Raposa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Raposa (desambiguação).
Raposa
Várias raposas verdadeiras: da esquerda para a direita e de cima para baixo: raposa vermelha, raposa-de-rüppell, raposa-das-estepes, raposa-de-bengala, raposa-do-ártico, raposa afegã, raposa-do-cabo e feneco.
Várias raposas verdadeiras: da esquerda para a direita e de cima para baixo: raposa vermelha, raposa-de-rüppell, raposa-das-estepes, raposa-de-bengala, raposa-do-ártico, raposa afegã, raposa-do-cabo e feneco.
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Subordem: Caniformia
Família: Canidae
Grupos incluídos
Grupos excluídos
Todas as outras espécies em Canini.
Raposa-vermelha

Raposas são pequenos a médios mamíferos onívoros pertencentes a vários gêneros da família Canidae. As raposas têm o crânio achatado, orelhas triangulares verticais, focinho pontiagudo e ligeiramente arrebitado e uma cauda longa e espessa.

Doze espécies pertencem ao grupo monofilético de "raposas verdadeiras" do gênero Vulpes. Aproximadamente outras 25 espécies atuais ou extintas são parte do grupo parafilético das raposas sul-americanas ou do grupo periférico, que consiste na raposa-orelhas-de-morcego, raposa-cinzenta e raposa-das-ilhas.[1]

As raposas vivem em todos os continentes, exceto a Antártida. De longe, a espécie mais comum e difundida de raposa é a raposa vermelha (Vulpes vulpes) com cerca de 47 subespécies reconhecidas.[2] A distribuição global das raposas, juntamente com sua ampla reputação de astúcia, contribuíram para sua proeminência na cultura popular e no folclore em muitas sociedades ao redor do mundo. A caça à raposa com matilhas de cães, há muito uma atividade estabelecida na Europa, especialmente nas Ilhas Britânicas, foi exportada por colonos europeus para várias partes do Novo Mundo.

Relações filogenéticas[editar | editar código-fonte]

Ilustração comparativa de crânios de uma raposa verdadeira (esquerda) e raposa cinza (direita), com diferentes cristas temporais e lobos subangulares indicados

Dentro de Canidae, os resultados da análise de DNA mostram várias divisões filogenéticas:

  1. Os canídeos semelhantes a raposas, que incluem a raposa-veloz (Vulpes velox), raposa vermelha (Vulpes vulpes), raposa-do-cabo (Vulpes chama), raposa do ártico (Vulpes lagopus), and feneco (Vulpes zerda).[3]
  2. Os canídeos semelhantes a lobos, (gênero Canis, Cuon e Lycaon) incluem o cão (Canis lupus familiaris), lobo-cinzento (Canis lupus), lobo-vermelho (Canis rufus), lobo-oriental (Canis lycaon), coiote (Canis latrans), chacal-dourado (Canis aureus), lobo-etíope (Canis simensis), chacal-de-dorso-negro (Canis mesomelas), chacal-listrado (Canis adustus), cão-selvagem-asiático (Cuon alpinus), and mabeco (Lycaon pictus).[3]
  3. Os canídeos sul-americanos, incluindo o cachorro-do-mato (Speothos venaticus), raposa-do-campo (Lycalopex uetulus), cachorro-do-mato (Cerdocyon thous) e lobo-guará (Chrysocyon brachyurus).[3]
  4. Vários táxons monotípicos, incluindo a raposa-orelhas-de-morcego (Otocyon megalotis), raposa-cinzenta (Urocyon cinereoargenteus), e cão-guaxinim (Nyctereutes procyonoides).[3]

Biologia[editar | editar código-fonte]

Esqueleto de raposa

Morfologia geral[editar | editar código-fonte]

