Serra do Espinhaço

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Serra do Espinhaço
Serra do Espinhaço vista da Lapinha da Serra
Serra do Espinhaço está localizado em: Minas Gerais
Serra do Espinhaço
Localização da Serra do Espinhaço em Minas Gerais.
Coordenadas 17° 41' 39.9" S 43° 46' 59.9" O
Altitude 2 072 m
Proeminência
Cume-pai: Pico do Sol, MG, 2.072 m
Localização  Minas Gerais e Bahia Bahia Brasil Brasil

A serra do Espinhaço é uma cadeia montanhosa localizada no planalto Atlântico, estendendo-se pelos estados de Minas Gerais e Bahia. Seus terrenos são do Proterozoico e contêm jazidas de ferro, manganês, bauxita e ouro.

História[editar | editar código-fonte]

Foi principalmente ao longo da serra do Espinhaço e do Quadrilátero Ferrífero que ocorreu a mineração no período colonial. Em consequência, os núcleos urbanos mais importantes se formaram, como Ouro Preto, Sabará, Serro e São João Del Rei.[1]

Seu nome foi dado pelo geólogo alemão Wilhelm Ludwig von Eschwege no século XIX.[2][3] É responsável pela divisão entre as redes de drenagem do rio São Francisco e as redes de drenagem dos rios que correm diretamente para o oceano Atlântico. É considerada reserva mundial da biosfera, por ser uma das regiões mais ricas do planeta, graças sua grande diversidade biológica.

Em 2005 foi reconhecida a Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço, com uma área de 30 700 km², devido à sua grande diversidade de recursos naturais.[4]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Serra do Espinhaço em Diamantina

A serra do Espinhaço pode ser considerada a única cordilheira do Brasil, pois é singular em sua forma e formação. Há mais de um bilhão de anos em constante movimento, é uma cadeia de montanhas bastante longa e estreita, entrecortada por picos e vales.[carece de fontes?]

Tem cerca de 1000 quilômetros de extensão, no sentido latitudinal do Quadrilátero Ferrífero, ao Norte de Minas e, depois de uma breve interrupção, alcança a porção sul da Bahia. Todo esse percurso apresenta uma diferença mínima de longitude, ou seja, sua largura varia apenas entre 50 e 100 km. Entre os municípios que são cortados pela Serra do Espinhaço estão Ouro Branco, Ouro Preto, Catas Altas, Caeté, Serro, Diamantina, Botumirim, Grão Mogol, Itacambira, Porteirinha, Mato Verde, Espinosa, Olhos-d'Água, e Monte Azul.[carece de fontes?]

O ponto mais alto da serra é o Pico do Sol com 2.072 metros acima do nível do mar, localizado no Parque Natural do Caraça no município de Catas Altas, estado de Minas Gerais, parque que ainda abriga o Pico do Inficionado (2.068 m), o Pico da Carapuça (1.955 m), e o Pico da Canjerana (1.890 m). Além desses, a serra ainda abriga outros picos famosos como o Pico do Itambé (2.002 m)[5] e o Pico do Itacolomi (1.772 m), também em Minas Gerais.

Vista panorâmica da Serra do Caraça, em que podem ser notados o Pico da Carapuça, Beiço do Diabo e Pico do Sol

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Moss, Marina C; Almeida, Thiago L (2014). «Paisagem e fotografia documental, uma reflexão sobre o patrimônio cultural da Serra do Espinhaço: Projeto Mulheres Sempre Vivas» (PDF). Terceiro Colóquio Ibero-americano Paisagem Cultural, Patrimônio e Projeto. Belo Horizonte: Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais. Consultado em 4 de junho de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 26 de maio de 2015 
  2. Renger, Friedrich E. (2005). «O "QUADRO GEOGNÓSTICO DO BRASIL" DE WILHELM LUDWIG VON ESCHWEGE: BREVES COMENTÁRIOS À SUA VISÃO DA GEOLOGIA NO BRASIL». Geonomos. ISSN 2446-6964. doi:10.18285/geonomos.v13i1e2.139. Consultado em 3 de junho de 2022 
  3. serra do Cipó, o jardim rochoso de Minas Arquivado em 20 de fevereiro de 2010, no Wayback Machine. Superinteressante, acessado en 5 de janeiro de 2010
  4. «Rede Brasileira de Reservas da Biosfera» (PDF). Brasília: Ministério do Meio Ambiente. 2016. p. 11. Consultado em 4 de junho de 2022 
  5. «Parque Estadual do Pico do Itambé». Instituto Estadual de Florestas. Consultado em 20 de maio de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]