Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.

Sansão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sansão
Lucas Cranach d.Ä. - Simson bezwingt den Löwen.jpg
Sansão Lutando com o Leão (1525) por Lucas Cranach, o Velho
Nome hebraico ou grego שִׁמְשׁוֹן
Pais Manoá (pai)
Nome desconhecido (mãe)
Livros Juízes
Cargo Juiz de Israel
Portal Bíblia

Sansão (pronúncia em português: /sɐ̃.ˈsɐ̃w̃/;[1] שִׁמְשׁוֹן, em hebraico: Shimshon, "filho do sol"[2]) foi o último dos juízes dos antigos israelitas mencionados no Livro dos Juízes na Bíblia Hebraica (capítulos 13 a 16) e um dos últimos dos líderes que "julgaram" Israel antes da instituição da monarquia. Ele por vezes é considerado uma versão israelita do herói folclórico do Oriente Próximo, também representado pelo sumério Enquidu e pelo grego Héracles.[3]

O relato bíblico afirma que Sansão era nazireu e recebeu grande força para ajudá-lo contra seus inimigos e permitir-lhe realizar feitos sobre-humanos,[4] incluindo despedaçar um leão, como se fosse uma cabra, o fazendo com as próprias mãos e massacrar um exército inteiro de filisteus usando apenas a mandíbula de um jumento. No entanto, se o cabelo comprido de Sansão fosse cortado, seu voto nazireu seria violado e ele perderia suas forças.[5]

Sansão foi traído por sua amante Dalila, que ordenou que um servo cortasse os seus cabelos enquanto ele dormia, e o entregou aos inimigos filisteus que arrancaram os seus olhos e o forçaram a moer grãos em um moinho em Gaza. Enquanto estava lá, seus cabelos começaram a crescer novamente. Quando os filisteus levaram Sansão ao templo de Dagom, Sansão pediu para descansar contra um dos pilares de apoio. Depois de receber permissão, ele orou a Deus e milagrosamente recuperou sua força, permitindo-lhe derrubar as colunas, destruindo o templo e matando a si mesmo, bem como a todos os filisteus. Em algumas tradições judaicas, acredita-se que Sansão tenha sido enterrado em Tel Zorá, em Israel, com vista para o vale de Soreque.

Sansão foi objeto de comentários tanto rabínicos quanto cristãos, com alguns cristãos observando-o como uma tipologia de Jesus, com base nas semelhanças entre suas vidas. Representações notáveis ​​de Sansão incluem o drama de John Milton, Sansão Agonista, e o filme de Hollywood de Cecil B. DeMille em 1949, chamado Sansão e Dalila. Sansão também desempenha um papel importante na arte e nas tradições ocidentais.

Narrativa bíblica[editar | editar código-fonte]

Nascimento[editar | editar código-fonte]

O Sacrifício de Manoá (1640–50) por Eustache Le Sueur

De acordo com o relato do Livro de Juízes, Sansão viveu durante um período de repetidos conflitos entre Israel e a Filisteia, quando Deus disciplinava os israelitas, dando-os "nas mãos dos filisteus".[6] Manoá era um israelita de Zorá, descendente dos danitas[7] e a sua esposa não conseguia conceber.[8][9] O Anjo do Senhor apareceu à esposa de Manoá e proclamou que o casal logo teria um filho que começaria a libertar os israelitas dos filisteus.[10][11]

O Anjo do Senhor declarou que a esposa de Manoá deveria se abster de todas as bebidas alcoólicas, e seu filho prometido não deveria fazer a barba ou cortar os cabelos. Ele era nazireu desde o nascimento.[12] No Israel antigo, aqueles que queriam se dedicar especialmente a Deus por um tempo podiam fazer um voto nazireu que incluía abster-se de vinho e bebidas fortes, não cortar cabelos ou fazer a barba, e outros requisitos.[8][9][11] A esposa de Manoá creu no Anjo do Senhor; o marido dela não estava presente, então ele orou e pediu a Deus que enviasse o mensageiro mais uma vez para ensiná-los a criar o menino que iria nascer.[13]

Depois que o Anjo do Senhor voltou, Manoá perguntou seu nome, mas ele disse: "Por que pergunta o meu nome? Meu nome está além do entendimento".[14] Manoá então preparou um sacrifício, mas o Anjo do Senhor só permitiria se este fosse feito para Deus.[15] Ele tocou-o com seu cajado, tragando-o milagrosamente em chamas e depois subiu ao céu no fogo.[16] Essa era uma evidência tão dramática da natureza do Mensageiro que Manoá temia por sua vida, pois se dizia que ninguém poderia viver depois de ver Deus.[17] No entanto, sua esposa o convenceu de que, se Deus planejasse matá-los, ele nunca teria revelado essas coisas a eles.[18] No devido tempo, o filho deles, Sansão, nasceu e ele foi criado de acordo com as instruções do Anjo.[9][11][19]

Casamento com uma filisteia[editar | editar código-fonte]

Quando ele era jovem, Sansão deixou as colinas de seu povo para conhecer as cidades da Filisteia.[20] Ele se apaixonou por uma mulher filisteia de Timnate, com quem decidiu se casar, ignorando as objeções de seus pais sobre o fato de ela não ser israelita.[9][11][21] No desenvolvimento da narrativa, o casamento pretendido mostrou-se parte do plano de Deus de atacar os filisteus.[11][22]

Segundo o relato bíblico, Sansão foi repetidamente apossado pelo Espírito do Senhor, que o abençoou com imensa força. O primeiro exemplo disso é quando Sansão estava a caminho de pedir a mão da mulher filisteia em casamento, quando foi atacado por um leão. Ele simplesmente o agarrou e o despedaçou, à medida que o espírito de Deus o capacitava divinamente. No entanto, Sansão manteve isso em segredo, nem mesmo mencionando o milagre para seus pais.[11][23][24] Ele chegou à casa dos filisteus e ficou noivo dela; e ele voltou para casa e depois voltou para Timnate algum tempo depois para o casamento.[25] No caminho, Sansão viu que as abelhas haviam se aninhado na carcaça do leão e feito mel.[11][23][26] Ele comeu um punhado de mel e deu um pouco para seus pais.[11][27]

No banquete de casamento, Sansão contou um enigma a seus trinta padrinhos (todos os filisteus). Se eles pudessem resolvê-lo, ele lhes daria trinta peças de linho e roupas finas, mas se não pudessem resolvê-lo, eles dariam a ele trinta peças de linho e roupas finas.[9][11][28] O enigma era um relato velado de dois encontros com o leão, nos quais apenas ele estava presente:[11][23]

Do que come saiu comida;
do que é forte saiu doçura.[29]

