Região Sudeste do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Região Sudeste do Brasil
Divisão regional do Brasil
Localização
Características geográficas
Região geoeconômica Centro-Sul e Nordeste
Estados  Espírito Santo
 Minas Gerais
 Rio de Janeiro
 São Paulo
Gentílico sudestino
Área 924 620,678 km² 2010
População 87 711 946 hab. 2018
Densidade 94,86 hab./km²
Indicadores
Cidade mais
populosa
Brasão da cidade de São Paulo.svg São Paulo
PIB R$ 2 295 690 milhões 2011
PIB per capita R$ 28 350,39 2011
IDH 0,794 alto[3] 2017

A região Sudeste do Brasil é a segunda menor região do país, sendo maior apenas que a região Sul. A área real ocupa aproximadamente 924 620 km², 1/10 da superfície do Brasil. É composta por quatro estados: Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Limita-se ao norte e a nordeste com a Bahia; ao sul e a leste com o oceano Atlântico; a sudoeste com o Paraná; a oeste com Mato Grosso do Sul; a noroeste com Goiás e o Distrito Federal.

É a região mais desenvolvida do país, responsável por 55,2% do PIB brasileiro.[6] São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais lideram em termos de PIB Nominal. No que tange a PIB per capita, o Sudeste tem o maior entre todas as regiões brasileiras: R$ 28 350,39. Pode-se observar três estados figurando entre os cinco primeiros com maiores PIB per capita do Brasil, respectivamente: São Paulo (2.º), Rio de Janeiro (3.º) e Espírito Santo (5.º),[7] oito entre os dez primeiros municípios de todo o país,[8] e três entre as quatro primeiras capitais brasileiras, Vitória (1.º), São Paulo (3.º) e Rio de Janeiro (4.º).[8] Nele estão os municípios mais populosos, a maior densidade populacional, os maiores depósitos de minério de ferro, a maior rede rodoferroviária e o maior complexo portuário da América Latina.[9] É a mais importante região industrial, comercial e financeira do país. Emprega 80% do operariado brasileiro[10] e usa 85% do total da energia elétrica consumida no Brasil.[10]

O relevo é bastante acidentado, com predominância de planaltos. O clima é tropical, entre temperado e quente, com grandes variações locais. Algumas áreas têm vegetação pobre e rasteira; outras são cobertas por florestas tropicais úmidas. A região é um verdadeiro centro dispersor de águas. Há várias bacias fluviais, com rios correndo em várias direções.

A região Sudeste começou a ser colonizada pelos portugueses no século XVI. A primeira vila, São Vicente, foi fundada em 1532. O desenvolvimento da região começou a partir da descoberta do ouro em Minas Gerais, no século XVIII. Em 1763, o porto do Rio de Janeiro, por onde escoava o ouro, passou a capital do Brasil. Brasília, em 1960. No início do século XX, a expansão da lavoura do café transformou São Paulo no maior centro econômico do Brasil.

A região Sudeste possui uma população de aproximadamente 85 milhões de habitantes, de forma que 44% da população brasileira mora no Sudeste (muito embora 1/3 dos habitantes, cerca de 28 milhões de pessoas, não nasceram na região). A região reúne os três primeiros estados do país em população: São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Ainda é a região mais densamente povoada do Brasil, atingindo a marca de 84,21 hab./km² em 2010 (enquanto a média brasileira, de 23,01 hab./km², é uma das mais baixas do mundo). O Sudeste é a região mais populosa do Brasil e ocupa 10,85% do território brasileiro. Altamente urbanizada (90,5% da população vivem em zonas urbanas),[11] abriga duas metrópoles globais, São Paulo (alfa) e Rio de Janeiro (beta -).[12] A região é também o maior colégio eleitoral do Brasil.[13] As cidades mais populosas segundo o IBGE/2019 são: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Guarulhos, Campinas, São Gonçalo, Duque de Caxias, São Bernardo do Campo, Nova Iguaçu, Santo André, São José dos Campos, Osasco, Ribeirão Preto, Uberlândia, Sorocaba, Contagem, Juiz de Fora, Serra, Niterói, Belford Roxo e Campos dos Goytacazes, todas com mais de 500 mil habitantes. A região Sudeste também apresenta índices sociais relativamente elevados: possui a segunda maior qualidade de vida do país, verificado por seu IDH de 0,794[14] e possuindo quinze dentre as vinte cidades melhores rankeadas, com destaque para São Caetano do Sul-SP (1.º), Águas de São Pedro-SP (2.º), Vitória-ES (4.º) — segunda melhor entre todas as capitais —, Santos-SP (6.º) e Niterói-RJ (7.º).[15]

História da região

Estátua de Antônio Raposo Tavares, um dos mais famosos bandeirantes, no Museu Paulista em São Paulo.

Os primeiros habitantes da região Sudeste do Brasil foram os índios. Mais tarde chegaram os portugueses. Eles fizeram expedições para conhecer a região e começaram a explorar o pau-brasil, madeira que era abundante nas matas do litoral.

Além disso, os portugueses fundaram as primeiras vilas no litoral. A primeira vila foi a de São Vicente. Aí teve início a plantação da cana de açúcar . Depois surgiram outras vilas. O povoamento do interior começou com a fundação da vila de São Paulo de Piratininga.

Os moradores da vila de São Paulo entraram pelo interior à procura de índios para escravizar. Eles organizaram as entradas e bandeiras. Nas suas caminhadas, os bandeirantes paulistas descobriram minas de ouro nas terras do atual estado de Minas Gerais.

O povoamento também aumentou com o comércio de gado. Os comerciantes levavam os animais do sul do Brasil para serem vendidos na região das minas. No caminho por onde passavam as tropas de animais apareceram ranchos e pousadas. Os ranchos e as pousadas deram origem a muitas cidades.

Novas fazendas de plantação de cana-de-açúcar surgiram nos antigos caminhos por onde seguiam as entradas e bandeiras. Essas fazendas deram origem a várias cidades. Mais tarde, com o cultivo do café, outras cidades surgiram.

O povoamento aumentou muito com a chegada dos imigrantes e com a abertura das ferrovias. A instalação de indústrias também contribuiu para que muitas pessoas de outros estados e de outros países viessem morar na região Sudeste.

Período pré-cabralino

Ver artigo principal: Povos indígenas do Brasil

Os primeiros habitantes da região Sudeste foram os indígenas pertencentes aos grupos macro-jê e tupi. A partir de 1500, começam a chegar os colonizadores portugueses.

Início da colonização portuguesa

Paraty, cidade colonial fluminense do século XVI.
Ver artigo principal: Império Português

O povoamento do Sudeste brasileiro começou em 1532, com a fundação da vila de São Vicente pelos jesuítas portugueses, apoiada na produção de cana-de-açúcar. A partir do século XVII, na região de São Paulo, iniciou-se o fenômeno das bandeiras, que eram expedições pelo interior do Brasil à procura de novas riquezas e de indígenas para serem escravizados.

Ciclo do ouro da Região

Ver artigo principal: Ciclo do ouro
Igrejas em estilo barroco em Mariana, cidade mineira erguida durante o ciclo do ouro, no século XVIII.

No final do século XVII, os bandeirantes paulistas encontraram pedras preciosas na região de Minas Gerais, dando início ao ciclo do ouro.

Com a mineração, as atenções da Coroa Portuguesa se voltaram para a região Sudeste, tendo em vista que as plantações de cana-de-açúcar no Nordeste estavam em plena decadência. Ocorreu um grande movimento de pessoas para a região das Minas, acarretando na Guerra dos Emboabas.

A capital da colônia é transferida de Salvador para o Rio de Janeiro em 1763. No final do século XVIII a exploração do ouro entrou em decadência em decorrência do esgotamento das minas, porém a Coroa Portuguesa continuava a cobrar altas taxas tributárias, fazendo surgir a Inconfidência Mineira, movimento separatista sem sucesso.

Corte no Brasil

Paço Imperial, palácio do século XVIII que serviu como sede para o governo colonial, o Rei João IV de Portugal e os dois imperadores do Brasil.

Em 1808, fugindo da invasão napoleônica, a Família Real Portuguesa se instalou no Rio de Janeiro. A época foi marcada por diversas mudanças econômicas na região, com a abertura dos portos para as nações amigas em 1810 e a elevação do Brasil à Reino Unido de Portugal e Algarves em 1816. Em 1821, o Rei Dom João VI retorna para Portugal, deixando seu primogênito, Pedro de Alcântara, como Príncipe-Regente do Brasil.

Independência

Ver artigo principal: Independência do Brasil

Através da Revolução do Porto, os portugueses tentam voltar o Brasil à condição de colônia. O filho do Rei de Portugal desobedece às ordens da Coroa e proclama a Independência do Brasil a 7 de setembro de 1822, às margens do Riacho Ipiranga, em São Paulo, tornando-se D. Pedro I, o Imperador do Brasil.

Império

Ver artigo principal: Império do Brasil

Com a Independência do Brasil em 1822, a região Sudeste tornou-se o centro financeiro do país. Apoiado pela elite rural do Sudeste, D. Pedro I tornou-se o primeiro Imperador do Brasil, abdicando o trono à favor de seu filho, D. Pedro II em 1830 que, após um conturbado período regencial, assumiu o trono em 1841.

