Gato-maracajá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outras acepções, veja gato-do-mato.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaGato-maracajá
Tica, uma gato-maracajá de 9 meses de idade, no Observatório do Vulcão Arinal, Costa Rica
Tica, uma gato-maracajá de 9 meses de idade, no Observatório do Vulcão Arinal, Costa Rica
Exemplar no Parque dos Felinos de Lumigny-Nesles-Ormeaux, na França
Estado de conservação
Quase ameaçada
Quase ameaçada (IUCN 3.1) [2]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Felídeos
Subfamília: Felídeos
Género: Leopardus
Espécie: L. wiedii[1]
Nome binomial
Leopardus wiedii[1]
(Schinz, 1821)
Distribuição geográfica
Margay area.png
Sinónimos
Felis wiedii

O gato-maracajá, gato-do-mato, gato-peludo ou maracajá-peludo (nome científico: Leopardus wiedii)[3] é um pequeno felino nativo da América Central e América do Sul. Solitário e noturno,[4] vive principalmente em florestas perenes e decíduas.[5]

O nome científico Felis wiedii foi usado por Heinrich Rudolf Schinz em 1821 em sua primeira descrição científica do gato-maracajá, em homenagem ao príncipe Maximilian zu Wied-Neuwied, que coletou espécimes no Brasil.[6] Até a década de 1990, os gatos-maracajás eram caçados ilegalmente para o comércio de animais selvagens, resultando numa grande diminuição da população.[7] Desde 2008, foi listado como quase ameaçado na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) porque acredita-se que a população esteja diminuindo devido à perda de habitat após o desmatamento.[2]

Tem, como característica, uma cauda mais longa do que seus membros posteriores. Os seus pelos são amarelo-escuros nas partes superiores do corpo e na parte externa dos membros. Tem manchas sob a forma de rosetas com uma região central amarela por todo o corpo, da cabeça à cauda. Uma característica da espécie são seus olhos bem grandes e protuberantes, como também, focinho saliente, patas grandes e cauda bastante comprida. Possui uma grande habilidade arborícola. Seu período de gestação dura em média em torno de 80 dias, vindo à luz apenas um único filhote por vez.

A espécie se encontra listada como "quase ameaçada" pela IUCN, por sua ampla distribuição geográfica, sendo encontrada desde a zona costeira do México até o norte do Uruguai e Argentina e em todo o Brasil (com exceção do sul do Rio Grande do Sul). Estima-se que nos próximos 15 anos a população sofrerá um declínio de pelo menos 10%, principalmente pela perda e fragmentação de habitat relacionadas a expansão agrícola. No Brasil, a espécie já se encontra na lista vermelha (ameaçado) do Estado da Bahia.

Etimologia e vernáculos[editar | editar código-fonte]

O zoônimo maracajá advém do tupi-guarani marakaiá[8][9] Além destes, a espécie é designada no português como gato-do-mato, gato-maracajá, gato-peludo, maracajá-peludo. No espanhol é chamada caucel, chiví, cunaguaro, gato brasileño, gato tigre grande, tigrillo, tirica malla grande, tigre gallinero, burricón, gato pintado, mbaracayá miní; no inglês margay.[3]

Taxonimia[editar | editar código-fonte]

Felis wiedii foi o nome científico proposto por Heinrich Rudolf Schinz em 1821 para um espécime zoológico do Brasil.[6] Felis macroura foi proposto por Maximilian von Wied em 1825, que descreveu os gatos-maracajás que obteve nas selvas ao longo do rio Mucuri no Brasil.[10] No século XX, vários holótipos foram descritos e propostos como novas espécies ou subespécies:

Os resultados de um estudo genético de amostras de DNA mitocondrial indicam que existem três grupos filogeográficos.[17] Portanto, três subespécies são atualmente considerados táxons válidos:[18]

  • L. w. wiedii do sul do Amazonas
  • L. w. vigens do norte do Amazonas
  • L. w. glauculus na América Central

