historical Findings and Recommendations» (PDF). Final Report of the International Commission on the Holocaust in Romania. Yad Vashem (The Holocaust Martyrs' and Heroes' Remembrance Authority). Consultado em 28 de janeiro de 2012. 
  68. Associated, The (17 de abril de 2012). «Study: More than 280,000 Jews killed in Romania in WWII – Haaretz Daily Newspaper | Israel News». Haaretz.com. Consultado em 24 de abril de 2012. 
  69. «Holocaust Education, Remembrance, and Research in Romania». holocaustremembrance.com. Consultado em 4 de abril de 2015. 
  70. Ioan Scurtu, Theodora Stănescu-Stanciu, Georgiana Margareta Scurtu (2002). Istoria Românilor între anii 1918–1940 (em Romanian) Universidade de Bucareste [S.l.] 
  71. Nagy-Talavera, Nicolas M. (1970). Green Shirts and Others: a History of Fascism in Hungary and Romania Hoover Institution Press [S.l.] p. 305. ISBN 973-9432-11-5. 
  72. Ioan Scurtu,Theodora Stănescu-Stanciu, Georgiana Margareta Scurtu. «Decret regal privind investirea generalului Ion Antonescu cu depline puteri». Istoria românilor între anii 1918–1940 (em romeno). Consultado em 19 de setembro de 2011. 
  73. M. Broszat (1968). «Deutschland – Ungarn – Rumänien. Entwicklung und Grundfaktoren nationalsozialistischer Hegemonial- und Bündnispolitik 1938–1941». Historische Zeitschrift (em German) [S.l.: s.n.] (206): 552–553. 
  74. Axworthy, Mark; Scafes, Cornel; Craciunoiu, Cristian (editors) (1995). Third axis, Fourth Ally: Romanian Armed Forces In the European War 1941-1945 (Londres: Arms & Armour Press). pp. 1–368. ISBN 963-389-606-1. 
  75. «The Biggest Mistakes in World War 2:Ploesti – the most important target». Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  76. Constantiniu, Florin, O istorie sinceră a poporului român ("An Honest History of the Romanian People"), Ed. Univers Enciclopedic, Bucureşti, 1997, ISBN 973-9243-07-X
  77. Michael Clodfelter (2002). Warfare and Armed Conflicts- A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000 2 ed. (Jefferson, NC: McFarland). p. 582. ISBN 0-7864-1204-6. 
  78. Eugen Tomiuc (6 de maio de 2005). «World War II – 60 Years After: Former Romanian Monarch Remembers Decision To Switch Sides». Arquivado desde o original em 30 de setembro de 2007. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  79. Giurescu, "«Alegeri" după model sovietic", p.17 (citing Berry), 18 (citing Berry and note); Macuc, p.40; Tismăneanu, p.113
  80. «Romania: Country studies – Chapter 1.7.1 "Petru Groza's Premiership"». Federal research Division, Library of Congress. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  81. «Romania». CIA – The World Factbook. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  82. «Romania – Country Background and Profile». ed-u.com. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  83. Rîjnoveanu, Carmen (2003). «Romania's Policy of Autonomy in the Context of the Sino-Soviet Conflict» (PDF). Czech Republic Military History Institute, Militärgeschichtliches Forscheungamt. p. 1. Consultado em 31 August 2008. 
  84. Roper, Stephen D. (2000). Romania: The Unfinished Revolution (Londres: Routledge). p. 18. ISBN 90-5823-027-9. 
  85. Cioroianu, Adrian (2005). On the Shoulders of Marx. An Incursion into the History of Romanian Communism (em Romanian) (Bucareste: Editura Curtea Veche). pp. 68–73. ISBN 973-669-175-6. 
  86. Stan Stoica (2007). Dicționar de Istorie a României (em Romanian) (Bucharest: Editura Merona). pp. 77–78; 233–34. ISBN 973-7839-21-8. 