As raposas são geralmente menores do que alguns outros membros da família Canidae, como lobos e chacais, embora possam ser maiores do que alguns dentro da família, como cães-guaxinins. Na maior espécie, a raposa-vermelha, os machos pesam em média entre 4,1–8,7 kg,[4] enquanto a menor espécie, o feneco, pesa apenas 0.7–1.6 kg.[5] As características das raposas geralmente incluem uma face triangular, orelhas pontudas, uma rostro alongada e uma cauda espessa. As raposas são digitígradas; elas andam na ponta dos pés. Ao contrário da maioria dos membros da família Canidae, as raposas têm garras parcialmente retráteis.[6] As vibrissas de raposa, ou bigodes, são pretas. Os bigodes no focinho, as vibrissas, têm média de 100–110 mm de comprimento, enquanto os bigodes em todos os outros lugares da cabeça são mais curtos. Bigodes (vibrissas carpais) também estão nos membros anteriores e têm 40 mm longos, apontando para baixo e para trás.[2] Outras características físicas variam de acordo com o habitat e a significância adaptativa.

As espécies de raposas diferem na cor, comprimento e densidade do pelo. As cores da pelagem variam do branco perolado ao preto e branco ao preto salpicado de branco ou cinza na parte inferior. Fenecos (e outras espécies de raposas adaptadas à vida no deserto, como raposas-anãs), por exemplo, tem orelhas grandes e pêlo curto para ajudar a manter o corpo fresco.[2][6] raposas-do-ártico, por outro lado, têm orelhas pequenas e membros curtos, bem como pêlo espesso e isolante, que ajuda a manter o corpo aquecido.[7] As raposas vermelhas possuem um pêlo tipicamente ruivo, a cauda normalmente termina com uma mancha branca tail.[8] A cor e a textura da pelagem de uma raposa podem variar devido à mudança nas estações; as peles de raposa são mais ricas e densas nos meses mais frios e mais leves nos meses mais quentes. Para se livrar da densa pelagem de inverno, as raposas trocam de pêlo uma vez por ano por volta de abril; o processo começa nos pés, sobe pelas pernas e, em seguida, ao longo das costas.[6] A cor da pelagem também pode mudar conforme o indivíduo envelhece.[2]

Dentição[editar | editar código-fonte]

A dentição de uma raposa, como todos os outros canídeos, é I 3/3, C 1/1, PM 4/4, M 3/2 = 42. (As raposas-orelhas-de-morcego têm seis molares extras, totalizando 48 dentes.) As raposas têm pares pronunciados de dentes carniceiros, o que é característico de um carnívoro. Esses pares consistem no pré-molar superior e no primeiro molar inferior, e trabalham juntos para cisalhar materiais duros como a carne. Os caninos das raposas são pronunciados, também característicos de um carnívoro, e são excelentes para agarrar presas.[9]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Raposa-do-ártico enrolada na neve

Na natureza, a expectativa de vida típica de uma raposa é de um a três anos, embora os indivíduos possam viver até dez anos. Ao contrário de muitos canídeos, as raposas nem sempre são animais de carga. Normalmente, eles vivem em pequenos grupos familiares, mas alguns (como raposas-do-ártico) são solitários.[2][6]

Raposas são onívoras.[10][11] Sua dieta é composta principalmente de invertebrados, como insetos, e pequenos vertebrados, como répteis e pássaros. Eles também podem comer ovos e vegetação. Muitas espécies são predadores generalistas, mas algumas (como a cachorro-do-mato) têm dietas mais especializadas. A maioria das espécies de raposas consomem cerca de 1 kg de comida todos os dias. Raposas armazenam excesso de comida, enterrando-a para consumo posterior, geralmente sob as folhas, neve ou solo.[6][12] Durante a caça, as raposas tendem a usar uma técnica de ataque específica, de modo que se agacham para se camuflar no terreno e, em seguida, usam as patas traseiras para pular com grande força e pousar em cima da presa escolhida.[2] Usando seus dentes caninos pronunciados, elas podem agarrar o pescoço da presa e sacudi-la até que esteja morta ou possa ser facilmente estripada.[2]

A raposa-cinzenta é uma das duas únicas espécies caninas conhecidas por subir em árvores regularmente; o outro é o cão-guaxinim. [13]

Características sexuais[editar | editar código-fonte]