Os filisteus ficaram furiosos com o enigma.[11] Os trinta padrinhos disseram à nova esposa de Sansão que eles iriam queimar a casa dela e de seu pai se ela não descobrisse a resposta para o enigma e lhes dissesse.[11][30] No imploramento urgente e choroso de sua noiva, Sansão disse a ela a solução, e ela disse aos trinta padrinhos.[9][11][31]

Sansão Mata Milhares de Homens com a Queixada de um Jumento (c. 1896–1902) por James Tissot

Antes do sol se pôr no sétimo dia, os filisteus disseram a Sansão: o que é mais doce que o mel, e o que é mais forte que um leão? Sansão então lhes respondeu: "Se vocês não tivessem lavrado minha novilha, vocês não teriam resolvido o meu enigma.[32]

Sansão então viajou para Ascalão, uma distância de cerca de 48 quilômetros, onde matou trinta filisteus por suas roupas; ele então voltou e deu essas vestes a seus trinta padrinhos.[9][23][33][34] Com raiva, Sansão voltou à casa de seu pai; e a família de sua suposta noiva a entregou a um dos padrinhos como esposa.[9][23][35] Algum tempo depois, Sansão voltou a Timnate para visitar sua esposa, sem saber que agora ela estava casada com um de seus ex-padrinhos. Mas seu pai se recusou a permitir que Sansão a visse, oferecendo a Sansão uma irmã mais nova.[9][36]

Sansão saiu, juntou trezentas raposas e as amarrou em pares pelas caudas. Ele então anexou uma tocha acesa a cada par de caudas de raposa e as soltou nos campos de cereais e olivais dos filisteus.[37] Os filisteus descobriram por que Sansão queimou suas colheitas e queimaram a esposa e o sogro até a morte em retribuição.[9][38][39]

Em vingança, Sansão matou muitos mais filisteus, dizendo: "Fiz com eles o que eles fizeram comigo".[9][40] Sansão então se refugiou em uma fenda na rocha de Etã.[9][41] Um exército de filisteus veio à tribo de Judá e exigiu que 3 000 homens de Judá os entregassem Sansão.[9][42] Com o consentimento de Sansão, dado que os judáitas não o matariam, eles o amarraram com duas cordas novas e estavam prestes a entregá-lo aos filisteus quando ele se libertou das cordas.[43] Usando a mandíbula de um jumento, ele matou 1 000 filisteus.[44][45]

Dalila[editar | editar código-fonte]

Sansão e Dalila (1887) por Jose Etxenagusia

Mais tarde, Sansão viajou para Gaza, onde ficou na casa de uma prostituta.[33][46] Seus inimigos esperaram no portão da cidade para fazer uma emboscada para ele, mas ele arrancou as portas da entrada da cidade com as umbreiras e as fechaduras e em cima de seus ombros os levou até "o cume do monte que está na frente de Hebrom".[33][47]

Ele então se apaixonou por uma mulher chamada Dalila no vale de Soreque.[33][48] Os filisteus se aproximam de Dalila e a induziram com 1 100 moedas de prata para encontrar o segredo da força de Sansão, para que pudessem capturar a seu inimigo,[49] mas Sansão se recusou a revelar o segredo e a enganou, dizendo a ela que ele perderá seu poder e sua força se ele for amarrado com vergas de vimes frescos.[33][50] Ela fez isso enquanto ele estava dormindo, porém, quando ele acordou, ele apertou as vergas e escapou.[33][51] Ela persistiu, e Sansão então lhe replica que pode perder a força caso seja amarrado com cordas novas.[52] Ela então o amarrou com cordas novas enquanto ele dormia, e ele as quebrou como se fossem um fio.[33][53] Ela pergunta novamente, e ele diz que pode ser amarrado se suas madeixas forem tecidas no tear de um tecelão.[33] Ela os transforma em um tear, mas ele simplesmente destrói o tear inteiro e o leva embora quando acorda.[54]

Dalila, no entanto, persistiu, e Sansão finalmente aceitou e disse a Dalila que Deus fornecia o seu poder por causa de sua consagração a Deus como nazireu, simbolizado pelo fato de que uma navalha nunca tocou sua cabeça e que, se seu cabelo for cortado, ele perderia a sua força.[55][56] Dalila então o fez dormir "sobre os seus joelhos" e pediu que um servo cortasse os cabelos dele.[33][57] Sansão, então, perdeu a sua força e foi capturado pelos filisteus que o cegaram arrancando-lhe os olhos.[33][58] Eles então o levam a Gaza, o aprisionaram e o colocam para trabalhar, onde deveria girar um moinho enquanto estava amarrado por duas cadeias de bronze.[33]

Empurrando ou puxando?
Empurrando
Puxando
Segundo a narrativa bíblica, Sansão morreu quando agarrou dois pilares do templo de Dagom e "inclinou-se com toda a sua força" (Juízes 16:30). Este trecho pode ser interpretado de várias formas, como a Sansão empurrando os pilares (esquerda) ou juntando um contra o outro (direita).

Morte[editar | editar código-fonte]

Um dia, os líderes filisteus se reuniram em um templo para um sacrifício religioso a Dagon, uma de suas divindades mais importantes, por terem entregue Sansão em suas mãos.[59] Eles convocaram a Sansão para que as pessoas pudessem vê-lo se apresentar para eles. O templo estava tão lotado que as pessoas eram obrigadas a subir no telhado para assistir - e todos os governantes de todo o governo da Filisteia se reuniram lá também, totalizando cerca de 3 000 pessoas.[60] Sansão então foi levado ao templo e pediu que os seus captores o deixassem encostar nos pilares de apoio para descansar.[61] No entanto, enquanto estava na prisão, seus cabelos começaram a crescer novamente.[62] Sansão, então, orou a Deus clamando por força e Deus lhe deu forças para quebrar os pilares, causando o colapso do templo, matando ele e as pessoas que estavam lá dentro.[63]

Após sua morte, a família de Sansão recuperou o seu corpo dos escombros e o enterrou perto do túmulo de seu pai Manoá.[64] Uma estrutura de tumba que alguns atribuem a Sansão e seu pai fica localizada no topo da montanha em Tel Zorá.[65] Na conclusão do capítulo 16 de Juízes, diz-se que Sansão "julgou" Israel por vinte anos.[64] A Bíblia não menciona o destino final de Dalila.[55]

Interpretações[editar | editar código-fonte]

Literatura rabínica[editar | editar código-fonte]