Características[editar | editar código-fonte]

O gato-maracajá é muito semelhante à maior jaguatirica (Leopardus pardalis) em aparência, embora a cabeça seja um pouco mais curta, os olhos maiores e protuberantes e a cauda e as pernas mais longas. Pesa de 2,6 a 4 quilos (5,7 a 8,8 libras), com um comprimento de corpo de 48 a 79 centímetros (19 a 31 polegadas) e um comprimento de cauda de 33 a 51 centímetros (13 a 20 polegadas);[19] outras fontes dão o comprimento dos machos entre 70,5 e 97 centímetros (705 e 970 milímetros) e das fêmeas entre 42,5 e 78 centímetros (428 e 780 milímetros). Seu focinho é saliente.[3] Ao contrário da maioria dos outros gatos, a fêmea possui apenas duas tetas. Seu pelo é marrom e marcado com numerosas fileiras de rosetas marrom-escuras ou pretas e estrias longitudinais. A parte inferior é mais pálida, variando do amarelo-claro ao branco, e a cauda possui inúmeras faixas escuras e a ponta preta. A parte de trás das orelhas é preta com marcações brancas circulares no centro.[19] Consegue imitar o som de suas presas para atraí-las, como o chamado de filhotes de saguis da espécie Saguinus bicolor (soim-de-coleira), atraindo, dessa forma, os adultos para uma emboscada. É o primeiro registro ne carnívoro do reino neotropical a utilizar-se de mimetismo.[20][21]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

O gato-maracajá está distribuído desde as planícies tropicais do México, passando pela América Central até o Brasil e o Paraguai.[2] No México, foi registrada em 24 dos 32 estados, indo para o norte até as planícies costeiras e Sierra Madres até os estados de Coahuila, Novo Leão e Tamaulipas no leste e no sul de Sonora no oeste, todos na fronteira com os Estados Unidos.[22] O limite sul de sua distribuição atinge o Uruguai e o norte da Argentina. Habita quase exclusivamente florestas densas, variando de floresta tropical perene a floresta tropical seca e floresta nublada. O maracajá às vezes é observado em plantações de café e cacau.[19] Especificamente no Brasil, é encontrado em quase todo o território: no estado do Ceará apenas na Floresta Nacional do Araripe, e também em apenas metade do sul do estado do Rio Grande do Sul; nos estados de Rio Grande do Norte, Pernambuco, Paraíba, Alagoas e Sergipe é encontrado apenas na Mata Atlântica costeira.[3]

O único registro dos Estados Unidos foi coletado em algum momento antes de 1852 perto de Eagle Pass, no condado de Maverick, no Texas e é atualmente considerado localmente extinto no estado.[23][24] A presença da gato-maracajá nos Estados Unidos é considerada "incerta" pela Lista Vermelha da IUCN.[2] Restos fósseis foram coletados em depósitos do Pleistoceno no condado de Orange, no Texas, ao longo do rio Sabine, e acredita-se que tenham se espalhado por porções consideráveis do sul do Texas ao mesmo tempo.[23] Evidências fósseis de gatos-maracajás ou gatos parecidos foram encontradas na Flórida e na Geórgia, datando do Pleistoceno, sugerindo que tinham uma distribuição ainda mais ampla no passado.[25]

Habitat e ecologia[editar | editar código-fonte]

