República Socialista da Macedónia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa



Социјалистичка Република Македонија
República Socialista da Macedónia

Nação constituinte da República Socialista Federal da Iugoslávia

Flag of Yugoslavia (1918–1941).svg
 
Flag IMARO.svg
1944 – 1991 Flag of Macedonia.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Macedónia
Localização da Macedónia na Yugoslavia
Continente Europa
Região Bálcãs
País Iugoslávia
Capital Escópia
Língua oficial macedónio
Governo República socialista
Período histórico Guerra fria
 • 1944 Fundação
 • 1991 Dissolução
Área
 • 1991 25 713 km2
População
 • 1991 est. 2 033 964 
     Dens. pop. 79,1 hab./km²
Moeda Dinar iugoslavo

A República Socialista da Macedónia ou República Socialista da Macedônia (em macedónio: Социјалистичка Република Македонија, transl. Socijalistička Republika Makedonija) foi uma nação constituinte da extinta República Socialista Federal da Iugoslávia.[1] Foi formada em 1944 e dissolvida em 1991.[2][3]

Após a transição do sistema político para a democracia parlamentar em 1990, a República mudou seu nome oficial para República da Macedônia em 1991,[4] e com o início do desmembramento da Iugoslávia, declarou-se um país independente em 8 de setembro de 1991.

Formação[editar | editar código-fonte]

O primeiro estado macedônico foi oficialmente proclamado sob o nome de Federação Democrática da Macedônia (Macedônio: Демократска Федерална Македонија, transliteração Demokratska Federalna Makedonija) na Primeira Sessão Plenária da Assembléia Antifascista para a Libertação Popular da Macedônia (ANSOM) durante a Guerra de Libertação Nacional da Macedônia na Segunda Guerra Mundial.[5] Foi criado em 2 de agosto de 1944 na zona de ocupação búlgara na Iugoslávia.[6][7] Esta data é agora comemorada pelos macedônios étnicos como o dia em que eles foram autorizados a declarar sua nacionalidade. Foi escolhido intencionalmente, como foi a data da Revolta de Ilinden contra o domínio otomano em 1903. No entanto, após o recuo do exército búlgaro sob pressão do Sovjet, em 8 de setembro, nacionalistas de direita IMRO declararam estado fantoche macedônio pró-alemão.[8] No início de outubro de 1944, sob a liderança do novo governo pró-soviético da Bulgária, o exército búlgaro entrou novamente na Iugoslávia para bloquear as forças alemãs que se retiraram da Grécia.[9][10] Na Macedônia, os búlgaros operaram em conjunto com os combatentes do Exército Popular de Libertação da Macedônia.[11]

A Macedônia do Vardar foi liberada de fato dos alemães e de seus colaboradores no final de novembro de 1944, de modo que o ANSOM se tornou operacional em dezembro, logo após a retirada alemã. No entanto, em dezembro, os nacionalistas albaneses anti-comunistas da Macedônia Ocidental tentaram permanecer no controle da região depois que os partisans iugoslavos anunciaram a vitória. Eles pretendiam resistir à incorporação da área à Iugoslávia comunista e, apenas no início de 1945,os partisans iugoslavos conseguiram estabelecer seu controle sobre a área montanhosa. No início de 1945, os partisans ainda estavam limpando as forças do Eixo e confiscando as partes restantes do território iugoslavo ocupado. No final de abril de 1945, as partes mais ao norte da Iugoslávia foram tomadas por eles. A natureza do novo estado iugoslavo ainda não estava clara imediatamente após a guerra. A Iugoslávia foi imaginada pelos partidários como uma "Federação Democrática", incluindo seis estados federais.[7] Quando a nomeação de Tito como primeiro-ministro foi aceita em 29 de novembro de 1945, a República Socialista Federal da Iugoslávia foi declarada, com sua constituição em vigor em 1946. Como resultado, a Macedônia mudou seu nome para República Popular da Macedônia e foi incorporada como uma república constituinte na Federação Iugoslava.

No entanto, algumas pessoas eram contra a federação e exigiam uma maior independência das autoridades federais, levando à sua perseguição. Uma das vítimas notáveis destes expurgos foi o primeiro presidente, Metodija Andonov-Čento. Por outro lado, os sentimentos nacionais macedônios estavam maduros naquela época, mas alguns pesquisadores argumentam que, mesmo assim, era questionável se a maioria dos eslavos macedônios se considerava de uma nacionalidade separada dos búlgaros.[12] Para eliminar os remanescentes dos sentimentos búlgaros, os comunistas iniciaram um notável processo de construção da nação.[13] Assim, as pessoas que eram em algum grau pró-búlgaros foram expurgadas de suas posições, depois isoladas, presas e encarceradas por acusações fabricadas. Estima-se que o número de vítimas seja de 50 mil pessoas, incluindo as que foram mortas, presas, deportadas, enviadas para trabalhos forçados, torturadas etc. Mais expurgos ocorreram após a ruptura Tito-Stalin.

