Jupará

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaJupará
Potos flavus
Potos flavus
Exemplar no Centro de Reabilitação Animal Paraíso, em Volcancito, Panamá
Exemplar no Centro de Reabilitação Animal Paraíso, em Volcancito, Panamá
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Procionídeos
Género: Potos
Espécie: P. flavus
Nome binomial
Potos flavus
Schreber, 1774
Distribuição geográfica
Distribuição do jupará em 2010[1]
Distribuição do jupará em 2010[1]

O jupará,[2] japurá, jurupará,[3] macaco-da-meia-noite, quincaju, gogó-de-sola, gatiara, macaco-janauí, macaco-janauaí, macaco-januí, janaú, mirumiru e macaco plantador (nome científico: Potos flavus) é um típico mamífero da floresta tropical da família dos procionídeos (Procyonidae) relacionado com os olingos (Bassaricyon), quatis (Nasua e Nasuella), guaxinins (Procyon), bassariscos (Bassariscus). Diverge de seus parentes por sua causa preênsil. É o único membro do gênero Potos. São arbóreos e não estão intimamente relacionados a nenhum outro grupo de mamíferos que vivem em árvores (primatas, alguns mustelídeos, etc.). É Nativo da América Central e América do Sul; no Brasil são encontrados na floresta Amazônica e na Mata Atlântica.

Possuem cerca de 76 centímetros de comprimento, cabeça arredondada e cauda longa. Chegam a pesar 4,6 quilos. Alimentam-se basicamente de frutas, insetos, pequenos vertebrados, mel, néctar, carne, folhas e flores e ovos. Não está uma espécie em extinção, embora seja raramente visto pelas pessoas por causa de seus rígidos hábitos noturnos. Porém, são caçados pelo comércio de animais de estimação, por suas peles (para fazer carteiras e selas de cavalo) e por sua carne. A espécie foi incluída no Apêndice III da Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Silvestres Ameaçadas de Extinção por Honduras, o que significa que as exportações de Honduras exigem uma licença de exportação e as exportações de outros países exigem um certificado de origem ou reexportação. Podem viver até 40 anos em cativeiro.

Etimologia e vernáculos[editar | editar código-fonte]

Os zoônimos jupará, japurá e jurupará advém do tupi-guarani iupará,[4][5][6] enquanto quincaju do francês kinkajou.[7][8] Além destes, ainda é chamado no português de macaco-da-meia-noite,[9] gogó-de-sola, gatiara, macaco-janauí, macaco-janauaí, macaco-januí, janaú, mirumiru e macaco plantador.[10][11] Visto ser um animal cuja distribuição se estende por países não falantes do português nas Américas, também tem nomes em outros línguas: cusu, chosna, martilla, mico león, mico de noche, mono de noche, mono michi e perro de monte em espanhol; nightwalker, kinkajou, night monkey e honey bear no inglês;[11] nachtaap, rolbeer e rolstaartbeer no holandês.[12][13]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

A. M. Husson, do Museu Nacional de História Natural de Leida, nos Países Baixos, discutiu a nomenclatura bastante complicada do jupará em The Mammals of Suriname (1978).[13] Em sua obra Die Säugethiere em Abbildungen nach der Natur, de 1774, Johann Christian Daniel von Schreber listou três itens sob o nome Lemur flavus Penn.: Na página 145 é uma tradução curta da descrição de Thomas Pennant do maucauco amarelo (posteriormente identificado como lêmure-mangusto (Eulemur mongoz)) de sua obra de 1771, Uma Sinopse dos Quadrúpedes (página 138, segunda figura na ilustração 16); na placa 42 está uma representação do maucauco amarelo de Schreber; o último item é uma referência à própria Sinopse dos Quadrúpedes.[14] Husson observou que o último item é na verdade a descrição de Pennant de um animal que é claramente um jupará. Husson, portanto, concluiu que Lemur flavus é na verdade uma "espécie composta" com base no espécime de Schreber do lêmure-mangusto e no espécime de Pennant do jupará, e identificou o último como o lectótipo da espécie.[15] A localidade típica relatada por Schreber para o L. flavus ("as montanhas da Jamaica") foi claramente baseado na descrição de Pennant do jupará, que afirmou, no entanto, que seu espécime foi "mostrado há cerca de três anos em Londres: seu detentor disse isso veio das montanhas da Jamaica ".[13] Esse erro foi apontado por Oldifield Thomas em 1902, que corrigiu a localidade típica para o Suriname, que adotou o nome Potos flavus.[16] O gênero Potos foi criado por Étienne Geoffroy Saint-Hilaire e Georges Cuvier em 1795, com a espécie-tipo Viverra caudivolvula descrita por Schreber em 1778 (posteriormente identificada como sinônimo de Potos flavus).[17] Em 1977, a família dos cercoleptídeos (Cercoleptidae) foi proposta com o jupará como o único membro, mas essa classificação foi posteriormente rejeitada.[12][18]