  87. Cicerone Ionițoiu (2000). Victimele terorii comuniste. Arestați, torturați, întemnițați, uciși. Dicționar (em Romanian) (Bucharest: Editura Mașina de scris). ISBN 973-99994-2-5. [falta página]
  88. Consiliul National pentru Studierea Ahivelor Securității, Bande, bandiți si eroi; Grupurile de rezistență și Securitatea (1948–1968), Editura Enciclopedica, București, 2003
  89. «Raportul Comisiei Prezidențiale pentru Analiza Dictaturii Comuniste din România» Comisia Prezidențială pentru Analiza Dictaturii Comuniste din România [S.l.] 15 de dezembro de 2006: 215–217. 
  90. «Political Tension 1968» (em Romanian). Bucareste: British Pathé. 21 de agosto de 1968. 
  91. «Romania: Soviet Union and Eastern Europe». Country Studies.us. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  92. «Middle East policies in Communist Romania». Country Studies.us. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  93. Deletant, Dennis. «New Evidence on Romania and the Warsaw Pact, 1955–1989» (PDF). Cold War International History Project e-Dossier Series. 
  94. Carothers, Thomas. «Romania: The Political Background» (PDF). Consultado em 31 August 2008. «This seven-year period can be characterized as a gradualistic, often ambiguous transition away from communist rule towards democracy.» 
  95. Hellman, Joel (Janeiro de 1998). «Winners Take All: The Politics of Partial Reform in Postcommunist». Transitions World Politics [S.l.: s.n.] 50 (2): 203–234. 
  96. «Institutul de Investigare a Crimelor Comunismului si Memoria Exilului Romanesc». Mineriade.iiccr.ro. Consultado em 14 de março de 2011. 
  97. «Institutul de Investigare a Crimelor Comunismului si Memoria Exilului Romanesc». Mineriade.iiccr.ro. Consultado em 14 de março de 2011. 
  98. Bohlen, Celestine (15 de junho de 1990). «Evolution in Europe; Romanian miners invade Bucharest». The New York Times [S.l.: s.n.] Consultado em 31 August 2008. «Responding to an emergency appeal by President Ion Iliescu, thousands of miners from northern Romania descended on the capital city today» 
  99. «Institutul de Investigare a Crimelor Comunismului si Memoria Exilului Romanesc». Mineriade.iiccr.ro. Consultado em 14 de março de 2011. 
  100. Presa internationala despre alegerile din Romania: Traian Basescu a castigat la limita; Romanii au mici sperante sa se dezghete ajutorul de la FMI – International. HotNews.ro. Acessado em 21 de agosto de 2010.
  101. «NATO update: NATO welcomes seven new members» NATO [S.l.] Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  102. «EU approves Bulgaria and Romania» BBC News [S.l.] 26 de setembro de 2006. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  103. a b «Romania». focus-migration.de. Consultado em 28 de agosto de 2008. 
  104. «Adevarul». Adevarul.ro. Arquivado desde o original em 25 de abril de 2010. Consultado em 25 de setembro de 2010. 
  105. a b Human Development Report 2009 – Country Fact Sheets – Romania. Hdrstats.undp.org. Acessado em 21 de agosto de 2010.
  106. Tracking the Millennium Development Goal. MDG Monitor. Acessado em 21 de agosto de 2010.
  107. Joe Parkinson (4 de dezembro de 2009). «Romania Faces Crucial Vote». Wall Street Journal [S.l.: s.n.] 
  108. Romania and the IMF. Acessado em 5 de setembro de 2015.
  109. Gheorghe Stoica, Lavinia Stan. «Romanian Politics in 2012: Intra-Cabinet Coexistence and Political Instability». South-East European Journal of Political Science. 
  110. Romania's Infrastructure and International Transport Links. Romania Central. Acessado em 21 de agosto de 2010.
  111. D+C 2010/03 – Focus – Roos: In Romania and Bulgaria, civil-society organisations are demanding rule of law – Development and Cooperation – International Journal. Inwent.org. Acessado em 21 de agosto de 2010.
  112. «Romania is booming». The Economist. 17 de dezembro de 2013. 