O gato-maracajá possui uma grande habilidade arborícola

O gato-maracajá ocorre em todos os biomas do Brasil, mas está principalmente associado a ambiente de floresta, sendo desde formações densas contínuas a pequenos fragmentos em ecossistemas savânicos, de matas primitivas a degradadas. Na Caatinga, sua distribuição é mais restrita a áreas de transição vegetacional e cânions de mata densa.[3] É um alpinista habilidoso e às vezes é chamado de jaguatirica por causa dessa habilidade. Passa a maior parte do tempo nas árvores, saltando e perseguindo pássaros e macacos pelas copas das árvores. Pode virar seus tornozelos em até 180 graus, podendo agarrar galhos igualmente bem com suas patas dianteiras e traseiras, e é capaz de pular até 3,7 metros (12 pés) horizontalmente. Geralmente é solitário e vive em áreas de vida de 11 a 16 quilômetros quadrados (4,2 a 6,2 milhas quadradas). Usa a marcação de odores para indicar seu território, incluindo borrifar urina e deixar marcas de arranhões no solo ou nos galhos. Todas as suas vocalizações parecem ser de curto alcance, não fazendo chamados em longas distâncias.[19]

Dieta[editar | editar código-fonte]

Uma vez que o gato-maracajá é principalmente noturno e naturalmente raro em seu ambiente, a maioria dos estudos dietéticos baseou-se no conteúdo estomacal e na análise fecal. Caça pequenos mamíferos (macacos, roedores e marsupais), pássaros, ovos, lagartos e rãs arborícolas.[26] Também come grama, frutas e outras vegetações, provavelmente para ajudar na digestão. Um relatório de 2006 sobre uma gato-maracajá perseguindo esquilos em seu ambiente natural confirmou que é capaz de caçar suas presas inteiramente em árvores.[27] No entanto, às vezes, caçam no solo e, segundo relatos, comem presas terrestres, como Thryonomys e porquinhos-da-índia.[19]

Reprodução e ciclo de vida[editar | editar código-fonte]

Desenho de 1844 de Paul Gervais para o Atlas de Zoologia

As fêmeas ficam no cio por quatro a dez dias ao longo de um ciclo de 32 a 36 dias, durante o qual atraem os machos com um longo gemido. O macho responde ganindo ou emitindo sons trinados e também balançando rapidamente a cabeça de um lado para o outro, um comportamento não visto em nenhuma outra espécie de gato. A cópula dura até sessenta segundos e é semelhante à dos gatos domésticos; ocorre principalmente nas árvores e ocorre várias vezes enquanto a fêmea está no cio.[19] Ao contrário de outras espécies de felinos, os gatos-maracajás não são ovuladores induzidos.[28]

A gestação dura cerca de 80 dias e geralmente resulta no nascimento de um único filho (muito raramente, são dois), geralmente entre março e junho. Pesam de 85 a 170 gramas ao nascer. É relativamente grande para um gato pequeno e provavelmente está relacionado ao longo período de gestação. Abrem os olhos por volta das duas semanas de idade e começam a comer alimentos sólidos com sete a oito semanas. Atingem a maturidade sexual entre 12 e 18 meses de idade e foi relatado que vivem mais de 20 anos em cativeiro.[19]

Conservação[editar | editar código-fonte]

Gato-maracajá originário de Iucatã, no México, exposto no Parque dos Felinos de Lumigny-Nesles-Ormeaux, na França
A Mata Atlântica, no Brasil, é um dos biomas onde a espécie é bastante presente, principalmente nas regiões Sul e Sudeste

Atualmente, é classificada como "quase ameaçada" visto sua ampla distribuição geográfica, pela União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN).[2] É regulado pelo Appêndice I da Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Silvestres Ameaçadas de Extinção (CITES): todo comércio internacional é proibido.[29] Estima-se que nos próximos 15 anos (3 gerações) deva ocorrer um declínio na população de cerca de 10%, devido a perda e fragmentação de habitats relacionadas à expansão agrícola.[3]

A perda e fragmentação de seu habitat é, sem dúvida, a principal ameaça à espécie no Brasil. A Mata Atlântica e a Amazônia são os biomas em que a espécie recebe maior pressão. O abate de animais para o controle de predação de aves domésticas e o atropelamentos nas regiões Sul e Sudeste podem ser algumas das principais causas da mortalidade da espécie, da mesma forma que a transmissão de doenças por carnívoros domésticos.[3][30]