Subspecies[editar | editar código-fonte]



Costa Rica (clado 1)




Norte do Brasil e Guianas (clado 2)




Equador e Panamá (clado 4)




Norte do Peru (clado 3)



Interflúvios; Bolívia, oeste do Brasil e Peru; leste da Mata Atlântica (clado 5)






Os cinco clados dentro de P. flavus[19]

Oito subespécies foram propostas:[12][20]

Um estudo filogenético de 2016 com base no gene mitocondrial citocromo b analisou espécimes de jupará de uma variedade de locais em quase toda sua distribuição. Os resultados mostraram 27 haplótipos divididos em cinco clados correspondentes às divisões geográficas: Costa Rica (clado 1); norte do Brasil e Guianas (clado 2); norte do Peru (clado 3); Equador e Panamá (clado 4); interflúvios entre o Rio Branco e o Rio Negro na Amazônia brasileira, áreas baixas da Amazônia (na Bolívia, oeste do Brasil e Peru) e Mata Atlântica oriental (clado 5). Dados os diversos clados, os pesquisadores sugeriram que algumas das subespécies podem ser espécies independentes.[19]

Evolução[editar | editar código-fonte]

Um estudo filogenético de 2007 mostrou que os juparás formam uma linhagem basal irmã do resto dos procionídeos. Divergiram há 21,6–24 milhões de anos. Dois clados, um levando a Bassaricyon (olingo e olinguito (Bassaricyon neblina)) mais quatis (Nasua), e um levando a Bassariscus (o quati-de-cauda-anelada e o Bassariscus sumichrasti) mais Procyon (guaxinins), apareceram posteriormente e irradiaram durante o Mioceno (23,8 a 5,3 milhões de anos atrás). Acredita-se que os juparás tenham evoluído na América Central e invadido a América do Sul como parte do Grande Intercâmbio Americano que se seguiu à formação do istmo do Panamá.[21] As relações filogenéticas obtidas no estudo de 2007 são fornecidas a seguir; eles foram apoiados por estudos semelhantes nos anos seguintes.[22][23][24]

Procionídeos



Bassaricyon (olingo e olinguito)



Nasua e Nasuella (quatis)





Procyon (guaxinins)



Bassariscus (quati-de-cauda-anelada e o Bassariscus sumichrasti)





Potos (jupará)



Jupará usando sua cauda preênsil

Família[editar | editar código-fonte]

Os membros da família dos procionídeos (Procyonidae) possuem uma dentição composta por molares largos, e os seus carniceiros são pouco desenvolvidos por possuírem hábitos alimentares onívoros (comem itens animais e vegetais). Devido a isto, a função de rasgar a carne foi substituída pela trituração dos alimentos. Possuem cinco dígitos nas plantas anteriores e posteriores, as garras são robustas e não são retráteis. Os seus membros anteriores possuem ótimas condições de manuseio.[25]

São solitários, mas podem ser observadas às vezes em pares ou grupos maiores, e os quatis-de-cauda-anelada (nasua nasua) formam um pequeno bando e os filhotes ficam com os pais por um período longo de tempo. São normalmente espécies com hábitos noturnos, exceto o quati-de-cauda-anelada que possui hábitos diurnos, e seus sentidos são muito apurados (olfato e tato). Os que ocorrem no Brasil (jupará, quati e mão-pelada), possuem uma grande variedade de habitats que vão desde as Amazônia até os pampas.[25]