Ciclo do café

Café sendo embarcado no porto de Santos em 1880, por Marc Ferrez.
Ver artigo principal: Ciclo do café

A partir da década de 1840, as plantações de café se espalharam por toda a região, principalmente no Vale do Paraíba e no Oeste Paulista, tornando-se a base da economia brasileira. Usou-se, inicialmente, do trabalho escravo mas, com a abolição da escravatura em 1888, a falta de mão de obra foi preenchida com a vinda de uma grande massa de imigrantes europeus, principalmente italianos.

República

Em 1889 a monarquia é derrubada e é proclamada a República, dando início à política do café com leite, em que as oligarquias de São Paulo e Minas Gerais se revezavam no poder.

Na década de 1920, com a quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque, o preço do café despencou no mercado internacional. O presidente Getúlio Vargas iniciou um processo de industrialização em São Paulo que, posteriormente, se espalhou pelos outros estados do Sudeste.

Geografia

Do litoral para o interior, sucedem-se:

A região é percorrida por rios de planalto, com amplas possibilidades de aproveitamento hidrelétrico. Principais bacias: do rio Paraná; do rio São Francisco, na parte norte da região; e do Leste, formada pelos rios Doce, Paraíba do Sul e Jequitinhonha. Destacam-se ainda os rios Pardo, Mucuri e Ribeira do Iguape.

O clima da região sofre influência da posição geográfica e da altitude do relevo e, por isso as temperaturas são mais elevadas na parte norte, nas planícies e nas baixadas. Mais de 1 000 mm de chuvas anuais, bastante abundantes no trecho da serra do Mar voltado para o oceano Atlântico. Tipos de clima: tropical, na maior parte da região; tropical de altitude, na parte leste, onde o relevo é mais alto; subtropical, no sul; e semiárido, no norte de Minas Gerais.

A Mata Atlântica é a formação original no leste (serras); a floresta latifoliada tropical, no interior; os cerrados são comuns nas áreas de clima tropical mais seco e, portanto, em grande parte do interior da região; as caatingas aparecem em trechos de clima semiárido; mais ao sul, e praticamente devastada, está a área da floresta subtropical; em trechos esparsos surgem ainda os campos limpos e a vegetação de praia, junto ao litoral.

Relevo

O Pico da Bandeira, localizado entre os estados do Espírito Santo e de Minas Gerais, o ponto mais elevado do Sudeste.

Podemos identificar cinco grandes divisões no relevo no Sudeste:

Clima

Mapa climático do Sudeste de acordo com a classificação climática de Köppen-Geiger.[16]

A região Sudeste apresenta os climas semiárido, tropical, tropical de altitude, subtropical, litorâneo úmido e temperado marítimo.

O clima tropical predomina nas baixadas litorâneas de Espírito Santo e Rio de Janeiro, norte de Minas Gerais e oeste paulista. Apresenta temperaturas elevadas (média anual de 22 °C) e duas estações definidas: uma chuvosa, que corresponde ao verão, e outra seca, que corresponde ao inverno. Exemplos de cidades com esse clima: Vitória, Rio de Janeiro e Presidente Prudente. O clima tropical de altitude, que ocorre nos trechos mais elevados do relevo, caracteriza-se por temperaturas mais amenas (média anual de 18 °C). Exemplos de cidades com esse clima: Campos do Jordão, Poços de Caldas, Ouro Preto, Petrópolis e Nova Friburgo.

O clima subtropical, que aparece em quase todos os municípios da Grande São Paulo e no sul do estado de São Paulo, é marcado por chuvas bem distribuídas durante o ano (temperaturas médias anuais em torno de 16 °C a 17 °C) e por uma grande amplitude térmica. Exemplos de cidades com esse clima: Apiaí, Itapeva, Guapiara, Registro, Peruíbe, Itanhaém. Com dois tipos, Cfb nas áreas montanhosas da Serra do Mar e Paranapiacaba, e Cfa nas áreas mais baixas e no litoral sul de São Paulo. Há ainda, no norte de Minas Gerais, o clima semiárido, mais quente e menos úmido, apresentando estação seca anual de cinco meses ou até mais nos vales dos rios São Francisco e Jequitinhonha.

No Sudeste, como em qualquer região, as temperaturas sofrem a determinante influência da posição geográfica, ou seja, da latitude, do relevo e da altitude e também da maritimidade. Desta forma, as regiões do Vale do Jequitinhonha e do Vale do Rio Doce ambas no norte de Minas Gerais e norte do Espírito Santo, localizadas em áreas de baixas latitudes e altitudes modestas, têm clima mais quente. Já a serra do Mar apresenta a maior umidade da região, pois barra a passagem dos ventos vindos do Atlântico, carregados de umidade, chovendo apenas nas vertentes orientais. A costa também é naturalmente mais úmida, por influência da maritimidade.

As menores temperaturas da região são registradas nos picos da serra da Mantiqueira, e Serra do Caparaó, localizados entre MG/SP, MG/RJ e MG/ES, que tem altitudes próximas de 3 000 m e consequentemente estão sujeitos a nevadas nos raros dias chuvosos de inverno.

De acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, vinculado à ONU (Organização das Nações Unidas), é muito provável que a região se torne um deserto com o desmatamento da Amazônia,[17] em função de receber ventos oriundos da região norte do Brasil e ser esta característica a única que a distingue do desertos do Atacama, e das áreas desertificadas da Namíbia e do Kalahari, que estão alinhados frontalmente, dentro das margens latitudinais, com os Estados do Sudeste e do Sul do Brasil.[18]

Vegetação

Vegetação característica do cerrado na região noroeste de Minas Gerais.

A variedade de tipos de clima permite deduzir que primitivamente existiu uma variedade de tipos de vegetação, hoje em grande parte devastada, devido à expansão agrícola.

A floresta tropical constitui a formação dominante, mas seu aspecto varia muito. Ela é rica e exuberante nas encostas voltadas para o oceanoMata Atlântica —, onde a umidade é maior, favorecendo o aparecimento de árvores mais altas, muitos cipós, epífitas e inúmeras palmáceas; encontra-se quase totalmente devastada, exceto nas encostas mais íngremes. No interior do continente, essa floresta apresenta-se menos densa, pois ocorre em áreas de clima mais seco; aparece somente em manchas, pois já está quase inteiramente devastada.

Em algumas áreas do interior há a ocorrência de matas galerias ou ciliares, que se desenvolvem ao longo das margens dos rios, mais úmidas. Nas áreas tipicamente tropicais do Sudeste, onde predominam solos impermeáveis, ganha destaque a formação conhecida como cerrado, constituída de pequenas árvores, arbustos de galhos retorcidos e vegetação rasteira. A região apresenta pequenos trechos cobertos de caatinga no norte de Minas Gerais. As áreas mais altas das serras e planaltos do Leste e Sudeste, ao sul, de clima mais suave, são ocupadas por uma ou outra espécie do que foi um dia a floresta subtropical ou Mata de Araucárias. Em extensões também reduzidas do planalto aparecem trechos de formações campestres: os campos limpos, ao sul do estado de São Paulo, e os campos serranos, ao sul de Minas Gerais. Ao longo do litoral, faz-se presente a vegetação típica das praias, conhecida por vegetação litorânea.

Hidrografia

Rio Tietê na altura de Barra Bonita/Igaraçu do Tietê ao fundo UHE de Barra Bonita (Médio Tietê).

Devido à suas características de relevo, predominam na região os rios de planalto, naturalmente encachoeirados. Entre as várias bacias hidrográficas, merecem destaque:

Demografia

A população da região Sudeste é formada de brancos, negros, pardos, amarelos e indígenas.

São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro são os estados mais populosos do Brasil. A maior parte da população vive na zona urbana, devido ao êxodo rural, isto é, a saída da população do campo para viver na cidade.

Na região Sudeste ocorre a migração. Muitos brasileiros da região Nordeste migraram para a região Sudeste, principalmente para São Paulo e Rio de Janeiro.

População

A região Sudeste é a mais populosa do país, apresentando, segundo o IBGE, no ano de 2013, pouco mais de 84,4 milhões de habitantes, o que equivale a quase 42% da população brasileira (população maior que a de países como Itália e Espanha). A região apresenta, também, os três estados mais populosos (São Paulo, com 43,6 milhões de habitantes; Minas Gerais, com 20,5 milhões de habitantes e Rio de Janeiro, com 16,3 milhões) e as três maiores regiões metropolitanas do Brasil (São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte).

A maior concentração populacional encontra-se no eixo Rio-São Paulo, onde estão localizadas as regiões metropolitanas da Grande São Paulo, Grande Rio e as regiões do Sul Fluminense e Vale do Paraíba, que englobam 23% da população brasileira. Também está localizada nesta região a cidade de Campinas, com mais de 1,1 milhão de habitantes, sendo a maior cidade do interior do Brasil.

Vitória, apesar de ser o centro financeiro e cultural de uma região de 1,9 milhões de habitantes, apresenta a menor população entre as capitais do sudeste, tendo em vista sua pequena área geográfica (98,194 km² contra 1 522,986 km² de São Paulo, 1 197,463 km² do Rio de Janeiro e 330,95 km² de Belo Horizonte). O que contribui para que o valor do m² seja um dos mais caros do Brasil,[19] ajudando assim na criação de subúrbios em cidades vizinhas.

