EuroBasket

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Em reforma
Esta página está a ser reformulada neste momento por um ou mais editores.
A informação presente poderá mudar rapidamente e conter erros que estão a ser corrigidos. Este aviso não deve estar presente em artigos enciclopédicos durante longos períodos de tempo.
EuroBasket
FIBA Campeonato Europeu de Seleções
Temporada ou competição atual:
Temporada atual EuroBasket 2015
Esporte Basquetebol
Fundada 1935
Temporada inaugural 1935
Continente União Europeia FIBA Europa
Equipes 24
Atual campeão Espanha Espanha (3º título)
Maior campeão União das Repúblicas Socialistas Soviéticas União Soviética (14 títulos)
Site oficial Sítio Oficial

O EuroBasket é um campeonato de basquetebol masculino, organizado pela FIBA Europa, no qual se enfrentam as melhores seleções nacionais europeias. É disputado de dois em dois anos, tendo sua primeira edição ocorrido em 1935. Entre 1940 e 1945 não se realizou devido à Segunda Guerra Mundial. .

História[editar | editar código-fonte]

Os Anos 30[editar | editar código-fonte]

A Criação[editar | editar código-fonte]

A FIBA (Federação Internacional de Basquetebol; francês:Fédération Internationale Basketball) havia sido fundada em 1932, dois anos antes de ter o Basquetebol reconhecido como desporto olímpico pelo Comitê Olímpico Internacional e sendo admitido na programação dos Jogos Olímpicos de Verão de 1936 em Berlim.[1] Como preparação para torneio olímpico de 1936, a recém fundada entidade decidiu promover uma competição européia como evento-teste para 1935.[2]

A sede da FIBA ficava em Genebra, sendo assim o Secretário Geral William Jones agendou o torneio para maio de 1935 em Genebra, Suíça.[2] Dez equipes se inscreveram para o evento inaugural e houve apenas um jogo pré-classificatório entre Espanha e Portugal em Madri apitado pelo espanhol Mariano Manent. A Espanha venceu a partida por 33-12, mas mesmo com a arbitragem unilateral de um espanhol, ambas as equipes não culparam o árbitro por nada que ocorreu na partida e felicitaram-no ao término da partida.[3]

A Edição Inaugural[editar | editar código-fonte]

As dez equipes viajaram para Genebra de trem, tendo a Grécia sendo sentida como notável ausência devido problemas de ordem financeira.[3] A Espanha caminhava na mesma direção de desistência, quando nos últimos momentos o Gonzalo Aguirre, então presidente da Federação Espanhola de Basquete, conseguiu arrecadar os fundos necessários para a delegação participar do evento.[3]

Durante o desenrolar do torneio, verificou-se que a tabela era problemática e colocava cinco equipes entre os semifinalistas. Decidiu-se que Suíça e Itália fariam uma partida classificatória, sendo assim a equipe da casa se juntou à Espanha, Checoslováquia e Letônia nas semifinais. Enfim a Letônia que tinha desenvolvido bastante sua equipe com a chegada de instrutores do YMCA, triunfou sobre a Espanha e consagrou-se o primeiro campeão europeu.[4]

Seleção Lituana Campeão do EuroBasket 1937

O Poder Báltico[editar | editar código-fonte]

A FIBA optou como regra que o país campeão sediasse a próxima edição do torneio agendada para 1937 em Riga, Letônia.[4] Os organizadores escolheram como ginásio para a competição uma velha fábrica abandonada que foi restaurada e abriu capacidade para 3.000 expectadores. Os vizinhos da Letônia, a Lituânia estrearam na competição e capitaneados por Frank Lubin (Pranas Lupinas) conquistaram 1937 e 1939. Mais tarde com a anexação dos Estados Bálticos pela União Soviética, muitos dos membros das esquadras soviéticas era de origem báltica, letões, lituanos e estonianos.

A influência Africana[editar | editar código-fonte]

Atletas da Lituânia posando juntamente com o do Egito

Em 1937 a FIBA concedeu ppermissão o Egito para disputar o EuroBasket por causa da falta de adversários no continente africano. A conexão dos egípcios com o EuroBasket foi adensada em 1951 quando a competição foi sediada no Cairo e o Egito sagrou-se campeão.[5]

Problemas com Nacionalidade[editar | editar código-fonte]

Frank Lubin, Herói de duas nações e campeão do EuroBasket em 1937 e 1939

Um problema encontrado pela FIBA no primeiros anos era a "exportação" de norte-americanos disputando torneios nos Estados Unidos e na Europa. O caso mais contundente foi o do lituano Pranas Lupinas que havia disputado os Jogos Olímpicos de Verão em 1936 e sido campeão pelos Estados Unidos. A FIBA solicitou sua certidão de nascimento e os dirigentes lituanos produziram uma certidão com nascimento registrado em Kaunas. A FIBA não se convenceu e solicitou ao AAU (Amateur Athletics Association) uma certidão de Frank Lubin onde a data de nascimento era a mesma e os dados idem, porém o nascimento tinha se dado em Los Angeles. Quando a cópia chegou à FIBA o EuroBasket 1939 já havia terminado e logo veio a Segunda Guerra Mundial, pondo fim as possíveis sansões[6] .

