República Popular da Mongólia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Mongolian People's Republic.svg
Бүгд Найрамдах Монгол Ард Улс
Bügd Nairamdakh Mongol Ard Uls

República Popular da Mongólia
Flag of Mongolia (1911-1921).svg
 
Flag of Mongolia (1911-1921).svg
1924 – 1992 Flag of Mongolia.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Hino nacional


Localização de Mongólia
Continente Ásia
Capital Ulaanbaatar
Língua oficial Mongol
Governo Estado socialista
Estado comunista
História
 • 1924 Fundação
 • 1992 Dissolução
Área
 • 1992 1 564 116 km2
População
 • 1992 est. 2 318 000 
     Dens. pop. 1,5 hab./km²

A Mongólia (Mongólia : Монгол Улс ; Mongol Uls), também conhecida como Mongólia Exterior, oficialmente a República Popular da Mongólia República Popular da Mongólia (mongol: Бугд Найрамдах Монгол Ард лс, БНМАУ) foi um Estado socialista na Ásia Central, que existiu entre 1924 a 1992, dando lugar ao atual estado da Mongólia, em 1992. Foi governado pelo Partido Revolucionário do Povo da Mongólia e manteve vínculos estreitos com a União Soviética ao longo de sua história.

Em 1924, a República Popular da Mongólia foi declarada e a política mongol começou a seguir os mesmos padrões de política soviética da época. Após o colapso dos regimes comunistas na Europa Oriental no final de 1989, a Mongólia viu a sua própria Revolução Democrática no início de 1990, que levou a um sistema multipartidário, uma nova constituição em 1992, e - em bruto - a transição para uma economia de mercado.

Geograficamente, foi limitado pela República Popular da China (RPC) ao sul, à União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) ao seu norte.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

De 1691 a 1911, a Mongólia Exterior foi governada pela dinastia Qing. Na primeira década do Século XX, o governo Qing começou a implementar as chamadas Políticas Novas, visando uma maior integração da Mongólia Exterior. Perturbados com a perspectiva da colonização semelhante aos desenvolvimentos na Mongólia Interior, durante o Século XIX, a nobreza da Mongólia se voltou para o apoio do Império Russo.

Em agosto de 1911, uma delegação Mongol foi para São Petersburgo e obteve a promessa de suporte limitado. Quando eles retornaram, a Revolução Xinhai que eventualmente levou ao colapso da dinastia Qing começou.

Em 29 de dezembro de 1911, Jeptsundamba Khutughtu foi declarado governante da Mongólia Autonôma e assumiu o título Bogd Khan. Khuree, como a sede do Jebtsundamba Khutugtu, foi a escolha lógica para a capital do novo estado.

As tentativas de incluir a Mongólia Interior ao novo estado falharam por diversas razões, incluindo a fraqueza militar dos mongóis interiores para alcançar a sua independência, a falta de auxílio russo a estes (A Rússia estava presa em assuntos da Mongólia Interior por tratados secretos com o Japão), e a falta de apoio de uma parte dos nobres e do alto clero da Mongólia Interior. No Acordo de Kyakhta em 1915, a China, Rússia e Mongólia concordaram sobre o estatuto da Mongólia como uma região autônoma sob a soberania chinesa.

Revolução nas Estepes[editar | editar código-fonte]

Em 1919, Khuree foi ocupada pelas tropas do caudilho chinês Xu Shuzheng, que prendeu o Bogd Khan e forçou aos nobres mongóis e clérigos a renunciarem a autonomia completamente.

Durante a ocupação chinesa foi fundado o Partido Popular da Mongólia Revolucionárias (MPRP), que procurou a ajuda da Rússia Soviética (surgida após a Revolução Russa) para lutar contra os chineses. 

Em 4 de fevereiro de 1921, uma força mista entre os russos e mongóis - liderada pelo membro do Exército Branco - Roman Ungern von Sternberg - capturou a capital mongol, liberando o Bogd Khan da prisão chinesa e matando uma parte da guarnição chinesa. A captura de Urga pelo barão do Exército Branco foi seguida por um domínio de pequenas gangues na Mongólia formada por soldados chineses desmoralizados e, ao mesmo tempo, saques e assassinatos de estrangeiros, incluindo um pogrom vicioso que matou parte da comunidade judaica. 