Eleitores

A participação política (número de eleitores) da região Sudeste em 2012 era de 60.789.706 (IBGE/2012), a maior do país. A tabela a seguir mostra quantos eleitores tinham em cada estado da região:

IBGE/2012
Estados Nº de eleitores
São Paulo 31.253.317
Minas Gerais 15.019.136
Rio de Janeiro 11.893.309
Espírito Santo 2.623.944

Povoamento

A teoria mais aceita é de que o Brasil, assim como todo o continente americano, foi povoado por povos nômades asiáticos que atravessaram o Estreito de Bering, ligação entre a Sibéria e o Alasca, há 15 mil anos. Todavia, após o achado do crânio pré-histórico de Luzia, em Minas Gerais, descobriu-se que se tratava de uma mulher com fisionomia negroide, semelhante aos povos subsaarianos e aos aborígenes australianos atuais. Concluiu-se que houve dois tipos de migração para a região: a mongoloide e a negroide. Porém, apenas os de origem asiática sobreviveram, antepassados dos índios.[21]

Colonização

Fundação de São Vicente, por Benedito Calixto.

O Sudeste do Brasil foi palco para a fundação da primeira vila portuguesa a ser edificada no Novo Mundo, sendo ela São Vicente, fundada por Martim Afonso de Sousa, em 1532. Os primeiros colonos, homens solteiros ou casados que deixaram em Portugal suas famílias, prontamente se mesclaram com as índias locais. A prática frequente da poligamia, enraizada na cultura aborígene, foi adotada pelos portugueses. Preocupados com a conduta fora dos padrões dos colonos, não só em São Vicente, mas em toda a colônia, a Igreja Católica envia os jesuítas em 1549. Baseada na plantação de cana-de-açúcar, a capitania de São Vicente é uma das poucas a obter sucesso. Em 1565, Mem de Sá fundou a vila do Rio de Janeiro. Os índios foram escravizados, porém, em 1595, por pressões da Igreja, foi proibida a escravidão nativa. Começou-se, então, a ensaiar a entrada de escravos africanos.

Os colonos, já bastante miscigenados com os índios, levavam uma vida fora dos padrões metropolitanos. A forte influência da cultura indígena e a força cada vez menor da Igreja na vida dos habitantes dessa região levaram à criação de uma identidade nativa e um certo sentimento antiportuguês na região de São Paulo. A Coroa Portuguesa não conseguia mais controlar os colonos. Considerados "rudes e selvagens", os paulistas de sangue europeu ou mestiço não mais falavam o português, mas a língua geral, idioma extinto de base tupi-guarani.

Monumento às Bandeiras, no Parque Ibirapuera, na cidade de São Paulo.
Mapa do Brasil no início do século XVIII.

No início do século XVII surgem as bandeiras: a decadência da produção açucareira e a proibição da escravidão indígena levam os colonos a se organizarem e formar enormes expedições que cruzaram o interior do Brasil. Tais expedições podiam contar com quase mil homens: alguns brancos, seguidos por centenas de índios e mamelucos em busca de indígenas para serem escravizados. É destacável que os bandeirantes, mesmo aqueles de origem indígena, atacavam as tribos índias e as reduções jesuíticas com grande violência e crueldade. Estima-se que 300 mil índios foram escravizados em um período de menos de um século. Aqueles que não aceitaram o escravagismo, foram exterminados[22][23]

Com o desaparecimento das populações indígenas, as bandeiras ganharam um novo intuito: o achamento de pedras preciosas. Desde o início da colonização os colonos almejavam encontrá-las. Tal fato apenas se sucedeu em 1680, quando o bandeirante Borba Gato encontrou as primeiras jazidas de ouro na atual Minas Gerais.[24] A exploração da região se deu com a chegada de novas bandeiras. A população brasileira, antes concentrada no litoral, passou a se interiorizar. As notícias do achado de pedras preciosas levou a uma corrida para a região aurífera de milhares de pessoas. É neste momento que se dá a fundação de vilas ao redor das áreas mineradoras: Ouro Preto, Mariana, Tiradentes, etc. Em Portugal, milhares de pessoas abandonaram o país para tentar se enriquecer nas Minas Gerais: entre 1 701 e 1 760 imigraram 600 mil portugueses.[25] Do Nordeste, legiões de luso-brasileiros largaram os já decadentes engenhos de cana e rumaram para o interior. A chegada dos forasteiros gerou no conflito chamado Guerra dos Emboabas. Os paulistas, descobridores das minas acabaram perdendo o seu monopólio para os recém-chegados. Enriquecidos, os mineradores trouxeram para a região centenas de milhares de africanos. No auge da mineração, 958 mil negros foram trazidos da África para o Brasil. O escravo de Angola predominou dentro da área mineradora.[26]

A mudança da capital de Salvador para o Rio de Janeiro concretizou a ocupação do Sudeste brasileiro. Em 1808, a região ainda foi palco para a instalação da família real portuguesa: fugidos de Napoleão, toda a corte portuguesa se mudou para o Rio de Janeiro, algo em torno de 15 mil pessoas.[27] A expansão da colheita de café pelo interior após 1830, acarreta na chegada de um enorme contingente de escravos: um milhão e 300 mil num período de apenas trinta anos, vindos de Angola e Moçambique.[26] No início do século XIX o Rio de Janeiro, devido à sua maioria negra e escrava, era visto como uma "cidade africana".[28]

Imigrantes

Catedral em Petrópolis, no Rio de Janeiro, região com forte influência germânica.

A presença dos imigrantes na região Sudeste foi de fundamental importância para o seu povoamento. O primeiro grupo organizado de imigrantes trazido ao Brasil para o povoamento foram suíços. Entre 1819 e 1820, chegaram ao Brasil 261 famílias de colonos suíços, 161 a mais do que havia sido combinado nos contratos, totalizando 1 686 imigrantes. Fundaram a cidade de Nova Friburgo, no Rio de Janeiro. Grupos de alemães seriam assentados na mesma região em 1824. No interior do Espírito Santo chegaram famílias alemãs em 1847. Em 1857 novos grupos foram enviados para as serras capixabas. No ano seguinte, começaram a chegar os pomeranos, etnia esta que passou a predominar entre os colonos alemães.[29] No estado do Rio de Janeiro, os alemães ocuparam também as regiões serranas, ao redor de Petrópolis.

Bairro da Liberdade, em São Paulo, reduto da colônia japonesa da cidade, a maior fora do Japão.

A partir de 1880, iniciou-se um forte fluxo imigratório, por indivíduos atraídos pelos senhores do café para que trabalhassem em suas propriedades. O fim do tráfico negreiro (Lei Eusébio de Queiroz, 1850) e a Lei Áurea (1888), que deu fim à escravatura, contribuíram para a crescente falta de mão de obra nos cafezais. Ao mesmo tempo, surgiu no Oeste Paulista uma nova elite de origem burguesa que defendia o trabalho assalariado. Os imigrantes europeus, italianos em sua vasta maioria, foram atraídos para as fazendas cafeeiras, concentradas, sobretudo, no estado de São Paulo. Para receber os imigrantes foram construídos prédios como a Hospedaria de Imigrantes. Entre 1882 e 1978 passaram mais de 60 nacionalidades e etnias pela hospedaria, num total de 2,5 milhões de pessoas. Num período de apenas nove anos (1882-1891), passaram pela Hospedaria 263.196 imigrantes, dos quais 202 503 eram italianos.[30] A presença do imigrante europeu urbano fez-se bastante notável rapidamente: em 1900, 81% dos operários fabris de São Paulo eram italianos.[31]

A presença de diversas comunidades de imigrantes traria um enriquecimento étnico-cultural de valor inestimável. Os portugueses foram o grupo predominante no Rio de Janeiro: em 1916, moravam na cidade 133 393 portugueses, em torno de 16% da sua população.[32] A presença de imigrantes espanhóis, galegos e andaluzes sobretudo, de libaneses, de sírios e de japoneses, entre outros povos, acarretou no surgimento de um fusão cultural em São Paulo.[32]

Migrantes

Na história da migração no Brasil, destaca-se a migração nordestina. Devido ao auge da industrialização, entre as décadas de 60 e 80, a migração nordestina para a região Sudeste, em especial aos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, foi intensa. Devido principalmente ao problema da exploração social e do trabalho na economia rural nordestina, relacionada com e eventualmente justificada pela seca, somados com a grande oferta de empregos de outras regiões principalmente nas décadas de 60, 70 e 80, em especial na região Sudeste, verificou-se um pronunciado fluxo migratório de parte da população nordestina para outras regiões do país.

Atualmente assiste-se à "migração de retorno": no ano de 2000, saíram do estado de São Paulo de volta para o Nordeste 457 mil pessoas, enquanto outras 400 mil fizeram o caminho inverso.[33]

Raça e origem étnica

Cor / Raça (Sudeste do Brasil) (2006)[34]
Brancos 58,8%
Pardos 32,5%
Pretos 7,7%
Amarelos ou Indígenas 1,0%

Economia

A economia do Sudeste é muito forte e diversificada. Os setores apresentam muito desenvolvimento e muita diversificação. A região Sudeste pertence a maior região geoeconômica do país, em termos de economia.