Anos 40[editar | editar código-fonte]

Os anos pós-guerra[editar | editar código-fonte]

A Segunda Guerra Mundial tinha causado grandes prejuízos sócio-econômicos em toda a Europa e além disso o mapa do continente havia sofrido grandes mudanças. Uma das mais sentidas foi com os dois primeiros campeões do EuroBasket, Letônia e Lituânia, que foram anexados juntamente com a Estônia à União Soviética, e passaram a competir todos sobre bandeira soviética.[7]

A FIBA planejava organizar um campeonato em 1945 buscando acelerar a cura das mazelas sofridas durante os combates, porém as federações nacionais encontravam-se esfaceladas e muitos jogadores haviam prestado serviço militar.[7] O torneio acabou sendo realizado em 1946, novamente em Genebra, Suíça.

Dois jogadores notáveis neste período foram o italiano Giuseppe Stefanini, precursor do arremesso de jump, e checoslovaco Ivan Mrázek, pivô de 1,93m, que foi considerado durante muito tempo o melhor jogador europeu da história.[8]

No EuroBasket 1947, realizado em Praga, Checoslováquia foi a edição em que dois gigantes do basquetebol mundial estrearam, União Soviética e Iugoslávia, que conquistaram muitas medalhas em EuroBaskets, Jogos Olímpicos e Campeonatos Mundiais.[9] A União Soviética conquistou a medalha de ouro em sua estréia, e a Iugoslávia iniciou mais discretamente conquistando medalhas apenas em 1961.

Fato Curioso da Época[editar | editar código-fonte]

A União Soviética havia adquirido o direito de sediar o EuroBasket 1949 após ter vencido a edição de 1947, porém declinaram do direito e desistiram de organizar o evento.[10] A Checoslováquia que havia conquistado a medalha de prata havia sediado o evento em 1947 e coube ao Egito, medalha de bronze, a organização segundo as regras da FIBA na época.[10] Esse fator configurou o EuroBasket 1949 como o mais atípico da história, sendo que de oito equipes apenas cinco era do continente europeu e o Egito, que atualmente disputa o Afrobasket, conquistou o troféu. A debandada das potências europeias da época deu-se por causa das viagens aéreas que à época eram pouco seguras e justamente naquele ano houve a queda do avião com toda a equipe do Torino (conhecida como A Tragédia de Superga)[11] . Desta forma apenas a França que havia participado de todos os EuroBaskets disputou a edição.

Com a baixa adesão, Síria e Líbano foram persuadidos a participar para totalizar oito participantes. O torneio terminou com além da medalha de ouro do Egito, medalha de prata da França e a Grécia com a medalha de bronze.[10]

Anos 50[editar | editar código-fonte]

A Dinastia Soviética[editar | editar código-fonte]

Jānis Krūmiņš, o gigante soviético

Os Soviéticos conquistaram uma hegemonia jamais igualada nas quadras europeias, sendo que nos anos 50 conquistaram quatro em cinco edições disputadas com a incrível marca de 47 vitórias em 49 jogos disputados.[12] Foi apenas do EuroBasket 1955 em Budapeste que eles sofreram as duas derrotas e terminaram com a medalha de bronze.[12]

Os trunfos soviéticos couberam a lituano Stepas Butautas, cestinha no EuroBasket 1951 e o gigante e o letão Jānis Krūmiņš que possuía 2,13m enquanto a maioria dos grandes pivôs pouco superavam os dois metros de altura.[12] Em termos atléticos, talvez pouco Krūmiņš representasse frente aos pivôs da atualidade, porém na época certamente ele era intimidante. No final dos anos 50, além de Krūmiņš, havia Aleksandr Petrov com 2,08m, Viktor Zubkov com 2,04m e Gennadi Volnov e Yuri Korneev com 2,01m que certamente resultaram na dominância.[12]

Basquete ao ar-livre[editar | editar código-fonte]

As dificuldades do pós-guerra na Europa incluíam a ausência de recintos cobertos adequados para a prática do esporte, bem como a possibilidade de os fãs acompanharem as partidas. Aproveitando-se do fato de que o futebol sempre foi largamente praticado no velho continente, os EuroBaskets foram sediados em estádios abertos, com tablados elevados a exemplo do boxe para que as multidões acompanhassem as partidas.[13] A exceção ficou para o EuroBasket 1951 com a realização das partidas no Velódrome d'Hiver com capacidade para 12.000 expectadores no recinto usado para ciclismo indoor que sempre foi um esporte de predileção francesa.[13]

Nos tempos em que não havia teletransmissão, muitos aficionados se dirigiam para os estádios para ver o esporte sendo praticado ao vivo.[13] No EuroBasket 1957 com final no Estádio Nacional Vasil Levski em Sófia, Bulgária 48.000 expectadores assistiram a final entre União Soviética e a Bulgária.[13]

A FIBA definiu após o EuroBasket 1959 disputado em Istambul, Turquia que todas as sedes deveriam dispor de arenas cobertas.[13]

Anos 60[editar | editar código-fonte]

Um Novo Sistema de Competição[editar | editar código-fonte]

Até o EuroBasket 1961 a competição estava aberta para qualquer nação europeia que se inscrevesse, acarretando em crescentes dificuldades de organização pois o interesse de outros países participarem aumentava.[14] Isso mudou em 1961 tendo a FIBA instituído que todas as federações poderiam se inscrever nas fases classificatórias, as quais dariam o direito de participar da fase final entre 16 participantes.[14] Esta decisão entrou em vigor no EuroBasket 1963 disputado em Breslávia, Polônia.