Características[editar | editar código-fonte]

Esqueleto do jupará
Crânio do jupará

Ao ser comparado aos outros animais pertencentes à família dos procionídeos, o jupará é relativamente pequeno. Tem cabeça redonda, olhos grandes projetados para frente, focinho curto e pontudo, membros curtos e cauda longa e preênsil, que o auxilia em escaladas e no ataque e defesa.[26][25][27] O comprimento total da cabeça e do corpo (incluindo a cauda) é entre 82 a 133 centímetros (32 a 52 polegadas), e a cauda mede de 39 a 57 centímetros (15 a 22 polegadas). O peso varia de 1,4 a 4,6 quilos (3,1 a 10,1 libras). As fêmeas geralmente são menores que os machos.[28] As orelhas curtas e arredondadas medem 3,6 a 5,4 centímetros (1,4 a 2,1 polegadas). Os olhos refletem o verde ou o amarelo brilhante contra a luz. Sua língualonga, espessa e altamente extrudível pode alcançar 13 centímetros. O focinho é marrom escuro a preto. As garras são afiadas e curtas[12][29] e seus dedos possuem uma membrana que os ligam. Possui em cada semiarcada a presença de 3 molares e em sua totalidade possui 36 dentes.[25][28][26][27]

A cor da sua pelagem varia de cor ao longo de sua distribuição e em diferentes épocas do ano. Vários tons, como azeitona fulvo, castanho madeira e fulvo amarelado, foram relatados para a parte superior da pelagem e a parte superior da cauda, enquanto a parte inferior e a parte inferior da cauda foram observadas como amareladas, fulvas ou amarelo-acastanhadas. Alguns indivíduos apresentam uma faixa preta ao longo da linha média das costas.[29] A cor parece ficar mais clara do sul para o norte, embora nenhuma tendência sazonal tenha sido observada.[12] O pelo é curto, lanoso e denso.[30] Os pelos são de dois tipos: amarelados claros e mais escuros com pontas castanhas. Os pelos mais escuros refletem mal a luz em relação aos mais claros, muitas vezes criando uma ilusão de manchas e linhas escuras na pelagem. A cauda é coberta com pelo espesso até o fim.[13]

O jupará se distingue de outros procionídeos por suas orelhas pequenas e arredondadas, língua extensível e cauda preênsil. Olingos são semelhantes o suficiente na aparência que muitas culturas nativas não distinguem os dois.[31] Comparados aos olingos, são maiores, têm focinhos encurtados e não possuem glândulas odoríferas anais (além das diferenças descritas anteriormente). O urso-gato-asiático (Arctictis binturong), um viverrídeo (viverridae) do Sudeste Asiático, tem proporções semelhantes de membros e é o único outro carnívoro com cauda preênsil. O jupará se assemelha aos macacos neotropicais (platirrinos) por ter uma cauda preênsil e grandes olhos voltados para a frente, mas tem uma dentição diferente e pelos na planta dos pés.[12][29]

Distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

Ocorrem na América do Norte e na América Central, nas florestas tropicais que ficam entre o México e o Panamá, já na América do Sul possui distribuição pan-Amazônica, ou seja, vários países que possuem parte da Floresta Amazônica em seu território, tais como a Colômbia, o Peru, a Venezuela, o Equador, a Bolívia, as Guianas e o Suriname, além do Brasil, e no Brasil também são encontrados em sua Mata Atlântica.[25][11] Sua amplitude altitudinal vai do nível do mar a 2 500 metros. São encontrados em florestas tropicais de copa fechada, incluindo floresta de várzea, floresta de montanha, floresta seca, floresta de galeria e floresta secundária. O desmatamento é, portanto, uma ameaça potencial para a espécie.[1]

Habitat e ecologia[editar | editar código-fonte]