São Paulo, o maior e mais importante centro econômico e financeiro da América Latina[35][36] e um dos maiores centros de negócios do mundo[35]

Além de ser a região brasileira que possui a agricultura mais desenvolvida, ela se destaca pelo seu desenvolvimento industrial: o Sudeste é responsável por mais de 70% do valor da transformação industrial do país.

Como nenhuma outra região brasileira, o Sudeste exerce uma formidável atração sobre a população de áreas menos desenvolvidas. Isso acarreta a superpopulação das grandes áreas industriais e, como consequência, a proliferação de favelas, com todos os problemas sociais que as caracterizam. Deve-se citar ainda outro aspecto problemático do Sudeste: o padrão de desenvolvimento não é uniforme em todas as partes da região; há desigualdade entre estados e até mesmo entre porções do mesmo estado. Mas, apesar de tudo isso, é a região do país com maior número de escolas, melhor atendimento médico-hospitalar e melhores condições para a pesquisa tecnológica; além disso, possui a maior frota de meios de transporte e o mais aperfeiçoado sistema de comunicações. Como a industrialização é a atividade econômica que emprega mais trabalhadores na região, cerca de 90% da população do Sudeste vive nas cidades, circunstância que facilita seu atendimento físico e cultural

Destacam-se as seguintes indústrias:

Existem também indústrias de produtos alimentícios, de beneficiamento de produtos agrícolas, de bebidas, de móveis, etc.

Agricultura

Cana-de-açúcar, uma das culturas mais praticadas na região. Na foto um canavial na cidade de Avaré, interior de São Paulo.

O setor agropecuário apresenta-se muito desenvolvido e extremamente diversificado. A existência de um setor agrícola forte nessa região deve-se à existência de vastos solos férteis (a terra roxa). Embora o café tenha sido a força econômica pioneira da ocupação do estado de São Paulo e de seu grande desenvolvimento econômico, o seu cultivo tem se reduzido cada vez mais (sendo atualmente a principal área produtora a região do sul de Minas) e, atualmente intercala-se com outras culturas ou foi inteiramente substituído.

Destacam-se, na produção agrícola regional, a cana-de-açúcar, a soja e a laranja. O Sudeste é responsável pela maior parte da produção de cana-de-açúcar do país, concentrada na Baixada Fluminense, na Zona da Mata mineira e no estado de São Paulo. Já o cultivo da soja apresenta crescente avanço, pois é largamente utilizada na indústria de óleos e de rações para animais, sendo uma grande parte exportada. Em sua maior parte destinada à industrialização e exportação de suco, a produção de laranjas é realizada principalmente no estado de São Paulo.

Os principais produtos agrícolas cultivados são:

  • café (85% da produção do país, que é o maior produtor mundial);
  • cana-de-açúcar (65% da produção do país, que é o maior produtor mundial);
  • laranja (85% da produção do país, que é o maior produtor mundial);
  • limão (80% da produção do país, que é o quinto maior produtor do mundo);
  • amendoim (90% da produção do país, que é o 14º maior produtor do mundo);
  • banana (35% da produção do país, que é o sétimo maior produtor do mundo);
  • sorgo (30% da produção nacional, sendo o país o sétimo maior produtor);
  • tomate (44% da produção nacional, sendo o país o 10º maior produtor);
  • caqui (70% da produção nacional, sendo o país o 6º maior produtor do mundo);
  • tangerina (60% da produção nacional, sendo o país o 6º maior produtor do mundo);
  • mamão (40% da produção nacional, sendo o país o 2º maior produtor do mundo);
  • abacaxi (27% da produção nacional, sendo o país o 3º produtor mundial);
  • mandioca (13% da produção nacional, sendo o país o 5º produtor mundial);
  • feijão (mais de 20% da produção nacional, sendo o país o 3º produtor mundial).

A região ainda produz quantidades consideráveis ​​de:

A região também planta em menor escala algodão, milho, arroz, mamona, entre outros.

Pecuária

Gado bovino em Minas Gerais

A pecuária também tem grande destaque na região Sudeste, sendo o seu rebanho bovino o segundo maior do país. A grande produção de carne bovina (pecuária de corte) e suína permite a instalação e o desenvolvimento de frigoríficos e indústrias de laticínios (pecuária leiteira). A criação de aves (avicultura) e a produção de ovos são as maiores do país (aproximadamente 40% do total nacional), concentrando-se no estado de São Paulo.

O Sudeste é o 2º maior produtor nacional de leite, com 34,2%, perdendo por pouco para a Região Sul, que produz 35,7%. O Sudeste tem o maior rebanho de vacas ordenhadas: 30,4% do total de 17,1 milhões existentes no Brasil. A maior produtividade, porém, é a da Região Sul, com uma média de 3.284 litros por vaca ao ano, por isso lidera o ranking de produção de leite desde 2015. Minas Gerais é o principal Estado produtor de leite no Brasil, com o maior efetivo também de vacas ordenhadas, responsável por 26,6% da produção e 20,0% do total de animais de ordenha. O município de Patos de Minas foi o 2º maior produtor em 2017, com 191,3 milhões de litros de leite.[40]

A criação de aves (avicultura) e a produção de ovos são as maiores do país. Os plantéis avícolas, conforme o IBGE, englobam frangos/as, galos, galinhas e pintinhos. Em 2018, a região Sul, com destaque na criação de frangos/as para o abate, foi responsável por quase metade do total brasileiro (46,9%). Só o Paraná respondeu por 26,2%. A situação de inverte, contudo, quando se trata de galinhas. A primeira região do ranking foi o Sudeste, com 38,9% do total de cabeças do país. Foi estimado um total de 246,9 milhões de galinhas para 2018. O estado de São Paulo foi responsável por 21,9%. A produção nacional de ovos de galinha foi de 4,4 bilhões de dúzias em 2018. A região Sudeste foi responsável por 43,8% do total produzido. O estado de São Paulo foi o maior produtor nacional (25,6%).O efetivo de codornas foi de 16,8 milhões de aves. O Sudeste é responsável por 64%, tendo destaque São Paulo (24,6%) e Espírito Santo (21,0%)[41]

Mineração

Mina de ferro em Minas Gerais

Na produção mineral, em 2017, Minas Gerais foi o maior produtor do país de minério de ferro (277 milhões de toneladas no valor de R $ 37,2 bilhões), ouro (29,3 toneladas no valor de R $ 3,6 bilhões), zinco (400 mil toneladas no valor de R $ 351 milhões) e nióbio (na forma de cloridrato) (131 mil toneladas no valor de R $ 254 milhões). Além disso, Minas foi o segundo maior produtor de alumínio (bauxita) (1,47 milhão de toneladas no valor de R $ 105 milhões), terceiro de manganês (296 mil toneladas no valor de R $ 32 milhões) e 5º de estanho (206 toneladas no valor de R $ 4,7 milhões). Minas Gerais detém 47,19% do valor da produção de minerais comercializada no Brasil (primeiro lugar), com R $ 41,7 bilhões. [42][43][44][45] O estado possui a maior produção do país de diversas pedras preciosas. Na água-marinha, Minas Gerais produz as pedras mais valiosas do mundo. No diamante, o Brasil foi o maior produtor mundial de diamantes de 1730 a 1870: a mineração ocorreu pela primeira vez na Serra da Canastra, região de Diamantina, chegando a baixar o preço da pedra mundialmente devido ao excesso de produção. Minas Gerais continua extraindo diamantes, além de ter produções em maior ou menor escala de ágata, esmeralda, granada, jaspe e safira. Topázio e turmalina se destacam. No topázio, o Brasil possui a variedade mais valiosa do mundo, o topázio imperial, produzido apenas em Ouro Preto. Além disso, o país é o maior produtor mundial de topázio. É também um dos maiores produtores mundiais de turmalinas.[46][47][48]

Também há produção de grafita, em Salto da Divisa, Minas Gerais; agregados, em São Paulo e Rio de Janeiro, e rochas ornamentais, no Espírito Santo. [49]

Indústria

Embraer E-190, jato desenvolvido pela empresa Embraer que está sediada em São José dos Campos, interior paulista.
REPLAN, a maior refinaria em produção de petróleo da Petrobrás, localizada em Paulínia, estado de São Paulo.
CSN, no Rio de Janeiro.
Chocolates Garoto no Espírito Santo
Sede da EMS em São Paulo
Indústria química Braskem em São Paulo

Na região Sudeste iniciou-se a industrialização do país, tornando-se a indústria de transformação a principal divisa (dinheiro) e trabalho nos seus estados. O estado de São Paulo tornou-se o maior parque industrial da América do Sul.