Em 22 de fevereiro de 1921, Bogd Khan foi mais uma vez elevado ao Grande Khan da Mongólia, em Urga. No entanto, ao mesmo tempo que o barão foi assumindo o controle de Urga, a força comunista mongol, liderada por Damdin Sükhbaatar, estava se formando na Rússia Soviética, e em março eles cruzaram a fronteira. Ungern e seus homens avançaram em maio para atender as tropas comunistas mongóis e russas, mas sofreu uma derrota desastrosa em junho. Em julho, o exército comunista soviético-mongol tornou-se a segunda força de conquista em seis meses a entrar em Urga. A Mongólia foi para o controle da Rússia Soviética.

O MPRP formou um novo governo, mas nominalmente foi mantido o Bogd Khan como chefe de Estado. Depois da morte deste último foi proclamada oficialmente a República Popular da Mongólia em 26 de novembro de 1924.

Em 29 de outubro de 1924, a capital foi renomeada para Ulaanbaatar (em mongol: "herói vermelho"), pelo conselho de TR Ryskulov, o representante soviético na Mongólia.

Consolidação da República Popular da Mongólia (1924-1939)[editar | editar código-fonte]

Entre 1925 e 1928 o novo governo tornou-se um regime estabelecido, começando com planos de coletivização da agricultura, bem como a desapropriação de terras da nobreza e do clero. Assim como a proibição total da iniciativa privada foi decretada pelo regime. A partir de 1932, a Mongólia passa a seguir as diretrizes definidas pela União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) de planificação e elaborando um sistema de metas com duração estipulada em cinco anos, os chamados planos quinquenais, e dando ênfase ao setor energético e de indústrias pesadas, de bens de capital. Em 1936, especialmente após os invasão japonesa, a URSS direcionou tropas do Exército Vermelho em território mongol com vistas a frear o expansionismo japonês na região e proteger o regime instalado em .

Em 1936 , Stalin ordenou a remoção de instituições budistas na Mongólia, tornando o país parte do que foi chamado Grande Expurgo , por Stalin nos anos 1930 . Expurgos levou à erradicação quase completa do budismo tibetano no país, e custam cerca de 30.000-35.000 vidas,  equivalentes a aproximadamente cinco por cento do total da população da Mongólia.

Segunda Guerra Mundial (1939-1945)[editar | editar código-fonte]

Durante a Segunda Guerra Mundial, devido a uma ameaça japonesa crescente na fronteira entre a Mongólia e a Manchúria, a União Soviética inverteu o curso do socialismo mongol em favor de uma nova política econômica de construção da defesa nacional. 

Em 29 de julho de 1938, os japoneses invadiram a União Soviética e foram combatidos na Batalha do Lago Khasan. Apesar da vitória soviética, os japoneses consideraram-na um empate inconclusivo e em 11 de maio de 1939 decidiram mudar a fronteira japonesa-mongol até o rio Khalkhin Gol pela força. Após sucessos iniciais do ataque japonês à Mongólia, o Exército Vermelho infligiu a primeira derrota importante do Exército de Guangdong.

Como resultado da derrota japonesa em Khalkhin Gol, o Japão e a União Soviética assinaram em 13 de abril de 1941um pacto de neutralidade, semelhante ao pacto germano-soviético de não-agressão. Na parte central do mesmo, se estabelecia a neutralidade das partes em caso de guerra entre elas com outro país, por um período de cinco anos. No mesmo tratado, se estabelecia a integridade territorial da Mongólia e de Manchukuo, comprometendo cada país a respeitar ambas. O Exército de Kwantung recebeu um duro golpe ao seu prestígio e o Japão abandonou a ideia de enfrentar sozinho a União Soviética sem o apoio alemão.

Depois de 1941, a economia da Mongólia foi direcionada para o apoio total na defesa da União Soviética, incluindo o fornecimento de recursos para manutenção de várias unidades militares soviéticas. O historiador russo V. Suvorov escreveu que a ajuda da Mongólia durante a guerra soviético-alemão era tão importante quanto a ajuda do Estados Unidos porque as roupas quentes eram muitas vezes decisivo para a vitória em batalhas no frio da frente oriental.  Além da disponibilização de voluntários para lutarem junto com o Exército Vermelho contra as Potências do Eixo na Europa. 

No verão de 1945, a União Soviética usou a Mongólia como uma base para lançar a Operação Tempestade de Agosto na Manchúria, um ataque bem sucedido contra os japoneses. A operação trouxe para o território mongol, 650.000 soldados soviéticos com grandes quantidades de equipamento. O Exército mongol desempenhou um papel limitado no apoio contra os japoneses no conflito, mas a sua participação deu a Josef Stalin (líder soviético) os meios para forçar a China a aceitar a independência da Mongólia.