O escroto da raposa macho é segurado próximo ao corpo com os testículos dentro, mesmo depois que eles descem. Como outros caninos, a raposa macho tem um báculo, ou osso peniano.[2][14][15] Os testículos das raposas-vermelhas são menores do que os das raposas-do-ártico.[16] A formação de esperma em raposas-vermelhas começa em agosto-setembro, com os testículos atingindo seu maior peso em dezembro-fevereiro.[17]

As raposas fêmeas ficam no cio por um a seis dias, fazendo seu ciclo reprodutivo durar doze meses. Como com outros caninos, os óvulos são eliminados durante o estro sem a necessidade de estimulação da cópula. Uma vez que o ovo é fertilizado, a raposa entra em um período de gestação que pode durar de 52 a 53 dias. As raposas tendem a ter um tamanho médio de ninhada de quatro a cinco, com uma taxa de sucesso de 80 por cento em engravidar.[2][18] O tamanho da ninhada pode variar muito de acordo com a espécie e o ambiente – a raposa-do-ártico, por exemplo, pode ter até onze filhotes.[19]

Vocalização[editar | editar código-fonte]

O repertório vocal da raposa é vasto:

  • Choro – Feito logo após o nascimento. Ocorre em uma taxa alta quando os filhotes estão com fome e quando a temperatura corporal está baixa. Chorar estimula a mãe a cuidar de seus filhos; também estimula a raposa macho a cuidar de sua companheira e dos filhotes.
  • Ganido – Feito cerca de 19 dias depois. O choramingo dos filhotes se transformam em latidos infantis, ganidos, que ocorrem fortemente durante a brincadeira.
  • Chamada explosiva – Com a idade de cerca de um mês, os filhotes podem emitir um chamado explosivo que tem o objetivo de ameaçar intrusos ou outros filhotes; um uivo agudo.
  • Chamada combativa – Em adultos, o chamado explosivo torna-se um chamado combativo de boca aberta durante qualquer conflito; um latido mais agudo.
  • Rosnado – Uma indicação de uma raposa adulta para seus filhotes para se alimentar ou dirigir-se ao local do adulto.
  • Latido – Raposas adultas alertam contra intrusos e em defesa latindo.[2][20]

No caso das raposas domesticadas, o gemido parece permanecer nos indivíduos adultos como um sinal de excitação e submissão na presença de seus donos.[2]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Canídeos comumente conhecidos como raposas incluem os seguintes gêneros e espécies:[2]

Gênero Espécie Foto
Canis Lobo-etíope
Lobo-etíope, nativo das terras altas da Etiópia
Cerdocyon Cachorro-do-mato
Cerdocyon thous, espécie sul-americana
Dusicyon gênero extinto, incluindo o lobo-das-malvinas, também conhecido como a raposa-das-malvinas
Lobo-das-malvinas Ilustração por John Gerrard Keulemans (1842–1912)
Lycalopex
Uma Raposa-cinzenta-argentina no Parque Nacional Pan de Azúcar ao longo da costa do Pacífico do Deserto de Atacama
Otocyon Raposa-orelhas-de-morcego
Urocyon
Raposa-das-ilhas (Urocyon littoralis), nas Ilhas do Canal da Califórnia, EUA
Vulpes
O feneco é a menor espécie de raposa

Conservação[editar | editar código-fonte]

Várias espécies de raposas estão ameaçadas em seus ambientes nativos.

Raposa-do-campo (Lycalopex vetulus)[editar | editar código-fonte]

A raposa-do-campo ou raposinha-do-campo (Lycalopex vetulus) é considerada uma espécie quase ameaçada, endêmica do Cerrado, um bioma com menos de 20% de sua área original intacta.[21] É uma espécie pouco conhecida e pouco estudada, particularmente diferente de outras espécies, por se alimentar preferencialmente de invertebrados (especialmente cupins), frutos e roedores.[22] Sua ameaça principal é o desmatamento. Estima-se que a espécie terá uma perda de hábitat de no mínimo 10% até 2027. A espécie também está sofrendo perdas significantes devido ao atropelamento, predação por cães domésticos, doenças e alta mortalidade de filhotes/juvenis, o declínio populacional deve, em uma estimativa conservadora, ter sido de pelo menos 30% nos últimos 15 anos e deve atingir o limite de 30% nos próximos 15 anos.