A Região Sudeste concentra 53% do PIB industrial do Brasil.[50][51][52] [53]

As principais atividades industriais da região são:

  • Siderurgia e metalurgia: É nessa região que está localizada a primeira indústria do gênero, a CSN, na cidade de Volta Redonda, devido a proximidade com uma grande área mineralífera, o quadrilátero ferrífero, no estado de Minas Gerais. Também está instalada na região a Usiminas, em Ipatinga, que hoje é a maior produtora de aço bruto do país, e a Companhia Siderúrgica de Tubarão, Vitória, a 3º maior siderúrgica do Brasil. A Região Sudeste produz cerca de 90% do aço do país;

No Brasil, o setor automotivo representa cerca de 22% do PIB industrial.[54] A Região do Grande ABC(SP) é o primeiro centro e maior pólo automobilístico do Brasil. Quando a fabricação do país estava praticamente restrita ao ABC, o Estado respondia por 74,8% da produção brasileira em 1990. Em 2017, esse índice diminuiu para 46,6%, e em 2019, para 40,1%, devido a um fenômeno de interiorização da produção de veículos no Brasil, impulsionado por fatores como os sindicatos, que oneraram excessivamente a folha de pagamentos e os encargos trabalhistas, desencorajaram investimentos e favoreceram a busca por novas cidades. O próprio desenvolvimento das cidades do ABC ajudou a frear a atratividade, pelo aumentos de custos imobiliários, e maior adensamento de áreas residenciais. O Sul Fluminense (RJ) já foi o segundo maior pólo em 2017, mas em 2019 caiu para em 4º lugar, atrás do Paraná (15%) e de Minas Gerais (10,7%). No Sudeste existem fábricas da GM, Volkswagen, Fiat, Ford, Honda, Toyota, Mitsubishi, Nissan, Hyundai, Mercedes-Benz, Land Rover, Citroen/Peugeot, Scania e Iveco.[55][56][57]

Na produção de tratores, em 2017, os principais fabricantes do Brasil eram John Deere, New Holland, Massey Ferguson, Valtra, Case IH e a brasileira Agrale. Todos tem fábricas na região Sudeste, basicamente em São Paulo. [58]

  • Petrolífera: Quase todo o petróleo e gás natural do Brasil é extraído no Sudeste, principalmente no Rio de Janeiro, mas também no Espírito Santo e em São Paulo. A maior parte do refino de petróleo também é feita na região. O estado do Rio de Janeiro apresenta grande importância na prospecção de petróleo, enquanto que o estado de São Paulo apresenta uma grande importância na atividade de refino, estando localizado nesse estado as principais refinarias do país, dentre elas, a REPLAN (refinaria do planalto), de Paulínia, a maior do país. Além do petróleo, há a extração de gás natural da bacia de Santos e há até alguns anos atrás, havia a extração de betume no vale do Paraíba. O petróleo é explorado em plataformas continentais localizadas sobretudo na bacia de campos, no Rio de Janeiro (que produz 80% do petróleo consumido no Brasil). O Espírito Santo é atualmente o segundo maior produtor de petróleo do Brasil com reservas totais de 2,5 bilhões de barris; os campos petrolíferos capixabas se localizam tanto em terra quanto em mar, em águas rasas, profundas e ultraprofundas, contendo óleo leve e pesado e gás não associado.[59];

Na Indústria eletroeletrônica, o faturamento das indústrias do Brasil atingiu R$ 153,0 bilhões no ano de 2019, cerca de 3% do PIB nacional. O número de empregados no setor era de 234,5 mil pessoas. As exportações foram de US$ 5,6 bilhões, e as importações do país foram de US$ 32,0 bilhões. As importações concentram-se em componentes como processadores, microcontroladores, memórias, discos magnéticos sub montados, lasers, LED e LCD. Já cabos para telecomunicação e distribuição de energia elétrica, fios, fibras ópticas e conectores são fabricados no país. [60] O Brasil possui dois grandes polos de produção de eletroeletrônicos, localizados na Região Metropolitana de Campinas, no Estado de São Paulo, e na Zona Franca de Manaus, no Estado do Amazonas. Ali se concentram grandes empresas de tecnologia de renome internacional, e também parte das indústrias que participam de sua cadeia de suprimentos. O país possui ainda outros polos menores, como os municípios de São José dos Campos e São Carlos, no Estado de São Paulo; o município de Santa Rita do Sapucaí, no Estado de Minas Gerais; Recife, capital de Pernambuco; e Curitiba, capital do Paraná. Em Campinas há unidades industriais de grupos como General Electric, Samsung, HP e Foxconn, fabricante de produtos da Apple e Dell. São José dos Campos, é voltada à indústria de aviação. É ali que se encontra a sede da Embraer, companhia brasileira que é a terceira maior fabricante de aviões do mundo, depois da Boeing e da Airbus. Em Santa Rita do Sapucaí, 8 mil empregos estão vinculados ao setor, com mais de 120 empresas. A maioria produz equipamentos para o ramo das telecomunicações, como conversores (set-top Box), incluindo os utilizados na transmissão do sistema de TV digital. [61] Na produção de celulares e outros eletrônicos, a Samsung produz em Campinas-SP; a Multilaser produz em Extrema-MG; a LG produz em Taubaté-SP [62]; a Flextronics, que produz os celulares da Motorola, produz em Jaguariúna-SP[63]; e a Semp-TCL produz em Cajamar-SP. [64]

Na indústria de eletrodomésticos, as vendas de equipamentos da chamada "linha branca" foram de 12,9 milhões de unidades em 2017. O setor teve seu pico de vendas em 2012, com 18,9 milhões de aparelhos. As marcas que mais venderam foram Brastemp, Electrolux, Consul e Philips. A Brastemp é originária de São Bernardo do Campo-SP. [65] São Paulo também foi o local de fundação da Metalfrio.

No setor de eletroportáteis, a brasileira Arno esteve 70 anos em São Paulo, e hoje sua fábrica se localiza em Itatiaia, RJ.[66][67]

Outra indústria importante, sediada no Rio de Janeiro, é a White Martins, que lida com fabricação de gases industriais e medicinais, como cilindros de oxigênio. É fornecedora de todos os polos petroquímicos brasileiros e uma das maiores fornecedoras da indústria siderúrgica. A empresa tem também forte presença no setor metal-mecânico, de alimentos, bebidas, meio ambiente e no segmento de clientes de pequeno consumo, no setor médico-hospitalar e na área de gás natural.

O Brasil tinha em 2011 a 6º maior indústria química do mundo, com um faturamento líquido de US$ 157 bilhões, ou 3,1% do faturamento mundial. Nesta época, havia 973 fábricas de produtos químicos de uso industrial. Elas estão concentradas na Região Sudeste, principalmente em São Paulo. A indústria química contribuiu com 2,7% para o PIB brasileiro em 2012 e se estabeleceu como o quarto maior setor da indústria de transformação. Apesar de registrar um dos maiores faturamentos do setor no mundo, a indústria química brasileira, em idos de 2012 e 2013, assistiu a uma forte transferência da produção para o exterior, com queda da produção industrial nacional e avanço dos importados. Um terço do consumo no país era atendido por importações. 448 produtos deixaram de ser fabricados no Brasil entre 1990 e 2012. Isso resultou na paralisação de 1.710 linhas de produção. Em 1990, a participação dos produtos importados no consumo brasileiro era somente de 7%, em 2012 era de 30%. As principais empresas do setor no Brasil são: Braskem, BASF, Bayer, entre outras.[68] Em 2018, o setor químico brasileiro era o oitavo maior do mundo, respondendo por 10% do PIB industrial nacional e 2,5% do PIB total.[69] Em 2020, as importações passar a ocupar 43% da demanda interna por químicos. Desde 2008, o uso médio da capacidade da indústria química brasileira tem se situado em um patamar considerado baixo, variando entre 70 e 83%. [70]

Na Indústria farmacêutica, a maioria das empresas do Brasil estiveram por bastante tempo sediadas no Rio de Janeiro e em São Paulo. Em 2019, a situação era a de que, por conta das vantagens tributárias oferecidas em estados como Pernambuco, Goiás e Minas Gerais, as empresas estvam saindo de RJ e SP, e indo para estes estados. À época, as mais de 110 empresas associadas ao Sinfar-RJ caíram para apenas 49. O Rio de Janeiro, neste momento, representava o estado mais caro para a produção farmacêutica, com o seu ICMS a 20%. Mesmo asism, em 2019, o parque industrial carioca tinha faturamento de quase R$ 8 bilhões e uma participação de 11% no mercado farmacêutico brasileiro. No bairro de Jacarepaguá, existem várias indústrias farmacêuticas implantadas, como as da GSK, Roche, Merck, Servier e Abbott. [71] O Brasil foi considerado, em 2017, o sexto maior mercado farmacêutico do mundo. A comercialização de medicamentos em farmácias atingiu cerca R$ 57 bilhões (US$ 17,79 bilhões) no país. O mercado farmacêutico no Brasil contava com 241 laboratórios regularizados e autorizados para a venda de medicamentos. Desses, a maioria (60%) tem o capital de origem nacional. As empresas multinacionais detinham cerca de 52,44% do mercado, com 34,75% em embalagens comercializadas. Os laboratórios brasileiros representam 47,56% do mercado em faturamento e 65,25% em caixas vendidas. Na distribuição da venda de medicamentos por estado, São Paulo ocupava a primeira posição: a indústria de medicamentos paulista obteve um faturamento de R$ 53,3 bilhões, 76,8% do total de vendas em todo o território nacional. Logo atrás vinha o Rio de Janeiro, que faturou cerca R$ 7,8 bilhões. As exportações da indústria farmacêutica alcançaram US$ 1,247 bilhão em 2017. [72] As empresas que mais faturaram com a venda de remédios no país em 2015 foram EMS, Hypermarcas (NeoQuímica), Sanofi (Medley), Novartis, Aché, Eurofarma, Takeda, Bayer, Pfizer e GSK. [73]