O Sansão Cego (1912) por Lovis Corinth

A literatura rabínica identifica Sansão com Bedã,[9] um juiz mencionado por Samuel em seu discurso de despedida, em 1 Samuel 12:1, entre os juízes que libertaram Israel de seus inimigos.[66] No entanto, o nome "Bedã" não é encontrado no Livro dos Juízes.[9] O nome "Sansão" deriva da palavra hebraica šemeš, que significa "sol",[9][2][67] de modo que Sansão tinha o nome de Deus, que é chamado "sol e escudo" nos Salmos 84:11;[68] e como Deus protegeu Israel, Sansão também o vigiou em sua geração, julgando o povo como Deus.[9] Segundo o Talmude, a força de Sansão foi divinamente derivada.[9][69]

A lenda judaica registra que os ombros de Sansão tinham sessenta côvados de largura.[9] Muitos comentários talmúdicos, no entanto, argumentam que isso não deve ser considerado em sentido literal, visto que uma pessoa desse tamanho não poderia viver normalmente na sociedade. Antes, eles propõem que significasse que ele tinha a capacidade de carregar um fardo de 60 côvados de largura - aproximadamente 30 metros - nos ombros.[70] Ele era coxo em ambos os pés, mas, quando o espírito de Deus veio sobre ele, ele pôde dar um passo de Zorá a Eshtaol, enquanto os cabelos de sua cabeça se levantaram e se chocaram um contra o outro para que pudessem ser ouvidos em uma distância semelhante.[71][72] Dizia-se que Sansão era tão forte que ele poderia erguer duas montanhas e esfregá-las como dois torrões de terra,[72][73] mas sua força sobre-humana, como a de Golias, causou aflição ao seu possuidor.[9][74]

Na licenciosidade, ele é comparado a Amnon e Zimri, que foram punidos por seus pecados.[9][75] Para eles, os olhos de Sansão se arregalaram porque ele os "seguiu" com muita frequência.[9][76] Dizem que, nos vinte anos em que Sansão julgou Israel, ele nunca exigiu o mínimo de serviço de um israelita,[77] e ele piedosamente se absteve de tomar o nome de Deus em vão.[9] Portanto, assim que ele disse a Dalila que ele era um nazireu de Deus, ela imediatamente soube que ele havia falado a verdade.[9][76] Quando ele derrubou o templo de Dagom e matou a si mesmo e aos filisteus, a estrutura caiu para trás, para que ele não fosse esmagado, e sua família pôde, assim, encontrar seu corpo e enterrá-lo na tumba de seu pai.[9][78]

No período talmúdico, alguns parecem ter negado que Sansão era uma figura histórica, considerando-o como um personagem puramente mitológico. Isso foi visto como herético pelos rabinos do Talmude, e eles tentaram refutar esta ideia. Eles nomearam Hazelelponi como sua mãe e declararam que ele tinha uma irmã chamada "Nishyan" ou "Nashyan".[9]

Interpretações cristãs[editar | editar código-fonte]

Sansão no Moinho (1863) por Carl Bloch

A história de Sansão também recebeu comentários sob uma perspectiva cristã; a Epístola aos Hebreus o elogia por sua fé.[79] Ambrósio, seguindo o retrato de Flávio Josefo e de Pseudo-Filo, representa a Dalila como uma prostituta filisteia e declara que "os homens devem evitar o casamento com pessoas de fora da fé, para que, em vez do amor ao cônjuge, haja traição."[80] Cesário de Arles interpretou a morte de Sansão como prefigurando a crucificação de Jesus, comentando:" observe aqui uma imagem da cruz. Sansão tem as mãos estendidas para as duas colunas como as duas vigas da cruz".[80] Ele também iguala Dalila a Satanás, que tentou a Cristo.[80]

Seguindo essa tendência, estudiosos cristãos mais recentes viram Sansão como um tipo de Jesus Cristo, baseado em semelhanças entre a história de Sansão e a vida de Jesus no Novo Testamento.[81][82] Os nascimentos de Sansão e Jesus foram preditos por anjos, que previram que eles salvariam seu povo.[81] Sansão nasceu de uma mulher estéril, e Jesus nasceu de uma virgem.[81] Sansão derrotou um leão; Jesus derrotou a Satanás, a quem a Primeira Epístola de Pedro descreve como um "leão, rugindo e procurando a quem possa devorar".[83][84] A traição de Sansão por Dalila também foi comparada à traição de Jesus por Judas Iscariotes;[82] tanto Dalila quanto Judas foram pagos em moedas de prata por suas respectivas ações.[85] Ebenezer Cobham Brewer observa em Um Guia para a História das Escrituras: O Velho Testamento que Sansão foi "cego, insultado [e] escravizado" antes de sua morte, e que Jesus foi "vendado, insultado e tratado como escravo" antes de sua crucificação.[86] Brewer também compara a morte de Sansão entre "os iníquos" com Cristo sendo crucificado entre dois ladrões.[86]

Estudiosos[editar | editar código-fonte]

Sansão Matando o Leão (1628) por Peter Paul Rubens

Os estudiosos interpretaram a Sansão como um semideus, assim como Héracles e Enquidu, envolvido no folclore judeu ou como um herói popular arquétipo.[87][67]

No final do século XIX e início do século XX, alguns estudiosos da mitologia comparada interpretaram Sansão como uma deidade solar evemerizada,[88][89][90][67] argumentando que o nome de Sansão é derivado do hebraico šemeš, que significa "sol",[67][2] e que seus cabelos longos possam representar os raios do Sol.[67] Os autores destas teorias também apontaram que a lenda de Sansão se passa nas proximidades de Bete-Semes, uma vila cujo nome significa "Templo do Sol".[67] Eles argumentaram que o nome Dalila pode ter sido um jogo de palavras com a palavra hebraica para noite, layla, que "consome" o dia.[91] Embora essa hipótese ainda seja às vezes debatida nos círculos acadêmicos, geralmente caiu em desuso devido à superficialidade das evidências de suporte.[67]

Uma interpretação muito mais popular entre os estudiosos atuais sustenta que Sansão é uma variante hebraica do mesmo herói folclórico internacional do Oriente Próximo que inspirou o antigo Enquidu da Mesopotâmia e o posterior Héracles grego (e, por extensão, sua adaptação de Hércules romano).[92][67][2] Héracles e Sansão mataram um leão com as mãos nuas (o primeiro matou o leão de Nemeia).[67][2] Da mesma forma, acreditava-se que os dois estavam extremamente sedentos e beberam a água que saíam de uma rocha e destruíam os portões de uma cidade.[92] Ambos foram traídos por uma mulher (Héracles por Deianira, Sansão por Dalila), o que os levou a suas respectivas desgraças.[67] Ainda, ambos os heróis, ídolos de seus respectivos povos, morreram por suas próprias mãos: Héracles terminou sua vida em uma pira; enquanto Sansão fez o templo filisteu desmoronar sobre si e contra seus inimigos.[67] Nesta interpretação, a anunciação do nascimento de Sansão para sua mãe é um relato censurado da concepção divina.[92] Sansão também se parece muito com Sangar, outro herói mencionado no Livro dos Juízes, que, em Juízes 3:31, é descrito como tendo matado 600 filisteus com uma aguilhada.[67][93]