Até onde se sabe a espécie só ocorre em território brasileiro, não havendo populações em países vizinhos.[23]

Raposa-das-ilhas (Urocyon littoralis)[editar | editar código-fonte]

A raposa-das-ilhas é restrita a seis das Ilhas do Canal da Califórnia, EUA. Em meados da década de 1990, quatro subespécies sofreram quedas populacionais catastróficas e foram listadas como em risco de extinção. No entanto, todas as quatro subespécies desde então se recuperaram ou estão se aproximando da recuperação para os níveis populacionais pré-declínio, devido ao sucesso de ações de recuperação.

Raposa-de-darwin (Lycalopex fulvipes)[editar | editar código-fonte]

A raposa-de-darwin é classificada como uma espécie ameaçada de extinção pela IUCN. Anteriormente, a espécie foi considerada criticamente ameaçada com base em uma população estimada de apenas 250 indivíduos adultos e em sua distribuição restrita..[24] No entanto, novos estudos indicam que a distribuição da espécie é maior do que se pensava originalmente. Ainda assim, é provável que o tamanho total da população não exceda 2.500 indivíduos maduros e, portanto, a espécie é listada como ameaçada de acordo com o critério C da IUCN.[25]

A raposa-de-darwin é endêmica ao Chile, ocorrendo em pelo menos duas populações distintas; uma encontrada nas florestas da Ilha de Chiloé, a segunda é encontrada na faixa costeira do Chile continental. No Chile continental, a população está limitada ao Parque Nacional Nahuelbuta (Região de Araucanía), Cordilheira Costeira Valdiviana (Região de Los Ríos).[26] A fragmentação das florestas e o desmatamento são uma grande ameaça para as raposas-de-Darwin. Cães domésticos podem representar a maior ameaça à sua sobrevivência, espalhando doenças ou atacando diretamente.[25]

Relações com humanos[editar | editar código-fonte]

Uma raposa-vermelha na varanda de uma casa

Frequentemente, as raposas são consideradas pragas ou criaturas incômodas por seus ataques oportunistas a aves domésticas e outros animais pequenos. Ataques de raposas em humanos não são comuns.[27]

Muitas raposas se adaptam bem aos ambientes humanos, com várias espécies classificadas como "carnívoros urbanos residentes" por sua capacidade de sustentar populações inteiramente dentro dos limites urbanos.[28] As raposas em áreas urbanas podem viver mais e podem ter tamanhos menores de ninhada do que raposas em áreas não urbanas.[28] As raposas urbanas são onipresentes na Europa, onde apresentam comportamentos alterados em comparação com raposas não urbanas, incluindo aumento da densidade populacional, território menor e matilha de forragem.[29] As raposas foram introduzidas em vários locais, com efeitos variados na flora e fauna indígenas.[30]

Em alguns países, as raposas são os principais predadores de coelhos e galinhas. As oscilações populacionais dessas duas espécies foram as primeiras oscilações não lineares estudadas e levaram à derivação da Equação de Lotka-Volterra.[31][32]

Caça à raposa[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Caça à raposa

A caça à raposa teve origem no Reino Unido no século XVI. A caça com cães agora é proibida no Reino Unido,[33][34] embora caçar sem cães ainda seja permitido. As raposas vermelhas foram introduzidas na Austrália no início do século XIX para a prática de esportes e, desde então, se espalharam por grande parte do país. Eles causaram declínio populacional entre muitas espécies nativas e predam animais, especialmente cordeiros novos.[35] A caça à raposa é praticada como recreação em vários outros países, incluindo Canadá, França, Irlanda, Itália, Rússia, Estados Unidos e Austrália. Em Portugal é permitida a caça à raposa (Decreto-Lei nº 202/2004), mas tem havido uma contestação popular e iniciativas para sua abolição.[36]

