Caeté

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Caeté
"Caeté"
Vista Parcial de Caeté

Vista Parcial de Caeté
Bandeira de Caeté
Brasão de Caeté
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 14 de fevereiro de 1714
Gentílico caeteense
CEP 34800-000
Prefeito(a) José Geraldo de Oliveira Silva (PDT[1] )
(2013–2016)
Localização
Localização de Caeté
Localização de Caeté em Minas Gerais
Caeté está localizado em: Brasil
Caeté
Localização de Caeté no Brasil
19° 52' 48" S 43° 40' 12" O19° 52' 48" S 43° 40' 12" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Metropolitana de Belo Horizonte IBGE/2008 [2]
Microrregião Belo Horizonte IBGE/2008 [2]
Região metropolitana Belo Horizonte
Municípios limítrofes Nova União, Taquaraçu de Minas, Raposos, Rio Acima, Santa Bárbara, Barão de Cocais, Bom Jesus do Amparo, Sabará
Distância até a capital 35 km
Características geográficas
Área 541,094 km² [3]
População 40 786 hab. IBGE/2010[4]
Densidade 75,38 hab./km²
Altitude 945,36 m
Clima Tropical de altitude
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,789 alto PNUD/2000 [5]
PIB R$ 235 769,777 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 5 802,28 IBGE/2008[6]
Página oficial

Caeté é um município da Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais, no Brasil. De acordo com o censo realizado pelo IBGE em 2010, sua população é de 40 750 habitantes.[4]

É neste município que se encontra a Serra da Piedade. No alto, há um santuário católico que recebe romeiros. No mesmo lugar, funciona o Observatório Astronômico Frei Rosário, da Universidade Federal de Minas Gerais. Além disso a cidade possui um time de futebol, o Real de Caeté.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Caeté", em língua tupi, significa "mato verdadeiro", através da junção dos termos ka'a ("mato") e eté ("verdadeiro")[7] . Sua denominação anterior era Villa Nova da Rainha.

História[editar | editar código-fonte]

AS PRIMEIRAS entradas que desbravaram o planalto mineiro se realizaram no início do século XVII destacando-se a de André de Leão, as nascentes do rio São Francisco (1601-1602), e a de Nicolau Barreto a bacia do rio das Velhas (1602). A primeira a devassar a região de Caeté teria sido a de Lourenço Caetano Taques, como o indica a Carta Régia datada de 23 de março de 1664, ao louvar Taques pelos serviços prestados na descoberta das "Minas de Cataguás" e dos "Sertões de Caeté". Deve-se fixar o ano de 1663, ou talvez o de 1662, como o da penetração de Taques na região caetèense. A Taques, sucedeu na exploração do sertão de Caeté, Antônio Rodrigues Arzão, que conseguiu extrair de seu solo apreciável quantidade de ouro e que, ao abandonar a região. Iegou a um cunhado, Bartolomeu Bueno, os seus descobertos. Estas entradas foram precursoras das bandeiras, expedições que completaram o desbravamento de toda região planaltina mineira, deixando sua marca não só em suas linhas de penetração, mais tarde transformadas em caminhos e estradas, como ainda no estabelecimento de pousos, origem, muitas vezes. de futuros núcleos de população. A mais importante para a região planaltina mineira, foi a de Fernão Dias Pais - o caçador de esmeraldas - que esquadrinhou os sertões durante sete anos (1674-1681), abriu inúmeros caminhos e a primeira ligação sul-norte entre São Paulo e a Bahia, antes de falecer as margens do rio das Velhas, em 1681. A exploração da zona deste rio e do Caeté - encosta ocidental do Espinhaço - iniciou-se quando Manuel de Borba Gato fundou, no sertão de Saburuçu, um arraial que daria origem a futura Vila (Real de Nossa Senhora da Conceição) de Sabará. A primeira bandeira a pisar o solo do atual Município teria sido a do paulista Leonardo Nardez (1701), que é citado pelo naturalista, geólogo e engenheiro de minas, Guilherme von Eschwege, em sua obra "Pluto Brasiliensis", como "descobridor de Caeté". Também o historiador Rodolfo Jaco; diz: "subindo pelo rio Sabará ao longo da serra alcantilada e depois por um dos seus galhos, Nardez e seus companheiros encontrando boa pista, vieram pousar entre colinas plácidas a margem de um ribeirão, cuja fonte próxima depararam a boca da mata espessa (Caeté), que orlava então a encosta da serra divisória do rio Doce. Daí, o nome dado ao regato pelos índios ou pelos próprios invasores e, por estes, depois ao pequeno arraial que levantaram." Não tardou muito que a descoberta de ouro em Caeté se fizesse conhecida em toda Colônia e atraísse levas de paulistas e forasteiros do litoral brasileiro e do Reino, vindos sobretudo da Bahia pelo rio São Francisco, ficando o arraial já em 1704 muito povoado. Entre os seus primeiros povoadores, citam-se Frei Simão de Santa Teresa, que deu início, em 1704, a construção da igreja do Rosário; e Manuel Nunes Viana, estabelecido no sopé da serra da Piedade, onde extraiu 50 arrobas de ouro, riqueza igual a que Borba Gato acumulara em Sabarabuçu (Sabará). O reinol, Nunes Vieira, foi propagador da Chamada "guerra dos emboabas" no arraial de Caeté, chegando em 1708 a guindar-se a liderança do movimento e proclamar-se "ditador supremo das Minas". O regime rebelde só teve fim em 1709. Pacificada as Minas Gerais, Caeté evoluiu rapidamente, sendo elevada a Vila Nova da Rainha do Caeté em 1714. Ainda repercutiam as solenidades da instalação da nova Vila, quando o povo do Morro Vermelho e da Vila se rebelou, em 1715, contra a cobrança do quinto do ouro por bateia , recomendada em tres cartas régias de novembro de 1714, processo fiscal vexatório que irritou o povo oprimido.