O setor naval do Rio de Janeiro é um dos mais importantes do país, mas já teve duas grandes crises históricas: uma nos anos 1980, quando foi à bancarrota, e outra que se iniciou em 2014, ambas devido à conjuntura econômica do país: entre 2014 e 2016, a indústria naval brasileira perdeu 49% de seu pessoal ocupado. A queda de cerca de 30 mil vagas foi concentrada no estado fluminense, que fechou em torno de 23 mil postos de trabalho no mesmo período. De 31,2 mil ocupados em 2014, o número caiu para apenas 8 mil em 2016. O valor real bruto da produção industrial também caiu 71%, de R$ 6,8 bilhões, em 2014, para R$ 1,97 bilhões em 2016. [74][75] Porém, no final de 2019, a volta do pré-sal começou a re-impulsionar o setor naval: atividades de manutenção e reparo apontavam aumento de demanda para os próximos anos. [76]

No setor de papel e celulose, o Espírito Santo se destaca. Em 2018, foram U$ 920 milhões negociados na venda de celulose para o mercado externo, o 3º produto capixaba mais forte na balança de exportação. O Brasil é o 2º maior produtor de celulose do mundo e o 8º maior de papel. [77] Em 2016, os cinco principais estados produtores de madeira em tora para papel e celulose (principalmente eucalipto) foram: Paraná (15,9 milhões de m³), São Paulo (14,7 milhões de m³), Bahia (13,6 milhões de m³), Mato Grosso do Sul (9,9 milhões de m³) e Minas Gerais (7,8 milhões de m³). Juntos, eles correspondem a 72,7% da produção nacional de 85,1 milhões de m³. O Espírito Santo, 9º colocado, teve uma produção de 4,1 milhões de m³. São Mateus, no Norte do Espírito Santo, foi a cidade mais bem colocada do Sudeste, como o 6º maior município produtor de madeira em tora para papel e celulose no país. [78]

Na Indústria alimentar, Em 2019, o Brasil era o 2º maior exportador de alimentos industrializados do mundo, com um valor de U$ 34,1 bilhões em exportações. [79] O faturamento da indústria brasileira de alimentos e bebidas em 2019 foi de R$ 699,9 bilhões, 9,7% do Produto Interno Bruto do país. [80] Em 2015, o setor industrial de alimentos e bebidas no Brasil compreendia 34.800 empresas (sem contar as padarias), a grande maioria de pequeno porte. Estas empresas empregavam mais de 1.600.000 trabalhadores, tornando a indústria de alimentos e bebidas na maior empregadora da indústria de transformação. Existem por volta de 570 empresas de grande porte no Brasil, as quais concentram boa parte do faturamento total da indústria. As 50 maiores são: JBS, AMBEV, Bunge, BRF, Cargill, Marfrig, LDC do Brasil, Amaggi, Minerva Foods, Coca Cola Femsa, Aurora, Vigor, M.Dias Branco, Camil Alimentos, Solar.Br, Granol, Caramuru Alimentos, Bianchini, Copacol, Citrosuco, Três Corações Alimentos S.A., Itambé, Ajinomoto, Algar Agro, Piracanjuba, Vonpar, Agrex, Frimesa, GTFoods Group, Grupo Simões, Elebat Alimentos, Garoto, Pif Paf Alimentos, J. Macêdo, Frigol, Josapar, Olfar Alimento e Energia, Embaré, Alibem, Dalia Alimentos, Asa Participações, Cacique, Frisa, Arroz Brejeiro, Gomes da Costa, Pamplona, Moinhos Cruzeiro do Sul, Better Beef, SSA Alimentos e Correcta[81] A maioria delas tem sede ou atua no Sudeste Brasileiro. As multinacionais Coca Cola[82] e Nestlé[83] tem fábricas nos 4 estados do Sudeste. A AMBEV[84] só não tem fábrica no Espírito Santo. São Paulo criou empresas como: Yoki, Vigor, Minerva Foods, Bauducco [85], Santa Helena [86], Marilan [87], Ceratti [88], Fugini [89], Chocolates Pan[90], Embaré [91] entre outras. Além de possuir unidades de multinacionais como Pepsico [92], Cargill [93], Mars[94] e ter unidades fabris de empresas brasileiras como a J. Macêdo. [95] O Rio de Janeiro criou empresas como: Piraquê [96], Granfino [97], Rica Alimentos [98], Massas Cadore [99], CCPL, entre outras. [100] Minas Gerais sedia empresas alimentícias como a Itambé e a Pif Paf Alimentos[101], e o Espírito Santo sedia a famosa Chocolates Garoto.

No setor coureiro-calçadista (Indústria do calçado), em 2019 o Brasil produziu 972 milhões de pares. As exportações foram na casa de 10%, alcançando quase 125 milhões de pares. O Brasil está na 4º posição entre os produtores mundiais, atrás de China, Índia e Vietnã, e em 11º lugar entre os maiores exportadores. Dos pares produzidos, 49% eram de plástico ou borracha, 28,8% eram de laminado sintético e apenas 17,7% eram de couro. [102][103] O maior polo do Brasil fica no Rio Grande do Sul (região do Vale dos Sinos, ao redor de Novo Hamburgo), mas São Paulo tem polos calçadistas importantes, como o da cidade de Franca, especializado em calçados masculinos, na cidade de Jaú, especializado em calçados femininos e na cidade de Birigui, especializado em calçados infantis. Jaú, Franca e Birigui representam 92% da produção de calçados no Estado de São Paulo. Birigui tem 350 empresas, que geram cerca de 13 mil empregos, produzindo 45,9 milhões de pares por ano. 52% dos calçados infantis do país são produzidos nesta cidade. De Birigui vieram a maioria das fábricas mais famosas de calçados infantis do país, como: Klin, Pampili e Pé com Pé.[104] Jaú tem 150 fábricas que produzem cerca de 130 mil pares de calçados femininos por dia. Já o setor calçadista de Franca tem cerca de 550 empresas e emprega cerca de 20 mil funcionários. De São Paulo vieram a maioria das fábricas mais famosas de calçados masculinos do país, como: Vulcabrás[105], Alpargatas [106], Rainha[107], Rafarillo [108], Democrata [109], Ferracini [110], West Coast[111], Sândalo[112], entre outras. Minas Gerais tem um polo especializado em tênis e calçados baratos em Nova Serrana. A cidade tem cerca de 830 indústrias, que, em 2017, produziram cerca de 110 milhões de pares. Porém, de modo geral, a indústra brasileira vem sofrendo para concorrer com o calçado chinês, que é imbatível no preço devido à diferença na cobrança de impostos de um país para o outro, fora a inexistência dos pesados tributos trabalhistas brasileiros na China, e o empresário brasileiro vem tendo que de investir em produtos de valor agregado, aliando qualidade e design, para conseguir sobreviver. [113][114]

Na Indústria têxtil, o Brasil, apesar de estar entre os 5 maiores produtores do mundo em 2013, e ser representativo no consumo de têxteis e confecções, tem inserção no comércio global muito reduzida. As importações brasileiras figuraram, em 2015, como a 25ª maior no ranking (US$ 5,5 bilhões). E nas exportações, tinha somente a 40ª posição no ranking mundial. A participação do Brasil no comércio mundial de têxteis e confecções é somente de 0,3%, devido à dificuldade de competir em preço com os produtores da Índia e principalmente da China. O valor bruto da produção, que inclui o consumo de bens e serviços intermediários, da indústria têxtil brasileira correspondeu a quase R$ 40 bilhões em 2015, 1,6% do valor bruto da Produção Industrial do Brasil. O Sudeste tem 48,29% da produção, o Sul tem 32,65% e o Nordeste, 16,2%. Centro-Oeste (2,5%) e Norte (0,4%) são pouco representativos nessa atividade. São Paulo (37,4%) é o maior produtor. Minas Gerais tem 8,51% (3a maior produção do país, atrás de Santa Catarina). São 260 mil pessoas empregadas nesta atividade no país, 128 mil no Sudeste. Dentre os principais aglomerados têxteis do Brasil, destacam-se o Vale do Itajaí (SC), a Região Metropolitana de São Paulo (SP) e Campinas (SP). Juntas, essas três mesorregiões são responsáveis por 36% dos empregos formais dessa indústria. Haviam 2.983 empresas têxteis no Brasil em 2015. [115]

Ciência

Administração e Biblioteca do Instituto de Química da Unicamp, em Campinas.

A região abriga os três maiores polos de pesquisa e desenvolvimento do Brasil, representados pelas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Campinas, as quais respondem, respectivamente, por 28%, 17% e 10% da produção científica nacional – segundo dados de 2005.[116] A região é representada por grandes universidades, como a Universidade de São Paulo e a Universidade Estadual de Campinas, no Estado de São Paulo,[117] a Universidade Federal do Rio de Janeiro e a Universidade Federal de Minas Gerais, nos estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais, respectivamente.[118]

Transportes

Ponte Rio-Niterói, a maior ponte brasileira com quase 14Km de extensão, no Rio de Janeiro.
Porto de Santos, em Santos, o maior do Brasil.
Sistema rodoviário brasileiro, com as rodovias duplicadas destacadas em vermelho - dezembro de 2020

Por concentrar a metade da população brasileira e as cidades mais industrializadas e bem desenvolvidas do país, a região Sudeste é a que apresenta a mais alta taxa de urbanização e a melhor infraestrutura de transportes do Brasil.