Um monumento de Sansão na Polônia

Tais pontos de vista são contestadas por estudiosos bíblicos tradicionais e conservadores, que consideram Sansão uma figura histórica literal e, assim, rejeitam qualquer conexão com heróis mitológicos.[67] O conceito de Sansão como um "herói solar" foi descrito como "uma engenhosidade artificial".[94] Joan Comay, coautor de Quem é Quem na Bíblia: O Antigo Testamento, os Apócrifos e o Novo Testamento, acredita que a história bíblica de Sansão é tão específica em relação ao tempo e ao lugar que Sansão foi, indubitavelmente, uma pessoa real que colocou sua grande força contra os opressores de Israel.[95] Em contraste, James King West considera que as hostilidades entre os filisteus e os hebreus parecem ser de um "tipo puramente pessoal e local".[96] Ele também considera que as histórias de Sansão têm, em contraste com grande parte dos juízes, uma "quase total ausência de um tom religioso ou moral".[96] Por outro lado, Elon Gilad, do Haaretz, escreve que "algumas histórias bíblicas são simples advertências contra o casamento de mulheres estrangeiras, como o que é apresentado na história de Sansão".[97] Gilad observa como os pais de Sansão desaprovam seu desejo de se casar com uma mulher filisteia e como o relacionamento de Sansão com Dalila o leva à sua morte.[97] Ele contrasta isso com o que ele vê como um retrato mais positivo do casamento no Livro de Rute.[97]

Em agosto de 2012, arqueólogos da Universidade de Tel Aviv anunciaram a descoberta de um selo circular de pedra, com aproximadamente 15 mm de diâmetro, encontrado no chão de uma casa em Bete-Semes e que parecia representar um homem de cabelos compridos matando um leão. O selo é datado do século XII a.C., e de acordo com Haaretz, "os diretores da escavação, Prof. Shlomo Bunimovitz e Dr. Zvi Lederman, da Universidade de Tel Aviv, dizem que não sugerem que a figura humana no selo seja o Sansão bíblico. Em vez disso, a proximidade geográfica da área em que Sansão morava, e o período de tempo do selo, mostra que uma história estava sendo contada na época, de que um herói havia lutado com um leão, e que a história acabou chegando ao texto bíblico e ao selo".[98]

Influência cultural[editar | editar código-fonte]

Estátua de Sansão e o Leão em Peterhof, Rússia
Passeata de Sansão em Mauterndorf, Áustria
Suposto local da tumba de Sansão na floresta de Zorá (Tzora)

Como um importante personagem bíblico, Sansão tem sido referido na cultura popular e representado em uma vasta gama de filmes, obras de arte e literatura popular. O drama de John Milton, Sansão Agonista, é uma alegoria da queda dos puritanos e da restauração da monarquia inglesa, na qual o cego e aprisionado Sansão representa o próprio Milton, o "povo escolhido" representa os puritanos, e os filisteus representam os Realistas ingleses.[99] A peça combina elementos da tragédia da Grécia Antiga com a narrativa bíblica.[100] Sansão é retratado como um herói, cujas ações violentas são mitigadas pela causa justa em cujo nome elas são promulgadas.[101] A peça mostra a Dalila como uma enganadora impenitente, mas compreensiva, e fala com aprovação da subjugação das mulheres.[102]

Em 1735, George Frideric Handel escreveu a ópera Sansão, com um libreto de Newburgh Hamilton, baseado em Sansão Agonista.[103] A ópera é quase inteiramente ambientada dentro da prisão de Sansão e Dalila aparece apenas brevemente no Ato II.[103] Em 1877, Camille Saint-Saëns compôs a ópera Sansão e Dalila com um libreto de Ferdinand Lemaire, no qual toda a história de Sansão e Dalila é recontada.[103] No libreto, Dalila é retratada como uma sedutora femme fatale, mas a música tocada durante suas participações invoca simpatia por ela.[103]

O drama bíblico de 1949 Sansão e Dalila, dirigido por Cecil B. DeMille e estrelado por Victor Mature e Hedy Lamarr nos papéis principais, foi amplamente elogiado pelos críticos por sua cinematografia, performances principais, figurinos, cenários e efeitos especiais inovadores.[104] Tornou-se o filme de maior bilheteria de 1950,[105] e foi indicado a cinco Oscars, vencendo dois.[106] De acordo com a revista Variety, o filme retrata Sansão com um estereótipo de "bonito, mas um musculoso estúpido".[107] A rede de televisão RecordTV exibiu uma minissérie intitulada Sansão e Dalila no ano de 2011, na qual retratou a história bíblica, com produção de João Camargo e direção de Gustavo Reiz, e estrelado por Fernando Pavão e Mel Lisboa.[108][109] A exibição da minissérie recebeu críticas favoráveis e negativas.[110][111]

Sansão foi especialmente homenageado nas obras de arte russas porque os russos derrotaram os suecos na Batalha de Poltava no dia da festa de Sansão de Constantinopla, cujo nome é homófono com o de Sansão.[112] O leão morto por Sansão foi interpretado para representar a Suécia, como resultado da inserção do leão no brasão de armas sueco.[112] Em 1735, a estátua de bronze de Sansão matando o leão por C. B. Rastrelli foi colocada no centro da grande cascata da fonte no Palácio Peterhof, em São Petersburgo.[112]