Os juparás passam a maior parte de sua vida em árvores, às quais estão particularmente bem adaptados. Como os guaxinins, as notáveis habilidades de manipulação dos juparás rivalizam com as dos primatas. Têm uma cauda de pelo curto totalmente preênsil (como alguns macacos do Novo Mundo), que usa como uma "quinta mão" na escalada. Não usa sua cauda para agarrar comida. Pode girar seus tornozelos e pés em 180°, tornando mais fácil para o animal correr para trás sobre galhos de árvores e descer árvores de cabeça.[32] As glândulas odoríferas perto da boca, na garganta e na barriga permitem aos juparás marcarem seu território e suas rotas de viagem. Dormem em unidades familiares e cuidam uns dos outros.[33] Ao serem monitorados e acompanhados em seus habitats, foram feitos registros das áreas de vida do jupará que variam entre 8 e 53 hectares. Com os dados obtidos, pode-se calcular uma média entre o espaço percorrido pelos machos o pelas fêmeas, onde os machos percorreram 29 hectars e as fêmeas percorreram 22,6.[11]

São animais de hábitos noturnos e ocorrem em florestas de dossel fechado de 10 a 30 metros. Durante o dia costuma dormir nos ocos de árvores e durante a noite se alimenta e se reproduz.[34] Embora geralmente sejam solitários ao forragear, ocasionalmente se alimentam em grandes grupos e, às vezes, se associam com olingos (que também são frugívoros arbóreos noturnos).[35][36] Os juparás maiores são dominantes e afastam os olingos quando a comida está escassa. Têm uma gama muito mais extensa que os olingos e tendem a ser mais comuns. No entanto, os olingos podem ter maior agilidade, talvez facilitando sua simpatria com os juparas.[31]

Tem como predador o homem que caça para consumo; o gavião-real (Harpia harpyja), considerado o mais forte entre as aves predadoras, mesmo não sendo a maior delas; a jaguatirica (Leopardus pardalis), também conhecida como ocelote; a onça-pintada (Panthera onca); e a raposa-do-campo (Lycalopex vetulus).[11]

Reprodução e vida útil[editar | editar código-fonte]

O número de filhotes por ninhada pode variar entre 1 e 2, que nascem no verão, com intervalo de um a dois anos ente uma gestação e outra, sendo que o período de estro dura entre 98 e 120 dias.[25][11][27] Ao nascer, os filhotes podem pesar entre 150 e 200 gramas, abrem os olhos entre o 7.º e o 19.º dia e apenas a partir de 7 semas se alimentam com comida sólida, e começam a se pendurar com a sua cauda, sendo usada como um quinto membro.[34][37] Com um ano e seis meses o macho já possui a capacidade de se reproduzir, capacidade esta que a fêmea só adquire como dois anos. Há registro de que a longevidade dos juparás em cativeiro chegou a 23,7 anos, mas há fonte que diz que a longevidade é de 40,5 anos.[25][11]

Dieta[editar | editar código-fonte]

Embora o jupará seja classificado na ordem dos carnívoros (Carnivora) e tenha dentes afiados, sua dieta onívora consiste principalmente de frutas, principalmente figos.[38] Estudos demonstraram que 90% de sua dieta consiste em frutas (principalmente maduras). Para comer frutas mais macias, as seguram com as patas dianteiras e, em seguida, retiram a polpa suculenta com a língua. Podem desempenhar um papel importante na dispersão de sementes, como o cacau.[a][39] Folhas, flores e várias ervas constituem grande parte dos outros 10% de sua dieta. Às vezes comem mel, néctar e insetos, principalmente formigas. Foi sugerido, sem evidência direta, que ocasionalmente podem comer ovos de aves e pequenos vertebrados. Seus hábitos frugívoros são, na verdade, convergentes com os dos macacos-aranha (diurnos).[34][11][26][40] Por ter flores e néctar em sua dieta o torna um grande polinizador.[37]

Conservação e ameaças[editar | editar código-fonte]