Outra inovação que se mostrou um sucesso usado até hoje veio no EuroBasket 1965 que contou com mais de uma cidade-sede quando a organizadora União Soviética propôs dividir as rodadas preliminares entre Tbilisi e Moscou.[14]

A Fundação da Era Moderna do EuroBasket[editar | editar código-fonte]

Jogo entre Espanha e Polônia (de uniforme claro) no EuroBasket 1967

É considerado de maneira unanime que o EuroBasket 1967 realizado na Finlândia nas cidades de Helsínquia e Tampere como sendo o início da era moderna do EuroBasket, pois foi onde houve transmissão televisiva com vários veículos de comunicação enviando notícias e os jogos para toda a Europa. Os fãs e a mídia podia acompanhar os jogos de Helsínquia em Tampere por circuito fechado e as estatísticas ficavam disponíveis em ambas as sedes. Não é possível hoje imaginar transmissões de partidas profissionais sem qualidade na geração de imagens e a disposição de estatísticas, mas na época foi revolucionário.[15]

A Máquina Soviética[editar | editar código-fonte]

Diferentemente dos anos 50, nos anos 60 os soviéticos conquistaram todas as medalhas de ouro disputada nas edições. A hegemonia foi maculada apenas pela derrota na fase preliminar do EuroBasket 1969, vencidos pelos iugoslavos, mas restabeleceram-se nas fases mais derradeiras culminando na sétima medalha de ouro consecutiva. Ao todo foram 54 vitórias em 55 jogos[16]

Quem dirigia a seleção soviética era o lendário Alexander Gomelsky que além de contar com uma geração poderosíssima, criou um esquema de rodízio de jogadores para que não sobrecarregasse nenhum deles e mantivesse a equipe competitiva.[16] A altura dos alas e pivôs era notória e aliado a isso, tiveram excelentes armadores como o armênio Armenak Alachachian e mais para o final da década a chegada de Sergei Belov considerado um dos melhores jogadores da história do basquetebol europeu.[16]

O Despertar dos Iugoslavos[editar | editar código-fonte]

Os iugoslavos até a década de 60 não haviam conseguido resultados expressivos até a realização do EuroBasket 1961 em Belgrado, Iugoslávia.[17] Registros da época afirmam que 12.000 expectadores assistiram a final entre União Soviética e Iugoslávia, sendo que o basquetebol já era popular nos Balcãs, e viram uma geração capitaneada por Radivoj Korać, considerado o melhor jogador da Europa nesta época, e o armador Ivan Daneau enfrentaram a máquina soviética e foram vencidos por 60-53.[17]

Os Iugoslavos mantiveram-se no pódio durante a década de 60 com exceção do EuroBasket 1967 quando Ranko Zeravika, treinador visionário da Iugoslávia, decidiu tirar os veteranos da equipe e preparar a equipe para o futuro com média de idade de 22 anos. Em 67 em virtude da inexperiência dos atletas ficaram apenas com o sétimo lugar, mas conquistaram a medalha de prata no Jogos Olímpicos de Verão de 1968 na Cidade do México e surgiu um novo astro no elenco balcânico, Krešimir Ćosić.

O jovem Ćosić media 2,10 m, grande poder defensivo e versatilidade para jogar tanto dentro do garrafão, como fora.[17] Foi ele quem empurrou os iugoslavos para a vitória sobre os soviéticos em 1969 por 73-61 e todos imaginavam que essas equipes se enfrentariam na final. Alexander Gomelsky havia preparado o time e colocou Gennadi Volnov para marcar Ćosić, que marcou apenas 6 pontos.

O Primeiro MVP[editar | editar código-fonte]

Foi nos anos 60 que começaram a eleger o "Time ideal do Torneio" e o MVP (Most Available Player), cabendo a Emiliano Rodríguez o prêmio de MVP em 1963 e um lugar no time ideal ao lado de Mieczysław Łopatka (Polônia), Modestas Paulaskas e Anatoli Polivoda (Uniao Soviética) e Jorma Pilkevaara (Finlândia).[18] O jornal francês L'Équipe considerou Rodríguez uma "arma ofensiva imparável".[18]

Anos 70[editar | editar código-fonte]

Soviéticos Vs. Iugoslavos[editar | editar código-fonte]

Nos anos 60 o que começou como uma luta entre Davi e Sansão, com os iugoslavos apenas beliscando medalhas como coadjuvante do vasto poderio soviético, culminou na supremacia nos anos 70.[19] Das cinco edições disputada na década, três ficaram com os iugoslavos e duas com os soviéticos.

A rivalidade foi acirrada e iniciou no Campeonato Mundial de 1970, disputado na Iugoslávia, onde não houve semifinais e final, havendo um grupo com jogos entre todos e o mais colocado seria o campeão. A Iugoslávia teve apenas uma derrota e foi contra os soviéticos.[19] No ano seguinte no EuroBasket 1971, jogado na Alemanha Ocidental, ambas seleções chegaram à final invictas e mesmo Krešimir Ćosić, eleito MVP da edição, não foi capaz de quebrar a invencibilidade dos soviéticos que conquistaram a oitava medalha de ouro consecutiva.[19]

Em 1973 no Eurobasket na Espanha, a Iugoslávia iniciou seu tri-campeonato (1973, 1975 e 1977), mas a sensação foi a derrota da desfalcada União Soviética (sem Sergei Belov, Vladimir Andreyev e Alzhan Zharmukhamedov) para a Espanha nas semifinais. Sem os poderosos rivais na final, a Iugoslávia venceu com facilidade os donos da casa por 78-67.[19]