Sansão faz parte do emblema de Lungau, Salzburgo, sendo que desfiles em sua homenagem são realizados anualmente em dez aldeias de Lungau e duas aldeias no noroeste da Estíria (Áustria).[113] Durante o desfile, um jovem solteiro da comunidade carrega uma figura maciça de madeira ou alumínio que diz representar Sansão.[113] A tradição, que foi documentada pela primeira vez em 1635, foi incluída na lista da UNESCO de Patrimônio Cultural Imaterial na Áustria em 2010.[113][114] Sansão é uma das figuras gigantes nas festividades "Ducasse", que acontecem em Ath, na Bélgica.[115]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Sansão». Dicionários Porto Editora. Infopédia. Consultado em 17 de abril de 2020 
  2. a b c d e Van der Toorn, Karel; Pecking, Tom; van der Horst, Peter Willem (1999). Dictionary of Deities and Demons in the Bible. Grand Rapids, MC: William B. Eerdmans. p. 404. ISBN 978-0-80282491-2 
  3. Margalith, Othniel (janeiro de 1987). «The Legends of Samson/Heracles». Vetus Testamentum. 37: 63–70 
  4. Comay, Joan; Brownrigg, Ronald (1993). Who's Who in the Bible: The Old Testament and the Apocrypha, The New Testament. New York: Wing Books. pp. 316–317. ISBN 0-517-32170-X 
  5. Juízes 16:17-HE
  6. «E os filhos de Israel tornaram a fazer o que era mau aos olhos do SENHOR, e o SENHOR os entregou na mão dos filisteus por quarenta anos.» (Juízes 13:1)
  7. «E havia um homem de Zorá, da tribo de Dã, cujo nome era Manoá; e sua mulher, sendo estéril, não tinha filhos.» (Juízes 13:2)
  8. a b Rogerson, John W. (1999). Chronicle of the Old Testament Kings: the Reign-By-Reign Record of the Rulers of Ancient Israel. Londres, Inglaterra: Thames & Hudson. p. 58. ISBN 0-500-05095-3 
  9. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z Este artigo incorpora texto da Enciclopédia Judaica (Jewish Encyclopedia) (em inglês) de 1901–1906, uma publicação agora em domínio público.
  10. «E o anjo do Senhor apareceu a esta mulher, e disse-lhe: Eis que agora és estéril, e nunca tens concebido; porém conceberás, e terás um filho.» (Juízes 13:3)
  11. a b c d e f g h i j k l m Comay, Joan; Brownrigg, Ronald (1993). Who's Who in the Bible: The Old Testament and the Apocrypha, The New Testament. Nova Iorque: Wing Books. pp. Old Testament, 317. ISBN 0-517-32170-X 
  12. «Agora, pois, guarda-te de beber vinho, ou bebida forte, ou comer coisa imunda. Porque eis que tu conceberás e terás um filho sobre cuja cabeça não passará navalha; porquanto o menino será nazireu de Deus desde o ventre; e ele começará a livrar a Israel da mão dos filisteus.» (Juízes 13:4-5)
  13. «Então Manoá orou ao Senhor, e disse: Ah! Senhor meu, rogo-te que o homem de Deus, que enviaste, ainda venha para nós outra vez e nos ensine o que devemos fazer ao menino que há de nascer. E Deus ouviu a voz de Manoá; e o anjo de Deus veio outra vez à mulher, e ela estava no campo, porém não estava com ela seu marido Manoá.» (Juízes 13:8-9)
  14. «Ele respondeu: "Por que pergunta o meu nome? Meu nome está além do entendimento".» (Juízes 13:18)
  15. «Porém o anjo do Senhor disse a Manoá: Ainda que me detenhas, não comerei de teu pão; e se fizeres holocausto o oferecerás ao Senhor. Porque não sabia Manoá que era o anjo do Senhor.» (Juízes 13:16)
  16. «Então Manoá tomou um cabrito e uma oferta de alimentos, e os ofereceu sobre uma penha ao Senhor: e houve-se o anjo maravilhosamente, observando-o Manoá e sua mulher. E sucedeu que, subindo a chama do altar para o céu, o anjo do Senhor subiu na chama do altar; o que vendo Manoá e sua mulher, caíram em terra sobre seus rostos.» (Juízes 13:19-20)
  17. «E disse Manoá à sua mulher: Certamente morreremos, porquanto temos visto a Deus.» (Juízes 13:22)
  18. «Porém sua mulher lhe disse: Se o Senhor nos quisesse matar, não aceitaria da nossa mão o holocausto e a oferta de alimentos, nem nos mostraria tudo isto, nem nos deixaria ouvir tais coisas neste tempo.» (Juízes 13:23)
  19. «Depois teve esta mulher um filho, a quem pôs o nome de Sansão; e o menino cresceu, e o Senhor o abençoou.» (Juízes 13:24)
  20. «E desceu Sansão a Timnate; e, vendo em Timnate uma mulher das filhas dos filisteus; Subiu, e declarou-o a seu pai e a sua mãe, e disse: Vi uma mulher em Timnate, das filhas dos filisteus; agora, pois, tomai-ma por mulher.» (Juízes 14:1-2)
  21. «Porém seu pai e sua mãe lhe disseram: Não há, porventura, mulher entre as filhas de teus irmãos, nem entre todo o meu povo, para que tu vás tomar mulher dos filisteus, daqueles incircuncisos? E disse Sansão a seu pai: Toma-me esta, porque ela agrada aos meus olhos.» (Juízes 14:3)
  22. «Mas seu pai e sua mãe não sabiam que isto vinha do Senhor; pois buscava ocasião contra os filisteus; porquanto naquele tempo os filisteus dominavam sobre Israel.» (Juízes 14:4)
  23. a b c d e Rogerson, John W. (1999). Chronicle of the Old Testament Kings: the Reign-By-Reign Record of the Rulers of Ancient Israel. Londres, Inglaterra: Thames & Hudson. p. 59. ISBN 0-500-05095-3 
  24. «Desceu, pois, Sansão com seu pai e com sua mãe a Timnate; e, chegando às vinhas de Timnate eis que um filho de leão, rugindo, lhe saiu ao encontro. Então o Espírito do Senhor se apossou dele tão poderosamente que despedaçou o leão, como quem despedaça um cabrito, sem ter nada na sua mão; porém nem a seu pai nem a sua mãe deu a saber o que tinha feito.» (Juízes 14:5-6)
  25. «E desceu, e falou àquela mulher, e ela agradou aos olhos de Sansão. E depois de alguns dias voltou ele para tomá-la[...]» (Juízes 14:7-8)
  26. «[...] e, apartando-se do caminho para ver o corpo do leão morto, eis que nele havia um enxame de abelhas com mel.» (Juízes 14:8)
  27. «E tomou-o nas suas mãos, e foi andando e comendo dele; e foi a seu pai e a sua mãe, e deu-lhes do mel, e comeram; porém não lhes deu a saber que tomara o mel do corpo do leão.» (Juízes 14:9)