Domesticação[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Raposa-vermelha-doméstica

Existem muitos registros de raposas-vermelhas-domésticas e outros, mas raramente de domesticação contínua. Uma exceção recente e notável é a raposa-prateada-doméstica, que resultou em mudanças visíveis e comportamentais, e é um estudo de caso de modelagem de uma população animal de acordo com as necessidades de domesticação humana. O grupo atual de raposas-prateadas-domésticas é o resultado de quase 50 anos de domesticação na União Soviética e na Rússia. Essa reprodução seletiva resultou em características físicas e comportamentais que aparecem frequentemente em gatos domésticos, cães e outros animais, como mudanças de pigmentação, orelhas caídas e caudas encaracoladas.[37] Notavelmente, as novas raposas tornaram-se mais domesticadas, permitindo-se ser acariciadas, choramingando para chamar a atenção e cheirando e lambendo seus cuidadores.[38]

Raposas urbanas[editar | editar código-fonte]

As raposas estão entre os relativamente poucos mamíferos que foram capazes de se adaptar a um certo grau para viver em ambientes humanos urbanos (principalmente suburbanos). Sua dieta onívora permite que sobrevivam com a comida desperdiçada que é descartada, e sua natureza nervosa e muitas vezes noturna significa que muitas vezes são capazes de evitar a detecção, apesar de seu tamanho maior. Raposas urbanas, no entanto, foram identificadas como ameaças a gatos e cães pequenos e, por esse motivo, muitas vezes há pressão para excluí-las desses ambientes.[39]

A criatura que aparece sob o nome de raposa de nove caudas (九尾狐) no Shanhaijing, retratada em uma edição da dinastia Qing

Na cultura[editar | editar código-fonte]

A raposa aparece em muitas culturas, geralmente no folclore e na mitologia. No entanto, existem pequenas variações em suas representações. No folclore ocidental e persa, as raposas são símbolos de astúcia e malandragem - uma reputação derivada especialmente de sua capacidade de fugir dos caçadores. Isso geralmente é representado como um personagem que possui essas características. Esses traços são usados em uma ampla variedade de personagens, tornando-os um incômodo para a história, um herói incompreendido ou um vilão tortuoso. Na mitologia asiática, as raposas são representadas como um espírito familiar, possuindo poderes mágicos. As raposas também são frequentemente retratadas como travessas, geralmente enganando outras pessoas, com a habilidade de disfarçar-se como uma mulher atraente. No entanto, existem outras representações de raposas como criaturas místicas e sagradas que podem causar admiração ou ruína.[40] A raposa de nove caudas aparece no folclore, na literatura e na mitologia chinesa, nas quais, dependendo do conto, podem representar um bom ou mau presságio.[41] O tema foi eventualmente introduzido da cultura chinesa para a japonesa (Kitsune) e a coreana.[42]

A constelação Vulpecula representa uma raposa.[43]