Algo que colocava em dúvidas da hegemonia iugoslava era o fato deles não terem vencido os soviéticos em finais, mas no EuroBasket 1975 com final agendada para o novíssimo Pionir Hall, ambas as equipes invictas na fase preliminar se encontraram na grande final e mesmo o fato de Sergei Belov estar em seu auge e ter marcado 29 pontos, foi insuficiente para conter os iugoslavos que venceram por 90-84.[19]

A final do EuroBasket 1977 disputado na Bélgica foi uma repetição do que foi visto em Belgrado com nova vitória iugoslava sobre os soviéticos, tri-campeonato e Alexander Gomelsky cravando "Os Iugoslavos são o melhor time de basquete".[19]

No final da década os soviéticos conquistaram o Campeonato Mundial de Basquetebol de 1978 nas Filipinas e confirmaram sua força conquistando o EuroBasket 1979 jogado na Itália.[19] A Iugoslávia que sofreu um revés logo na primeira partida contra os israelenses de Miki Berkovich (MVP da edição), esmoreceu e ficou com a medalha de bronze.[19]

Do lado ocidental da Cortina de Ferro, Espanha e Itália empurradas por Real Madrid e Ignis Varese (10 finais de Euroliga seguidas) conquistaram importantes medalhas nesta época dominada pelas potencias orientais (União Soviética, Iugoslávia, Polônia e Checoslováquia). Outra seleção que chocou o mundo do basquetebol foi Israel que derrotou os Iugoslavos e conquistou a medalha de prata em 1979.[20]

Anos 80[editar | editar código-fonte]

Uma Nova Geração de Estrelas[editar | editar código-fonte]

Panagiotis Giannakis campeão como jogador em 1983 e como técnico em 2005

Durante a década de 80 a Europa foi reabastecida com talentos que mais tarde se tornariam lendas como Dražen Petrović, Arvydas Sabonis, Nikos Galis, Panagiotis Giannakis, Toni Kukoc e Fernando Martín. Jogadores talentosos que levaram o basquete europeu a uma nova era.[21] Foi no EuroBasket 1985 na Alemanha que olheiros da NBA foram em massa para ver de perto os talentos do velho continente.[21]

O crescimento do basquetebol na Europa Ocidental prosseguiu de maneira lenta nos anos 80, com exceção da Espanha e da Itália, especialmente com os italianos medalha de prata nos Jogos Olímpicos de 1980 e campeões do EuroBasket 1983. A geração da "Azzurra" contava com Dino Meneghin, Antonello Riva, Pierluigi Marzorati e Renato Antonello Villalta.[22]

Outra força notável da Europa Ocidental foi a Grécia de Nikos Galis e Panagiotis Giannakis que levaram uma seleção sem grande expressão no cenário do basquete para o título europeu em 1987 em final contra os soviéticos diante de 17.000 expectadores no Estádio da Paz e da Amizade. Nikos Galis marcou 40 pontos, mas o herói foi Argyris Kambouris que marcou os dois lances livres na prorrogação que deram a medalha de ouro para os gregos.[22]

O Advento dos 3 Pontos[editar | editar código-fonte]

O arremesso de três pontos havia sido instituído na American Basketball Association (ABA) em 1967[23] , a NBA em 1981, mas a novidade só foi aderida na FIBA após os Jogos Olímpicos de 1984 no EuroBasket 1985. O arremesso de 3 pontos contribuiu para o crescimento da média de pontos das equipes em comparação com as competições anteriores e um exemplo disso foi a média de pontos da União Soviética em 1983 ser 97.2 pontos por jogo, saltar para 109 pontos por jogo.[24]

Anos 90[editar | editar código-fonte]

O Fim de uma Era[editar | editar código-fonte]

Toni Kukoc e Dino Rađa comemorando título do Jugoplastika Split

O início dos anos 90 trouxe para toda a Europa uma transformação política movida pelo colapso do comunismo no Leste Europeu e a desintegração da União Soviética e da Iugoslávia, bem como a separação da Checoslováquia separando novamente checos e eslovacos. Essas mudanças ditaram o novo ritmo do basquete europeu com a queda das potências União Soviética e Iugoslávia[25] , primeiro sentida pela seleção dos balcãs que disputando o EuroBasket 1991 na Itália não contou com as estrelas Dražen Petrović e Stojko Vranković, precisando recorrer aos jovens Kukoc e Rađa que haviam dominado a Euroliga com o KK Split[25] .

A Guerra Civil Iugoslava ficou evidente também na seleção iugoslava. A Eslovênia havia declarado a independência logo no início do EuroBasket 1991, e o esloveno Juri Zdovc que havia disputado duas partidas foi impedido de prosseguir junto a delegação, ficando recluso no quarto de hotel sem contato com seus colegas.[25]

O colapso da seleção soviética foi dentro das quadras, antes mesmo do desmembramento de seus países caiu em fase classificatória em grupo formado por Checoslováquia, França e Israel. Os soviéticos perderam as duas primeiras partidas contra os checoslovacos e israelenses, mas foram confiantes contra os franceses. A confiança se mostrou equivocada e perderam para os franceses por 84-85.[25] Esta classificatória foi a última oportunidade destes atletas defenderem a camisa da União Soviética em um Campeonato Europeu.[25]

A Surpresa de 1993[editar | editar código-fonte]