  113. a b «Geography, Meteorology and Environment» (PDF) (em Romanian). Romanian Statistical Yearbook. 2004. Consultado em 7 de setembro de 2009. 
  114. «Romania: Climate». U.S. Library of Congress. Consultado em 10 de janeiro de 2008. 
  115. «The 2004 Yearbook» (PDF) (em Romanian). Romanian National Institute of Statistics. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  116. «Romania's Biodiversity». Ministry of Waters, Forests and Environmental Protection of Romania. Consultado em 10 de janeiro de 2008. 
  117. «Romania». Fao.org. Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  118. a b «Flora si fauna salbatica» (em Romanian). enrin.grida.no. Consultado em 7 de setembro de 2009. 
  119. «EarthTrends:Biodiversity and Protected Areas -Romania» (PDF). Arquivado desde o original (PDF) em 26 de setembro de 2007. Consultado em 10 de janeiro de 2008. 
  120. a b «Canids: Foxes, Wolves, Jackals and Dogs. Status Survey and Conservation Action Plan» (pdf). IUCN/SSC Canid Specialist Group. Consultado em 2 de outubro de 2014. 
  121. «Protected Areas in Romania». Romanian Ministry of Waters, Forests and Environmental Protection. Consultado em 10 de janeiro de 2008. 
  122. «Danube Delta Reserve Biosphere». Romanian Ministry of Waters, Forests and Environmental Protection. Consultado em 10 de janeiro de 2008. 
  123. «Danube Delta». UNESCO's World Heritage Centre. Consultado em 10 de janeiro de 2008. 
  124. Ellen Wohl (2010). A World of Rivers: Environmental Change on Ten of the World's Great Rivers University of Chicago Press [S.l.] p. 130. ISBN 0-226-90478-4. 
  125. «European effort spotlights plight of the Roma» usatoday [S.l.] 10 de fevereiro de 2005. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  126. a b «Official site of the results of the 2002 Census» (em Romanian). Arquivado desde o original em 5 de fevereiro de 2012. Consultado em 31 August 2008. 
  127. «German Population of Romania, 1930–1948». hungarian-history.hu. Arquivado desde o original em 17 de agosto de 2007. Consultado em 7 de setembro de 2009. 
  128. a b «The World Factbook». Cia.gov. Consultado em 24 de fevereiro de 2014. 
  129. «Eurostat - Tables, Graphs and Maps Interface (TGM) table». Epp.eurostat.ec.europa.eu. 17 de outubro de 2013. Consultado em 24 de fevereiro de 2014. 
  130. Graeme Villeret. «Roumanie». PopulationData.net. Consultado em 29 de agosto de 2011. 
  131. «Romania demographics profile (2011)». Indexmundi.com. 12 de julho de 2011. Consultado em 29 de agosto de 2011. 
  132. «CIA World Factbook: Romania». Cia.gov. Consultado em 2 de outubro de 2013. 
  133. a b «2011 census results by religion» (xls). www.recensamantromania.ro, website of the Romanian Institute of Statistics. Consultado em 5 de maio de 2015. 
  134. «2011 census results by native language» (xls). www.recensamantromania.ro, website of the Romanian Institute of Statistics. Consultado em 5 de maio de 2015. 
  135. "IARNA UCRAINEANĂ - Află care sunt localităţile din Maramureş în care se prăznuiesc sărbătorile de iarnă după rit vechi", Infomm.ro, http://infomm.ro/ro/detalii/in-maramures-aproape-31-000-ucraineni-petrec-sarbatorile-de-iarna, visitado em 5 de maio de 2015 
  136. «Constitutia României». Cdep.ro. Consultado em 29 de agosto de 2011. 
  137. «Two-thirds of working age adults in the EU28 in 2011 state they know a foreign language» (PDF). Eurostat. 26 de setembro de 2013. Consultado em 21 de agosto de 2014. 
  138. «Roumanie - Organisation internationale de la Francophonie». francophonie.org. 