Jupará bocejando num abrigo na Costa Rica

Por possuir uma população relativamente grande, não foi incluído na lista das espécies da fauna brasileira ameaçadas de extinção disponibilizada pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), e em 2014 teve o seu estado de conservação classificado como pouco preocupante (LC). Por não haver uma grande preocupação em relação a extinção da espécie, não existem ações voltadas para a sua conservação.[25] Na Mata Atlântica a espécie é classificada como em perigo (EM), isso se dá, pois se delimita aos estados da Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro. Na Amazônia, apesar de não possuir dados que atestem a densidade populacional, a espécie aparentemente é abundante, e por isso é classificada como pouco preocupante (LC).[11]

Por se tratar de animais que vivem no dossel das árvores, no Brasil, tanto a destruição da floresta Amazônica quanto a destruição da Mata Atlântica afetam diretamente a população de juparás, da mesma forma a destruição do bioma onde ocorrem. A caça que envolve tanto o consumo da carne pelos humanos ou por algum tipo de crença que envolve esta espécie. Infecção por Leishmania sp., a raiva e a comercialização para uso como animais domésticos também representam grande ameaça para a manutenção da espécie.[11] Muitas vezes são capturados para serem animais de estimação por serem brincalhões, geralmente quietos, dóceis e terem pouco odor. No entanto, podem ocasionalmente ser agressivos. Não gostam de movimentos repentinos, barulho e estar acordado durante o dia. Um jupará agitado pode emitir um grito e ataque, geralmente arranhando sua vítima e às vezes mordendo profundamente. Em 2011, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças relataram que juparás de estimação nos Estados Unidos podem ser portadores (via fecal-oral) da lombriga Baylisascaris procyonis, que é capaz de causar morbidade grave e até morte em humanos, se o cérebro está infectado.[41]

Notas[editar | editar código-fonte]

[a] ^ Quando o cacau foi descoberto no início do século XVII, lá estavam os resquícios de que os juparás haviam passado por ali, deixando o fruto maduro do cacau furado e sem as sementes que eram sugadas e posteriormente descartadas, favorecendo o aparecimento de novos cacaueiros onde o homem não havia plantado. Em homenagem ao macaco plantador, como o jupará é conhecido na região, foi criada em Itabuna/BA uma Fundação com o seu nome, a Fundação Jupará, que tem por função trabalhar com o cacau orgânico.[10]