  28. «Descendo, pois, seu pai àquela mulher, fez Sansão ali um banquete; porque assim os moços costumavam fazer. E sucedeu que, como o vissem, trouxeram trinta companheiros para estarem com ele. Disse-lhes, pois, Sansão: Eu vos darei um enigma para decifrar; e, se nos sete dias das bodas o decifrardes e descobrirdes, eu vos darei trinta lençóis e trinta mudas de roupas. E, se não puderdes decifrar, vós me dareis a mim trinta lençóis e as trinta mudas de roupas. E eles lhe disseram: Dá-nos o teu enigma a decifrar, para que o ouçamos.» (Juízes 14:10-13)
  29. Juízes 14:14
  30. «E sucedeu que, ao sétimo dia, disseram à mulher de Sansão: Persuade a teu marido que nos declare o enigma, para que porventura não queimemos a fogo a ti e à casa de teu pai; chamastes-nos aqui para vos apossardes do que é nosso, não é assim?» (Juízes 14:15)
  31. «E a mulher de Sansão chorou diante dele, e disse: Tão-somente me desprezas, e não me amas; pois deste aos filhos do meu povo um enigma para decifrar, e ainda não o declaraste a mim. E ele lhe disse: Eis que nem a meu pai nem a minha mãe o declarei, e to declararia a ti? E chorou diante dele os sete dias em que celebravam as bodas; sucedeu, pois, que ao sétimo dia lho declarou, porquanto o importunava; então ela declarou o enigma aos filhos do seu povo.» (Juízes 14:16-17)
  32. «Disseram, pois, a Sansão os homens daquela cidade, ao sétimo dia, antes de se pôr o sol: Que coisa há mais doce do que o mel? E que coisa há mais forte do que o leão? E ele lhes disse: Se vós não lavrásseis com a minha novilha, nunca teríeis descoberto o meu enigma.» (Juízes 14:18)
  33. a b c d e f g h i j k Comay, Joan; Brownrigg, Ronald (1993). Who's Who in the Bible: The Old Testament and the Apocrypha, The New Testament. Nova Iorque: Wing Books. pp. Old Testament, 318. ISBN 0-517-32170-X 
  34. «Então o Espírito do Senhor tão poderosamente se apossou dele, que desceu aos ascalonitas, e matou deles trinta homens, e tomou as suas roupas, e deu as mudas de roupas aos que declararam o enigma [...]» (Juízes 14:19)
  35. «[...] porém acendeu-se a sua ira, e subiu à casa de seu pai. E a mulher de Sansão foi dada ao seu companheiro que antes o acompanhava.» (Juízes 14:19-20)
  36. «E aconteceu, depois de alguns dias, que, na sega do trigo, Sansão visitou a sua mulher, com um cabrito, e disse: Entrarei na câmara de minha mulher. Porém o pai dela não o deixou entrar. E disse-lhe seu pai: Por certo pensava eu que de todo a desprezavas; de sorte que a dei ao teu companheiro; porém não é sua irmã mais nova, mais formosa do que ela? Toma-a, pois, em seu lugar.» (Juízes 15:1-2)
  37. «E foi Sansão, e pegou trezentas raposas; e, tomando tochas, as virou cauda a cauda, e lhes pôs uma tocha no meio de cada duas caudas. E chegou fogo às tochas, e largou-as na seara dos filisteus; e assim abrasou os molhos com a sega do trigo, e as vinhas e os olivais.» (Juízes 15:4-5)
  38. Rogerson, John W. (1999). Chronicle of the Old Testament Kings: The Reign-By-Reign Record of the Rulers of Ancient Israel. Londres, Inglaterra: Thames & Hudson. p. 61. ISBN 0-500-05095-3 
  39. «Então perguntaram os filisteus: Quem fez isto? E responderam: Sansão, o genro do timnita, porque lhe tomou a sua mulher, e a deu a seu companheiro. Então subiram os filisteus, e queimaram a fogo a ela e a seu pai.» (Juízes 15:6)
  40. «Então lhes disse Sansão: É assim que fazeis? Pois, havendo-me vingado eu de vós, então cessarei.» (Juízes 15:7)
  41. «E feriu-os com grande ferimento, pernas juntamente com coxa; e desceu, e habitou na fenda da rocha de Etã.» (Juízes 15:8)
  42. «E perguntaram-lhes os homens de Judá: Por que subistes contra nós? E eles responderam: Subimos para amarrar a Sansão, para lhe fazer a ele como ele nos fez a nós. Então três mil homens de Judá desceram até a fenda da rocha de Etã, e disseram a Sansão: Não sabias tu que os filisteus dominam sobre nós? Por que, pois, nos fizeste isto? E ele lhes disse: Assim como eles me fizeram a mim, eu lhes fiz a eles. E disseram-lhe: Descemos para te amarrar e te entregar nas mãos dos filisteus. Então Sansão lhes disse: Jurai-me que vós mesmos não me acometereis.» (Juízes 15:10-12)
  43. «E eles lhe falaram, dizendo: Não, mas fortemente te amarraremos, e te entregaremos nas mãos deles; porém de maneira nenhuma te mataremos. E amarraram-no com duas cordas novas e fizeram-no subir da rocha. E, vindo ele a Leí, os filisteus lhe saíram ao encontro, jubilando; porém o Espírito do Senhor poderosamente se apossou dele, e as cordas que ele tinha nos braços se tornaram como fios de linho que se queimaram no fogo, e as suas amarraduras se desfizeram das suas mãos.» (Juízes 15:13-14)
  44. Porter, J. R. (2000). The Illustrated Guide to the Bible. Nova Iorque: Barnes & Noble Books. p. 75. ISBN 0-7607-2278-1 
  45. «E achou uma queixada fresca de um jumento, e estendeu a sua mão, e tomou-a, e feriu com ela mil homens. Então disse Sansão: Com uma queixada de jumento, montões sobre montões; com uma queixada de jumento feri a mil homens.» (Juízes 15:15-16)
  46. «E foi Sansão a Gaza, e viu ali uma mulher prostituta, e entrou a ela.» (Juízes 16:1)
  47. «E foi dito aos gazitas: Sansão entrou aqui. Cercaram-no, e toda a noite lhe puseram espias à porta da cidade; porém toda a noite estiveram quietos, dizendo: Até à luz da manhã esperaremos; então o mataremos. Porém Sansão deitou-se até à meia-noite, e à meia-noite se levantou, e arrancou as portas da entrada da cidade com ambas as umbreiras, e juntamente com a tranca as tomou, pondo-as sobre os ombros; e levou-as para cima até ao cume do monte que está defronte de Hebrom.» (Juízes 16:2-3)
  48. «E depois disto aconteceu que se afeiçoou a uma mulher do vale de Soreque, cujo nome era Dalila.» (Juízes 16:4)