Svetislav Pešić, treinador da Seleção Alemã entre 1987-1993 e 2012

Com a dissolução da Iugoslávia e devido as sanções impostas pela ONU[26] que manteve os atletas iugoslavos fora de quaisquer competições esportivas, restou às recém emancipadas repúblicas oriundas do bloco Iugoslavo representar o basquetebol balcânico e mediante um torneio classificatório "às pressas" classificou Croácia, Eslovénia e Bósnia e Herzegovina.[27]

O EuroBasket 1993 que foi realizado na Alemanha coube a seleção da casa a grande surpresa deste evento. Mesmo sem contar com sua grande estrela Detlef Schrempf que jogava na NBA na época, a seleção alemã superou-se a cada fase ficando na segunda posição no grupo D com duas vitórias e uma derrota, classificando-se na derradeira posição na segunda fase com duas vitórias e três derrotas, mas desta fase em diante foram derrubando adversários em jogos duríssimos contra Espanha (79-77) nas quartas de finais[28] , Grécia (76-73) nas semifinais e Rússia (71-70), que seria vice-campeã mundial em 1994, na grande final.

Uma Final Esperada[editar | editar código-fonte]

Aleksandar Đorđević, atual técnico da Seleção Sérvia, anotou 41 pontos na final do EuroBasket 1995.

A Iugoslávia que havia sido liberada da sanção da ONU veio com muita gana de vencer no EuroBasket 1995 realizado na Grécia e com sobras de estrelas como Dejan Bodiroga, Aleksandar Đorđević e Vlade Divac. A final esperada era entre iugoslavos e lituanos que contavam com seu triunvirato formado por Arvydas Sabonis, Šarūnas Marčiulionis e Rimas Kurtinaitis.[29] A Final realmente aconteceu e teve um Đorđević imparável anotando 41 pontos realizando 9 acertos de três em 12 e do lado lituano Marčiulionis anotando 32 pontos, 6 rebotes e 6 assistências.[29] O Clássico vencido pela Iugoslávia por 96 a 90, teve fatos polêmicos entre jogadores e arbitragem e um grande momento que foi a enterrada de Predrag Danilović sobre o gigante Sabonis.[29]

Anos 2000[editar | editar código-fonte]

Os cinco eventos realizados entre 2001 e 2009 foram marcados pela pluralidade dos campeões sendo que foram cinco campeões diferente: Iugoslávia em 2001, Lituânia em 2003, Grécia em 2005, Rússia em 2007 e Espanha em 2009.[30]

EuroBasket 2001[editar | editar código-fonte]

O primeiro EuroBasket realizado no III Milênio foi marcado pela última vez que a Iugoslávia competiu no Campeonato Europeu sobre as cores do antigo pais, pois entre 2003 e 2006 competiria como Sérvia e Montenegro e a partir de 2006 com a independência de Montenegro passou a competir como Sérvia.[30]

Dirk Nowitzki em entrevista

Outro fator que marcou a década foi o aparecimento de Dirk Nowitzki, que é considerado um dos melhores jogadores da história do basquetebol do velho mundo e está entre os dez maiores cestinhas do torneio.[31]

EuroBasket 2003[editar | editar código-fonte]

O EuroBasket 2003 realizado na Suécia foi marcado pela aclamação da geração lituana capitaneada pelo MVP da competição, Šarūnas Jasikevičius[32] , mas que também contava com Saulius Stombergas, Ramūnas Šiškauskas e Arvydas Macijauskas. O título continental foi o terceiro na história do "Gigante Báltico", o primeiro pós-Independência da Lituânia e o primeiro em 64 anos[33] .