  139. «EUROPEANS AND THEIR LANGUAGES, REPORT» (PDF). Eurostat. 2012. Consultado em 21 de agosto de 2014. 
  140. Tony Verheijen (14 de março de 1990). «Oxford Scholarship Online: Semi-Presidentialism in Europe». Oxfordscholarship.com. Consultado em 29 de agosto de 2011. 
  141. a b c d Romania. The Europa World Year Book 2 48 ed. (London and New York: Routledge). 2007. pp. 3734–3759. ISBN 978-1-85743-412-5. 
  142. «Se schimbă sistemul de vot. Deputații au adoptat noua Lege Electorală propusă de USL». Antena3.ro. Consultado em 12 de outubro de 2012. 
  143. «Romanian Legal system». CIA Factbook. 2000. Consultado em 11 de janeiro de 2008. 
  144. «Understanding the WTO – members». WTO. Consultado em 29 de agosto de 2011. 
  145. a b c «Foreign Policy Priorities of Romania for 2008» (em Romanian). Romanian Ministry of Foreign Affairs. Consultado em 28 de agosto de2008. 
  146. a b Gabriel Andreescu, Valentin Stan, Renate Weber (30 de outubro de 1994). «Romania'S Relations with the Republic of Moldova». International Studies Centre for International Studies [S.l.] Arquivado desde o original em 23 de fevereiro de 2008. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  147. Stefan Ihrig. «Rediscovering History, Rediscovering Ultimate Truth» (PDF). Consultado em 17 de setembro de 2008. 
  148. «Moldova, Romania open new chapter in bilateral relations». People's Daily [S.l.: s.n.] 29 de abril de 2010. Consultado em 11 de agosto de 2011. 
  149. Ministry of National Defense of Romania. Press conference. Press release. Página visitada em 31 de agosto de 2008.
  150. "Romania Military Strength". Página acessada em 7 de março de 2015.
  151. "Portugal vende 12 caças F-16 à Roménia por 78 milhões de euros". Página acessada em 7 de março de 2015.
  152. «Spartan Order» Aviation Week & Space Technology [S.l.] 11 de dezembro de 2006. 
  153. «Traian Basescu: Romania va trimite fregata Regele Ferdinand cu 205 militari in Mediterana pentru operatiuni de blocare a oricarei nave suspecte ca transporta armament» (em romeno). HotNews.ro. Consultado em 22 de março de 2011. 
  154. «Romania ratifies US missile shield agreement». SpaceWar. 6 de dezembrode 2012. 
  155. «Geografia Romaniei» (em romeno). descopera.net. Consultado em 7 de setembro de 2009. 
  156. «Administrative Organisation of Romanian Territory, on December 31, 2005» (PDF) (em romeno). Romanian National Institute of Statistics. Consultado em 31 de agosto de 2008.  |capitulo= ignorado (Ajuda)
  157. «2011 Regions Population». INSSE. 4 de julho de 2013. Consultado em 9 de julho 2013. 
  158. World Economic Outlook Database, Fundo Monetário Internacional (FMI). Outubro de 2014. Acessado em 11 de setembro de 2015.
  159. «Country Classification Groups». World Bank. 2005. Arquivado desde o original em 24 de maio de 2008. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  160. «GDP per capita in PPS». Consultado em 8 de fevereiro de 2015. 
  161. «GDP in 2006» (PDF) (em Romanian). Romanian National Institute of Statistics. Consultado em 10 de janeiro de 2008. 
  162. The New York Times: nytimes.com: "Romania to Get Next Installment of Bailout". 1 de novembro de 2010. Acessado em 6 de setembro de 2015.
  163. «Veste excelenta pentru Romania de la Banca Mondiala (Video)». Consultado em 11 de junho de 2014. 
  164. «Average Romanian household income was EUR 540 a month in Q3 2012». Romanian-Insider. 9 de janeiro de 2013. 
  165. «Eurostat, HICP (2005 = 100) - monthly data (12-month average rate of change)». Eurostat. Consultado em 14 de dezembro de 2013. 