Sua rede ferroviária, que se desenvolveu principalmente em função da expansão do café, representa praticamente a metade de todas as estradas de ferro do Brasil. O Sudeste conta ainda com cerca de 35% das rodovias, concentradas principalmente no estado de São Paulo e Minas Gerais. Algumas delas — Rodovia dos Imigrantes, Rodovia Castelo Branco e outras — são comparáveis às melhores e mais seguras da América do Sul e das Américas.

Nos últimos anos, entretanto, o decréscimo dos investimentos governamentais não tem permitido a ampliação da rede rodoferroviária e tem prejudicado a manutenção da já existente.[119]

O desenvolvimento industrial da região, associando a uma política francamente exportadora do governo federal, funcionou como alavanca da grande expansão portuária do Sudeste, onde Santos e Rio de Janeiro se projetam como os portos de maior movimento do país.[120]

A região é bem servida também por modernos e bem equipados aeroportos internacionais como Guarulhos, Congonhas, Galeão, Santos Dumont, Viracopos, Tancredo Neves (Confins) e Pampulha e por diversos aeroportos que atendem ao intenso tráfego aéreo doméstico e local. Por outro lado, a navegação fluvial é muito pouco explorada, embora haja trechos navegáveis em rios como o Tietê e o Paraná, para os quais há projetos de criação de uma hidrovia.

Encontra-se também na região Sudeste, o único trem de passageiros que liga diariamente duas capitais do Brasil, pela Estrada de Ferro Vitória a Minas, ligando a Grande Vitória e a Grande Belo Horizonte, passando por importantes cidades desses estados, como: Colatina no Espírito Santo e Governador Valadares em Minas Gerais.

Energia

Por estar concentrada quase metade da população nacional, além de estar concentrado o maior e mais diversificado parque industrial do país e de concentrar um amplo sistema de transportes, a região necessita de bastante energia. A maior parte da energia consumida na região (assim como acontece no país) é produzida por usinas hidrelétricas, como Furnas, Ilha Solteira, Três Marias, Marimbondo, Jupiá e outras; aproveitando-se do relevo acidentado e da presença de rios caudalosos. Uma parte da energia produzida na região vem das usinas termonucleares Angra I e Angra II.

Em 2013, o Sudeste respondia por cerca de 50% da carga do Sistema Integrado Nacional (SIN), sendo a principal região consumidora de energia do país. A capacidade instalada de geração de energia elétrica da região totalizava quase 42.500 MW, o que representava cerca de um terço da capacidade de geração do Brasil. A geração hidrelétrica representava 58% da capacidade instalada na região, sendo os 42% restantes basicamente correspondentes à geração termelétrica. São Paulo respondia por 40% dessa capacidade; Minas Gerais por cerca de 25%; o Rio de Janeiro por 13,3%; e o Espírito Santo pelo restante. Dentre as fontes renováveis para a geração termelétrica, destaca-se a biomassa da cana-de-açúcar, com mais de 6.300 MW de capacidade, distribuídos em mais 230 usinas. Dentre as fontes não renováveis, destacam-se o gás natural, com quase 6.300 MW, a geração termonuclear, com 2 mil MW, e os derivados de petróleo, com 1.100 MW. [121]

Turismo

Uma outra atividade econômica importante na região é o turismo. É nessa região que se localizam vários dos pontos turísticos mais visitados do país. O Rio de Janeiro é mundialmente conhecido por suas belas praias e pelo carnaval, além de ser um grande centro cultural. São Paulo, conhecida internacionalmente, é o maior centro financeiro do Brasil, e conta também com diversos centros culturais e de entretenimento. Em Minas Gerais, localizam-se as mais importantes cidades históricas do Brasil, como Ouro Preto, Tiradentes e Diamantina. O Espírito Santo atrai milhares de turistas todos os anos devido a suas praias e regiões de montanhas.

Cultura

Ouro Preto foi a primeira cidade brasileira a ser declarada pela UNESCO como Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade.

A cultura sudestina tem origem portuguesa, mas é influenciada por várias outras culturas. As diversas colônias de imigrantes, com destaque para os italianos e japoneses, também têm forte influência. A influência indígena e africana são marcadas na música e na culinária da região.

Danças, festas e música

As festas típicas da região são marcadas pela influência africana, como as congadas, a festa do Divino Espírito Santo, reisados, lundus, sambas etc. Além disso, a cultura caipira é muito presente no interior dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo.

A região Sudeste brasileira também destaca-se por conter um grande número de bandas de heavy metal. Uma das principais cenas do metal mundial foi originada nos estados de São Paulo e Minas Gerais, de onde surgiram bandas como Sarcófago, Sepultura, Angra, Dr. Sin, Viper, Torture Squad, Korzus, Vulcano, Shaman e Overdose.[122][123]

Culinária

A culinária sudestina é muito rica e diversa, variando de estado para estado.
Espírito Santo (estado) O Espírito Santo tem uma gastronomia à parte, onde os envolvidos se orgulham de cada detalhe, um exemplo de prato típico é a moqueca, apelidada de Moqueca Capixaba, pois seus ingredientes e modos de preparo se diferenciam dos demais nesse Estado, é costumeiramente servida em panelas de barro, um ícone da cozinha capixaba. Outro destaque é a torta capixaba, preparada com vários frutos do mar, como siri desfiado, camarão, ostra e sururu, além de bacalhau e palmito.[124]
Minas Gerais Minas Gerais tem uma das cozinhas mais expressivas do país, incluindo pratos como o pão de queijo, tutu de feijão, feijão tropeiro, bolo de fubá, angu, feijoada, frango com quiabo e etc.
Rio de Janeiro No Rio de Janeiro a comida típica é a feijoada, e as poucos conhecidas como a Sopa Leão Veloso, e o Filé à Osvaldo Aranha.
São Paulo São Paulo possui o virado à paulista, a carne de panela, a Coxinha, o afogado, o cuscuz paulista, o mousse de café, o Pastel e o quentão,[125] além das contribuições das comunidades de imigrantes que mantiveram seus hábitos alimentares, como os orientais, italianos, portugueses e norte-americanos. O prato mais consumido em São Paulo é a pizza.[126] Uma curiosidade é o beijinho, doce que hoje é feito com leite condensado e coco, era sobremesa servida às moças pelas futuras sogras e levava ovos na sua receita original.[127]

Religião

Vista aérea do Convento da Penha, construído em 1568 na cidade de Vila Velha, um símbolo capixaba.

Devido à influência portuguesa, a maior parte da população professa a fé católica, embora há crescentes aderentes do protestantismo e, em menor medida, seguidores do judaísmo, budismo, islamismo, espiritismo e religiões afro-brasileiras.

Ver também

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage
Wikidata Base de dados no Wikidata