Referências

  1. a b c Helgen, K.; Kays, R.; Schipper, J. (2016). «Kinkajou - Potos flavus». Lista Vermelha da IUCN. União Internacional para Conservação da Natureza (UICN). p. e.T41679A45215631. doi:10.2305/IUCN.UK.2016-1.RLTS.T41679A45215631.en. Consultado em 17 de julho de 2021 
  2. «Dicionário Online - Dicionário Caldas Aulete - Significado de japurá». Aulete Online. Consultado em 18 de julho de 2021 
  3. «Jurupará». Dicionário Priberam. Consultado em 18 de julho de 2021 
  4. «Jupará». Michaelis On-Line. Consultado em 18 de julho de 2021 
  5. «Japurá». Michaelis On-Line. Consultado em 18 de julho de 2021 
  6. «Jarupará». Michaelis On-Line. Consultado em 18 de julho de 2021 
  7. «Quincaju». Michaelis On-Line. Consultado em 18 de julho de 2021 
  8. «quincaju». Dicionário Priberam. Consultado em 18 de julho de 2021 
  9. «Macaco-da-meia-noite». Aulete Online. Consultado em 18 de julho de 2021 
  10. a b Rocha, Lurdes Bertol (2006). «A Região Cacaueira da Bahia - Uma Abordagem Fenomenológica» (PDF). Consultado em 18 de julho de 2021 
  11. a b c d e f g h i j Sampaio, Ricardo; Beisiegel, Beatriz de Mello; Pontes, Antônio Rossano Mendes (janeiro de 2013). «Avaliação do risco de extinção do Jupará Potos flavus (Schreber, 1774) no Brasil» (PDF). Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente. Biodiversidade Brasileira. 31: 278–283 
  12. a b c d e f Ford, L. S.; Hoffman, R. S. (1988). «Potos flavus». Mammalian Species. 321 (321): 1–9. JSTOR 3504086. doi:10.2307/3504086 
  13. a b c d Husson, A. M. (1978). «Potos flavus flavus (Schreber, 1774)». The Mammals of Suriname. Leida: E. J. Brill. pp. 285–289. ISBN 978-90-04-05819-4 
  14. Schreber, J. C. D. Die Saugthiere in Abbildungen nach der Natur, mit Beschreibungen. 1. Erlangen: Wolfgang Walther. pp. 145, 187 (index), plate 42 
  15. Pennant, T. (1771). A Synopsis of Quadrupeds. Chester: J. Monk. p. 138, plate 16 
  16. Thomas, O. (1902). «On the geographical races of the kinkajou». Annals and Magazine of Natural History. 7. 9 (52): 266–270. doi:10.1080/00222930208678583 
  17. «Memoire sur une nouvelle division des Mammiferes, et sur les principes qui doivent servir de base dans cette sorte de travail» [Memoir on a new division of Mammals, and on the principles which must be used as a basis in this kind of work]. Magasin Encyclopedique (em francês): 164–190. 1795 
  18. Hernández-Camacho, J. (1977). «Notas para una monografia de Potos flavus (Mammalia: Carnivora) en Colombia» [Notes for a monograph of Potos flavus (Mammalia: Carnivora) in Colombia]. Caldasia (em espanhol). 11 (55): 147–181. JSTOR 43406060 
  19. a b Nascimento, F. F.; Oliveira-Silva, M.; Veron, G.; Salazar-Bravo, J.; Gonçalves, P. R.; Langguth, A.; Silva, C. R.; Bonvicino, C. R. (2016). «The evolutionary history and genetic diversity of kinkajous, Potos flavus (Carnivora, Procyonidae)». Journal of Mammalian Evolution. 24 (4): 439–451. doi:10.1007/s10914-016-9354-9 
  20. Wozencraft, W.C. (2005). «Potos flavus». In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.). Mammal Species of the World 3.ª ed. Baltimore: Imprensa da Universidade Johns Hopkins. p. 626-627. ISBN 978-0-8018-8221-0. OCLC 62265494 
  21. Koepfli, K.-P.; Gompper, M.E.; Eizirik, E.; Ho, C.-C.; Linden, L.; Maldonado, J.E.; Wayne, R.K. (2007). «Phylogeny of the Procyonidae (Mammalia: Carvnivora): Molecules, morphology and the Great American Interchange». Molecular Phylogenetics and Evolution. 43 (3): 1076–1095. CiteSeerX 10.1.1.495.2618Acessível livremente. PMID 17174109. doi:10.1016/j.ympev.2006.10.003 
  22. Eizirik, E.; Murphy, W. J.; Koepfli, K.-P.; Johnson, W. E.; Dragoo, J. W.; Wayne, R. K.; O’Brien, S. J. (4 de fevereiro de 2010). «Pattern and timing of diversification of the mammalian order Carnivora inferred from multiple nuclear gene sequences». Molecular Phylogenetics and Evolution. 56 (1): 49–63. PMC 7034395Acessível livremente. PMID 20138220. doi:10.1016/j.ympev.2010.01.033 