EuroBasket 2005[editar | editar código-fonte]
EuroBasket 2007[editar | editar código-fonte]
EuroBasket 2009[editar | editar código-fonte]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Ano País organizador Campeão Vice-campeão 3º lugar MVP
1935
Suíça Bandeira da Letônia
Letônia
Bandeira da Espanha
Espanha
Bandeira da Checoslováquia
Checoslováquia
Rafael Martín (ESP)
1937
Letônia Bandeira da Lituânia
Lituânia
Bandeira da Itália
Itália
Bandeira da França
França
Pranas Talzūnas (LIT)
1939
Lituânia Bandeira da Lituânia
Lituânia
Bandeira da Letônia
Letônia
Bandeira da Polônia
Polônia
Pranas Lubinas (LIT)
1946
Suíça Bandeira da Checoslováquia
Checoslováquia
Bandeira da Itália
Itália
Bandeira da Hungria
Hungria
Ferenc Németh (HUN)
1947
Tchecoslováquia Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira da Checoslováquia
Checoslováquia
Bandeira do Egito
Egito
Johann Lossov (URSS)
1949
Egito Bandeira do Egito
Egito
Bandeira da França
França
Bandeira da Grécia
Grécia
Huseyin Ozturk (TUR)
1951
França Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira da Checoslováquia
Checoslováquia
Bandeira da França
França
Ivan Mrazek (TCH)
1953
União Soviética Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira da Hungria
Hungria
Bandeira da França
França
Anatoli Konjev (URSS)
1955
Hungria Bandeira da Hungria
Hungria
Bandeira da Checoslováquia
Checoslováquia
Bandeira da União Soviética
União Soviética
János Greminger (HUN)
1957
Bulgária Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira da Bulgária
Bulgária
Bandeira da Checoslováquia
Checoslováquia
Jiri Baumruk (TCH)
1959
Turquia Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira da Checoslováquia
Checoslováquia
Bandeira da França
França
Viktor Zubkov (URSS)
1961
Iugoslávia Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Bandeira da Bulgária
Bulgária
Viktor Zubkov (URSS)
1963
Polônia Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira da Polônia
Polônia
Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Emiliano Rodríguez (ESP)
1965
União Soviética Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Bandeira da Polônia
Polônia
Modestas Paulauskas (URSS)
1967
Finlândia Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira da Checoslováquia
Checoslováquia
Bandeira da Polônia
Polônia
Jiri Zednicek (TCH)
1969
Itália Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Bandeira da Checoslováquia
Checoslováquia
Sergei Belov (URSS)
1971
Alemanha Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Bandeira da Itália
Itália
Krešimir Ćosić (IUG)
1973
Espanha Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Bandeira da Espanha
Espanha
Bandeira da União Soviética
União Soviética
Wayne Brabender (ESP)
1975
Iugoslávia Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira da Itália
Itália
Krešimir Ćosić (IUG)
1977
Bélgica Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira da Checoslováquia
Checoslováquia
Dražen Dalipagić (IUG)
1979
Itália Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira de Israel
Israel
Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Mickey Berkowitz (ISR)
1981
Tchecoslováquia Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Bandeira da Checoslováquia
Checoslováquia
Dragan Kićanović (IUG)
1983
França Bandeira da Itália
Itália
Bandeira da Espanha
Espanha
Bandeira da União Soviética
União Soviética
Juan Antonio Corbalan (ESP)
1985
Alemanha Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira da Checoslováquia
Checoslováquia
Bandeira da Itália
Itália
Arvydas Sabonis (URSS)
1987
Grécia Bandeira da Grécia
Grécia
Bandeira da União Soviética
União Soviética
Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Nikos Galis (GRE)
1989
Iugoslávia Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Bandeira da Grécia
Grécia
Bandeira da União Soviética
União Soviética
Dražen Petrović (IUG)
1991
Itália Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Bandeira da Itália
Itália
Bandeira da Espanha
Espanha
Toni Kukoč (IUG)
1993
Alemanha Bandeira da Alemanha
Alemanha
Bandeira da Rússia
Rússia
Bandeira da Croácia
Croácia
Christian Welp (ALE)
1995
Grécia Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Bandeira da Lituânia
Lituânia
Bandeira da Croácia
Croácia
Šarūnas Marčiulionis (LIT)
1997
Espanha Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Bandeira da Itália
Itália
Bandeira da Rússia
Rússia
Aleksandar Djordjevic (SER)
1999
França Bandeira da Itália
Itália
Bandeira da Espanha
Espanha
Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Gregor Fucka (ITA)
2001
Turquia Bandeira da Iugoslávia
Iugoslávia
Bandeira da Turquia
Turquia
Bandeira da Espanha
Espanha
Predrag Stojaković (SER)
2003
Suécia Bandeira da Lituânia
Lituânia
Bandeira da Espanha
Espanha
Bandeira da Itália
Itália
Šarūnas Jasikevičius (LIT)
2005
Sérvia Bandeira da Grécia
Grécia
Bandeira da Alemanha
Alemanha
Bandeira da França
França
Dirk Nowitzki (ALE)
2007
Espanha Bandeira da Rússia
Rússia
Bandeira da Espanha
Espanha
Bandeira da Lituânia
Lituânia
Andrei Kirilenko (RUS)
2009
Polônia Bandeira da Espanha
Espanha
Bandeira da Sérvia
Sérvia
Bandeira da Grécia
Grécia
Pau Gasol (ESP)
2011
Lituânia Bandeira da Espanha
Espanha
Bandeira da França
França
Bandeira da Rússia
Rússia
Juan Carlos Navarro (ESP)
2013
Eslovênia Bandeira da França
França
Bandeira da Lituânia
Lituânia
Bandeira da Espanha
Espanha
Tony Parker (FRA)
2015
Alemanha
Croácia
Letônia
França(1ª fase e finais)
Bandeira da Espanha
Espanha
Bandeira da Lituânia
Lituânia
Bandeira da França
França
Pau Gasol (ESP)
2017
Finlândia
Israel
Romênia
Turquia
Mapa dos melhores resultados por país no EuroBasket

Quadro de Medalhas[editar | editar código-fonte]

Pos Equipe Ouro Prata Bronze Total
1 Flag of the Soviet Union.svg União Soviética 14 3 4 21
2 Iugoslávia Iugoslávia/ FR Yugoslavia 8 5 4 17
3 Flag of Spain.svg Espanha 3 6 3 12
4 Flag of Lithuania.svg Lituânia 3 3 1 7
5 Flag of Italy.svg Itália 2 4 4 10
6 Flag of Greece.svg Grécia 2 1 2 5
7 Tchecoslováquia Checoslováquia 1 6 5 12
8 Flag of France.svg França 1 2 6 9
9 Rússia Rússia 1 1 2 4
10 Hungria Hungria 1 1 1 3
11 Alemanha Alemanha 1 1 0 2
Letónia Letônia 1 1 0 2
13 Egito Egito 1 0 1 2
14 Polónia Polônia 0 1 3 4
15 Bulgária Bulgária 0 1 1 2
16 Israel Israel 0 1 0 1
Flag of Serbia.svg Sérvia 0 1 0 1
Flag of Turkey.svg Turquia 0 1 0 1
19 Croácia Croácia 0 0 2 2
Total 39 39 39 117

(*) Baseado no Quadro de Medalhas no Arquivo da FIBA

(*) União Soviética, Checoslováquia e Iugoslávia são seleções extintas.