  166. «Unemployment rate, 2001–2012 (%)|Eurostat». Epp.eurostat.ec.europa.eu. Consultado em 4 de abril de 2014. 
  167. Chirileasa, Andrei (9 de junho de 2014). «Top 20 companies in Romania by turnover». Romania-Insider.com. Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  168. «IMF World Economic Outlook Database, April 2011 – Central and Eastern Europe». IMF. April 2011. Consultado em 27 de abril de 2011. 
  169. «Index of Economic Freedom: Romania». heritage.org. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  170. «Taxation trends in the EU» (PDF). Eurostat. 26 de junho de 2007. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  171. «Romania». CIA World Factbook. 2010. Consultado em 27 de abril de 2011. 
  172. «Economy Ranking». Doing Business. World Bank. 2007. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  173. «Doing Business 2007 Report». Banco Mundial. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  174. «Fifth Report on the Practical Preparations for the Future Enlargement of the Euro Area» (PDF). Commission of the European Communities. 16 de julho de 2007. Consultado em 31 de maio de 2013. 
  175. «Country/Economy Profiles: Romania, Travel&Tourism» (PDF) (em inglês). World Economic Forum. Consultado em 5 de agosto de 2015. 
  176. Wall Street - Numărul turiștilor străini care vor alege România pentru vacanță va crește - Accesado em 5 de agosto de 2015
  177. «Turismul a atras în 2005 investiții de 400 milioane de euro» (em romeno). Gândul. Consultado em 5 de agosto de 2015. 
  178. Business Point - Numărul turiștilor străini sosiți în România a crescut - Accesat la data de 27.02.2009
  179. «Tan and fun at the Black Sea» (em inglês). Unseen Romania. Consultado em 5 de agosto de 2015. 
  180. ICI - Valea Prahovei - Accesado em 5 de agosto de 2015
  181. Ziare.com - Mii de turiști pe Valea Prahovei - Acessado em 5 de agosto de 2015
  182. «Turismul renaște la țară» (em romeno). Romania Libera. 5 de julho de 2008. Consultado em 5 de agosto de 2015. 
  183. «Bine ati venit pe site-ul de promovare a pensiunilor agroturistice din Romania» (em romeno). Rural Tourism. Consultado em 5 de agosto de 2015. 
  184. Horia C. Matei, Ion Nicolae, Silviu Neguț, Caterina Radu, Enciclopedia statelor lumii, ediția a VII-a, București, Editura Meronia, 2001 - ISBN 973-99451-5-6
  185. «The CIA world factbook :Romania». Cia.gov. Consultado em 4 de abril de 2014. 
  186. «Reteaua feroviara» (em Romanian). cfr.to. Arquivado desde o original em 8 de junho de 2009. Consultado em 6 de setembro de 2009. 
  187. «Metrorex ridership» (em Romanian). Financial Week newspaper. 23 de abril de 2007. Arquivado desde o original em 16 de maio de 2008. Consultado em 31 August 2008. 
  188. Henri Coandă Airport in 2013 (romeno ). Acessado em 6 de setembro de 2015.
  189. a b c «Romania - U.S. Energy Information Administration (EIA)». Eia.gov. Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  190. «pg.24-25» (PDF). Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  191. Ana Hontz-Ward. «Romania Expects to be Energy Independent Despite Ukraine Crisis». Voanews.com. Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  192. «Contractul pentru unitatile 3 si 4 de la centrala nucleara Cernavoda se va parafa in mai. Chinezii vor avea 51% din actiuni - Nicolae Moga (PSD) - Energie - HotNews.ro». Economie.hotnews.ro. Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  193. «The Romanian Educational Policy in Transition». UNESCO. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  194. «Romanian Institute of Statistics Yearbook – Chapter 8» (PDF) (em Romanian). Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  195. «UN Human Development Report 2006» (PDF). 
  196. «The Romanian Educational Policy in Transition». UNESCO. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  197. «Limited relevants. What feminists can learn from the eastern experience» (PDF). genderomania.ro. Consultado em 25 de agosto de 2008. 