A raposa também é mascote oficial do Cruzeiro Esporte Clube, criada pelo chargista e professor Fernando Pieruccetti, também conhecido como Mangabeira, em 1945. Características como a astúcia e a rapidez do animal foram atribuídas na época ao então presidente do clube celeste, Mario Grosso, conhecido pela sua esperteza nas negociações de jogadores.[44]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. David W. Macdonald; Claudio Sillero-Zubiri, eds. (2004). The biology and conservation of wild canids. Oxford: Oxford University Press. p. 49. ISBN 978-0198515562 
  2. a b c d e f g h i j k l Lloyd, H.G. (1981). The red fox. London: Batsford. p. 21. ISBN 978-0-7134-11904 
  3. a b c d Wayne, Robert K. (Junho 1993). «Molecular evolution of the dog family». Trends in Genetics. 9 (6): 218–224. PMID 8337763. doi:10.1016/0168-9525(93)90122-x 
  4. Larivière, S.; Pasitschniak-Arts, M. (1996). «Vulpes vulpes». Mammalian Species (537): 1–11. JSTOR 3504236. doi:10.2307/3504236 publicação de acesso livre - leitura gratuita
  5. Nobleman, Marc Tyler (2007). Foxes. New York: Benchmark Books. pp. 35–36. ISBN 978-0-7614-2237-2 
  6. a b c d e Burrows, Roger (1968). Wild fox. Newton Abbot: David & Charles. ISBN 9780715342176 
  7. «Arctic fox (Vulpes lagopus)». ARKive. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2014 
  8. Fox, David. «Vulpes vulpes, red fox». Animal Diversity Web 
  9. «Canidae». The University of Edinburgh 
  10. Fedriani, J.M.; T. K. Fuller; R. M. Sauvajot; E. C. York (5 de julho de 2000). «Competition and intraguild predation among three sympatric carnivores» (PDF). Oecologia. 125 (2): 258–270. Bibcode:2000Oecol.125..258F. PMID 24595837. doi:10.1007/s004420000448. Arquivado do original (PDF) em 6 de outubro de 2011 
  11. Fox, David L. (2007). «Vulpes vulpes (red fox)». Animal Diversity Web. University of Michigan Museum of Zoology 
  12. Macdonald, David W. (2010). «Food Caching by Red Foxes and Some Other Carnivores». Zeitschrift für Tierpsychologie. 42 (2): 170–185. PMID 1007654. doi:10.1111/j.1439-0310.1976.tb00963.x 
  13. Lavigne, Guillaume de (19 de março de 2015). Free Ranging Dogs – Stray, Feral or Wild? (em inglês). [S.l.]: Lulu Press, Inc. ISBN 9781326219529 
  14. Čanády, Alexander (2013). «Variability of the baculum in the red fox (Vulpes vulpes) from Slovakia». Zoology and Ecology. 23 (3): 165–170 
  15. Bijlsma, Rob G. «Copulatory lock of wild red fox (Vulpes vulpes) in broad daylight.» (PDF). Naturalist. 80: 45–67 
  16. Heptner & Naumov 1998, p. 341
  17. Heptner & Naumov 1998, p. 537
  18. Parkes, I. W. Rowlands and A. S. (21 de agosto de 2009). «The Reproductive Processes of certain Mammals.-VIII. Reproduction in Foxes (Vulpes spp.).». Proceedings of the Zoological Society of London. 105 (4): 823–841. doi:10.1111/j.1469-7998.1935.tb06267.x 
  19. Hildebrand, Milton (1952). «The Integument in Canidae». publicado of Mammalogy. 33 (4): 419–428. JSTOR 1376014. doi:10.2307/1376014 
  20. Tembrock, Günter (1976). «Canid vocalizations». Behavioural Processes. 1 (1): 57–75. PMID 24923545. doi:10.1016/0376-6357(76)90007-3 
  21. Lemos, F.G., Azevedo, F.C., Paula, R.C. & Dalponte, J.C. (2020). vetulus Lycalopex Lycalopex vetulus (em Inglês). IUCN 2020. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2020 . doi:10.2305/IUCN.UK.2020-2.RLTS.T6926A87695615.en. Página visitada em 2020-10-28.
  22. «Pesquisadores se dedicam ao estudo da raposa do Cerrado». Jornal UFG 
  23. Frederico Gemesio Lemos, Fernanda Cavalcanti de Azevedo & Beatriz de Mello Beisiegel (2012). «Avaliação do risco de extinção da Raposa-do-campo» (PDF). Avaliação do Estado de Conservação dos Carnívoros | Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Consultado em 28 de outubro de 2020 