Título de Cestinha das Competições[editar | editar código-fonte]

Ano Cestinha País Média
1935 Livio Franceschini Flag of Italy.svg Itália 16.5
1937 Rūdolfs Jurciņš Flag of Latvia.svg Letônia 12.5
1939 Heino Veskila Flag of Estonia.svg Estônia 16.7
1946 Paweł Stok Flag of Poland.svg Polônia 12.6
1947 Jacques Perrier Flag of France.svg França 13.7
1949 Hüseyin Öztürk Flag of Turkey.svg Turquia 19.3
1951 Ivan Mrázek Flag of the Czech Republic.svg Tchecoslováquia 17.1
1953 Ahmed Idlibi Flag of Lebanon.svg Líbano 15.9
1955 Miroslav Skerik Flag of the Czech Republic.svg Tchecoslováquia 19.1
1957 Eddy Terrace Flag of Belgium.svg Bélgica 23.3
1959 Radivoj Korać Iugoslávia Iugoslávia 28.1
1961 Radivoj Korać (2) Iugoslávia Iugoslávia 24.0
1963 Radivoj Korać (3) Iugoslávia Iugoslávia 26.6
1965 Emiliano Rodríguez Flag of Spain.svg Espanha 21.6
1967 Georgios Kolokithas Flag of Greece.svg Grécia 26.7
1969 Georgios Kolokithas (2) Flag of Greece.svg Grécia 23.5
1971 Edward Jurkiewicz Flag of Poland.svg Polônia 22.6
1973 Atanas Golomeev Flag of Bulgaria.svg Bulgária 22.3
1975 Atanas Golomeev (2) Flag of Bulgaria.svg Bulgária 22.9
1977 Kees Akerboom Flag of the Netherlands.svg Países Baixos 27.0
1979 Mieczysław Młynarski Flag of Poland.svg Polônia 26.6
1981 Mieczysław Młynarski (2) Flag of Poland.svg Polônia 23.1
1983 Nikos Galis Flag of Greece.svg Grécia 33.0
1985 Doron Jamchi Flag of Israel.svg Israel 28.1
1987 Nikos Galis (2) Flag of Greece.svg Grécia 37.0
1989 Nikos Galis (3) Flag of Greece.svg Grécia 35.6
1991 Nikos Galis (4) Flag of Greece.svg Grécia 32.4
1993 Sabahudin Bilalović Bósnia e Herzegovina Bósnia e Herzegovina 24.6
1995 Šarūnas Marčiulionis Flag of Lithuania.svg Lituânia 22.5
1997 Oded Katash Flag of Israel.svg Israel 22.0
1999 Alberto Herreros Flag of Spain.svg Espanha 19.2
2001 Dirk Nowitzki Flag of Germany.svg Alemanha 28.7
2003 Pau Gasol Flag of Spain.svg Espanha 25.8
2005 Dirk Nowitzki (2) Flag of Germany.svg Alemanha 26.1
2007 Dirk Nowitzki (3) Flag of Germany.svg Alemanha 24.0
2009 Pau Gasol (2) Flag of Spain.svg Espanha 18.7
2011 Tony Parker Flag of France.svg França 22.1
2013 Tony Parker (2) Flag of France.svg França 19.0
2015 Pau Gasol (3) Flag of Spain.svg Espanha 25.6

Quintetos Ideais[editar | editar código-fonte]