Conservação no Brasil[editar | editar código-fonte]

A população de gato-maracajá assim como as demais espécies de felinos de pequeno-médio porte do Brasil (exceção de Leopardus pardalis), é relativamente pequena. As densidades variam entre 0.01-0.05 animal por quilômetro quadrado, chegando a 0.1-0.25 indivíduo por quilômetro quadrado apenas nas áreas consideradas de alta densidade, sendo encontradas em poucas localidades de densidade elevada e sempre onde Leopardus pardalis está ausente ou em números consideravelmente baixos. Já foi demonstrado que o gato-maracajá é afetado de forma negativa pela espécie Leopardus pardalis, por conta do seu potencial de predação intraguilda (Efeito pardalis) afetando assim, significativamente seus números. Este felino é particularmente mais abundante em ambientes florestados da Mata Atlântica (região Sul e Sudeste) e, especialmente, da Amazônia. No Cerrado é encontrada apenas em áreas de matas de galeria ou vegetação mais densa, sendo assim, seu número bastante restrito, como no Complexo do Pantanal, onde apresenta densidades bem inferiores a 0.01 por quilômetro quadrado.[3]

Sua população efetiva foi estimada de 4 700 a 20 000 indivíduos. Uma estimativa muito conservadora do desmatamento nos dois principais biomas (Mata Atlântica e Amazônia) onde a espécie ocorre, indicam uma perda de no mínimo 5% do seu habitat na área atual, nos próximos 15 anos ou três gerações, prevendo assim uma perda populacional de cerca de 10% para a espécie.[3]

Dado está situação, o gato-maracajá é encontrando na Lista Vermelha do Estado da Bahia.[31] Sendo a espécie considerada como ameaçada de extinção na Mata Atlântica do sul da Bahia, devido a caça e desmatamento que ocorre na região, evidenciando assim a prioridade em esforços de conservação da espécie nesse bioma.[32] O "Projeto Gatos do Mato - Brasil" coordenado pelo Instituto Pró-Carnívoros e com participação de 10 outras instituições e equipe multidisciplinar, iniciado em 2004 com financiamento do Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA), vem obtendo uma série de informações sobre a biologia e a história natural da espécie e de todos os outros pequenos felíneos (Felinae) encontrados no Brasil, contribuindo assim para à sua conservação.[3][33]