  23. Helgen, K. M.; Pinto, M.; Kays, R.; Helgen, L.; Tsuchiya, M.; Quinn, A.; Wilson, D.; Maldonado, J. (15 de agosto de 2013). «Taxonomic revision of the olingos (Bassaricyon), with description of a new species, the Olinguito». ZooKeys (324): 1–83. PMC 3760134Acessível livremente. PMID 24003317. doi:10.3897/zookeys.324.5827 
  24. Helgen, K. M.; Kays, R.; Helgen, L. E.; Tsuchiya-Jerep, M. T. N.; Pinto, C. M.; Koepfli, K. P.; Eizirik, E.; Maldonado, J. E. (2009). «Taxonomic boundaries and geographic distributions revealed by an integrative systematic overview of the mountain coatis, Nasuella (Carnivora: Procyonidae)» (PDF). Small Carnivore Conservation. 41: 65–74 
  25. a b c d e f g h Ofugi. «ICMBio - Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros - Carnívoros Brasileiros». Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente. Consultado em 18 de julho de 2021 
  26. a b c Nunes, Hannah Larissa de F. L. (2011). «Os carnívoros dos Estados da Paraíba, Pernambuco e Alagoas» (PDF). João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba. Consultado em 18 de julho de 2021 
  27. a b c «Amazônia de A a Z: conheça o curioso jupará, nosso macaco-da-noite - Portal Amazônia». Portal Amazônia. 2021. Consultado em 18 de julho de 2021 
  28. a b Melo, Fabiano Rodrigues de; Barbosa, Elaine Ferreira; Souza, Silvia Lucília Fonseca de; Ferraz, Daniel da Silva; Rodes, Érica dos Reis; Souza, Sara Machado de; Faria, Michel Barros; Nery, Marcello da Silva; Cosenza, Braz Antonio Pereira; Lima, Fernando Silva (novembro de 2005). «Redescoberta do jupará, Potos flavus Schreber, 1774 (CARNIVORA: PROCYONIDAE) no Estado de Minas Gerais, Sudeste do Brasil» (PDF). Boletim do Museu de Biologia Mello Leitão. 18: 49-57. Consultado em 18 de julho de 2021 
  29. a b c Nowak, R. M. (2005). «Kinkajou». Walker's Carnivores of the World. Baltimore: Imprensa da Universidade Johns Hopkins. pp. 138–139. ISBN 0-8018-8032-7 
  30. Eisenberg, J. F.; Redford, K. H. (1989). «Genus Potos E. Geoffroy and F. G. Cuvier 1795». Mammals of the Neotropics. 3: The Central Neotropics (Ecuador, Bolivia, Brazil). Chicago: Imprensa da Universidade de Chicago. pp. 289–290. ISBN 978-0-226-19542-1 
  31. a b Kays, R.W. (2000). «The behavior and ecology of olingos (Bassaricyon gabbii) and their competition with kinkajous (Potos flavus) in central Panama» (PDF). Mammalia. 64 (1): 1–10. doi:10.1515/mamm.2000.64.1.1 
  32. Kristin Petrie (2010). Kinkajous. North Mankato, Minessota: Abdo Consulting Group Inc. p. 6. ISBN 978-1-61613-911-7 
  33. Menino, Holly; Klum, Mattias. «The Kinkajou». National Geographic Society. Consultado em 12 de maio de 2013 
  34. a b c «Jupará». G1. Janeiro de 2015. Consultado em 18 de julho de 2021 
  35. Glatston, A.R. (1994). The red panda, olingos, coatis, raccoons, and their relatives (PDF) (Status survey). Gland, Suíça: União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN). p. 5. ISBN 978-2-8317-0046-5 
  36. «Jupará é mamífero raro e pouco conhecido - Espécie tem hábito noturno e é considerado o maior plantador e disseminador do cacaueiro.». G1. Junho de 2018. Consultado em 18 de julho de 2021 
  37. a b G1. «Jupará - Fauna e Flora | Terra da Gente». faunaeflora.terradagente.g1.globo.com. Consultado em 18 de julho de 2021 
  38. Stone, David (1995). Raccoons and their Relatives. Gland, Suíça: União Internacional para a Conservação da Natureza. 7 páginas. ISBN 978-2831700519 
  39. Simões, Maria de Lourdes Netto (2006). «Identidade cultural e expressões regionais: estudos sobre literatura, cultura e turismo» (PDF). Editus. Consultado em 18 de julho de 2021 
  40. Kays, R. W. (maio de 1999). «Food Preferences of Kinkajous (Potos flaws): A Frugivorous Carnivore». Journal of Mammalogy. 80 (2): 589–599. ISSN 1545-1542. doi:10.2307/1383303. Consultado em 18 de julho de 2021 
  41. Kazacos, K. R.; et al. (11 de março de 2011). «Raccoon Roundworms in Pet Kinkajous --- Three States, 1999 and 2010». MMWR. 60 (10): 302–305. PMID 21412211 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Jupará
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Jupará