Ano Quinteto Ideal
1967 União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Sergei Belov - União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Modestas Paulauskas - Tchecoslováquia Jiří Zedníček (MVP) - Tchecoslováquia Jiří Zídek - Finlândia Veikko Vainio
1969 União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Sergei Belov (MVP) - JugosláviaIvo Daneu - Polónia Edward Jurkiewicz - Jugoslávia Krešimir Ćosić - Espanha Clifford Luyk
1971 União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Sergei Belov - União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Modestas Paulauskas Polónia Edward Jurkiewicz - Jugoslávia Krešimir Ćosić - Bulgária Atanas Golomeev
1973 União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Sergei Belov - Espanha Francisco Buscato - Espanha Wayne Brabender (MVP) - Jugoslávia Krešimir Ćosić - Bulgária Atanas Golomeev
1975 União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Sergei Belov - Jugoslávia Dražen Dalipagić - Espanha Wayne Brabender - Jugoslávia Krešimir Ćosić (MVP) - Bulgária Atanas Golomeev
1977 Jugoslávia Zoran Slavnić - Israel Miki Berkovich - Jugoslávia Dražen Dalipagić (MVP) - Países Baixos Kees Akerboom - Bulgária Atanas Golomeev
1979 União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Sergei Belov - Jugoslávia Dragan Kićanović - Israel Miki Berkovich (MVP) - Jugoslávia Krešimir Ćosić - União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Vladimir Tkachenko
1981 União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Valdis Valters - Jugoslávia Dragan Kićanović (MVP) - Jugoslávia Dražen Dalipagić - União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Anatoly Myshkin - União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Vladimir Tkachenko
1983 Espanha Juan Antonio Corbalán (MVP) - Grécia Nikos Galis - Espanha Juan Antonio San Epifanio - Tchecoslováquia Stanislav Kropilák - União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Arvydas Sabonis
1985 União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Valdis Valters - Jugoslávia Dražen Petrović - Alemanha Detlef Schrempf - Espanha Fernando Martín - União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Arvydas Sabonis (MVP)
1987 União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Šarūnas Marčiulionis - Grécia Nikos Galis (MVP) - União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Alexander Volkov - Espanha Andrés Jiménez - Grécia Panagiotis Fasoulas
1989 Jugoslávia Dražen Petrović (MVP) - Grécia Nikos Galis - Jugoslávia Žarko Paspalj - França Stéphane Ostrowisk - Jugoslávia Dino Rađa
1991 Grécia Nikos Galis - Itália Ferdinando Gentile - Croácia Toni Kukoc (MVP) - Espanha Antonio Martín - Jugoslávia Vlade Divac
1993 Rússia Sergei Bazarevich - Espanha Jordi Villacampa- Grécia Fanis Christodoulou - Alemanha Chris Welp (MVP) - Croácia Dino Rađa
1995 Lituânia Arvydas Sabonis - Lituânia Šarūnas Marčiulionis (MVP) - Croácia Toni Kukoc - Sérvia e Montenegro Vlade Divac - Grécia Fanis Christodoulou
1997 Israel Oded Kattash - Sérvia e Montenegro Peja Stojaković - Lituânia Artūras Karnišovas - Itália Gregor Fučka - Rússia Mikhail Mikhaylov
1999 Itália Carlton Myers - Itália Andrea Meneghin - Espanha Alberto Herreros - Sérvia e Montenegro Dejan Bodiroga - Itália Gregor Fučka (MVP)
2001 Alemanha Dirk Nowitzki - Espanha Pau Gasol - Sérvia e Montenegro Peja Stojaković-(MVP) Turquia Hedo Türkoğlu - Croácia Damir Mulaomerovic
2003 França Tony Parker - Lituânia Šarūnas Jasikevičius (MVP) - Lituânia Saulius Štombergas - Rússia Andrei Kirilenko - Espanha Pau Gasol
2005 Grécia Theodoros Papaloukas - Espanha Juan Carlos Navarro - Grécia Dimitris Diamantidis - Alemanha Dirk Nowitzki (MVP) - França Boris Diaw
2007 Espanha José Calderón - Lituânia Ramūnas Šiškauskas - Rússia Andrei Kirilenko (MVP) - Alemanha Dirk Nowitzki - Espanha Pau Gasol
2009 Grécia Vassilis Spanoulis - Sérvia Miloš Teodosić - Espanha Rudy Fernández - Eslovénia Erazem Lorbek - Espanha Pau Gasol (MVP)
2011 França Tony Parker - República da Macedónia Bo McCalebb - Espanha Juan Carlos Navarro (MVP) - Rússia Andrei Kirilenko - Espanha Pau Gasol
2013 França Tony Parker (MVP) - Eslovénia Goran Dragić - Croácia Bojan Bogdanović - Lituânia Linas Kleiza - Espanha Marc Gasol
2015 Espanha Sergio RodríguezFrança Nando de Colo - Lituânia Jonas Mačiulis - Lituânia Jonas Valančiūnas - Espanha Pau Gasol (MVP)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. fcom - About FIBA - history - Quick facts. Visitado em 2015-09-27.
  2. a b The 1930's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-27. "A New Event"
  3. a b c The 1930's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-27. "The First Championship"
  4. a b The 1930's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-27. "Baltic Power"
  5. The 1930's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-27. "African Influence"
  6. The 1930's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-27. "Player Eligibility"
  7. a b The 1940's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-27. "The post-war years"
  8. The 1940's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-27. "The First Jump Shot?"
  9. The 1940's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-27. "Enter the Behemoths"
  10. a b c The 1940's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-28. "A Curious Side-note"
  11. Há 64 anos Torino perdeu 18 jogadores em desastre aéreo. Visitado em 2015-09-28.
  12. a b c d The 1950's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-28. "A Soviet Dynasty"
  13. a b c d e The 1950's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-28. "The Great Outdoors"
  14. a b c The 1960's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-28. "A New Competition System"
  15. The 1960's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-29. "The First Modern Championship"
  16. a b c The 1960's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-29. "The Soviet Machine Rolls On"
  17. a b c The 1960's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-29. "The Yugoslavs Wake Up"
  18. a b The 1960's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-29. "The First MVP"
  19. a b c d e f g h The 1970's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-29. "URSS vs. Yugoslavia"
  20. The 1970's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-30. "Go West"
  21. a b The 1980's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-30. "A New Generation of Stars"
  22. a b The 1980's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-30. "West Breakthrough"
  23. The History of the 3-Pointer. Visitado em 2015-09-30.
  24. The 1980's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-09-30.
  25. a b c d e The 1990's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2015-10-02. "The end of an era"
  26. Folha Online - Mundo www1.folha.uol.com.br. Visitado em 2016-01-03.
  27. The 1990's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2016-01-03. "A German Surprise"
  28. Spain - Germany | European Championship for Men (1993) | FIBA Europe www.fibaeurope.com. Visitado em 2016-01-03.
  29. a b c The 1990's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2016-01-03. "A Classic Final"
  30. a b The 2000's | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2016-01-03.
  31. Dirk Nowitzki | EuroBasket 2015 www.eurobasket2015.org. Visitado em 2016-01-03.
  32. Eurobasket 2003 All-Tournament Team | European Championship for Men (2003) | FIBA Europe www.fibaeurope.com. Visitado em 2016-01-28.
  33. Lithuania European Champion 2003 | European Championship for Men (2003) | FIBA Europe www.fibaeurope.com. Visitado em 2016-01-28.