  49. «Então os príncipes dos filisteus subiram a ela, e lhe disseram: Persuade-o, e vê em que consiste a sua grande força, e como poderíamos assenhorear-nos dele e amarrá-lo, para assim o afligirmos; e te daremos, cada um de nós, mil e cem moedas de prata.» (Juízes 16:5)
  50. «Disse, pois, Dalila a Sansão: Declara-me, peço-te, em que consiste a tua grande força, e com que poderias ser amarrado para te poderem afligir. Disse-lhe Sansão: Se me amarrassem com sete vergas de vimes frescos, que ainda não estivessem secos, então me enfraqueceria, e seria como qualquer outro homem.» (Juízes 16:6-7)
  51. «Então os príncipes dos filisteus lhe trouxeram sete vergas de vimes frescos, que ainda não estavam secos; e amarraram-no com elas. E o espia estava com ela na câmara interior. Então ela lhe disse: Os filisteus vêm sobre ti, Sansão. Então quebrou as vergas de vimes, como se quebra o fio da estopa ao cheiro do fogo; assim não se soube em que consistia a sua força. Então disse Dalila a Sansão: Eis que zombaste de mim, e me disseste mentiras; ora declara-me agora com que poderias ser amarrado.» (Juízes 16:8-10)
  52. «E ele disse: Se me amarrassem fortemente com cordas novas, que ainda não houvessem sido usadas, então me enfraqueceria, e seria como qualquer outro homem.» (Juízes 16:11)
  53. «Então Dalila tomou cordas novas, e o amarrou com elas, e disse-lhe: Os filisteus vêm sobre ti, Sansão. E o espia estava na recâmara interior. Então as quebrou de seus braços como a um fio. E disse Dalila a Sansão: Até agora zombaste de mim, e me disseste mentiras; declara-me pois, agora, com que poderias ser amarrado? E ele lhe disse: Se teceres sete tranças dos cabelos da minha cabeça com os liços da teia.» (Juízes 16:12-13)
  54. «E disse Dalila a Sansão: Até agora zombaste de mim, e me disseste mentiras; declara-me pois, agora, com que poderias ser amarrado? E ele lhe disse: Se teceres sete tranças dos cabelos da minha cabeça com os liços da teia. E ela as fixou com uma estaca, e disse-lhe: Os filisteus vêm sobre ti, Sansão: Então ele despertou do seu sono, e arrancou a estaca das tranças tecidas, juntamente com o liço da teia.» (Juízes 16:13-14)
  55. a b Rogerson, John W. (1999). Chronicle of the Old Testament Kings: The Reign-By-Reign Record of the Rulers of Ancient Israel. Londres, Inglaterra: Thames & Hudson. p. 62. ISBN 0-500-05095-3 
  56. «E sucedeu que, importunando-o ela todos os dias com as suas palavras, e molestando-o, a sua alma se angustiou até a morte. E descobriu-lhe todo o seu coração, e disse-lhe: Nunca passou navalha pela minha cabeça, porque sou nazireu de Deus desde o ventre de minha mãe; se viesse a ser rapado, ir-se-ia de mim a minha força, e me enfraqueceria, e seria como qualquer outro homem.» (Juízes 16:16-17)
  57. «Então ela o fez dormir sobre os seus joelhos, e chamou a um homem, e rapou-lhe as sete tranças do cabelo de sua cabeça; e começou a afligi-lo, e retirou-se dele a sua força.» (Juízes 16:19)
  58. «Então os filisteus pegaram nele, e arrancaram-lhe os olhos, e fizeram-no descer a Gaza, e amarraram-no com duas cadeias de bronze, e girava ele um moinho no cárcere.» (Juízes 16:21)
  59. «Então os príncipes dos filisteus se ajuntaram para oferecer um grande sacrifício ao seu deus Dagom, e para se alegrarem, e diziam: Nosso deus nos entregou nas mãos a Sansão, nosso inimigo.» (Juízes 16:23)
  60. «E sucedeu que, alegrando-se-lhes o coração, disseram: Chamai a Sansão, para que brinque diante de nós. E chamaram a Sansão do cárcere, que brincava diante deles, e fizeram-no estar em pé entre as colunas. [...] Ora estava a casa cheia de homens e mulheres; e também ali estavam todos os príncipes dos filisteus; e sobre o telhado havia uns três mil homens e mulheres, que estavam vendo Sansão brincar.» (Juízes 16:25, 27)
  61. «Então disse Sansão ao moço que o tinha pela mão: Guia-me para que apalpe as colunas em que se sustém a casa, para que me encoste a elas.» (Juízes 16:26)
  62. «E o cabelo da sua cabeça começou a crescer, como quando foi rapado.» (Juízes 16:22)
  63. «Então Sansão clamou ao SENHOR, e disse: Senhor DEUS, peço-te que te lembres de mim, e fortalece-me agora só esta vez, ó Deus, para que de uma vez me vingue dos filisteus, pelos meus dois olhos. Abraçou-se, pois, Sansão com as duas colunas do meio, em que se sustinha a casa, e arrimou-se sobre elas, com a sua mão direita numa, e com a sua esquerda na outra. E disse Sansão: Morra eu com os filisteus. E inclinou-se com força, e a casa caiu sobre os príncipes e sobre todo o povo que nela havia; e foram mais os mortos que matou na sua morte do que os que matara em sua vida.» (Juízes 16:28-30)
  64. a b «Então seus irmãos desceram, e toda a casa de seu pai, e tomaram-no, e subiram com ele, e sepultaram-no entre Zorá e Estaol, no sepulcro de Manoá, seu pai. Ele julgou a Israel vinte anos.» (Juízes 16:31)
  65. Levinger, I. M.; Neuman, Kalman (2008). IsraGuide 2007/2008 (pb). [S.l.]: Feldheim Publishers. p. 266. ISBN 978-1-59826-154-7 
  66. «E o Senhor enviou a Jerubaal, e a Bedã, e a Jefté, e a Samuel; e livrou-vos da mão de vossos inimigos em redor, e habitastes seguros.» (1 Samuel 12:11)
  67. a b c d e f g h i j k l m Mobley, Gregory (2006). Samson and the Liminal Hero in the Ancient Near East. Cidade de Nova Iorque, Nova Iorque; Londres, Inglaterra: T & T Clark. pp. 5–12. ISBN 978-0-567-02842-6 
  68. «O Senhor Deus é sol e escudo; o Senhor concede favor e honra; não recusa nenhum bem aos que vivem com integridade.» (Salmos 84:11)
  69. Midrash Genesis Rabbah xcviii. 18
  70. Ben Yehoyada e Maharal, no comentário para o Talmude, tratado de Sotá 10a
  71. Tratado de Sotá 10a, Talmude.
  72. a b Midrash Leviticus Rabbah viii. 2
  73. Sotá 9b.
  74. Midrash Eccl. Rabbah i., final
  75. Leviticus Rabbah. xxiii. 9
  76. a b Sotá l.c.
  77. (Midrash Numbers Rabbah ix. 25)
  78. (Midrash Genesis Rabbah l.c. § 19)
  79. «E que mais direi? Faltar-me-ia o tempo contando de Gideão, e de Baraque, e de Sansão, e de Jefté, e de Davi, e de Samuel e dos profetas, os quais pela fé venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas, fecharam as bocas dos leões, apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fuga os exércitos dos estranhos.» (Hebreus 11:32-34)
  80. a b c Newsome, Carol Ann; Ringe, Sharon H.; Lapsley, Jacqueline E., eds. (2012) [1992]. Women's Bible Commentary 3rd ed. Louisville, KY: Westminster John Knox Press. p. 139. ISBN 978-0-664-23707-3 
  81. a b c Thomson, Edward (1838). «Prophecy, Types, And Miracles, The Great Bulwarks of Christianity: Or A Critical Examination And Demonstration of Some of The Evidences By Which The Christian Faith Is Supported». Hatchard & Son. p. 299–300. Consultado em 30 de outubro de 2017 
  82. a b Heaster, Duncan (2017). «Micah: Old Testament New European Christadelphian Commentary». Consultado em 30 de outubro de 2017 
  83. «Sejam sóbrios e vigiem. O diabo, o inimigo de vocês, anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar.» (1 Pedro 5:8)
  84. Beasley, Robert C. (2008). «101 Portraits of Jesus in the Hebrew Scriptures». Signalman. Consultado em 30 de outubro de 2017 
  85. Lynn G, S (2008). «A Study of the Good the Bad and the Desperate Women in the Bible». p. 46. Consultado em 30 de outubro de 2017 
  86. a b Brewer, Ebenezer Cobham. «A Guide to Scripture History. The Old Testament». Trinity Hall, Cambridge. p. 190. Consultado em 30 de outubro de 2017 
  87. Leviton, Richard (2014). The Mertowney Mountain Interviews. [S.l.]: iUniverse. p. 244. ISBN 9781491741290 
  88. Jastrow, Morris (1898). The Religion of Babylonia and Assyria. Boston: Ginn & Company 
  89. Charles Fox Burney, The Book of Judges, with Introduction and Notes (Londres: Rivingtons, 1918).
  90. Graves, Robert (1955) The Greek Myths cf Herakles.
  91. Freedman, David Noel, ed. (2000). Eerdmans Dictionary of The Bible. William B. Eerdmans Publishing Co. p. 336 (entry for 'Delilah'). ISBN 0-8028-2400-5 
  92. a b c Wajdenbaum, P. (2014). Argonauts of the Desert: Structural Analysis of the Hebrew Bible. CIdade de Nova Iorque, Nova Iorque; Londres; Inglaterra: Routledge. pp. 223–227. ISBN 978-1-84553-924-5 
  93. «Depois dele foi Sangar, filho de Anate, que feriu a seiscentos homens dos filisteus com uma aguilhada de bois; e também ele libertou a Israel.» (Juízes 3:31)
  94. Cooke, George Albert (1913). The Book of Judges. Cambridge, Inglaterra: Cambridge University Press 
  95. Comay, Joan; Brownrigg, Ronald (1993). Who's Who in the Bible: The Old Testament and the Apocrypha, The New Testament. Nova Iorque: Wing Books. pp. Old Testament, 320. ISBN 0-517-32170-X 
  96. a b West, James King (1971). Introduction to the Old Testament. Cidade de Nova Iorque, Nova Iorque: MacMillan Company. p. 183 
  97. a b c Gilad, Elon (4 de junho de 2014). «Intermarriage and the Jews: What Would the Early Israelites Say?». Haaretz. Consultado em 30 de outubro de 2017 
  98. Hasson, Nir (30 de julho de 2012). «National Seal found by Israeli archeologists may give substance to Samson legend». Haaretz. Consultado em 3 de setembro de 2013 
  99. Smith, Preserved (1930). A History of Modern Culture. Cambridge, Inglaterra: Cambridge University Press. p. 387. ISBN 978-1-108-07464-3 
  100. Teskey, Gordon (2006). Delirious Milton: The Fate of the Poet in Modernity. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press. p. 144. ISBN 9780674010697 
  101. Lieb, Michael (1994). Milton and the Culture of ViolenceRegisto grátis requerido. Londres, Inglaterra: Cornell University Press. ISBN 978-0801429033 
  102. Guillory, John (1986). «Dalila's House: Samson Agonistes' and the Sexual Division of Labor». In: Ferguson, Margaret; Quilligan, Maurren; Vickers, Nancy. Rewriting the Renaissance: The Discourses of Sexual Difference in Early Modern Europe. Chicago, Illinois: University of Chicago Press. ISBN 9780226243146 
  103. a b c d Leneman, Helen (2000). «Portrayals of Power in the Stories of Delilah and Bathsheba: Seduction in Song». In: Aichele, George. Culture, Entertainment, and the Bible. Sheffield, Inglaterra: Sheffield Academic Press, Ltd. p. 153. ISBN 1-84127-075-X 
  104. McKay, James (2013). The Films of Victor Mature. [S.l.]: McFarland & Company. p. 76. ISBN 9780786449705 
  105. Barton, Ruth (2010). Hedy Lamarr: The Most Beautiful Woman in Film. Lexington, Kentucky: University Press of Kentucky. p. 174. ISBN 9780813126104 
  106. «23rd Academy Awards Winners». Oscars.org. Consultado em 16 de abril de 2020 
  107. Organização da Variety (31 de dezembro de 1949). «Variety – Review: Samson and Delilah». Variety 
  108. «Record aposta em 'Sansão e Dalila'». Diário do Grande ABC. 3 de janeiro de 2011. Consultado em 15 de maio de 2012 
  109. «Minissérie 'Sansão e Dalila' estreia amanhã na Record». Estadão. 3 de janeiro de 2011. Consultado em 15 de maio de 2012 
  110. «Sobe e Desce: Confira os melhores e piores da semana - 2 - Notícias - Famosidades - MSN Entretenimento». entretenimento.br.msn.com. Consultado em 15 de maio de 2012 
  111. «CRÍTICA/'Sansão e Dalila': Um Sansão fraco mesmo de cabelos compridos». Patrícia Kogut. Consultado em 9 de janeiro de 2011 
  112. a b c Wortman, Richard S. (2006). Scenarios of Power: Myth and Ceremony in Russian Monarchy: From Peter the Great to the Abdication of Nicholas II. Princeton, New Jersey: Princeton University Press. pp. 25–26. ISBN 978-0-691-12374-5 
  113. a b c «Samson:Emblem of Lungau». lungau.at. Saliburger Lungau. Consultado em 16 de abril de 2020 
  114. Samsontragen im Lungau und Bezirk Murau Arquivado em 2015-12-22 no Wayback Machine., Nationalagentur für das Immaterielle Kulturerbe, Österreichische UNESCO-Kommission
  115. «Samson in Ath, Belgium». Renovation du Cortège. Consultado em 16 de abril de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Sansão
Sansão
Precedido por:
Abdão
Juiz de Israel Sucedido por:
Eli