República Socialista Federativa da Iugoslávia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Socijalistička Federativna Republika Jugoslavija
República Socialista Federativa da Iugoslávia
Free Territory Trieste Flag.svg
 
Flag of the Kingdom of Yugoslavia.svg
1945 – 1992
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Hino nacional
Hej Sloveni


Localização de Jugoslávia
Continente Europa
Região Europa Oriental
País Iugoslávia
Capital Belgrado
Língua oficial Servo-croata
Esloveno
Macedônio
Governo Federação
Estado socialista
Unipartidarismo
História
 • 2 de dezembro de 1945 Fundação
 • 28 de Abril de 1992 Dissolução
População
 • 1989 est. 23,724,919 
Moeda Dinar iugoslavo
Precedido por
Sucedido por
Free Territory Trieste Flag.svg Território Livre de Trieste
Flag of the Kingdom of Yugoslavia.svg Reino da Iugoslávia
República Federal da Jugoslávia Flag of FR Yugoslavia.svg
República da Bósnia e Herzegovina Flag of Bosnia and Herzegovina (1992-1998).svg
Croácia Flag of the Republic of Croatia in 1990.svg
Eslovénia Flag of Slovenia.svg
República da Macedônia Flag of the Republic of Macedonia 1992-1995.svg

A República Socialista Federativa da Iugoslávia (português brasileiro) ou Jugoslávia (português europeu) (Социјалистичка Федеративна Република Југославија em sérvio; Socijalistička Federativna Republika Jugoslavija em croata; e Socialistična Federativna Republika Jugoslavija em esloveno) foi o Estado iugoslavo que existiu do término da Segunda Guerra Mundial (2 de dezembro de 1945) até o fim da Guerra Fria em 1992.[1][2][3]

Com a forma de governo de uma república comunista, o país era constituído pela união federal de seis repúblicas: Sérvia, com as regiões autônomas de Kosovo e Voivodina; Croácia; Montenegro; Eslovénia; Bósnia e Herzegovina e Macedónia. Ao longo da Guerra Fria, a República Socialista Federativa da Iugoslávia foi um membro importante do Movimento Não-Alinhado.

História[editar | editar código-fonte]

Formado em 1945 a partir do que havia sido, antes da guerra, o Reino da Iugoslávia, o país adotou, a princípio, o nome Iugoslávia Democrática Federal. Em 1946, seu nome foi alterado para República Federativa Popular da Iugoslávia e novamente, em 1963, para República Socialista Federativa da Iugoslávia.

O primeiro presidente do novo Estado foi Ivan Ribar, com Josip Broz Tito como primeiro-ministro. Em 1953, Tito foi eleito presidente e posteriormente, em 1963, indicado presidente vitalício.

Desintegração[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Desintegração da Iugoslávia

As repúblicas que formavam a antiga Iugoslávia começaram a demonstrar um desejo de maior autonomia, fim do partido único e a instalação de uma democracia. Em junho de 1991, Eslovênia e Croácia declararam independência e fizeram eleições presidenciais. Em 18 de setembro, seguindo o exemplo desses países, a Macedônia também declarou sua independência. Quase um mês depois, em 15 de outubro, a Bósnia e Herzegovina fez o mesmo, mas, neste último caso, ocorreu um grave conflito.[4]

O governo da Bósnia foi entregue a um governante muçulmano, enquanto que um 1/3 da população do país era cristã-ortodoxa. A Organização das Nações Unidas tentou intervir, mas de nada adiantou. O conflito só teve fim em 1995, quando os Estados Unidos intervieram, exigindo que Milosevic desse um fim ao maior conflito étnico-religioso ocorrido na região, com mais de 250 mil mortos.[carece de fontes?]

No ano de 1992, a União Europeia reconheceu todas as nações como independentes. No restante da Iugoslávia, através de um plebiscito, foi decidido que o país passaria a se chamar República Federal da Iugoslávia. Na província do Kosovo, aproximadamente 90% da população era albanesa, e 10% era sérvia. Em 1998, os albaneses do Kosovo fizeram um movimento para que fossem separados da Iugoslávia, mas o exército reagiu violentamente. A Organização do Tratado do Atlântico Norte pressionou Milosevic para pôr fim aos ataques. Por 78 dias, a OTAN, liderada pelos Estados Unidos, lançou ataques que causaram muita destruição. Milosevic foi submetido a julgamento em tribunal internacional. Por essa altura, toda a região estava com uma difícil situação econômica e Kosovo passou a ser administrado pela ONU.[carece de fontes?]

De toda a iugoslávia, só restaram Sérvia e Montenegro, que em 2003 fundaram o Estado da Sérvia e Montenegro. Em 21 de maio de 2006, um plebiscito, no qual 55,5% dos montenegrinos expressaram o desejo de separação. Em 3 de junho de 2006, Montenegro declarou-se independente, e com isso a Iugoslávia foi formalmente extinta. Dois dias após a independência de Montenegro, a Sérvia declarou-se também independente.[carece de fontes?]

Divisões administrativas[editar | editar código-fonte]

São as seguintes as repúblicas constituintes:

Nome
Capital
Bandeira
Brasão de armas
Localização
República Socialista da Bósnia e Herzegovina Sarajevo
Flag of SR Bosnia and Herzegovina.svg
Coat of Arms of the Socialist Republic of Bosnia and Herzegovina.svg
República Socialista da Croácia Zagreb
Flag of SR Croatia.svg
Coat of Arms of the Socialist Republic of Croatia.svg
República Socialista da Macedônia Skopje
Flag of the SR Macedonia.svg
Coat of arms of Macedonia (1946-2009).svg
República Socialista de Montenegro Titogrado, agora Podgorica
Flag of SR Montenegro.svg
Coat of Arms of the Socialist Republic of Montenegro.svg
República Socialista da Sérvia
Província Socialista Autônoma do Kosovo
Província Socialista Autônoma da Voivodina
Belgrado
Priština
Novi Sad
Flag of SR Serbia.svg
Coat of Arms of the Socialist Republic of Serbia.svg
República Socialista da Eslovênia Ljubljana
Flag of SR Slovenia.svg
Coat of Arms of the Socialist Republic of Slovenia.svg

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. John Hladczuk (1 January 1992). International Handbook of Reading Education Greenwood Publishing Group [S.l.] pp. 454–. ISBN 978-0-313-26253-1. 
  2. Gavro Altman (1978). Yugoslavia: A Multinational Community Jugoslovenska stvarnost [S.l.] 
  3. Jan Bruno Tulasiewicz (1971). Economic Growth and Development: A Case Study Morris Print. Company [S.l.] 
  4. Dejan Jović. Yugoslavia: a state that withered away. Purdue University Press, 2009. p. 21.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]