Cerdocyon thous

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2018). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCachorro-do-mato
Crab-eating Fox (cropped).JPG
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Canidae
Género: Cerdocyon
Espécie: C. thous[1]
Nome binomial
Cerdocyon thous
Linnaeus, 1766
Distribuição geográfica
nordeste, centro-oeste, sudeste e sul do Brasil; alguns países do norte da América-do-sul; partes do Uruguai, Paraguai, Argentina, e Bolívia.
nordeste, centro-oeste, sudeste e sul do Brasil; alguns países do norte da América-do-sul; partes do Uruguai, Paraguai, Argentina, e Bolívia.
Sinónimos
  • Dusicyon thous

O cachorro-do-mato (nome científico: Cerdocyon thous) também chamado de guaraxaim, é um mamífero da família dos canídeos, amplamente distribuído pela América do Sul. Também são conhecidos pelos nomes de aguaraxaim, graxaim-do-mato, lobinho, raposa-da-caatinga, raposa-de-cachorro e lobete.[2] Considera-se que seu parente mais próximo seja o cachorro-do-mato-de-orelhas-curtas.

Características e hábitos[editar | editar código-fonte]

Noctívagos, estes animais medem cerca de 65 cm de comprimento e o peso médio varia entre 5 a 8 kg. Com uma pelagem cinza-clara de base amarelada, e faixa dorsal negra, que se estende da nuca à ponta da cauda. Abrigam-se em ocos de árvores e tocas.[3] São onívoros e oportunistas, e sua dieta consiste de frutas, ovos, artrópodes, anfíbios, répteis, pequenos mamíferos, crustáceos em rios, e carcaças de animais mortos.[2]

Seu habitat abrange diversos ambientes. Na estação chuvosa, a sua vai para áreas mais altas, enquanto em épocas mais secas eles se movem para mais baixas. São caçadores solitários, e isto só muda eventualmente durante o período de acasalamento. Possui hábitos noturnos, e são mais ativos ao pôr-do-sol, durante a noite e nascer do sol.

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

O cachorro-do-mato é um canídeo que ocorre em vários habitats que variam desde savanas(cerrado), florestas subtropicais, florestas espinhosas de cactus, matas arbustivas, caatinga , planícies e campos. É distribuído por parte da Colômbia e no sul da Venezuela , no norte do Paraguai, Uruguai e norte da Argentina, e na maior parte do Brasil(Nordeste, Centro-oeste, sudeste, sul, e partes do norte). O cachorro-do-mato também tem sido avistado no Panamá desde os anos 1990.

Seu habitat também inclui margens arborizadas, como a mata ciliar. Seu habitat abrange todos os ambientes, exceto florestas tropicais, altas montanhas e pastagens abertas. Em algumas regiões de sua ocorrência, eles estão ameaçados e podem desaparecer.

Reprodução[editar | editar código-fonte]

A maturidade sexual da espécie Cerdocyon thous ocorre a partir dos nove meses de idade.[3] Têm uma gestação entre 52 a 59 dias gerando 3 a 6 filhotes por ninhada com peso médio entre 120-160 gramas. A fêmea adulta dá à luz uma ou duas ninhadas por ano, e o par de reprodução é monogâmico. Sendo um animal tropical, a reprodução não possui determinadas épocas do ano fixas para reprodução, e acontece duas vezes por ano. O período reprodutivo na maioria das vezes começa em novembro ou dezembro, e novamente em julho. O nascimento da prole segue após uma gestação de cerca de 56 dias.[4]

Conservação[editar | editar código-fonte]

É uma espécie considerada Menos Preocupante (LC) a nível de conservação pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza) por ser habitual em sua faixa de distribuição; possui populações estáveis, mesmo não havendo estimativas exatas sobre seus números na natureza.[5]

Uma das principais causas do risco de extinção da espécie é o contato com animais domésticos não vacinados. Por procurarem alimentos no lixo humano, o contato é inevitável[2]. Devido à influência, pesquisas realizadas evidenciaram o vírus da raiva, cinomose e Leishmaniose em indivíduos da espécie Cerdocyon thous. Outros fatores como atropelamento e envenenamento também contribuem para o desaparecimento da espécie.[5]

Apesar da espécie apresentar-se em risco, não se encontra na lista de espécies ameaçadas dos estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul ou São Paulo[5], mas pode ser encontrada na Lista Vermelha da Bahia[6]. Ainda assim o animal não se encontra protegido por algum tipo de lei específica em nenhuma país, dessa forma, seus números na natureza encontram-se ainda mais prejudicados.[7]

Mesmo com a influência humana presente, a espécie é, aparentemente, tolerante a tal interferência[5],exceto pelo contato com animais e lixo doméstico, que podem lhes transmitir doenças.

Um indivíduo empalhado no Museu de História Natural de Gênova.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cerdocyon thous

Referências

  1. Wozencraft, W.C. (2005). Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.), ed. Mammal Species of the World 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press. p. 578. ISBN 978-0-8018-8221-0. OCLC 62265494 
  2. a b c «Cachorro-do-mato». Consultado em 17 de Maio de 2016.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  3. a b Fagliari, José Jurandir [UNESP], Universidade Estadual Paulista (UNESP). «Prevalência dos antígenos eritrocitários caninos em cães domésticos (Canis familiaris) e investigação dos parâmetros hematológicos e da ocorrência de antígenos eritrocitários em lobos-guará (Chrysocyon brachyurus) e cachorros-do-mato (Cerdocyon thos) criados no Brasil». 31 de janeiro de 2003 
  4. name="embrapa"
  5. a b c d Beisiegel, Beatriz de Mello; Lemos, Frederico Gemesio; Azevedo, Fernanda Cavalcanti de; Queirolo, Diego; Pinto, Rodrigo Silva (30 de junho de 2013). «Avaliação do risco de extinção do cachorro-do-mato Cerdocyon thous (Linnaeus, 1766) no Brasil». Biodiversidade Brasileira. 0 (1): 138–145. ISSN 2236-2886 
  6. «Mamiferos DO ESTADO DA BAHIA - Lista vermelha da Bahia». www.listavermelhabahia.org.br (em inglês). Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  7. «CACHORRO-DO-MATO (Cerdocyon thous)»  line feed character character in |titulo= at position 17 (ajuda)
Ícone de esboço Este artigo sobre carnívoros, integrado no Projeto Mamíferos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.