  198. «Rezultate PISA 2012: Aproape 40% dintre elevii romani au dificultati sa citeasca si sa inteleaga un text si pot rezolva doar exercitii de baza la Matematica». Hotnews.ro. 3 de dezembro de 2013. 
  199. «QS World University Rankings 2013». topuniversities.com. Outubro de 2013. 
  200. «Traian Vuia in a Century of Aviation». Romanian Academy Library. p. 1. Consultado em 7 de agosto de 2012. 
  201. Liviu Giosan e Tudor I. Oprea (2002). Ad Astra, : . «Science in post-communist Romania» (PDF). Consultado em 6 de setembro de 2015. 
  202. «Laserul de la Magurele: Institutul de Cercetare pentru Fizica si Inginerie Nucleara a semnat contractul de 66 milioane euro pentru realizarea Sistemului Fascicul Gamma - Esential». HotNews.ro. Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  203. «Bulgaria: Science fortunes of Balkan neighbours diverge – Novinite.com – Sofia News Agency». Novinite.com. 13 de janeiro de 2011. Consultado em 14 de março de 2011. 
  204. «Science fortunes of Balkan neighbours diverge : Nature News». Nature.com. Consultado em 14 de março de 2011. 
  205. «Funeriu: Stiinta din Romania 'se imbunatateste', insa mai sunt multe lucruri de facut». Epochtimes-romania.com. 13 de janeiro de 2011. Consultado em 14 de março de 2011. 
  206. «Romania is to sign agreement on joining European space agency convention». Actmedia.eu. 20 de janeiro de 2011. Consultado em 14 de março de 2011. 
  207. "Ritli: Ministry of Health budget for 2012 can provide the assistance at least at the level of previous year", Mediafax.ro
  208. "Romania, 4th in Europe in TB", România Liberă
  209. "Our patients vs. theirs: How many hospitals has Romania compared to other EU countries", Wall-Street.ro Acessado em 8 de outubro de 2015.
  210. "Fewer hospital beds for sick Romanians", România Liberă
  211. "Personalul medico-sanitar pe categorii, forme de proprietate, sexe, macroregiuni, regiuni de dezvoltare și județe", Institutul Național de Statistică
  212. "«De profesie: medic în România». Cum încearcă ministrul Nicolăescu să-i țină pe doctori în țară", Adevărul, 2 de abril de 2013
  213. «Cultural aspects». National Institute for Research & Development in Informatics, Romania. Consultado em 28 de agosto de 2008. 
  214. «Mihai Eminescu» (em Romanian). National Institute for Research & Development in Informatics, Romania. Consultado em 20 de janeiro de 2008. 
  215. Tom Sandqvist, DADA EAST: The Romanians of Cabaret Voltaire, London MIT Press, 2006.
  216. Ștefănescu, Alex. (1999). Nichita Stănescu, The Angel with a Book in His Hands (em Romanian) Mașina de scris [S.l.] p. 8. ISBN 978-973-99297-4-5. 
  217. «Brancusi's 'Bird in Space' Sets World Auction Record for Sculpture at $27,456,000». Antiques and the Arts Online. Arquivado desde o original em 13 de fevereiro de 2006. Consultado em 20 de janeiro de 2008. 
  218. «Cannes 2007 Winners». Alternative Film Guide. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  219. Mike Collett-White (16 de fevereiro de 2013). «Romanian film "Child's Pose" wins Berlin Golden Bear». Reuters [S.l.: s.n.] 
  220. «George Enescu, the composer». International Enescu Society. Consultado em 20 de janeiro de 2008. 
  221. «Gheorghe Zamfir, master of the pan pipe». Gheorghe Zamfir, Official Homepage. Consultado em 20 de janeiro de 2008. 
  222. «Inna Biography». BBC. Consultado em 26 de outubro de 2013. 
  223. «10 One-Hit Wonders to Be or Not to Be?». vh1.i. 7 de março de 2014. 
  224. Arsenie, Dan. «Paula Seling despre rezultatul la Eurovision 2010: "Mai bine de atât nu se putea!"». EVZ.ro. Consultado em 29 de agosto de 2011. 