Referências

  1. a b Wozencraft, W.C. (2005). «Leopardus wiedii». In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.). Mammal Species of the World 3.ª ed. Baltimore: Imprensa da Universidade Johns Hopkins. p. 539–540. ISBN 978-0-8018-8221-0. OCLC 62265494 
  2. a b c d e de Oliveira, T.; Paviolo, A.; Schipper, J.; Bianchi, R.; Payan, E.; Carvajal, S. V. (2015). «Margay - Leopardus wiedii». Lista Vermelha da IUCN. União Internacional para Conservação da Natureza (UICN). p. e.T11511A50654216. doi:10.2305/IUCN.UK.2015-4.RLTS.T11511A50654216.en. Consultado em 18 de julho de 2021 
  3. a b c d e f g h i j Oliveira, Tadeu Gomes de; Almeira, Lilian Bonjorne; Tortato, Marcos Adriano; Beisiegel, Beatriz de Mello (2013). «Avaliação do risco de extinção do Gato-maracajá - Leopardus wiedii (Schinz, 1821) no Brasil» (PDF). Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente. Biodiversidade Brasileira. 3 (1): 76-83 
  4. Petersen, M. K. (1977). «Behaviour of the margay». In: R. L. Eaton. The world's cats, Vol. 3 (2). Seattle: Instituto de Pesquisa de Carnívoros, Universidade de Washington. pp. 69–76 
  5. Bisbal, F. J. (1989). «Distribution and habitat association of the carnivores in Venezuela». In: K. H. Redford and J. F. Eisenberg. Advances in neotropical mammalogy. Gainesville: Sandhill Crane. pp. 339–362 
  6. a b Schinz, H. R. (1821). «Wiedische Katze Felis wiedii». Das Thierreich eingetheilt nach dem Bau der Thiere: als Grundlage ihrer Naturgeschichte und der vergleichenden Anatomie von dem Herrn Ritter von Cuvier. Säugethiere und Vögel, Volume 1. Estugarda, Tubinga: Cotta. pp. 235–236 
  7. Aranda, J. M. (1991). «Wild mammal skin trade in Chiapas, Mexico». In: Robinson, J. G.; Redford, K. H. Neotropical wildlife use and conservation. Chicago: Imprensa da Universidade de Chicago. pp. 174–177 
  8. Houaiss, verbete maracajá
  9. Papavero, Nelson; Teixeira, Dante Martins (2014). Zoonímia Tupi nos Escritos Quinhentistas Europeus (PDF). São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Universidade de São Paulo (USP). p. 250 
  10. Wied zu, M. (1825). «Felis macroura». Beiträge zur Naturgeschichte von Brasilien. II. Weimar: Gr. H. S. priv. Landes-Industrie-Comptoirs. pp. 371–379 
  11. Thomas, O. (1903). «Notes on Neotropical mammals of the genera Felis, Hapale, Oryzomys, Akodon and Ctenomys, with descriptions of new species». Annals and Magazine of Natural History. 7. 12 (68): 234–243. doi:10.1080/00222930308678847 
  12. Thomas, O. (1904). «New Callithrix, Midas, Felis, Rhipidomys and Proechimys from Brazil and Ecuador». The Annals and Magazine of Natural History. 7. 14 (81): 188–196. doi:10.1080/03745480409442992 
  13. Goldman, E. A. (1914). «Descriptions of five new mammals from Panama». Smithsonian Miscellaneous Collections. 63 (5): 1–7. hdl:2027/uiug.30112106674572 
  14. Allen, J. A. (1919). «Notes on the synonymy and nomenclature of the smaller spotted cats of tropical America» (PDF). Bulletin of the American Museum of Natural History. 41: 341–419 
  15. Nelson, E. W.; Goldman, E. A. (1931). «New carnivores and rodents from Mexico». Journal of Mammalogy. 12 (3): 302–306. JSTOR 1373882. doi:10.2307/1373882 
  16. Nelson, E. W. (1943). «The races of the ocelot and margay in Middle America». Journal of Mammalogy. 24 (3): 372–385. JSTOR 1374838. doi:10.2307/1374838 
  17. Eizirik E.; Bonatto S. L.; Johnson W. E.; Crawshaw Jr. P. G.; Vié J. C.; Brousset D. M.; O’Brien S. J.; Salzano F. M. (1998). «Phylogeographic patterns and evolution of the mitochondrial DNA control region in two Neotropical cats (Mammalia, Felidae)». Journal of Molecular Evolution. 47 (5): 613–624. PMID 9797412. doi:10.1007/PL00006418 