  24. Jiménez, J. E. (2006). «Ecology of a coastal population of the critically endangered Darwin's fox (Pseudalopex fulvipes) on Chiloé Island, southern Chile». publicado of Zoology. 271 (1): 63–77. doi:10.1111/j.1469-7998.2006.00218.x 
  25. a b Silva-Rodríguez, E, Farias, A., Moreira-Arce, D., Cabello, J., Hidalgo-Hermoso, E., Lucherini, M. & Jiménez, J. (2016). fulvipes Lycalopex Lycalopex fulvipes (em Inglês). IUCN 2016. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2016 Versão 3.1. doi:10.2305/IUCN.UK.2016-1.RLTS.T41586A85370871.en. Página visitada em 2020-10-28.
  26. Silva-Rodríguez, Eduardo A.; Ovando, Erwin; González, Danilo; Zambrano, Brayan; Sepúlveda, Maximiliano A.; Svensson, Gabriella L.; Cárdenas, René; Contreras, Patricio; Farías, Ariel A. (1 de setembro de 2018). «Large-scale assessment of the presence of Darwin's fox across its newly discovered range». Mammalian Biology. 92: 45–53. ISSN 1616-5047. doi:10.1016/j.mambio.2018.04.003 
  27. Barratt, Sarah; Barratt, Martin (2013). Practical Quail-keeping. Malrborough: Crowood. ISBN 9781847975249 
  28. a b Iossa, G.; et al. (2010). «A Taxonomic Analysis of Urban Carnivore Ecology». In: Stanley Gehrt et al. Urban Carnivores. Maryland: John Hopkins University Press. p. 174. ISBN 9780801893896 
  29. Francis, Robert; Chadwick, Michael (2013). Urban Ecosystems. London: Routledge. p. 126. ISBN 9780415697958 
  30. Long, John (2003). Introduced Mammals of the World. [S.l.]: Csiro Publishing. ISBN 9780643099166 
  31. Sprott, Julien (2010). Elegant Chaos. Singapura: World Scientific. p. 89. ISBN 9789812838827 
  32. Komarova, Natalia (2013). «Axiomatic Modeling in Life Sciences». In: Alexandra Antoniouk & Roderick Melnik. Mathematics and Life Sciences. Berlim: Walter de Gruyter. pp. 113–114. ISBN 9783110288537 
  33. Singh, Anita (18 de setembro de 2009). «David Cameron 'to vote against fox hunting ban'». The Daily Telegraph. Londres. Arquivado do original em 30 de setembro de 2009 
  34. «Fox Hunting». nwlacs.co.uk. North West League Against Cruel Sports Support Group. Cópia arquivada em 7 de março de 2005 
  35. Fact Sheet: European Red Fox, Department of the Environment, Australian Government
  36. Lusa. «Cidadãos organizam manifestação a pedir fim de caça à raposa, "prática cruel e bárbara"». PÚBLICO. Consultado em 6 de março de 2017 
  37. Trut, Lyudmila N. (1999). «Early Canid Domestication: The Fox Farm Experiment» (PDF). American Scientist. 87 (2). 160 páginas. Bibcode:1999AmSci..87.....T. doi:10.1511/1999.2.160 
  38. Kenneth Mason, Jonathan Losos, Susan Singer, Peter Raven, George Johnson(2011)Biology Ninth Edition, p. 423. McGraw-Hill, New York.ISBN 978-0-07-353222-6.
  39. Clark E. Adams (2012). Urban Wildlife Management, Second Edition. [S.l.]: CRC Press. p. 168. ISBN 978-1-4665-2127-8 
  40. Uther, Hans-Jörg (2006). «The Fox in World Literature: Reflections on a "Fictional Animal"». Asian Folklore Studies. 65 (2): 133–160. JSTOR 30030396 
  41. Kang, Xiaofei (2006). The cult of the fox: Power, gender, and popular religion in late imperial and modern China. New York: Columbia University Press. p. 15–21. ISBN 978-0-231-13338-8 
  42. Wallen, Martin (2006). Fox. London: Reaktion Books. pp. 69–70. ISBN 9781861892973 
  43. «Constellation Names». Constellation Guide 
  44. «Mascote - Cruzeiro Esporte Clube». Consultado em 28 de outubro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Raposa
Wikcionário
O Wikcionário tem o verbete Raposa.
Ícone de esboço Este artigo sobre carnívoros, integrado no Projeto Mamíferos, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.