Reconhecimento Internacional (1945)[editar | editar código-fonte]

A Conferência de Yalta de fevereiro de 1945 definiu a entrada da União Soviética na Guerra do Pacífico contra o Japão. Uma das condições soviéticas de participação no conflito, apresentado em Yalta, foi que depois da guerra a Mongólia Exterior iria manter o seu "status quo". O significado preciso desse "status quo" tornou-se um ponto de discórdia nas negociações sino-soviéticas em Moscou, no verão de 1945, entre Josef Stalin e o líder nacionalista Chiang Kai-shek.

Stalin insistiu no reconhecimento por parte da República da China da independência da Mongólia Exterior, algo que já tinha de facto, mesmo mantendo-se parte da China de jure. Chiang Kai-shek resistiu à ideia, mas finalmente cedeu. No entanto, Chiang conseguiu extrair a promessa de Stalin de abster-se de apoiar o Partido Comunista da China, em parte como contrapartida dele de renunciar à Mongólia Exterior.

Assim, o Tratado Sino-Soviética garantiu a independência da Mongólia Exterior, mas também acabou com as esperanças de Khorloogiin Choibalsan de se unir a Mongólia Exterior com a Mongólia Interior, que permaneceu nas mãos de China como uma província. Neste sentido, o Tratado Sino-Soviética marcou a divisão permanente da Mongólia em República Popular da Mongólia (Mongólia Exterior) e a província da República da China (Mongólia Interior). 

A Mongólia e a Guerra Fria (1945-1985)[editar | editar código-fonte]

Seguro nas suas relações com Moscou, o governo da Mongólia aprovou o desenvolvimento do pós-guerra, com foco na indústria civil. A Mongólia era neste momento um dos países mais isolados no mundo, tendo quase nenhum contato com qualquer país fora a União Soviética. 

O planejamento urbano começou na década de 1950, e a maior parte da capital é hoje o resultado da construção resultante entre 1960-1985. O Transmongolian Railway, ligando Ulaanbaatar com Moscou e Pequim, foi concluído em 1956, e cinemas, teatros e museus foram também construídos. Por outro lado, a maioria dos templos e mosteiros foram destruídos na sequência dos expurgos anti-religiosos, no final dos anos 1930.

Após a guerra, os laços internacionais foram expandidos e a Mongólia teve relações estabelecidas com a Coreia do Norte e os novos estados comunistas da Europa Oriental. 

A República Popular da China (RPC) reconheceu a Mongólia em 1949, e a China renunciou todas as reivindicações territórias na Mongólia Exterior.

Em 1952, Choibalsan morreu em Moscou, onde ele havia sido submetido a tratamento para câncer. Ele foi sucedido como primeiro-ministro por Yumjaagiin Tsedenbal. Ao contrário de seu predecessor, Tsedenbal estava animado com a inclusão da Mongólia como uma República Socialista integrante da União Soviética. No entanto, a ideia encontrou forte oposição de outros membros do Partido Comunista e foi abandonada.

Nos anos 1950, as relações entre a China e a Mongólia melhoraram consideravelmente. A RPC forneceu apoio financeiro necessário para a construção de indústrias inteiras em blocos de Ulaanbaatar e apartamentos. Milhares de trabalhadores chineses envolvidos nesses projetos ficaram na Mongólia até 1962, quando a China pressionou os mongóis a romperem com Moscou no momento do agravamento das relações sino-soviética.

Após o início da disputa Sino-Soviética, Mongólia hesitou brevemente, mas logo assumiu uma posição pró-soviético, sendo um dos primeiros países socialistas a adotar a posição soviética na luta com a China.

A escalada militar na fronteira entre a China e a Mongólia começou em 1963. Em dezembro de 1965, o Politburo da Mongólia pediu à União Soviética a instalação de tropas do Exército Vermelho na Mongólia. Em janeiro de 1966, com a visita de Leonid Brejnev à Mongólia, os dois países assinaram um tratado de assistência mútua, abrindo o caminho para a presença permanente de tropas soviéticas no país. Em fevereiro de 1967, depois de semanas de agravamento das tensões sino-soviética, Moscou aprovou oficialmente o estacionamento do 39º regimento do Exército soviético na Mongólia.