O estado foi formado no território da Macedônia do Vardar, uma parte da região geográfica mais ampla da Macedônia, que foi dividida entre vários países. Alguns políticos de etnia macedônia da República defenderam a ideia da Macedônia Unida, que incluiria a Macedônia do Egeu (na Grécia) e a Macedônia de Pirin (na Bulgária). A ideia foi de certa forma apoiada pelas autoridades federais iugoslavas em algumas ocasiões, ou reprimida, dependendo da situação política regional e internacional.

Em 1963, o nome do estado foi mudado para a República Socialista da Macedônia.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A República Socialista da Macedônia ocupa o mesmo território da atual República da Macedônia. Era o quarto maior país constituinte da RSF Iugoslávia, tanto por área como por população. Dentro da Iugoslávia, tinha uma fronteira interna com a República Socialista da Sérvia no norte, e com a subunidade da Província Autônoma Socialista do Kosovo nas fronteiras noroeste, e fronteiras internacionais com a Grécia a sul, a República Popular da Bulgária a leste e a República Socialista Popular da Albânia, a oeste.

Sua região é montanhosa, com vales férteis excelentes para culturas temperadas. Existem 1.100 grandes fontes de água. Os rios correm em três bacias diferentes: Do mar Egeu, mar Adriático e o mar Negro. [14]

Constituição[editar | editar código-fonte]

Segundo a Constituição da República Socialista da Macedônia de 1974, a república era definida como um estado-nação dos macedônios étnicos e também de suas minorias étnicas, e tinha alguns poderes normalmente associados a um estado independente.[1] A Constituição também reconhecia o direito de autodeterminação e de secessão. As fronteiras da República Socialista da Macedônia só poderiam ser mudadas por uma decisão do parlamento da república. Seus habitantes possuíam cidadania iugoslava e cidadania interna macedônica para negócios estatais.[1]

A República Socialista da Macedônia tinha sua própria constituição, presidência, governo, parlamento, língua oficial, símbolos do Estado, Academia de Ciências e Artes da Macedônia, Secretaria de Assuntos Internos (Ministério do Interior), Secretaria de Relações Exteriores (Ministério dos Negócios Estrangeiros), além de outras prerrogativas de Estado.[15] Além disso, a República Socialista da Macedônia tinha suas próprias forças armadas de Defesa Territorial (em macedônio: Територијална одбрана, Teritorijalna odbrana).[16]

Sistema[editar | editar código-fonte]

A República Socialista da Macedônia era um estado comunista de partido único, o partido político dominante era a Liga dos Comunistas da Macedônia (em macedônio: Сојуз на Комунистите на Македонија, Sojuz na Komunistite na Makedonija, abreviação: СКМ, SKM). Sendo um país constituinte da RSF Iugoslávia, um dos principais fundadores do Movimento dos Países Não-Alinhados, a Macedônia seguiu uma política externa neutra e manteve um sistema comunista mais liberal em comparação com os outros estados comunistas. A ideologia dominante foi baseada no Titoísmo e na autogestão dos trabalhadores (macedônio: самоуправување, samoupravuvanje).

Minorias[editar | editar código-fonte]

Enquanto os macedônios étnicos eram a maioria e eram uma das nações constituintes da RSF Iugoslávia (termo oficial: narod) os direitos das minorias étnicas (termo oficial: narodnosti) eram garantidos pela Constituição.[1] A língua oficial do RS Macedônia era o macedônio, no entanto, os albaneses macedônios e os macedônios turcos tinham o direito de usar as suas próprias línguas dentro do sistema escolar e na mídia.[17][18] A constituição da RS Macedônia definiu o estado como o estado nacional dos macedônios étnicos, mas também como o estado dos albaneses e dos turcos.[18]

Desde a formação da Macedônia iugoslava, foram levantadas acusações de que as novas autoridades estavam perseguindo pessoas que não apoiavam a formação da nova identidade nacional macedônia.[19] O número das vítimas devido a assassinatos organizados de búlgaros não é claro. Fontes búlgaras afirmam que milhares de pessoas foram mortas depois de 1944 e que mais de 100.000 pessoas foram presas sob a "Lei para a proteção da honra nacional da Macedônia".[20] Na RS Macedônia a bulgarofobia alcançou o nível de ideologia do Estado.[21]

Religião[editar | editar código-fonte]

Embora os comunistas desencorajassem a religião, a liberdade religiosa era permitida até certo ponto. As autoridades permitiram a existência da Igreja Ortodoxa Macedônia, que proclamou sua autocefalia em 1967. Em 1972, começou a construção da maior igreja ortodoxa de São Clemente de Ohrid, na capital Escópia. Muçulmanos, católicos, protestantes e outras comunidades religiosas também poderiam manter suas próprias organizações e locais de culto.