Sufocado o levante do Môrro Vermelho, a Vila Nova da Rainha caiu em sensível desânimo, em parte devido às usurpações da Metrópole, mas principalmente em decorrência da exaustação dos aviões auríferos. Em 1833, em conseqüência de sua participação na revolta militar de Ouro Preto, Caeté teve seus foros de vila suprimidos, só restaurados em 1840, com a denominação de Caeté. O Município renasceu econômicamente com o aparecimento da indústria no final do século passado, que se vem desenvolvendo nas últimas décadas. Formação Administrativa e Judiciária O MUNICÍPIO de Vila Nova da Rainha foi criado a 29 de janeiro de 1714, e instalado a 14 do mês seguinte. Por força da Resolução de 30 de junho de 1833, o Município foi suprimido. Restaurou-o, porém, com a denominação atual, a Lei provincial n. 171, de 23 de março de 1840. Em 25 de novembro de 1865, pela Lei provincial n. 1 258, a Vila de Caeté foi elevada à categoria de cidade. Pela Lei n. 2 764, de 30 de dezembro de 1962, ficou o Município composto dos distritos de Caeté (sede), Antônio dos Santos, Morro Vermelho, Penedia e Roças Novas, por ter perdido os distritos de Taquaruçu e União de Caeté, que ganharam autonomia administrativa. A Comarca, de 3.ª entrância, foi criada pela Lei n.º 11, de 13 de novembro de 1891, com um só termo compreendendo atualmente também os municípios de Taquaraçu de Minas e José de Melo.

A história de Caeté teve início no ciclo do ouro, guardando importantes episódios, como a Guerra dos Emboabas.

Parte do patrimônio artístico e arquitetônico que remonta a esse passado encontra-se ainda bem conservado. Como exemplo disso, temos a Igreja de Nossa Senhora do Bom Sucesso, a primeira de Minas Gerais construída em alvenaria de pedra, uma das belas obras do barroco e do rococó. Outras boas opções são os museus Regional e Casa João Pinheiro (Solar do Tinoco), do século XVIII.

Turismo de Aventura[editar | editar código-fonte]

A cidade apresenta grande potencial para a prática de turismo de aventura, tendo grande tradição no arvorismo. Foi citada pela Revista Veja como um dos nove principais destinos do Brasil para a prática de esportes radicais.[8]

Há também vários distritos na cidade que oferecem boas opções de turismo. No Distrito de Morro Vermelho existe a Cachoeira de Santo Antônio, com uma queda de aproximadamente 10 metros. Vale a pena conferir.

Pontos Turísticos[editar | editar código-fonte]

  • Serra da Piedade
  • Cachoeira de Santo Antonio
  • Ruínas da igreja de São Gonçalo
  • Morro Serrote
  • Ponte do Funil
  • Serra do Gandarela
  • Solar do Tinoco(Casa João Pinheiro)
  • Igreja Matriz Nossa Senhora do Bom Sucesso
  • Igreja do Rosário
  • Pelourinho

Bairros[editar | editar código-fonte]

  • Americano
  • Bela Vista
  • Bonsucesso
  • Barro Preto(São Francisco)
  • Centro
  • Cidade Jardim
  • Charneaux
  • Córrego Machado
  • Deschamps
  • Dom Carmelo
  • Europeu
  • Emboabas
  • José Brandão
  • Jardim Bandeirantes(Pombal)
  • Mórgan
  • Pedra Branca
  • Pito Aceso
  • Quitandinha
  • Santo Antônio
  • Santa Fructuosa
  • São Geraldo
  • Vila das Flores
  • Vila Zelinda
  • Vista da Serra

Distritos[editar | editar código-fonte]

  • Antônio do Santos
  • Morro Vermelho
  • Penedia
  • Roças Novas

Referências

  1. http://webdemocracia.com/politicos/2172
  2. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  3. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  4. a b Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  6. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
  7. http://www.fflch.usp.br/dlcv/tupi/vocabulario.htm
  8. VEJA on-line - Na onda da aventura

Povoados[editar | editar código-fonte]

  • Posses
  • Água Limpa
  • Rancho Novo

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Minas Gerais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.