Com incentivo soviético, a Mongólia aumentou sua participação nos espaços internacionais comunistas - organizações e conferências internacionais patrocinadas. Em 1955, a Mongólia tentou se juntar à Organização das Nações Unidas (ONU), mas o pedido foi vetado pela República da China (Taiwan). No entanto, a República Popular da Mongólia tornou-se membro da ONU em 1961, após a União Soviética intervir e garantir sua entrada.

As relações diplomáticas com os Estados Unidos da América (EUA) só foram estabelecidas após o final da Guerra Fria. 

A República Popular da Mongólia tornou-se um pomo de discórdia entre a União Soviética e a China Comunista após a ruptura sino-soviética, devido à presença de armas nucleares soviéticas no país.

No início dos anos 1980, Tsedenbal tornou-se cada vez mais autoritário e errático. Após uma série de expurgos desnecessários dentro do partido, foi expulso do cargo em agosto de 1984, sob o pretexto de "velhice e incapacidade mental". Tsedenbal retirada do apoio soviético tinha plena e retirou-se para Moscou, onde viveu até sua morte por câncer em 1991. 

Jambyn Batmönkh assumiu o cargo de Secretário-Geral e mergulhou com entusiasmo para as reformas implementadas na União Soviética por Mikhail Gorbachov.

Derrocada do Regime Comunista (1985-1992)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Revolução Democrática da Mongólia

Devido à imensa influência soviética na Mongólia, as reformas de Mikhail Gorbachev de Perestroika e Glasnost também afetaram a política e a vida no país. Entre 1987 e 1991, a URSS retirou gradualmente as tropas soviéticas e sua assistência técnica e financeira, a fim de restaurar a soberania política da Mongólia. Com a queda do comunismo na Europa em 1989, imediatamente desencadeou uma série de manifestações em todo o país.

Ulaanbaatar foi o local de manifestações que levaram à transição da Mongólia para a democracia e economia de mercado em 1990. Em 10 de dezembro de 1989, manifestantes ao redor do Centro de Cultura Jovem pediam a não-implementação do Perestroika e do Glasnost em seu sentido pleno. Líderes dissidentes exigiam eleições livres e a reforma econômica. Em 14 de janeiro de 1990, os manifestantes, tendo crescido de duas centenas a mais de mil, se reuniram no Museu Lenin em Ulaanbaatar. A manifestação na Praça em 21 de janeiro seguiu. Posteriormente, as manifestações do fim de semana em janeiro e fevereiro foram realizadas acompanhadas pela formação dos primeiros partidos de oposição da Mongólia. Em 7 de março, dez dissidentes reunidos no Sükhbaatar Square iniciaram uma greve de fome. Milhares de simpatizantes se juntaram a eles. Em 8 de março, outras pessoas aderiram à manifestação, e a multidão cresceu mais indisciplinada; setenta pessoas ficaram feridas e um morto. No dia 9 de março, o Partido Popular da Mongólia renunciou ao governo. O governo provisório anunciou primeiras as eleições livres da Mongólia, que foram realizadas em julho. O Partido Popular da Mongólia ganhou a eleição e retomou o poder.

Posteriormente, a política externa e de defesa mudou profundamente, mantendo relações amistosas com a Federação Russa e a República Popular da China e colocando como uma prioridade a independência política da Mongólia e o não alinhamento a nenhum dos dois países.

A democracia foi consolidada com a vitória da oposição nas eleições legislativas de 1996. Uma nova constituição foi aprovada em 1992, instituindo o regime presidencialista de governo e garantindo a democracia o direito à propriedade privada. Além da mudança do nome do país para República da Mongólia.

Lei[editar | editar código-fonte]

O arcabouço legal foi definido pela Constituição da República Popular da Mongólia (Mongol : Бүгд Найрамдах Монгол Ард Улсын Үндсэн Хууль) até 1992.  

Sucessivamente, existiram três versões originárias de 1924, 1940 e 1960 - respectivamente.

Economia[editar | editar código-fonte]

Período Pré-Revolucionário (até 1921)[editar | editar código-fonte]

Na véspera da Revolução de 1921, a Mongólia tinha uma economia subdesenvolvida e estagnada baseada na criação de animais nômades. A agricultura e a indústria eram quase inexistentes. O transporte e as comunicações eram primitivos, os serviços bancários e o comércio estavam quase exclusivamente nas mãos dos chineses ou de outros estrangeiros. 

A maioria das pessoas eram pastoras nômades analfabetas e uma grande parte da força de trabalho masculina vivia nos mosteiros, contribuindo pouco para a economia. A Propriedade, sob a forma de gado, era principalmente de aristocratas e mosteiros. Os demais setores da economia era dominada por chineses ou por outros estrangeiros.