Referências

  1. «Área Territorial Brasileira». Resolução nº 1 da Presidência do IBGE, de 15/01/2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 15 de janeiro de 2013. Consultado em 11 de setembro de 2014 [ligação inativa]
  2. «Estimativa da População Residente Segundo as Unidades da Federação e Municípios em 2018». IBGE em 28 de agosto de 2018. Consultado em 26 de abril de 2019 
  3. a b IPEA -Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. «Evolução do IDHM e de Seus Índices Componentes no período de 2012 a 2017 - Publicado em 2019 - Página 25 - Gráfico 7» (PDF). Consultado em 26 de abril de 2019 
  4. «Produto Interno Bruto, Produto Interno Bruto per capita e população residente segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação - 2010.» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 8 de setembro de 2013. Consultado em 8 de setembro de 2013 
  5. «Produto Interno Bruto, Produto Interno Bruto per capita e população residente segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação - 2011». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 14 de dezembro de 2013 
  6. «Sudeste concentra 55,2% do PIB do país, diz IBGE». Consultado em 2 de outubro de 2017 
  7. «Contas Regionais: de 2010 a 2013, PIB do Mato Grosso acumula a maior alta (21,9%) entre todos os estados». Comunicação Social. 19 de novembro de 2015. Consultado em 25 de julho de 2016 
  8. a b {citar web |url=ftp://ftp.ibge.gov.br/Pib_Municipios/2010_2013/analises.pdf |titulo=PIB per capita |ultimo1= |primeiro1= |ultimo2= |primeiro2= |data=1° de julho de 2013 |formato= |obra= |publicado= |acessodata= |citacao=}
  9. «Complexo portuário do ES é o maior da América Latina». Folha Vitória. Consultado em 19 de julho de 2016 
  10. a b http://www.bullatour.com.br/destinos/nacionais/regiao-sudeste
  11. Clarice Spitz (25 de maio de 2007). «População urbana vai de 31% para 81% em 60 anos, aponta IBGE». Folha de S.Paulo. Consultado em 29 de junho de 2009 
  12. FRANCISCO, Wagner De Cerqueria (ed.). «METRÓPOLES BRASILEIRAS». Brasil Escola. Consultado em 25 de julho de 2016 
  13. «Ministério das Relações Exteriores». Arquivado do original em 29 de junho de 2007 
  14. IPEA -Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. «Evolução do IDHM e de Seus Índices Componentes no período de 2012 a 2017» (PDF). Consultado em 26 de abril de 2019 
  15. «Ranking IDHM Municípios 2010». Consultado em 25 de julho de 2016 
  16. Alvares, C. A., Stape, J. L., Sentelhas, P. C., de Moraes, G., Leonardo, J., & Sparovek, G. (2013). «Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, 22(6), 711-728.». Consultado em 31 de março de 2014 
  17. UOL. «Sudeste será região mais afetada por desmate da Amazônia, diz líder do IPCC» 
  18. «10/08 – Sudeste, rumo à desertificação.» 
  19. Wing Costa. «Imóveis de Vitória e Vila Velha têm os metros quadrados mais caros do país». Gazeta Online. Consultado em 19 de julho de 2016 
  20. ftp://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/Estimativas_2017/estimativa_TCU_2017_20180207.pdf
  21. «A Povoação das Américas - História da Povoação das Américas». Consultado em 29 de junho de 2009 
  22. «Entradas e Bandeiras. Acessado em 2009-06-29.» 
  23. «Para curar a pobreza": índios e mamelucos na expansão bandeirante. Acessado em 2009-06-29.» 
  24. https://web.archive.org/web/20080309054644/http://paginas.terra.com.br/educacao/br_recursosminerais/1494_1803.html. Arquivado do original em 9 de março de 2008  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  25. Venâncio, Renato Pinto. IBGE, ed. Presença portuguesa: de colonizadores a imigrantes. [S.l.: s.n.] Consultado em 29 de junho de 2009. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2013 
  26. a b Reis, João José. «A presença negra: encontros e conflitos». In: IBGE. Brasil : 500 anos de povoamento. [S.l.: s.n.] Consultado em 29 de junho de 2009 
  27. «FAMS de Santos discute chegada da família real em 1808». Prefeitura Municipal de Santos. 8 de dezembro de 2008. Consultado em 30 de junho de 2009 
  28. «Capítulo cruel da realeza». RJTV. 10 de novembro de 2007. Consultado em 30 de junho de 2009 
  29. «As marcas dos alemães no Espírito Santo». DW-World.de. Consultado em 30 de junho de 2009 
  30. «A Cidade no Tempo do Império (1822-1889)». São Paulo 450 anos. Consultado em 30 de junho de 2009. Arquivado do original em 14 de julho de 2009 
  31. «Vita mia». Ecco.com.br. Consultado em 29 de junho de 2009. Arquivado do original em 7 de abril de 2009 
  32. a b Carvalho, Roberto. «Pelos mesmos direitos do imigrante». Observatório da Imprensa. Consultado em 29 de junho de 2009. Arquivado do original em 12 de março de 2008 
  33. «Bolsa Família causa migração de retorno». Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade. 12 de novembro de 2006. Consultado em 29 de junho de 2009. Arquivado do original em 16 de março de 2008 
  34. «PNAD» (PDF) (em Portuguese). 2006. Consultado em 14 de agosto de 2007 
  35. a b http://www.iemi.com.br/o-31o-maior-centro-financeiro-da-america-latina/
  36. http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2014/01/avenida-paulista-e-eleita-o-grande-simbolo-de-sao-paulo.html
  37. Fontes, Stella (2 de Fevereiro de 2017). «Produção brasileira de celulose cresce 8,1% em 2016». Valor Econômico. Consultado em 16 de Agosto de 2017 
  38. «VCP e Aracruz formam maior empresa do mundo em celulose». Economia (Terra). Consultado em 8 de março de 2011. Arquivado do original em 6 de julho de 2011 
  39. Agricultura do Brasil em 2018, pela FAO
  40. Produção de leite cai 0,5% e totaliza 33,5 bilhões de litros em 2017
  41. As cidades brasileiras com o maior número de aves
  42. Anuário Mineral Brasileiro 2018
  43. Brasil extrai cerca de 2 gramas de ouro por habitante em 5 anos
  44. Votorantim Metais adquire reservas de zinco da Masa
  45. Nióbio: G1 visita em MG complexo industrial do maior produtor do mundo
  46. Algumas Gemas Clássicas
  47. Maior pedra de água-marinha é brasileira e ficará exposta nos EUA
  48. MINERAÇÃO DE METAIS E PEDRAS PRECIOSAS
  49. O peso da mineração na Região Sudeste
  50. Perfil da industria de São Paulo
  51. Perfil da industria do Rio de Janeiro
  52. Perfil da industria de Minas Gerais
  53. Perfil da industria de Espírito Santo
  54. Setor Automotivo
  55. O novo mapa das montadoras
  56. Indústria automobilística do Sul do Rio impulsiona superavit na economia
  57. Sem cortar direitos, Paraná se torna o segundo maior polo automotivo do Brasil
  58. Produção de tratores no Brasil
  59. «Petróleo no ES». SEDES. Consultado em 8 de março de 2011. Arquivado do original em 14 de junho de 2009 
  60. Desempenho do Setor - DADOS ATUALIZADOS EM ABRIL DE 2020
  61. A indústria eletroeletrônica do Brasil – Levantamento de dados
  62. Fábricas de celulares no Brasil adotam medidas para não parar em meio a pandemia
  63. Fabricante da Motorola mantém operação reduzida por conta de coronavírus e reveza férias coletivas
  64. SEMP TCL
  65. Um setor em recuperação
  66. «Arno vai fechar fábrica instalada há 70 anos no bairro da Mooca, em SP». Negócios. 14 de abril de 2016 
  67. «Fábrica da Arno anuncia fim das atividades no bairro da Mooca | Memória». VEJA SÃO PAULO 
  68. Indústria Química no Brasil
  69. Estudo de 2018
  70. Produção nacional da indústria de químicos cai 5,7% em 2019, diz Abiquim
  71. Rio de Janeiro: por que a indústria farmacêutica não o quer?
  72. Saiba como está a competição no mercado farmacêutico brasileiro
  73. Roche investe R$ 300 milhões na fábrica do Rio de Janeiro
  74. Em 2 anos, indústria naval perde quase metade do pessoal ocupado no Brasil
  75. Setor naval afunda
  76. Volta do pré-sal impulsiona setor naval
  77. Made in Espírito Santo: celulose capixaba é usada em papel até do outro lado do mundo
  78. São Mateus é o 6º maior produtor de madeira em tora para papel e celulose no país, diz IBGE
  79. Faturamento da indústria de alimentos cresceu 6,7% em 2019
  80. https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2020-02/industria-de-alimentos-e-bebidas-faturaram-r-6999-bi-em-2019
  81. A indústria de alimentos e bebidas na sociedade brasileira atual
  82. Fábricas da Coca Cola
  83. Fábricas da Nestlé
  84. Fábricas da AMBEV
  85. Sede e fábrica em Guarulhos
  86. Fábrica de amendoim Santa Helena
  87. Fábrica da Marilan
  88. Fábrica da Ceratti
  89. Fábrica da Fugini
  90. Pan
  91. Embaré
  92. Fábricas da Pepsico no Brasil
  93. Cargill no Brasil
  94. Mars
  95. Ranking das 100 Maiores Empresas de alimentos em São Paulo
  96. Piraquê
  97. Granfino
  98. Rica
  99. Endereço Cadore
  100. Ranking das 100 Maiores Empresas de alimentos Rio de Janeiro
  101. PifPaf
  102. Produção de calçados deve crescer 3% em 2019
  103. Abicalçados apresenta Relatório Setorial 2019
  104. Birigui e suas fábricas
  105. Histórico da Vulcabrás
  106. História da Alpargatas
  107. Histórico da Rainha]
  108. Rafarillo
  109. Democrata
  110. Ferracini]
  111. West Coast
  112. Sândalo
  113. Saiba quais são os principais polos calçadistas do Brasil
  114. Industrias calcadistas em Franca SP registram queda de 40% nas vagas de trabalho em 6 anos
  115. Industria Textil no Brasil
  116. «Unicamp – Assessoria de Comunicação e Imprensa 17 de Junho de 2005». Arquivado do original em 17 de junho de 2008 
  117. Bermúdez, Ana Carla (20 de Julho de 2017). «Unicamp passa USP e é melhor universidade da América Latina, aponta ranking». UOL Notícias. Consultado em 16 de Agosto de 2017 
  118. Pati, Camila (7 de Julho de 2016). «As 15 melhores universidades do Brasil em 2016». EXAME. Consultado em 16 de Agosto de 2017 
  119. «Por que o transporte ferroviário é tão precário no Brasil?». SuperInteressante. 31 de Outubro de 2016. Consultado em 16 de Agosto de 2017 
  120. «ANTAQ apresenta Anuário Estatístico Aquaviário 2016». Agência Nacional de Transportes Aquaviários. 23 de Fevereiro de 2017. Consultado em 16 de Agosto de 2017 
  121. O BNDES e a questão energética e logística da Região Sudeste
  122. Barcinski & Gomes 1999, page 131.
  123. Wolf-Rüdiger Mühlmann: War Black Metal: Die Extremsten der Extremen. Was bleibt, ist Schutt und Asche. In: Rock Hard, no. 279, pp. 71-73.
  124. «CULINÁRIA CAPIXABA». Consultado em 25 de julho de 2016 
  125. http://www.tudook.com/receitasbrasileiras/culinaria_paulista.html
  126. http://www.caminhandojunto.com.br/2009/07/consumo-de-pizza-em-sao-paulo-so-perde.html
  127. http://brasilatual.com.br/sistema/?p=992[ligação inativa]