Economia[editar | editar código-fonte]

Quando a Segunda Guerra Mundial terminou, a economia local começou a experimentar a revitalização por meio de subsídios federais de Belgrado. Os subsídios ajudaram a Macedônia a reconstruir sua indústria perdida e mudar sua economia centrada na agricultura para uma economia centrada na indústria, com novos corações industriais surgindo em todo o país, em Veles, Bitola, Shtip e Kumanovo. Anteriormente, Escópia era o único centro industrial na Macedônia.

No entanto, em 1991, era a república mais pobre da Iugoslávia (fornecendo apenas 5% do total da produção federal de bens e serviços).[22]

Transição para o capitalismo[editar | editar código-fonte]

Em 1990, a forma de governo mudou pacificamente de um estado socialista para uma democracia parlamentar. As primeiras eleições pluralistas realizaram-se no dia 11 de novembro de 1990. O partido comunista uma vez dirigente tomou uma direção reformista e renomeou-se Liga dos Comunistas da Macedônia - Partido para a Mudança Democrática, conduzido por Petar Gošev. Depois que o chefe da última presidência comunista Vladimir Mitkov renunciou, Kiro Gligorov se tornou o primeiro presidente democraticamente eleito da República Socialista da Macedônia em 31 de janeiro de 1991.[18]

Em 16 de abril de 1991, o parlamento adotou uma emenda constitucional removendo "Socialista" do nome oficial da entidade, e em 7 de junho de 1991, no mesmo ano, o novo nome, República da Macedônia, foi oficialmente estabelecido.[4] Após o início do processo de dissolução da Iugoslávia, a Macedônia emitiu uma Declaração de Soberania em 25 de janeiro de 1991 e, posteriormente, proclamou-se um país totalmente independente, após um referendo realizado em 8 de setembro de 1991.[23]

A República da Macedônia é o sucessor legal da República Socialista da Macedônia.

Chefes de instituições[editar | editar código-fonte]

Presidentes da ASNOM[editar | editar código-fonte]

  • Metodija Andonov-Čento
  • Lazar Kolisevski

Presidentes da Presidência do Parlamento[editar | editar código-fonte]

  • Lazar Kolisevski
  • Vidoe Smilevski

Presidentes do Parlamento[editar | editar código-fonte]

  • Dimche-Mire Stoyanov
  • Lazar Kolisevski
  • Ljupcho Arsov
  • Vidoe Smilevski
  • Mito Hadzivasilev
  • Nikola Minchev

Presidentes da Presidência[editar | editar código-fonte]

  • Vidoe Smilevski
  • Ljupcho Arsov
  • Angel Čemerski
  • Blagoja Talevski
  • Tome Bukleski
  • Vanco Apostolic
  • Dragoljub Stavrev
  • Jezdimir Bogdanski
  • Vladimir Mitkov

Primeiros ministros[editar | editar código-fonte]

  • Lazar Kolisevski (1945-1953)
  • Ljupcho Arsov (1953-1961)
  • Aleksandar Grlickov (1961-1965)
  • Nikola Minchev (1965-1968)
  • Xenote Bogoev (1968-1974)
  • Blagoja Popov (1974-1982)
  • Dragoljub Stavrev (1982-1986)
  • Gligorije Gogovski (1986-1991)

Presidente[editar | editar código-fonte]