Com a Revolução Socialista de 1921 e instalação da República Popular da Mongólia, o desenvolvimento econômico da Mongólia sob controle comunista pode ser dividido em três períodos: 1921-1939; 1940-1960; e 1961 até 1992.

Transformação Democrática Geral (1921 - 1939)[editar | editar código-fonte]

Durante o primeiro período, que o governo da Mongólia chamou de estágio de "transformação democrática geral", a economia permaneceu principalmente agrária e subdesenvolvida. 

Após uma tentativa abortiva de coletivizar pastores, o gado permaneceu em mãos privadas. O Estado começou a desenvolver a indústria com base no processamento de produtos de pecuária e cultivo em fazendas estatais. O transporte, as comunicações, o comércio interno e externo e o setor bancário e financeiro foram nacionalizados com a assistência soviética. Toda a economia era controlada pelo Estado e por organizações cooperativas ou empresas mongol-soviéticas. 

A capital, Ulaanbaatar, tornou-se o centro industrial da nação.

Construção dos Fundamentos do Socialismo (1940 - 1960)[editar | editar código-fonte]

Durante o segundo período, chamado "construção dos fundamentos do socialismo", a agricultura foi coletivizada, e a indústria foi diversificada em mineração, processamento de madeira e produção de bens de consumo. 

O planejamento central da economia começou em 1931 com um plano abortivo de cinco anos e com planos anuais em 1941.

Os planos quinquenais começaram de novo com o Primeiro Plano Quinquenal (1948-52). Com ajuda técnica e financeira soviética e chinesa (depois de 1949), a Mongólia prosseguiu rumo ao desenvolvimento com a construção da estrada de ferro Transmongol- a estrada de ferro Ulaanbaatar - e vários projetos industriais. Embora o desenvolvimento industrial ainda estivesse concentrado em Ulaanbaatar, a descentralização econômica começou com a conclusão da Estrada de Ferro de Ulaanbaatar e o estabelecimento de fábricas de processamento de alimentos em centros espalhados pelo país.

Conclusão da Construção da base material e técnica do Socialismo (1961 - 1992)[editar | editar código-fonte]

A terceira etapa, que o governo chamou de "conclusão da construção da base material e técnica do socialismo", viu uma maior industrialização e crescimento agrícola, auxiliado em grande parte pela adesão da Mongólia ao Conselho de Assistência Econômica Mútua (COMECON) em 1962.

Após a ruptura sino-soviética, a ajuda chinesa cessou. Entretanto houve a continuidade e ampliação da assistência financeira e técnica da União Soviética e dos países da Europa Oriental na forma de créditos, conselheiros e joint ventures. O que permitiu à Mongólia modernizar e diversificar a indústria, particularmente na mineração. 

Novos centros industriais foram construídos em Baganuur, Choibalsan, Darkhan e Erdenet, e a produção industrial aumentou significativamente. 

Embora a criação de animais estivesse estagnada, a produção de culturas aumentou dramaticamente com o desenvolvimento de terras virgens por fazendas estatais.

O comércio externo com as nações do COMECON cresceu substancialmente. Os sistemas de transporte e comunicação foram melhorados, ligando os centros populacionais e industriais e se estendendo a áreas rurais mais remotas. 

No final da década de 1980, a Mongólia se tornou uma economia agrícola-industrial, mas as ineficiências de uma economia centralmente planejada e administrada e o exemplo da Perestroika na União Soviética levaram os líderes da Mongólia a realizar um programa de reforma para uma economia de mercado e sem interferência do Estado em alguns setores da economia.

Exército do Povo Mongol[editar | editar código-fonte]

O Exército do Povo Mongol (Mongol: Монголын Ардын Арми, ou Монгол Ардын Хувьсгалт Цэрэг) ou Exército Revolucionário Popular da Mongólia foi fundado em 18 de março de 1921 como um exército secundário sob a liderança do Exército Vermelho da URSS, durante a década de 1920 e durante a Segunda Guerra Mundial.

O objetivo militar da Mongólia foi a defesa nacional, a proteção dos estabelecimentos comunistas locais e a colaboração com as forças soviéticas em futuras ações militares contra inimigos externos, até a Revolução Democrática de 1990.

A polícia secreta da Mongólia agia como administradora dos assuntos internos do país e representou o poder real no país, embora sob orientação direta da União Soviética.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.