  18. Kitchener, A. C.; Breitenmoser-Würsten, C.; Eizirik, E.; Gentry, A.; Werdelin, L.; Wilting, A.; Yamaguchi, N.; Abramov, A. V.; Christiansen, P.; Driscoll, C.; Duckworth, J. W.; Johnson, W.; Luo, S.-J.; Meijaard, E.; O’Donoghue, P.; Sanderson, J.; Seymour, K.; Bruford, M.; Groves, C.; Hoffmann, M.; Nowell, K.; Timmons, Z.; Tobe, S. (2017). «A revised taxonomy of the Felidae: The final report of the Cat Classification Task Force of the IUCN Cat Specialist Group» (PDF). Cat News. Special Issue 11: 49−50 
  19. a b c d e f g Sunquist, M.; Sunquist, F. (2002). Wild Cats of the World. Chicago: Imprensa da Universidade de Chicago. pp. 135–141. ISBN 0-226-77999-8 
  20. Calleia, F. O.; Rohe, F.; Gordo, M. (junho de 2009). «Hunting Strategy of the Margay (Leopardus wiedii) to Attract the Wild Pied Tamarin (Saguinus bicolor (PDF). Conservation International. Neotropical Primates. 16 (1): 32–34. ISSN 1413-4705. doi:10.1896/044.016.0107. Consultado em 18 de julho de 2021. Arquivado do original (PDF) em 13 de julho de 2010 
  21. Dell'Amore, Christine (2010). «Jungle Cat Mimics Monkey to Lure Prey—A First». National Geographic Daily News. National Geographic Society. Consultado em 18 de julho de 2021. Arquivado do original em 4 de janeiro de 2013 
  22. Aranda, M.; Monroy, O. (2014). «Margay». In: Ceballos, G. Mammals of Mexico. Baltimore, Marilândia: Imprensa da Universidade Johns Hopkins. pp. 855–857. ISBN 978-1-4214-0843-9 
  23. a b Schmidly, D. J. (2004). The Mammals of Texas 6.ª ed. Austin, Texas: Imprensa da Universidade do Texas. ISBN 0-292-70241-8 
  24. Kays, R.W.; Wilson, D. E. (2002). Mammals of North America. Princeton and Oxford: Imprensa da Universidade de Princeton. ISBN 0-691-07012-1 
  25. Hulbert, R. C.; Morgan, G. S.; Kerner, A. (2009). «Collared Paccary (Mammalia, Artiodactyla, Tayassuidae, Pecari) from the Late Pleistocene of Florida». Papers on Geology, Vertebrate Paleontology, and Biostratigraphy in Honor of Michael O. Woodburne (PDF). Flagstaff, AZ: Museum of Northern Arizona. pp. 551–556. Consultado em 18 de julho de 2021 
  26. Wang, E. (2002). «Diets of Ocelots (Leopardus pardalis), Margays (L. wiedii), and Oncillas (L. tigrinus) in the Atlantic Rainforest in Southeast Brazil». Studies on Neotropical Fauna and Environment. 37 (3): 207–212. doi:10.1076/snfe.37.3.207.8564 
  27. Solórzano-filho, J. A. (2006). «Mobbing of Leopardus wiedii while hunting by a group of Sciurus ingrami in an Araucaria forest of Southeast Brazil». Mammalia. 70 (1/2): 156–157. doi:10.1515/MAMM.2006.031. Consultado em 15 de junho de 2007 
  28. Morais, Rosana Nogueira de (2008). «Reproduction in small felid males». In: Fowler, Murray; Cubas, Zalmir S. Biology, Medicine, and Surgery of South American Wild Animals. Ioua: Imprensa da Universidade Estadual de Ioua. p. 312 
  29. «Appendices | CITES». cites.org (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2021 
  30. Cherem, Jorge J.; Kammers, Marcelo; Ghizoni-Jr, Ivo R.; Martins, Anderson (janeiro de 2007). «Mamíferos de médio e grande porte atropelados em rodovias do Estado de Santa Catarina, sul do Brasil». Biotemas. 20 (3): 81-96. ISSN 0103-1643 
  31. «Mamiferos DO ESTADO DA BAHIA - Lista vermelha da Bahia». Lista Vermelha da Bahia. Consultado em 18 de julho de 2021 
  32. de Moura, R.T (2003). «Distribuição e ocorrência de mamíferos na Mata Atlântica do Sul da Bahia» (PDF). Instituto de Estudos Sócio Ambientais do Sul da Bahia e Conservation International do Brasil. Consultado em 18 de julho de 2021 
  33. «Gato-maracajá (Leopardus wiedii)». Instituto Pró-Carnívoros. Fevereiro de 2015 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Gato-maracajá
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Gato-maracajá