Este posto foi criado em 1991 após a dissolução da presidência coletiva

  • Kiro Gligorov

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «Constituição da República Socialista da Macedônia, 1974» (PDF) (em macedónio). Diário Oficial da República da Macedônia 
  2. Tanner, Marcus (2001). Croatia : a nation forged in war 2nd ed. New Haven; Londres: Yale University Press. ISBN 0-300-09125-7 
  3. "New Power", Revista Time, 4 de dezembro de 1944
  4. a b «Neste dia» (em macedónio). Agência de Informação da Macedônia - MIA. Consultado em 4 de outubro de 2018 
  5. Cvetkovski, Cvetan. Escrito em Escópia. «História Constitucional da República da Macedônia». Faculdade de Direito. Centro de direito constitucional europeu (em inglês). Consultado em 4 de outubro de 2018 
  6. Bechev, Dimitar (2009). Dicionário Histórico da República da Macedônia (em inglês). Lahnam: Scarecrow Press. p. 240. ISBN 0810855658 
  7. a b Ramet, Sabrina P. (2006). As três Iugoslávias: construção do Estado e legitimação, 1918-2005 (em inglês). Bloomington: Indiana University Press. pp. 139–140. ISBN 0253346568 
  8. Troebst, Stefan (2007). O Século Macedônio: Do Início do Movimento Revolucionário Nacional ao Acordo de Ohrid 1893-2001 (em alemão). Munique: Oldenbourg Verlag. p. 234. ISBN 3486580507 
  9. Thomas, Nigel; Mikulan, K.; Pavlović, Darko (1995). Forças do Eixo na Iugoslávia 1941-1945 (em inglês). Oxford: Osprey Publishing. p. 33. ISBN 1-85532-473-3 
  10. Collier, Paul; O'Neill, Robert (2010). Segunda Guerra Mundial: o Mediterrâneo 1940-1945. Col: Segunda Guerra Mundial: Histórias Essenciais (em inglês). Nova Iorque: The Rosen Publishing Group. p. 77. ISBN 1-4358-9132-5 
  11. Tomasevich, Jozo (2001). Guerra e revolução na Iugoslávia, 1941-1945: ocupação e colaboração (em inglês). Stanford: Stanford University Press. p. 168. ISBN 0-8047-3615-4 
  12. Danforth, Loring M. (1997). O conflito macedônio: nacionalismo étnico em um mundo transnacional (em inglês). Princeton: Princeton University Press. pp. 65–66. ISBN 0-691-04356-6. Consultado em 4 de outubro de 2018 
  13. Zahariadis, Nikolaos (2005). Essência da manipulação política: emoção, instituições e política externa grega (em inglês). Berna: Peter Lang International Academic Publishers. p. 85. ISBN 0820479039 
  14. «Macedonia». Mymacedonia.net. Consultado em 28 de novembro de 2014 
  15. «TRADIÇÃO DIPLOMÁTICA» (em inglês). Ministério das Relações Exteriores da República da Macedônia. Consultado em 5 de outubro de 2018 
  16. [História do ARM «https://web.archive.org/web/20071010221106/http://www.morm.gov.mk:8080/morm/en/ARM/History/History4.html»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). Ministério da Defesa da República da Macedônia. Consultado em 5 de outubro de 2018  Ligação externa em |titulo= (ajuda)
  17. «DECISÃO da Assembléia Antifascista da Libertação Popular da Macedônia para a gestão da língua macedônia como língua oficial no estado macedônio, documento no. 8, 2 de agosto de 1944, Prohor Pčinjski, Método Andonov Čento (presidente ASNOM)» (em macedónio) 
  18. a b c Lidija, Arizankovska; Ljudmil, Spasov (2003). Vidovič-Muha, Ada, ed. Hierarquia de línguas na República da Macedônia e na República da Eslovênia de acordo com a política linguística da União Europeia (PDF). Língua literária eslovena - questões temáticas e experiências históricas: por ocasião do 450º aniversário da publicação do primeiro livro esloveno, a Coleção "Períodos - Métodos e Gêneros" (em esloveno). vol. 20. Liubliana: Departamento de Estudos Eslovenos da Faculdade de Letras da Universidade de Liubliana. pp. 161–169 
  19. Dejan, Djokić (2003). Iugoslavismo: Histórias de uma Idéia Fracassada, 1918-1992, (em inglês). Londres: Hurst & Co. Publishers. p. 122. ISBN 1-85065-663-0 
  20. Phillips, John (2004). Macedônia: senhores da guerra e rebeldes nos Bálcãs (em inglês). Londres: I.B. Tauris Publisher. p. 40. ISBN 186064841X 
  21. Maleska, Mirjana. «Com os olhos dos "outros"» (em inglês). New Balkan Politics. Consultado em 5 de outubro de 2018 
  22. «Fazendo negócios na Macedônia, ARJ» (em inglês). Banco Mundial. Consultado em 5 de outubro de 2018 
  23. «Declaração de soberania» (PDF) (em macedónio). Parlamento da República da Macedônia 
Ícone de esboço Este artigo sobre a história da Europa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.