  225. «World Heritage Site – Romania». UNESCO. Consultado em 31 de janeiro de 2008. 
  226. «Report on the Nominations from Luxembourg and Romania for the European Capital of Culture 2007» (PDF). The Selection Panel for the European Capital of Culture (ECOC) 2007. 5 April 2004. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  227. «Muzeul National Peles | Site-ul oficial al castelelor Peles si Pelisor». Peles.ro. Consultado em 29 de agosto de 2011. 
  228. «Castelul Bran». Viaromania.eu. Consultado em 29 de agosto de 2011. 
  229. "ZILE LIBERE 2013. Calendarul sărbătorilor legale ale românilor de anul acesta", Gândul.info, 6 de março de 2013
  230. Improve It Grup S.R.L. «Traditii si obiceiuri romanesti. Artizanat traditional romanesc. Arta populara». Traditii.ro. Consultado em 29 de agosto de 2011. 
  231. Insider, Romania (21 de dezembro de 2012). «Winter holidays and Christmas traditions in Romania: the Bear dance, the Masked carolers and the Goat». Romania-Insider.com. Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  232. Martisor, a Spring celebration for Eastern Europeans (29 de junho de 2014). «Martisor, a Spring celebration for Eastern Europeans». Foreigners In Uk. Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  233. «ROMANIA - Traditions and Folklore - Official Travel and Tourism Information». Romaniatourism.com. Consultado em 15 d agosto de 2014. 
  234. «Ministrul Agriculturii: UE accepta ca mieii de Pasti si porcii de Craciun sa fie sacrificati in mod traditional - Actualitate». HotNews.ro. 11 de agosto de 2014. Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  235. «Christina Bradatan, Cuisine and Cultural Identity in Balkans». Scholarworks.iu.edu. Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  236. «Retete traditionale Moldova: retete peste sau cu carne de porc.». Bucataras.ro. 15 de dezembro de 2008. Consultado em 29 de agosto de 2011. 
  237. «Bucatarie romaneasca – Cultura si retete – Articole». Gastronomie.ele.ro. Consultado em 29 de agosto de 2011. 
  238. «Țuica production consumed 75% of Romanian plums in 2003». Regard-est.com. Consultado em 29 August 2011. 
  239. «Study in Romania». Educations.com. 5 de fevereiro de 2008. Consultado em 14 de março de 2011. 
  240. Tudor, Diana. «Romania enters global top 10 for beer consumption | Ziarul Financiar». Zf.ro. Consultado em 14 de março de 2011. 
  241. «Topul sporturilor în funcţie de numărul de sportivi legitimaţi». zf.ro. 12 de janeiro de 2012. 
  242. «Romania: FIFA/Coca-Cola World Ranking». FIFA.com. Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  243. «Hagi leaves Romania post» BBC Sport [S.l.] 26 de novembro de 2001. Consultado em 31 de agosto de 2008. «Hagi earned a legendary status in Romania where he spearheaded the 'Golden Generation' of players...» 
  244. «Hagi snubs Maradona» BBC Sport Online [S.l.] 6 de abril de 2001. Consultado em 31 de agosto de 2008. 
  245. a b c «Romania». The Europa World Year Book 2. Routledge. 2007. 
  246. Rankins. Associação de Tênis Feminino (WTA). Acessado em 10 de setembro de 2015,
  247. «Cristina Neagu - World Handball Player of the Year 2010». Ihf.info. 13 de janeiro de 2011. Consultado em 24 de fevereiro de 2014. 
  248. «Originea jocului de Oina - Sport National Roman». Oina.ro. Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  249. «Recurs la ISTORIE: De ce s-a "prăbuşit" România la Olimpiada de la Londra?». adevarul.ro. Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  250. Herman, Robin (28 de março de 1976). «Gymnast Posts Perfect Mark» New York Times [S.l.] Consultado em 13 de agosto de 2008. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons


Flag map of Romania.svg Roménia
História • Política • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens