Camille Saint-Saëns

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde fevereiro de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Camille Saint-Saëns
Informação geral
Nome completo Charles-Camille Saint-Saëns
Nascimento 9 de outubro de 1835
Paris, Ilha de França,  França
Morte 16 de dezembro de 1921 (86 anos)
Argel, Argélia Francesa
Gênero(s) Romantismo
Ocupação(ões)
Progenitores Mãe: Françoise-Clémence Collin
Pai: Jacques Saint-Saëns
Cônjuge Marie-Laure Truffot
Alma mater Conservatório de Paris
Período em atividade 1853–1921

Charles-Camille Saint-Saëns (Paris, 9 de outubro de 1835Argel, 16 de dezembro de 1921) foi um compositor, organista, maestro e pianista francês da Era Romântica. Seus trabalhos mais conhecidos incluem Introdução e Rondo Caprichoso (1863), seu Segundo Concerto para Piano (1868), seu Primeiro Concerto para Violoncelo (1872), Dança Macabra (1874), a ópera Sansão e Dalila (1877), o Terceiro Concerto para Violino (1880), sua Terceira Sinfonia (1886) e O Carnaval dos Animais (1886).

Saint-Saëns foi um prodígio musical, fazendo sua estreia em concertos com apenas dez anos de idade. Ele estudou no Conservatório de Paris e seguiu uma carreira convencional de organista de igreja, primeiro em Saint-Merri e a partir de 1858 na La Madeleine, a igreja oficial do Segundo Império Francês. Tornou-se um pianista e compositor autônomo de sucesso ao deixar o cargo vinte anos depois, estando em demanda na Europa e na América do Norte.

Ele era cheio de entusiasmo quando jovem para as músicas mais modernas da sua época, particularmente de Robert Schumann, Franz Liszt e Richard Wagner, porém suas composições geralmente ficavam dentro das convenções clássicas tradicionais. Foi um acadêmico da história da música e permaneceu comprometido com as estruturas estabelecidas por compositores franceses anteriores. Isto fez com que entrasse em conflito no final de sua vida com compositores das escolas impressionista e dodecafonista; apesar de existirem elementos neoclássicos em sua música, antecipando trabalhos de Ígor Stravinski e Les Six, ele frequentemente era considerado um reacionário nas últimas décadas antes de sua morte.

Saint-Saëns em sua vida teve um único cargo de professor, na Escola de Música Clássica e Religiosa de Paris, porém o manteve por menos de cinco anos. Mesmo assim isto foi importante para o desenvolvimento da música francesa pelas décadas seguintes: dentre seus alunos estava Gabriel Fauré, que dentre os próprios pupilos estava Maurice Ravel. Ambos os compositores foram muito influenciados por Saint-Saëns, quem eles reverenciavam como um gênio da música.

Vida e carreira[editar | editar código-fonte]

Início de sua vida[editar | editar código-fonte]

Retrato de Françoise Collin (1809-1888), mãe de Camille Saint-Saëns

Saint-Saëns nasceu em Paris, filho único de Jacques-Joseph-Victor Saint-Saëns (1798–1835), um funcionário do Ministério do Interior Francês, e sua esposa, Françoise-Clémence. Victor Saint-Saëns tinha uma ancestralidade da família Norman, e sua esposa da Haute-Marne, o filho deles nasceu na Rue du Jardinet no 6º arrondissement  of Paris, e foi batizado na igreja Saint-Sulpice, e sempre se considerou um verdadeiro parisiense[1]

Em menos de dois meses após o batismo, Victor Saint-Saëns morreu de tuberculose no seu primeiro aniversário de casamento. O jovem Camille foi levado para a cidade para tratar de sua saúde, e por dois anos viveu com uma enfermeira em Corbeil, 29 quilômetros do sul de Paris.[2]

Quando Saint-Saëns foi trazido de volta a Paris, ele viveu com sua mãe e sua tia viúva, Charlotte Masson. Antes dos três anos ele mostrou uma perfeita afinação e adorava as músicas e sons vindos do piano. Sua tia-avó o ensinou o básico do pianismo, e por volta dos sete anos ele se tornou aluno de Camille-Marie Stamaty, um ex-aluno de Friedrich Kalkbrenner.

Stamaty ensinava seus estudantes a tocar enquanto apoiavam seus antebraços numa barra em frente ao teclado, de modo em que "todo poder do pianista saia das mãos e dedos mais do que dos braços", o qual Saint-Saëns descreveu mais tarde como um ótimo treinamento.

Clémence Saint-Saëns, tinha conhecimento do talento precoce do seu filho, mas não queria que ele se tornasse muito famoso enquanto criança. O crítico de música Harold C. Schonberg escreveu sobre Saint-Saëns em 1969, "Não se percebeu que era uma das crianças mais notáveis da história, incluindo também Mozart." O garoto dava ocasionalmente suas performances para pequenas plateias na idade de cinco, porém foi apenas aos dez que ele fez seu concerto oficial, no Salle Pleyel, numa programação que incluía o Concerto de piano em Si bemol maior de Mozart (K450), e o Terceiro Concerto de Piano de Beethoven

Através da influência de Stamaty, Saint-Saëns foi introduzido na composição do professor Pierre Maleden e o professor de órgão Alexandre Pierre François Boëly. Em pouco tempo ele adquiriu na sua vida uma história de amor com a música de Bach, que na época era pouco conhecido na França.

Saint-Saëns em 1858

Como um colegial Saint-Saëns foi excelente em muitos assuntos. Além de seu talento musical, ele distinguiu-se no estudo da literatura francesa, mitologia grega e romana e matemática. Seus entusiasmos incluem filosofia, arqueologia e astronomia, dos quais, especialmente a última, ele permaneceu como um amador talentoso mais tarde na vida.

Em 1848, aos 13 anos, Saint-Saëns foi aceito no Paris Conservatoire, a mais importante academia de música da França. O diretor, Daniel Auber, sucedeu Luigi Cherubini em 1842, e implantou um regime mais descontraído que o seu predecessor, porém o currículo da escola permaneceu conservador. Estudantes, até os mais notáveis pianistas como Saint-Saëns, foram encorajados a se especializar em estudos de órgão, pois a carreira como organista de igreja oferecia mais oportunidades que um pianista solo. Seu professor de órgão foi François Benoist, quem Saint-Saëns considerava um medíocre organista porém um professor de alto nível. Seus alunos incluíam Adolphe AdamCésar FranckCharles AlkanLouis Lefébure-Wély e Georges Bizet.

Em 1851 Saint-Saëns ganhou o prêmio máximo do Conservatório para organistas, e no mesmo ano ele começou estudos formais de composição. Seu professor era bastante íntimo de Cherubini e Fromental Halévy, cujos alunos incluem Charles Gounod e Bizet.

Dentre as composições como estudante de Saint-Saëns estão uma sinfonia em Lá Maior (1850) e uma peça de coral, e Les Djinns (1850), para um poema de Victor Hugo. Ele competiu para premier musical da França, o Prix de Rome, em 1852, mas não obteve sucesso. Daniel Auber acreditava que o prêmio deveria ter ido para Saint-Saëns, considerando-se que ele era mais promissor que o vencedor, Léonce Cohen, que fez uma pequena marca durante sua carreira.

No mesmo ano, Saint-Saëns teve grande sucesso em uma competição organizada pela Société Sainte-Cécile, Paris, com a Ode à Sainte-Cécile, para os quais os juízes votaram nele por unanimidade, conquistando o seu primeiro prêmio. A primeira peça do compositor a ser reconhecida como uma obra madura foi a Trois Morceaux para harmônio (1852).

Início da carreira musical[editar | editar código-fonte]

Ao deixar o Conservatório em 1853, Saint-Saëns aceitou o cargo de organista na antiga Igreja parisiense de Saint-Merri perto do Hôtel de Ville. A paróquia foi significativa, com 26 mil paroquianos; em um ano típico, havia mais de duas centenas de casamentos. Os honorários como organista, juntamente com as taxas para funerais e seu salário básico modesto, deu a Saint-Saëns uma renda confortável. O órgão, obra de François-Henri Clicquot , tinha sido muito danificado na sequência da Revolução Francesa e imperfeitamente restaurado. O instrumento estava adequado para os serviços da igreja, mas não para os recitais ambiciosos que muitas Igrejas parisienses de alto nível ofereciam.

Com tempo livre suficiente para prosseguir a sua carreira como pianista e compositor, Saint-Saëns compôs o que se tornou seu Opus 2, o Sinfonia em Mi bemol (1853). Este trabalho possuía fanfarras militares, seções de metais e percussão aumentada, as quais conseguiram captar o estado de espírito da época, na sequência do levantamento popular ao poder de Napoleão III e a restauração do Império Francês. O trabalho trouxe ao compositor outro primeiro premio do Société Sainte-Cécile.

Músicos reconhecidos, como Gioachino Rossini, Hector Berlioz, Franz Liszt e Pauline Viardot, perceberam rapidamente o talento de Saint-Saëns, encorajando-o a continuar sua carreira. No início de 1858, Saint-Saëns se transferiu de Saint-Merri para um cargo de alto nível da La Madeleine, a igreja oficial do Império; Liszt ouviu-o tocando, e o consagrou o melhor organista do mundo.

Apesar de possuir uma reputação por declarações conservadoras sobre música, nos anos 1850 Saint-Saëns apoiou e promoveu o estilo modernista de Richard Wagner, contudo, não sofreu influências pelo mesmo nas suas próprias composições.

Década de 1860: ensinando e ganhando fama[editar | editar código-fonte]

Em 1861, Saint-Saëns aceitou seu único cargo de professor, na École de Musique Classique et Religieuse (Escola de Música Clássica e Religiosa), Paris, na qual Louis Niedermeyer estabeleceu em 1853 para treinar regentes de corais e organistas de alto nível para as igrejas francesas. O próprio Niedermeyer era professor de piano, até março de 1861, quando morreu de causas naturais, e Saint-Saëns foi nomeado para gerir os estudos de piano. Ele chocou seus colegas mais austeros ao introduzir aos seus alunos música contemporânea, incluindo Schumann, Liszt e Wagner. Seu mais conhecido aluno, Gabriel Fauré declarou, já idoso:

"Ao término das lições, ele ia ao piano e nos revelava trabalhos de mestres os quais a natureza clássica do programa de estudo da escola nos distanciava, e que em todos esses anos de estudo mal-mente conhecíamos. Eu tinha 15 ou 16 anos, e nesta época nasceu um apego filial... a imensa admiração, a gratitude incessante que eu tenho por ele, no decorrer da minha vida.[3]

Saint-Saëns logo conquistou a admiração da academia ao escrever e compor uma música incidental para uma Farsa de um ato, realizada pelos estudantes (incluindo André Messager). Ele concebeu seu mais conhecido trabalho, O Carnaval dos Animais, com seus estudantes em mente, mas não terminou sua composição até 1886, mais de 20 anos depois de ter deixado a escola Niedermeyer.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Camille Saint-Saëns

Referências

  1. Reez. [S.l.: s.n.] 22 páginas 
  2. Ratner, Sabrina Teller. «"Saint-Saëns, Camille: Life"». Consultado em 7 de fevereiro de 2015. 
  3. Fauré in 1922, quoted in Nectoux, pp. 1–2
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) compositor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.